terça-feira, agosto 15, 2006

A ONU vai considerar uma resolução sobre uma nova missão em Timor-Leste

Tradução da Margarida.

ABC Radio Australia
Last Updated 12/08/2006, 20:13:59

O Secretário-geral da ONU Kofi Annan pediu ao Conselho de Segurança para aprovar uma nova missão de um ano para Timor-Leste por causa da violência anterior deste ano.

A missão corrente acaba em 20 de Agosto depois duma anterior extensão.

O novo mandato incluirá o aumento duma força policial da ONU para cerca de dezasseis centenas de oficiais.

A ONU diz que pelo menos 150,000 pessoas permanecem em campos improvisados, ainda demasiado aterrorizadas para regressarem às suas casas.

Espera-se que o Conselho de Segurança vote a recomendação numa semana.

Dos leitores

If there was clear evidence then no one should be immune, not even Xanana himself. Justice must prevail whether it is Mari, Rogerio, Xanana, Horta or anyone else instigated the current violence then of course they will pay.

In my opinion Xanana has lost a lot of trust and above all his credibility in this crisis. The court ruling over the legitimacy of FRETILIN's leadership only highlights his Political demise.

Political demise? The man never wanted to be the PR or even pursue a political career. We have not forgotten that he was practically pushed to the Presidency by everyone from the UN to the timorese people (except for Mari of course) and the 83% victory stands as proof of that.

If Xanana was really ambitious for political power he would have gone back to Fretilin in 1999 and, there is no doubt in my mind, he would have easily eclipsed Mari in the race to control the leadership of Fretilin. Had he done that either Mari or Luolo would have been relegated to the sideline. It would have depended on Xanana's preference at the time. PM or Parliament Speaker?

He had also stated long before this crisis happened that he would not run a second time for office. So what are you talking about "political demise". Those expressions should be reserved for carreer politicians like Alkatiri whose desire to gain power and then hold on to it at all costs is more relevant.

Unfortunately for Alkatiri, Xanana continues to command a lot of respect from the people like no other political leader can and Mari can only wish he could have that.

There is evidence that one person is bringing insecurity to East Timor: Xanana Gusmao.
Mari is long gone but the problems that Xanana and his lackeys acused the former prime minister of creating, are still there!
Xanana said that the Leadership of Fretilin was ilegitimate: The Courts proved him wrong!
Mari Alkatiri did not created the trouble! The manipulators of the sacked soldiers did!
So bring in the elections as quick as possible, and let the real people of East Timor decide!
Who are the manipulators? The failed leaders of 1975, the Corrupts trained by the Indonesians, and probably, probably some people dressed in white but with dirty spirits.

Xanana is not after political power. He is pushing for an ideology different to FRETIIN, a market driven ideology to upease his mates in Canberra and a populist ideology. Ask Ramos Horta how often he disagrees with Xanana's "policcies" and "ideas".

That he won 83% of the votes was because there were only two candidates. FRETILIN as a party ccompeted against 15 other political parties, yet nationaly it received more than 60% of the votes. If the presidential election had more candidates, I don't believe that Xanana would even get close to 50%.

If Xanana came back to FRETILIN in 1999, then FRETILIN would get at least 80% of the votes in the elections. But this is not what Xanana wanted. Being a populist and an idealist, he wanted an assembly with various parties, not as determined by the voters, but as determined by a group of unelected people (e.g. all this national unity stuff). Xanana envisioned a new East Timor where all leaders worked together in peace and in harmony. By leaders, Xanana means the self styled leaders who are unelected and unrepresentative. Their only constituency is the political party or organisation that they lead, people like the Carrascaralho family for instance. According to Xanana these people should have a share of power no matter how the voters decided. This is the spirit of national unity according to Xanana.

Xanan himself declared way back, soon after 1999 that FRETILIN (or any political party) SHOULD NOT win more than 50%. What if the people gave FRETILIN more than 50%? Then we make sure that there is a government of national unity so that FRETILIN doesn't have a monopoly in the government, and power will be shared to other unelected people. The fact that people gave FRETILIN more than 50% didn't matter. National unity is more important than democracy. Carrascaralho's rights are more important than the people. It makes you think, why have elections in the first place? Why don't the "leaders" just elect each other?

