terça-feira, julho 11, 2006

Sobre a Entrega de armas

De um leitor:

Mr Gusmao's spokesman, Agio Pereira, said the weapons handed in that day were police rifles surrendered by "citizens wanting to show they supported the President". Mr Conceicao, it seemed, just happened to be around.

Citizens surrendering their weapons...who are these citizens, how did they their hands on these weapons, were they police? if they were are they contained in anyway for questioning? did they participate in attacks against the FFDTL in Dili.

"Mr Conceicao was also mysteriously present at Mr Gusmao's home two weeks ago when weapons were handed over to peacekeepers"

These are not the weapons that were allegedly given to Railos by FRETILIN. How come Railos is everywhere Xanana is? Why is he so important, is Railos he connected to those handing the weapons back? Where did these people get the weapons......aaaarrrghhh so many questions no answer PRESIDENT.


Cerimónia de entrega de armas em Liquiça

Decorre neste momento em Liquiça uma cerimónia "Lulik" de entrega de armas com a presença do Primeiro-Ministro Ramos-Horta.

Após a entrega das armas por parte de Rai Los, far-se-à o "embainhar de espadas", um ritual animista. Segundo a crença, a paz só é possível após este ritual.

A Igreja Católica em Timor-Leste não levanta obstáculos a este tipo de rituais animistas.


The healing process. Free and fair elections. (III)

De um leitor:

I understand where you are coming from, and respect your views as it is well thought out and conducive for a debate but you must understand that Timorese Politics has much to do with idealism as pragmatism.

Such as the influence of Xanana during the removal of Mari. Even though some may not agree Xanana was as much idealistic in resolving the crisis. Though various speeches the PR made were clearly inflamatory remarks and was the root cause of some ethnic violence, he remained silent during much of the crisis and only became critical when the crisis was beginning to flare out of control (he was slow in his reactions to resolve the crisis from the beginning in January when the rebel soldiers compiled a petition). In a pragmatic political environment this would have been the the end of any political career. But Xanana like Timorese politics also thrives well in an idealistic environment.

Contrary to your opinion the PR was unable to reduce the influence of FRETILIN, because the PR managed to remove Mari from the PM but not FRETILIN from the Parliament, something at many instances he threatened quite strongly to do.

Pending the outcome of the summons, I dont think FRETILIN will change much before the elections. It may appear on the surface that FRETILIN may need to consolidate itself through internal changes, but FRETILIN exists beyond the confines and politics of Dili. It is in the rural areas of Timor where the majority of the Timorese population and its supporters are, it is there where there were no signs of the violence or burning of houses.

I am not arguing that Mari should be the next PM, what I have said is the option for Mari to become Prime Minister again is still open. FRETILIN is a disciplined unit, it existed 25 years in worse circumtances, it has lost greater leaders yet it prevailed without much changes to the leadership style and changes to the current leadership. It is my opinion that it will also not change for a problem that has affected mostly Dili in only a space of around 3 to 4 months.

Should FRETIIN fail in the next elections I think there is no doubt there will be compunding changes within FRETILIN, then we can confidently say that Mari is out of the Political picture, something I am sure Horta and Xanana would welcome.


Australianos devem ficar até 2007, defende Ramos-Horta

Sidney, 11 Jul (Lusa) - O primeiro-ministro timorense, José Ramos-Horta , espera que as tropas australianas fiquem em Timor-Leste pelo menos até ao fim de 2007, divulgou hoje a rádio australiana ABC.

Timor-Leste precisa que a Austrália mantenha a sua presença ao nível actual até ao fim deste ano, e que deixe um batalhão, sob comando das Nações Unidas, como missão de paz, até ao fim de 2007, explicou Ramos-Horta.

O novo primeiro-ministro, empossado segunda-feira, falava à ABC depois do ministro australiano dos Negócios Estrangeiros, Alexander Downer, ter admitido começar a retirar as tropas australianas que estão em Timor-Leste. Ramos-Horta acrescentou que o clima de segurança em Timor-Leste melhorou e que a situação é agora idêntica à que existia antes das manifestações de Maio, que desencadearam uma crise que levou à demissão do primeiro-ministro Mari Al katiri.

O comandante das forças australianas em Timor-Leste, Mick Slater, disse que os timorenses ainda temem que a situação piore de novo, como já aconteceu o utras vezes no passado.

O responsável assegurou que as tropas australianas mantém as patrulhas, para impedir que aconteçam novos distúrbios, ao mesmo tempo que tentam convencer os refugiados a voltarem para as suas casas.


