terça-feira, outubro 31, 2006

De um leitor

É realmente necessário estabelecer uma cooperação mais estreita entre Timor-leste e países da ACP e a Comunidade Europeia.

É preciso contrapor o poder um país tão forte como a Austrália com outras entidades, sobretudo outra que dispõe de uma força razoável como é a União Europeia.

Bem hajam o Parlamento Nacional e todas as iniciativas, cada vez mais enérgicas, para devolver o Timor aos Timorenses restaurando a sua soberania e sua legitimidade democrática na sua totalidade!


"Drogas" em Timor-Leste

Tradução da Margarida.

De um leitor:

Nunca tinha havido relatos do vício de drogas em Timor-Leste antes nem se alguma vez existira. No passado, soube-se de filhos de muitos funcionários públicos Timorenses que estiveram em postos importantes do governo no tempo dos Indonésios, que estiveram envolvidos com drogas como a cocaína e a heroína. Mas esses jovens viviam na sua maioria em Jawa e muitos nem nunca vieram para Timor-Leste, nem mesmo para uma visita.

Em 1999 contudo os militares Indonésios introduziram uma droga chamada "anjing gila" (lit. cão doido), Era dada a membros das milícias antes de partiram para turbulências de assassinatos, violações, pilhagens e saques. Descobriu-se que esta droga era a meta anfetamina, mais vulgarmente conhecida como “gelo”. O “gelo” pode ser fabricada facilmente no quintal.

Depois da retirada das milícias e dos seus patrões da TNI em 1999, esta droga desapareceu também. Mas em Abril deste ano, testemunhas relataram que esta droga tinha voltado. Há gente que afirma que pistas desta droga foram encontradas em Maliana, bem como uma instalação para o seu fabrico grosseiro.

Algumas pessoas também descreveram que os jovens que em Abril deste ano em Dili entraram nos distúrbios, se comportavam literalmente como os milícias em 1999. Pareciam que como eles, estavam sob a influência da anjing gila. Algumas testemunhas também reconheciam algumas das pessoas envolvidas como tendo sido membros das antigas milícias pró-Indonésias.

É importante estabelecer se esta droga existe em Timor-Leste e se está a ser usada. É ainda mais importante descobrir as pessoas responsáveis por tornarem disponível esta droga e para que propósito.


Notícias - em inglês

UNMIT - 31 October 2006

High-Level Team Arrives In Timor To Prepare For 2007 Elections

A high-level international team overseeing the integrity of Timor-Leste’s 2007 presidential and parliamentary elections has arrived in Dili this week on its first mission ahead of next year’s polls. The Electoral Certification Team members are Reginald Austin (Zimbabwe), Lucinda Almeida (Portugal), and Michael Maley (Australia). They were appointed by UN Secretary-General Kofi Annan on October 13th.

The team’s visit marks the first in a series over the coming months. Its job will be to assess that the overall election process is proceeding in accordance with the Constitution, laws, and internationally accepted electoral standards. Among issues it will examine are the electoral environment, the legal framework, electoral authorities, voter registration, political party and candidate registrations, the campaign period, polling day activities, ballot tabulation procedures, and adjudication of challenges.

The certification team will work independently of the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste, and will submit its findings and recommendations to the Secretary-General and the Timor-Leste authorities. The reports and recommendations of the team will be made public in a timely fashion. UNMIT will provide logistical and administrative support.

Details of the three certification team members are as follows:

Mr. Reginald Austin - Mr. Austin has been an independent electoral consultant since 1992. He served as Chief Electoral Officer in UNTAC (Cambodia), UNOMSA (South Africa) and UNAMA (Afghanistan), in addition to other shorter UN missions where he was a consultant. He has also conducted several technical and observation missions on behalf of the Commonwealth Secretariat. Mr. Austin is the team coordinator.

Lucinda Almeida - Ms. Almeida is on leave from her position as Director of Procedures and the Secretariat of the Parliament of Portugal. She is the former Director General of Elections of Portugal, and she has conducted several UN missions (Angola, Mozambique, Sao Tome and Principe) and EU missions (Cape Verde, Guinea-Bissau, Nigeria and South Africa). Ms. Almeida has participated in cooperation missions in several Portuguese speaking countries, including Timor-Leste.

Michael Maley - Mr. Maley is on leave from his position as Director of the International Services Section of the Australian Electoral Commission (AEC). He served in several UN missions, including Cambodia, Eastern Slavonia, Namibia, South Africa, Western Sahara, and Timor-Leste (were he was an International Commissioner in 2001). He has also conducted several other cooperation missions on behalf of the AEC in several countries in the region.


ABC - Tuesday, October 31, 2006. 11:02am (AEDT)

Dili rumours making peacekeepers' work difficult

The Australian Federal Police (AFP) say rumour mongering in the East Timorese capital of Dili is making the work of Australian peacekeepers difficult.

Gang violence in East Timor has resulted in 10 deaths in the last week.

Youth workers have told the ABC illicit drugs are causing major problems among the nation's youth.

AFP Commander Steve Lancaster says he has not seen clear evidence of drugs causing violence.

He says rumours are a bigger problem.

"They're just scurrilous and they're bordering on the bizarre," he said. "But unfortunately some of the locals, or quite a few of them, do believe it and they're looking for a reason to punch on. "But that's just the way it is - we just keep focussed and keep our head down and know we've got a job to do."


AAP - October 31, 2006 - 8:00PM

UN urges peace ahead of Timor vote

Political differences in tiny East Timor must be sorted out at the ballot box not on the streets, the UN declared as it began preparations for next year's vital poll.

Dili remains in a state of tense calm, with international forces, including 1,000 Australian troops and 900 UN police, working to contain sporadic violence among rival gangs.

The UN is stepping up security ahead of the May 2007 poll, and unveiled a new high-level team of experts to oversee the integrity of the election.

The team is charged with certifying that the preparations for next year's poll is proceeding in accordance with the country's constitution and internationally-accepted standards.

Primary responsibility for the elections remains with Timorese authorities.

Acting head of the current UN mission in East Timor, Finn Reske-Nielsen, said next year's elections were important to the future of the country.

"Political differences need to be sorted out at the ballot box," Reske-Nielsen said. "Political differences are not sorted out through street violence. "That is why the elections in 2007 are so important."

Both the UN and the head of the Australian troops have said they believe the gang violence - involving hundreds of youth armed with knives, guns and rocks - is being organised and authorities have launched an investigation to track down those responsible.

It comes as a report, by AusAID, linked the gangs with powerful Timorese figures with political ambitions and the country's main political parties, media reported.

Fairfax said some of the gangs had infiltrated East Timor's security forces.

The International Crisis Group has warned the elections may be another flashpoint in the fledgling nation.

But Reske-Nielsen said at this stage, he saw no reason why the elections should not proceed as scheduled. "Clearly security is a critical part of what the UN mission is doing and will be doing in the coming months," he said. "We have been building up our police capacity over the past several weeks."

Next month the UN would begin deploying police to the districts outside Dili, he said.

"As we move closer to the elections, we would have a significant further increase in the number of UN police across the country, precisely with a view to ensuring that we have sufficient capacity on the security front," Reske-Nielsen said.

The UN will also provide 460 staff to provide technical and logistical support for the upcoming poll.

Spokesman for the independent Electoral Certification Team, Reginald Austin, said next year's election was important in the "consolidation process of the building of democracy and stability". "Our task will be essentially to hold up ...a mirror to the efforts of the authorities, both national and international, to ensure this will be a credible and effective election," he said.

East Timor's parliamentary speaker Fransisco Guterres said the Australian-led peacekeepers in East Timor had failed to restore order in Dili and should be replaced by UN troops.

"At the onset, the soldiers arrested no-one, so arson attacks on homes continued taking place and they said it (arresting criminals) is the job of the police. But now, they are arresting people and doing the job of the police," Guterres said. "There are a lot of troops in East Timor but they are unable to arrest criminals. What kind of work is that?"

He said East Timorese had complained to him about alleged wrongful arrests and assaults on civilians made by the Australian-led troops. "To me, this is an intolerable act and as an elected official, I am saying no-one can raise their hands and beat up my child in my own house," he said.


Discurso - Presidente do Parlamento Nacional

Discurso do Presidente do Parlamento Nacional na Sessão solene de boas vindas a delegação do Parlamento Europeu

Gostaria que Vossas Excelências tivessem encontrado, nesta amável visita, uma nação nova, rejuvenescida, coesa e com as suas estruturas institucionais consolidadas.

Infelizmente, o cenário de desnorte e insegurança com que se depararam não é aquele que eu próprio antevia, há uns largos meses, quando relatórios objectivos sobre os graus de maturidade na gestão política, orçamental e financeira do país, da lavra de organizações tão insuspeitas como o Banco Mundial, davam conta de Timor-Leste estar no bom caminho.

Estou confiante de que se trata de meros acidentes de percurso - graves, mas passageiros - que não afastarão a minha Pátria do rumo adoptado pelas suas leis fundamentais, a começar, naturalmente, pela própria Constituição.

Abraçámos valores, tradicionalmente estruturantes de regimes democráticos, de que não abdicaremos, mesmo que algumas franjas de criminosos teimem em os minar através de estratégias violentas, que aos poucos começam a ser debeladas.

Os alicerces do Estado são sólidos e inalienáveis, baseados, designadamente, no primado do Direito, na soberania popular, na protecção da dignidade da pessoa humana, na unidade territorial, na democracia política, na justiça social e na promoção e desenvolvimento de relações de amizade e cooperação com todos os povos. Os princípios que regem a organização do poder político, constitucionalmente consagrados, pautam-se, nomeadamente, pelo respeito dos sagrados cânones do multipartidarismo, da separação e interdependência de poderes e do sufrágio universal, livre, igual, directo, secreto e periódico dos cargos políticos electivos.

Não haverá ditaduras ou despotismos de qualquer espécie, por muito iluminados que sejam os líderes políticos que em dado momento conduzam o destino do nosso querido povo. O povo timorense demonstrou, há muito, que deseja a paz, a harmonia social, a coesão nacional e o bem-estar, com garantias de defesa dos direitos e liberdades pessoais.

