segunda-feira, novembro 13, 2006

Não vamos estar online 2ª feira.

Voltamos 3ª feira. Até já.


ETAN: On 15th Anniversary of Timor Massacre Rights Network Calls for Justice

Newswire Services

November 11, 2006
ETAN Urges Administration, New Congress to Support International Tribunal.

On the fifteenth anniversary of the infamous massacre at Santa Cruz cemetery in Timor-Leste, the East Timor and Indonesia Action Network (ETAN) called for justice for its victims and their families, as well as the many others killed and victimized during Indonesia’s invasion and occupation of the territory from 1975 to 1999. The 1991 massacre -- witnessed and filmed by foreign journalists – was a turning point in Timor-Leste’s struggle for self-determination.

“East Timor is now independent, but its people cannot overcome their tragic past until there is accountability for decades of systematic human rights violations by the Indonesian military,” said John M. Miller, National Coordinator of ETAN. “This de facto impunity has an impact on Timor-Leste today, contributing to the current security crisis which forced half the capital’s residents from their homes. ETAN will not rest until justice is done.”

“We urge the new Congress to take action toward accountability and justice, moving beyond the Bush administration’s lip service to support for an international tribunal to try crimes against humanity committed in Timor-Leste,” said Miller. “Congress should address the recommendations of Timor-Leste’s truth and reconciliation commission, especially its calls for a tribunal, reparations and restrictions on assistance to Indonesia’s military. By doing so, Congress will demonstrate its commitment to human rights and begin to redress the years of active U.S. support for Indonesia's brutal, illegal occupation of Timor-Leste,” added Miller.

“On this important anniversary, we again join with the Timorese people in urging the United States and the international community to seriously pursue the Indonesian generals and political leaders who organized and directed numerous crimes during the 24-years of illegal occupation. A credible international tribunal is the only way to end impunity,” said Miller.

“After seven years and numerous processes, neither Indonesia, Timor-Leste nor the United Nations has mustered the political will needed to achieve accountability,” said Miller. “Unfortunately, this impunity leads some in Timor-Leste to believe they will not be held accountable when they commit violent crimes and sometimes motivates violent retaliation by victims who do not expect redress from the legal system.”


On November 12, 1991, Indonesian troops opened fire on a memorial procession which had become a peaceful pro-independence demonstration at the Santa Cruz cemetery in Dili, Timor-Leste’s capital. More than 270 mostly-young Timorese were murdered. This massacre, unlike many others committed during Indonesia's 24-year occupation, was witnessed by international journalists, whose video and photographs were shown worldwide. The Santa Cruz massacre galvanized international support for Timor-Leste and was the catalyst for congressional action to stem the flow of U.S. weapons and other assistance for Indonesia’s security forces.

During more than two decades of occupation of Timor-Leste, Indonesian soldiers committed serious crimes with impunity, taking well over 100,000 Timorese lives and torturing and displacing countless others.

Timor-Leste's Commission for Reception, Truth and Reconciliation researched and documented the new nation’s experiences during the occupation. The Commission recommended establishment of an international criminal tribunal and also advocated that countries (including the U.S.) which backed the occupation and corporations which sold weapons to Indonesia during that period to pay reparations to victims. The commission urged the international community not to support Indonesia's military until it was thoroughly reformed and respectful of human rights.

ETAN was formed in reaction to the Santa Cruz massacre. The U.S.-based organization advocates for democracy, justice and human rights for Timor-Leste and Indonesia.

For more information on the massacre see or see ETAN's web site:

Notícias - em inglês

CounterPunch - Weekend Edition November 11 / 12, 2006

Fifteen Years Later: East Timor Massacre Victims Still Waiting for Justice

This November 12 marks the fifteenth anniversary of the 1991 massacre at the Santa Cruz cemetery in Dili, East Timor (also called Timor-Leste).

On that day, Indonesian soldiers killed at least 271 East Timorese civilians nonviolently marching to demand a UN-supervised referendum after years of illegal Indonesian military occupation.

U.S. reporter Allan Nairn, who joined the marchers and had his skull fractured by a soldier wielding a U.S.-supplied M-16, wrote later: "The troops fired no warning shots and did not tell the crowd to disperse. They . . . raised their rifles to their shoulders all at once and opened fire."

By the time of the Santa Cruz massacre, more than 100,000 East Timorese had died as a result of the U.S.-backed occupation. But the testimony and documentation of Nairn, Amy Goodman and other foreign journalists who survived Santa Cruz exposed the brutality of Indonesian military occupation to the outside world, and helped spark a campaign in the U.S. to block military aid to Jakarta.

East Timor finally achieved independence after a hard-won referendum in 1999, a process steeped in yet more Indonesian military mass killings. Under intense U.S. grassroots pressure, the Clinton administration suspended all military assistance to Jakarta when the Indonesian military responded to the pro-independence vote by laying waste to East Timor in September 1999, and Congress subsequently legislated continuing limits on aid. But after seven years and countless processes, Indonesia, Timor-Leste and the United Nations have failed to achieve accountability for crimes against humanity committed between 1975 and 1999. This impunity has led some in Timor-Leste to believe that they will not be held accountable when they commit violent crimes.

Timor-Leste's people still live with their memories of Indonesia's quarter-century of illegal military occupation; the majority of them experienced this brutality first-hand or have victims in their immediate families. This unhealed mass trauma continues to strongly influence the reactions of Dili residents, both in their decisions to flee en masse during armed battles between police and military this past April and in the fact that many still refuse to return home. The secrecy and self-reliance essential to the independence struggle needs to be transformed into transparency, accountability, and open debate.

