quinta-feira, novembro 16, 2006

Deputados portugueses em Timor-Leste

Grupo de deputados da Assembleia da República, incluindo José Luís Arnaut, do grupo parlamentar do PSD e Presidente da Comissão de Negócios Estrangeiros, vem em visita oficial a Timor-Leste, de 1 a 7 de Dezembro.


Sobre a Parada F-FDTL/PNTL

As duas forças de segurança nacionais, lado a lado numa parada perante todos os orgãos de soberania, é um excelente exemplo para mostrar como é necessária a união de todos.

Foi exactamente o que Presidente da República se esqueceu em Maio deste ano.

Lamentamos o facto de Paulo Fátima Martins, que se apresentou a sua demissão e se encontra suspenso, ter sido "renomeado" comandante da PNTL.

O próprio quando chegou à parada colocou-se atrás da fila onde se encontravam os representantes dos orgãos de soberania e Matan Ruak, tendo sido chamado para a linha da frente por alguém da organização.


Comunicado - PM em inglês



Dili, November 16 2006

Soldiers and police embrace friendship as peace is given a chance

With tears in their eyes, soldiers and police embraced each other as they gathered for an historic ceremony at the Palacio do Governo yesterday in Dili.

As hundreds of spectators packed the Palacio grounds and the national anthem was played, the President of the Republic Xanana Gusmão called on the youth of the country to collaborate with the army and police in the process of peace.

Army and police paraded before President Xanana, the President of Parliament Francisco Guterres "Lu-Olo" and Prime Minister Dr José Ramos-Horta and members of his Government.

Spectators including most members of the diplomatic corps and public servants, watched as members of the F-FDTL and PNTL lined up alongside each other in a display of solidarity and trust.

Traffic along the main ocean-front boulevard was brought to a stop. Bunches of flowers were handed out to the country’s army and police forces and as they raised them above their heads the crowd cheered.

“This is a time to work together and to accept each other,” President Xanana said.

“Youth must promise their mothers and fathers that they will no longer be involved in violence.”

Dr Ramos-Horta said today that it was time for Timor-Leste’s youth to embrace peace “just as our army and police have done”.

“We cannot allow ourselves to be drawn into violence,” he said. “There is no future for our country in that. We must use our energy for peace.”

The President of the Court of Appeal, Claudio Ximenes told the rally Timor-Leste’s courts would be independent and impartial.

“The tribunal will make decisions independently and impartially,” he said.

Yesterday’s historic rally followed a series of extraordinary meetings held recently between the President, the Prime Minister and leaders of Timor-Leste’s army and police.

The head of the armed forces, Brigadier Taur Mata Ruak shook hands and embraced many of the police at the rally as the Commander of the Police Paulo Fatima Martins walked among soldiers shaking hands and greeting friends.

The demonstration of comradeship and trust between the F-FDTL and PNTL has given encouragement to many people in the Internally Displaced People’s camps to return to their homes.


Reconciliation on East Timor streets

AFP/Sydney Morning Herald - November 16, 2006 - 12:00AM

Nearly 1000 soldiers and police paraded on the streets of East Timor's capital Dili yesterday in an apparent gesture of reconciliation after their differences contributed to unrest earlier this year.

Some 600 members of the Fretilin National Armed Forces (F-DTL) arrived at the government office in downtown Dili in scores of vehicles while about 300 members of the national police (PNTL) marched from their headquarters.

Hundreds of onlookers crowded the area to watch the parade and cheer them.

Both contingents and the area around the government office were tightly guarded by armed members of the UN police. While many of the soldiers were carrying rifles, the police came unarmed.

"The wounds of recent events are healing and our forces are showing us the way towards a lasting peace," President Xanana Gusmao said according to a statement from the prime minister's office.

"I am moved by the unity and friendship shown by our soldiers and police, and particularly by their leaders. They have faced a most severe ordeal and emerged even stronger," Gusmao added.

The rally followed a series of meetings between the country's leaders, the heads of the police and military, the church and top politicians.

Soldiers and police were involved in violence that rocked Dili and surrounding towns in April and May, following the dismissal of almost a third of the armed forces by then prime minister Mari Alkatiri.

Some 600 soldiers deserted the forces, citing discrimination within the ranks. Their protest quickly degenerated into street violence, including between youth gangs and between ethnic groups, that left 37 people dead.

Their numbers have since been reduced to 1,100, but bolstered by the presence of 1000 UN police whose forces will eventually be increased to 1600.


ETimor soldiers, police join reconciliation parade

Radio Australia - 15/11/2006, 22:35:06

Nearly 1,000 soldiers and police have paraded on the streets of East Timor's capital Dili in an apparent gesture of reconciliation after unrest earlier this year.