O Sudeste Asiático, muito embora com diferentes tradições e etnias, deu também provas inilidíveis de querer erradicar formas tirânicas de exercício do poder político. A Indonésia, apesar dos pequenos focos de fundamentalismo religioso, caminha decididamente na senda da democratização, com o apoio do seu próprio povo, como ainda há dias tive oportunidade de constatar nos resultados de uma sondagem de opinião publicada no jornal The Jakarta Post. Aí se lia que a larga maioria dos inquiridos considera o islamismo compatível com a ideologia estatal do Pancasila.

O triângulo dourado constituído pelas antigas colónias britânicas da Malásia, de Singapura e do Brunei conhece os maiores níveis de desenvolvimento económico e humano da região.

A Tailândia, ainda que tenha entrado em crise política, e as Filipinas, entrecortada embora por ataques separatistas, dão mostras de recuperação económica e alguma estabilidade política e social.

Saídos de não muito longínquas experiências de totalitarismo e violação repetida de direitos humanos, o Laos e o Cambodja, incluídos no grupo dos mais pobres da região, têm vindo a dar tímidos passos no combate à pobreza e à doença e na eliminação da segregação racial, étnica ou sexista.

Persiste a tendência autoritária da junta militar birmanesa, mas é conhecida a luta que conhecidos activistas de direitos humanos têm vindo a desencadear, sem tréguas nem desfalecimentos, em prol da dignidade da pessoa humana.

Todas as nações soberanas que referi necessitaram, num ou noutro momento da sua história, da cooperação internacional, como condição indispensável de independência política e viabilidade económica.

Timor-Leste, face ao sistema de governo e ao regime constitucional que acolheu, está muito mais próximo dos padrões ético-políticos europeus e das nações civilizadas do que alguns dos países que acabei de citar.

Timor-Leste não é um Estado fracassado, como muitos querem fazer crer. É um Estado com pessoas cansadas e traumatizadas por décadas de sofrimento e guerra. Carece de assistência internacional, venha de que quadrante vier, e muito tenho a agradecer, com emoção, a ajuda financeira e técnica prestada pela União Europeia. Faço-o em nome do povo que me elegeu e dos meus próprios pares, mandatado que me sinto para vos endereçar esta mensagem de sincero reconhecimento.

Tanto como a preciosa ajuda material de que Timor-Leste tem beneficiado por parte da União Europeia, precisamos também da vossa solidariedade diplomática, dadas as muitas batalhas a enfrentar a curto ou médio prazo, que ainda não estão ganhas.

Temos a batalha das línguas oficiais, que constituem uma aposta nacional assumida, em liberdade, pela assembleia constituinte, eleita, também em liberdade, pelo povo timorense. Que agora, subrepticiamente, alguns, felizmente poucos, querem questionar, dominados quiçá por inconfessáveis apetites hegemónicos. Não me constou que alguém alguma vez quisesse acabar com o alemão na Alemanha, com o português em Portugal ou no Brasil, com o castelhano em Espanha ou na América Latina, com o inglês no Reino Unido ou em tantas outras partes do Mundo, com o francês, o italiano, o norueguês ou o finlandês. Que me desculpem se não consigo lembrar-me, de sopetão, dos restantes idiomas falados no seio dos países que compõem a União Europeia, tão culturalmente rica e diversificada! A língua, que é um instrumento de comunicação, um símbolo de identidade nacional e uma fonte de riqueza intelectual, não foi feita para aniquilar!

Enfrentaremos a batalha do modelo de assistência externa em matéria de segurança interna, na certeza de que este Parlamento Nacional já optou pelo desejo de ver as forças internacionais actuarem, coordenadamente, sob comando unificado da responsabilidade exclusiva das Nações Unidas. O actual sistema bicéfalo, suportado em apoios simultaneamente bilaterais e da polícia internacional, já revelou ser ineficaz e bizarro. É imperioso restaurar condições mínimas de segurança interna, como pressuposto da restauração da paz, da tranquilidade e da concórdia entre os timorenses. Estou convicto de que a divisão profunda instilada nas consciências individuais está eivada de artificialismo e manipulação, sabe-se lá com que intentos malévolos!

Travaremos muitas outras batalhas, para as quais contamos com a vossa generosa e genuína ajuda.

Vejo necessidade, finalmente, em estabelecer uma cooperação mais estreita entre o Parlamento Nacional de Timor-Leste e o Parlamento Europeu, no quadro dos entendimentos entre os países ACP e a União Europeia.

Bem hajam!

Muito obrigado!

Top E Timor MP demands troops out

AAP - October 31, 2006 06:49pm

AUSTRALIAN-LED peacekeeping forces in East Timor have failed to restore order in Dili and should be replaced by UN troops, East Timor's parliamentary speaker said today.

Security is proving the latest divisive issue in the troubled young nation, with Parliament last week voting in favour of a UN force being deployed there but the government instead asking that the regional peacekeepers stay on.

Parliamentary speaker Fransisco Guterres said troops, deployed to East Timor in May amid civil unrest, had failed to curb violence which has surged again in recent weeks.

"At the onset, the soldiers arrested no-one, so arson attacks on homes continued taking place and they said it (arresting criminals) is the job of the police. But now, they are arresting people and doing the job of the police," Mr Guterres said.

"There are a lot of troops in East Timor but they are unable to arrest criminals. What kind of work is that?" he asked.

He said East Timorese had complained to him about alleged wrongful arrests and assaults on civilians made by the Australian-led troops.

"To me, this is an intolerable act and as an elected official, I am saying no-one can raise their hands and beat up my child in my own house," he said.

Some 3200 Australian-led regional forces were initially deployed to East Timor in May after violence between security force factions, as well as street gangs, left some 37 people dead over two months.

Their numbers have since been reduced to 1100, bolstered by the presence of some 1000 UN police.

The East Timorese Parliament voted on Friday in favour of a UN peacekeeping force, but also said it was prepared to consider bilateral and trilateral military arrangements.

"What we want is for all troops, be they military or police, to be under the administration of the UN, including them (Australia and New Zealand)," said Mr Guterres, when asked about what he thought would be the best solution.

The commander of Australia's forces in East Timor on Saturday rejected claims his troops had taken sides and that their mission had failed.

Brigadier Mal Rerden defended his soldiers' conduct after East Timor's army chief, Brigadier General Taur Matan Ruak, reportedly said the Australian operation had failed because Dili still "looks like cowboy city".

Brig Rerden said he did not believe there were any valid grievances against his troops.

Australia has made it clear it wishes to retain control of the peacekeeping force and has said its troops will stay until elections due in May next year.


Comunicado - FRETILIN



East Timor leaders must reunite to defeat conspiracy

Media Release

Tuesday October 31 2006

East Timor’s leaders must reunite to defeat a “well planned conspiracy” aimed at making the country ungovernable, the governing party Fretilin urged today.

“The national leadership must free itself from the complex web of conspiracy which has led to its division,” said a statement adopted by Fretilin’s 80-member Central Committee on Sunday and released today.

“The State must reaffirm its exclusive sovereign power and use its authority to find solutions to this crisis.”

Fretilin warned of the prospect of widespread violence and called on all Timorese to avoid being misled by destabilising groups or reacting to provocation.

It called on all political parties and the hierarchy of the Catholic church to respect the democratic will of the people as expressed in the 2001 election which gave Fretilin a large parliamentary majority (55 of the 88 seats). The next election is due in May 2007.

The full statement follows:

Time to be Affirmative

The Central Committee of FRETILIN met on 29 October 2006 to analyse the ongoing critical situation in our country. Having considered the facts we declare that:

1. The well planned conspiracy against the Democratic Republic of Timor-Leste, RDTL, has not yet been fully carried out, namely, the actions against our people, our leadership, our institutions, our democratic Constitution and laws, the significant symbols of our glorious history of Resistance, our history, our strategic choice of languages, our culture, and our political, social and economic system.

2. Selective ongoing destabilisation actions continue to be carried out with the ultimate goal of making the State ungovernable. That is, such action and activities aim to deprive the country of its national leadership; to deny the State of its authority; to continuously humiliate us; to interfere with the judicial system and use it for political gain to ensure the weakening of the State’s political system; and to provoke the population to polarise around an ethnic division between “East and West”.

3. That the State must reaffirm its exclusive sovereign power and use its authority to find solutions to this crisis.

4. That it is urgent that the sovereign organs of Timor-Leste courageously take on their role of defending our sovereignty by initiating political, legislative, administrative and judicial measures to put the facts and causes of the current situation into context in order to decide with independence and sovereignty on measures to bring peace, stability and social harmony.

5. That the national leadership must free itself from the complex web of conspiracy which has led to its division. It must reunite around the common cause of reaffirming our national sovereignty and the authority of the State, reasserting law and order, to ensure viable governance. In short, to defend the vital interests of our people.

6. That all Timorese people need to be vigilant and sustain the ability to avert widespread violence by understanding the ongoing situation and avoid being misled by destabilizing groups or reacting to provocation.

7. That all political parties must learn a lesson from this crisis – that the actions against the Constitution and the democratic principles and values it enshrines are not repeated and that the will of the people as expressed in the elections be respected.

8. That the hierarchy of the Catholic Church in Timor-Leste further contributes to the process of peace and democracy and respects the will of the people as expressed in the elections.

9. That the values conveyed by our ancestors and by our recent history of struggle for our country’s liberation are the foundations on which to reinforce National Unity and to reaffirm ourselves as the Maubere Nation.

10. That the youth, men and women and the Maubere people of all ages, across all social classes and political affiliations embrace a culture of Peace and Democracy and reject all violence.

In accordance with the above:

I. We will reaffirm our unity and our determination to defend with all our knowledge and strength the Democratic Republic of Timor-Leste, RDTL, our People, our institutions, our strategic choice regarding languages and culture, and our political, social and economic systems.

II. We will defend our sovereignty and choices on maintaining friendly relations with all the Nations of the world and our policy on regional integration and international relations.