The healing process. Free and fair elections. (II)

Comentário de um leitor à resposta dada aqui por outro leitor.

Your arguments are sound in principle but based on idealism, a view of how the world should be and how people should react.
The game of politics is not governed by idealism but pragmatism. The scenario put forward by me is based on a pragmatic view of the world and people and a description of a very likely result should Fretilin insist holding on to Alkatiri as a candidate for PM.

I was not making a moral judgement on the righteousness of such scenario but merely stating the obvious.
Having said that I think Alkatiri himself understands such possibility when he suggested in an interview that maybe Fretilin should choose other names for the position.

Emotions aside, It is very hard for anyone to refute that regardless of the outcome of the investigations Alkatiri's image has been severely tarnished and his candidacy for Prime Ministership will not only trigger anxiety amongst the people in general but more importantly within Fretilin itself.

Fretilin needs to consolidate its position in readiness for the next election through a leader whose standing can span across the divide within the party itself. Whether Fretilin has this person or not is another matter. However, no one can convincingly argue that Alkatiri is still such person as this latest crisis has showed there to be an increasing opposition to his leadership. This opposition could be suficient to further unsettle the party's cohesiveness and jeopardise Fretilin's chances at the next elections if they are not brought back on board under a more unifying leadership.
If the current leadership chooses to ignore this it will do so to the party's own detriment. Despite claims to the contrary, Fretilin has been severely affected by this crisis and could well fail the test come next election if it does not fully heals its wounds.


Não querem considerar assinar estes comentários com um nome? Mesmo que o Post seja anónimo, ficaria mais fácil identificar os comentários e as respostas...


Sobre o Procurador-Geral

I am an Australian who worked as a Judicial System monitorer in East Timor.

I greatly fear for the future of justice in East Timor. I read with great trepidation that an investigation to establish the guilt or innocence of a high and controversial political figure such as the former Prime Minister is in the hands of a Prosecutor General who during my time working in East Timor had both he and his office under a cloud of question and suspicion for allegations of unethical and corrupt practices, that were never properly and fully investigated.

The cloud hanging over the prosecutor general's office is susbtantive as it remains unresolved.

Never at any stage did he or any of his colleagues seek to have their names or office cleared by referring the matter to or seeking an independent inquiry to investigate.

They simply hid behind the veil that there was not yet at the time any existing legislative mechanism for oversight and or investigation of the Porsecutor General's office. Further, he could have referred the matter voluntarily to the Provedor of Justice and Human Rights when he was appointed just to show that transparency is not just waiting to be done but seen to be done. This too was not done.

The allegations against the Prosecutor General, an assistant prosecutor and another lawyer were very public and serious. Such matters should have been investiagted to establish their innocence, which I presume to be their status until proven guilty.

Instead, the accusers were threatened with defamation action, which from memory was commenced but is yet to be finalised, and could have resulted and may still result in prison sentences for defamation for some human rights lawyers advocating the case against the Prosecutor general and his colleagues.

During my three years or so there, there were many other cases of loss of evidence and fabrication of evidence and falsification of documents.

I do not have faith in such a person with such suspicion having the carriage of a prosecution investigation against an ordinary citizen in East Timor and certainly not such a person as the former PM of East Timor, particularly given the political questions which have arisen in the porcess.

This is nothing to say of the question we all had at the time of the legality of the continued tenure of the Prosecutor General and other prosecutors, who were appointed by the deceased SRSG Sergio De Mello, and which has according to the learned opinion of many already expired and is now dependent on the reappointment by the President of the Republic.

Not much needs to be said about this in the circumstances as I think most readers will be aware of the President's publicly stated views on the pre-established guilt of the former Prime Minister on matters being delved into by a Prosecutor General with such clouds hanging over him.

Without doubt such facts about the Prosecutor would be known to the President, because East Timor is a small place.

Justice must be seen to be done and not just be done......East Timor has suffered enough of the lack of this need...thanks to many....let it not be the case again....as justice would never again be done in East Timor.


Comunicado - Kofi Annan

Source: United Nations Secretary-General

Date: 10 Jul 2006
Secretary-General welcomes establishment of new Timor-Leste Government, calls for spirit of reconciliation as country prepares for electionsSG/SM/10559

The following statement was issued today by the Spokesman for UN Secretary-General Kofi Annan:

The Secretary-General welcomes the establishment of a new Government in Timor-Leste. He congratulates Jose Ramos-Horta on his appointment as Prime Minister, and looks forward to the formation of the full Government, which he trusts will serve the needs of all Timorese.

