terça-feira, outubro 10, 2006

Timor 'undermined by judiciary'

October 10, 2006 10:08pm
Article from: AAP

EAST Timor's stability risks being undermined by the country's inexperienced judicial system, Prime Minister Jose Ramos Horta warns.

Giving an address in Sydney last night, Mr Ramos Horta said the security situation in his country had improved from the violent scenes that broke out in April.

But he said the violence had been a major setback to the institutions that help ensure the stability.

“The police system ... and very disturbing, the judiciary,” Mr Ramos Horta said at the University of NSW.

“Of course the judiciary is made of courageous people, but (they) always suffer from lack of competent and experienced judges and other personnel.”

Mr Ramos Horta said most of Timor's current judges, prosecutors and public defenders were only recent graduates who were trying to deal with a heavy backlog of criminal cases.

Their situation was further hindered when the Court of Appeal, and the offices of the minister for justice and the prosecutor-general were looted in May.

“The possible impact of these obstacles is not to be taken lightly,” Mr Ramos Horta said.

“What happens to a society where criminals cannot be punished?

“It is here that we see need to pursue law and peace together and the delicate balance between the two.

”The problem facing ... the entire nation is how to create a stable rule of law within a newly established system.”


Resolving Timor-Leste’s Crisis

International Crisis Group

Asia Report N°120
10 October 2006


The worst crisis in Timor-Leste’s short history is far from over. The country is in political limbo, waiting for the report of the UN-appointed Independent Special Commission of Inquiry that is expected to name names and recommend prosecutions for perpetrators of the April-May violence in Dili that killed more than 30 people. Scheduled for release in mid-October, it is critical to moving forward but potentially explosive. Elections scheduled for May 2007 could be another flashpoint. With some creativity, focus, and political will, Timor-Leste can get back on track but the wounds are deep, and it will require enormous political magnanimity on the part of a few key actors.

There is, however, a growing consensus on what is needed for resolution, including security sector reform. A new, expanded UN mission is in place with the mandate of “consolidating stability, enhancing a culture of democratic governance, and facilitating dialogue among Timorese stakeholders”.

The crisis is widely portrayed as stemming from the sacking of a third of the country’s defence forces in March 2006, after which the disgruntled soldiers became part of a power struggle between President Xanana Gusmao and the now deposed prime minister, Mari Alkatiri. However, the problem is far more complex.

The roots lie partly in the battles and betrayals that occurred within the Revolutionary Front for the Liberation of East Timor (FRETILIN), just before and during the Indonesian occupation. Ideological and political disputes in the 1980s and 1990s, particularly between FRETILIN central committee members and Xanana Gusmao, then commander of the guerrilla army FALINTIL, carried over into the post-conflict government.

They are also to be found in the poorly implemented demobilisation of FALINTIL fighters in 2000 and the creation of a defence force for the new country in 2001 that absorbed some of the veterans but left others unemployed and resentful while donors and the UN devoted most of their attention to creation of a new police force. That many of the police, vetted and retrained, had worked for the Indonesian administration, was more salt in the wounds of the ex-fighters.

The old ideological splits and the frustrations of the ex-FALINTIL were manipulated in particular by Rogerio Lobato, a FRETILIN central committee member who had lived in Angola and Mozambique for the duration of the conflict. As interior minister, he controlled the police, encouraged rivalry with the defence force, most of whom were personally loyal to Xanana Gusmao, and created specialised police units that effectively became a private security force. The police under him were in charge of law and order, border patrol, riot control and immigration. It was never clear what the role of the defence force was.

All these problems had been festering for years. When 159 soldiers in January 2006 petitioned the president as supreme commander, alleging discrimination in the defence force by officers from the eastern part of the country (lorosae) against people from the west (loromonu), many interested parties saw political opportunity. More soldiers from the west joined the petitioners, while personal and institutional tensions between a president commited to pluralism and a ruling party with distinctly authoritarian tendencies, politicisation of the police, lack of any regulatory framework for the security forces more generally and the in-bred nature of a tiny political elite with 30 years’ shared history allowed matters to spiral out of control.


To the Timor-Leste Government and the United Nations Integrated Mission in East Timor jointly:

1. Immediately define terms of reference and allocate funds for the “comprehensive review of the future role and needs of the security sector” as specified in Article 4(e) of Security Council Resolution 1704/2006, and quickly appoint the necessary staff to get the review underway.

2. Use the review to clarify the roles of the defence force (F-FDTL), police (PNTL), and intelligence agencies; maritime, border, and internal security threats; command and control arrangements, including in emergencies; and civilian oversight mechanisms.

3. Create a job corps for urban youth, starting in Dili, simultaneously to reduce the propensity for gang violence and to address an unemployment rate for this group estimated at over 40 per cent.

To the Timor-Leste Government:

4. Establish a national security council based on the above review, on which the commanders of the police and F-FDTL, the heads of intelligence agencies, and the ministers of defence and interior would sit.

5. Resolve as a matter of urgency the issue of the F-FDTL deserters, by prosecutions where appropriate and absorption of the rest either back into the defence force or into civilian jobs.

6. Develop a plan for the gradual retirement of resistance veterans within the F-FDTL and a more comprehensive social security package for all veterans.

