quarta-feira, agosto 02, 2006

East Timor's Blighted Independence

Asia Times - Wednesday, August 2, 2006

East Timor's Blighted Independence
By Todd Crowell

HUA HIN, Thailand - The turmoil in East Timor and the subsequent deployment of Australian and other peacekeeping troops has prompted much soul-searching, especially among human-rights activists for whom the cause of an independent East Timor was an article of faith.

Has East Timor become, four years after it gained formal independence from Indonesia, just another failed state or, as Australian Defense Minister Brendon Nelson said recently, "a haven perhaps for transnational crime, for terrorism and indeed humanitarian disaster and justice"?

Such a description seems too strong for East Timor, which, though sunk into lawlessness, has not, to my knowledge, harbored any terrorists. The question is more whether this territory of fewer than a million people is or can become a viable country. Was independence a mistake?

Writing in The Monthly magazine, Don Watson, former Australian prime minister Paul Keating's speechwriter, created something of a stir when he wrote, "Life under a murderous occupation might be a little better than life in a failed state, albeit one perennially dependent on Australian aid and Australian policing.

"What was more, in an imperfect world, Suharto's Indonesia was a lot better than its critics were willing to concede, or able to see from their lofty Pilgeresque perches" - a reference to John Pilger, a fierce critic of Suharto.

Keating, his country's last Labor Party prime minister, took a markedly pro-Indonesia position (and took a lot of flak for it from the left wing of his party) because he was keen on positioning his country as being a part of Asia. (His successor, John Howard, is much less interested in the "Australia is a part of Asia" business.) Wrote Watson: "The relationship was important because Indonesia was the most populous Muslim country in the world. It was a developing country offering numerous complementary interests. A successful relationship was a precondition of a successful engagement with Asia."

Watson went on to argue that the years of stability in Indonesia under president Suharto's New Order government made it possible to drop the "White Australia" policy, welcome Asian immigrants and make Australia a more open and tolerant country.

"Suharto gave us nothing less than an ability to shed our ancient fear of Asia. Liberalism in Australia profited from despotism in Indonesia. What we took for our own courage was just the profit of Suharto's ruthlessness."

Nevertheless, the history of appeasing Suharto still leaves a bad taste in Watson's mouth, since he concludes, "It was good policy, but nevertheless cowardice as well."

Pilger would no doubt agree. The fiery, unreconstructed activist recently wrote a piece in Antiwar.com accusing Canberra of deliberately provoking disorder to remove East Timorese prime minister Mari Alkatiri, in effect an act of regime change.

Civil order has returned to East Timor. Former foreign minister Jose Ramos-Horta has replaced Alkatiri as premier. It is probably too early to dismiss East Timor as a failed state. But it is certainly a fragile state.

Instead of becoming what it is and likely to remain for many years, a poor, independent country and perpetual ward of the United Nations, non-governmental organizations, Australia and Portugal, it could have remained part of a dynamic and now democratic Indonesian nation.

This notion, of course, would be heresy to many, even as they lament the chaos that overtook the country a few weeks ago. Did not the Indonesian army murder tens of thousands of Timorese during its 25-year occupation?

It can certainly be argued that Jakarta long ago lost the mandate of heaven to govern East Timor because of its harsh occupation. But one also has to ask whether it is right that a national border in Asia be determined by which European colonizer settled where.

Why couldn't the Timorese have followed the example of Goa? India and Indonesia were in very similar positions at the close of World War II. In both cases the main European colonizer - the British in India and the Dutch in Indonesia - withdrew but left behind small Portuguese enclaves, which Lisbon clung to fiercely. New Delhi finally lost patience, and in 1961 invaded the largest of its enclaves and forcefully expelled the Portuguese. The world condemned India, but the affair was soon forgotten. Goa settled down peacefully, eventually becoming a full-fledged state of the Indian union.

Fast-forward to 1975. The Carnation Revolution ousted Portuguese dictator Antonio de Oliveira Salazar, and Lisbon was shedding its overseas empire. East Timor declared independence, and the Indonesian army invaded. But in this case years of guerrilla warfare against the occupation ensued until in 1999 East Timorese voted for independence.

One wonders whether East Timorese might be having buyers' remorse today. Are they so different from their former countrymen in other parts of Indonesia that they should be independent? If this is true for East Timor, why not for Aceh or Bali or Papua? That, of course, was always Jakarta's argument.

And if ethnic differences are such important criteria, then how important is it that East Timor is divided into the Kaladis of the west and the Firakus to the east? Should the country be further divided into the Republics of East East Timor and West East Timor (throw in a Republic of Oecussi-Ambeno, the small enclave in West Timor administered from Dili)?

