quarta-feira, julho 12, 2006

Population Displacement OCHA Situation Report

Timor-Leste: Population Displacement OCHA Situation Report No. 12

This report is based on information received from the United Nations Office in Timor-Leste (UNOTIL), UN Agencies, international NGOs and media sources.


1. The security situation in Dili remains calm. Security forces report isolated law and order incidents including occasional house-burnings and looting. It was last week determined to be safe for international police to carry out patrols without a military escort. Traffic in Dili is returning to normality following the international police pushing for the implementation of traffic rules.

2. Nobel Peace Prize winner Jose Ramos-Horta was named as new Prime Minister on 10 July. The new Prime Minister's deputies, Agriculture Minister Estanislau da Silva and Health Minister Rui Araujo, attended the sworn event along with senior Catholic bishops and foreign diplomats. The new Prime Minister said his priorities to be to boost security in the country, reopening of public schools in Dili, starting national reconciliation talks and the appointment of a new cabinet.

3. A meeting to discuss IDP returns was convened on 6 July by the then Coordinating Minister Jose Ramos Horta. Participants included senior government ministers, representatives of the international community, international security forces, UN agencies and the UN Humanitarian Coordinator. Minister Bano of the Ministry of Labour and Community Reinsertion (MTRC) has established a return and reintegration working group, which met for the first time on 11 July.

4. Following re-opening of government ministries, Humanitarian Coordination Group meetings have resumed at the Ministry of Labour and Community Reinsertion (MTRC). Sector working groups provide technical forums for the coordination of Food Security, Health and Nutrition, Water and Sanitation, Protection, Shelter/NFIs, Education and Camp Management and continue meeting regularly.

5. Sukehiro Hasegawa, the Special Representative of the UN Secretary General (SRSG) in Timor-Lese presented the Prime Minister on 11 July with a copy of a report on “Strengthening Accountability and Transparency in Timor-Leste” prepared by a team of international experts, who visited Timor Leste for that purpose late last year. The 62 page report was published in April 2006 but had to await distribution due to deteriorating security situation.

6. There have been no recent updates on the figures provided by camp managers: 72,872 IDPs are reported to be living at 59 locations in Dili as of 3 July.

7. Preliminary findings of the Rapid Joint Assessment of IDPs in districts outside Dili are now available. The exercise set out to assess the impact of IDPs on host communities in the districts, with the participation of INGOs and UN agencies (Concern, CRS, OCHA, Oxfam, Plan, WFP, UNICEF and World Vision) working with district administrations. The assessment revealed that 96% of IDPs in the districts were living with host families and that the main concern was food security due to the sudden increase in the population. Limited food stocks and purchasing power mean that the regular lean period will arrive early this year (September likely). The lean period is expected to be more severe than usual and is likely to have a knock-on effect in other sectors including Water and Sanitation, Health, Education and Protection. A finalized report with inputs from each of the sector working groups will be made available next week.

8. The Ministry of Health, in conjunction with WHO, established a health surveillance and response system for IDPs in early June. The latest data shows the following medical complaints recorded among IDPs in Dili: acute upper respiratory infection (64.9%); skin infections (10.3%); clinical malaria (7.3%); acute watery diarrhoea (7.3%); injuries (3.7%); conjunctivitis (3.4%) and pneumonia (2.6%).

9. The multi-disciplinary needs assessment mission led by Ian Martin, Special Envoy of the UN SG to Timor Leste, has finished its consultations and will present its recommendations for the Security Council on future UN assistance. Ian Martin said during a press conference on 9 July that the UN would focus on two important areas: the reconstruction of PNTL (National Police Force) and the assistance for the upcoming Parliament and Presidential elections. The Special UN Envoy also stressed the judiciary system would function properly once PNTL is reorganized. On the Special Independent Commission of Inquiry, Ian Martin said the investigation is underway and that it should be in accordance with the Timor-Leste judiciary system. The UN Special Envoy said it will be extremely difficult to have anticipated elections, as it takes time for preparation and consultations to be carried out, noting that the elections in Timor-Leste would be conducted as determined by the country’s constitution.


10. WFP distributed 60.55 MT of assorted food commodities to Dili IDP camps between 7 and 10 July and began the third cycle of food distribution to all IDP camps on 7 July. IOM delivered 201.36 MT of government rice between 7 and 10 July and plans to distribute rice, oil, CSB and sugar to 12 schools in Liquica and community health centres in Ainaro as part of the school feeding program with WFP on 11 July.

11. UNHCR’s mobile technical team (with plumber, carpenter and general-hand recruited from various IDP communities) is already at work in a number of sites carrying out urgent repairs and drainage improvement works. The mobile team’s work is being coordinated with the WATSAN Working Group, chaired by UNICEF.

12. IOM has finished rapid assessments of five IDP camps in Hera. Findings show that only one of the camps (Port Marina) has received rice and food. All are lacking in provision of non-food items and water and sanitation facilities. IOM will respond in delivering rice to the other camps and coordinate with agencies to address current gaps in humanitarian assistance.

13. Special envoy of the European Commission to East Timor, Dr. Miguel Amado, is in Timor Leste. He will meet with representatives of international organizations to discuss how the EC can best support Timor Leste. The latest ECHO contributions towards the Flash Appeal are: WFP 1 160 000 euros, UNHCR 1 500 000 euros, Worldvision 200 000 euros and Plan International 140 000 euros.

14. Key findings of an UNFPA/Rede Feto’s Gender based Violence (GBV) assessment at Dili IDP camps show that GBV is not a major emerging issue from the IDP camps but the potential for violence is high, given the close proximity of tents/shelter accommodation, sleeping arrangements of IDPs, etc. Most women feel relatively safe in the IDP camps and prefer to stay inside the camps. Many women see the most dangerous period to be when they return to their homes during the day. Some women in the IDP camps are reported suffering trauma and many women have noticed change in their children become more withdrawn or more aggressive. Several men in the IDP camps have displayed signs of suffering trauma.

15. Camp management trainers from the Norwegian Refugee Council will spend this week visiting IDP camps to familiarize themselves with camp management issues in Dili. They will tailor next week’s training module to meet needs observed during this week’s assessment. Training will be held for local camp managers and representatives of the Site Liaison Support (SLS) network.

OCHA is in close contact with the UN Country Team and UNOTIL in Dili and will revert with further information as it becomes available. This situation report, together with further information on ongoing emergencies, is also available on the OCHA Internet Website at http://www.reliefweb.int.

Sobre legalidades e Partidos políticos

Gostariamos de saber quantos partidos políticos têm realizado votações para eleger os seus dirigentes, e qual o método utilizado.

E quantos cumpriram a Lei dos Partidos no que diz respeito à publicação de Estatutos... para começar...


Posse restantes membros governo de novo adiada, agora é 6ª feira

Díli, 11 Jul (Lusa) - A posse dos restantes membros do II Governo Const itucional de Timor-Leste foi novamente adiada, agora para sexta-feira, depois de já ter estado agendada para hoje e para quinta-feira, anunciou o gabinete do pr imeiro-ministro, José Ramos-Horta.

Em comunicado enviado à Agência Lusa, o gabinete de José Ramos-Horta in dicou que o novo adiamento da cerimónia de posse partiu do Presidente da Repúbli ca, Xanana Gusmão, mas sem adiantar qualquer explicação.

Contactada pela Lusa, a Presidência da República também não deu qualque r explicação para o novo adiamento da posse dos membros do governo, formado para já pelo primeiro-ministro e pelos vice-primeiros-ministros Estanislau da Silva (FRETILIN) e Rui Araújo (independente), empossados segunda-feira passada.