III. We will continue to defend our resources and assert our development options in our quest for economic independence.

IV. We will reinforce our regional relationships to actively contribute to regional and international security, stability and peace.

So it is time for Unity and to be Affirmative.

Unity to defend the Constitution and the principles and values it enshrines.

To be Affirmative as to the Sovereignty of our State in making strategic decisions to overcome the crisis, to be able to face any challenges or pressure, both internal and external, and to reconstruct our country.

The struggle continues!
Maximum tolerance, Total vigilance!

Dili 29 October 2006

On behalf of the FRETILIN Central Committee

Francisco Guterres-Lu’Olo MariAlkatiri
President Secretary General

Alcohol, not ice, the problem in E Timor

The Australian
October 31, 2006

ALCOHOL was more of a problem in East Timor's gangs than the drug ice, according to the commander of Australian police in Dili.

Clashes between rival gangs armed with guns, rocks and knives have killed up to eight people and injured 50 in the past week.

While violence in the capital has calmed in recent days, anti-Australian sentiment has being whipped up with rumours of Australian bias and killings.

Reuters reported East Timorese prime ministerial adviser Jose Sousa-Santos as saying that much of last week's fighting in the capital Dili was because locally-made methamphetamine, or ice, was being used by youth gangs.

Ice can trigger uncontrollable rages.

Australian Federal Police Commander Steve Lancaster said today there was no clear evidence of that.

"We haven't seen any clear evidence of that, it might be part to blame," he said on ABC radio.

"I think there's more to blame, (it) is the availability of palm wine and there's no regulation of the alcohol either. I think that is a major contributing factor, probably much more major than the drug."

Another factor was boredom and the gangs' willingness to believe the "scurrilous" rumours about foreign forces.

"A lot of the people don't seem to need the drugs to believe this, or just want to get involved and that's through boredom or other reasons," Cdr Lancaster said.

The recent problems have been a frustration to the Australian peacekeepers.

"It unstitches a lot of good work that the Australian military and the Australian police have done up here," he said.

"We go two steps and we seem to get this one step backward.

"We all know this is a long-term scenario and anyone who comes here thinking they're going to see change in three months or six months is just not in reality.

"We're looking at generational change here and conflict management and resolution really."


Mais de 100.000 visitas. Obrigado.


Total ...................... 102,936

Page Views

Total ...................... 214,496


A diferença da contestação das forças

De um leitor:

Ramos Horta tenta confundir-nos, equiparando a contestação às forças australianas com certos boatos que circularam acerca da GNR.

Não tem comparação uma coisa com a outra. Nunca a comunicação social relatou qualquer quebra de profissionalismo ou deontologia da GNR. Os tais boatos contra esta força foram postos a circular pela "Justiça e Paz", sem grande convicção, assim que Reinado foi apanhado com a boca na botija. E a história acaba aqui.

Contestações à parte, a GNR continua a ser saudada e respeitada pela maior parte da população mas o mesmo não acontece com os australianos - depois do entusiasmo inicial, não me lembro de quaisquer manifestações de regozijo pela sua presença, antes pelo contrário.

Mas um pormenor de que RH se esquece é que a contestação e antipatia pelas forças australianas já não acontece somente a nível do homem da rua. Agora é o próprio Parlamento Nacional que critica a actuação dessas forças e propõe a sua submissão ao comando da ONU.

Lembro que a GNR se submeteu prontamente à jurisdição da ONU, enquanto que as forças australianas actuam à margem da ordem internacional, servindo apenas os interesses do seu governo.

Para além disso, lembro que foram os australianos os principais sabotadores da acção da GNR, quando os impediram de efectuar detenções, ameaçando disparar se eles não se desarmassem ou abandonassem o local - a mesma GNR que agora anda a salvar-lhes a pele. Depois, Xanana Gusmão fez o mesmo quando impediu a GNR de efectuar a detenção de Reinado, exigindo que fossem soldados australianos a fazê-lo. Lembro que XG já se tinha oposto à vinda de GNR para Timor-Leste, sugerida por Mari Alkatiri, quando o conflito ainda estava no início.

Muitos outros episódios se seguiram, que seria fastidioso enumerar, de que destaco a detenção humilhante de TMR, a exigência de que dois oficiais da PNTL se despissem na via pública, a violação de domicílio dos médicos cubanos, os corais destruídos, a evasão e (até hoje) não detenção de Reinado, a bandeira estrangeira içada em edifício público timorense, muitos espancamentos, injúrias e agressões a timorenses e pelo menos uma morte.

Qualquer semelhança é pura coincidência, Dr. Ramos Horta. Mas o povo sabe distinguir a diferença.

H. Correia.


De um leitor

"Estas notícias estão a ser manipuladas por alguns elementos, grupos que claramente não querem aqui uma força de segurança profissional e imparcial, provavelmente porque os estamos a impedir de fazerem o que querem", declarou Rerden, citado na Austrália pelo jornal The Age.


2) A Segurança do nosso Pais pois após chegar um exercito com 1800 homens e que a destruição (confusão, casas queimadas e mortos aumentou;

3) Que exército e este que vê lutas fratricidas, jovens a queimar casas e atirar com pedras e não os prendem?

4) Que exército e este que tinha a dez metros do seu HQ um foragido da cadeia e não sabia? Foram precisas outras forcas de segurança?

5) Um exército com carros blindados e 1800 militares para controlar uma guerra de cidade?

6) Blindados para destruir os corais da areia branca?

7) Mostrem-me o que fizeram claramente, pois o que me parece e que vocês começam a temer-nos a nós Timorenses, com medo de serem atacados? Tem piada. Mas sosseguem pois não somos aquilo que o vosso Primeiro Ministro disse NAO SOMOS CRIMINOSOS, mas vocês com o pretexto de ajudar Timor e que invadiram o meu país.....




O que a Comisão de Inquérito da ONU escondeu

The Age - October 31, 2006

Powerbrokers tied to Timor's gangs
Lindsay Murdoch, Dili

GANGS responsible for East Timor's violence, political intimidation, extortion and crime have been linked to powerful Timorese figures with political ambitions and the country's main political parties.

A report says some of the gangs have infiltrated the security forces while one of the most feared groups has links to former pro-Indonesian militias and has supporters in Indonesian West Timor.

The report, commissioned by Australia's international development agency, AusAID, says many of the gangs appear to be led by former anti-Indonesian resistance fighters who have loyalties and enmities within factions of the security forces and political parties dating back to the independence struggle.

Many gangs have provocative names such as I'll Smash You, Beaten Black and Blue, Rambo and Crazy. Some members believe they have magical powers and that by injecting themselves with a medicine they become invincible and invisible, the report says.

Some of the gangs have taken the names of former militia groups that murdered an estimated 1200 people and destroyed most of the country's infrastructure after the East Timorese voted to break away from Indonesia in 1999.

The report says that as many as 70 per cent of young Timorese men are involved in gangs disguised as martial arts groups.

"Chronic unemployment, which exceeds 50 per cent nationwide but is higher in Dili … means recruiting is easy from the legions of unemployed youth who feel socially, economically and politically excluded," says the report, obtained by The Age. "It was these disaffected, marginalised youth who comprised the bulk of the rioting mobs."

But one of the report's key findings is that hundreds of small youth-based groups are "attempting, in different but positive ways, to engage and unify their communities".

Ending the gang violence "can only be achieved through a long process of dialogue and reconciliation, a dramatic improvement in the economy and a more efficient provision of basic social services", the report says.

It says a widely feared gang called Colimau 2000 may have a following in refugee camps in Indonesia. "There have also been allegations about the group having made contact with militia leaders in West Timor in order to plan a strategy to destabilise the country after UN peacekeepers leave; at least one source of this accusation is the Indonesian military commander in West Timor," says the report, which was completed last month.

It says other gangs "are affiliated with powerful individuals with political ambitions, or even opposition parties".

Melbourne researcher James Scambary and assistants Hippolito da Gama and Joao Barreto were commissioned by AusAid to research the gangs.

The gangs of East Timor

- CPD-RDTL (Council for the Defence of the Democratic Republic of Timor-Leste): One of the best organised, this group has about 6600 members, with strongholds in Dili and the second-biggest city, Baucau. It believes the Fretilin Government is unrepresentative.

- Colimau 2000: With a few hundred supporters, this gang rejects the Government's authority. Mainly made up of illiterate peasants and former guerilla fighters.

- Sagrada Familia: Led by a former guerilla known as L-Sete, or L7, the group is based in Laga, a district of Baucau. L7 claims he has more than 5000 followers.

- Kera Sakti: A martial arts gang, KS has about 6700 members. Believed to have endemic rivalries with other groups.

- Korka: Possibly the biggest martial arts group, with up to 10,000 members.

- Perguruan Silat Setia Hati: One of the biggest and most controversial gangs, it originated in Indonesia and is perceived to be close to the two main opposition parties.

- Kung Fu Master: Claims it has about 7700 members. Its leader was killed in a gunfight in July.

- Seven: Members believe they have magical powers.



No dia 28 de Abril, quando começou a violência, encontravam-se elementos do Colimau 2000 na manifestação dos peticionários.

O anterior Governo e a FRETILIN vêm denunciando desde então que existem elementos da oposição por detrás destes grupos.

É uma pena que o International Crises Group e a ONU não o tenham denunciado. As provas estavam à vista de ambos.




UNMIT Revista dos Media Diários

Tradução da Margarida.

Sábado 28 Out + Segunda-feira 30 Outubro 2006

Relatos dos Media Nactionais
TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisao de Timor-Leste

Ministros devem explicar a falta de polícia

Francisco Guterres ‘Lu-Olo’ disse no Parlamento Nacional que vai equerer ao Primeiro-Ministro Ramos-Horta e ao Ministro do Interior, Alcino Barris, para responderem à continuada ausência de Postos da Polícia nos bairros. Lu-Olo disse que o governo tinha prometido o estabelecimento desses postos, o que não acontece, e que leva a uma perda de vidas numa base quase diária. O Presidente do Parlamento disse que as pessoas pediram a reactivação da PNTL e das F-FDTL porque não confiam nas forças internacionais. Disse ainda que o PN não planeia pedir a intervenção das F-FDTL. Portanto, as forças da ONU deviam estar sob um comando.