On independence, East Timor adopted Portuguese as one of its official languages, presumably as another way to set itself apart from its former countrymen. Portuguese teachers flocked to the new country to offer instruction, so that in addition to their other disadvantages, the Timorese would learn a language that is virtually useless for them in Asia.

By contrast, Indonesians couldn't care less about studying Dutch or learning about their Dutch heritage. Instead they cultivated Bahasa Indonesia as a language that would unite the disparate groups that make up their nation.

The great irony of the East Timor struggle is that just as it finally reached its goal of independence in 2002, Indonesia was becoming fully democratic. Meanwhile, in Goa they celebrate December 16, the day India invaded, as "Liberation Day".

Todd Crowell is an Asia Times Online correspondent based in Thailand. ~


East Timor Zealously Guards a Looming Lifeline: Oil and Gas

By JIM GOMEZ, Associated Press Writer

DILI, East Timor, August 1 (AP) - East Timor's ramshackle capital is dotted with rundown buildings, old cars and squalid camps packed with thousands of people waiting to return home after months of violence. But billions of dollars in largely untapped oil and gas reserves lie just off the coast of Asia's newest and poorest nation.

East Timor is zealously guarding its nascent oil and gas industry, seen as a potential lifeline following centuries of colonial rule and foreign occupation that crippled it politically and economically. It is determined not to follow the path of several other mineral-rich countries that failed to prosper.

The tiny country created a petroleum fund last year to protect its mineral wealth for future generations, which was lauded by the World Bank and other international institutions. The government has vowed not to spend the money, which so far pools income from two offshore fields, on golden palaces and limousines but on roads, schools and health.

Rules that govern the fund - currently $600 million and growing - limit how much the government can withdraw, and theoretically ensure a sustainable annual income for the nation of less than 1 million inhabitants for decades to come.

"It's the absolute best way of preserving the nation's wealth," said Roger White, a British expert advising East Timorese energy officials under an eight-year consultancy program funded by a grant from Norway. "It is to prevent the difficulties that many oil rich nations have had - either that their money is spent badly or when the oil and gas resources are gone, there is nothing left," he said.

East Timor was plunged to the brink of civil war in May when then-prime minister Mari Alkatiri -- the fund's architect - dismissed 600 soldiers, sparking clashes between rival security factions that spilled into gang warfare, looting and arson attacks. Alkatiri was forced to resign as prime minister in July amid allegations that he helped fuel the unrest, something he denies.

At least 30 people were killed and another 150,000 fled homes in the capital, Dili, highlighting the country's continued political instability seven years after it voted for independence from Indonesia.

East Timor survived largely on international aid when it first became a new nation in 2002, following two years of U.N. administration, earning almost nothing from its nascent petroleum industry.

Australia has been drilling for oil and gas for several years in an offshore field that includes Bayo Undang, located on contested waters between the two nations. After East Timor became independent, it was able to negotiate a considerably higher share in oil and gas revenues.

Twenty million dollars in royalties from the Bayo Undang field were rolled into the petroleum fund. Today it's worth more than $600 million, thanks to production at the Bayo Undang and Elenka Katua fields, soaring oil prices and interest payments, Alkatiri said in an interview with The Associated Press.

With an estimated 12 trillion cubic feet of natural gas beneath the Timor Sea -- slightly smaller than the reserves found under Brunei - the fund is expected to keep growing.

A treaty signed with Australia in January to develop the Greater Sunrise gas field -- the largest in the Timor Sea -- is expected to earn East Timor $4 billion over the expected 30-year life of the project.

Abraao de Vasconselos, general manager)of the Banking and Payments Authority, which manages the petroleum fund, said the money is invested in U.S. Treasuries and each government withdrawal requires parliamentary approval.

"The idea is to protect the fund for future generations," he said.

But others noted that East Timor's ability to hold on to oil and gas as a lifeline depends largely on the ability of the government - which is for the first time trying to tap into the resource fund to pay for the 2006-2007 budget - to effectively manage the revenues.

That means building an effective government and private work force by improving health and education, and investing in agriculture, infrastructure and rural development, said Jose Teixeira, Minister for Natural Resources, Minerals and Energy.

"Nothing will replace prudent economic and financial management," he said.

It also means avoiding pitfalls of other oil-rich developing nations like Chad, which saw a similar petroleum fund collapse after the government eased restrictions on spending of the oil money.

The World Bank responded by suspending $124 million to the Central African country, though the two sides have since signed an interim agreement restoring the loans.

Some critics at home wonder why East Timor is not taking advantage of its oil and gas reserves more quickly to rev up its economy and get people -- who earn an average of less than a dollar a month -- back to their homes.

"If we have the money, let's use it and not beg" from other countries, said Mario Carrascalao, a former East Timor governor. "It's not the way, we have to be responsible."