No comunicado, o gabinete de José Ramos-Horta refere que o adiamento da posse dos restantes membros do executivo obrigou igualmente a adiar para sexta- feira à tarde (hora local) o primeiro Conselho de Ministros do II Governo, com o Orçamento de Estado para o ano fiscal iniciado a 01 de Julho na agenda de traba lhos.

Entretanto, Xanana Gusmão viu hoje frustrados os encontros que tinha marcado com os partidos políticos da oposição com representação parlamentar.

Quatro dos partidos, por razões diferentes, não estiveram presentes no encontro colectivo com o chefe de Estado.

Os três maiores, Partido Democrático (PD), Partido Social Democrata (PSD) e a Associação Social Democrata Timorense (ASDT), elegeram em conjunto 19 dos 88 deputados que fazem parte do Parlamento Nacional, em que a FRETILIN tem maioria (55 deputados).

Em declarações à Lusa, Mário Carrascalão, presidente do PSD, disse que os três partidos "apenas aceitam falar com o Presidente depois da formação do novo governo".

"O Presidente Xanana Gusmão deve assumir as suas responsabilidades. Dep ois de formado o novo governo, e de ser empossado, podemos falar com ele. Agora não", disse Carrascalão.

"Entendemos que agora não há nada para falar, porque o processo de form ação deste governo passou ao lado dos partidos da oposição. [O novo executivo] Vai integrar ministros que provêm de um governo que falhou e é responsável pela crise em Timor-Leste", acrescentou.

Mário Carrascalão contestou, por outro lado, a metodologia utilizada pelo Presidente da República para os encontros com os partidos com representação parlamentar.

"Que é que há para dizer aos partidos da oposição que não pode ser dito à frente da FRETILIN?", questionou.

O quarto partido que também não participou no encontro, a União Democrática Timorense (UDT, 2 deputados), justificou a ausência com o facto de ter renu nciado aos mandatos por defender a dissolução do parlamento, segundo disse à Lus a o seu presidente, João Viegas Carrascalão.

A formação do novo governo, na sequência da demissão de Mari Alkatiri d o cargo de primeiro-ministro, a 26 de Junho, suscitou críticas dos maiores parti dos da oposição, que defendem a dissolução do Parlamento Nacional e a convocação de eleições antecipadas.

Contactado pela Lusa, o porta-voz de Xanana Gusmão desvalorizou a ausên cia dos principais partidos da oposição do encontro com o Presidente da Repúblic a.

Agio Pereira confirmou, por outro lado, que o primeiro encontro ordinár io de Xanana Gusmão com José Ramos-Horta se realiza quinta-feira, retomando os h abituais encontros semanais entre o Presidente da República e o chefe do governo .



Response to Ms Kirsty Gusmão's opinion in The Australian of 7 July 2006


Dear editor,

We, the undersigned Women of our proud independent nation of Timor-Leste would like to respond to the opinion of Ms Kirsty Sword Gusmão in the Australian newspaper of 7 July 2006.

Though we have points of agreement with her on the role and status of women in our country, we also have many points of departure with what we regard as a simplistic depiction from her in that opinion piece with regard to what has been and will continue to be a very complex and involved process for all us women.

We are women who have been involved for decades in our national struggle, we are also women of Fretilin and are proud of that fact and the role we have played in our institutions towards the process of peace building and reconciliation in our nation.

If the current crisis is one as Ms Sword says of "Timor Woman, once again a victim of the excesses and ambition of men" then we say that this is yet to be proven as to which men's excesses and whose ambitions have been the cause, and that can only be reached through
the due process of justice, though history will also be telling as a judge in this regard
. The process is not comple1e yet and our justice, democratic and constitutional institutions must continue to move forward to find solutions for these challenges for peace and reconciliation in our mind. We will always play a part in this process.

We represent women whose dream for independence began more than three decades ago, and as such we will not easily let go of our dream to consolidate our national independence, our national sovereignty and create a just and equitable society for all.

We were there in the jungles and the mountains and struggled daily in our lives with an occupying enemy to ultimately win our independence. Many like Vice Minister for State Administration, Ilda da Conceição, lost their beloved husbands, and our beloved brother Kilik., in this struggle. We were there when blood was spilt. We were there when the last breath expired for our comrades. We have paid the personal price of war and do not want it to return to our beloved nation.

But mostly we have been here in the process of policy formulation and legislation which ensured woman is proportionally represented in our parliament and our public consultation bodies.

Yes we are also women of Fretilin and it has been Fretihin as a political party through its substantive majority representation which ensured that we have the impressively high number of MPs in our national parliament" as Ms Sword states, and which ensured the passage of vital legislation to promote and advance the status of women.

Yes it was the Alkatiri government with two women occupying two out of the first four top ranking ministerial posts, including the vital Ministry of Planning and Finance, which has both a Minister and a Deputy Minister who are both women., which undertook wide public consultation and approved sent to parliament a anti-domestic violence law which has been wide acclaim, as well as many other measures that ensure access by to services and opportunities.

But there have been many more women involved in this process we are proud of, not just from Fretilin, but from other parties and organisations who worked together with us on ensuring we attain more rights for women in this country.

The status of women in our country has indeed come a long way in even these four short years since the restoration of independence, but many strides were made during the period of the struggle, specially in the liberated areas during the Indonesian occupation.

We bring these experiences and these advances with us to struggle for more justice and more equity. The forces of oppression of Timor-Leste women though are complex and emanate from a range of institutions in our society and many deep seated cultural and social norms. These will take time to eradicate and ameliorate so that women can truly become liberated in our country.

The process for dealing with these institutions and social and cultural norms have been ongoing and the results are in the policies and laws enacted, in areas such as health care and health rights, domestic violence, the criminal code and access to education.

The challenges in dealing with these have also been great and aroused many and strong politically sensitivities which have affected Prime Minister Alkatiri and his government.

Not all Timorese or national institutions are as receptive to improving the status of women as we are committed to.

All of us undersigned are not just women with our constitutional and democratic responsibilities, we are also Internally Displaced Persons.

It has been our homes which have been burnt or ransacked, we and our families who have been threatened for the positions we occupy and our political affiliations, and our lives which have been displaced, whilst we continue to engage in the process of upholding our democratic and constitutional institutions to ensure they "continue to function effectively";

keeping the public expenditure process effectively functioning so as the delivery of health and other social services continue undisrupted;

to ensure that our parliament continues to voice the aspirations of our people for a peaceful, democratic, constitutional and just resolution to the crisis our nation finds itself in;

to continue to care for families and our communities who depend on us; but most of all through our democratic process and the communities we live with and dialogue with everyday during these very difficult times, we continue the process to achieve the peaceful and just ends we all share;

whilst still continuing to struggle to improve the status of women we began many years ago with our fallen comrades.

Our strength comes from our ordinariness, from our everyday lives and experiences in our communities, from being threatened and persecuted as well as being uplifted to serve and deliver to our communities in these times of need, because at the end of the day we have to go back, eat and sleep them.

We value our communities and our democratic and constitutional institutions as essential to the process of establishing just and equitable outcomes from this crisis, not by abandoning them or trampling on them.

We all have a ole to play, all women, all citizens of Timor-Leste. We are all not only well placed but have an obligation to participate in the process of nation building, peace building, reconciliation.

Though we do not think it is neither telling nor significant that a single Timorese woman has not solicited an audience with the President of the Republic (though we believe that some have sought and obtained such an audience), we believe that women have put their view to him a as they have to the Prime Minister/other Ministers, the Judiciary and to the Parliament, the other democratic institutions we have to uphold the values of our state and our constitution.