About 600 members of the Fretilin National Armed Forces arrived at the government office on board vehicles while about 300 members of the national police marched from their headquarters.

Both contingents were tightly guarded by armed members of the UN police.

President Xanana Gusmao says the wounds of recent events are healing and East Timor's forces are showing the way towards a lasting peace.

The rally followed a series of meetings between the country's leaders, the heads of the police and military, the church and top politicians.


Truth, West Papua and Indonesia: 2 + 2 really can = 5

By Adam Henry - posted Thursday, 16 November 2006

The enigmatic Jakarta Lobby is “… an informal group of like-minded people who regard Indonesia as a special case”. It is not a clandestine conspiracy, but an alliance of elites although some would deny the group’s very existence.

The Jakarta Lobby operates from a position of privilege within the Australian establishment. Pro-Jakarta advocates have long recognised the dangerous potential for human rights violations in West Papua to become a major diplomatic issue. Fearful of being placed on the ethical back foot, as they had been with East Timor, such advocates have been emerging at regular intervals from within the diplomatic establishment to deliver their message.

The recent past - a call to arms

On March 8, 2006 the Ambassador Richardson who is a former director–general of ASIO, addressed The US-Indonesia Society: a group founded in 1994 to counter negative perceptions after repeated TNI (Indonesian National Defence Forces) human rights violations in East Timor.

The powerfully connected lobbyists of the US-Indonesia Society have been described as Indonesia’s “… second Embassy in Washington”. The former director general of ASIO ridiculed the existence of any Australian Jakarta lobby. He said only “some Australian commentators” maintain the existence of a Jakarta Lobby “… who conspire together to pervert Australia’s national interests (this includes) all government officials who have either served in Indonesia, or who have worked on Indonesia in Canberra.”

In the audience was the Indonesian Ambassador to the US, Sudjadnan Parnohadin-Ingrat, who was previously the Ambassador to Australia. Sudjadnan was the secretary to the Indonesian Task Force during the 1999 United Nations independence ballot in East Timor.

Richardson’s pleas for unquestioning support for Indonesia are essential given the manner in which Indonesian elites such as Sudjadnan make use of the critical silence from Australia.

Questioned by The Washington Diplomat on Indonesian human rights Sudjadnan responded to an estimate that the TNI “… may have killed up to 200,000 Timorese during Indonesian rule”. Sudjadun made no effort to dispute the figure seeing them as mere casualties of a secessionist war. As he said “… If (only) about 200,000 out of 220 million people (wanted to secede) I don’t think this is very serious”.

I believe East Timor under Indonesian rule (1975-1999) is comparable to the Killing Fields of Cambodia. There can be no doubt that intelligent men like Richardson are not ignorant of statistics. After independence in 1999 a UN report concluded “… human rights violations were massive, systematic and widespread … starvation, arbitrary executions, routinely inflicted horrific torture, and the organized sexual enslavement and sexual torture of Timorese women were the hallmarks of the Indonesian authority and 183,000 est. Timorese starved or died of illness as a consequence of TNI-Kopassus actions during Indonesian rule.”

When a powerful man like Richardson holds that nothing should hinder the Indonesian dream, we like Sudjadnan, possess enough understanding of the English language to comprehend the underlining significance i.e. issues like corruption and human rights are mere sideshows.

Richardson’s style of commitment to Indonesia ignores the validity of human rights concerns over the actions of the TNI. Instead of using his speech to separate himself from Sudjadnan’s East Timor 2 + 2 = 5 proposition I believe that, maybe unwittingly, Richardson urges unquestioning and principled support of Jakarta Lobby policies. Many efforts are now being made to build on his lead.

The present - the Jakarta lobby attacks

Paul Kelly wrote a characteristically expert opinion piece in The Australian (See “A new diplomacy over Papua”, October 7, 2006). Kelly enthusiastically endorsed the Lowy Institute Report, The Pitfalls of Papua, as the virtual final word on the West Papua debate.

Kelly rightly points out there are differences between East Timor and West Papua that deserve analysis, but again fails to analyse his conclusions correctly.

Due to the presence of the Freeport Mine the scale of TNI corruption and business interests in the forestry sector is much greater than in East Timor. The two nationalist movements also differ in structure, unity and cohesiveness. The ethnic and linguistic diversity of Papuans is a factor. In common though is the reality of human rights violations. This commonality is not due to the loud and unsympathetic critics, but in my view to the inability of the TNI to not kill reluctant Indonesian citizens in large numbers.

Rewriting the past - the need to forget

The Jakarta Lobby argued for 25 years of the unending benefits of an Indonesian East Timor.