But White noted that East Timor, which was colonized for centuries by Portugal before coming under Indonesian occupation in 1975, needs to build an efficient bureaucracy before it can exploit the economic potential of its petroleum resources.

"There are very few experienced bureaucrats," he said. The country has had to start from scratch building all apparatus of government and does not necessarily know how to spend the money wisely, he added.

"It's the birth pains of a new nation," White said.

The recent instability also highlighted the risks of doing business in East Timor.

The government was forced to postpone signing oil and gas exploration contracts in other offshore areas with Italian oil and gas giant Eni SpA and India's Reliance Petroleum Ltd., said White. Gangs barged into a building that contains the offices of several senior energy officials and looted computers and supplies, he said. Several local staffers have yet to return to work, he added.

The deals are still on, Teixeira said, and they may be signed in the next few weeks.

"We were just within three weeks of signing these big contracts and having enormous work for the good of the country and now it's just waiting," White said. "It's an absolute tragedy."

Deslocamento da População – Relatório da Situação Nº 4 da OCHA

Tradução da Margarida:

Este relatório é baseado em infornações recebidas pelo Gabinete das Nações Unidas em Timor-Leste (UNOTIL), Agências da ONU, NGO’s internacionais e fontes dos media.


1. A vida em Dili está a regressar a normalidade com lojas, escolas e serviços públicos a re-abrir. Contudo, tem havido um aumento nos incidentes de segurança nos últimos dias, alguns relacionados com a detenção do Major Alfredo Reinaldo (comandante desertor das FFDLT, um dos desertores originais das forças militares) e de 21 outros pela posse ilegal de armas e munições.

2. A polícia continua a patrulhar Dili, e os militares fazem o controlo entre as 23:00-07:00 hrs. Dentro duma semana, prevê-se que a polícia patrulhará 24/7 com apoio militar se necessário. As forças militares estão a tirar o saldo das tropas, o que levará à redução gradual da presença militar.

3. Em resposta ao crescente desassossego entre gangs de jovens na área do mercado de Comoro, A Força Conjunta impôs patrulhamento extra na área. A UNICEF está preocupada com o aumento de jovens que praticam actos de violência.

4. O Gabinete do Primeiro-Ministro informou em 25 de Julho que o PM Ramos-Horta adoptou uma abordagem coerente do governo na administração e prestação de serviços do governo. Neste contexto, o PM Ramos-Horta encarregou os seus dois Vice PMs, Estanislau da Silva e Rui Araújo, com a tarefa de gerir responsabilidades relevantes do governo. O Vice PM Rui Araújo assumiu a responsabilidade pela coordenação de todas as áreas relacionadas com a crise, incluindo subsídios, reconstrução de casas, assistência humanitária, saúde, segurança alimentar, educação e juventude.

5. A avaliação da informação reunida pela comunidade humanitária em Timor-Leste indica crescentemente que o regresso sustentado dos deslocados está dependente da resposta às causas do conflito e soluções de rápido impacto para facilitar o regresso dos deslocados pode não ser suficiente para persuadir todos os deslocados a regressarem. Os deslocados ainda têm consideráveis restrições para regressarem às suas casas em Dili: ao mesmo tempo que têm acesso aos empregos e escolas na capital durante o dia, passam a noite nos campos de deslocados. É provável que algum nível de deslocações na vizinhança de Dili possa continuar nos próximos meses, possivelmente até à estação das chuvas em Novembro ou mesmo até às eleições previstas em Maio de 2007.

6. Em 25 de Julho, o Coordenador Humanitário da ONU Finn Reske-Nielsen dirigiu o segundo encontro de dadores com o estatuto do Flash Appeal. RC/HC Reske-Nielsen anunciouque o Apelo de $19.6 milhões lançado em 12 de Junho recebeu US$10,660,781 em contribuições e compromissos e US$9, 713, 972 em promessas. Os principais dadores do flash appeal incluem a Austrália, Japão, Nova Zelândia, a Comissão Europeia / ECHO, Irlanda, Suécia, Noruega, Canadá, Itália, Alemanha, Singapura e Coreia do Sul.

7. O Director da UNICEF do Leste da Ásia e da Região do Pacifico, Ms Anupama Rao Singh, visitou Timor-Leste de 23-26 Julho 2006. Duriante a sua visita de quatro dias, Ms Singh encontrou-se com líderes juvenis, líderes mulheres, o bispo de Dili Alberto Ricardo, os Vice Primeiro-Ministros Estanislau da Silva e Dr Rui Araujo, bem como com representantes das Agências da ONU e de ONG’s. Durante uma Conferência de Imprensa no fim da sua visita, Ms Anupama Rao Singh destacou a importância das necessidades das mulheres e crianças nos campos de deslocados e a importância das crianças regressarem à escola tão cedo quanto possível. Disse que a UNICEF continuará a trabalhar com o Ministério da Educação numa campanha de regresso à escola a começar no novo ano escolar em Setembro e pediu ao Presidente para envolver mulheres e jovens em qualquer iniciativa de reconciliação ou de construção de paz.