Our colleague Senior Minister of State Administration Ana Pessoa was part of a Fretilin delegation who had sought to meet the President of the Republic as early as two weeks ago and was eventually able to meet with him yesterday.

The President of the Parliament solicited the President of the Republic to come and address the parliament and did so on the 14th June 2006 an audience sought h the parliament which included many women, so as to advance the process of a peaceful and just outcome to this crisis.

The President of the Republic and other state dignitaries participated in the swearing of our Judges, Prosecutor and Public Defenders who are playing a critical role in this process on the 3rd of June 2006 during which intern judge Maria Natércia Guterres articulated her aspirations for a just and equitable resolution of the crisis in accordance with the rule of law on behalf of her colleagues.

We value the role all of these Timor-Leste women have played in this process and will always struggle to promote their status so that women play the role they justly and equitably deserve in all aspects and all institutions of our society, beyond what we have achieved to date.

We firmly believe though that this is done by being ingrained in the political and democratic process and not by single audiences with the President of the Republic or the Prime Minister or whomever.

Many women also demonstrated during the recent numerous and peaceful demonstration to support Fretilin and its government which also delivered a letter to the President expressing their views on the peaceful and just resolution of this crisis.

Similarly last week, many women made their views very clear and forcefully to the President of the Republic when he visited the FFDTL training Centre at Metinaro where many of us are IDPs.

Only by continuing to be involved through these processes will we ever attain the universally recognised and enshrined just and equitable status for the women of Timor-Leste.

We are confident in the belief that women accompany us every step of the way in our struggle, as do the spirits of our fallen women comrades.

Dili, 08 July 2006


1. Lurdes Alves Araújo
2. Aurora Ximenes
3. Josefa A. Soares
4. Cristina Alves S.
5. Ilda Maria da C.
6. Florentina M. Smith
7. Aicha Bassarewan
8. Rosária Corte-Real
9. Amelia Pinto Soares
10. Mariquita Soares
11. Cidália Lopes N. M. G.
12. Maria Solana Fernandes
13. Maria Maia Réis


Durão Barroso esperançado em solução crise com nomeação Ramos-Horta

Bruxelas, 12 Jul (Lusa) - O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, congratulou-se hoje, em Bruxelas, com a posse de José Ramos-Horta como primeiro-ministro de Timor-Leste, considerando que a escolha traz "esperança para um a solução à recente crise" no país.

"A Comissão Europeia espera que o novo gabinete seja formado o mais rapidamente possível, de forma a que seja iniciado o processo de estabilização", se gundo um comunicado de José Manuel Durão Barroso e do comissário europeu para o Desenvolvimento e Ajuda Humanitária, Louis Michel.

Bruxelas recorda que tem sido um parceiro comprometido em Timor-Leste e assegura que irá apoiar o novo governo nos esforços para ultrapassar a actual crise.

O presidente da Comissão Europeia nomeou a semana passada um enviado especial ao território, Miguel Amado.

Segunda-feira, Xanana Gusmão empossou Ramos-Horta (independente) no cargo de primeiro-ministro e Estanislau da Silva (FRETILIN) e Rui Araújo (independe nte) como primeiro e segundo vice-primeiros-ministros, respectivamente.

A posse dos restantes membros do II Governo Constitucional de Timor-Les te, que estava prevista para hoje, foi adiada para quinta-feira, anunciou terça- feira o gabinete de José Ramos-Horta, sem adiantar razões para a alteração.

A formação do novo governo, na sequência da demissão de Mari Alkatiri d o cargo de primeiro-ministro, a 26 de Junho, suscitou críticas dos dois maiores partidos da oposição, o Partido Democrático (PD) e o Partido Social Democrata (P SD), que defendem a dissolução do Parlamento Nacional e a convocação de eleições antecipadas.


José Luís Guterres novo MNE


Sobre o destino da plataforma geoestratégica timorense

Transcrição (pela Margarida) do artigo no Público que não está on-line:

General José Loureiro dos Santos, Público, 12 Julho 2006

Não “está escrito nas estrelas” que Timor-Leste tenha que ser anexado pela Indonésia, mesmo que apenas de facto, ou, em alternativa, passar a protectorado da Austrália. Há um terceiro cenário, que poderá envolver relações privilegiadas com um destes países, mas reservando liberdade de acção bastante para traçar, nos seus próprios termos (aqueles que os timorenses exprimirem democraticamente), o destino que pretende seguir.

Portugal, ao longo da sua história, viu-se a braços com uma situação relativamente idêntica, que nem sempre resolveu da melhor maneira. Por vezes, deixou-se amarrar demasiado às decisões do seu vizinho peninsular, ocorrendo mesmo um período em que perdeu a independência, outras vezes, cedeu o uso da sua plataforma estratégica e da sua riqueza à potência marítima, transformando-se num seu protectorado. São exemplos claros destas situações o período de 60 anos, de 1580 a 1640, relativamente a Espanha, e os decénios do início do século XVIII, na sequência do Tratado de Methuen, em 1703, e os perto de quinze anos que vão das invasões francesas à revolução de 1820, em relação à Inglaterra. Perdemos a independência e transformámo-nos num protectorado.

O curioso de assinalar é que qualquer destas posições-limite surgiu como resultado de desequilíbrios políticos internos que, por razões económicas, tenderam demasiado para uma das duas potências que reclamavam a capacidade de usar em seu proveito a plataforma estratégica portuguesa.

Timor-Leste tem uma posição geoestratégica singular, que pode ser extremamente vantajosa ou muito perigosa em função do rumo político que nele prevalecer. Existem grandes probabilidades de ser disputada, por motivos estratégicos, pela Austrália e pela Indonésia ou por qualquer potência que pretenda ameaçar invadir o grande país anglo-saxónico do Pacífico. O que mostra a importância da plataforma de Timor para a Austrália, que já a pretendeu comprar (em 1944), conforme foi visível durante a Segunda Guerra Mundial, quando o Japão a ocupou e dela efectuou bombardeamentos a Darwin.

Do ponto de vista da Austrália, o território de Timor-Leste não pode ser vulnerável a transformar-se numa plataforma que uma ameaça ao seu território nacional utilize como trampolim para o atingir. E tenderá a fazer o necessário para o controlar, se possível fazer dele um protectorado, caso considere o seu poder fraco; ou a aliar-se com ele, se entender que o poder político é forte (por si próprio ou com concurso de aliados). Registe-se que Timor-Leste não é o único país que a Austrália observa por este prisma. São olhados do mesmo modo todos os países próximos que são susceptíveis de servir de corredores de aproximação ao seu território. São os casos de Papua-Nova Guiné e das Ilhas Salomão (uma das quais é a mítica Guadalcanal).

Quando se somam interesses económicos aos interesses geoestratégicos, como acontece com Timor-Leste a propósito do petróleo, tudo se complica ainda mais.

A crise a que assistimos recentemente em Timor, aparentemente a esvaziar-se (?), e o comportamento de alguns actores externos e internos que nela participaram constituem um alerta para os cuidados que as suas lideranças deverão ter com as ameaças/apoios externos que se configuram e configuração na sua região.

De acordo com as notícias, tudo começou com um suposto motim militar, a que não seria estranha uma decisão errada das chefias castrenses, que levou ao afastamento das fileiras de cerca de seiscentos efectivos. Esta situação, que provocou tensões abertas nas ruas de Dili, levou a sua população, sofrida e escarmentada com acontecimentos anteriores, a refugiar-se nas montanhas, o que, para os timorenses, é sinal de grandes perigos. Curiosamente, os líderes do putativo motim anunciaram as suas reivindicações - apoio ao Presidente Xanana, demissão do primeiro-ministro, Mari Alkatiri, e formação de um governo chefiado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros à data, Ramos Horta, que governaria até às eleições gerais de 2007.