The Secretary-General calls on all parties in Timor-Leste to move forward in a spirit of dialogue, unity and reconciliation, as the country prepares for its first presidential and parliamentary elections since independence.

He also looks forward to receiving the report of his Special Envoy, Ian Martin, on how the United Nations can best assist the Timorese people, as they build a democratic and peaceful future for their country; and he thanks Mr. Martin for successfully completing his important and sensitive mission.


Mais do mesmo...

The Australian
Rebel leader among the worthies at swearing-in
Stephen Fitzpatrick in Dili
July 11, 2006

OF all the worthies assembled for yesterday's swearing-in of Jose Ramos Horta as East Timor's Prime Minister, perhaps the most startling was Vicente "Railos" daConceicao, the rebel leader whose claims of being part of a secret hit squad helped topple the Alkatiri government.

Mr Conceicao, who took his place beside ambassadors, bishops and the heads of foreign peacekeeping forces, including Australian Brigadier Mick Slater, claimed he had been given guns, ammunition, uniforms and cars by former interior minister Rogerio Lobato.

He has yet to surrender all of those weapons and Mr Ramos Horta announced after the ceremony that the handover would take place today in the western town of Liquica. Mr Conceicao expects the Prime Minister and Xanana Gusmao to be there so he can hand his weapons directly to the President.

Mr Conceicao originally claimed to have met Mr Lobato and former prime minister Mari Alkatiri at the latter's home in Dili, to receive his assignment of leading a secret hit squad to provide "security" within the ruling Fretilin party before its national congress in May. He said he was supposed to eliminate opponents of Dr Alkatiri, including members of a group of almost 600 sacked soldiers. He said he was in a gunfight with East Timorese soldiers outside Dili on May 24 in which armed men from both sides, and civilians, were killed. Mr Lobato, who had responsibility for the police but no control over the military, later implicated his one-time boss in a day-long grilling by international prosecutors.

Dr Alkatiri has been issued with a new summons to face questioning next week, after refusing to front on another summons last week. (MENTIRA)

Mr Conceicao's deputy, Mateus "Rakat" dos Santos Pereira, said yesterday from Liquica that today's weapons handover would be "a final sign of the Alkatiri regime".

"Tomorrow we will show the world we are neither military nor police, but civilians who were given weapons by Alkatiri".

Dr Alkatiri denies the claims.

Mr Gusmao's head of protocol said Mr Conceicao had been invited to the swearing-in ceremony as a community leader and former fighter for Falintil -- the anti-Indonesian guerilla force.

He said other Falintil fighters had been invited but could not attend. Significantly, another invited non-attendee at yesterday's event was Dr Alkatiri. Mr Conceicao was also mysteriously present at Mr Gusmao's home two weeks ago when weapons were handed over to peacekeepers. That event was carefully stage-managed, with prosecutor-general Longhuinos Monteiro on hand to explain how Dr Alkatiri appeared to have been involved in the hit squad scheme, although the rifles were not those Mr Conceicao claimed to have been given.

Mr Gusmao's spokesman, Agio Pereira, said the weapons handed in that day were police rifles surrendered by "citizens wanting to show they supported the President". Mr Conceicao, it seemed, just happened to be around.


The healing process. Free and fair elections. (I)

De um leitor: Sobre o Post "E Agora?" também traduzido pela Margarida aqui.

This text sums up quite well the enormity of the task ahead and correctly points out that such issues cannot be resolved within 10 months. For that very same reason the success of this new government cannot be measured in terms of achieving or not the resolution of all those issues but by its ability to lay the necessary grounds for the healing to take pleace and continue into the foreseeable future.

Unlike that which is postulated by the author, this situation very much discounts an ouright return of Alkatiri to politics or in the very least as a possible PM as that would translate into a reversal of all the healing work that will take place in the lead up to the 2007 elections. Thus, Alkatiri's possible return could have a catastrophic effect and could possibly plunge the country back into a new crisis. This decision and responsibility however rests squarely in the hands of Fretilin and the ability of its leadership to be able to place national interests ahead of its own or Mari Alkatiri political carreer.

There are however a few points which were not properly grasped by the author.

Firstly, the President was not the one who blamed this crisis on "everyone else" but simply on the government’s inability to handle the issue of the peticionaries and the subsequent crisis that derived from that. The ones blaming "everyone else" including foreign actors were infact Alkatiri himself and the hardcore fretilin leadership which have so far not been substantiated.