Um homem de 50 anos chamado Antonio Morais disse alegadamente no Parlamento Nacional que ele e duas pessoas que morreram em Pantai Kelapa, Dili, na última Quinta-feira à noite, tinham sido capturados pela polícia Australiana durante lutas entre os jovens de Aimutin e do Mercado de Comoro. Morais disse que foram levados em carros separados e que quando estava no carro lembra-se de um militar Australiano a esfregar um tipo de medicamento que cheira como petróleo na sua cara o que o fez perder a consciência não lhe permitindo pensar com clareza e não conseguindo falar. Disse que as forças o despejaram perto do oceano, pelo leito do rio Comoro. Morais continuou a declarar que acordou no dia seguinte (Sexta-feira) em choque mas que depois de se sentar um tempo percebeu o que tinha acontecido e começou a andar em direcção a Comoro Pertamina. Quando se aproximava de Pertamina viu os corpos mutilados dos seus dois colegas. E declarou que não sabe quem os matou mas lembra-se que os três foram levados em carros separados pelas forças Australianas do Mercado. (STL, TP)

Brigadeiro Taur Requer Investigação às Forças

O Brigadeiro-General das F-FDTL, Taur Matan Ruak quer que o governo estabeleça uma investigação ao comportamento de alguns soldados Australianos durante as operações de segurança em Dili nos meses passados. Ruak disse que não gostaria de apontar os erros e deixaria isso para a comissão de inquérito sair com os resultados. Disse ainda que em breve enviará outra proposta para consideração mesmo apesar de o governo não ter respondido à sua proposta de estabelecer uma comissão para investigar o comportamento das tropas Australianas em Timor-Leste. Disse que a proposta não é a pedir que os Australianos saiam do país para ajudar a melhorar o comportamento deles. O General disse que as F-FDTL têm sido marginalizadas por cometerem erros portanto ele não quer que a população tenha maus sentimentos em relação com as forças Australianas. Também disse que não está contente que a situação de segurança em Dili não se consiga ultrapassar com a presença de tantas polícia da ONU, transformando Dilinuma “Cowboy City”. E detendo os que não estão envolvidos na violência. De acordo com o Timor Post, muitas pessoas têm expressado má vontade em relação às forças Australianas. Este diário deu o exemplo de um jovem que recusou identificar-se e que foi detido por forças Australianas em frente da sua casa tarde na noite, levado e despejado em Caicoli. (TP, STL)

Laureados do Nobel participam em discussões da paz

O Primeiro-Ministro Ramos-Horta deu a sua confiança para a Comissão Nacional de Eventos organizar o programa nacional com o tema ‘Reunião da Paz,’ agendado para começar em 12 de Novembro e a concluir em 10 de Dezembro. Haverá muitos eventos tais como cerimónias rituais e tradicionais nos distritos e ao nível nacional. O programa de 10 de Dezembro culminará em Tasi Tolu com a participação de representantes de todas as organizações e do governo. Sete Laureados com o Nobelserão também convidados para participarem no evento. (TP)


Dili gangs linked to political players

Lindsay Murdoch in Dili
October 31, 2006

GANGS responsible for East Timor's violence, political intimidation, extortion and crime have been linked with powerful Timorese figures with political ambitions and the country's main political parties in an Australian-commissioned report.

Some of the gangs have infiltrated East Timor's security forces, while one of the most feared groups has links to former pro-Indonesian militia and has supporters in Indonesian West Timor, the report reveals.

The report, commissioned by Australia's agency for international development, AusAID, says many of the gangs appear to be led by former anti-Indonesian resistance fighters who have loyalties and enmities within factions of the the security forces and political parties dating back to their struggle for independence.

Many of the gangs have threatening names such as Provoke Me and I'll Smash You, Kung Fu Master and Crazy. Some gang members believe they have magical powers and that by injecting themselves with a medicine they become invincible and invisible, the report says.

Some have taken up the names of former militia groups that murdered an estimated 1200 people and destroyed most of the country's infrastructure after East Timorese voted for independence from Indonesia in 1999.

The report found that probably 70 per cent of young Timorese men are actively involved in gangs disguised as martial arts groups that preach principles of self-discipline and non-violence but which have committed most of the violence.

"Chronic unemployment, which exceeds 50 per cent nationwide but is higher in Dili due to the drift of youth from rural areas, means recruiting is easy for such groups from the legions of unemployed youth who feel socially, economically and politically excluded," says the report, obtained by the Herald.

The Prime Minister, Jose Ramos-Horta, said he was confident the figures behind the destabilisation campaign would be exposed within days.

"[They] know we are watching them and they know we are obtaining evidence about them," he said yesterday.

He said investigations were under way into who was fuelling gang violence by making the drug crystal methamphetamine, or "ice", and alcohol available to youths involved in street violence. Drug use was not widespread and there were only two or three flashpoints for violence in Dili, he said.

He also said a campaign aimed at denigrating Australian troops was part of the attempt to destroy the country.

One of the AusAID report's key findings is that hundreds of small youth-based groups are trying, in different but positive ways, to engage and unify their communities and it recommends they be given support.

It says a widely feared gang called Colimau 2000 is believed to have some following in refugee camps in Indonesia.

"There have also been allegations about the group having made contact with militia leaders in West Timor in order to plan a strategy to destabilise the country after United Nations peacekeepers leave; at least one source of this accusation is the Indonesian military commander in West Timor," says the report, which was completed last month.

It says other gangs are affiliated with powerful individuals with political ambitions, or even opposition parties. It does not name the individuals.

The report says one gang, Korka, is officially aligned with the ruling Fretilin party while another, PSHT, is widely identified with two opposition parties, Partido Democratica and the Social Democratic Party.

AusAID says the views and recommendations in the report are solely those of the report's authors, James Scambary, from Melbourne, and his research assistants, Hippolito da Gama and Joao Barreto.


Notícias - traduzidas pela Margarida

Sentimento Anti-Australiano sentido em Dili
ABC - Sábado, 28 Outubro , 2006 08:00

Transcrição do Programa AM
Repórter: Anne Barker

ELIZABETH JACKSON: Há um crescente antagonismo em relação às forças Australianas em Timor-Leste, com o próprio chefe das forças armadas do país a pedir um inquérito à conduta dos soldados Australianos em Dili.

Ao mesmo tempo que o sentimento anti-Australiano continua a crescer nas ruas, Taur Matan Ruak acusou a Austrália de tomar partido na crise política que tem invadido Dili já há seis meses.

E o Brigadeiro-General atacou a decisão da Austrália para reter o controlo das suas próprias tropas em desafio a pedidos para as pôr sob o comando da ONU.

É a primeira vez que o chefe das forças armadas falou publicamente desde que a crise começou.

De Dili Anne Barker relata.

ANNE BARKER: Taur Matan Ruak é um muito respeitado e colorido carácter em Timor-Leste. Durante um quarto de século liderou a resistência contra a Indonésia, lutando ao lado de centenas de guerrilheiros da Falantil nas montanhas fora de Dili.

Mas como responsável das forças armadas de Timor-Leste ele e os seus soldados têm estado confinados nos quartéis desde Abril, quando irrompeu a primeira violência entre facções rivais das forças armadas e da polícia, e as forças lideradas pelos Australianos chegaram ao país.

Agora, ele atacou o papel da Austrália em Dili.

(Taur Matan Ruak a falar)

"Tornámo-nos prisioneiros no nosso próprio país ", diz. "Estamos muito preocupados com a presença das forças internacionais. Apesar do número de tropas aqui não conseguem resolver a crise."

O Brigadeiro-General efectivamente acusou a Austrália de tomar partido na crise em curso, e afirma que soldados Australianos até o destrataram duas vezes, detendo-o para verificar as suas credenciais, mesmo apesar de ele ter completa liberdade de movimentos. Agora, quer um inquérito completo à conduta da Austrália em Dili.

(Taur Matan Ruak a falar)

"Nos próximos dias farei uma proposta escrita a pedir uma investigação", diz.

E atacou a Austrália por recusar operar sob o controlo da ONU. O chefe das forças armadas diz que Dili se tornou uma cidade cowboy, com demasiados comandantes.

(Taur Matan Ruak a falar)

"Num conflito não deve dois comandantes", diz, "um a dizer para ir para baixo, o outro a dizer para ir para cima. As forças aqui só devem ter um comando, que é a ONU."

O Brigadeiro Mal Rerden é o novo comandante das forças Australianas em Timor-Leste. Rejeitou as alegações de Taur Matan Ruak e negou que a Austrália tenha de qualquer modo tomado partido em questões políticas.

MAL RERDEN: As forças Australianas a operarem em Timor-Leste têm estado a operar duma maneira completamente profissional desde o dia em que aqui chegaram, e têm-se conduzido dum modo totalmente imparcial e neutro em termos da maneira como têm lidado com as pessoas de Timor-Leste.

ANNE BARKER: Pensa que há queixas válidas contra as forças Australianas?

MAL RERDEN: Não, não acredito que haja. Penso que há alguns rumores que pessoas, com várias motivações, estão a decidir a pôr nas ruas.

ANNE BARKER: Porque é que há, então, tão fortes sentimentos anti-Australianos que parece estarem a ser construídos no momento?

MAL RERDEN: Não penso que os caracterizaria como fortes. Penso que o sentimento que tem estado a ser orquestrado há um ou dois dias, está a ser desenvolvido para nos alvejar numa certa maneira.

Penso que a questão que devia ser posta é quem é que está a fazer isto, e porque é que estão a fazer isto? Quem é que beneficiaria se as tropas Australianas não estivessem em Dili, e quem é que teria a oportunidade para desenvolver a sua própria agenda se não houvesse uma força neutra aqui, no terreno?

ANNE BARKER: E quem é que pensa que é?