Para controlar a crise, o Presidente e o Governo de Timor solicitaram à Austrália, Portugal, Malásia e Nova Zelândia, o envio de forças militares e paramilitares, o que foi satisfeito pelos respectivos governos.

Não menos curiosas foram as declarações públicas, não muito depois, do primeiro-ministro da Austrália, ao mesmo tempo que despachava um importante contingente militar para Timor-Leste, contingente do qual a “guarda avançada”, como que prevendo o que se iria passar, já estava embarcada há algum tempo, pronta a zarpar. Estas declarações, aliás repetidas posteriormente, podem resumir-se numa simples frase: os problemas de Timor resultam dos erros de governação, pelo que há que substituir o governo. Não muito depois, a esposa de Xanana, declarou a um jornal australiano ser indispensável que o Presidente substituísse o primeiro-ministro. Sucessivamente interrogado pelos jornalistas, Ramos Horta mostrou-se disponível para assumir a chefia do governo. Tudo coincidências?

Até agora, tudo correu conforme os putativos “amotinados” tinham exigido. Já existe novo governo chefiado por Ramos Horta, depois de Mari Alkatiri ter sido forçado a demitir-se, debaixo da acusação de mandar distribuir armas a civis (terá fundamento ou não; se sim, tinha ou não o direito de o fazer?). Embora já haja quem conteste Ramos Horta e apresente Carrascalão como a melhor solução.

O mais interessante é que Xanana assumiu o “comando” dos “rebeldes” e acolheu como seu aquilo que eles queriam, que (imagine-se) também coincidia com o que a esposa (australiana) e o primeiro-ministro da Austrália afirmaram. E agiu, consequentemente, em termos políticos. Ou seja, pelo menos na aparência, a Austrália não gosta de Alkatiri e gosta de Xanana. Teriam as forças militares presentes no território timorense servido de escudo às pretensões da Austrália, “apoiando” no terreno a estratégia desenvolvida por Xanana? Tudo indica que sim, pelo menos psicologicamente.

Durante todo este processo, foi visível o facto de as Forças Armadas de Timor-Leste se terem mantido coesas, não tomando posições que afectassem significativamente qualquer dos actores políticos internos que se digladiaram, Presidente da República e chefe do Governo.

Para que a facção até agora vitoriosa tenha a capacidade de continuar o seu caminho sem perturbação de maior, precisa de substituir Taur Ruak, o comandante militar de Timor.

Quais serão os novos lances? Qual o peso real da Fretilin? E da Igreja Católica, e de elementos da oposição política, aliados, no mínimo, objectivos de Xanana e da Austrália? Qual será o posicionamento da ONU? Quando avançará uma força sob sua direcção, e qual será o papel dos Estados Unidos na sua definição e na fixação dos seus objectivos e regras de empenhamento? A China, sedenta de petróleo, ficará indiferente a este problema? O Japão, aliado dos EUA e com a mesma necessidade de combustíveis da China, colocar-se-à ao lado da Austrália? Como se posicionarão os restantes países da Ásia/Pacífico, nomeadamente Indonésia e Malásia? E que papel reservará a CPLP para si, particularmente alguns dos seus membros, como Brasil, Angola e Portugal?

Não se podem prever todas as tempestades que Timor terá pela frente. O que se afigura muito provável é que as coisas não ficarão por aqui.

Para já, parece que a Austrália está na rota do estabelecimento de um seu protectorado em Timor-Leste. Para isso, ser-lhe-ão muito úteis as infra-estructuras que começou a construir durante a anterior comissão das suas forças expedicionárias, no território cujo controlo tanto deseja...

O que não sabemos é se, no fim de todo o processo, vingará a liderança de Xanana, e, nesse caso, se aceitará o “abraço de urso” de ânimo leve, (ficar às ordens dos interesses australianos), ou se procurará contrabalançar a sua influência, recorrendo às relações com outras potências. De qualquer modo, em todo este contexto, encontram-se em jogo interesses culturais portugueses de alcance estratégico, especialmente a continuação do português como língua oficial do território, interesses comuns a todos os países da CPLP.


De um leitor

Surprised when people see Lucas and Ricardo China were part of the Railos group. They are major opponent to Mari. Incrediable if Mari distributed guns for those people!!!


São cinco menos cinco... e está tudo calmo.

Foi adiada a tomada de posse dos restantes ministros do II Governo Constitucional para 5ª feira.

O Presidente ainda precisa de ouvir partidos da Oposição.

Vamos ver...


Pequenos grandes homens

Por Fernando Lima

É lugar comum dizer-se que os homens não se medem aos palmos.

A crise de Timor-Leste fez emergir Mari Alkatiri como um político de longo alcance no pequeno país do crocodilo. Mesmo que para tal tivesse de abdicar da chefia do Governo, cargo que lhe foi conferido constitucionalmente e por mérito inquestionável.

Timor-Leste viveu nas últimas semanas, nos últimos dias, o pesadelo da confrontação violenta.
Mesmo invocando os direitos que lhe assistiam a si e à Fretilin como partido maioritário democraticamente plebescitado, Alkatiri soube compreender que outros valores mais altos estavam em causa para além do esgrimir de argumentos legais contra um Presidente de opereta, enredado nas suas próprias contradições.

Na fase mais crucial da crise, também Ramos Horta, outro protagonista central dos últimos acontecimentos, soube compreender o que estava em causa. Soube ver para além do seu ego e ter em mente as décadas de trabalho quase solitário a que se entregou pela causa de Timor-Leste. Soube perceber que tudo poderia ser deitado a perder, também por ele que soube ver a janela de oportunidade para Timor, quando a ditadura indonésia foi ferida de morte.

Tem-se argumentado que Ramos Horta se colocou do “lado errado” da contenda, alinhando com um Presidente populista e debilitado fisicamente. Que cedeu finalmente à tentação de trazer para a praça pública as suas divergências de longa data com Alkatiri e a Fretilin. Como o fez nas últimas semanas nas páginas de opinião do “Wall Street Journal”. Manda a verdade dizer que não são ambições pessoais que movem José Ramos Horta. Há muito que o seu pequeno país é demasiado pequeno para as suas ambições. Horta, Prémio Nobel por mérito próprio, tem à sua mercê um lugar de topo em qualquer organismo internacional do sistema das Nações Unidas.

Ao contrário do que alguns argumentam, Horta não quer ser Presidente nem Primeiro-Ministro.
Como Alkatiri foi igualmente empurrado para a cadeira do executivo.

Não é clara ainda a solução a encontrar para o drama de Timor-Leste vivido nas últimas semanas. Mas estão para já criadas algumas condições para que o país possa respirar em paz, sem o perigo da confrontação.

Alkatiri “engoliu” o revés do afastamento do Governo “vendendo” à Fretilin uma nova vitória em eleições a convocar para 2007. Horta usou toda a sua capacidade de influência junto de Xanana Gusmão para re-equacionar o papel da Fretilin numa solução intermédia até às eleições e sem passar pela dissolução do parlamento, como pretendiam todos os que queriam a cabeça de Alkatiri.

Ramos Horta e Alkatiri adiaram para já o cenário de países mais ou menos hipotecados como o são, infelizmente, a Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.
Resta saber o que é que Xanana Gusmão vai aprontar para o próximo “round”, com aconselhamento da esposa .. e do Benfica, o seu clube do coração.