The majority of East Timorese, and their supporters internationally, continue to view an international tribunal to pursue Indonesian generals and political leaders who organized and ordered the worst atrocities during the occupation as the only resolution for the current situation of impunity and post-traumatic stress. A credible international tribunal can demonstrate that impunity will not prevail, as indicated by a May 2005 UN Commission of Experts report on 1999 human rights violations in East Timor. That report concluded, "The Commission wishes to emphasize the extreme cruelty with which these acts were committed, and that the aftermath of these events still burdens the Timorese society. The situation calls not only for sympathy and reparations, but also for justice. While recognizing the virtue of forgiveness and that it may be justified in individual cases, forgiveness without justice for the untold privation and suffering inflicted would be an act of weakness rather than of strength."

Timor-Leste's truth commission, the Commission for Reception, Truth and Reconciliation in East Timor (known by its Portuguese initials, CAVR) came to equally strong conclusions on the need for concrete justice. The product of three years of extensive research by dozens of East Timorese and international experts, the CAVR report (called "Chega!", Portuguese for "Enough!") recommended reparations to East Timorese victims from countries -- including the U.S. -- which backed the occupation, and from corporations which sold weapons to Indonesia during that period.

An East Timorese involved in disseminating the report throughout the country remarked, "It is clear that many in the community who took part in seminars on Chega! over the last two months saw a strong connection between the findings and recommendations of Chega! and the re-emergence of violence and instability. Many asked why East Timorese leaders have failed to learn the lessons of the past."

Unfortunately, the Bush Administration refuses to learn past lessons. It is willing to give the Indonesian military nearly anything, sacrificing justice in the name of fighting terrorism. On November 22, 2005, the State Department announced, "it is in the national security interests of the United States to waive conditionality pertaining to Foreign Military Financing (FMF) and defense exports to Indonesia." Senator Patrick Leahy (D-VT), author of Congressional restrictions this maneuver overrode, called the move "an abuse of discretion and an affront to the Congress. To waive on national security grounds a law that seeks justice for crimes against humanity -- without even obtaining the Indonesian government's assurance that it will address these concerns -- makes a mockery of the process and sends a terrible message."

Given the US electorate's strong rejection of Bush's politics of empire in the recent congressional elections, there now exists the potential to change that message and to once again move toward a process of justice for the many victim's of U.S.-backed Indonesian military crimes in East Timor, including those at Santa Cruz 15 years ago.

Ben Terrall is a San Francisco-based writer. John M. Miller is National Coordinator of the East Timor and Indonesia Action Network in New York.


AP/The Philippine Star - November 11, 2006 - 1:33 AM

Pinoy to head UN police force in Timor
Pia Lee-Brago

Former Quezon City police chief Director Rodolfo Tor has been named police commissioner of the newly established UN Integrated Mission in Timor Leste or East Timor (UNMIT), Ambassador to the United Nations Lauro Baja said Friday.

In a report to Foreign Affairs Secretary Alberto Romulo, Baja said the Philippine Mission has formally informed the UN that the Philippines has accepted the appointment of Tor.

"General Tor’s designation as UNMIT police commissioner reaffirms the positive contribution of Filipino peacekeepers who have been in East Timor as part of the UN missions there since 1999," he said.

Baja said Tor is expected to assume his post before the end of the month in East Timor’s capital Dili.

Tor will oversee a force of more than 1,600 UN police officers from 11 countries, including the Philippines, he added.

Tor, 55, is the second Filipino to command a UN peacekeeping force in East Timor.

In 2000, retired Philippine Army chief Lt. Gen. Jaime de los Santos was named commander of UN Transitional Administration in East Timor.

UNMIT, the fifth UN mission in East Timor since 1999, was created in August in response to violent clashes between rival factions in the East Timorese armed forces and national police earlier this year.

The UN police, or UNPol, will provide interim law enforcement and support to East Timor’s police force while it is being reconstituted.

Tor has more than 36 years of police and military service in the fields of administration and management.

His expertise is largely on human resource management, police operation, logistics allocation, intelligence processing and utilization, investigation and international liaison and collaboration.


AFP/TODAYonline - Weekend, November 12, 2006, 07:23 hrs

Former East Timorese PM says there is a plot to assassinate him

Photo: East Timor's former prime minister Mari Alkatiri, under investigation for his alleged role in violence that wracked the nation earlier this year, seen here in June 2006, said that he believes there are plans to assassinate him and other members of his Fretilin party.

East Timor's former prime minister Mari Alkatiri, under investigation for his alleged role in violence that wracked the nation earlier this year, said that he believes there are plans to assassinate him and other members of his Fretilin party.

"I have no doubts that these plans exist. I'm not saying it will happen, but it could happen. I am one of the targets," he told the Lusa news agency in Portugal where he arrived earlier in the week to receive medical treatment for an unspecified ailment.

"I am not afraid of being a target of an assassination attempt, if I was afraid I still wouldn't be in East Timor," he added.

Alkatiri said the people plotting his assassination, who he did not name, were also behind the violence which swept East Timor's capital Dili in April and May that eventually led to his resignation.

Some 37 people were left dead in pitched battles between rival security forces during bloody street violence which was sparked by Alkatiri's decision to dismiss a third of the nation's soldiers who had deserted, complaining of discrimination.

Stability has largely returned to the former Portuguese colony following the arrival of foreign peacekeepers at Dili's request and the installation of a new government headed by Nobel Peace Prize winner Jose Ramos-Horta.