8. Em 27 de Julho, Mr. Sukehiro Hasegawa, o Especial Representante do Secretário-geral para Timor-Leste saudou a decisão do Primeiro-Ministro de ordenar uma investigação de larga escala a possível corrupção nos serviços civis, e prometeu o apoio da ONU. O PM Ramos-Horta lna semana passada ordenou ao Inspector Geral interino para fazer rápidas investigações a possíveis fraudes, roubo de bens do Governo, e outras formas de corrupção durante e depois da crise de segurança em Timor-Leste. Em 11 de Julho, o dia depois de Ramos-Horta tomar posse, o SRSG Hasegawa entregou ao Primeiro-Ministro uma cópia do relatório sobre “Reforço da Responsabilidade e Transparência em Timor-Leste” preparado por uma equipa d especialistas internacionais, que visitaram Timor-Leste com este objectivo mais cedo neste ano. O relatório recomenda, entre outras coisas, um plano anti-corrupção, a publicação mais vigorosa de programas e planos do governo e que seja dada prioridade ao treino de funcionários públicos sobre código de conduta e ética.


9. A quarta distribuição de arroz do governo começou em 22 de Julho. Esta semana, o WFP distribuiu um total de 72.475 MT de bens variados de alimentação a 25,123 beneficiários. As operações da IOM distribuiram um total de 1551.162 MT desde 29 de Maio, 2006. A UNHCR continuou a distribuição de NFIs em Dili e nos distritos perto de Dili. Até à data a UNHCR distribuiu, entre outros, 1,759 tendas em 27 locais, 17,180 cobertores em 29 locais em Dili bem como 2,381 conjuntos de cozinha em 9 locais e 11,830 cobertores em sete locais no exterior de Dili.

10. O Governo de Timor-Leste deu passos na construção de uma moldura para um regresso seguro e sustentado. Em 21 de Julho, o Ministro Bano apresentou um esboço reforçando a necessidade de criar condições para o regresso e reintegração, que garantam a segurança e a protecção dos deslocados, facilitem a reconstrução das casas estragadas ou destruídas e que respondam à situação de segurança tanto em Dili como nos Distritos.

11. O projecto de emprego de curta duração chamado ‘Servi Nasaun’ (Serve the Nation) foi lançado oficialmente em 21 de Julho no Suco Metiaut, Dili Oeste, pelo PM Ramos-Horta, Ministro do Trabalho e Reinserção Comunitária Arsenio Bano, e o Coordenador Humanitário da ONU, Finn Reske-Nielsen. Na cerimónia estiveram alguns diplomatas. ‘Servi Nasaun’ começou a dar oportunidades de emprego há já mais de três semanas e até à data já empregou 2,200 pessoas. Os beneficiários têm trabalhado em actividades de assistência humanitárias, tais como distribuição de comida e equipas de limpeza em comunidades. Os trabalhadores recebem $2 por dia. O projecto, financiado pelos governos da Austrália, Japão, e Suécia, é implementado com o apoio do UNDP e do ILO sob a supervisão do Ministro do Trabalho e da Reinserção Comunitária.

12. A campanha do Ministério da Saúde contra o sarampo e de suplementos de Vitamina A atingiu quase 18,000 crianças; a mais de 6,400 foram dados suplementos de Vitamina A e mais de 14,700 foram feitos tratamentos contra as lombrigas. A campanha é apoiada pela UNICEF e por ONG’s locais e internacionais

13. A UNICEF, Oxfam, Concern, CRS e PLAN trabalham na distribuição de kits de higiene para as famílias nos distritos, depois duma avaliação recente à água e à sanidade e higiene de 77 aldeias terem recomendado a distribuição imediata de kits de higiene e de jerry cans. Kits de higiene para 5,000 famílias serão distribuídos até ao fim de Agosto. 830 kits de higiene foram distribuídos em Liquica esta semana, durante a visita do director regional, Ms Anupama Rao Singh.

14. A UNHCR e os seus parceiros Governamentais e não-Governamentais começaram a dirigir uma avaliação de protecção alargada, para dar assistência à segunda fase do plano de resposta de protecção para os deslocados e comunidades. Está previsto para 28 de Julho um relatório inicial com a primeira avaliação. O Ministério do Trabalho e o grupo de trabalho para a protecção da criança cooperam na avaliação que inclui entrevistas com os gestores dos campos e outro pessoal de apoio, discussões de grupos e actividades organizadas com crianças.

15. Entre 13 e 21 de Julho, o UNDP Communications Support to Humanitarian Assistance para projectos de deslocados fez 105 visitas em campos de deslocados em Dili, Hera, Metinaro, e Dare. (...).