7. Absorb the special police units created by Rogerio Lobato into the regular police as a temporary measure until the security review is complete and any further restructuring can be based on identified needs.

8. Review the police re-screening plan after a month or two to see if it can be streamlined in the interests of getting police back to work more quickly.

9. Seek agreement from leaders of all political parties on a political code of ethics for the 2007 elections, announce it on radio and television and ensure it is conveyed to all levels of party structures.

10. Ensure that the president and all ministers give full backing to the Simu-Malu reconciliation project and explore other avenues of healing the east-west (loromonu-lorosae) rift, with particular attention to the role that women in affected communities can play.

11. Adopt the recommendations of the Truth, Reception and Reconciliation Mission’s report Chega! [Enough!], giving priority to those related to security of the person, the security sector, protection of the rights of the vulnerable and reconciliation, and disseminate the entire report widely.

To the UN Secretary-General and Secretariat:

12. Appoint an activist Special Representative of the Secretary-General (SRSG) who will engage members of the political elite but not shy away from conflict, intervening where necessary to overcome fractiousness, adjust programs that are going astray and help clear political hurdles.

13. Institute procedures for improving recruitment of international judges, prosecutors and lawyers to serve in Timor-Leste courts.

14. Invite a peer review periodically of judicial performance, including in the Court of Appeal, by an independent panel.

15. Ensure that there is regular oversight of UN-funded programs in the law and legal development area by a senior UN official with expertise in the area.

Jakarta/Brussels, 10 October 2006

Leia aqui a versão integral do relatório.

The International Crisis Group is an independent, non-profit, non-governmental organisation, with nearly 120 staff members on five continents, working through field-based analysis and high-level advocacy to prevent and resolve deadly conflict.


UNMIT Daily Media Review

Tuesday, 10 October 2006

National Media Reports
TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisao de Timor-Leste

Youth Killed in Colmera

An 18-year old youth died of stab wounds from an unknown group in Colmera, Dili yesterday. According to media reports, the youth went to one of the supermarkets to buy paper foil and was attacked as he was leaving the supermarket on his bicycle. It is also reported that the group had already threatened to stab or cut one of his ears off before he went into the supermarket.
According to family members, Santino had not done any harm to anyone and was simply doing his work, as requested by the owner of the restaurant in which he worked. UN Police arrived at the scene but no arrests were made as the attackers had already fled the scene. (STL, TP)

Railos is Frightening People

A communiqué issued by Fretilin Central Committee and reported by the media said Vicente Railos is scaring the people in Timor-Leste because soon the COI will release the investigation report. The document further said that Railos has verbally abused and beaten the wife of the Administrator of Maubara, Liquiça sub-district accusing her of denying knowing about the distribution of guns by the local authorities to kill the petitioners and him. According to the Administrator’s report, Railos has threatened to kill both, Liquiça and Maubara Administrators, abuse his wife and burn their homes if former Prime Minister Mari Alkatiri is not jailed following the release of the COI report. Railos has also stated he is not worried if they want to present their complaints to ‘their ministers’ as he has the support of ‘number one’ and is in control of Liquiça police, said the communiqué. According to the report of Maubara Administrator, Felix da Costa, on the evening of September 29, Railos and his group including some members of PNTL forced their way into his house with a pistol during his absence and made accusations against his wife. Railos has rejected the accusations as false and said some people were trying to manipulate the truth that some members of Fretilin distributed guns to civilians. He added that the accusation is a manipulation by the Maubara Administrator because he is now involved with the security group which has been formed by the Vice-Minister of Health, Luis Lobato. Railos further said he is awaiting the report of COI and rejects violence. (STL, TP)

Fretilin wants COI Report this Week

MP Elizario Ferreira (Fretilin) made a political statement during the Parliament’s plenary session on Monday (9/10) that the report of the COI must be presented to the National Parliament by October 12. Ferreira gave the deadline stressing that Fretilin wants a path that safeguards justice and prevents any political conspiracy. He said Fretilin is also prepared to receive the outcome of the result of the Commission and the consequences if its members have been involved in the crisis. MP Lucia Lobato (PSD) said it would not be possible to have the report by the demanded date as it is being translated into three languages, stressing it is imperative that everybody welcomes the result of the investigation and the recommendations in order to help with the justice process. MP Rui Menezes (PD) said the National Parliament must follow up on the report with legal measures as a way to find a solution to the political crisis. Menezes said the report should not be treated like CAVR where the recommendations have been ignored.

In the meantime, F-FDTL Brigadier General Taur Matan Ruak told the media on Monday that he is prepared to go to court to respond to any accusations against him in relation to the incidents of April and May 2006. Ruak reiterated he had already stressed his willingness to accept any accusations and refused to comment if any members of the armed forces were involved in the incidents, adding only that we need to wait for the report of the Commission. (STL, TP)

Court not Scared to Process Rogerio

In response to some concerns raised by MPs and civil society that the court should not be scared to process Rogerio, the President of the Court of Appeal, Claudio Ximenes said the Court is processing Rogerio Lobato’s case according to the law, and in an independent and impartial manner. Ximenes said he had stressed over and over again, in the Parliament, that the court is not scared to process former Interior Minister Rogerio Lobato nor make a decision depending on the law and based on facts and evidences. He said the court would not bow to pressure from anyone for the decision it has to make, adding any court decision will contribute to Timorese being able to live peacefully especially now during the crisis. Ximenes did not reveal the process trial of Lobato saying he is not in charge of the case. (TP)