Alkatiri said he planned to return to East Timor but was not yet sure when.

"I could return next week, I could return in two weeks or in one month. The likely plan is to return in December. As I am here to receive medical treatment, I don't know how much time I will have to stay," he said.

"I don't run, I will never flee from East Timor. If I wanted to flee I would have done it a long time ago. I faced everything in the most difficult moment, it is not now, that things appear to be becoming clarified, that I would run," he added.

Alkatiri was questioned by prosecutors in East Timor on Tuesday, one day before he left the country for Portugal, over allegations that he ordered a hit squad to kill political opponents during the unrest earlier in the year. He denies the claims but has vowed to cooperate in the investigation.


ABC - Sunday, November 12, 2006. 7:00am (AEDT)

Alkatiri faces 'assassination plot'

East Timor's former prime minister, Mari Alkatiri, says there are plans to assassinate him and other members of his Fretilin party.

Alkatiri is under investigation for his alleged role in violence that wracked East Timor earlier this year.

He says the people plotting his assassination were also behind the unrest in the capital, Dili, in April and May that eventually led to his resignation.

"I have no doubts that these plans exist," he said in Portugal, where he arrived earlier this week for medical treatment. "I'm not saying it will happen but it could happen. I am one of the targets. "I am not afraid of being a target of an assassination attempt. If I was afraid, I still wouldn't be in East Timor."

Thirty-seven people were left dead in pitched battles between rival security forces during bloody street violence in April and May.

It was sparked by Alkatiri's decision to dismiss a third of the nation's soldiers who had deserted, complaining of discrimination.

Stability has largely returned to East Timor, following the arrival of foreign peacekeepers led by Australia at Dili's request and the installation of a new Government headed by Nobel Peace Prize-winner Jose Ramos-Horta.

Rebel leader Alfreido Reinado has been in hiding since escaping from prison in Dili in August with more than 50 other inmates.

'I don't run'
Alkatiri says he plans to return to the country but he is not yet sure when.

"I could return next week, I could return in two weeks or in one month," he said. "The likely plan is to return in December. As I am here to receive medical treatment, I don't know how much time I will have to stay.

"I don't run, I will never flee from East Timor. If I wanted to flee, I would have done it a long time ago. "I faced everything in the most difficult moment. It is not now that things appear to be becoming clarified that I would run."

Alkatiri was questioned by prosecutors in East Timor on Tuesday, one day before he left the country for Portugal, over allegations he ordered a hit squad to kill political opponents during the unrest earlier this year.

He denies the claims but has vowed to cooperate in the investigation.


East Timorese mark 15th anniversary of Santa Cruz massacre

DILI, November 12 (AFP) -- More than 1,000 East Timorese gathered in the capital Dili on Sunday to mark the 15th anniversary of the Santa Cruz massacre, when Indonesian troops fired on a memorial procession, killing more than 250 people.

Dili's Bishop Alberto Ricardo da Silva presided at the seaside Motael church over a memorial service for the victims of the November 12, 1991, massacre of East Timorese taking part in a procession to the capital's Santa Cruz cemetery.

In all, 271 East Timorese are known to have died, while a further 250 are missing, believed dead, and 382 were wounded.

The massacre occurred when Indonesian soldiers fired into a crowd of independence protesters holding a memorial procession for Sebastio Gomez, a young East Timorese man.

Gomez was killed when Indonesian soldiers stormed the Motael church to seek pro-independence activists.

"This is a day to reflect for all of us, so that we can step forward," the bishop told the congregation packed into the small seaside church, as more worshippers listened outside.

The congregation then processed to the cemetery some two kilometers (one mile) away, carrying pictures of the dead and missing.

There, they laid wreaths and heard speeches by rights activists calling on the Indonesian government to account for the massacre and reveal where the bodies of those missing were buried. No incidents were reported.

One of the ceremony's coordinators, Joao Shoque, said young Timorese had shown patriotism and solidarity 15 years ago.

"Therefore I trust that youths in Timor Leste can show their solidarity to others and mutually embrace each other," Shoque said.

Indonesia invaded East Timor in 1975 and declared the country its youngest province the following year, but in the face of persistent armed resistance.

The Santa Cruz massacre was a turning point in the history of East Timor as it put the occupation of the former Portuguese colony into world attention, prompting more international support for the East Timorese cause.

East Timor achieved full independence only in 2002, four years after Indonesia relinquished control of the territory following a UN-sponsored self-determination ballot. Violence flared in the half-island nation in May between security force factions, as well as street gangs, leaving about 37 people dead over two months and forcing the deployment of 3,200 Australian-led regional forces.

Their numbers have since been reduced to 1,100, bolstered by the presence of about 1,000 UN police.


Notícias - em português

Agência EFE - 11 Novembro 2006. 06:15

Ramos Horta pede que rebeldes timorenses entreguem suas armas

O primeiro-ministro timorense, José Ramos Horta, pediu hoje aos líderes dos protestos que afundaram o Timor Leste no caos em maio que entreguem as armas que ainda estão em seu poder.

"Para evitar o derramamento de sangue no futuro, peço que cedam à Unpol (força internacional sob comando das Nações Unidas) as armas que ainda estejam em seu poder", declarou o governante timorense, durante um fórum nacional, em Díli.

Ramos Horta afirmou que recebeu informação segura de que o major Alfredo Reinado, um dos militares que lideraram a insurreição, e o ex-guerrilheiro Vicente da Conceição ainda têm armas automáticas.

"As tropas internacionais agirão com o maior rigor se os seus grupos se recusarem a entregar as armas", ameaçou o prêmio Nobel da Paz de 1996.