MAL RERDEN: Penso que há um elemento de pessoas que basicamente têm as suas próprias agendas, e há elementos criminosos que prefeririam não ter uma força neutra e profissionalno terreno.

ELIZABETH JACKSON: Brigadeiro Mal Rerden, o novo comandante das forças Australianas em Timor-Leste a falar com Anne Barker.


A versão australiana e americana...

Drogas 'alimentam os gangs de Timor-Leste'

CANBERRA, Austrália (Reuters) – Drogas ilegais e álcool dado gratuitamente a jovens por opositores do governo de Timor-Leste têm ajudado a alimentar a violência de gangs que matou quatro pessoas, funcionários e forças de segurança internacionais foram citados como tendo dito na Segunda-feira.

José Sousa-Santos, um conselheiro do Primeiro-Ministro José Ramos-Horta, disse que muito das lutas da última semana na capital Dili, foi devida ao uso pelos gangs de jovens duma metamfetamina feita localmente, ou "gelo," que pode desencadear raivas incontroláveis.
"É mais um ritual pré-lutas," disse aos media Australianos. Sousa-Santos disse que a metamfetamina só tinha aparecido em Dili desde que rebentaram as lutas entre polícias e militarem em Maio.

Funcionários locais dizem que duas pessoas foram mortas nos confrontos na semana passada entre jovens armados com pistolas, pedras e arcos e flechas. A Austrália, que lidera uma força na jovem nação, diz que os números (de mortes) podem subir a quatro.

O comandante das tropas da Austrália em Timor-Leste, Brigadeiro Mal Rerden, disse que o álcool ou o “gelo” agravaram dois dias de confrontos que encerrou o aeroporto principal de Dili.

"Isto é uma infelicidade – eles podem fazer coisas que normalmente não fariam, e isso é uma coisa perigosa e séria," Rerden disse a jornais Australianos.

A Austrália liderou uma força de mais de 2,500 soldados e polícias internacionais para Dili no fim de Maio para terminar com a instabilidade que eventualmente forçou a resignação do Primeiro-Ministro Mari Alkatiri.

O Primeiro-Ministro de Timor-Leste em exercício Estanislau da Silva, entretanto, disse que etava determinado a tomar medidas sobre uma campanha contra as tropas Australianas, que inclui alegações de que estiveram envolvidas nas mortes de dois jovens na semana passada.

"Faremos o nosso melhor para descobrir quem está por detrás desta campanha que fez subitamente pessoas virarem-se contra a força Australiana," da Silva disse aos jornais da Fairfax.

Os Australianos foram recebidos com aplausos quando chegaram a Dili em Maio e o Primeiro-Ministro José Ramos-Horta este mês recusou uma oferta duma força de substituição da ONU, optando por manter em vez disso forças Australianas e da Nova Zelândia.

Mas as forças de segurança agora suspeitam figuras desconhecidas de conduzirem uma campanha clandestina contra a presença Australiana na esperança de forçar a sua partida antes das eleições do próximo ano.


ONU: A violência em Timor por jovens alimentados por drogas é 'organizada'
Outubro 27, 2006 - 7:14PM

A última onda de lutas mortais de gangs em Timor-Leste parece ser "organizada" disse a ONU na Sexta-feira quando foram encontrados mais corpos.

Há também relatos que os jovens têm sido alimentados por drogas e álcool no que a ONU diz poder ser mais evidência de que a violência é orquestrada.

A polícia da ONU diz que pelo menos foram mortas mais duas pessoas durante a noite ou na Sexta-feira de manhã. Estão também a investigar relatos de mais duas mortes.

Lutam irromperam entre grandes grupos de jovens na área do mercado de Dili frente ao mar, perto da embaixada dos USA, na Quinta-feira à noite e na Sexta-feira de manhã.

"Confirmámos a descoberta de dois corpos, e parece provável haver mais dois," disse o porta-voz da ONU Adrian Edwards.

"Tivemos relatos credíveis de corpos a serem descobertos ... mas estamos ainda a confirmar."

Um homem de 29 anos morreu aparentemente com ferimentos de tiros, enquanto um de 25 anos tinha feridas de facadas, disse um porta-voz das forças armadas Australianas.

Isto aconteceu dois dias depois de dois Timorenses terem sido mortos num campo de deslocados perto do Aeroporto Internacional de Dili Nicolau Lobato, que foi forçado a encerrar temporariamente as suas instalações.

A ONU disse que a situação correntemente estava calma, mas as forças de segurança estão em alerta receando mais desassossego.

"Estes incidentes de lutas nos últimos dias, envolveram números bastante grandes, duas, três centenas de pessoas nas lutas," disse Edwards.

"Quando se tem esse número de pessoas envolvidas isso sugere que estão organizadas de alguma maneira.

"Estamos a tentar descobrir o que está por detrás disto, se está a ser organizado, quem é que organiza, nesta altura não temos certezas."

Mas o porta-voz das Forças Armadas Keith Wilkinson descreveu as últimas mortes como sendo "isoladas", e disse que não estavam ligadas à violência recente perto do aeroporto.

"Não estavam nada ligadas," disse.

A ONU disse que a violência tinha sido contida numa bolsa na cidade e que o resto de Dili,e de Tiimor-Leste parecem calmas.

Há quase 1000 tropas em Timor-Leste a darem apoio à missão da ONU, e cerva de 900 oficiais da polícia da ONU no terreno.

Espera-se que dentro de um mês esteja perto da sua dimensão total de 1600 oficiais de polícias da ONU.

"Obviamente gostaríamos que estes incidentes não ocorressem mas penso que têm de ser entendidos no seu contexto," disse Edwards.

”Com 900 (oficiais) não se pode estar em todo o lado todo o tempo, assim operamos – saímos e patrulhamos e quando algo acontece respondemos a isso.

"Isso tem acontecido e de cada vez que acontece a situação é posta sob controlo.

"Ainda não estamos com toda a força, ... no momento lidamos com a situação, está a ser contida."

A violência chegou uma semana depois da publicação de um relatório da ONU sobre a crise na nação em Abril e Maio quando forças de segurança rivais se confrontaram depois do governo ter despedido um terço das forças armadas.

A comissão especial da ONU indicou pessoal de topo do governo e das forças de segurança para serem mais investigados ou processados sobre a crise, na qual dúzias de pessoas foram mortas e 150,000 forçadas das suas casas.



Trabalhadores jovens culpam drogas pela violência de gangs em Dili
ABC Online
Última actualização: Segunda-feira, Outubro 30, 2006. 4:36pm (AEDT)

Trabalhadores jovens em Timor-Leste apelaram às forças de segurança Australianas para tomarem medidas sobre o abastecimento de drogas ilícitas em Dili.

O abastecimento de “crystal meth”, ou “gelo”, parece estar a alimentar a violência recente de gangs.

Trabalhadores jovens culparam uma forma suja de “gelo” pela violência extrema que tem corrompido Dili há meses.

Dizem que formas impuras da droga põem os utilizadores em delírio, alimentando a violência e tornando-os mais difíceis de controlar.

Nalguns casos o membros dos gang estão tão marados, que nem sofrem os efeitos do gás lacrimogéneo e alguns até queimaram as suas próprias casas.

As autoridades procuraram ajuda da Australian Federal Police (AFP) e da ONU para tomar medidas contra as "cook houses" que produzem a droga.

Dizem que lhes faltam recursos para fazer alguma coisa.

Os comandantes Australianos e a ONU admitem que as drogas são um problema sério.

Entretanto, o ministro dos estrangeiros Alexander Downer diz que a situação de segurança é calma em Dili mas que há ainda tensões subterrâneas na capital Timorense.

Mr Downer disse no Parlamento que seis pessoas foram mortas e 50 feridas na violência entre gangs desde a última Quarta-feira.

Também defendeu as tropas Australianas contra rumores que estiveram envolvidas na norte de dois Timorenses.

"Estão a fazer um trabalho excelente para manter a violência sob controlo e qualquer sugestão que as tropas Australianas foram qualquer coisa aquém de profissional e imparcial no exercício das suas funções é errada e burlesca ," disse Mr Downer.

Que "Trabalhadores jovens "?


Ramos Horta condena campanha de difamação contra tropas Australianas
ABC Online
Segunda-feira, Outubro 30

O Primeiro-Ministro de Timor-Leste José Ramos Horta condenou os responsáveis por denegrirem as forças de segurança Australianas em Dili.

Soldados Australianos têm sido o alvo duma campanha de difamação, com acusações de que as tropas mataram dois homens locais e toparam partido no conflito em Timor-Leste.

O Governo de Timor-Leste prometeu tomar medidas contra os responsáveis.

O Dr Ramos Horta diz que está confiante que descobrirá os perpetradores.

"Vemos aparecer e desaparecer uma campanha ou contra o lado Australiano ou contra os Portugueses, e quem é que está interessado nisto?" disse o Dr Horta.

"Quem é que está interessado em desacreditar a GNR? Quem é que está interessado em desacreditar os Australianos?

"Bem, os inimigos deste país, os inimigos da paz e isso é tão óbvio."

Tomar medidas contra drogas

O Dr Ramos Horta também culpou criminosos organizados por abastecerem com droga e dinheiro gangs de rua para instigarem mais violência.

Trabalhadores sociais em Dili dizem que uma forma suja da droga “crystal meth”, ou “gelo”, está a alimentar muito do desassossego ao pôr os utilizadores em delírios violentos.

Dizem que há evidência que a droga está a ser usada deliberadamente para provocar membros de gangs, como parte duma agenda mais alargada para desestabilizar o país.

O Dr Ramos Horta prometeu tomar medidas contra os abastecedores da droga.

"As pessoas que estão a fazer isto, sabem que estamos a observar, sabem que estamos a obter evidência contra elas," disse o Dr Horta.

"Isso pode desencorajá-las e fazê-las parar esta violência.

"Mas estou confiante que saberemos nos próximos dias e divulgaremos a informação sobre a fonte de apoio aos jovens em termos de drogas e dinheiro."