UN Secretary General Still Searching For New SRSG

Jose Luis Guterres, Minister of Foreign Affairs said the Office of the UN Secretary General is still searching for a new SRSG for Timor-Leste. Guterres said the Secretary General is consulting with various nations to elect the new person to head the new UN mission. He also told the media upon his arrival from New York that the UN has agreed on a total of 1600 police which would all be in Timor soon. (TP)

RTTL News Reporting
10 – 10 – 2006

Contingent of UNPOL arrive in TL:

RTTL reportedly stated that on Sunday, 45 UNPOL from the Philippines arrived in Dili. RTTL reported that on the same day, 75 UNPOL from Malaysia also arrived in Dili on a special flight from Malaysia. According to plans, 180 UNPols from Bangladesh and 25 from New Zealand will also arrive.

NP ready to accept the result from Commission of Inquiry:

NPs stated that everybody must accept the results of the investigation done by COI in order to solve the problems and crisis that is still on going in the country. Elizario Ferreira from Fretilin bench stated that the result of the investigation must be announced before 12 October, otherwise instability could be created. Regarding the results of the investigation, the Director of the NGO Forum stated that the civil society requests all components to accept the results of the investigation.


29 policemen to join UN mission

Dawn (Pakistan) - Tuesday October 10, 2006, 4:27 pm
By Our Staff Reporter

RAWALPINDI, Oct 9: A batch of 29 police officers including a lady DSP selected for deployment in the UN peacekeeping mission will leave for Timor-Leste from Islamabad on October 18, official sources told Dawn.

A UN selection team had tested 1,200 candidates in November 2005 for their selection. Out of the candidates, 180 were declared successful.

Later, the UN department of peacekeeping operation conducted telephonic interviews of 45 candidates and finally selected 29 of them.

English communication skill, both oral and written, was essential for the candidates.

The 29 selected candidates of various ranks included one SSP, one SP, three DSPs, 13 inspectors, 10 sub-inspectors and one ASI. The SSP, Mohammad Iqbal, and SP Waheed Khan are from the NWFP, DSPs Nasir Aziz Khan and Mohammad Ilyas are from the Punjab police while the lady DSP Najma Parveen belongs to Sindh.

The 13 inspectors are Muzammil Hussain, Nadeem Ahmad, Altaf Hussain, Jamil Akhtar, Mohammad Arshad Siddiqui, Ahsan Zulfiqar, Syed Muzaffar, Sajjad Haider Shah, Rahim Shah, Naeem Ahmed Zia, Syed Azhar Hussain (ICT police), Aamir Khalil and Saiful Murtaza.

The 10 sub-inspectors are Malik Attaullah, Syed Mukhtar Shah, Malik Naeem Akhtar, Ayaz Mehmood, Masood Mehmood, Mohammad Najeeb Shah, Ghulam Raza, Nizamuddin Rajput, Fazal Qadir and Khurshid Ahmed, while ASI Imam Bux Korai is from Sindh police.

The 29-member batch will depart from Islamabad for Timor on three separate flights on Oct 18, 19 and 20.


Relatório pode implicar Xanana na violência de Díli

Diário de Notícias - 10 de Outubro de 2006
Armando Rafael

O Presidente Xanana Gusmão poderá vir a ser esta semana implicado pelas Nações Unidas na violência que ocorreu em Timor-Leste durante os meses de Abril e Maio, e que se saldou num número ainda indeterminado de mortos e feridos, provocando uma onda de milhares de refugiados no país.

Em causa estão as ligações pouco compreensíveis de Xanana Gusmão a alguns dos principais responsáveis pelos diferentes episódios de violência que levaram à demissão do primeiro-ministro Mari Alkatiri, substituído no cargo por José Ramos-Horta. Nomeadamente os que envolvem o Presidente numa teia de contactos e até de protecção aos majores Alfredo Reinado, Marcos Tillman e Alves Tara, passando pelo "Comandante Railós" (nome de guerra de Vicente da Conceição) e pelo antigo n.º 2 da polícia de Díli, Abílio "Mausoko" Mesquita.

Suspeitas que têm vindo a ser objecto de diferentes reportagens nos principais jornais australianos e que explicam, de alguma forma, as razões que levaram o próprio Xanana a alertar os timorenses para a hipótese de este relatório poder vir a constituir um "fardo pesado" para o país, implicando dirigentes políticos e muitos dos responsáveis pelo aparelho de segurança em Timor-Leste. Especialmente ao nível da polícia (PNTL), estrutura que hoje se encontra praticamente desarticulada.

Apesar disso, e de o jornal australiano The Age ter referido este fim-de-semana que o relatório da ONU poderia vir a responsabilizar cerca de cem pessoas pelos acontecimentos, tudo indica que a ONU acabará por divulgar uma versão mais suavizada dos factos apurados pelos três investigadores designados pelo secretário-geral Kofi Annan: o brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, a sul-africana Zelda Holtzman e o britânico Ralph Zacklin.