When government of national unity failed (as opposed to national inclusion), you started to get instability, which began in 2002 after having Mario Carrascaralho declaring that a FRETILIN-led government wouldn't last six months, then in December a demonstration by highschool students turned violent with the sacking of the parliament building and Alkatiri's house burned to the ground. Clearly there was an attempt at Alkatiri's life and clearly the students' protest was highjacked by unknown groups with a different agenda.

Today Xanana finally got what he wanted, or, nearly all (Parliament and Government still controlled by FRETILIN). And this came at the expense of tens of lives and 150,000 people internally displaced.

What will Xanana do next?

"Xanana continues to command a lot of respect from the people"

He does deserve respect for his contribution during the resistance. However, as a president, he (and his team) have been a failure during this crisis.

He just does not have the mettle to be a president. I think Xanana still believes that if he gives orders people will follow it. However, thats not the case any more and he has failed to make the transistion from an effective leader of the resistance to a President of a democracy.


His behaviour of late is to be expected of any ordinaty politician battling for what he wants.

Xanana was heckled by the refugees when he visited the FFDTL camp in Metinaro. He quickly left the compound and never went back there again.

“Unfortunately for Alkatiri, Xanana continues to command a lot of respect from the people like no other political leader can and Mari can only wish he could have that.”

Don’t be ignorant of the facts. Even heroes fall from grace.

What Xanana commands is not respect but sheer emotions that are fading quickly. With supporters like Alfredo, Salsinha, Tara, Tilman and Railos (remember he rallied support from these individuals to force Mari to resign)Xanana is in the company of mutineers.

Politically Alkatiri commands more respect amongst his followers than Xanana. Alkatiri's followers are based on principle and acceptance, this is why as a Muslim, as a Timorese from an ethnic minority background Mari is able to become Prime Minister. Having the support of the most influential Political party is a testimony to his abilities as a Politician and the respect earned serving Timor and FRETILIN during the struggle and Independence. The local elections are an indication that FRETILIN dominates Party Politics in Timor, the results was a sheer annihilation of other Political Parties, this was done under the leadership of Mari, a indication that there is never any resentment towards Mari and FRETILIN.

Mari is a positive persona of what Timor should be, strong, relentless pursuit of what is the best for Timor as exemplified in the Timor sea negotiations, a man of Principles. All people have weaknesses, his weakness in Timor Leste was the fact that a minority in Timor Leste are racist and discriminatory and resent FRETILIN. If there was another FRETILIN leader during the current mandate they would have been accused of being a communist and become a victim of hypocritical politics.

The biggest exploiter of hypocrisy is Xanana. It is hypocritical that he would say in Parliament that he was a defendor of the Constitution and yet his handling of the crisis conflicted with the Constitution. Mari gave Xanana so much headaches that he even had to resort to desperate measures in dividing the country between him and Mari/FRETILIN so as the obtain the resignation of the Prime Minister. He could not sack Mari, nor dismiss the Government and disolve Parliament.

Serious questions should arise over his capacity as a President. His insistence that the FRETILIN leadership is illegitimate yet he was proved wrong by Timors court of Appeal is an example. The President claimed that Alfredo was to provide security yet he was became part of the security problemX, anana claims to have contacted constantly with Alfredo and Salsinha why did only result in an attack on Dili. Xanana’s political immaturity in ensuing Political change even at the expense of 150,000 displaced people, his inability as the Supreme commander of the Armed forces to resolve the Military crisis are notable. He was unable to control his own supporters from attempting to set fire to RTTL compound or from attacking women and children at refugee camps and burning the homes of FRETILIN members.

Why isnt Xanana visiting these camps now? He did once before Mari resigned and not everyone showed respect for him not in the camps of Dili and definitely not in Metinaro. Until now the President has failed to ensure security in Dili, he fails to act on the displaced peoples issue. The President fails miserably to exert his influence positively.

If Xanana commanded respect then there would be no crisis today.

Xanana wished he was half the Politician Alkatiri is.

Should FRETILIN win or lose the election in 2007 you can be sure that Mari will be an integral part of Timorese Politics.


O Governo aumenta o risco de viajar para Timor

Tradução da Margarida.

7:44 am, 15 Agosto 2006

O Ministério dos Negócios Estrangeiros baixou o aviso de perigo de viajar para o Reino Unido e USA mas aumentou o aviso de perigo de viajar para Timor-Leste.

O Gabinete do Interior do Reino Unido baixou a ameaça de terror de critica para severa, e levantou a proibição na bagabem de mão em voos com origem no Reino Unido.