Petronas da Malásia e sócios ganharam exploração de bloco de petróleo no Mar de Timor
AFX News Limited

10.30.2006, 03:21 AM

KUALA LUMPUR (AFX) – A Petroliam Nasional Bhd (Petronas) disse que juntamente com os seus sócios ganharam um contracto de produção partilhada num bloco duma exploração offshore na área de desenvolvimento conjunto entre Timor-Leste e a Austrália.

Os parceiros da Petronas são os grupos Korea Gas e Samsung e LG.

Numa declaração, Petronas disse que terá uma parte de 50 pct na iniciativa e que será o operador do bloco.

Diz que o bloco cobre uma área de 4,125 sq km e está localizado a cerca de 450 km de Darwin, Austrália.

Petronas disse que o investimento mínimo para exploração de actividades no bloco é de 40.5 mln usd.

(1 usd=3.66 rgt)


Australianos banidos de um campo de deslocados em Dili
ABC – Segunda-feira, Outubro 30, 2006. 1:20pm (AEDT)

Tropas Australianas foram banidas de um campo de deslocados ca capital Timorense Dili depois de terem sido culpadas de matarem dois homens durante a violência da semana passada em violência de gangs.

O sinal na cerca do campo diz 'Militares Australianos – mantenham-se fora'.

A proibição veio depois do patrão da ADF Air Chief Marshal Angus Houston ter negado que os soldados Australianos fossem responsáveis pelas mortes.

Jornais em Dili relatam as queixas como factos.

Em mais um sinal da erosão das relações com a Austrália, foram atiradas pedras à embaixada Australiana algumas noites atrás.

Pelo menos cinco pessoas morreram na recente violência de gangs, que fechou o aeroporto internacional de Dili na semana passada.


De um leitor

O Governo tem voto na matéria?

O Governo consegue ainda pronunciar-se quando há algo que o desagrada ou quando não está a ser consultado?

O Governo é um órgão colectivo ou unipessoal? Quem afinal é um dos órgãos de soberania: o Governo ou Chefe de Governo?

Ter-se-á o Governo transformado em propriedade do seu actual chefe, Dr Ramos Horta?

Quando o Governo mostrará alguma força de vontade e resolução?



Notícias - traduzidas pela Margarida

General quer inquérito à conduta dos soldados Australianos
Radio Nova Zelândia - Sábado, Outubro 28, 2006, 1:26pm

O responsável das forças armadas de Timor-Leste pediu um inquérito completo à conduta dos soldados Australianos em Dili.

Os relatos da ABC que o Brigadeiro-General Taur Matan Ruak acusou efectivamente a Austrália pelo piorar das violência no país, questionando porque é que a crise continua seis meses depois das tropas Australianas terem chegado a Timor-Leste.

O General Ruak também efectivamente acusou a Austrália de tomar partido na crise política que começou em Abril e atacou-a por recusar operar sob o comando da ONU.

A violência de gangs tem continuado a espalhar-se na capital Dili, tendo sido mortas 10 pessoas na semana passada. Na última violência, foram mortas entre duas a quatro pessoas na Sexta-feira quando grupos rivais lutaram frente ao mar em Dili.

O comandante das tropas Australianas, Brigadeiro Mal Rerden, nega que os seus soldados tenham apoiado qualquer um dos lados, dizendo que assumem o trabalho com total imparcialidade.


Australianos 'não são culpados das mortes em Timor '

Ashleigh Wilson, Dili
Outubro 30, 2006

O comandante das forças Australianas em Dili tem esperança de se encontrar com o chefe das forças armadas de Timor-Leste numa tentativa para atenuar tensões depois de afirmações de que os Australianos foram responsáveis pela morte de dois Timorenses.

O Brigadeiro Mal Rerden descartou um relato das notícias de fim-se-semana sugerindo que os Australianos deviam ser acusados pelas mortes.

"Os sentimentos por detrás desta (história) penso que estão a ser orquestrados e feitos de modo a construírem ressentimento contra os Australianos," disse. "Mas penso que não está a resultar." O jornal principal de Dili, o Suara Timor Lorosae, tinha uma história na página da frente, no Sábado que afirmava que os dois homens encontrados mortos no dia anterior tinham sido vítimas das forças Australianas. O Brigadeiro Rerden disse que a história estava errada.

O Chefe das Forças de Defesa Angus Houston disse que as tropas lideradas pelos Australianos eram completamente neutras.

A sua posição foi apoiada por John Howard. "As nossas tropas não estariam lá se lá não houvessem algumas pessoas que precisavam delas, de modo adequado, para resolver," disse o Primeiro-Ministro.

"E o que isto sublinha é a importância das nossas forças lá ficarem até o nosso trabalho acabar."

A tensão veio depois do responsável pelas forças armadas de Timor-Leste, o Brigadeiro-General Taur Matan Ruak, ter pedido, na semana passada, uma investigação independente sobre queixas de que as tropas Australianas tinham tomado partido no conflito.

O Brigadeiro Rerden tem esperança de se encontrar com o Brigadeiro Ruak, apesar de não haver ainda data marcada.

Espera-se que o Primeiro-Ministro José Ramos Horta, que chega hoje a Dili depois duma visita ao Vaticano, se encontre com o Brigadeiro Ruak para discutir os rumores contra as tropas Australianas. Durante o fim-de-semana, o Sr Ramos Horta defendeu o "status quo" depois da aprovação duma resolução no Parlamento pedindo que as tropas Australianas sejam colocadas sob comando da ONU.

"Quando temos vizinhos regionais que com o consentimento do Conselho de Segurança, são capazes de fornecer a segurança que pedimos para nos assistir nos nossos esforços de construção de nação, é lógico e necessário aceitar a generosidade do vizinho," disse o Sr Ramos Horta.

Numa mensagem pública numa rádio local no Sábado à noite, a polícia da ONU pediu aos residentes para descartarem os rumores.


Sydney Morning Herald - Outubro 30, 2006

Gangs de jovens são pagos para aterrorizar Dili
Lindsay Murdoch em Dili

O Governo Timorense ordenou uma tomada de posição contra as pessoas que estão por detrás duma campanha que visa denegrir a forças de segurança Australianas em Dili no meio de crescentes sentimentos anti-Australianos.

O Primeiro-Ministro em exercício, Estanislau da Silva, disse que o Governo estava seriamente preocupado com uma campanha "perigosa" que inclui alegações infundadas de as tropas Australianas terem estado envolvidas na morte de dois jovens em Dili na última Sexta-feira.

"Faremos o nosso melhor para descobrir quem está por detrás desta campanha que levou a que pessoas se virassem subitamente contra a força Australiana," disse o Sr da Silva numa entrevista exclusiva com o Herald na sua casa frente ao mar em Dili.

Rumores maliciosos sobre os 1000 soldados da Austrália em Timor-Leste estão a circular em Dili enquanto gangs de jovens estão a ser pagos cerca de $US6 ($8) para cometer acções de violência sem sentido, dizem fontes da igreja Católica e da ONU na capital.

O comandante das tropas da Austrália em Dili, Mal Rerden, também revelou ontem que a polícia tinha descoberto que a jovens envolvidos na violência tinha sido dado drogas e álcool. "Isto é mau; podem fazer coisas que normalmente não fariam e isto é perigoso e sério," disse o Brigadeiro Rerden.

As forças de segurança internacionais em Dili estão agora convencidas que há uma campanha orquestrada por até agora não identificadas figuras para desestabilizar o país antes das eleições agendadas para o ano que vem.

A campanha para difamar os soldados Australianos parece visar forçá-los a sair do país, dizem fontes militares e civis em Dili.

O Sr da Silva disse que, conquanto que o Governo apoie fortemente o papel das tropas Australianas em Timor-Leste, precisa de estudo críticas à sua conduta, incluindo queixas de que tomaram partido no conflito que deixou 10 pessoas mortas na semana passada.

Mas não chegou a apoiar o pedido do comandante das forças armadas de Timor-Leste, Taur Matan Ruak, de uma investigação à conduta das tropas Australianas.

"Rumores são rumores," disse o Sr da Silva. "Se tiverem fundamento suficiente recomendaremos uma investigação. Os Australianos têm estado a fazer o seu melhor sob circunstâncias difíceis."

Entre receios de que os gangs comecem a alvejar Australianos em Dili, o Chefe das Forças de Defesa, Angus Houston, defendeu as suas tropas, dizendo que têm sido completamente neutras e que tinham tomado cuidados extremos para evitarem qualquer parcialidade entendida.

Mas pessoas num dos maiores campos de deslocados em Dili puseram um sinal a avisar as tropas Australianas para não entrarem, alegando que os soldados provocaram violência lá e tinham atingido um homem inocente, Leovegildo Carvalho de 55 anos.

O coordenador do campo, José da Costa Gusmão, disse que a sua luta não era contra os Australianos mas contra os soldados Australianos, que, disse, entraram vezes repetidas no campo e usaram a violência para prender pessoas.

"Vieram aqui agindo como terroristas," disse.

Disse que o Sr Carvalho foi atingido por tiros quando estava sentado num escritório no campo oposto ao aeroporto internacional de Dili, onde um soldado Australiano abriu fogo contra um homem com uma arma de fogo durante um confronto na semana passada. O escritório ficou cheio de buracos de balas.

O Brigadeiro Rerden disse ontem ao fim do dia que nada sabia sobre o Sr Carvalho, que estava a receber tratamento num hospital em Dili. "Se há qualquer informação sobre um indivíduo que diz que foi ferido numa situação dessas, ele devia entregar-se à polícia," disse.

O Sr da Silva disse que a maioria das pessoas que têm sido atacadas e perseguidas e que tiveram as casas queimadas em Dili são "do leste" que apoiam o movimento Fretilin. Mas não acredita que o país enfrente uma guerra civil "porque somos todos Timorenses … Juntos com outros Timorenses lutámos pela independência do nosso país por isso agora há uma determinação para os do leste e os do oeste terem diálogo e compreensão."


Líder de Timor-Leste consegue audiência papal
Zenit.org - 2006-10-27

Cidade do Vaticano, OUT. 27, 2006.- Benedict XVI recebeu em audiência José Ramos Horta, primeiro-ministro de Timor-Leste e co-receptor do Prémio Nobel da Paz de 1996.