16. O Governo começou uma inspecção a casas estragadas e queimadas através do Gabinete Nacional de gestão de desastres. Em 28 de Julho, estavam documentadas 906 casas parcialmente ou totalmente queimadas, com mais informação a acrescentar.

A OCHA está em contacto estreito com a equipa da ONU no país e com a UNOTIL em Dili e fornecerá mais informação quando a tiver disponível. Este relatório da situação, bem como mais informações de emergências correntes, está também disponível no OCHA Internet Website em http://www.reliefweb.int.

Sobre o relatório segurança da UNOTIL

Da Margarida:

O relatório de hoje da ONU sobre a situação diz que “tem havido um aumento nos incidentes de segurança nos últimos dias, alguns relacionados com a detenção do Major Alfredo Reinaldo (comandante desertor das FFDLT, um dos desertores originais das forças militares) e de 21 outros pela posse ilegal de armas e munições.” E diz ainda que em “resposta ao crescente desassossego entre gangs de jovens na área do mercado de Comoro, A Força Conjunta impôs patrulhamento extra na área. A UNICEF está preocupada com o aumento de jovens que praticam actos de violência.”E que em “28 de Julho, estavam documentadas 906 casas parcialmente ou totalmente queimadas, com mais informação a acrescentar”. Mais de 900 casas queimadas em Dili é um escândalo medonho! E um crime que não pode passar sem investigação e os criminosos e mandantes têm que responder por ele.

Uma terra de esperança e desafios - Tradução da Margarida

Mary MacKillop Timor-Leste


Timor-Leste, Julho 2006 – Uma terra de esperança e desafios

James Dunn

O meu papel no renascer de Timor-Leste, chegou, por agora, ao fim. Deixei Dili com um sentimento de optimismo cauteloso. O novo governo tomou posse, e o seu líder move-se energéticamente para fazer avançar a sua nação de um recuo que, numa altura, ameaçou dividi-la. A situação já está mais calma; o tráfico nas ruas regressou à situação anterior, e tem havido poucos relatos de incidentes violentos.

Contudo há campos perigosos à volta, porque os assuntos principais por detrás desta crise estão por resolver ainda. Na verdade os actores liderantes ainda não baixaram os braços nem regressaram aos seus cantos.

As questões das forces de defesa permanecem por resolver, com dois dos majores amotinados ainda nas montanhas, apesar de um deles, o Major Alfredo Reinado, ter acabado de ser preso pelas forças Australianas, evidentemente por ter ainda armas na sua posse. Estes amotinados operaram por detrás do biombo das suas juras de lealdade ao Presidente Xanana, mas as suas respostas ao novo governo têm sido ambíguas. Parecem acalmados pela nomeação do Primeiro-Ministro Horta, mas atacaram alguns dos outros ministros. A minha preferência ia para os rebeldes, ou oficiais desobedientes, serem persuadidos ou que lhes dessem ordens de regressarem aos quartéis, e lá serem colocados sob um tipo de restrição até a questão legal estar clarificada. Nos seus locais na montanha parece terem-se comportado como senhores de guerra. Deve ser considerada, com certeza, alguma medida de disciplina.

Estes oficiais não só ignoraram ordens; é dito que são responsáveis de pelo menos duas mortes. Há também sugestões tenebrosas que as suas acções foram tudo menos espontâneas. A democracia de Timor-Leste não pode dar-se ao luxo de tais acções de amotinação serem tratadas com ligeireza. Quanto à devolução das armas, foram entregues umas 1,000, muitas das quais pela policia, mas centenas estão provavelmente ainda nas montanhas.

O novo governo pretende que os 150,000 deslocados, regressem às suas casas, e com certeza aos seus empregos, pois que a sua saída deixou departamentos do governo enfraquecidos numa altura em que o novo governo tenta pôr em andamento as reformas necessárias para acabar com a violência e estabilizar o país.

Apesar das promessas de mudança para melhor, o medo ainda invade os campos de deslocados. Fiquei bem consciente disso quando mesmo antes de partir, quando concordei em falar num dos campos maiores, um perto do aeroporto que é dirigido pela IOM. Era aparente que prevalecia um desejo universal para o conflito e a violência acabar. Os deslocados querem regressar a casa, mas têm ainda medo das forces escondidas nas ruas, dos gangs viciosos de jovens que atacam na noite. Estes ataques podem ser raros mas ainda ocorrem, e o grande desafio para o Governo de Horta, a ONU, as tropas e a polícia não é só restaurar a paz nas ruas da cidade mas garantir que isso é uma realidade e para durar. Os deslocados precisam de um ambiente seguro – casas reparadas, segurança nas ruas, segurança alimentar. Como cerca de 670 casas foram destruídas, substitui-las demorará tempo.