Quanto mais não seja pelos receios que a divulgação - sucessivamente adiada - deste relatório parece inspirar em Timor-Leste, onde a situação está longe de estar controlada pelas forças internacionais, como se constata pelos incidentes que ali ocorrem diariamente.


Orlando Duarte, Seleccionador e a equipa de Timor: «Temos de os ajudar»

Record - Terça-feira, 10 de Outubro de 2006

Sem pretender abordar qualquer questão relacionada com a partida em que Portugal goleou Timor (56-0!), Orlando Duarte, seleccionador nacional de futsal, fez questão de destacar que é preciso ajudar todo o desporto desta jovem nação.

“O mais importante para nós, nesta prova, são as questões de solidariedade e cooperação. Mas, como existe competição, fazemos o nosso trabalho, jogando o que sabemos. É assim que os respeitamos”, sintetizou.

Algo emocionado com o que acabara de observar, o treinador admitiu que vai tentar saber o que se pode fazer, a nível da Federação, para auxiliar Timor. “Temos de os ajudar neste arranque e não esquecer que, de momento, as suas prioridades são outras. Timor tem muitos problemas”, recordou.


De uma leitora

Há ainda gente em Timor-Leste que não aceita que em democracia quem manda é o povo e que as diferenças políticas se devem resolver nas urnas eleitorais.

Todas as diferenças políticas, sejam elas relativas à lei fundamental do país (a Constituição), sejam as relativas ao modo de governar, às prioridades da acção do governo, ou a quaisquer outras, em democracia, exercem-se nos locais próprios, isto é nos debates e iniciativas políticas, no Parlamento e nas eleições.

E todos os que desafiam a legalidade democrática e entendem ultrapassar o debate e acção democrática e enveredam por golpes armados inconstitucionais têm que arcar com as consequências dos seus actos. Todos. Porque em democracia, a lei é igual para todos.

Timor-Leste é uma democracia e é altura de todos perceberem que não é coutada nem reino de ninguém, nem mesmo do eleito dos Australianos. É bom que todos os golpistas assumam os custos humanos das jogadas anti-democráticas: as mortes que continuam, os deslocados que continuam e que cada vez são mais.

E está na hora de perceberem que a impunidade acabou e que vão ter de responder pelas suas acções contra os Timorenses e contra o direito de todos os Timorenses de viverem em paz e tranquilidade.


Um morto - Confrontos em Timor

Correio da Manha - Terça-feira, 10 de Outubro de 2006

Pelo menos um timorense foi morto em Díli durante confrontos entre grupos rivais, segundo informou o director do Hospital Nacional Guido Valadares, adiantando que se trata da 10.ª vítima mortal em incidentes do género desde Julho.

A vítima mortal terá sido alegadamente morta por um residente de um campo de deslocados, o que levou dezenas de militares e polícias internacionais a cercarem o local, mas sem conseguir deter o autor do homicídio.

Efectivos da GNR e militares australianos continuavam ao fim da tarde no local para prevenir eventuais retaliações contra o campo de deslocados.


Notícias LUSA

Hospital e ONU têm planos contingência devido receio mais violência

Díli, 10 Out (Lusa) - O Hospital Nacional Guido Valadares (HNGV), em Díli, e as Nações Unidas elaboraram planos de contingência para enfrentar a eventual deterioração do clima de segurança na capital de Timor-Leste, disseram hoje à Lusa diversas fontes.

A divulgação dentro de dias do relatório da Comissão de Inquérito Independente da ONU, em que serão identificados os culpados pela violência registada em Abril e Maio, está a ser antecedida de medidas para contrariar uma eventual escalada da violência.

Segundo António Caleres Júnior, director do HNGV, "foram reservadas 60 camas de emergência", avaliados os medicamentos em armazém e redefinidas escalas de serviço de médicos e enfermeiros.

"Avaliámos também a capacidade do bloco operatório e estamos a consertar os aparelhos de ar condicionado que estavam avariados, bem como a inventariar os meios de transporte disponíveis", disse António Caleres Júnior.

As medidas de contingência foram adoptadas pelo HNGV durante uma reunião da Comissão de Emergência daquela unidade, que tentou antecipar a resposta para os próximos dias, precisou.

Para António Caleres Júnior, o problema mais complicado de resolver é o da falta de sangue.

"Há problemas no banco de sangue. A situação é mesmo alarmante para que se possa actuar em qualquer situação", acrescentou.

A nível das forças de segurança, as funções e operações previstos nos planos de contingência já estão distribuídas e visam lidar com situações que vão desde a escalada da violência até ataques seleccionados, disse o comissário Antero Lopes, comandante dos actuais menos de 500 efectivos da UNPOL (Polícia das Nações Unidas).

"Estamos preparados para qualquer situação de contingência, nomeadamente a divulgação do relatório. Fizemos vários cenários de contingência. Pode haver um oportunismo (no aproveitamento de actos de violência), mas estou confiante com os recursos que temos, entre efectivos da UNPOL, da Polícia Nacional de Timor-Leste e das forças internacionais, que totalizam cerca de 3.500 efectivos", precisou.

"Estou confiante que com os mecanismos de coordenação e a colaboração da liderança timorense podemos conter eventuais actos de violência", acrescentou Antero Lopes.

