terça-feira, outubro 03, 2006

Notícias - em inglês

October 01, 2006 23:47 PM

First Police Group For Timor Leste To Leave Monday

KUALA LUMPUR, Oct 1 (Bernama) -- The first of two groups from the police General Operation Force (GOF) will leave for Timor Leste Monday to join the United Nations Integrated Mission in Timor Leste (UNMIT).

The Malaysian force will total 140 officers and men, and the first group to leave will comprise 70 personnel. The remaining 70 will leave on Oct 8.

Deputy Internal Security Minister Datuk Mohd Johari Baharum said the mission is fully sponsored by the United Nations and provided under an agreement between the governments of Malaysia and Timor Leste to help maintain peace in the country.

"They will be there for three to six months and will establish an anti-riot police to maintain peace there," he said after breaking fast with the GOF personnel.

The group had undergone a three-month intensive training to prepare for the mission.

The Deputy Minister said he would visit the Malaysian force in Timor Leste next month.

Also at the gathering was Inspector-General of Police Tan Sri Musa Hassan and his deputy Datuk Mohd Najib Abdul Aziz.



ABC - Monday, October 2, 2006. 10:50pm (AEST)

NT health officials fight mosquito disease in E Timor

Northern Territory health officials have embarked on a public education campaign in provincial East Timor, teaching locals how to monitor and control disease-spreading mosquitoes.

Officially, there is no dengue fever in Australia, but across the Timor Sea it is rife.

Entomologist Peter Whelan says cases often go unreported. "Dengue haemmorraghic fever can kill - there have been quite a lot of cases, nearly 1000 cases this year," he said.

That figure includes 37 reported deaths.

Northern Territory Health Minister Chris Burns acknowledges the potential threat to Australia but says the risk in East Timor is far greater. "It's quite significant, up to 25 per cent of their hospital admissions are related to mosquito-borne diseases," he said.

A team of four Darwin-based health workers will teach the East Timorese simple strategies for controlling the pests, like covering or emptying containers that collect water.


Dos leitores

O que tem o Presidente que ver com isto? Nada, a não ser o dever (não cumprido) de chamar os desordeiros à razão e pedir-lhes para acabar com isto. Dantes o pretexto era a demissão de Alkatiri, mas este já se foi embora há 3 meses e não sabemos qual é agora a desculpa para continuarem com o ódio e a destruição.

Estes que esgrimem argumentos ateando fogo às casas dos outros são gente que, 7 meses antes das eleições, se consideram já derrotados e, em desespero de causa, tentam obter pela violência aquilo que os votos do povo nunca lhes hão-de dar.

H. Correia


Este comunicado do sr Primeiro-Ministro consegue surpreender ainda mais do que os anteriores. Não me refiro apenas ao facto de, mais uma vez, ignorar as línguas oficiais do país - já de si motivo de indignação, mas como o seu Gabinete produz comunicados, literalmente, para 'inglês ver' -, mas também ao conteúdo espantoso deste comunicado com o título: 'Prime Minister launches initiative to clean up our beaches'.

Será que ninguém advertiu o sr PM que Timor-Leste assinou as Convenções Internacionais contra o Trabalho Infantil? Na realidade, nem deveria necessitar de advertência, uma vez que foi testemunha da sua assinatura e é o Ministério que dirigiu quatro anos que redige e prepara os Relatórios relativos ao cumprimento das Convenções em Timor-Leste!

Será que ninguém explicou a esta brilhante mente que pedagogia ambiental associada ao apoio a famílias necessitada significaria contratar os Pais das referidas crianças e, simultâneamente, oferecendo rebuçados ou não, acompanhar as crianças ao local onde os Pais estariam a realizar a limpeza das das Praias e explicar o porquê da necessidade dessa limpeza e da perservação do ambiente nas mesmas e em geral?

O sr PM fala de ética de trabalho!!!! Só se for a ética indonésia que dispensamos em Timor-Leste ... por essa 'ética' de trabalho é que a Nike Indonésia (entre outras delegações na Ásia) está em Tribunal Internacional.

Sr Ramos-Horta, tenha alguma decência no diz e faz ... ocupa um cargo que não lhe permite fazer o país cair no ridículo. Não tem noção do ridículo?

Este comunicado e esta dita 'iniciativa' deve merecer a nossa indignação!