Apesar de ter baixado o aviso de viajar, o Ministério dos Negócios Estrangeiros diz que Neo-Zelandezes viajando para o Reino Unido ou USA podem ainda correr riscos e necessitam de ter consciência de segurança.

Avisa contra qualquer viagem não essencial ou de turismo para Timor-Leste.

© NewsRoom 2006


Dos leitores

Tradução da Margarida.

Não há evidência clara que Mari é um sinal de insegurança em Timor-Leste. O que é claro é que a única ameaça à nossa segurança vem dos que claramente querem assumir o poder sob modos não permitidos pela Constituição, e por isso mesmo negam a existência da própria Democracia em Timor-Leste.


UN to consider recommendation on new East Timor mission

ABC Radio Australia
Last Updated 12/08/2006, 20:13:59

UN secretary general Kofi Annan has asked the Security Council to approve a new year-long mission to East Timor in the wake of violence earlier this year.

The current mission is due to end on August 20 after an earlier extension.

The new mandate would include the boosting of a U-N civilian police force to around 16 hundred officers.

The UN says at least 150,000 people remain in makeshift camps, still too scared to return to their homes.

The Security Council is expected to vote on the recommendation in a week.


Comunicado - PN

Gabinete de Relações Públicas

Agenda Plenária n.º 435/I/4.ª

Terça-feira, 15 de Agosto de 2006

A sessão plenária do Parlamento Nacional de Timor-Leste do dia 15 de Agosto de 2006, foi presidida pelo seu Presidente, Sr. Francisco Guterres “Lu-Olo “, em conjunto com o Vice-Presidente, Sr. Jacob Fernandes, o Secretário da Mesa, Sr. Francisco Carlos Soares, e as Vice-Secretárias, Sr.ª Maria Avalgiza Lurdes e Sr.ª Maria Terezinha Viegas.

O Sr. Presidente do Parlamento Nacional iniciou a sessão informando os Srs. Deputados acerca do convite endereçado pelo Parlamento Sueco para que uma Delegação Parlamentar Timorense se desloque à Suécia no dia 11 de Setembro do corrente ano, com o objectivo de acompanhar e observar o processo eleitoral naquele país.

Na sessão Plenária de hoje foram dadas informações diversas, nomeadamente:

Leitura da carta endereçada pela Presidente da Comissão de Saúde, Assuntos Sociais, Solidariedade e Trabalho (Comissão F), a Sua Excelência o Presidente do Parlamento Nacional, requerendo à Conferência dos Líderes das Bancadas Parlamentares que seja esta a determinar as datas viáveis para a visita de uma Delegação Parlamentar aos campos de deslocados;

Leitura da carta endereçada pela Juíza do Tribunal Distrital de Díli, Dora Martins, ao Sr. Presidente do Parlamento Nacional, solicitando garantias de protecção e segurança para a prisão de Díli, onde se encontram detidos os arguidos Alfredo Alves Reinado, Avelino da Costa, Jaime da Costa, Adolfo da Silva, André da Costa Pinto, Rudianos A. Martins, Egidio Lay Carvalho, Joaquim Barreto, José Soares Sarmento, Leopoldino Manuel Mendonça, Martinho de Almeida, José Gomes, António Savio, Inácio Maria da Conceição. Os arguidos mencionados encontram-se em prisão preventiva, aguardando o resultado do processo criminal em curso;

Leitura da carta endereçada pelo Provedor de Direitos Humanos sobre a investigação levada a cabo pela Provedoria de Direitos Humanos e Justiça sobre os acontecimentos ocorridos nos dias 28 e 29 de Abril de 2006;

Distribuição aos Srs. Deputados do Relatório enviado pelo Programa de Monitorização do Sistema Judicial (JSMP) sobre as detenções efectuadas em Díli pela Join Task Force (JTF);

Leitura da Petição dirigida ao Presidente do Tribunal Distrital de Díli, com conhecimento do Presidente do Parlamento Nacional;

Leitura da declaração conjunta endereçada pelos representantes dos refugiados ao Sr. Presidente do Parlamento Nacional;

Leitura da declaração endereçada ao Sr. Presidente do Parlamento pelos refugiados que se encontram no Jardim Nicolau Lobato;

Leitura do convite endereçado ao Sr. Presidente do Parlamento Nacional para que uma Delegação Parlamentar Timorense se desloque aos Estados Unidos, a fim de participar no encontro subordinado ao tema “Prevenção de Conflitos e Construção da Paz: Função Importante das Nações Unidas”;

Leitura do comunicado de imprensa enviado pela Sra. Deputada Allyson Schwartz da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos acerca da Missão das Nações Unidas em Timor-Leste.