Secondly, the responsibility will not fall squarely on Xanana or Ramos Horta as such but instead the success of the new government will depend greatly on Fretilin showing to the people that despite all it is a politically mature party and genuinely more committed to bringing forth normality to the country rather than continuing with the strong arm stance of the past to the detriment of peace and stability of the country. That commitment should be clearly expressed through the establishment of a positive and fruitful cooperation and working relationship with its new PM and all state intitutions. It is also whorthwhile to note that despite an independent PM, the government remains very much a Fretilin government as a result of the party’s insistence.

This can best be ilustrated through the authors own words which I quote:

“FRETILIN in itself has not faltered as consequence of the crisis, it still has influence in the current Government, it still has great power to exercise from the Parliament neither of the two unconstitutional.”

If it is true, as stated by Mari Alkatiri in the past, that only Fretilin can create stability or instability, the next 10 months will prove beyond reasonable doubt which one of those Fretilin is trully commited to achieve.

A resposta de outro leitor:

On the contrary, Mari has not left Politics altogether. He is still highly regarded by the FRETILIN leadership (both "hardcore" or moderate), he has for now integrated in Parliament and he is still the Secretary General of FRETILIN. As pointed out if Mari is found not to be responsible for any of the allegations against him , I don’t see why he cannot return to politics.

There are two fundamental questions left out;

Was the crisis orchestrated (Coup d'état)?

What if FRETILIN wins the Election in 2007 by the same margin?

These two questions are fundamental in respect to Democracy.

If Mari is not found responsible for any of the allegations against him, I don’t see why he cannot return to politics or the Prime Ministership. This takes into the fact that he is still the Secretary General of FRETILIN a post which normally assumes the Prime Ministership if FRETILIN wins an election. I think if it is substantiated that the crisis was orchestrated and FRETILIN wins the elections and Mari is still the Secretary General he would be a strong candidate for the Prime Minister. I think in this scenario only Mari would rule himself out of the Prime Ministership.

Hence in this scenario unfolds then anything to the extent anonymous 8:15:56 PM points out “Alkatiri's possible return could have a catastrophic effect and could possibly plunge the country back into a new crisis.” amounts to threats on Democracy itself, should FRETILIN return with the same majority it has every right to choose the Prime Minister and be respected for that. As to wether possibly plunging the country to crisis, it is the responsibility of all political leaders to respect the results of any free and fair elections.

But alas, all depends on the Prosecutor General succeeding in finding a strong case against Mari, and whether FRETILIN wins the next election while Mari is Secretary General of the Party.

The question of the crisis being orchestrated, if FRETILIN wins the elections then it should have the maturity to look forward and reconcile with all other Political parties including Independents.

The healing process should begin with al leaders of our society Political and Civic respecting the results of any free and fair elections.


O colunista do Mercury ajuda em Dili

Tradução da Margarida:

Fairfax Digital
Julho 10, 2006

JAMES Dunn não teve tempo para escrever uma coluna para o Mercury esta semana porque o antigo cônsul Australiano em Timor-Leste tem estado ocupado a escrever um programa político para garantir um futuro estável para a nação dividida.

Mr Dunn viajou para Dili em 1 de Julho a pedido do primeiro-ministro de Timor-Leste em lista-de-espera José Ramos Horta.

”Estou a trabalhar num projecto muito sensível – Foi-me pedido para organizar uma agenda para as políticas a serem implementadas pelo novo governo," disse ontem Mr Dunn.

"Começo a trabalhar pelas 7.30 (am) e normalmente trabalho de seguida até cerca das 8.30 da noite – é uma tarefa pesada para uma pessoa com 78 anos."

Mr Dunn disse que apesar da presença dos soldados Australianos em Dili, os Timorenses parecem relaxados e felizes.

Annan sauda tomada de posse de Ramos Horta como primeiro-ministro

Washington 11 Jul (Lusa) - O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, saudou segunda-feira a tomada de posse do novo primeiro-ministro de Timor-Leste com um apelo aos timorenses para seguirem a via da reconciliação.

Numa declaração emitida ao fim do dia na sede da ONU em Nova Iorque, o porta-voz de Annan disse que este "saúda o estabelecimento de um novo governo em Timor-Leste".

Annan, disse o seu porta-voz, "congratula José Ramos Horta pela sua nomeação como primeiro-ministro" e aguarda com agrado a nomeação de um novo governo que "tem a certeza servirá as necessidades de todos os timorenses".