O gabinete de imprensa do Vaticano confirmou hoje a visita do primeiro-ministro, mas não deu detalhes da conversação.

Antes desta viagem à Europa, Ramos Horta disse que tinha a intenção de convidar o Papa a visitar Dili, a capital da nação ilha Asiática, porque acredita que a visita pode ser um sinal de paz, esperança e reconciliação para o país.

Em declaração publicada pela agência Fides antes do encontro, Ramos Horta explicou que a igreja Católica é "a única instituição sólida que absorveu a estrutura cultural da ilha," e que por isso tem um papel decisivo a jogar na ultrapassagem da crise presente.

A situação em Timor-Leste degenerou em Abril quando rebentaram confrontos depois do então Primeiro-Ministro Mari Alkatiri ter expulso alguns 600 soldados das forças armadas. Os confrontos deslocaram perto de 20,000 pessoas.

Ramos Horta foi nomeado primeiro-ministro em Julho depois da resignação do Muçulmano Alkatiri.

Timor-Leste, uma antiga colónia Portuguesa ocupada pela Indonésia, foi reconhecida como nação independente em 2002. Cerca de 90% de 1 milhão de habitantes são Católicos.

Noticia divulgada pelo Serviço de Comunicação Social do Vaticano (


CIDADE DO VATICANO, OUT 27, 2006 (VIS) – O santo padre recebe hoje em audiências separadas:

- José Ramos-Horta, primeiro-ministro de Timor-Leste, acompanhado por um séquito.


Oficiais da polícia participam na Missão da ONU em Timor-Leste
Channel NewsAsia - Sábado, Outubro 28, 2006

Por: S Ramesh

SINGAPURA: A Força da Polícia de Singapura vai mandar uma equipa para para a Missão da ONU em Timor-Leste durante um ano. Este contingente de 21 polícias, incluindo três oficiais femininos, começará o seu serviço em Timor-Leste em 6 de Novembro.

Receberam a sua insígnia e a sua Bandeira do estado do Vice Primeiro-Ministro e Ministro do Interior Wong Kan Seng na Sexta-feira. Trabalharão de perto com a ONU e a polícia de Timor-Leste para ajudar a restaurar a paz e a ordem nas eleições parlamentares do próximo ano.

A equipa da Singapura ajudará também a treinar a polícia local a operar sozinha, depois das forças da ONU se retirarem de Timor-Leste.

Participar nas missão da ONU em Timor-Leste não é novidade para a Força da Polícia de Singapura. De facto, já tinham mandado um contingente antes.

A equipa presente tem estado a treinar para esta missão nos últimos 3 meses.

Francis Tan, Líder da Missão para Timor-Leste, diz que têm treinado sob os códigos de conduta da polícia da ONU, e nas regras de engajamento e de armas.

O grupo tem também falado com oficiais que estiveram em missões em Timor-Leste no passado e parece pronto para qualquer situação.

Li Ping, um membro do contingente, diz: "Partilharam muitas histórias, como as condições de vida, o tipo de experiências que enfrentaram e as condições de trabalho com outras polícias." "Estou preparado para o pior; é muito importante estar mentalmente preparado,"acrescenta.


Timor-Leste em conversas sobre destacamento de tropas estrangeiras no meio da violência
Bloomberg - Sábado, Outubro 28, 2006

Por: Angela Macdonald-Smith

Timor está em conversas com nações que podem destacar tropas para a nação do Pacífico para suplementar tropas Australianas e da Nova Zelândia já no terreno, no meio duma escalada de violência, disse o Primeiro-Ministro José Ramos-Horta.

Arranjos militares com nações regionais estão a fornecer mais tropas do que seriam disponibilizadas sob uma missão de manutenção de paz da ONU, disse Ramos-Horta numa declaração enviada por e-mail ontem. O Parlamento, conquanto tenha expressado em 26 de Out uma preferência por uma força da ONU, está também preparado para considerar medidas militares sob acordos bilaterais e trilaterais, disse.

A nação da Ásia do Sudeste tem estado instável desde Março, quando o antigo Primeiro-Ministro Mari Alkatiri despediu um terço das forças armadas. Pelo menos foram mortas oito pessoas na última semana em lutas entre gangs, incluindo dois corpos encontrados ontem, vítimas de ataque com catanas, relatou hoje a Sky News.

``A decisão do meu governo de pedir à Austrália e à Nova Zelândia para manter os seus contingentes em Timor-Leste como capacetes verdes tem por base as realidades de arranjos em vigor até à data,'' disse Ramos-Horta na declaração ``Estamos também em discussões com alguns outros países que indicaram a sua vontade para também destacar tropas para servir em Timor- Leste.''

No presente, 1,000 tropas da Austrália e 110 da Nova Zelândia estão em Timor-Leste. Lá ficarão até Dezembro pelo menos, e para além disso, se for requerido, disse Ramos-Horta.


Comunicado - Departamento Defesa Australiano

Department of Defence - Monday, 30 October 2006
Media Release CPA 285/06


The Command of the Joint Task Force operating in Timor-Leste has changed hands. Brigadier Mick Slater returned to Australia on Thursday 26 October, after handing command to Brigadier Mal Rerden.

The Chief of Defence Force, Air Chief Marshal Angus Houston praised the efforts of Brigadier Slater.

“Brigadier Slater deployed into Timor-Leste with the lead troops in May this year. His leadership of the Joint Task Force was outstanding. His skilful management of the complex situation that faced our personnel has been instrumental in helping Timor-Leste find the path to peace and stability and provide real hope for the future of this young nation.

“Brigadier Slater is an outstanding officer who uses a no-nonsense command style. Australia can be proud of the contribution that he and the Joint Task Force that he led, have made.

“Clearly there will be continuing challenges in Timor-Leste. Brigadier Slater has now handed over command of the Joint Task Force to Brigadier Mal Rerden, who will build upon Brigadier Slater’s excellent work.

“The ADF will continue to support the people of Timor-Leste as a professional and neutral force.”

Note to editors: Brigadier Slater is not available for interviews as he is spending time with his family.

A biography of Brigadier Rerden is available at http://www.defence.gov.au/opastute/


Timor-Leste no pricípicio

Tradução da Margarida.

Inter Press Service/Asia Times - Outubro 30, 2006

Por Mário de Queiroz

LISBOA – Depois de séculos de colonialismo Português e de mais de duas décadas de ocupação militar Indonésia, a instabilidade e violência continuam a atormentar Timor-Leste, simultaneamente uma das mais pobres e mais novas nações do mundo.

Desce que Timor-Leste ganhou a independência em Maio de 2002, incerteza grave tem marcado o futuro da nação ilha pequena mas rica em recursos. Confrontos violentos que começaram em Abril e tiveram o ponto alto em Junho estão vivos agora outra vez, indicando que a longa luta para a liberdade da ilha transformou-se agora numa luta violenta pelo poder entre grupos armados rivais.

Na semana passada grupos rivais de jovens larápios lutaram primitivamente uns contra os outros com facas, catanas e arcos e flechas, deitaram fogos a casas e, significantemente atacaram o contingente de tropas estrangeiras, que aterrou em Maio e é constituído maioritariamente por tropas Australianas, com contingentes mais pequenos de Malaios, Neozelandezes e Portugueses. Pelos menos morreram quatro pessoas no maior surto de violência.

Isto é mau augúrio para os que esperavam que a intervenção estrangeira e a nomeação em 8 de Julho do antigo vencedor do Nobel da Paz José Ramos-Horta acalmaria a violência e ajudaria a reconciliar grupos competitivos no interior da polícia e dos militares. Em vez disso, os distúrbios recentes foram interpretados pelo Brigadeiro-General Taur Matan Ruak, o comandante corrente das forças armadas, como uma tentativa para derrubar o novo governo.

Ele diz que o objectivo principal dos gangs violentos são "o colapso do ramo executivo, a dissolução do parlamento, e o estabelecimento de um governo de unidade nacional ". Matan Ruak, um leal de Ramos-Horta, foi um líder de guerrilha legendário que lutou contra os ocupantes Indonésios durante 25 anos.

Desordeiros recentemente alvejaram tropas internacionais, notavelmente depois de tropas Australianas terem disparado gás lacrimogéneo para dentro de um campo de deslocados improvisado, que feriu uma criança perto do aeroporto em Dili, a capital. Tropas Australianas segundo relatos também abriram fogo no mesmo dia quando u homem se aproximou deles num modo percebido como ameaçador. O director do hospital de Dili, António Calere, disse a repórteres Portugueses que quatro pessoas tinham sido mortas e 47 feridas na semana passada. Dois soldados Portugueses e um Australiano estavam entre os feridos.

O Gabinete da ONU em Timor-Leste (UNOTIL) pediu desde então a substituição das tropas Australianas por oficiais de polícia da ONU, que serão liderados por Antero Lopes de Portugal e incluem soldados de Portugal, Malásia e Bangladesh. O Comissário da Polícia em exercício Lopes disse à imprensa Portuguesa que a violência na última Quarta-feira atingiu o pior nível desde Junho, quando mais de 20,000 Timorenses fugiram da capital para as montanhas próximas.

Ramos-Horta disse por telefone de Roma – onde estava de visita ao Vaticano para convidar o Papa Benedict XVI para visitar Timor-Leste - que "grupos diferentes em Timor estão a tentar manipular as forças militares estrangeiras, acusando alternativamente os Portugueses e os Australianos".

"Membros de um grupo que foram neutralizados pelos Australianos acusam-nos de apoiar o outro lado, e membros de um grupo neutralizados pelos Portugueses acusam os Portugueses de favorecer o outro lado. É uma história sem fim," disse Ramos-Horta, que serve também presentemente como o chefe da defesa do país.

"As forças Australianas, da Nova Zelândia, Malaias e Portuguesas foram para Timor-Leste a PEDIDO DA presidência, parlamento e do governo. Em geral, as tropas comportaram-se de modo exemplar. Têm ocorrido incidentes, mas não foram nunca deliberados," disse.