SAVANA - 30.06.2006

Palavras para quê?...(III)

Fotografia da cerimónia de entrega de armas em Liquiça.

Rai Los. E Paulo Martins, antigo comandante da PNTL.

Palavras para quê?...(II)

Fotografias da cerimónia de entrega de armas em Liquiça.

Teatro do suposto momento da ordem de entrega de armas ao grupo de Rai Los
(não aplaudido pelos convidados)

Procurador-Geral Longuinhos


Palavras para quê?...

Fotografias da cerimónia de entrega de armas em Liquiça.


Rai Los

Bispo de Díli

(e todas as armas entregues)

O processo de cura. Eleições livres e justas.

Tradução da Margarida:

De um leitor: Sobre o Post "E Agora?" também traduzido pela Margarida.

Este texto resume bastante bem a enormidade da tarefa e aponta correctamente que tais questões não se podem resolver em 10 meses. Por essa mesma razão o sucesso deste novo governo não pode ser medido em termos de conseguir ou não a resolução de todas essas questões mas pela sua habilidade em estabelecer bases necessárias para a cura se processar e continuar no futuro próximo.

Ao contrário do que é defendido pelo autor, esta situação desvaloriza o legítimo direito do regresso de Alkatiri à política ou pelo menos como um possível PM dado que isso se traduziria numa contrariação de todo o processo de cura que terá lugar no caminho para as eleições de 2007. Por isso, o regresso possível de Alkatiri podia ter um efeito catastrófico e podia possivelmente mergulhar o país numa nova crise. Esta decisão e responsabilidade contudo está na mão da Fretilin e na habilidade da sua liderança de ser capaz de pôr o interesse nacional à frente do seu próprio ou da carreira política do próprio Mari Alkatiri.

Há contudo alguns pontos que não foram bem agarrados pelo autor.

Em primeiro lugar, o Presidente não foi o único a culpar desta crise "todos os outros" mas simplesmente na inabilidade do governo em resolver a questão dos peticionários e na subsequente crise que derivou daí. Os que acusam "todos os outros " incluindo os autores estrangeiros foram de facto o próprio Alkatiri e a liderança do núcleo duro da Fretilin as quais até à data não foram substanciadas.

Em segundo lugar, a responsabilidade não cairá simplesmente sobre Xanana ou Ramos Horta como tais, mas em vez disso o sucesso do novo governo dependerá grandemente na Fretilin mostrar ao povo que apesar de tudo é um partido políticamente maduro e genuinamente mais comprometido em fazer o país regressar à normalidade do que em continuar com a postura de finca pé do passado em detrimento da paz e estabilidade do país. Esse compromisso deveria ser exprimido através do estabelecimento duma cooperação de trabalho positiva e frutuosa com o seu novo PM e todas as instituições estatais. Vale a pena também notar que apesar do PM ser independente, o governo permanece muito um governo da Fretilin como resultado da insistência do partido.

Isto pode ser ilustrado através das próprias palavras do autor que cito:

“A FRETILIN não foi arredada como consequência da crise, ainda tem influência no corrente Governo, ainda tem um grande poder no Parlamento e nenhuma das duas situações é inconstitucional.”

Se é verdade, como foi dito por Mari Alkatiri no passado, que somente a Fretilin pode criar estabilidade ou instabilidade, os próximos 10 meses provarão sem margem de dúvida com qual dessas é que a Fretilin está verdadeiramente comprometida.

A resposta de outro leitor:

Pelo contrário, Mari não abandonou a Politica. Continua a ser altamente respeitado pela liderança da Fretilin (por ambos "núcleo duro" ou moderados), por agora regressou ao Parlamente e continua a ser o Secretário-geral da FRETILIN. Como foi sublinhado se Mari não for considerado responsável por nenhuma das alegações contra ele, não vejo porque é que não pode regressar à política.

Há duas questões fundamentais deixadas de fora;

Foi a crise orquestrada (Golpe de Estado)?

E se a FRETILIN ganhar as eleições em 2007 pela mesma margem?

Estas duas questões são fundamentais numa Democracia.

Se Mari não for considerado responsável por nenhuma alegação feita contra ele, não vejo porque é que não pode regressar à politica ou ao cargo de Primeiro-Ministro. Isto tem a ver com o facto de ser o Secretário-Geral da FRETILIN um posto que normalmente assume o cargo de Primeiro-Ministro se a FRETILIN ganhar as eleições. Penso que se ficar provado que esta crise foi orquestrada e se a FRETILIN ganhar as eleições e Mari for ainda o Secretário-geral ele será um candidato forte a Primeiro-Ministro. Penso que neste cenário somente Mari decidirá sair do cargo de Primeiro-Ministro.

Uma vez que este cenário de desenrole, o que o anonymous 8:15:56 PM anota “o regresso possível de Alkatiri podia ter um efeito catastrófico e podia possivelmente mergulhar o país numa nova crise.” é uma ameaça para a própria Democracia, se a FRETILIN regressar com a mesma maioria tem todo o direito de escolher o Primeiro-Ministro e ser respeitada por essa escolha. Quanto à possibilidade de mergulhar o país na crise, é da responsabilidade de todos os líderes partidários respeitar o resultado em qualquer eleição livre e justa.

Mas entretanto, tudo depende do Procurador-Geral ter sucesso em montar um caso forte contra, e da FRETILIN ganhar as próximas eleições com Mari como Secretário-geral do partido.

A questão da crise ser orquestrada, se a FRETILIN ganhar as eleições então deverá ter a maturidade para olhar para o futuro e reconciliar-se com todos os outros partidos políticos incluindo os Independentes.

O processo de cura deve começar com todos os líderes políticos e cívicos da nossa sociedade respeitando os resultados de qualquer eleição livre e justa.

De um leitor:

Compreendo donde vem, e respeito as suas ideias dado que estão bem construídas e dirigidas para o debate mas deve compreender que a política Timorense tem muito a ver com idealismo e pragmatismo.

Tal como foi a influência de Xanana durante a remoção de Mari. Mesmo apesar de alguns não concordarem, Xanana foi muito idealista na resolução da crise. Apesar de nos vários discursos que o PR fez terem claramente comentários inflamatórios e serem a raíz dalguma violência étnica, ele manteve-se calado durante a maior parte da crise e só se tornou crítico quando a crise ameaçava fugir do controlo (foi lento nas suas reacções em resolver a crise desde o princípio em Janeiro quando os soldados rebeldes fizeram uma petição). Num ambiente politico pragmático isto teria sido o final de qualquer carreira politica. Mas Xanana, como os politicos Timorenses também se dá bem com um ambiente idealista.

Ao contrário da sua opinião o PR não foi capaz de reduzir a influência da FRETILIN, porque o PR manobrou para remover Mari do cargo de PM mas não a FRETILIN do Parlamento, uma coisa que várias vezes ele ameaçou, bastante fortemente, fazer.

Dependente do resultado dos interrogatórios, não penso que a FRETILIN mude muito antes das eleições. Pode parecer à superfície que a FRETILIN precise de consolidar-se através de mudanças internas, mas a FRETILIN existe para além dos limites e dos políticos de Dili. É nas áreas rurais de Timor que está a maioria da população e dos apoiantes, é lá que não há sinais de violência e de casas queimadas.