Notícias - em inglês

ABC Radio Australia - Asia Pacific - 2/10/2006 2:40:51 PM

TIMOR: UN in disarray as new envoy appointment revoked

The U-N mission in East Timor has been thrown into disarray with the appointment of the new mission chief revoked. Antonio Macarenhas Monteiro was appointed as Timor's new UN envoy earlier this month to replace the outgoing Sukehiro Hasegawa. That leaves Timor without a U-N head of mission and the timing couldn't be worse, with more violence on the streets of Dili this week.

Presenter/Interviewer: Linda LoPresti
Speakers: Finne Reske-Nielson, UN's acting envoy in East Timor

RESKE-NIELSON: I'm actually not in the position to tell you anything about that, because these are decisions that have been made in New York and I only have the same information that you have in terms of what the situation is regarding the appointment of the new special representative secretary-general. As you know, Mr Hasegawa , ended his assignment here last Friday and the secretary-general then asked me to assume the functions as acting special representative pending the appointment of the substantive UN representative, that's all I can share with you at this point in time.

LOPRESTI: Well if asked, would you consider being Timor's UN permanent envoy?

RESKE-NIELSON: I have no comment to make on that, because it is the perogative of the secretary-general to make the appointment and he's asked me to be the acting special representative and I've taken on those functions as of last Friday.

LOPRESTI: All right, well let's talk about the situation in Timor. Mr Hasegawa's in his final press conference warned that Timor could be sucked into a black hole of conflict, given the violence early this year and the continuing tensions in Dili. And just this week, there was more tension on the streets of Dili with riot police being called in to use tear gas to disperse groups of youths. How do you see the security situation in Dili at this time?

RESKE-NIELSON: Over the past few days, we have seen an increase in the level of violence and the security situation remains fragile and volatile, especially in Dili. We've seen a situation where there's been violent confrontations between rival factions and this is I suspect in part gang related and in part linking with the political situation in the country.

LOPRESTI: There's still a situation where there are tens-of-thousands of East Timorese in refugee camps still too afraid to return home. What is the UN doing to ease that situation?

RESKE-NIELSON: Well, first the immediate concern is to ensure that sufficient humanitarian supports provided to these people in the camps that we still have dotted around Dili in the Dili area. And that humanitarian support has now been provided for several months and that is proceeding smoothly and all the basic needs are taken care of.

As regards the finding a solution to this problem, we are engaged in consultations with the government and all the other players in order to help facilitate a dialogue hopefully leading to reconciliation both at the leadership level and at the community level.

LOPRESTI: Isn't your view that the UN has lifted its game in Timor, given that it did come under some criticism for its handling of the violence early this year, even by Kofi Annan. Do you believe now that the UN is actually taking a greater role, a greater responsibility?

RESKE-NIELSON: If we go back to the beginning of the year, the decisions that were made by the Security Council were that the UN mission should be more or less phased out at the end of its regular mandate in May. But following the events of April and May, the Security Council has of course since decided to upgrade the mission significantly and to give it a much broader mandate than the previous mission had. So I don't think there's any doubt that we have lifted our game in Timor.

LOPRESTI: Now next year, Timor will hold presidential and parliamentary elections. How involved will the UN be in that election process to ensure that there is a new culture of democratic governance in East Timor?

RESKE-NIELSON: The mandate that we have been given by the UN Security Council is to provide technical and logistical support, including policy advice to the electoral process and we have also been authorised to verify or certify the elections and the way this is being operationalised, is that we will have a rather large electoral component under the new mission which will compromise well over 400 electoral advisers and United Nations volunteers that would provide the logistical and technical support.

At the same time, it is expected that there would be an independent certification team compromised of internationally renowned electoral experts who will be charged to monitor the electoral process and at the end of each phase certify that it has been conducted in accordance with internationally accepted standards.

LOPRESTI: And given that Mr Hasegawa has departed from his role as the UN envoy in Timor, and given that Mr Monteiro's appointment has been evoked. Do you expect to be in Timor next year for those elections?

RESKE-NIELSON: Well I expect to be here, because I have been in this country since the beginning of September when I was appointed by the secretary-general as deputy special representative for a one year period, with particular responsibility for the electoral process.


United Nations Office of the High Commissioner for Human Rights (OHCHR) - 29 Sep 2006

Commission of inquiry for Timor-Leste to conclude work

The Independent Special Commission of Inquiry for Timor-Leste will conclude its work within the three-month period established in its mandate.

The Commissioners have requested that a Tetum version of the report be made available to the National Parliament to make it more widely accessible. Tetum is one of the official languages of Timor-Leste and the most widely spoken language in the country.