Conceição rejeitou as acusações e garantiu que seu grupo entregou todas as armas às tropas internacionais, na presença do próprio primeiro-ministro. "Respeito Horta por seus esforços em nossa luta contra a Indonésia, mas ele não tem a vontade política para resolver os problemas do país, e ainda me acusa de fugir da justiça e de ter armas, sem provas", disse ele à Efe, por telefone.

Conceição acusou o ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri de fornecer armas a um grupo comandado por ele para eliminar rivais políticos do antigo Governo.

O major Reinado foi detido em julho, com mais 20 homens, após liderar um grupo de membros da Polícia que se negava a entregar suas armas enquanto Alkatiri não renunciasse.

Alkatiri deixou o cargo e foi substituído por Ramos Horta, o que acalmou a onda de violência no país. Reinado fugiu da prisão em 30 de agosto, com mais 54 homens.


Moçambique: Mari Alkatiri elogia a solidariedade de Samora Machel

Lisboa, 11 Out (Lusa) - O ex-primeiro-ministro timorense, Mari Alkatiri elogiou, em declarações à Agência Lusa em Lisboa, o papel solidário com os povos em luta, de Samora Machel, o ex-Presidente moçambicano que morreu há 20 anos.

O secretário-geral da Frente Timorense de Libertação Nacional (FRETILI N), o principal partido de Timor-Leste, chegou a ponderar a hipótese de estar presente no congresso da FRELIMO em Moçambique, que começou na sexta-feira, em Quelimane, e decorre até quarta-feira, mas acabou por passar primeiro por Portugal, antes de ir para aquele país africano "descansar".

Numa entrevista à Agência Lusa, em Lisboa, Alkatiri lembrou que tem "uma relação próxima com Moçambique", país que o acolheu depois da invasão indonésia de Timor-Leste e onde viveu quase 24 anos.

Por causa disso, é que muitas vezes se diz que a FRETILIN foi feita à imagem e semelhança da FRELIMO, o principal partido moçambicano fundado por Eduardo Mondlane, facto que o ex-primeiro-ministro timorense não confirma.

"Quando iniciámos todo o processo de organização para a luta, em 1970, os maiores contactos eram com o MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e com o PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde). Com a FRELIMO tínhamos muito menos. Aliás, quando saí de Timor-Leste, em 1970, fui para Angola estudar", esclareceu.

"A ter influência, a FRETILIN tem mais do MPLA que da FRELIMO", referiu .

No entanto, depois de 1975, quando a Indonésia invadiu Timor-Leste, Alkatiri e outros dirigentes acabaram por se instalar em Moçambique, a convite do Presidente Samora Machel.

Angola estava em guerra, Portugal atravessava o período conturbado do pós-25 de Abril e os dirigentes da FRETILIN escolheram o território moçambicano para se radicarem.

Foi "a partir daí que comecei a compreender melhor a FRELIMO e o processo em Moçambique, as suas contradições, sucessos, fracassos", confessou Alkatiri .

Sobre o então Presidente Samora Machel, falecido num desastre de avião a 19 de Outubro de 1986, o ex-primeiro-ministro timorense guarda boas recordações.

"Conheci o valor de Samora Machel - no sentido da solidariedade humana internacional com os povos em luta. Foi das pessoas mais solidárias que já conheci na minha vida", afirmou Alkatiri.

"Tenho Samora Machel em boa conta, porque foi uma pessoa que partilhou os seus parcos recursos com as lutas de libertação", acrescentou.

Apesar de tudo isso, Mari Alkatiri fica com "vontade de rir" quando diz em que os dirigentes da FRETILIN que viveram em território moçambicano estão a " levar a experiência de Moçambique para Timor-Leste".

"São caminhos completamente diferentes: Moçambique saiu de um regime de partido único para um processo de democratização e nós começámos logo com o processo de democratização", frisou.



"Não basta marchar e rezar o terço" - Gregório Saldanha

Díli, 11 Nov (Lusa) - A comemoração do massacre de Santa Cruz "não deve ficar apenas por uma marcha e reza do terço", defendeu hoje à agência Lusa um dos organizadores da manifestação que relançou em 1991 o debate sobre a ocupação indonésia de Timor-Leste.

Gregório Saldanha, hoje deputado eleito nas listas do partido maioritário, a FRETILIN, não tem ilusões: "a melhor maneira de comemorar o 12 de Novembro é reflectir nesse sacrifício e construir o futuro".

Em entrevista à agência Lusa, Gregório Saldanha recorda o que se passou , e como, há 15 anos atrás.

"Nós estávamos preparados para a chegada da delegação dos deputados portugueses. Mas a visita foi cancelada porque Jacarta vetou a entrada da [jornalista] Jill Jolliffe", disse.

Escondido na casa de José Alves Lay, no bairro de Audian, Gregório Saldanha teve a confirmação que a rede clandestina da resistência à ocupação deveria actuar no momento em que recebeu uma carta do comandante em chefe, Xanana Gusmão.

"Foi o ex-coordenador do Comité Executivo da rede clandestina, Constânc io Pinto, que me trouxe a carta, do nosso comandante em chefe, Xanana, mandando organizar a manifestação", recordou.

Os dias que antecederam a manifestação foram febris. Havia que preparar cartazes e ao mesmo tempo furtarem-se à vigilância da Intel, a agência de contra-inteligência indonésia, e dos seus informadores.

Dias antes, a 28 de Outubro, um grupo de jovens tinha sido atacado na igreja de Motael, e da refrega resultaram dois mortos.