Não estou a defender que Mari deva ser o próximo PM, o que estou a dizer é que a opção para Mari ser o Primeiro-Ministro outra vez ainda está aberta. A FRETILIN é uma unidade disciplinada, existiu 25 anos em circunstâncias piores, perdeu líderes maiores, contudo prevaleceu sem grandes mudanças no estilo da liderança e sem mudanças na liderança corrente. É minha opinião que não mudará por causa de um problema que afectou maioritariamente Dili num espaço de cerca de 3 a 4 meses.

Caso a FRETIIN falhe nas próximas eleições penso que sem dúvida haverá mudanças no seio da FRETILIN, então poderemos dizer com confiança que Mari está fora do retrato político, coisa a que tenho a certeza Horta e Xanana darão as boas vindas.


Timor-Leste ainda precisa do negociador Mari Alkatiri

Tradução da Margarida:

Jakarta Post
Kristio Wahyono, Jakarta

José Ramos Horta é o novo primeiro-ministro de Timor-Leste, substituindo Mari Alkatiri, o que dimunuirá a probabilidade de se tornar outra vez primeiro-ministro em 2007.

Contudo, o povo de Timor-Leste somente repara num dos lados da moeda, que são a série de conflitos internos que começaram com o despedimento de 600 membros das forces armadas de Timor-Leste, o assassinato de cinco polícias desarmados e pelo menos 21 civis, o queimar e as pilhagens de casas e lojas, 150,000 pessoas que fugiram de casa para campos de refugiados, pessoas obtendo armas ilegais para disparar contra os rivais políticos da Fretilin e uma eleição anti-democrática do secretário-geral do partido.

Mas o outro lado da mesma moeda é muitas vezes visto por cima.

Apesar de desde 1975 Alkatiri não ter estado envolvido na luta da guerrilha, como Xanana Gusmão (presidente), Lu Olo (presidente do Parlamento) ou Taur Matan Ruak (o comandante das forças de defesa), a sua posição como secretário-geral da Fretilin desde 2000 permitiu-lhe tornar-se primeiro-ministro, indicando o brilho da sua estratégia depois de ter ganho as eleições gerais de 2001/2002.

Com isso ele atingiu a mais alta posição do governo e tentou fazer do papel do presidente algo “sem poder”, de acordo com a constituição, o que também mostra a sua aptidão politica.

Talvez fosse por causa da euforia da independência que Alkatiri foi capaz de criar e ganhar vasto e forte apoio político para a Fretilin, que também lhe providenciou apoio similar para ele próprio.

Num seminário no Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais em 16 de Junho de 2006, quatro pessoas de recursos, incluindo eu próprio, concordámos que Mari Alkatiri não só possuía uma grande dose de nacionalismo como também tinha a capacidade para instalar o nacionalismo noutros, ao modo dos líderes Marxistas e Leninistas.

Deve ser sublinhado que a presença forte de Alkatiri nos corpos legislativos e executivos se deve muito ao apoio de certos países com os seus interesses próprios.

Alkatiri está completamente ciente de que quando Timor-Leste foi uma provincia da Indonésia, a Austrália e a Indonésia cooperavam na exploração do petróleo e do gás natural, num campo de petróleo e gás chamado o Greater Sunrise, localizado no Timor Gap. De acordo com a divisão dos lucros, a Indonésia receberia 10 por cento do rendimento do campo, com o resto a ir para a Austrália, apesar do facto de o campo estar duas vezes mais perto de Timor-Leste do que está da Austrália. Bayu Undan e outros campos de petróleo e de gás foram divididos ao meio. Depois de Timor-Leste ter ganho a independência, uma delegação Australiana insistiu em ter 82 por cento do rendimento do campo Sunrise, enquanto Alkatiri, um negociador duro, exigiu uma divisão ao meio.

Apesar do facto do Tratado sobre Certos Arranjos Marítimos no Mar de Timor (CMATS) ter sido assinado por Alkatiri e a sua contraparte em 12 de Janeiro de 2005, no seguimento de pressões de países ocidentais para assinar imediatamente o Tratado interino do Mar de Timor depois de ter ganho a independência, Alkatiri ganhou alguma satisfação porque cinco meses depois da independência, uma Lei sobre as Fronteiras Marítimas na Convenção das Nações Unidas sobre a Lei do Mar (UNCLOS) foi estabelecida, assegurando a exigência de Timor-Leste de 200 milhas náuticas de zona económica exclusiva em todas as direcções.

Alkatiri também rejeitou um Acordo de Unificação Internacional (IUA) para o Campo Greater Sunrise, que é maior que o campo Bayu Undan e escarrapacha-se em cima da Joint Development Area. A retirado do governo Australiano das negociações da UNCLOS no Tribunal Internacional de Justiça endureceu a atitude de Alkatiri em relação ao comportamento da Austrália na usurpação do controlo da maioria dos recursos offshore de petróleo e de gás de Timor-Leste.

Numa entrevista, Alkatiri disse que acreditava que estava a ser alvejado pela Austrália por causa das suas negociações duras sobre as reservas de petróleo e gás no Mar de Timor.

Infelizmente, Alkatiri definitivamente tem poucos amigos. Fez um erro em procurar uma relação mais próxima com Cuba, o que aborreceu os Estados Unidos, em fazer inimigos os lutadores da liberdade, em se opôr ao conceito de reconciliação de Xanana, em obrigar os jovens a falar português, em ter uma atitude distante com a Igreja e em tomar uma atitude dura e inflexível com o Banco Mundial, que queria dar empréstimos a Timor-Leste. Todas estas coisas aceleraram a sua queda.

Apesar de Alkatiri poder não ser um bom comunicador, deve ser realçada que ele é um excepcional negociador. Mais cedo ou mais tarde o novo governo do seu pequeno país enfrentará uma pressão mais forte doutros países.

Timor-Leste ainda precisa de um negociador como Mari Amude Alkatiri, que tem demonstrado a sua vontade de suportar tremendas responsabilidades para o povo de Timor-Leste.

O escritor foi um antigo co-director do Secretariado Conjunto da Comissão de Verdade e Amizade Indonesia-Timor Leste (2005) e representante Indonésio em Timor-Leste (2000-2003). Está disponível em kristiowh@hotmail.com.

Sobre a Entrega de armas

De um leitor (tradução da Margarida):

O porta-voz do Sr Gusmão, Agio Pereira, dise que as armas entregues naquele dia eram espingardas da polícia entregues por "cidadãos que queriam mostrar o seu apoio ao Presidente". Parece que o Sr Conceição, só estava ali por acaso.

Cidadãos entregando as suas armas...quem são esses cidadãos, como é que as armas lhes chegaram às mãos, eram polícias? se eram foram eles contidos de qualquer modo para interrogatório? participaram em ataques contra as FDTL em Dili.

"O Sr Conceição também estava misteriosamente presente em casa do Sr Gusmão há duas semanas atrás quando as armas foram entregues às tropas"

Estas não são as armas que alegadamente foram dadas a Railos pela FRETILIN. Como se explica que Railos está sempre em todos os lugares onde está Xanana? Porque é que ele é tão importante, está Railos de volta, a quem ele ligou aos que entregaram as armas? Onde é que essa gente arranjou as armas......aaaarrrghhh tantas perguntas para responder PRESIDENTE.


Parlamento Nacional - Agenda Plenário

Gabinete de Relações Publicas

Agenda Plenário n. 423/I/4a
Terça-Feira, 11 de Julho de 2006

O Plenario do Parlamento de hoje foi dirigido pelo Vice Presidente do Parlamento Nacional Sr. Jacob Fernandes, o Vice Presidente Sr. Francisco Xavier do Amaral, o Secretário da Mesa, Sr. Francisco Carlos Soares e as Vice Secretárias, Sra Maria Avalziza Lourdes e Sra. Maria Terezinha Viegas.