The report will be transmitted to the Parliament shortly after 7 October, the date originally set for transmission, due to the time required for translation.

The Commission would like to place on record its appreciation for the full cooperation from all individuals and institutions that cooperated with its members.


UN News Centre
2 October 2006

UN envoy in Timor-Leste stresses the need to resolve differences at the ballot box

2 October 2006 – Stressing the need to restore stability and peace in Timor-Leste following the deadly violence that erupted earlier this year, the United Nations envoy in the tiny nation said today that all Timorese should resolve their differences at the ballot box and not through conflict.

In his first major speech as Acting Special Representative of the Secretary-General, Finn Reske-Nielsen also reaffirmed the commitment of the UN Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) to promoting justice in the tiny South East Asian nation as well as to next year’s planned parliamentary and presidential elections.

“The key focus of the Mission is to assist this country in returning to stability and promoting justice and peace. It is therefore part of the core mandate of the Mission to help facilitate the dialogue amongst the leaders that will lead to national reconciliation,” he told a press conference in the capital Dili.

“This is not going to be an easy task, but we have a number of tools available to us to help us with this. The Good Office’s role of the United Nations will be critical to our success in the coming months… Fundamentally we have to convey to the people of this country that conflict and other differences need to be fought at the ballot box and nowhere else.”

Mr. Reske-Nielsen said that once up to full strength the Mission will be made up of over 3,000 staff including civilian and uniform personnel. He also emphasized the important role of UN police in rehabilitating the local force, which disintegrated following the violence in April and May that involved factional fighting with the military and led to the deaths of at least 37 people and forced around 155,000 to flee their homes.

UNMIT is also committed, in cooperation with other partners, to strengthening the integrity of the legal system, he said, adding that the report of the Special Commission of Inquiry into this year’s violence –– expected to be presented sometime this month –– will be “a very important step in the direction of ensuring that there is justice for all.”

Mr. Reske-Nielsen took up his post as Deputy Special Representative of the Secretary-General at the beginning of last month but is currently the Acting Special Representative following the departure of Sukehiro Hasegawa at the end of September.

Austrália coloniza Timor-Leste e só lá quer (pois claro!) ... australianos

Noticias Lusofonas - 2-Oct-2006 - 9:50

Passividade portuguesa permite que o primeiro-ministro de um país lusófono tenha um assessor de Imprensa que não fala português

Ramos Horta, primeiro-ministro de um país da CPLP (que quer dizer Comunidade de Países e Língua Portuguesa) está-se mas tintas para a língua portuguesa e no que dele depende, e é muito, quer os australianos a seu lado para pôr Timor-Leste fora da Lusofonia. E tudo isto é feito com a conivência da chamada Cooperação Portuguesa que assiste, calma e passivamente, à australianização de um país onde Portugal devia marcar pontos.

Por Jorge Castro

O exemplo mais mediático é o da substituição do assessor de Imprensa do primeiro-ministro. No anterior Governo, liderado por Mari Alkatiri, o português Rui Flores desempenhava o cargo com rara eficiência e disponibilidade.

Chegou Ramos Horta que, para além de ter forçado a saída de Rui Flores, aproveitou a passividade da Cooperação Portuguesa para lá colocar o australiano Julian Swinstead que nem uma palavra diz em português.

O Jornalista Orlando Castro, que segue com atenção as questões timorenses e que entrevistou várias vezes Ramos Horta, bem como Xanana Gusmão (entre outras personalidades do país, mesmo quando este ainda não o era) afirmou ao NL que “Portugal está a perder a corrida, se é que alguma vez a pensou ganhar”.

“De facto, que pensariam os portugueses se José Sócrates tivesse um assessor de Imprensa que fosse australiano e nem bom dia soubesse dizer em Português?”, pergunta Orlando Castro, acrescentando que “Ramos Horta está a fazer pela CPLP o que nenhum outro país membro teve a coragem de fazer. Isto é, dizer que a CPLP enquanto entidade se não está morta está em coma profundo”.

Ramos Horta tem todo o direito de escolher para a sua equipa quem muito bem entender. De qualquer modo, a manter-se essa política, qualquer dia teremos um ministro (que tal o do petróleo?) também australiano.

Por este andar, à Austrália só falta nomear para Timor-Leste um governador geral e dizer, como o fizera a Indonésia antes da independência (?), que o país passou a ser sua província.