A Comissão de Inquérito foi criada pela ONU a 12 de Junho, na sequência de um pedido nesse sentido enviado quatro dias antes pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros, hoje primeiro-ministro de Timor-Leste, José Ramos-Horta.

Presidida pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, a Comissão integra ainda a sul-africana Zelda Holtzman e o britânico Ralph Zacklin.

O relatório, que fonte das Nações Unidas disse à Lusa ter sido já entregue ao secretário-geral da ONU, Kofi Annan, vai identificar os responsáveis pela violência registada em Abril e Maio, no âmbito do mandato para estabelecer os factos e circunstâncias relevantes da crise político-militar timorense.

A divulgação pública do texto não tem ainda data marcada, em virtude de estarem ainda a ser feitas as traduções para tétum, português e bahasa indonésio.

Ao longo dos três meses de mandato conferido pelo secretário-geral da ONU, a Comissão ouviu cerca de 200 pessoas e consultou mais de 3 mil documentos.

O relatório incluirá os depoimentos daquelas fontes, e, sobretudo, recomendações que reforcem a responsabilidade, tendo em conta os mecanismos jurídico-legais existentes em Timor-Leste, pelos crimes e violações de direitos humanos alegadamente cometidos particularmente nos dias 28 e 29 de Abril e entre 23 e 25 de Maio.

Nestas datas, a crise político-militar timorense foi marcada por confrontos armados entre facções da polícia e das forças armadas, a que se associaram grupos de civis, armados pelas duas partes beligerantes.

No passado dia 27 de Setembro, ao discursar perante a Assembleia Geral da ONU, o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, José Luís Guterres, afirmou que desde o início da crise, morreram cerca de 100 pessoas em Timor-Leste.

A violência então registada provocou ainda cerca de 180 mil deslocados internos e tem vindo a ser alimentada por confrontos entre bandos rivais, sobretudo na capital, Díli, com efeitos na destruição de propriedade privada e do Estado.

Em resultado da crise, o antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri pediu a demissão do cargo, tendo sido substituído por José Ramos-Horta.

Nos dias 28 e 29 de Abril, no final de uma manifestação patrocinada por ex-militares, efectivos das forças armadas enviados pelo então governo liderado por Mari Alkatiri substituíram a Polícia Nacional na contenção dos manifestantes, e nos dias 23, 24 e 25 de Maio registaram-se combates entre efectivos das forças armadas e militares sublevados, em vários pontos de Díli.



Mais de 2 mil casas destruídas entre Abril e Setembro - Governo

Mais de 2 mil casas destruídas entre Abril e Setembro - Governo

Díli, 10 Out (Lusa) - Mais de 2 mil casas foram destruídas em Timor-Leste entre Abril e Setembro, tendo o governo preparado uma política de reabilitação habitacional que inclui a construção de seis novos bairros, disse hoje o ministro Arsénio Bano.

Em declarações à Lusa, o ministro do Trabalho e Reinserção Comunitária timorense referiu que o governo pretende, em primeiro lugar, "concentrar essa política nos timorenses que continuam nos campos de desalojados e que não possuem meios financeiros para reabilitar ou reconstruir as suas casas".

"A iniciativa política do governo tem três níveis: reabilitação de casas em terrenos privados, reabilitação de casas em terrenos do Estado e reabilitação de casas, pertencentes ao Estado, e que estavam ilegalmente ocupadas", explicou.

Para executar este programa, as autoridades timorenses vão canalizar 10 milhões de dólares (7,9 milhões de euros), previstos no Orçamento de Estado em vigor, e mais 2 milhões de dólares (1,5 milhões de euros) prometidos pela Noruega.

"O objectivo é conseguir que os deslocados que ainda se encontram nos campos regressem às suas áreas de residência", salientou.

Quatro dos seis novos bairros serão edificados em Díli, nomeadamente nas traseiras do mercado de Taibessi, em Quintal Boot, no ex-quartel militar indonésio em Bécora e em Caicoli.

Serão ainda construídos novos bairros em Metinaro, a leste de Díli, e em Liquiçá, a oeste da capital.

A destruição das casas ocorreu durante os dias de violência entre grupos rivais, na sequência da crise iniciada em Abril.

A violência que atingiu Timor-Leste provocou ainda uma centena de mortos, segundo anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, José Luís Guterres, ao discursar, a 27 de Setembro, perante a Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque.

Devido ao clima de violência e instabilidade, cerca de 180 mil pessoas (18 por cento dos cerca de um milhão de habitantes do país) vivem actualmente em campos de deslocados internos, espalhados por Díli e nos distritos do interior do país.

O número de cerca de 180 mil deslocados é fornecido pelas agências das Nações Unidas e é calculado a partir do total de timorenses que são abrangidos naqueles campos pela distribuição de assistência alimentar.

"A situação de segurança tem dado sinais de melhoria, pelo que a manter-se vamos até ao final deste mês avaliar o verdadeiro número de deslocados e rever as políticas de distribuição de assistência alimentar", anunciou Arsénio Bano .

Muitos dos deslocados deslocam-se durante o dia para as suas casas, ou para o trabalho, e à noite regressam aos campos de acolhimento.

"Queremos saber se o regresso aos campos se deve à distribuição de alimentos ou se continuam a sentir-se inseguros nas suas áreas de residência", acrescentou o ministro.