Na agenda de hoje foi apresentado um único assunto :

O anúncio da admissão e de baixa a Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias dos Projectos de Lei no. 25/I/4a e no. 26/I/4a sobre “Lei Eleitoral para o Presidente da República” e “Lei Eleitoral para o Parlamento Nacional”, os dois apresentados pela bancada da Fretilin.

A Sra. Deputada Maria Paixão sublinhou que o assunto agendado não tinha sido discutido na Conferência dos Líderes das Bancadas de acordo com o Regimento Interno do Parlamento Nacional; o Sr. Deputado Feliciano Alves Fátima acrescentou que a Mesa apresenta propostas de lei provenientes do Governo mas cabe ao Plenário apresentar projectos de Lei.

A Mesa do Parlamento decidiu não mandar baixar os dois Projectos de Lei, que vão ser submetidos a reunião dos líderes das bancadas.


Timor Leste still needs negotiator Mari Alkatiri

Jakarta Post
Kristio Wahyono, Jakarta

Jose Ramos Horta is the new prime minister of Timor Leste, replacing Mari Alkatiri, which will lessen Alkatiri's likelihood of becoming prime minister again in 2007.

However, the people of Timor Leste only notice one side of the coin, which is a series of internal conflicts starting from the dismissal of 600 members of Timor Leste's armed forces, the killing of five unarmed policemen and at least 21 civilians, the burning and looting of houses and stores, 150,000 people fleeing their homes for refugee camps, people obtaining illegal arms to gun down Fretilin's political rivals and an undemocratic election of the party's secretary-general.

But the other side of the same coin is often overlooked.

Although since 1975 Alkatiri was not involved in the guerrilla struggle, like Xanana Gusmao (president), Lu Olo (speaker) or Taur Matan Ruak (the defense force commander), his position as Fretilin's secretary-general since 2000 enabled him to become the prime minister, indicating the brilliance of his strategy after winning the 2001/2002 general election.

That he achieved the highest government position and attempted to make the president's role somewhat "powerless", according to the constitution, also shows his political aptitude.

Perhaps it was because of the euphoria of independence that Alkatiri was able to create and gain vast and strong political support for Fretilin, which also provided similar support for himself.

In a seminar at the Centre for Strategic and International Studies on June 16, 2006, four resource people, including myself, agreed that Mari Alkatiri not only possess a great deal of nationalism, but also has the ability to instill nationalism in others, in the manner of Marxist and Leninist leaders.

It should be noted that the strong presence of Alkatiri in the legislative and executive bodies owed much to the support of certain countries with their own interests.

Alkatiri is fully aware that when Timor Leste was an Indonesian province, Australia and Indonesia cooperated in oil and natural gas exploration, in an oil and gas field called the Greater Sunrise, located in the Timor Gap. According to the profit split, Indonesia would receive 10 percent of revenue from the field, with the rest going to Australia, despite the fact that the field is twice as close to Timor Leste as it is to Australia. Bayu Undan and other oil and gas fields were evenly divided. After Timor Leste gained independence, an Australian delegation insisted on 82 percent of the revenue from the Sunrise field, while Alkatiri, a tough negotiator, demanded an even split.

Despite the fact that the Treaty on Certain Maritime Arrangements in the Timor Sea (CMATS) was signed by Alkatiri and his counterparts on Jan. 12, 2005, following pressure from Western countries to sign the interim Timor Sea Treaty immediately after gaining independence, Alkatiri gained some satisfaction because five months after independence, a Maritime Boundary Law on the United Nations Convention on the Law of the Sea (UNCLOS) was enacted, asserting Timor Leste's claim of 200 nautical miles of exclusive economic zone in all directions.

Alkatiri also rejected an International Unitization Agreement (IUA) for the Greater Sunrise field, which larger than the Bayu Undan field and straddles the Joint Development Area. The withdrawal of the Australian government from the UNCLOS negotiations in the International Court of Justice hardened Alkatiri's attitude toward Australia's behavior in usurping control of most of Timor Leste's offshore oil and gas resources.

In an interview, Alkatiri said he believed he was being targeted by Australia because of his tough negotiations over oil and gas reserves in the Timor Sea.

Unfortunately, Alkatiri definitely has few friends. He made a mistake in seeking a close relationship with Cuba, which annoyed the United States, in making enemies with freedom fighters, opposing Xanana's concept of reconciliation, forcing young people to speak Portuguese, having a distant relationship with the Church and taking a tough and inflexible line with the World Bank, which wanted to provide loans to Timor Leste. All of these thins accelerated his downfall.

Although Alkatiri may not be a good communicator, it should also be noted that he is an exceptional negotiator. Sooner or later the new government of this tiny country will face stronger pressure from other countries.

Timor Leste still needs a negotiator like Mari Amude Alkatiri, who has demonstrated his willingness to bear tremendous responsibility for the people of Timor Leste.

The writer was former co-director of the Joint Secretariat of the Commission of Truth and Friendship Indonesia-Timor Leste (2005) and Indonesian representative in East Timor (2000-2003). He can be reached at kristiowh@hotmail.com.

Posse restantes membros do novo governo adiada para 5ª feira

Díli, 11 Jul (Lusa) - A posse dos restantes membros do II Governo Const itucional de Timor-Leste foi adiada de quarta para quinta-feira, anunciou hoje o gabinete do primeiro-ministro, José Ramos-Horta, sem adiantar razões para a alteração.

Em comunicado enviado à Lusa, o gabinete do primeiro-ministro indica também que o Presidente da República, Xanana Gusmão, vai receber quarta-feira representantes dos partidos políticos.

Segunda-feira, Xanana Gusmão empossou Ramos-Horta (independente) no car go de primeiro-ministro e Estanislau da Silva (FRETILIN) e Rui Araújo (independente) como primeiro e segundo vice-primeiros-ministros, respectivamente.

A formação do novo governo, na sequência da demissão de Mari Alkatiri do cargo de primeiro-ministro, a 26 de Junho, suscitou críticas dos dois maiores partidos da oposição, o Partido Democrático (PD) e o Partido Social Democrata (PSD), que defendem a dissolução do Parlamento Nacional e a convocação de eleições antecipadas.

A FRETILIN tem a maioria no Parlamento Nacional, com 55 dos 88 deputados, enquanto que o PD tem sete e o PSD seis.

No comunicado enviado hoje à Lusa, o gabinete de Ramos-Horta anuncia também que o primeiro Conselho de Ministros vai realizar-se quinta-feira à tarde ( hora local).

Ainda segundo o comunicado, o Conselho de Ministros debaterá na sua primeira reunião o Orçamento de Estado (OE) para o ano fiscal iniciado a 1 de Julho .

O OE deverá prever despesas de igual valor, 315 milhões de dólares (247 ,3 milhões de euros), à proposta de lei que o anterior executivo entregou no Par lamento, mas que deixou de ter existência legal com a queda do governo.

O anúncio de que a verba não deveria sofrer alterações foi avançado recentemente por Ramos-Horta, que coordenou o anterior executivo na sequência de Alkatiri se ter declarado incapaz de continuar a assegurar a gestão governativa até à posse do novo governo.

Mari Alkatiri demitiu-se na sequência do "braço de ferro" com o Preside nte Xanana Gusmão, no âmbito da crise político-militar em que Timor-leste mergulhou desde finais de Abril.


Testemunham entrega de 9 armas...