"Atacaram a igreja e mataram o Sebastião Gomes. Houve outro morto, do lado deles. Os atacantes eram milicianos timorenses, agentes dos indonésios", acrescentou.

"Recebi a carta [de Xanana Gusmão] no dia 08 e a 10 fizemos uma reunião da rede clandestina para preparar a manifestação. Na noite anterior do massacre fiz várias visitas para confirmar que tudo estava preparado", evocou.

Nessa terça-feira, logo pela manhã eram já cerca de mil as pessoas que se concentraram na igreja de Motael, para acompanhar o funeral de Sebastião Gomes até ao cemitério de Santa Cruz.

Depois de celebrada a missa pelo pároco de Motael, padre Alberto Ricardo da Silva, actual bispo de Díli, os jovens iniciaram a marcha até Santa Cruz.

"A inteligência e a coragem dos jovens tinha permitido ultrapassar os constrangimentos, a vigilância e as intimidações", salientou.

Aproveitando a presença de jornalistas estrangeiros, que tinham entrado em Díli para cobrir a visita da delegação parlamentar portuguesa, o comando da luta tinha decidido avançar com a manifestação.

A história do que se passou em Santa Cruz é conhecida.

Segundo dados divulgados posteriormente, a intervenção repressiva do oc upante provocou 271 mortos, 382 feridos e 250 desaparecidos.

A acção indonésia serviu, contudo, para relançar a questão da ocupação sangrenta de Timor-Leste, depois das imagens do massacre, do britânico Max Stahl , terem sido divulgadas a nível mundial, insuflando novo vigor nos esforços dipl omáticos pela independência.

Em Portugal, as imagens de timorenses a rezar, em português, sacudiram as consciências, e gerou um movimento de solidariedade para com a resistência e de boicote aos produtos "made in Indonésia".

Quinze anos depois, Gregório Saldanha defende que o exemplo do sacrifício consentido em Santa Cruz deve ser vir de reflexão à actual juventude timorense.

País com cerca de um milhão de habitantes, 44 por cento dos quais têm menos de 15 anos, Timor-Leste debate-se com muito escassas oportunidades de emprego para os mais de 15 mil jovens adultos que anualmente entram no mercado de trabalho.

A crise político-militar, desencadeada em Abril passado, intensificou as dificuldades para arranjar emprego.

"Há 15 anos, durante a luta, sempre pensámos que íamos vencer. Tínhamos essa convicção. Libertar a nossa terra, libertar o nosso povo e podermos andar livremente, com a juventude a conseguir encontrar trabalho e estudar", destacou.

"Mas, desgraçadamente, hoje não conseguimos. Alguns podem, outros não. Alguns estão em campos de deslocados. Todos nós, todos os timorenses, têm que reflectir no que aconteceu [com a crise de Abril]. Não é bom apontar o dedo a qual quer pessoa. Temos de trabalhar", defendeu.

Gregório Saldanha também não quer que cada 12 de Novembro seja apenas uma ocasião para "gritar palavras de ordem, imitar a marcha heróica daquele dia e rezar o terço pelo caminho. Se vamos comemorar a nos esquecemos do sentido da data, então não vale a pena. Isso não basta", frisou.

"Temos que olhar para o passado, perceber o que se passou e construir o futuro", repetiu.



Massacre Santa Cruz serviu objectivos da resistência e indonésios

Eduardo Lobão, da Agência Lusa Díli, 11 Nov (Lusa) - O massacre no cemitério de Santa Cruz, em que pod erão ter sido mortos mais de 500 timorenses, serviu os interesses da resistência e da linha dura do regime em Jacarta, disse hoje à agência Lusa o ex-governador Mário Carrascalão.

Na entrevista, a propósito da passagem do 15º aniversário do massacre, que se assinala domingo, Mário Carrascalão lamenta ainda que as valas comuns abe rtas no dia seguinte ao massacre, em Tibar, a cerca de 15 quilómetros de Díli, c ontinuem sem ser descobertas.

"O processo que conduz ao 12 de Novembro é um acidente histórico, uma c asualidade, provocada pelo cancelamento da visita de uma delegação parlamentar p ortuguesa", recordou.

Convicto que o cancelamento da visita dos deputados pelo regime indonés io constituiu uma medida acertada - "porque iria provocar um banho de sangue ain da maior do que o que se verificou em Santa Cruz" -, Mário Carrascalão acredita que a realização da manifestação dos jovens em direcção ao cemitério resultou de uma convergência de interesses, ditados por razões diversas, da resistência e d a linha dura do regime em Jacarta.

A visita de uma delegação parlamentar portuguesa foi cancelada por Lisb oa depois de Jacarta ter vetado a inclusão de três jornalistas na delegação, ent re os quais o da australiana Jill Jolliffe.

"Do ponto de vista indonésio, o dia 12 de Novembro marcou uma viragem, com o reforço das posições da linha dura, e do ponto de vista timorense, relanço u a nível mundial o debate sobre a ocupação de Timor, devido às imagens que corr eram mundo", salientou.

Números oficiais apontam para 271 mortos, 382 feridos e 250 desaparecid os entre as mais de mil pessoas que se calcula tenham integrado ou participado a manifestação que saiu da igreja de Motael, no centro de Díli, até Santa Cruz.

A marcha até ao cemitério tinha como pretexto homenagear o jovem Sebast ião Gomes, morto a 28 de Outubro de 1991 durante um ataque de milícias timorense s pró-integracionistas, enquadrados por agentes da Intel, serviços de contra-int eligência indonésios, à igreja de Motael.