Para potenciar o diálogo inter-comunitário, o governo, através do Ministério do Trabalho e da Reinserção Comunitária, lançou o Programa "Simu Malu" (expressão em tétum que em português significa "Acolhimento Recíproco"), para o que
envolveu as autoridades locais, designadamente os chefes de "suco" (aldeia) e os líderes dos grupos juvenis existentes em cada das áreas mais afectadas pela violência em Díli.

"Os incidentes que há cerca de duas a três semanas ocorriam com regularidade, por exemplo, na zona do aeroporto, em Comoro, deixaram de se verificar. O mesmo se passa na zona do Hospital Nacional, em Bidau, e na parte de cima do bairro
de Bebonuk, na Rainha da Paz. Agora estamos a trabalhar, envolvendo sempre as autoridades locais, no mercado de Comoro, e em seguida passamos à parte de baixo de Bebonuk, Caicoli e Colmera", destacou.

"Os timorenses têm que começar a respeitar-se uns aos outros. Se existe um problema entre dois timorenses, os outros não se devem intrometer.

Mas vamos precisar de tempo para falar disto com as comunidades", vincou.



Polícia da ONU só contará com total de efectivos em Janeiro

Díli, 10 Out (Lusa) - A Polícia das Nações Unidas (UNPOL) em Timor-Lest e só contará com a totalidade do seu contingente, de mais de 1.600 efectivos, em Janeiro de 2007, disse hoje à Lusa o comissário português Antero Lopes, comanda nte daquela força.

Aquele contingente deveria estar em Timor-Leste até ao final do ano, ma s atrasos imputáveis às Nações Unidas, na aprovação dos processos de candidatura apresentados pelos países que se disponibilizaram em enviar efectivos, levam a que agora, os 1.608 elementos da UNPOL apenas estejam no país em meados de Janei ro.

Comandante da UNPOL e, interinamente, da Polícia Nacional de Timor-Lest e (PNTL), Antero Lopes conta actualmente com menos de 500 efectivos na força da polícia das Nações Unidas, distribuídos por 11 nacionalidades, mas manifestou-se confiante no continuação do reforço daquele número.

"No final da próxima semana já seremos 600 e na outra semana totalizare mos 800", disse.

Além de Antero Lopes, da PSP, Portugal mantém na UNPOL 127 militares da GNR e cinco da PSP.

Nos próximos dias, referiu Antero Lopes, cerca de 40 efectivos da GNR e da PSP chegarão a Timor-Leste para reforçar a UNPOL.

"O objectivo é termos os 1.608 efectivos previstos na resolução [1704, de 25 Agosto] do Conselho de Segurança da ONU até meados de Janeiro de 2007, mas em Dezembro já devemos ter dois terços daquele total", acrescentou.

Relativamente à PNTL, na sequência da desagregação daquela força de seg urança, relacionada com a crise político-militar desencadeada em Abril passado, em que vários agentes foram mortos em confrontos com militares timorenses, Anter o Lopes recordou o reinício do trabalho dos primeiros efectivos, na última semana de Setembro.

"Os primeiros 50 agentes, do total de cerca de mil registados somente e m Díli que calculamos poderem retomar as suas funções, estão já a prestar serviç o, integrados em equipas com outros elementos da UNPOL", salientou.

Os efectivos da PNTL estão a ser escrutinados para avaliar se não participaram nos actos de violência de Abril e Maio, e se sobre cada um deles não existe nenhuma queixa por violações aos direitos humanos e prática de crimes.

O processo de selecção está a ser feito em conjunto pela Missão Integra da da ONU em Timor-Leste (UNMIT), Procuradoria-Geral da República, Provedoria de Direitos Humanos e organizações não-governamentais, após o que são submetidos a uma formação intensiva de seis semanas.

Neste momento, a manutenção da ordem pública em Timor-Leste é assegurad a por 3.500 efectivos, provenientes da UNPOL, PNTL e forças internacionais.

Segundo Antero Lopes, desde Junho passado, foram já detidas cerca de 500 pessoas envolvidas na prática de crimes violentos e em confrontos opondo grupos rivais.

Estes actos de violência provocaram, nos últimos três meses, pelo menos 10 mortos, disse à Lusa o director do Hospital Nacional Guido Valadares, António Caleres Júnior.

Desde o início da crise, em Abril, foram mortas cerca de 100 pessoas, s egundo afirmou recentemente o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, José Luís Guterres, ao discursar perante a Assembleia Geral da ONU.

No mesmo período, o hospital recebeu 246 casos, entre mortos e feridos, em que a maioria, 87, apresentou sinais de facadas, mas também acorreram, ou fo ram transportados pessoas com ferimentos resultantes de balas (11), flechas (40) ou catanas (23), entre outros.



De um leitor

"António Caleres referiu que "nos últimos três meses, terão morrido pelo menos 10 pessoas, em resultado de confrontos entre grupos rivais"."

3 meses depois da demissão de Alkatiri, os refugiados continuam, a violência continua, os mortos continuam.

Alguém devia fazer um exame de consciência, assumir as responsabilidades de uma "guerra" que "ganhámos" mas que o povo continua a perder diariamente.