É claro que Camberra nunca o fará, ou pelo menos não o fará tão cedo, porque é mais cómodo e barato manter Timor-Leste independente mas totalmente dependente do “paizinho” australiano.

Aliás, viu-se a passividade timorense e de toda a CPLP no recente caso de Mascarenhas Monteiro que, e muito bem, bateu com a porta e recusou um convite da ONU para ser enviado especial de Kofi Annan a Timor-Leste quando viu que a Austrália só lá quer… australianos.


Escola Portuguesa de Díli reabriu

Jornal de Notícias, 2 de Outubro de 2006

Meio milhar de alunos entre a pré-primária e o 8º ano de escolaridade

A Escola Portuguesa de Díli (EPD) reabriu as portas para 500 alunos, mais 25 por cento do que no anterior ano lectivo, entre a pré-primária e o 8º ano de escolaridade.

Criada em Novembro de 2002, a EPD é um estabelecimento de ensino não integrado na rede pública de ensino timorense e goza de autonomia pedagógica e gestão, com professores destacados de Portugal e outros contratados localmente.

"Este ano, temos 30 professores vindos de Portugal e três timorenses", disse a directora da escola, Ana Maria, à Agência Lusa. "Hoje é um dia muito importante. Estou muito contente por voltar a ter os meus alunos” depois da crise político-militar por que passou Timor-Leste, em Maio e Junho, acrescentou.

O ensino é todo leccionado em Português e a novidade, a partir das turmas do 7º ano, é que passa a ser ministrada a outra língua oficial de Timor-Leste, o Tétum, que substituiu o Francês, que era leccionado como língua estrangeira.

Cada aluno recebeu uma pasta com material escolar – cadernos, esferográficas, lápis, borrachas e afiadores - "porque muitas crianças ficaram sem nada durante a crise", explicou Ana Maria.
A propina mensal é de cinco dólares e para quem não pode pagar essa quantia, a EPD fixou uma segunda tabela, de 2,5 dólares. "E quem não pode pagar, retribui com serviços. Se é preciso pregar um prego, limpar a escola ou arranjar uma carteira, são os próprios pais que vêm ter connosco", salientou a directora.

A abertura do ano lectivo na EPD foi feita em cerimónia presidida pelo embaixador de Portugal em Díli, João Ramos Pinto, que sublinhou a importância do início das aulas "após um período de crise prolongada, em que a grande maioria das escolas fecharam".



Escola Portuguesa de Díli reabriu as portas para mais alunos

Díli, 02 Out (Lusa) - A Escola Portuguesa de Díli (EPD) abriu hoje as portas para 500 alunos, mais 25 por cento que no anterior ano lectivo, que vão da pré-primária ao 8º ano de escolaridade, disse à Lusa a directora, Ana Maria.

Criada em Novembro de 2002, a EPD é um estabelecimento de ensino não integrado na rede pública de ensino timorense e goza de autonomia pedagógica e gestão, com professores destacados de Portugal e outros contratados localmente.

"Este ano, temos 30 professores vindos de Portugal e três timorenses", disse a directora da Escola, que salientou a importância da abertura do ano escolar depois da crise político-militar por que passou Timor-Leste, em Maio e Junho .

"Hoje é um dia muito importante. Estou muito contente por voltar a ter os meus alunos depois desta crise", acrescentou.

Neste ano lectivo, ainda a ser leccionado nas instalações onde funciona desde 2002, a EPD abriu as portas ao pré-primário, para alunos de quatro e cinco anos de idade e também ao 8º ano de escolaridade.

Entre o 1º e o 4º ano, haverá turmas com 25 alunos cada, e a partir do 5º ano foram criadas turmas de 28 educandos.

"Aumentámos o número de alunos nos 5º e 6º anos de escolaridade para dar oportunidade a que mais alunos possam ingressar na escola, porque a procura é muita", salientou.

O ensino é todo leccionado em Português e a novidade, a partir das turmas do 7º ano, é que passa a ser ministrada outra língua oficial de Timor-Leste, o Tétum, que substituiu o Francês, que era leccionado como língua estrangeira.

Quando as novas instalações estiverem concluídas, possivelmente já no próximo ano lectivo, iniciar-se-á o ensino para inscritos no 9º ano, e aí voltar-se-á a ministrar o Francês.

Cada aluno recebeu uma pasta com material escolar, composto por cadernos, esferográficas, lápis, borrachas e afiadores, "porque muitas crianças ficaram sem nada durante a crise", explicou Ana Maria.