No ataque morreu ainda um dos atacantes.

"Quando digo que o 12 de Novembro foi um acidente histórico, justifico com o facto de ninguém pensar que o Sebastião Gomes seria morto", disse.

Segundo Mário Carrascalão, os preparativos da resistência para aproveit ar a visita dos parlamentares portugueses mantiveram-se mesmo depois do cancelam ento da deslocação, e a morte de Sebastião Gomes foi o pretexto, igualmente apro veitado pela Intel.

"Depois do massacre perguntei a um timorense que era agente da Intel qu al o interesse de tanta morte, por que fizeram o massacre, ele respondeu-me que era para acabar de vez com a rede clandestina", referiu.

"A Intel tinha-se infiltrado entre a rede clandestina e nada fez para e vitar a manifestação. Eles queriam tirar partido da cerimónia no cemitério", sal ientou.

É que a rede clandestina tinha já experiência de organização de acções de protesto contra a ocupação, tendo a primeira destas acções sido encenada em T aci Tolu, na saída oeste de Díli, a 12 de Outubro de 1989, no final da missa cam pal celebrada pelo papa João Paulo II.

O reforço da rede clandestina estava relacionado com o progressivo "def inhamento" das acções da guerrilha.

"Nessa altura, Xanana Gusmão já não via as coisas como via anteriorment e. O 12 de Novembro é um aproveitamento, quanto a mim muito bem feito, sabendo-s e de antemão que haveria vítimas e aproveitar o que estava previsto para a visit a dos parlamentares", sustentou.

Mário Carrascalão, de 69 anos, exerceu o cargo de governador da então p rovíncia indonésia de Timor entre 1982 e 1992.

Actualmente lidera o terceiro maior partido com representação parlament ar em Díli, o Partido Social Democrata (PSD).

"Eles (os indonésios) precisavam de mim, porque eu era a imagem positiv a da ocupação indonésia", explicou.

No dia do massacre, Mário Carrascalão, ao dirigir-se para o seu gabinet e de trabalho, no edifício em que hoje funciona o Palácio do Governo, passou por Motael e apercebeu-se da concentração de centenas de pessoas.

"Estava mais ou menos a par do que iria acontecer no dia 12. Na noite a nterior recebi a informação de que estava a preparar-se uma grande manifestação para o dia 12. Soube da realização de várias reuniões preparatórias para a manif estação. A Intel também sabia e não se mexeu. Deixou acontecer", evocou.

Mais tarde, já no seu gabinete, viu-os passar, "de forma ordeira, com c artazes e fotos de Xanana".

Uma primeira acção de repressão, com tiros, verificou-se logo na Avenid a Bispo Medeiros, adjacente ao edifício do governo.

"Logo aí houve tiros e muita confusão. Um major indonésio foi atacado, mas não foi pelos manifestantes, foi por um miliciano pró-integração, para provo car uma reacção", adiantou.

Os manifestantes progrediram em direcção a Santa Cruz, concentrando-se aí muitas centenas de pessoas.

"Estava ainda no meu gabinete e apesar do aparelho de ar condicionado q ue lá tinha, e que fazia muito barulho, ouvi rajadas contínuas de armas automáti cas. Saí do gabinete e disseram-me que havia muitos mortos e feridos no cemitéri o", disse.

Dirigindo-se à residência do bispo Ximenes Belo, em Lecidere, Mário Car rascalão deparou com mais de uma centena de jovens que ali tinham procurado refú gio.

"Depois de ir ao antigo hospital central, na saída de Díli para Lahane, onde vi vários feridos graves, dirigi-me ao cemitério e surpreendi indivíduos c ivis armados, mas que não eram timorenses, e que me viraram as costas, tentando esconder as armas", salientou.

à frente do cemitério reparou que estavam a deitar areia sobre as muita s poças de sangue e surpreendeu também três camiões de caixa aberta, alinhados, junto à entrada.

"O que estava do lado de fora estava cheio de corpos, Empilhados uns em cima dos outros", recordou.

De regresso ao seu gabinete enviou imediatamente um fax para Jacarta, d irigido ao Ministério do Interior, a denunciar o que se tinha passado e a exigir que fossem tomadas providências para responsabilizar os autores das mortes.

"Nada fizeram. Os indonésios quiseram convencer-me que só havia 19 mort os. Neguei imediatamente e disse que tinha visto um camião, pelo menos um, cheio de corpos", destacou.

"Era um número fabricado. O incrível é que disseram que havia 19 mortos e 91 feridos. Devia ser para não haver versões contraditórias da versão oficial . Nessa mesma noite a electricidade foi cortada. De vez em quando havia cortes, mas era raro. Deve ter sido para que os camiões com os corpos atravessassem a ci dade sem serem vistos", destacou.

Dois ou três dias depois do massacre Mário Carrascalão recebe a visita de um jovem, ajudante de um dos condutores dos camiões.

"Gravei o depoimento dele. Disse que tinham levado os corpos para Tibar , junto à lixeira e que tinham aberto uma vala comum", afirmou.

A existência dessa vala, e porventura de outras, ainda não foi descober ta.

"Tenho um esboço da área, que me foi enviado, e dei esse documento aos elementos enviados por Jacarta para investigarem o sucedido em Santa Cruz. Eles foram escavar, acompanhados de agentes da Intel, mas abriram os buracos centenas de metros antes do local referenciado", acrescentou.