"Numa altura em que o país se prepara para as primeiras eleições presidenciais e parlamentares desde a independência, o secretário-geral apela a todas as partes em Timor-Leste para avançarem no espírito de diálogo, unidade e reconciliação," disse.

Segundo o porta-voz, Kofi Annan aguarda agora pelo relatório do seu enviado especial, Ian Martin, para decidir "como as Nações Unidas podem ajudar melhor o povo timorense na construção de um futuro democrático e pacífico para o seu país".

Martin terminou segunda-feira uma visita de duas semanas a Timor-Leste para avaliar as necessidades do país.

O mandato da actual missão da ONU em Timor-Leste, a UNOTIL, termina a 20 de Agosto e até lá Annan terá que apresentar ao Conselho de Segurança um relatório sobre a futura missão da ONU.

Embora todos os membros do conselho de segurança concordem que a ONU terá que voltar a reforçar a sua missão em Timor-Leste há desacordos quanto à necessidade da presença ou não de uma força de manutenção de paz.

Os Estados Unidos indicaram já que apoiam uma força policial da ONU, mas não mencionaram até agora qualquer apoio a uma força militar da ONU para substituir as tropas da Austrália, Nova Zelândia, Malásia e Portugal.


Presidente faz declaração ao país às 4 da tarde


Tão Grande Dor

"Tão grande dor para tão pequeno povo" palavras de um timorense à RTP.

Tão Grande Dor

Timor fragilíssimo e distante
Do povo e da guerrilha
Evanescente nas brumas da montanha

"Sândalo flor búfalo montanha
Cantos danças ritos
E a pureza dos gestos ancestrais"

Em frente ao pasmo atento das crianças
Assim contava o poeta Rui Cinatti
Sentado no chão
Naquela noite em que voltara da viagem

Dever que não foi cumprido e que por isso dói

Depois vieram notícias desgarradas
Raras e confusas
Violências mortes crueldade
E anos após ano
Ia crescendo sempre a atrocidade
E dia a dia --- espanto prodígio assombro ---
Cresceu a valentia
Do povo e da guerrilha
Evanescente nas brumas da montanha

Timor cercado por um bruto silêncio
Mais pesado e mais espesso do que o muro
De Berlim que foi sempre falado
Porque não era um muro mas um cerco
Que por segundo cerco era cercado

O cerco da surdez dos consumistas
Tão cheios de jornais e de notícias

Mas como se fosse o milagre pedido
Pelo rio da prece ao som das balas
As imagens do massacre foram salvas
As imagens romperam os cercos do silêncio
Irromperam nos écrans e os surdos viram
A evidência nua das imagens

Sophia de Mello Breyner Andresen


"Crise militar não está resolvida"- PM Ramos-Horta

Díli, 10 Jul (Lusa) - O novo primeiro-ministro timorense, José Ramos Horta, reconheceu hoje em entrevista à Lusa que a crise militar em Timor-Leste "ainda não está resolvida" e tem de ser tratada "com prudência", pelo que decidiu a cumular a pasta da Defesa.

"A crise militar não está resolvida. As feridas são profundas e a instituição tem que ser repensada no seu todo. Há necessidade de diálogo no seio das forças armadas, das forças armadas com a Polícia Nacional e com a sociedade civil", afirmou Ramos Horta, hoje empossado primeiro-ministro.

"Ainda temos alguns militares que saíram das fileiras no dia 03 de Maio e ainda não regressaram. Ainda temos a questão dos peticionários. Ainda temos muito trabalho delicado pela frente e eu quero levar este processo muito a sério, mas com prudência", acrescentou.

Ramos Horta referia-se à questão que esteve na génese da actual crise político-militar, quando cerca de 600 ex-soldados, subscritores de uma petição, p rotagonizaram em finais de Abril uma manifestação contra o seu despedimento da i nstituição militar, que degenerou em violência e originou a desintegração da Pol ícia Nacional e divisões no seio das forças armadas.


Ramos Horta disse já ter falado com o brigadeiro-general Taur Matan Rua k, comandante das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL)), sobre a acumulação da pasta da Defesa.

"Falei com o brigadeiro-general Taur e ele disse-me que preferiria que eu mantivesse a pasta da Defesa", frisou.

Relativamente ao seu governo, que se baseará no executivo anterior, liderado por Mari Alkatiri e em que ocupou as pastas dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, Ramos Horta disse que continua a preferir a diminuição do número de governantes, que eram 43.