Human rights concerns were dismissed as exaggerations or just ignored. When Paul Keating visited Jakarta in 1991 he praised the rise of Suharto’s “New Order” government as the most beneficial event to Australian security since World War II.The 1965 massacres that established the New Order were then presumably beneficial in much the same way as Kokoda.

In 1965 American embassy officials, with the help of the CIA, compiled lists of suspected high-ranking communists within Indonesia that were handed to the Indonesian army. According to the CIA, 1965 was one of greatest massacres and significant events of the second half of the 20th century to be compared with Stalin’s purges, the mass murder of the Nazis during World War II and the Maoists in the early 1950’s.

Such was the carnage that the US Embassy advised Washington that it did “… not know whether the real figure is closer to 100,000 or 1 million (dead) but believed it wiser to err on the side of lower estimates, especially when questioned by the press”.

The US attitude toward the mass killings was indifferent. Howard Federspiel formerly of the Bureau of Intelligence & Research (US State Department) remembered that: “No one cared, as long as they were communists … No one was getting very worked up about it”.

At the end of the bloodletting the Australian Prime Minister Harold Holt stated, “With 500,000 to a million Communist sympathisers knocked off … I think it is safe to assume a reorientation has taken place.” At least this truthfully expressed the scale of death required to create the preferred western political climate of stability in Indonesia.

Keating’s speech made no reference to the historical realities of 1965, but it may be speculated that Suharto understood clearly. Journalist Glen Milne (The Australian, April 25, 1992) saw that “… Keating had passed the first test of his leadership, successfully driving Australian-Indonesian relations beyond the policy straight jacket of East Timor”.

Australian journalists continued to be supportive of the regime but a year later Suharto was overthrown by a widespread citizen reform movement.

Political language - it’s logic Jim, but not as we know it

Critics of the Jakarta Lobby were labelled anti-Indonesian, ignorant or just garden-variety racists. Such is the Lobby group’s mentality that NGO’s, human rights activists, the Catholic Church, critical media reportage and even Portugal were roundly condemned by the group for the violence perpetrated by the Indonesian military throughout the 80’s and 90’s in Timor.

Two Dili massacres occurred in November 1991 and the commentaries of Pro-Jakarta advocates just demonstrated their extreme political language and mentality.

The death toll was actively minimised while the second massacre was ignored. Greg Sheridan and Richard Woolcott, a former Ambassador to Indonesia, actually blamed Portugal for provoking the atrocity.

Former ANU Economics Professor Heinz Arndt lamented in The Australian, “… that the massacre was a tragedy, not because of the loss of life but because it inflamed anti-Indonesian hate campaigns in Australia”.

Such commentaries seemingly implied that the unarmed dead were an extreme anti-Indonesian stunt by Timorese, who selfishly placed themselves in the path of innocent Indonesian automatic gunfire. The entire event of course staged solely for the domestic benefit of those meddlesome Australian do gooders who sympathised with the plight of the East Timorese.

In regard to 1965, Aceh, East Timor and now West Papua, the Jakarta Lobby lack the moral courage in their ethical position to acknowledge that one must accept murder and atrocity so long as it brings about a potential climate of advantageous diplomatic relations with Jakarta.

To be unquestioning of the merits of the Jakarta Lobby approach to Indonesia is to suspend belief in logic and to obscure human suffering. To be critical of the Indonesian military for its documented and appalling human rights record is not anti-Indonesian. Its urgent reform is required as much for ordinary Indonesians, and their fledgling democracy, as is for the future of human rights in the eastern Indonesian islands.

When George Orwell noted “Political language … is designed to make lies sound truthful and murder respectable, and to give an appearance of solidity to pure wind” he highlighted the ethical blackhole of the so-called necessary or noble lies used to pursue short-term political gain.

People who support such tactics demonstrate the ongoing wisdom of Orwell’s philosophical insights.

Ver o artigo completo aqui.

PM alerta "interferências" normalização relações forças segurança

Díli, 15 Nov (Lusa) - O primeiro-ministro timorense, José Ramos-Horta, alertou hoje para "possíveis interferências" no processo em curso de normalizaçã o de relações entre as forças de defesa e de segurança de Timor-Leste.

Em declarações à Lusa no final de uma parada em Díli em que participara m 600 efectivos das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) e da Políc ia Nacional de Timor-Leste (PNTL), Ramos-Horta disse que a iniciativa "já é uma garantia muito importante para que as duas instituições não voltem a digladiar-s e".

"Independente de possíveis interferências, de pessoas estranhas às inst ituições", alertou, sem entrar em detalhes.

Ramos-Horta referiu que a parada realizada hoje em frente ao Palácio do Governo, presidida pelo chefe de Estado, Xanana Gusmão, e na presença dos titul ares dos restantes órgãos de soberania, constituiu "um dos muitos passos" que tê m sido dados "ao longo de semanas de diálogo muito paciente" e com "muita abertu ra e muita franqueza".