Para Mário Carrascalão, o massacre de Santa Cruz não foi obra dos milit ares. Tratou-se de uma acção levada a cabo pela Intel, apoiada pelo KOPASSUS, o corpo especial de intervenção da polícia indonésia.



Massacre de Santa Cruz pode ajudar a compreender a crise - Alkatiri

Lisboa, 11 Nov (Lusa) - O ex-primeiro-ministro timorense Mari Alkatiri considera que a passagem do 15º aniversário do Massacre de Santa Cruz, que se assinala domingo, deve servir como "data de reflexão para compreender a actual crise".

"O Massacre de Santa Cruz é uma demonstração da unidade de toda a juven tude timorense em torno de uma causa comum que é a da libertação nacional", disse à Agência Lusa o actual secretário-geral do principal partido timorense, FRETILIN.

Considerando que esta efeméride deve ser vista como "data de unidade da juventude", Alkatiri espera que "neste momento de crise", este "exemplo" ajude "agora e no futuro".

"É um dia de reflexão para se compreender a actual crise", concluiu o ex-chefe do Governo, que se encontra em Portugal para fazer exames e tratamentos médicos.



Crise condiciona celebração 15º aniversário massacre de Santa Cruz

Díli, 12 Nov (Lusa) - A crise por que passa Timor-Leste condicionou hoje em Díli as comemorações do 15º aniversário do massacre do cemitério de Santa Cruz, marcadas por menor afluência popular, comparativamente a 2005, e de convidados.

As comemorações iniciaram-se logo pela manhã (hora local) e repetiram a missa de há 15 anos, celebrada pelo mesmo padre, hoje bispo de Díli, D. Alberto Ricardo da Silva.

Depois da missa, os fiéis efectuarem uma marcha a pé em direcção ao cemitério de Santa Cruz, onde estava montado um palco para manifestações artísticas e discursos.

As manifestações realizaram-se como previa o programa, mas dos discursos esperados apenas se ouviu o vice primeiro-ministro, Estanislau da Silva, pois o Presidente Xanana Gusmão não compareceu.

Também não estiveram presentes muitos dos convidados, como membros do governo e embaixadores.

João "Choque" da Silva, presidente da Comissão Organizadora e um dos sobreviventes do massacre de há 15 anos, justificou as ausências com "a crise em que o país ainda se encontra".

"Realmente este ano veio menos gente, porque o país está a atravessar uma crise, e as pessoas têm receio, mas o importante é que também mais uma vez homenageámos os que deram a vida em sacrifício pela libertação de Timor-Leste", disse João "Choque" da Silva à Lusa.

"Faltaram alguns dos convidados, mas isso não é importante. O importante é que estamos aqui juntos a fazer uma homenagem", destacou.

Estanislau da Silva, que representou o primeiro-ministro José Ramos Horta, ausente de Díli em virtude de uma deslocação a Baucau, na ponta leste do país, coincidiu na justificação da crise como motivo que explica a menor afluência popular nas comemorações.

"O dia 12 de Novembro é uma data importante, um marco histórico, que relançou o caso de Timor-Leste na arena internacional, mostrando a muitos países o que então a Indonésia estava verdadeiramente a fazer na nossa terra", disse.

Passados 15 anos, Timor-Leste mudou, é independente, mas persiste a presença no país de forças militares estrangeiras, que Estanislau da Silva considerou terem agora uma missão completamente diferente.

"As forças militares que agora estão cá vieram a pedido das autoridades timorenses, por um período definido e ajudar-nos a ultrapassar a crise", salientou.

País jovem, em que 44 por cento dos cerca de 950 mil habitantes têm menos de 15 anos, Timor-Leste precisa de novas políticas para a juventude.

"Este governo deve encarar os problemas da juventude de outra forma, envolvendo os jovens em actividades concretas, que respeitem os sacrifícios do passado e ajudem a construir o futuro", frisou.

As comemorações foram ainda marcadas pela deposição de coroas de flores na cruz alta, um espaço do cemitério em que são homenageadas as vítimas do massacre, perpetrado pelo ocupante indonésio e em que morreram 271 pessoas, 382 ficaram feridas e 250 estão ainda dadas como desaparecidas.

A presença, discreta, de vários efectivos da polícia da ONU e militares australianos completou o quadro de festa desenhado no espaço situado defronte da entrada do cemitério, em que muitos jovens envergavam camisolas com a inscrição "Timor-Leste ida deit" (expressão em tétum que em português se pode traduzir por "Timor-Leste é só um").

No interior do cemitério, três homens, com uma fotografia emoldurada, prestavam também a sua homenagem às vítimas do massacre, concretamente a Sebastião Rangel Gomes, cujo funeral a 12 de Novembro de 1991 espoletou a acção repressiva indonésia.

Jorge Rangel, primo de Sebastião, confessou a sua tristeza com a situação de crise em que o país se encontra, e que considera ter desmotivado muitas pessoas de este ano visitarem o cemitério.

"Estou triste, porque os jovens deram a sua vida por este país, mas agora não respeitam esse sacrifício e são outros jovens que estão agora na base da crise", salientou.



Jornal de Noticias - Domingo, 12 de Novembro de 2006

Alkatiri diz que há planos para o matar

O ex-primeiro-ministro de Timor-Leste, Mari Alkatiri, revelou a existência de planos para o assassinar. "Não tenho dúvidas que esse plano exista. Não digo que irá acontecer mas pode acontecer. Eu sou um dos alvos. Mas não tenho medo de ser vítima de um atentado, se tivesse medo já não estaria em Timor-Leste", denunciou o secretário-geral da FRETILIN, principal partido timorense.