De acordo com o Projecto de Resolução N.º 78/I/4.ª, aprovado no dia 13 de Julho de 2006, foi prorrogado o período de funcionamento do Parlamento Nacional até ao dia 15 de Agosto de 2006. Nesse sentido, esta sessão plenária seria a última antes do início do período de recesso.

Contudo, por sugestão de alguns Deputados, afigurou-se pertinente estender o prazo de funcionamento do Parlamento Nacional até ao dia 14 de Setembro de 2006, devido aos diversos diplomas legais pendentes que carecem de urgente aprovação, muito em particular as Propostas de Lei Eleitoral.

Assim, foi aprovado o Projecto de Resolução N.º 79/I/4.ª que “Prorroga o período normal de funcionamento do Parlamento Nacional de Timor-Leste” até ao dia 14 de Setembro de 2006. O Projecto em apreço foi aprovado com 67 votos a favor, 2 votos contra e 4 abstenções.


Government Upgrades Travel Risk To Timor

7:44 am, 15 Aug 2006

The Ministry of Foreign Affairs has downgraded its travel warnings for the United Kingdom and the United States, but upgraded a warning for East Timor.

The British Home Office has downgraded the terror threat from critical to severe, and has lifted the ban on hand luggage on flights originating in the UK.

Despite the downgraded warning, the Ministry of Foreign Affairs says New Zealanders traveling to the UK or USA may still be at risk, and need to be security conscious.

It is warning against any non-essential or tourist travel to East Timor.

© NewsRoom 2006

Comandante: Polícia internacional em Timor-Leste é neutra

Tradução da Margarida.

14 Agosto 2006 09:43:40 GMT
Fonte: Reuters

Por Jerry Norton

DILI, Agosto 14 (Reuters) – Uma força internacional de cerca de 600 polícias de quatro países no Timor-Leste com problemas está fora das políticas da pequena jovem nação, disse o seu comandante na Segunda-feira.

A polícia começou a chegar a Timor-Leste no fim de Maio depois de semanas de violência que deixaram mais de 20 pessoas mortas e viu alargadas pilhagens e fogos postos que continuaram por Junho, até que a polícia estrangeira e uma força internacional militar trouxe um mínimo de ordem.

Steve Lancaster, chefe das unidades de Portugal, Malásia, Nova Zelândia e da sua própria Austrália, disse aos repórteres que estava "preocupado com alguns rumores que a polícia internacional tomava partido, apoiando uns grupos contra outros ".

(NOTA: Steve Lancaster é apenas o chefe da força policial australiana e neo-zelandesa. Cada país tem o seu comando.)

"Somos uma força de polícia independente e actuamos imparcialmente," disse, sem nos envolvermos nas questões regionais de leste-oeste na raiz de muita da violência em Timor-Leste, que se tornou uma nação completamente independente em 2002.

Alguns dos rumores sugerem que a polícia de Portugal, o colonizador do país até 1975, favorece os da região leste sobre os do oeste.

A última área é vista por alguns como favorável à Indonésia, o vizinho de Timor-Leste que o ocupou em 1975. O seu controlo apertado acabou num voto pela independência em 1999 marcado por um banho de sangue atribuído principalmente às milícias pró-Indonésias apoiadas por elementos dos militares Indonésios.

Lancaster, contudo, disse que os rumores eram mais alargados.

"Não são só os Portugueses."

"Tem havido algumas acusações também relacionadas com as forças internacionais em geral ", com acções contra um grupo particular ou outro interpretadas como tomar partido, Lancaster disse.

De facto, "se as pessoas são apanhadas a continuarem a causar problemas, a brigar ou com armas perigosas, venham donde vierem ou sejam quem forem, serão capturadas e enfrentarão processos," disse.

Disse que a polícia internacional tinha prendido cerca de 220 pessoas desde que chegou, e teve um impacto significativo.

"...lembre-se sempre de há 11 semanas atrás e compare com agora e a diferença é bastante notável."

Relatos de confrontos esporádicos e fogos postos em Timor-Leste continuam, contudo, e mais de 100,000 Timorenses permanecem em campos em vez de regressarem a casa onde receiam pela sua segurança.