H. Correia.


Jogos Lusofonia: "Interesses estranhos" querem excluir Timor, diz dirigente

Macau, China, 09 Out (Lusa) - A presença de Timor-Leste nos Jogos da Lusofonia tem como objectivo afirmar a pertença do país no espaço lusófono apesar dos "interesses contrários" a tal participação, afirmou hoje em Macau o presidente do Comité Olímpico de Timor-Leste.

"Estamos numa situação de crise no país, em que se nota cada vez mais a tentativa de retirar Timor-Leste do espaço lusófono", afirmou João Viegas Carrascalão, em declarações à Agência Lusa.

"Interesses estranhos ao país são os que mais jogam para que Timor-Leste não faça parte da família lusófona", adiantou o responsável, sem especificar.

Estas declarações foram proferidas à margem da cerimónia de atribuição do Colar de Honra ao Mérito Desportivo ao presidente da Comissão Organizadora dos Jogos da Lusofonia (COJOL), Manuel Silvério, por parte do secretário de Estado do desporto de Portugal, Laurentino Dias.

João Viegas Carrascalão, que realçou o esforço económico a que obrigou a participação de Timor-Leste nos Jogos da Lusofonia, deixou claro: "Enquanto estiver nas minhas mãos, o desporto de Timor fala português".

O presidente do Comité Olímpico de Timor-Leste afirmou que o segundo objectivo da participação do país no evento desportivo a decorrer em Macau é o de devolver a normalidade à sociedade timorense.

"A nossa participação é uma lufada de ar fresco em todo o ambiente tenso que se vive em Timor. É através do desporto que se vai deitando água na fervura nos problemas", referiu.

Timor-Leste enfrenta desde o passado mês de Maio uma situação de instabilidade política e social, iniciada por alegados conflitos étnicos, que causaram a morte a pelo menos duas dezenas de pessoas e provocaram a fuga de dezenas de milhares de pessoas para campos de refugiados e para as montanhas em redor da capital, Díli.

"No desporto, não há grupos étnicos, nem partidos políticos.

Há apenas o interesse de colaborar nesta festa desportiva, cujo objectivo final é estreitar os laços de amizade entre os países lusófonos", disse João Viegas Carrascalão.

Os Jogos da Lusofonia são o maior evento alguma vez realizado a reunir os 11 países e regiões onde se fala português, e contam nesta primeira edição com uma participação de cerca de 760 atletas oriundos de Macau, Portugal, Angola, Brasil, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, São Tome e Príncipe, Moçambique, Timor-Leste, Brasil, Índia (Goa) e Sri Lanka.

Os Jogos incluem as modalidades de futsal, futebol, basquetebol, ténis de mesa, taekwondo, atletismo, voleibol e voleibol de praia.

Decorrendo entre 04 e 15 de Outubro, os Jogos da Lusofonia são a primeira grande manifestação desportiva da Associação dos Comités Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa, criada em Lisboa em meados de 2004.



Jogos da Lusofonia: Língua Portuguesa em debate

Site Jogos da Lusofonia ( http://www.macau2006.org/) - 2006-10-09

O Desporto pode e deve ser uma forma de promover a utilização da língua portuguesa no mundo. Esta foi uma das ideias sustentadas hoje à tarde num debate promovido pela Comissão Organizadora dos 1.os Jogos da Lusofonia, que decorreu no Centro Internacional de Transmissão Televisiva. A iniciativa contou com a presença de Laurentino Dias, Secretário de Estado do Desporto e da Juventude de Portugal, José Manuel Fernandes, Secretário de Estado do Desporto e da Juventude de Timor-Leste, Vicente Moura, presidente da Associação dos Comités Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa, Manuel Silvério, presidente da Comissão Organizadora dos 1.os Jogos da Lusofonia, e Jorge Neto Valente, presidente da Associação dos Advogados de Macau.


ONU: Sul-coreano Ban Ki-moon designado próximo secretário-geral

Nações Unidas, Nova Iorque, 09 Out (Lusa) - O ministro dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Sul, Ban Ki-moon, foi hoje designado próximo secretário-geral das Nações Unidas (ONU) pelo Conselho de Segurança, anunciou o presidente de turno deste órgão, o embaixador japonês Kenzo Oshima.

O Conselho de Segurança da ONU, reunido à porta fechada, também analisou a resposta a dar ao teste nuclear feito hoje pela Coreia do Norte, à revelia da recomendação feita por este órgão na sexta-feira passada.

Ban Ki-moon, 62 anos, sucederá a 01 de Janeiro de 2007 ao ganês Kofi Annan, 68 anos, que deixa o posto em Dezembro depois de dois mandatos de cinco anos cada.

"O Conselho de Segurança decidiu recomendar a eleição de Ban Ki-moon para um mandato de cinco anos, a começar a 01 de Janeiro de 2007 e a terminar a 31 de Dezembro de 2011", declarou aos jornalistas o embaixador Oshima.

De acordo com a Carta das Nações Unidas, o Conselho de Segurança recomenda a eleição do secretário-geral à Assembleia-Geral, onde têm assento os representantes dos 192 países-membros, que votarão nos próximos dias o nome de Ban Ki-moon.