"Sei quem são [os alvos] mas não vou dizer. Também não tenho dúvidas que uma das instituições que todos têm como objectivo de, pelo menos, reduzir a sua influência, é a FRETILIN", disse Mari Alkatir. Em Lisboa para tratamentos médicos, negou que tenha fugido de Timor-Leste e garantiu que irá regressar a Díli, o mais tardar, na primeira semana de Dezembro. "Não fujo, não fugirei nunca de Timor-Leste", afirmou. "Se quisesse fugir já o teria feito há muito tempo. Enfrentei tudo no momento mais difícil, não é agora, quando as coisas parecem clarificar-se, que vou fugir", sublinhou.

Entretanto, o ex-governador de Timor, Mário Carrascalão, disse que o massacre no cemitério de Santa Cruz, em que poderão ter sido mortos mais de 500 timorenses, serviu os interesses da resistência e da linha dura do regime em Jacarta. Em entrevista à Lusa, a propósito do 15º aniversário do massacre, que se assinala hoje, lamentou ainda que as valas comuns abertas na altura, em Tibar, a cerca de 15 quilómetros de Díli, continuem sem ser descobertas.


Timor-Leste: invocando melhor segurança, funcionário de topo da ONU pede aos deslocados para regressarem a casa

Tradução da Margarida.

Centro de Notícias da ONU - 10 Novembro 2006

Quase sete meses depois da violência mortal ter forçado cerca de 155,000 pessoas a fugirem para campos temporários, o funcionário de topo da ONU na pequena nação pediu hoje aos deslocados para regressarem para as suas casas, invocando que a situação de segurança melhorou bastante graças em parte ao maior número de polícias da ONU.

“É importante começarmos a resolver o problema dos campos de deslocados em Dili e nas áreas à volta porque precisamos de trazer um sentimento de normalidade à comunidade de modo a ultrapassar a crise que ocorreu antes,” disse o Representante Especial em exercício para Timor-Leste, Finn Reske-Nielsen, referindo-se à capital Timorense.

“A minha mensagem hoje para todos os deslocados à volta de Dili é que a situação da segurança aumentou significativamente e está a tornar-se seguro regressar a casa. E, de facto, nas últimas semanas vários milhares de deslocados já regressaram às suas casas,” disse aos repórteres numa conferência de imprensa realizada num antigo campo de deslocados mesmo a leste da capital.

A violência, atribuída a diferenças entre as regiões leste e oeste, irrompeu em Abril e Maio depois do despedimento de 600 soldados em greve, um terço das forças armadas, e reclamou pelo menos 37 vidas e tirou 155,000 pessoas, 15 por cento da população total, das suas casas.

O Conselho de Segurança criou a alargada Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) em Agosto para ajudar a restaurar a ordem no país que o órgão mundial guiou para a independência da Indonésia há somente quatro anos, e um dos seus aspectos principais é trazer oficiais de polícia da ONU para reconstruir e apoiar a força local.

“Tenho o prazer de os informar que presentemente temos quase 1,000 oficiais de polícia em Dili apoiados por quase 1,000 soldados das forças de segurança internacional,” disse Mr. Reske-Nielsen.

No princípio da semana, visitou um outro campo de deslocados em Dili e disse que estava feliz por ver que a sua população tinha baixado de cerca de 17,000 quando da sua primeira visita em Junho para 3,500.

Tanto quando a melhoria da segurança, uma outra razão para as pessoas deixarem estes campos temporários foi a possibilidade de doenças e de outros riscos para a saúde com a aproximação da estação das chuvas, acrescentou Mr. Reske-Nielsen.

Alertou para uma ameaça à saúde “séria” quando a chuva vier, acrescentando, “é importante que os deslocados que estão nos campos vulneráveis comecem a pensar muito seriamente em voltarem a casa e se não se sentirem seguros então deverão aproveitar a oportunidade de serem recolocados em áreas mais seguras.”

De um leitor

Comentário no post "UN increases patrols in E Timor":

Make no mistake. There has and is ongoing a conspiracy to destabilise Timor-Leste and it is backed by those whose interests have become firmly linked with por-integrationists and Indonesian militia. As examples, Fernando "Lasama" Araujo in his interview with john Martinkus admitted having coorpdinated and jointly organised the 'demonstrations" in June 2006 with former (who knows he may still be) Indonesian Kopassus member Rui Lopes from the border twon of Suai. He said words to the effect, "we have common goals and objectives". It is also in Mr Lopes' house that the jail escapee/fugitive from justice former F-FDTL Major Alfredo Reinado (who has been charged with criminal offences) has been hiding over the last month.

Alfredo lets not forget has immaculate links with Indonesian military including Kopassus.

rui lopes said on film in the same Martinkus documentary, "we are ready to die and we are ready to kill" during a demonstration.

Lt Col falur Rate Laek of F-FDTL reported two Timorese going to see him urging them to undertake a coup against Alaktiri. It is well known in Dili wo these people were....former Indonesian lackeys. Railos , another criminal in this crisis and coup d'etatist hid and is still hiding at the coffee plantation of Mario Carrascalo, former governor during Indoensian times and former special advisor to dictator general Suharto. That is where Four Corners interviewed him and his gang of criminals.

Lasama and Lucas da Costa (PD leaders both) met actively with railos and Alfredo and Tara and others during the height of the crisis.

The above are facts in the public arena. Now look at the definition of conspiracy. Is it or is it not a "comspiracy"? More than one person working in concert and colluding to attain a specific or general purpose? Look at te naked public facts, then turn to speculation and answer for yourself.



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.