A própria polícia de Timor-Leste tem estado afastada das ruas devido ao envolvimento de alguns nas lutas. Lancaster disse que estava quase acordado um plano que dentro de pouco os levaria à acção outra vez, mas somente depois de escrutínio e inicialmente sem armas e trabalhando em conjunto com as forças internacionais.

As forças internacionais policiais e militares e o governo de Timor-Leste estavam também a tentar aumentar a visibilidade e a resposta em áreas problemáticas para ajudar as pessoas a sentirem-se suficientemente seguras para saírem dos campos de deslocados, disse Lancaster.


Timorenses deslocados esperam sinais dos “grandes”

Tradução da Margarida.

14 Agosto 2006 11:38:03 GMT
Por Jerry Norton

DILI, Agosto 14 (Reuters) – Em pé, no meio das tendas apertadas e do fumo das fogueiras para cozinhar num campo de deslocados, Rosa Soares diz que espera que os líderes de Timor-Leste se reconciliem antes de achar que é seguro regressar a casa.

A mãe de duas crianças, com 29 anos, grávida, é uma das mais de 100,000 Timorenses ainda nos campos quatro meses depois duma disputa sobre soldados despedidos que desembocou em violência alargada na qual morreram mais de 20.

Uma força militar e policial internacional de cerca de 2,500 começou a chegar no final de Maio para restaurar a ordem nesta pequena jovem nação, mas pilhagens generalizadas e fogos postos continuaram durante semanas, e ainda não desapareceram completamente.

Enquanto alguns dos deslocados regressaram a casa, outros estão relutantes.

"Estamos à espera que os grandes se abracem e se sentam juntos e conversem e depois sentir-nos-emos seguros," disse Soares à Reuters no campo Don Bosco, localizado num complexo duma instituição Católica.

Cerca de 90 por cento dos Timorenses são Católicos, uma herança de centenas de anos do domínio Português que acabou em 1975, e um certo número dos quase 60 campos na área de Dili estão em chão da igreja largamente abandonados pelos responsáveis pela violência.

As raízes da turbulência são complexas, mas muito tem a ver com diferenças entre as regiões do leste e do oeste de Timor-Leste, que se tornou um país completamente independente em 2002 depois de quase 25 anos de ocupação Indonésia e um período interino de administração das Nações Unidas.

"Se voltarmos para casa temos medo do que as pessoas possam fazer à noite. Provavelmente vamos estar mortos, vamos ser mortos," disse Soares.

"Mesmo entre os grandes há uma separação entre as pessoas do leste e do oeste," acrescentou.

O homem cujas políticas muitos culpam por ter despoletado a violência, Mari Alkatiri, saiu do cargo de primeiro-ministro em 26 de Junho sob pressão do Presidente Xanana Gusmão, mas ainda se fazem acusações partidárias no parlamento e o processo de levar à justiça os envolvidos na desordem ainda demora.

Entretanto, os que estão nos campos dizem que as noites permanecem perigosas em muitas partes de Dili e nas aldeias próximas.

"Fora dos campos à noite há pessoas a atirar pedras umas às outras e a perseguirem-se," disse Martino Doutel, 30 anos, vestindo calções, uma t-shirt verde e sandálias no calor tropical.

Alguns que estão nos campos não têm casas para regressar. Madalena Carvalho, 28 anos, partilha uma tenda com as suas quatro crianças, o marido e a mãe. A sua casa na aldeia Baru foi queimada e pilhada.

"Mesmo se regressássemos a casa não nos podíamos apoiar em nada. Tudo foi destruído, mesmo os nossos animais. A única coisa em que nos podemos apoiar é ficar aqui," disse.

Adriano de Jesus, um coordenador do campo, disse: "o governo tem um plano para reconstruir todas as casas mas ainda se processa... assim não sabemos quando começará."

Disse que o campo já abrigou mais de 14,000 e agora 9,000, mas que não está claro quando é que estes possam sair.

"Hoje a maior preocupação é sobre a segurança. Se as pessoas pensam que há segurança estabilizada, regressarão a casa," disse de Jesus, 35anos, um irmão Católico que estava à frente de um centro de treino vocacional em Don Bosco antes da crise.

Também pensa que os líderes do país devem dar um exemplo.

"Eles próprios têm de se reconciliar porque foram eles que criaram este problema, e agora insistem com o povo para dialogar."



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.