"Mas são precisos mais passos para sarar completamente as feridas, esta bilizar o país e preparar para as eleições [presidenciais e legislativas de 2007 ], para que de futuro os acontecimentos trágicos de Abril, Maio, Junho e Julho n ão voltem mais a acontecer", frisou.

Ramos-Horta salientou que participou em "inúmeras reuniões" com militar es e polícias e destacou que os comandos das duas forças "deram passos enormes e m frente na sua aceitação mútua".

Notório no início da cerimónia foi o forte abraço trocado entre o coman dante das F-FDTL, brigadeiro-general Taur Matan Ruak, e o comissário Paulo Marti ns, comandante da PNTL.

Ramos-Horta recordou idêntico abraço trocado pelos dois homens, há cerc a de duas semanas, em casa do Presidente Xanana Gusmão, em Balibar, arredores de Díli, durante um encontro de confraternização patrocinado pelo chefe de Estado e pelo primeiro-ministro.

"Participei nos encontros privados que tivemos com eles, o Presidente e eu, e já na altura, o comandante Paulo Martins, com lágrimas nos olhos e a soluçar, a pedir desculpa ao brigadeiro-general Taur Matan Ruak pelo ataque à sua casa, em Maio passado", recordou.

"Paulo Martins negou rotundamente que tivesse dado ordens para esse ataque, cuja responsabilidade disse pertencer a um oficial da polícia, sem qualquer aval do comando da PNTL. Na altura, Taur Matan Ruak abraçou-o e aceitou a explicação", adiantou.

O primeiro-ministro timorense referia-se ao ataque levado a cabo a 25 d e Maio, contra a residência de Taur Matan Ruak por elementos liderado pelo antigo 2º comandante da PNTL no distrito de Díli, Abílio Mesquita "Mausoko".

Aquele quadro da PNTL encontra-se actualmente detido, a aguardar a conclusão da instrução do processo-crime que foi aberto por esse ataque.

Referindo-se novamente aos encontros que têm reunido militares e polícias, José Ramos-Horta disse que vão "continuar nos próximos dias e semanas".

Quanto ao regresso da PNTL e das F-FDTL às suas actividades normais, Ramos-Horta disse que no caso da polícia "importa ter muita cautela".

"Vamos continuar primeiro com todo o esforço de verificação dos polícia s. Não vamos acelerar demais o processo, porque é preciso muita cautela. Nada de falsos entusiasmos e fazermos corta-mato para a normalização da PNTL", acrescentou.

O processo de verificação referido pelo primeiro-ministro diz respeito ao controlo que está a ser feito a cada agente, confirmando que não existem acusações quanto à participação nos actos de violência registados desde Abril passado.

"Do lado das forças de defesa, temos estado em reunião com eles, com membros do governo, com as forças internacionais e as Nações Unidas", afirmou.

"Devo dizer, muito claramente, que eu enquanto primeiro-ministro e ministro da Defesa [pasta que acumula no II Governo Constitucional], não vejo razão para que não seja feita a normalização das actividades das F-FDTL", frisou.

Na sequência da crise, as F-FDTL remeteram-se no final de Maio às suas unidades.

"Obviamente que não serão actividades ligadas ao que é o trabalho normal de polícia. Mas sim a livre circulação dos elementos das F-FDTL em todo o território, para que possam fazer os seus trabalhos de treino e exercícios de formação", explicou.

O processo está ainda a decorrer, mas Ramos-Horta está convicto que dentro de uma semana, já haverá um documento a esse respeito.

"Ainda estamos neste processo de consultas, com o próprio comando das F -FDTL, e talvez na semana que vem já teremos um documento para falar com os australianos e as Nações Unidas para a normalização da vida" das forças armadas, garantiu.

No final da cerimónia, a Lusa tentou obter comentários do Presidente Xanana Gusmão, mas o chefe de Estado recusou repetidamente falar à imprensa.

A parada realizada hoje visou demonstrar a normalização das relações entre as duas instituições, mas persistem ainda receios sobre eventuais aproveitam entos para deteriorar a crise.

Nesse sentido, a Lusa teve acesso a SMS enviados pela cooperação australiana aos cidadãos australianos, aconselhando-os a que regressassem a casa a par tir das 16:30 locais (07:30 em Lisboa), devido à realização da parada, por receio de eventuais incidentes.

Também o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) distr ibuiu um SMS informando os seus funcionários que evitassem as zonas da cidade po r onde iria passar a "marcha de paz das F-FDTL e da PNTL".

A parada foi acompanhada por cerca de 1.500 pessoas e não se registaram quaisquer incidentes.