"Não vou ainda diminuir o governo. Talvez dentro de algumas semanas, mas isso depende muito da Comissão Política Nacional da FRETILIN. Eu não esqueço q ue sou um independente num governo do partido maioritário. Tenho que consultar o partido maioritário", considerou.

Na sequência da crise e após denúncias de que estaria envolvido numa alegada distribuição de armas a civis - processo em que será ouvido pelo Ministéri o Público a 20 de Julho -, Mari Alkatiri, líder da FRETILIN, demitiu-se do cargo de primeiro-ministro a 26 de Junho.

Neste momento, o governo é formado apenas pelo primeiro-ministro e pelo s vice-primeiros-ministros Estanislau da Silva e Rui Araújo, empossados hoje, em Díli, pelo Presidente da República, Xanana Gusmão.

A posse do restante elenco está marcada para quarta-feira, e a maior parte dos membros do anterior executivo deverá ser reconduzida, mas Ramos Horta indicou que vai efectuar mudanças e que iniciará contactos terça-feira, para "convidar um ou outro ministro [do governo de Alkatiri] para aceitar um posto de embaixador".

"Há muito tempo que prometo um embaixador novo para Lisboa. A embaixadora Pascoela Barreto há muito tempo que me pede a transferência. Também há muito tempo que não preenchemos a embaixada em Washington e Maputo, também a embaixada já orçamentada em Banguecoque e vamos ter que abrir uma embaixada no Vaticano", explicou.

O actual embaixador de Timor-Leste em Camberra, Hernâni Coelho, regressará a Díli para ocupar a pasta dos Negócios Estrangeiros.

Ramos Horta disse também que pretende aproximar o seu governo da sociedade civil, para o que vai propor ao Conselho de Ministros a criação de um mecanismo de consulta prévia.

"Quero criar um mecanismo de consulta com a sociedade civil, envolvendo a Igreja [Católica], organizações não-governamentais e intelectuais sobre decisões importantes a serem tomadas pelo governo, suponhamos em matéria de propostas de lei ou investimentos do Estado ou privados, nacionais ou estrangeiros", disse.

O primeiro-ministro timorense considerou que a criação do novo órgão nã o representará uma usurpação de competências do Parlamento Nacional, salientando que no século XXI, o envolvimento da sociedade civil na tomada de decisões "é incontornável".

"Quando [a sociedade civil] não é ouvida, há manifestações de toda a ordem que perturbam as tomadas de posição. Por isso, considero preferível" haver u m mecanismo de consulta, vincou.

"Podemos começar por um órgão informal. Vamos ver se dentro de meses pode ser melhor estruturado", disse, frisando que o objectivo é "ouvir antecipadam ente quem representa a opinião pública no país".

"Isso ajuda o governo a repensar as suas opiniões e decisões, antes de as tomar", justificou.

Ramos Horta anunciou igualmente que vai propor legislação que isente a comunicação social do pagamento de taxas na importação de bens e produtos para a sua actividade profissional.

"Além disso, o Estado poderá dar dinheiro para ajudar a pagar salários.

Este país tem obrigação de ajudar a imprensa", disse.

Confrontado com a exigência de eleições antecipadas feita por sectores políticos timorenses, José Ramos Horta reconheceu que nem todos concordam com a solução adoptada.

"Alguns partidos da oposição gostariam de ter primeiro eleições antecipadas. Talvez ficassem mais contentes se houvesse ma grande remodelação governamental", disse.

"Mas porque temos eleições dentro de nove meses e estamos perante uma situação económica e humanitária difícil e um quadro emotivo e psicológico complexo, as eleições antecipadas seriam desastrosas. Aliás, as Nações Unidas, a Comissão Europeia e cada país amigo com quem falámos dizem não a eleições antecipadas ", adiantou.

Quanto a alterações profundas no governo, Ramos Horta considera não serem desejáveis.

"O que é que vamos conseguir com isso? Mais atrasos na execução orçamental, mais atrasos inadmissíveis nas respostas à população. Por isso, o Presidente [Xanana Gusmão], a Comissão Política Nacional da FRETILIN e eu próprio achámos por bem manter o actual gabinete, com algumas mudanças, talvez nalgumas áreas vitais, mais para tornar o governo funcional do que aparecer com grandes mudanças ", salientou.