Isso não é necessariamente como viu a situação a Comissão Especial Independente de Inquérito da ONU, que foi estabelecida para investigar as causas e os culpados da violência recente que levou pelo menos a 40 mortes e desencadeou a crise em curso. Emitido no mês passado, o relatório da ONU recomendou que alguns 90 oficias Timorenses de alta patente e outros fossem investigados e, se a evidência justificar, procesados nos tribunais locais. Um dos oficiais de topo indicado pela comissão da ONU foi o comandante das forças armadas Matan Ruak.

Ramos-Horta disse na entrevista que as forças armadas e Matan Ruak já tinham "apresentado desculpas públicas " depois da comissão especial da ONU ter emitido os resultados das suas investigações. "É muito raro para uma força militar em qualquer sítio do mundo mostrar tal integridade, coragem e humildade, uma atitude que ajudará a curar muitas feridas na nossa sociedade," declarou.

Em fim de Junho, o Presidente Timorense Xanana Gusmão pediu a resignação do primeiro-ministro Mari Alkatiri e do ministro da defesa Roque Rodrigues, e nomeou o então ministro dos estrangeiros Ramos-Horta para ambos os postos. A razão dada para esta mudança foi a alegada discriminação contra o grupo étnico Loromunus da parrte do oeste da ilha pelos Lorosae do leste, que significativamente têm muito maior representação nas forças armadas e na polícia.

Mas analistas em Portugal e na Austrália dizem que o problema não é tanto étnico como económico. Apontam em particular os interesses competitivos pelo controlo político sobre as vastas reservas de petróleo e de gás natural do país. Uma vez postas em linha, espera-se que essas reservas aumentem significativamente o PIB do país de cerca de US$400 e ajude a resolver o desemprego endémico do país.

"Não temos uma classe média no sentido real da palavra, nem nenhum sector privado significativo, e digo isso porque nenhum país se desenvolve sem um sector privado e uma classe média," disse Ramos-Horta. "Como toda a gente sabe, isso leva muitos anos a desenvolver-se. Às vezes as pessoas esquecem que só estamos no quarto ano de independência."

Pela sua parte, Matan Ruak disse que se devia montar uma comissão de investigação parlamentar "para garantir um regresso rápido à paz ". O objectivo da comissão deverá ser "determinar objectivos e estratégias " dos grupos violentos "e identificar os autores morais e intelectuais por detrás da crise - e, acima de tudo, responsabilizá-los ".

Ramos-Horta disse que era "simplesmente natural" que a ONU pedisse mais investigações. "É da responsabilidade do Procurador-Geral determinar se isso é ou não é necessário," disse, acrescentando: "Pela minha parte, continuarei a ter confiança total no Brigadeiro-General Taur Matan Ruak."

Infelizmente, nem toda a gente que interessa concorda. O Major Alfredo Reinado, que desertou das forças armadas com um grupos dos seus seguidores militares em Junho, está ainda escondido no mato. O removido primeiro-ministro está ainda decepcionado e politicamente poderoso. E o prognóstico das ruas é para mais violência nas próximas semanas.


Notícias - em inglês

New Zealand Herald - Tuesday October 31, 2006

NZ's response to East Timor crisis under fire
By Greg Ansley

CANBERRA - New Zealand's response to last May's crisis in East Timor revealed serious political and military flaws that could be disastrous in future emergencies in the region, an analysis of the deployment published in an Australian defence magazine claims.

The analysis appears today in Defender, the publication of the Australian Defence Association lobby group, and is highly critical of political indecision and a misreading of events leading up to the crisis.

As a result, it says, the Government was caught out by surprise and its contribution to the Australian-led intervention was late and too small.

The Defender article also warns that Army readiness levels may be too low.

The analysis was written by Auckland University doctoral candidate Zhivan Alach, whose thesis examines defence policy in Australia following the end of the Cold War.

Mr Alach says the arrival of the first deployment of one platoon on May 27, one day after Australians began landing in strength, was within an acceptable operational and diplomatic timeframe.

But he is critical of the four-day delay between the arrival of the full contingent of Delta Company in Darwin and its deployment to Dili - even given the official position that tropical acclimatisation was necessary for a long stay in the East Timorese capital.

Other difficulties included integrating the New Zealand deployment into the huge transfer of Australian soldiers and equipment, and the negotiations between Wellington, Australia and East Timor required to resolve confusion over the Kiwis' role and activities.

Mr Alach points also to the Government's "misreading" of the lead-up to the crisis.

He says that signs of renewed violence had been building throughout April and that by early May it had become highly probably that New Zealand would need to send in troops.

But unlike Australia, which had put troops on standby much earlier, Wellington deferred its decision to ready troops.

"The primary reason for this hesitation in providing a company group to East Timor seems to have been a misreading of the situation at official and/or political levels in Wellington," Mr Alach writes.

He says reasons for this included Wellington's emphasis on multilateral consensus and its concern to avoid making any move that could be misconstrued as being overly aggressive.

There were also worries about the factional nature of the fighting in Dili, doubts about who constituted the legitimate government of East Timor, and concerns that New Zealand troops should not take sides in an incipient civil war, Mr Alach writes.

"However, the primary reason for the New Zealand Government's delay in raising the infantry company's readiness notice seems to have been a simple misjudgment of the level of conflict on the ground."

He claims the deployment revealed other shortcomings in New Zealand's ability to provide overseas assistance.

A separate Cabinet decision was needed to raise the readiness of each of the potential deployments which could have instead been arranged by senior military commanders or Defence Minister Phil Goff.

Last night Mr Goff defended NZ's deployment to Timor, saying troops were dispatched quickly. "We waited in Darwin until such time as Australia was ready for us to come."

It was not a case of misreading the crisis, he said. New Zealand troops went as soon as Australia was ready for them to enter Timor.

"I don't know where the gentleman gets his information from."


The Dominion Post - Tuesday October 31, 2006

Dili rebellion talk a worry to peacekeepers

Rumours of organised rebellion against Australian troops in East Timor may indicate a threat to all international forces in the country, including those from New Zealand.

Talk of youth gangs paid to commit violence against Australian troops in the capital Dili have been linked to police discoveries that drugs and alcohol are being given to the same people.

The East Timorese Government has ordered an investigation into what is being described as an orchestrated campaign designed to turn public sentiment against the Australian troops and destabilise the country before the 2008 elections.

There were no indications of who was behind the suspected campaign, but it was a situation that should be of concern to all countries involved in peacekeeping in East Timor, Victoria University Institute of Policy Studies director Andrew Ladley said. "Any suggestion of an organised response has to be of concern to the whole international community. The hope would be that these are isolated incidents."

The Australian military faced a public "nervousness" at their size and relative force compared to other nations, Dr Ladley said. "There is a growing sense of 'Are they really the good guys?' "

New Zealand troops were unlikely to be confused with their neighbours and had a more positive relationship with locals, he said. "New Zealand is very distinctly identified as not being Australian. They have a very strong relationship with the local population."

Army spokeswoman Charmaine Pene said New Zealand's area of operation, near Dili, was relatively calm. "We're carrying on as normal, we don't appear to have anyone targeting New Zealand troops."

The Australian forces were in west Dili where a lot of the unrest was located, she said.

Prime Minister Helen Clark said the violence in East Timor was "disturbing" and would require a continued presence from offshore troops. "I don't think the case for that is going to go away any time soon unfortunately."

New Zealand's 136 troops in East Timor will be replaced by a company of 145 troops from Linton army base in November. The new contingent, a mix of air force, navy and army personnel, will serve a six-month tour.

The relatively small size of the New Zealand military presence – 136 troops compared to Australia's 1000-strong contingent – made them less threatening, Dr Ladley said.

But the social situation in Dili meant there were a large number of youths with little to do, and that could spell more trouble. Similar situations in hotspots such as Papua New Guinea had shown youths were vulnerable to recruitment drives for gangs, he said.

The main concern would be if violence took hold beyond "a couple of gangsters".

"Out of that will come a climate where people are encouraged to commit acts of violence. It would be a foolish person who did not see this as having this as potential warning signals for the popularity of an outside force."


Radio Australia - Monday, 30 October 2006, 01:33:59

UN to investigate role of organised crime in Timor unrest

United Nations police in East Timor are looking into claims that organised criminals are supplying drugs to local gangs to fuel further unrest.

Youth workers claim impure supplies of the drug crystal meth, or ice, are fuelling armed gangs to engage in extreme violence.

They say one of the city's biggest gangs is now manufacturing so-called dirty ice in Dili, and using it to push a broader agenda to destabilise the tiny nation.

The UN's acting head of mission, Finn Reske-Nielsen, says it's something for UN police to investigate.

Finn Reske-Nielsen: 'We are concerned about what appears to be a fact that both alcohol and drugs may have been involved in the violence that we experienced last week.'


The Edge Daily

Petronas, 3 Korean partners get Timor Leste PSC
By Jimmy Yeow

Petronas and three Korean partners have been awarded a production sharing contract (PSC) for an offshore exploration Block 06-102 in the joint petroleum development area between Timor Leste and Australia.

The Korean partners are Korea Gas, Samsung and LG International. The PSC, which was signed in Dili on Oct 30, is the first block to have been awarded by the Timor Leste Designated Authority (TSDA).

Petronas via its subsidiary and operator of the block PC (Timor Sea 06-102) Ltd holds a 50% stake in the PSC, Korea Gas 30% while Samsung and LG International has 10% each.

In a statement yesterday, Petronas said the PSC marked its entry in the Timor Leste/Australia’s upstream sector. “Petronas and partners are optimistic of the commerciality of the block’s hydrocarbon accumulation.”

It said the minimum investment for the exploration activities was US$40.5 million (RM147.87 million).

Block 06-102 covers 4,125 sq km and is located 450 km from Darwin and about 250 km off the shore of Timor Leste.

Under the PSC terms, the contractors are committed to acquire, process and interpret 300 sq km of 3D seismic data, undertake geological and geophysical studies and drill three exploration wells during the first three years of the block’s exploration phase.



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.