Comunicado - PM em inglês



Dili, November 15 2006
Timor-Leste medical students in Cuba ‘the best and most disciplined’

Timor-Leste’s 498 students in Cuba are considered to be the best among thousands of overseas people studying medicine there – in terms of results and discipline, according to Vice-Minister of Health Luis Lobato.

“Our young people are a credit to all of Timor-Leste as they work hard and show great discipline,” Mr Lobato said. “I am told by Cuban authorities that they are the best.

“The kindness, sincerity and generosity of the Cuban people and Government is overwhelming. Despite all it is currently doing for Timor-Leste, Cuba is taking another 200 of our students in the coming months.”

Twenty one other countries have people studying medicine in Cuba, which is a poor and developing nation but with one of the best health systems in the world – in some cases far better than in the United States, where public hospitals in some instances are no better than hospitals in developing countries.

Cuba also has 302 doctors working throughout Timor-Leste. More than 120 of these doctors are specialists working in hospitals in Dili, Maliana, Baucau, Suai, Oecussi and Maubissi. Although the Timor-Leste Government initially contributed a modest amount to the costs associated with the program, the Cuban Government now pays the wages of all its doctors and charges our medical students nothing for studies.

Prime Minister Dr José Ramos-Horta today praised the commitment and courage of the Cuban doctors helping Timor-Leste.

“During the worst of the crisis in May, June and July our Cuban doctors stayed unconditionally in the villages and hospitals with the patients and the people, providing the much-needed moral, medical and psychological support,” Dr Ramos-Horta said.

“This is in contrast with American Peace Corp volunteers, who, even though there was not the slightest threat to their safety and well-being in rural areas, were given orders by the US administration to leave our country.

“The Cuban courage and commitment is also in contrast with the Japanese. JICA, the Japanese International Co-operation Agency, abruptly interrupted its co-operation in Timor-Leste, even though there was never any threat to Japanese nationals, particularly in the rural areas.”

The original scholarship program between Cuba and Timor-Leste was discussed on the sidelines at a summit meeting of the Non-Aligned Movement in Kuala Lumpur in 2003 when President Xanana Gusmão met Cuban President Fidel Castro and 50 medical scholarships were offered at that time. Dr Ramos-Horta was there in his capacity as Foreign Minister.

Subsequently, the Cuban Government raised the number of scholarships to a maximum of 1000.

“Thanks to the generosity of another relatively poor nation, when we have at least 500 of our students complete the course and return – together with the ones studying in Timor-Leste and other countries – we will have a ratio of doctors-to-population as high as that of any developed country,” Dr Ramos-Horta said.

“Timor-Leste has been blessed by having many nations as real friends, but I must ask: what greater gift can we receive than a guaranteed health system for our people? This is the gift from the people of Cuba.”

The Prime Minister stressed that Timor-Leste did not interfere in the internal affairs of other countries and their choice of political system.

“The US and Cuba might not have diplomatic relations and have been in a state of “no war, no peace” for the past 40 years or so,” Dr Ramos-Horta said, “but Timor-Leste has good solid relations with both.

“The Cubans treat our young people wonderfully. They are allowed to practise their religion without interference and I have asked our church whether they could send a chaplain to Cuba to minister to our students’ spiritual needs.

“I have also asked Bishop Carlos Belo to visit our students and he will do this soon.”

Last Monday the Prime Minister and Vice-Minister for Health addressed a gathering of several hundred parents and other relatives of the students in Dili. Dr Ramos-Horta told the gathering that all of Timor-Leste was very proud of the commitment the students were making to the nation.

Timor-Leste has other medical students in Indonesia, Portugal, the Philippines, Fiji, Malaysia and Australia.

“When our doctors return in 2012 I hope we will have one doctor for every village,” Dr Ramos-Horta said.


Notícias - traduzidas pela Margarida

PM diz que oficial das forças armadas e líder de milícia devem entregar as armas

Dili, 15 Nov. (AKI) – O Primeiro-Ministro de Timor-Leste, José Ramos-Horta acusou o soldado desertor, Major Alfredo Reinado Alves e o líder do grupo de milícia civil, Vicente "Railos" da Conceição, de terem ainda armas em seu poder e pediu-lhes que as entreguem. "Tenho informação credível que o Major Reinado e o grupo do Railos ainda têm armas automáticas e não sei para quê. Para parar com o derramamento de sangue em Timor-Leste, peço-çhes que entreguem o resto das armas às tropas internacionais ou à UNPOL (polícia da ONU)," disse Ramos-Horta a Adnkronos International (AKI).

O treinado pelos Australianos Major Reinado desertou em 4 de Maio 2006 para se juntar a cerca de 600 antigos soldados que tinham sido despedidos depois de se queixarem de discriminação em promoções. O seu despedimento começou a crise em Timor-Leste. Preso pelo seu papel na violência, o Major Reinado está ainda ao largo depois de ter fugido da prisão em 30 de Agosto.