A propina mensal é de 5 dólares, e para quem não pode pagar essa quantia, a EPD fixou uma segunda tabela, de 2,5 dólares.

"E quem não pode pagar, retribui com serviços. Se é preciso pregar um prego, limpar a escola ou arranjar uma carteira, são os próprios pais que vêm ter connosco", destacou.

A abertura do ano lectivo na EPD foi feita em cerimónia presidida pelo embaixador de Portugal em Díli, João Ramos Pinto, que sublinhou a importância do início das aulas "após um período de crise prolongada, em que a grande maioria das escolas fecharam".

O regresso dos professores portugueses e o respeito pela data prevista para o novo ano lectivo, foram outros aspectos evidenciados por Ramos Pinto.

A ministra da Administração Estatal timorense, Ana Pessoa, foi um dos encarregados de educação que participaram na cerimónia.

Em declarações à Lusa, disse ter escolhido a EPD para inscrever o seu filho, por ser uma escola de referência.

"É importante haver uma escola portuguesa. Não é a única que ensina em língua portuguesa, mas é uma escola de referência", disse.

"Também a escolhi porque lecciona Tétum. Considero muito importante que se ensine o Tétum, porque o Português, como sabemos, para além de ser língua of icial, é uma língua de suporte ao crescimento da outra língua nacional, que é o Tétum. Ensinar o Tétum aqui é uma forma de ajudar ao desenvolvimento da própria língua tétum", frisou.

à semelhança da experiência iniciada no anterior ano lectivo, a EPD vai avaliar do interesse dos pais timorenses que desejam "desenferrujar" o uso da língua portuguesa, criando aos sábados tempos de aulas ministrados voluntariament e pelos professores portugueses destacados.



Relatório de Comissão de Inquérito da ONU está atrasado

Díli, 02 Out (Lusa) - O relatório da Comissão de Inquérito da ONU, em que serão apontados os responsáveis pela violência registada em Timor-Leste em Abril e Maio, deverá ficar concluído somente na próxima semana, disse hoje em Díli fontes das Nações Unidas.

Segundo Finn Reske-Nielsen, representante em funções do secretário-geral da ONU em Timor-Leste, o "ligeiro atraso" não deverá impedir a divulgação pública do documento, prevista o mais tardar no final do mês.

O relatório está a ser elaborado por uma comissão independente de três juristas, liderada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, e estava previsto que ficasse concluído no próximo dia 07, com entrega de cópias a Kofi Annan, Alto Comissariado dos Direitos Humanos da ONU e Parlamento Nacional de Timor-Leste.

"Sexta-feira à noite, o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos informou-nos que iria haver um ligeiro atraso em virtude de ser necessário garantir as traduções do texto para tétum, bahasa indonésio e português", disse Reske-Nielsen, que falava numa conferência de imprensa.

"Não tenho dúvidas que este relatório, escrito por três eminentes juristas, certamente incluirá os factos que foi possível estabelecer, no decurso do seu trabalho, ao longo de três meses", acrescentou.

Reske-Nielsen defendeu na ocasião a necessidade de "todos lerem o relatório", para que conheçam os factos e se comportem de forma responsável.

"Encorajo todos a lerem o relatório, para se conhecerem os factos e para que todos reajam de forma responsável, como é de esperar em democracia, e num país onde impera a lei", disse.

Criada a 12 de Junho passado, na sequência de um pedido nesse sentido, enviado quatro dias antes pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros, hoje primeiro-ministro de Timor-Leste, José Ramos-Horta, a Comissão Independente foi mandatada pelas Nações Unidas para estabelecer os factos e circunstâncias relevantes da crise político-militar timorense.

Presidida pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, a comissão integra ainda a sul-africana Zelda Holtzman e o britânico Ralph Zacklin.

Ao longo dos três meses de mandato conferido pelo secretário-geral da ONU, a comissão ouviu cerca de 200 pessoas e consultou mais de 3 mil documentos.

Aquelas fontes irão servir para um relatório que incluirá recomendações que reforcem a responsabilidade, tendo em conta os mecanismos jurídico-legais existentes em Timor-Leste, pelos crimes e violações de direitos humanos alegadamente cometidos particularmente nos dias 28 e 29 de Abril e entre 23 e 25 de Maio.

Nestas datas, a crise político-militar timorense foi marcada por confro ntos armados entre facções da polícia e das forças armadas, a que se associaram grupos de civis, armados pelas duas partes beligerantes.