Um problema que permanece que poderá ainda incitar ao conflito é a cena politica. O novo governo tem sido saudado mas o início do caso legal contra Mari Alkatiri e o desassossego na Fretilin, que controla 55 dos 88 lugares no Parlamento Nacional, é uma causa de desassossego. Ao mesmo tempo que o Primeiro-Ministro Horta goza do apoio da maioria da Fretilin, muitos acreditam que Alkatiri foi a vítima de um golpe, envolvendo a presidência, certos líderes de partidos políticos, bem como certas secções dos militares.

Tenho esperança, que a verdade material emergirá da Comissão especial de inquérito da ONU, que deve ser conhecida daqui a quatro meses. A contribuição da Four Corners foi, receio, um relato bastante parcial e superficial.

O que o Governo de Horta deve fazer para acalmar as preocupações quw dividiram os Timorensee e criaram uma massiva crise de confiança, é agir rapidamente em relação à segurança e à economia, e cumprir as promessas. O orçamento de cerca de $US315 milhões já foi alterado para responder ao desafio. É um grande desafio para o novo primeiro-ministro, que se tem movimentado rápida e energeticamente responder. Com menos de nove meses antes das próximas eleições o governo de Horta precisa de apoio doméstico e internacional para atingir os seus objectivos.

O que descobri no meu encontro com os deslocados foi um grande desejo para se pôr fim às diferenças leste-oeste por detrás da violência. Sugeri uma campanha em todo o paós contra a violência e a discriminação, e fiquei muito satisfeito quando um grupo de jovens se encontraram e ofereceram um diálogo aberto em prol da unidade e contra a violência. Seria formidável se este movimento arrancasse, porque na realidade a divisão leste-oeste tem pouco a ver com a formação étnica de Timor-Leste. É em larga medida uma herança das tácticas divisoras dos militares Indonésios, com uma tónica de descontentamento regional aumentadas pelas grandes diferenças económicas entre estas regiões. Estes fantasmas do passado devem ser ultrapassados.

Descobri que muitos Timorenses ainda estão espantados com o falhanço do seu governo e do sistema da ONU em responder ao seu sofrimento no passado às mãos dos militares Indonésios. Nestas circunstâncias, é importante que a proposta para instituir um tribunal internacional para investigar as atrocidades do passado – que ainda está no Conselho de Segurança da ONU – deve manter-se na agenda internacional. Não deveria ser ignorada de modo a acalmar as pressões dos militares Indonésios, ou como uma deferência para a transição do país para a democracia. Hoje muitos Timorenses estão afectados não somente pelas suas terríveis experiências nas mãos dos ocupantes dos TNI como também pela recusa dos seus líderes e da comunidade internacional para levar a sério o impacte traumático desses sofrimentos. Ajudaria muito o processo de cura se fosse dada a atenção que merece pela comunidade internacional. Tal saída seria saudada por muitos Indonésios, que sofreram eles próprios nas mãos do TNI no regime de Suharto, e que permanecem convencidos que um sistema democrático a funcionar em pleno mantém-se uma ilusão, enquanto o poderoso TNI não for reformado em profundidade. É menos um processo de acusação, do que encontrar um modo de trazer à superfície simplesmente o conhecimento de quanto cruelmente o povo de Timor-Leste sofreu com a cultura de brutalidade das forças militares de Suharto. Com um novo regime no poder em Jakarta, tal exposição aumentaria, mais do que poria em perigo a segurança a longo prazo de Timor-Leste.

James Dunn 25.07.06

Aposta no reforço da segurança interna e no diálogo com a população

Timor-Leste: Ramos Horta quer seguir programa do anterior Governo
31.07.2006 - 10h56 Lusa

O primeiro-ministro de Timor-Leste, José Ramos Horta, afirmou hoje no Parlamento, durante a apresentação do programa do Governo, que quer seguir a mesma base política e linha programática do anterior executivo, liderado por Mari Alkatiri.

A afirmação, no início do discurso de apresentação do programa do II Governo constitucional, foi justificada com a falta de sentido que constituiria a alteração da "orientação programática" defendida pela Fretilin, partido maioritário.

Na descrição que fez dos feitos do anterior executivo, alguns dos quais classificou como "notáveis", Ramos Horta criticou a governação do passado na área da segurança interna e no diálogo com a população. "Falhámos na área da segurança interna e no diálogo com o povo. Somos acusados de insensibilidade e arrogância", salientou.

"A corrupção começou a invadir as instituições do Estado. Em pouco tempo conseguimos criar por nós e para nós uma teia burocrática que mina as nossas melhores intenções de desenvolvimento e decisões políticas e abre as portas para a corrupção", frisou.