Vicente “Railos” da Conceição é o líder duma milícia civil alegadamente formada pelo antigo Primeiro-Ministro Mari Alkatiri para se livrar dos seus opositores políticos.

Tanto o Major Reinado como o Vicente “Railos” da Conceição tinham alegadamente entregue as suas armas há alguns meses.

Horta sublinhou que o não cumprimento com este ultimato levará a consequências horríveis.

“É dever das tropas internacionais perseguir os que não têm o direito de ter armas como o Major Alfredo e o grupo do Railos. Não haverá misericórdia para os que ainda têm armas,” disse Ramos-Horta a AKI acrescentando que os dois amotinados estão escondidos no mato.

As palavras do primeiro-ministro enraiveceram o líder da milícia “Railos” da Conceição, que o Adnkronos International encontrou na sua casa na cidade de Liquica.

Railos, que disse nunca ter saído da sua cidade, definiu Ramos-Horta como “um homem não muito inteligente,” e disse que o primeiro-ministro não tem nenhuma evidência e que na realidade não quer resolver o problema.

“Nunca saí da cidade de Liquica nem fugi para o mato como o Horta disse. O meu grupo e eu entregámos as nossas armas às tropas internacional à frente do próprio Horta e de outras personalidades em Julho. Como é que ele me pode ainda acusar de ter armas? Esta é uma acusação séria,” disse ad AKI.

“O Horta não é muito esparto e falta-lhe vontade política para resolver o problema,” acrescentou Railos.

As armas da milícia de Railos foram distribuídas do arsenal dum ramo das forças de segurança. Entretanto, o administrador em exercício da UNMIT, Finn Reske-Nielsen confirmou em Dili que 96 por cento das armas já foram reunidas e estão recolhidas.

“Mais de 3,000 armas já estão reunidas, incluindo a grande maioria das armas de canos longos,” disse Reske-Nielsen a AKI.

Contudo, o comissário da UNPOL em Timor-Leste, Antero Lopes, disse que há cerca de 200 armas que pertencem à polícia nacional que ainda estão por recolher.

“Cerca de 200 armas da PNTL [polícia de Timor-Leste] que foram distribuídas ainda não foram recuperadas e estamos na pista delas,” acrescentou Lopes


A UNMIT anuncia a nomeação do Vice-Representante Especial do Secretário-Geral para Timor-Leste

UNMIT - 15 Novembro 2006

DILI - Eric Tan Huck Gim foi nomeado Vice- Representante Especial do Secretário-Geral (DSRSG) para o Sector da Segurança e Domínio da Lei da Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT). Mr. Tan é um Brigadeiro-General reformado das Forças Armadas de Singapura.

Como membro da equipa de gestão de topo da, Mr. Tan é responsável pelo apoio ao sector da segurança, direitos humanos e justiça de transição, apoio à administração da justiça, polícia da ONU e a componente militar da ONU. Mr. Tan agirá como chefe da missão na ausência do Representante Especial.

Mr. Finn Reske-Nielsen, correntemente o SRSG em exercício, saudou a nomeação de Mr. Tan. “Conforme avançamos no trabalho do mandato da missão, saúdo a chegada de Mr. Tan à UNMIT e estou satisfeito por ter alguém do seu calibre no cargo,” disse. “O Mr. Tan administrará o apoio do sector de segurança da Missão que dará aconselhamento sobre a governação em geral do sector de segurança incluindo o da reforma da polícia e da força da defesa. É um trabalho exigente mas tenho confiança que Mr. Tan, com as suas qualidades de liderança e as suas excelentes qualificações profissionais fará um trabalho esplêndido.”

Antes de se juntar à UNMIT, Mr. Tan ocupou o posto de Director de Administração na Lee Kuan Yew School of Public Policy, na Universidade Nacional de Singapura. Mr. Tan serviu nas Forças Armadas de Singapura (SAF) durante 32 anos antes de se reformar em Outubro de 2005. A sua última colocação militar foi de Comandante do Instituto de Educação e Treino de Oficiais das SAF’s Tri-Service. Esta nomeação começou em Novembro de 2003. Antes, de 2002 até 2003, Mr. Tan serviu como Comandante da Força da componente militar da UNMISET liderando uma força multinacional de mais de 3,000 elementos.

Como oficial de Artilharia, Mr. Tan teve vários postos de comando incluindo o de Comandante da 9ª Divisão de Singapura de 2000 a 2002 e Oficial Chefe de Artilharia de 1997 a 2000.