Sobre a futura missão da ONU em Timor-Leste, afirmou-se partidário de uma presença pelo período mínimo de cinco anos e manifestou-se convicto de que até ao final deste ano, o número de polícias ao serviço das Nações Unidas no país se situe entre os 800 e os mil.

"Quanto às forças de paz ainda não há consenso no Conselho de Segurança da ONU, mas tenho confiança que vai haver aqui uma força de paz, para ficar em Timor-Leste pelo menos até ao final de 2007 e provavelmente até ao final de 2008 ", disse.

Timor-Leste poderá arcar com parte das despesas da missão da ONU, tendo em conta que "os cofres do Estado estão cheios de 'petrodólares'", admitiu o primeiro-ministro.

"Tínhamos há meses cerca de 600 milhões de dólares provenientes do Fundo Petrolífero [criado pelo anterior governo e que prevê a aplicação das receitas petrolíferas em obrigações do tesouro norte-americano]. Esperamos ter até ao final do ano, cerca de mil milhões de dólares. Se for preciso Timor-Leste contribu ir também para o encargo desta missão, devemos fazê-lo", defendeu.

Quanto à ausência hoje de Mari Alkatiri da cerimónia da sua posse como primeiro-ministro, Ramos Horta disse compreendê-la.

"Ele pessoalmente não gostaria de ir e compreendo perfeitamente. Devo dizer que para mim a cerimónia foi pesada, devido ao pano de fundo, a crise em qu e vivemos desde Abril para cá, e também [por] não ter ali o meu amigo e irmão Mari Alkatiri", concluiu.


MNE português destaca "elevado sentido de Estado" de novo PM

Lisboa, 10 Jul (Lusa) - O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Luís Amado, destacou hoje "a experiência, o elevado sentido de Estado e as capa cidades de diálogo para a diplomacia" do novo primeiro-ministro timorense, José Ramos Horta.

Trata-se de "valores importantes para a tarefa que [Ramos Horta] tem pela frente", frisou Luís Amado, em declarações à Lusa à margem da sessão solene comemorativa do 10º aniversário da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), realizada na Assembleia da República, em Lisboa.

O prémio Nobel da Paz e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros timorense , de 56 anos, tomou hoje posse do cargo de primeiro-ministro de Timor-Leste.

Luís Amado adiantou ter falado domingo telefonicamente com Ramos Horta para lhe transmitir as suas felicitações pessoais e "manifestar disponibilidade do governo português para encontrar soluções para a crise que o país atravessa".

Além de José Ramos Horta, tomaram hoje posse os vice-primeiros-ministros Estanislau da Silva e Rui Araújo.

A posse do restante elenco do II Governo Constitucional de Timor-Leste realiza-se quarta-feira.

Timor-Leste vive uma crise político-institucional desde o final de Abril, que levou à demissão de Mari Alkatiri do cargo de primeiro-ministro, a 26 de Junho.

Confrontos entre grupos rivais, sobretudo em Maio, provocaram três deze nas de mortos e cerca de 150 mil deslocados.

Para restabelecer a segurança, uma força policial e militar de Portugal , Austrália, Nova Zelândia e Malásia encontra-se em Timor-Leste desde Maio, a pe dido das autoridades timorenses.


Indonésia saúda escolha de Ramos Horta para primeiro-ministro

Jacarta, 10 Jul (Lusa) - O Presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, telefonou hoje a José Ramos Horta para saudar a sua nomeação para primeiro-ministro de Timor-Leste, noticiou a agência indonésia Antara.

"O Presidente deu os parabéns a Ramos Horta, de quem é amigo", disse o porta-voz da presidência indonésia, Dino Patti Djalal, acrescentando que Yudhoyono telefonou ao novo primeiro-ministro timorense às 11:00 (03:00 em Lisboa), uma hora depois da cerimónia de tomada de posse.

Durante a conversa que mantiveram, segundo o porta-voz, Ramos Horta pediu a reabertura dos postos de controlo ao longo da fronteira entre os dois países, encerrados na sequência dos confrontos do final de Maio em Timor-Leste.

Timor-Leste vive uma crise político-institucional desde o final de Abril, que levou à demissão de Mari Alkatiri do cargo de primeiro-ministro a 26 de Junho.

Confrontos entre grupos rivais, sobretudo em Maio, provocaram três dezenas de mortos e cerca de 150 mil deslocados.

Para restabelecer a segurança, uma força policial e militar de Portugal, Austrália, Nova Zelândia e Malásia encontra-se em Timor- Leste desde Maio, a pedido das autoridades timorenses.