Relativamente às grandes áreas programáticas, para um executivo que irá governar o país apenas até às próximas eleições, a realizar em Abril ou Maio de 2007, Ramos Horta elegeu como "enormes desafios" a reconciliação, a consolidação da segurança e a reforma das instituições da defesa e segurança, a preparação das eleições, a redução da pobreza e o crescimento económico.

Na área da política externa, Ramos Horta destacou a continuidade, apoiada no reforço de relações privilegiadas com Portugal, Indonésia e Austrália.

O primeiro-ministro anunciou ainda que o acordo de partilha das jazidas petrolíferas no mar de Timor, assinado com a Austrália no passado dia 12 de Janeiro, e o Acordo Internacional de Uniformização (IUA, no acrónimo em inglês) vão em breve ser enviados pelo Governo ao Parlamento para debate e ratificação.

O IUA, relativo à área de prospecção denominada Greater Sunrise, foi assinado em Março de 2003 pelos dois países, mas só entrará efectivamente em vigor depois de os parlamentos nacionais o ratificarem.

Ramos Horta disse acreditar que os deputados "compreenderão que o referido tratado serve os melhores interesses do país", que depois de ratificado permitirá o desenvolvimento do campo do Greater Sunrise, garantindo a "independência económica e prosperidade". O debate do programa do Governo deverá terminar amanhã com a votação.

A ex-ministra Ana Pessoa, que ainda não foi empossada, ocupou um lugar na bancada reservada aos membros do Governo durante o discurso do primeiro-ministro e o início do debate. Ana Pessoa detinha a pasta da Administração Estatal no anterior executivo e já foi anunciado que se manterá no cargo, mas a cerimónia de posse ainda não tem data marcada.

José Ramos Horta substituiu Mari Alkatiri no passado dia 10, na sequência da sua demissão, a 26 de Junho, e no âmbito da crise político-militar desencadeada em finais de Abril pela rebelião de um grupo de 600 militares que acusavam o Governo de Díli de discriminação étnica.

East Timor plans to stimulate economy and help poor

ABC Asia Pacific
01/08/2006 22:59:41

East Timor's prime minister, Dr Jose Ramos-Horta, has presented the government's plans for the next year to parliament.

The main platform of the document is a committment to help the poor.

Wendy McGuinness reports.

The budget for this financial year has increased more than 100-percent and there has been a 300-percent increase in the amount of money pledged by international donors.

Dr Ramos Horta says it's time to help the poor of East Timor, which he says make up the vast majority.

To that end, money will be invested in reconstructing the houses damaged or destroyed during the May unrest.

The government also plans to stimulate the economy by creating employment with projects, such as rural roads, hospitals and schools in several areas. There will be 400 new infrastructure projects around the country.

The Ministry of Agriculture, Forests and Fisheries will also receive a special fund aimed at developing initiatives in rural areas.

The prime minister pledged that the program will be implemented under strict adherence to the principles of transparency and fiscal responsibility.

ABC Asia Pacific TV / Radio Australia

Horta: Governo para restaurar a confiança - Tradução da Margarida

1.8.2006. 15:28:53

O nono Primeiro-Ministro de Timor-Leste José Ramos-Horta diz que o seu governo dará prioridade à reconciliação e tentará restaurar a confiança pública nas autoridades depois de meses de incerteza na pequena nação.

"As pessoas perderam a sua confiança nas instituições do governo e no governo," disse o laureado do Nobel da paz à Rádio Timor-Leste.

"Restaurar esta confiança e a apreciação das pessoas na democracia e no Estado assenta em acções, políticas e passos a tomar pelo governo nas próximas semanas," disse.

O Sr Ramos-Horta disse que o governo cooperará com organizações de ajuda e outros membros importantes da sociedade na construção da reconciliação nacional, embora desse poucos detalhes.

"Este governo constitucional organizará um fundo especial para implementar o trabalho de reconciliação, para curar as feridas da comunidade," disse o primeiro-ministro.

Como parte do programa, o governo continuará a reorganizar as forças armadas do país e a polícia, "tirando vantagem da presença das tropas internacionais."

As forças armadas, disse, terão de passar por uma remodelação e por reformas "para enfrentarem as mais sérias ameaças que o país enfrentar no futuro," enquanto que a policia, "que caiu e se afundou em Dili, terá de passar por uma reorganização."

Fonte: AFP

A Land of Hope and Challenges

Mary MacKillop East Timor
Timor Leste, July 2006 – A Land of Hope and Challenges

James DunnMy role in East Timor’s revival has, for now, come to an end. I left Dili in a mood ofcautious optimism. The new government is in place, and its leader has been movingenergetically to move this nation forward from a setback that, at one point,threatened to tear it apart. The situation is already calmer; the street traffic has goneback to its former bustle, and there have been few reports of violent incidents.