UNMIT - Revista dos Media Diários
Quarta-feira, 15 Novembro 2006

Relatos dos Media Nacionais
TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisão de Timor-Leste

Os deslocados estão agora a regressar a casa

No seguimento de um encontro comunitário com jovens representantes de Becora e Kulau, João da Silva “Choque” e Jacinto da Silva “Hadia Kulau”, alguns deslocados começaram a regressar a casa. O STL relata que o encontro, num ambiente familiar/amigável e moderado por Fr. Guilhermino da Paróquia de Becora, discutiu muitas questões de preocupação como garantir a segurança. Jacinto da Silva ‘Kulau’ disse que Kulau foi uma das áreas mais afectadas durante a crise e que os jovens devem ter um papel maior no estabelecimento de um ambiente de paz para garantir segurança aos deslocados que querem regressar às suas casas, acrescentando que muita gente do leste já voltaram às suas casas. Disse ainda que os jovens de Kulau saudaram a noção e que estão a dar segurança aos que decidiram regressar a casa. Jacinto da Silva ‘Kulau’ disse que está feliz com as acções de paz realizadas pelos jovens em relação com as comemorações do massacre de 12 de Novembro. Apontou que se tinha dado um passo que abriu o caminho para o diálogo e re-integração comunitária, acrescentando que a próxima fase será limpar os campos frente ao porto do mar, o aeroporto e outras áreas. João da Silva “Choque” disse que os dois dias de marcha pela paz foram um sucesso apesar de alguns acidentes com pedras atiradas, o que de acordo com ele, não é importante, pois que há sempre provocadores, e apelou aos organizadores para continuarem a manter as suas posições e a trabalharem para a paz e estabilidade da nação. O Coordenador do campo do aeroporto em Comoro, José da Silva Gusmão sublinhou que o campo de deslocados expressou a vontade de regresso às suas casas se os jovens lhes garantirem segurança. (STL)

O Major Tara encontrou-se com o Brigadeiro-General

O Major Augusto de Araújo “Tara” encontrou-se com o Brigadeiro-General das F-FDTL Taur Matan Ruak pela segunda vez em relação a planos para os veteranos viajarem para Dili e estabilizarem a situação. O deputado Riak Leman organizou o encontro. Disse que muita gente, incluindo o governo, inicialmente concordou com o plano mas que o governo depois decidiu não o apoiar por causa da falta de fundos. Além do plano, tanto Tara como Ruak discutiram os subsídios para os peticionários visto que alguns deles do Distrito de Ainaro estão correntemente a enfrentar dificuldades extremas. Também discutiram a construção de casas para os veteranos e para as pessoas que perderam as suas casas em resultado da crise. (STL)

Acesso dos media restringido

Jornalistas do Timor Post (TP) e do Diario Nacional relataram que os media estão a enfrentar dificuldades em acederem a informação sobre as actividades correntes do Primeiro-Ministro o que contrasta com o do antigo Primeiro-Ministro. De acordo com o TP, no tempo do Primeiro-Ministro Alkatiri, a sua equipa de relações públicas permitia que os media tivessem acesso às suas actividades diárias. Os jornalistas estão descontentes com o sistema adoptado pelo escritório de relações públicas do PM Ramos-Horta (TP)

Delegação da Grã-Bretanha encontra-se com Barris

Uma delegação da Grã-Bretanha incluindo o Embaixador com base em Jakarta visitou Timor-Leste na Terça-feira e encontrou-se com o Ministro do Interior Alcino Barris para discutir assistência à segurança e à justiça. De acordo com Barris, foi também uma oportunidade para explicar à delegação as funções da polícia antes e depois da crise e a visão de desenvolvimento do ministério.

O Presidente determinado a retirar o projecto

Francisco Guterres “Lu-Olo” está determinado a retirar o projecto de lei eleitoral da Comissão A do Parlamento Nacional se continuar a atrasar a apresentação do documento ao plenário. Guterres disse que o documento foi apresentado à Comissão em 25 de Outubro e que pessoalmente não sabe a razão para estar parado. Mas insiste que o relatório e as sugestões devem ser apresentados à sessão plenária e aprovadas dentro desta semana acrescentando para permitirem que o STAE e a Comissão Nacional Eleitoral prossigam com os preparativos para as eleições de 2007. (TP)


SEAPA/Pacific Media Watch - Quarta-feira, 15 Novembro 2006, 10:59 am

Quando cresce a violência política, jornalista apedrejado por multidão, recebe ameaças de morte

BANGKOK - Um repórter local a trabalhar para a Agence France-Presse (AFP), Nelson da Cruz, foi atingido na cara com uma pedra atirada por um jovem não identificado quando se dirigia para fazer a reportagem de um distúrbio em Dili em 9 de Novembro de 2006.