A Indonésia invadiu Timor-Leste em Dezembro de 1975 e ocupou a antiga colónia portuguesa até 1999.


E agora? (Tradução da Margarida)

Há algumas questões fundamentais que ainda estão por resolver em Timor-Leste. O Presidente e o Primeiro-Ministro estão agora sob maior escrutínio e alguma pressão para encontrar soluções para as divisões na sociedade Timorense e restaurar a normalidade. A reconciliação será um mecanismo de resolução difícil considerando que a crise foi originada por ofensas de discriminação a secções dos Militares predominantemente dos Distritos do Oeste de Timor-Leste.

Fosse a divisão étnica um resultado de má política, reacções espontâneas, ou uma manobra orquestrada para desencadear o conflito e depor Mari/FRETILIN do Governo, abriu novas questões que podem vir a ser irreconciliáveis.

Muita da responsabilidade dessa divisão é do Presidente o símbolo unificador de Timor-Leste que durante o percurso desta crise fez vários comentários inflamatórios em discursos Presidenciais à nação. O modo como geriu a crise corrente não é de louvar quando se considera que a Constituição esteve à beira de ser violada em muitas ocasiões. O Presidente que ainda goza de um tremendo respeito dos Timorenses tem agora mais responsabilidade no curar das feridas da crise corrente, e não deve continuar a culpar os outros pelos problemas do país.

Mas o que ainda é pior é que o Presidente e o Primeiro-Ministro têm 10 meses para corresponder às expectativas do povo de Timor-Leste no que respeita a:

. Reconciliar e unificar Timor Leste;

. Encontrar uma solução para os desertores (Alfredo), no caso deles serem reintegrados nas forças militares?;

. Responder às ofensas dos Peticionários que foram instrumentais em juntar apoio para o Presidente exigir a resignação de Mari;

. Obrigação de negociar com os Militares (FFDTL) para resolver as questões militares que subjazem;

. Providenciar confiança na segurança e o regresso dos deslocados a casa;

. Reconstruir ou construir novas casas;

. Re-estabelecer a Força da Polícia;

. Acalmar vários indivíduos, grupos, partidos politicos incluindo a FRETILIN;

. E de máxima importância assegurar que as próximas eleições se desenrolem em ordem para que se possa estabelecer um governo estável.

Nem sem mencionar a continuação do desenvolvimento e da governação do país.

Não houve uma resolução clara, o estabelecimento do Segundo Governo Constitucional é somente uma medida temporária para um problema que não se resolve num curto período de tempo.

Basta dizer que por agora o Presidente só teve sucesso em restringir Mari temporariamente neste clima político corrente.

A FRETILIN não foi arredada como consequência da crise, ainda tem influência no corrente Governo, ainda tem um grande poder no Parlamento e nenhuma das duas situações é inconstitucional.

Se o Procurador-Geral falhar na prova das alegações contra Mari isso coloca Mari e a FRETILIN numa posição mais forte para concorrer nas próximas eleições e o possível regresso de Mari, o que transforma numa zombaria a resignação forçada.

Pode ter havido várias alegações e argumentos para dizer que Mari foi responsável pela crise.

Essas alegações são muitas e por causa do número de alegações sem substância que se levantaram na crise (60 pessoas mortas em Tasi Tolu) isso coloca qualquer prossecução em risco porque leva Mari a ser visto como perseguido políticamente mais do que legalmente.

Isto não significa que Mari não seja culpado das alegações levantadas. É da maior importância que nem a FRETILIN, o Presidente e o corrente governo não influenciem nem interfiram com os processos legais; um ordenamento imparcial legal assegurará que qualquer decisão não levante mais questões no futuro.

Este Governo está limitado pelo facto do Primeiro-Ministro não ser membro da FRETILIN que detém a maioria parlamentar. Será um Governo e um Presidente prejudicados pela urgência as questões que resultaram de crise presente e enfrenta o facto de se desacreditar se as eleições não se realizarem o que levará a nova crise.

É essencialmente um governo provisório e não conduzirá ao desenvolvimento a longo termo de Timor-Leste.

Um Governo que não é um verdadeiro representante ou que não tenha o apoio dos partidos políticos que têm uma maioria no Parlamento não funcionará efectivamente. Dadas as muitas responsabilidades e questões significativas que levam anos e não meses a resolver, o único sucesso real que este Governo pode ter é estabelecer estabilidade e segurança para que possa haver eleições livres e justas em Timor Leste que por sua vez consolidarão a Democracia.



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.