However there is treacherous ground around, for the main issues behind this crisishave yet to be resolved. Indeed the leading actors have yet to concede and return totheir corners.

The defence force issue remains unsettled, with two of the rebel majors still in themountains, although one of them, Major Alfredo Reinado, has just been arrested bythe Australian forces, evidently for still being in possession of weapons. These rebelsoperated behind the screen of their pledges of loyalty to President Xanana, but theirresponse to the new government has been ambiguous. They appear placated by PrimeMinister Horta’s appointment, but have attacked some of the other ministers. My preference was for rebel, or disobedient officers, to be persuaded or ordered to returnto the army barracks, and there to be placed under some kind of restraint until thelegal issues have been cleared up. In their mountain locations they seem to havebehaved like warlords. Certainly, some form of discipline needs to be considered.

These officers did not just ignore orders; they are said to be responsible for at leasttwo deaths. There are also dark suggestions that their actions were anything butspontaneous. East Timor’s democracy cannot afford for such rebellious actions to betreated lightly. As for the return of weapons, some 1,000 have now been handed in,many of them by the police, but hundreds are probably still held in the mountains.

The new government is keen for the 150,000 refugees, the internally displacedpersons, to return to their homes, and of course to their jobs, for their retreat has leftgovernment departments weakened at a time when the new government is trying toget under way the reforms necessary to end the violence and stabilize the country.

Despite the promise of change for the better, fear still pervades the refugee camps. Iwas made well aware of just before leaving, when I agreed to speak to one of thelargest camps, one near the airport which is run by IOM. It was apparent that thereprevailed a universal desire for the conflict and violence to end. The inmates want toreturn home, but are still afraid of those hidden forces out there in the street, viciousgangs of youths that strike in the night. These attacks may now be rare but they stilloccur, and the big challenge to the Horta Government, the UN, the peacekeepers andpolice is not just to restore peace to the city streets but to ensure that it is a reality and that it endures. The refugees need a secure environment – repaired housing, securityof the streets, food security. As some 670 houses were destroyed, replacing them willtake time.

One remaining problem that could still incite conflict is the political scene. The newgovernment has been welcomed but the beginning of the legal case against MariAlkatiri and unrest in Fretilin, which controls 55 of the 88 seats in the NationalAssembly, is a cause of unrest. While Prime Minister Horta enjoys the support ofmost of the Fretilin party, many believe that Alkatiri was the victim of a coup,involving the presidency, certain political leaders, as well as sections of the military.

Hopefully the truth of the matter will emerge from the special UN commission’sfindings, which should come out in about four months. The Four Cornerscontribution was, I’m afraid, a rather lop-sided and superficial account.

What the Horta Government must do to placate the concerns that have both divided the East Timorese and caused a massive crisis of confidence and trust, is to actquickly in relation to both security and the economy, and fulfill its promises. Alreadythe budget of some $US315 million has been modified to meet the challenge. It isquite a challenge for the new prime minister, who has moved quickly andenergetically to meet it. With less than nine months before the next elections theHorta government needs both domestic and international support in order to achieveits goals.

What I did discover at my meetings with the refugees was a strong desire for an endto the east-west differences behind the violence. I suggested a nation-wide campaignagainst violence and discrimination, and was delighted when a group of young metand offered to open a dialogue towards unity and against violence. It would be greatif this move took off, for in reality the east-west division has little to do with EastTimor’s ethnic make-up. It is a largely a legacy of the Indonesian military’s divisivetactics, with an overlay of regional discontent heightened by sharp differences ineconomic differences between these regions. These ghosts from the past must bemoved on.

I found that many Timorese are still dismayed at the failure of their government andthe UN system to address their past ordeal at the hands of the Indonesian military. In the circumstances, it is important that the proposal to establish an internationaltribunal to investigate past atrocities – which is still before the UN Security Council– should remain on the international agenda. It should not be ignored in order toappease pressures from Indonesia’s military, or in deference to the country’stransition towards democracy. Today many Timorese are affected not just by their terrible experiences at the hands of those TNI occupiers, but by the refusal of theirleaders and the international community to take the traumatic impact of those ordealsseriously. It would greatly help the healing process if that issue were to be given the attention it deserves by the international community. Such an outcome would bewelcomed by many Indonesians, who themselves have suffered at the hands of theTNI under Suharto, and who remain convinced that a fully functioning democraticsystem will remain elusive, until the powerful TNI has been comprehensivelyreformed. It is less a matter of prosecutorial processes, than of finding a way to bring out into the open just how cruelly the people of East Timor suffered from the brutalculture of Suharto’s military forces. With a new regime in power in Jakarta, such anexposure would enhance, rather than risk, Timor Leste’s long term security.

James Dunn25.07.06


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.