Da Cruz, que trabalha também como jornalista para a Televisão de Timor-Leste (TVTL), ia levar três amigos a casa em Kampung Baru, Komoro, um subúrbio de Dili, quando recebeu a informação sobre um distúrbio no distrito próximo de Kolmera.

No caminho, no cruzamento de Kolmera e Bebora, um grupo de jovens armados com paus e facas estavam a apedrejar carros que passavam e a tentar abrir as portas dos veículos. Conseguiram fazer com que Da Cruz parasse o carro e perguntaram-lhe se ele era de "Lorosae ou de Loromonu" (as parles leste e oeste de Timor-Leste).

Da Cruz respondeu identificando-se a si próprio como um jornalista. Descontentes, os jovens repetiram a pergunta. Quando Da Cruz lhes ia responder outra vez, um deles atirou uma pedra que o atingiu na cara; um outro bateu no vidro do carro. Quando Da Cruz começou a sangrar abundantemente, o grupo deixou-o ir.

Da Cruz procurou tratamento num hospital, onde recebeu quatro pontos na ferida. Relatou depois o incidente para o escritório do "Timor Post" em Bebora, para o jornal "Suara Timor Lorosae" e para o editor da AFP em Jakarta, Indonésia.

Desde Abril que a violência crescente por diferenças entre as regiões leste e oeste de Timor-Leste matou pelo menos 37 pessoas e tirou 15 por cento da população das suas casas. A força de polícia da ONU está a ajudar a restaurar a ordem nesta jovem nação com um passado traumático e que ganhou a independência da Indonésia somente em 2002.

Da Cruz e os seus colegas têm ficado nos seus escritórios desde que as suas casas foram queimadas. Receiam também pelas suas vidas, tendo recebido ameaças de morte.

Respondendo ao ataque contra Da Cruz, o Co-Vice-Editor-em-chefe do "Suara Timor Lorosae" Domingos Saldanha, apelou à comunidade para verem os jornalistas como amigos, dizendo que os jornalistas não se engajariam em actividades que prejudicasse as pessoas.

"O trabalho de um jornalista é cobrir as histórias novas da comunidade e transmiti-las para o público. Como jornalistas, não fazemos distinções [entre raças ou gente de origens étnicas diferentes] e religiões . . . olhamos sempre as pessoas de Timor-Leste como uma comunidade," disse.


The Age - Novembro 15, 2006

Abraços, lágrimas em Dili levantam esperanças para a paz
Lindsay Murdoch, Darwin

Depois de meses de violência, centenas de jovens de gangs rivais juntaram-se nas ruas de Dili para se abraçarem uns aos outros, partilharem lágrimas e celebrar uma paz frágil.

"Parece que a paz, não a guerra, está a irromper em Timor-Leste," disse ontem o Primeiro-Ministro do país, José Ramos Horta.

Apesar de haver ainda mais de 60,000 pessoas a viverem em campos miseráveis de deslocados demasiadamente receosas de voltarem para as suas casas, e de amotinados armados se manterem ao largo nas montanhas de Timor-Leste, o Sr Ramos Horta disse que encontros recentes que envolveram ele próprio, o Presidente Xanana Gusmão e líderes das forças armadas e da polícia do país podem marcar o fim de violência de meses que deixou mortas mais de 30 pessoas e 2000 casas e edifícios destruídos.

O Primeiro-Ministro disse que ouviu "palavras honestas e humildes " dos líderes das forças armadas e da polícia e que eles tinham prometido trabalharem juntos para a reconciliação, a estabilidade e a paz.

"Para consolidar a paz, é preciso fazer muito mais nas próximas semanas, mas sejam quais forem os obstáculos colocados à nossa frente não desistiremos de procurar a paz, a harmonia e a democracia," disse numa declaração emitida em Dili.

O Sr Ramos Horta disse que nos últimos dias mais de 1000 jovens tinham partilhado lágrimas e tinham-se abraçado uns aos outros em manifestações pela paz na estrada principal entre Dili e o aeroporto, a cena de alguma da pior violência recente. Em 21 de Novembro, em Dili realizar-se-á um encontro formal com todos os actores políticos de Timor-Leste.

O Sr Ramos Horta, que foi nomeado em Junho no ponto mais alto do levantamento político, disse que como Ministro da Defesa era da sua responsabilidade garantir que as forças armadas de Timor-Leste com 800 elementos estivessem armadas, mas disse que não compraria mais armas para a polícia ou para as forças armadas.

"Já há demasiadas armas no nosso país," disse. "Todos nós já vimos demasiadas mortes, demasiada violência e demasiado chorar pelos mortos. "Vejo o meu papel como de cuidar das mentes e das almas dos nossos polícias e militares. Chega de pistolas!"

Parada conjunta F-FDTL / PNTL - Fotografias (5)



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.