A crise, que provocou cerca de 30 mortos e mais de 170 mil deslocados internos, tem vindo a ser alimentada por confrontos entre bandos rivais, sobretudo na capital, Díli, com efeitos na destruição de propriedade privada e do Estado .

Em resultado da crise, o antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri pediu a demissão do cargo, tendo sido substituído por José Ramos-Horta.

Nos dias 28 e 29 de Abril, no final de uma manifestação patrocinada por ex-militares, efectivos militares enviados pelo então governo liderado por Mari Alkatiri substituíram a Polícia Nacional na contenção dos manifestantes, e nos dias 23, 24 e 25 de Maio registaram-se combates entre efectivos das forças armadas e militares sublevados, em vários pontos de Díli.



CDS-PP: Ribeiro e Castro parte domingo para visita a Timor-Leste

Lisboa, 02 Out (Lusa) - O líder do CDS-PP, José Ribeiro e Castro, parte domingo para uma visita a Timor-Leste, onde terá encontros com o Presidente da República, Xanana Gusmão, e com o primeiro-ministro timorense, José Ramos-Horta.

"Esta visita destina-se a acompanhar 'in loco' a situação em Timor, num momento em que existe no território um contingente da GNR", afirmou Ribeiro e Castro, em declarações à Agência Lusa.

Neste âmbito, Ribeiro e Castro foi hoje recebido pelo primeiro-ministro, José Sócrates, numa audiência que contou também com a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado e, pelo lado do CDS, do vice-presidente Miguel Anacoreta Correia e do dirigente João Luís Mota Campos.

No domingo, Ribeiro e Castro já tinha falado telefonicamente com o ministro da Administração Interna, António Costa, que esteve na semana passada em Timor -Leste.

"A reunião de hoje serviu para trocar impressões com o Governo. Somos um partido do arco da governabilidade, queremos actuar com sentido de Estado e numa posição de consonância com a do executivo", sublinhou o líder dos democratas-cristãos.

Segundo Ribeiro e Castro, a sua visita insere-se numa "lógica de continuidade" com o "papel histórico" dos democratas-cristãos no apoio à causa timorense.

"O CDS é um partido que desde sempre acompanhou com interesse os assuntos de Timor", disse, realçando que a presidência da Comissão que na Assembleia da República acompanhou este assunto foi ocupada por "grandes dirigentes" do partido como Adriano Moreira, Nuno Abecassis e Miguel Anacoreta Correia.

O programa da visita, que termina a 12 de Outubro, ainda está a ser ultimado mas prevê encontros com o Presidente da República, Xanana Gusmão, com o primeiro-ministro José Ramos-Horta, além de contactos com os partidos políticos, as autoridades religiosas locais e os militares portugueses da GNR presentes em Timor-Leste.



Comunicado - PM em inglês


Dili, October 2, 2006

Prime Minister launches initiative to clean up our beaches

Hundreds of children and the environment will be the beneficiaries of an innovative ‘clean-up-the-beaches’ project launched by the Prime Minister of Timor-Leste Dr José Ramos-Horta this week.

On the weekend the Prime Minister paid – from his own pocket – about 100 children aged between five and 12 years $2 each to pick up litter for one hour along Areia Branca (Whitesand Beach), near Dili. The children were given candy and a free hot meal afterwards at the Prime Minister’s residence.

“The beach was completely free of litter after the children had finished,” Dr Ramos-Horta said. “This was educational for the children, teaching them about the environment and public health issues, and it was very rewarding for me. I intend to do this regularly.”

Dr Ramos-Horta said he was so pleased with the result that he will this week meet members of the diplomatic corps and businesses to encourage them to repeat the initiative along all the beaches of Dili.

“I would like to see this exercise repeated regularly – perhaps every two weeks, or monthly,” he said.

“I intend contacting all those people who live along the shoreline to do the same with the children in their area.

“If each business or embassy located along the shoreline – or for that matter, anywhere in Dili – were to mobilize from 50 to 100 children in this age bracket then we can beautify our city’s beaches, help the environment and help hundreds of families.”

The Prime Minister said he would be pleased to see businesses in other parts of the city embrace the idea.

“If we can engage our children in helping to protect the environment and also to understand a very early work ethic, then we will be doing Timor-Leste a great service,” he said.

Nota: Já que o gabinete do PM só emite comunicados em inglês, pelo menos que o faça sem erros ortográficos.

No cabeçalho deverá estar "REPUBLIC" e não "REPULIC"...



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.