Milhares de pessoas testemunharam entrega armas em Liquiçá

Liquiçá, Timor-Leste, 11 Jul (Lusa) - Milhares de pessoas testemunharam hoje em Liquiçá, 35 quilómetros a oeste de Díli, a entrega de armas ao Ministério Público pelo alegado "esquadrão da morte" que denunciou ter sido armado pelo ex-ministro do Interior timorense Rogério Lobato.

A cerimónia decorreu no apinhado campo de futebol da cidade, num acto p residido pelo primeiro-ministro, José Ramos-Horta, acompanhado pelo bispo de Díl i, D. Alberto Ricardo da Silva, numa atmosfera de festa, mas também de forte sentimento contra o ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri.

Alkatiri demitiu-se do cargo a 26 de Junho, no seguimento de um "braço de ferro" com o Presidente da República, Xanana Gusmão, que invocou, entre outras razões, o alegado envolvimento do antigo chefe do governo na distribuição de a rmas a grupos de civis.

Hoje, em Liquiçá, o mais mediático desses grupos, liderado por Vicente da Conceição "Railos", entregou 11 armas automáticas ao Procurador-Geral da República, Longuinhos Monteiro, que constituem prova do alegado crime praticado por Mari Alkatiri e Rogério Lobato, alvo de um processo instaurado pelo Ministério P úblico.

Longuinhos Monteiro disse hoje à Lusa que Mari Alkatiri, líder da FRETI LIN, foi notificado como arguido pelo Ministério Público para prestar declaraçõe s no próximo dia 20.

No acto de entrega das armas, "Railos" reafirmou as acusações contra o ex-primeiro-ministro e o ex-ministro, declarando-se disponível, juntamente com o s seus homens, para testemunhar em tribunal contra Alkatiri e Lobato.

Este alegado "esquadrão da morte" acusa Alkatiri de ter ordenado a Lobato a distribuição das armas para serem usadas contra os seus adversários polític os.

Na intervenção que fez na cerimónia, José Ramos-Horta apelou para que outros grupos e indivíduos que têm armas as devolvam às autoridades.

O bispo de Díli e o enviado especial do presidente da Comissão Europeia , Miguel Amado, também intervieram na cerimónia, apelando igualmente para a devolução de armas.

Miguel Amado reafirmou ainda o apoio da Comissão Europeia a Timor-Leste , sublinhando que a cooperação comunitária "vai entrar numa fase decisiva, de apoio ao desenvolvimento".

Autoridades tradicionais e representantes das aldeias mais próximas par ticiparam na festa que se seguiu, em que um grupo de jovens de Liquiçá teatralizou a alegada distribuição de armas.

O sentimento anti-Alkatiri era patente na recinto, com a colocação estratégica, à entrada, de um cartaz em que podia ler-se "Grupo Railos-Liquiçá vai ser testemunha das más intenções do regime de Mari Alkatiri".

Outro cartaz, de maiores dimensões, no interior do recinto, "mostrava" a alegada entrega das armas, com caricaturas de "Railos", Alkatiri e Lobato e o desenho do antigo cemitério indonésio de Palila, a cinco quilómetros de Liquiçá, onde terá sido entregue o armamento.

No final, em declarações à Lusa, José Ramos-Horta disse que além do grupo de "Railos", existem informações confirmadas sobre a existência de um segundo grupo, referenciado nos distritos de Liquiçá e de Ermera.

Questionado se este segundo grupo também alega ter recebido armas do ex -ministro do Interior, o primeiro-ministro disse que os elementos que o constituem reclamam que receberam a mesma missão de eliminar adversários políticos de Al katiri.

"Mas não temos confirmação de que [as armas] foram distribuídas pelas mesmas instituições do Estado", disse Ramos-Horta, que tomou posse como primeiro- ministro segunda-feira.


Portanto era com estas 9 armas que o grupo ia eliminar 600 peticionários, os adversários políticos e os membros da Igreja, como disse Rai Los em Liquiça...


Mari Alkatiri vai prestar declarações como arguido - PGR

Liquiçá, Timor-Leste, 11 Jul (Lusa) - O ex-primeiro-ministro de Timor-Leste Mari Alkatiri foi notificado como arguido pelo Ministério Público para prestar declarações no próximo dia 20, por alegada participação na distribuição de armas a civis, disse hoje à Lusa o Procurador-Geral da República timorense.

O procurador-geral Longuinhos Monteiro, que falava à Lusa no final da cerimónia de entrega de armas de um alegado "esquadrão da morte", salientou que em função das declarações que prestar poderá ser aberto um processo individual contra Mari Alkatiri.

"A primeira chamada (para prestar declarações) que fizemos é como arguido. As acusações são as mesmas que foram feitas a Rogério Lobato. Estão juntos no mesmo processo e depois de ouvirmos (o ex- primeiro-ministro) determinaremos se se abre um novo processo ou se continua no mesmo", afirmou.

O processo de que falou Longuinhos Monteiro fundamenta-se nas acusações de Vicente da Conceição "Railos", veterano da resistência contra a ocupação indonésia.

"Railos" acusou Mari Alkatiri de ter ordenado a Rogério Lobato, então seu ministro do Interior, para armar grupos de civis, as chamadas Equipas de Segurança Secreta da FRETILIN, para eliminar adversários políticos, dentro e fora do partido maioritário.

Rogério Lobato, que já prestou declarações à juíza de investigação, encontra-se sob a medida de coacção de obrigatoriedade de permanecer em casa, por razoes da sua própria segurança, segundo disse à Lusa fonte judicial.

O processo em que figuram Rogério Lobato, e que segundo revelou hoje à Lusa Longuinhos Monteiro, inclui também Mari Alkatiri, inclui a prática de quatro crimes: associação criminosa, posse ilegal de armas, conspiração e tentativa de revolução, que prevêem pena de prisão até 15 anos.

Longuinhos Monteiro acrescentou à Lusa que no próximo dia 20 o Ministério Público vai querer saber qual o grau de conhecimento de Mari Alkatiri dos factos que lhe são imputados nas declarações, quer de Vicente da Conceição "Railos" quer do próprio Rogério Lobato.

"O primeiro ponto que queremos esclarecer é o conhecimento dos factos. Quando teve conhecimento. Temos declarações de Rogério Lobato e outros depoimentos e temos o encontro do dia 08 (de Maio)", precisou.

"É isso que queremos saber", vincou.

No dia 08 de Maio, segundo "Railos", Mari Alkatiri recebeu na sua casa aquele veterano e alguns dos seus homens, a quem reafirmou as ordens que alegadamente deu a Rogério Lobato para armar grupos de civis.

Longuinhos Monteiro salientou que além do grupo "Railos", existe um segundo, conhecido por "Grupo 5-5", que disporá de sete armas, também alegadamente distribuídas pelo ex-ministro do Interior Rogério Lobato.

"Segundo o depoimento de Rogério Lobato ainda existe mais um grupo, conhecido por '5-5`, que tem sete armas e circula na área de Gleno, Ermera, Railaco e Lauremo, (distrito de Ermera), até Liquiçá", disse a mesma fonte.

Longuinhos Monteiro adiantou que o grupo "5-5" também recebeu ordens para eliminar adversários políticos de Mari Alkatiri, mas desconhece se essas disposições foram executadas.

"Não sei se executaram a ordem, mas receberam-na", disse.

Mari Alkatiri demitiu-se do cargo de primeiro-ministro no passado dia 26 de Junho, cedendo num "braço de ferro" com o Presidente Xanana Gusmão, que ameaçou demitir-se se Alkatiri não assumisse as suas responsabilidades pela crise político-militar em Timor-Leste.



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.