O chefe da diplomacia de Seul será o oitcavo secretário-geral da ONU, depois de Kofi Annan, do egípcio Boutros Boutros Ghali, do peruano Javier Pérez de Cuellar, do austríaco Kurt Waldheim, do birmanês U Thant, do sueco Dag Hammarskjold e do norueguês Trygve Lie.

Relativamente ao teste nuclear norte-coreano, face à posição de desafio de Pyongyang a maioria dos 15 países com assento no Conselho de Segurança foram favoráveis à aplicação de sanções ao regime do Presidente Kim Jong-il.



De um leitor

Tradução da Margarida.

As lutas em Dili continuam. No Domingo só uma casa foi queimada em Loro Mata, mas os gangs estavam à espera no topo de Loro Mata e Fatahada para atacar quem quer que entrasse ou saísse. Continuam os ataques aos campos de deslocados.

Esta manhã houve gente que, outra vez, saíu de Dili para os distritos, muita gente de Los Palos que ainda cá trabalha, mandou a mobília de volta. Dizem que se vierem queimar as suas casas, okay sejam benvindos, dormirão no chão e se depois vier alguém queimar as suas casas, eles fugirão.

Esta manhã houve lutas em Colmaro e no campo de deslocados mais em baixo, 'o jardim'. Um homem foi esfaqueado em Colmaro, não tenho a certeza se foi fatal, a polícia e a ADF tinham a área cortada. Disseram-me que estavam à espera de mais ataques. Olhei para a rua e vi um gang no topo, parecem prontos para irem para baixo para o campo de deslocados outra vez.

O campo de deslocados no terreno da Oxfam foi apedrejado desde as 2.00 até às 4.00 p.m. A própria Oxfam foi apedrejada. Perguntaram-me quando entrei, 'estão ainda a apedrejar lá fora'. Um amigo que trabalha na sede da ONU do outro lado da Oxfam, foi avisado para não usar a entrada principal quando regressasse do almoço porque havia gangs a lutarem na área.

O auto-imposto recolher continua, as pessoas estão mesmo agora já a caminho de casa - contudo os ataques ocorrem regularmente durante as horas do dia, não tenho a certeza se aumentam à noite.


Um timorense morto em Díli em confrontos entre grupos rivais

Díli, 09 Out (Lusa) - Um timorense foi morto hoje em Díli durante confrontos entre grupos rivais, disse à Lusa o director do Hospital Nacional Guido Valadares, referindo que se trata da décima vítima mortal em incidentes do género desde Julho.

Segundo António Caleres, a vítima foi esfaqueada várias vezes e morreu em consequência de duas das facadas desferidas pelas costas, uma das quais atingiu o coração.

O incidente ocorreu ao princípio da tarde, junto ao campo de deslocados situado entre o porto de Díli e o Hotel Timor, palco de regulares ajustes de contas entre bandos rivais, uns da parte leste do país, outros da região ocidental .

António Caleres referiu que "nos últimos três meses, terão morrido pelo menos 10 pessoas, em resultado de confrontos entre grupos rivais".

Desconhece-se, contudo, o número exacto de vítimas mortais resultantes destes confrontos, que têm por palco zonas referenciadas da capital timorense, em virtude de alguns dos mortos não serem transportados para o Hospital Nacional ou de serem escondidos e posteriormente enterrados pelas famílias.

"O número de pelo 10 mortos desde Julho resulta de serem corpos transportados pela polícia, conforme os procedimentos legais", acrescentou António Cale res.

A vítima mortal de hoje terá sido alegadamente morta por um residente do campo de deslocados, o que levou dezenas de militares e polícias internacionais e das Nações Unidas a cercarem o local, mas sem conseguiram deter o presumível autor do homicídio, disse à Lusa fonte militar.

Efectivos da GNR participaram nas medidas de contenção de novos focos de violência, estabelecendo um cordão de segurança entre o campo de deslocados e a zona da cidade, no bairro de Caicoli, onde alegadamente a vítima vivia.

Ao longo da tarde (hora local), efectivos da GNR e militares australianos continuavam no local para prevenir eventuais retaliações contra o campo de de slocados.

Entretanto, o primeiro-ministro José Ramos-Horta partiu hoje à tarde para Camberra, para "contactos políticos", disse à Lusa fonte do seu gabinete.

"O primeiro-ministro regressa sexta-feira a Díli e na Austrália terá encontros, há muito agendados, com o seu homólogo australiano John Howard, com o ministro dos Negócios Estrangeiros Alexander Downer, e dirigentes políticos", precisou Julian Swinstead, assessor de imprensa de Ramos-Horta.

A deslocação de Ramos-Horta à Austrália ocorre a poucos dias de se conh ecer o teor do relatório elaborado pela Comissão de Inquérito Independente da ONU sobre a violência registada em Abril e Maio em Timor-Leste.

A 27 de Setembro, ao discursar perante a Assembleia Geral da ONU, o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, José Luís Guterres, afirmou que desde o início da crise, morreram cerca de 100 pessoas em Timor-Leste.

A divulgação do relatório da comissão da ONU esteve inicialmente previs ta para o passado sábado, mas foi adiada para data ainda por definir devido a atrasos provocados pela tradução para tétum, português e bahasa indonésio, segundo Finn Reske-Nielsen, representante em funções de Kofi Annan em Timor-Leste.




Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.