sexta-feira, novembro 17, 2006

What is not being said in the Lombok treaty

November 17, 2006

The Jakarta Post
Duncan Graham, Surabaya

There's a critical five-letter word absent from the Framework for Security Cooperation agreement signed this week (Monday Nov. 13) in Lombok between Indonesia and Australia.

The missing word is "Papua".

Despite its invisibility this is at the heart of the seven-page document dubbed the Lombok Treaty by Australian Foreign Minister Alexander Downer and his Indonesian counterpart Hassan Wirayuda.

Discussions leading to the pact have been running for two years. But the decision by Australia to give asylum to 43 Papuan refugees who sailed to Australia last January put fuel in the negotiators' tanks.

The document is full of motherhood terms and rubbery words -- diplomatic delights like "reaffirming", "recognizing" and "emphasizing." If these help establish trust then quibbling is out of place.

Inevitably the Lombok Treaty is short on what will actually be done in real terms, although Article 6 includes an "implementing mechanism". This commits the two countries to "take necessary steps" and "meet on a regular basis".

When there's a dispute -- which is certain given the great gulf between the two countries' values and cultures -- this shall be "settled amicably by mutual consultation or negotiation." There are no sanctions.

One issue has already been determined: If there's any strife about interpreting the bi-lingual document then the English text will prevail.

Although the emphasis is on security this isn't a military alliance. Such a treaty is prohibited under Indonesian law. The issue here is terrorism and just seems to reinforce already existing arrangements with the police and the military.

Nor is the treaty a law. Ahead lies ratification by both governments. In the wash-up only mutual goodwill will make this agreement work.

As anticipated there's a clause on drug trafficking. Watch out if death penalties are enforced against Australian drug runners and the talkback radio vitriolic shock jocks start slandering Indonesia again, demanding Canberra intervenes. Then the lines on "good neighborliness and non-interference in the internal affairs of one another" will get a real acid test.

There's no doubt the Australian government and opposition fear the "Balkanisation" of the Republic and want a unified and stable Indonesia.

Canberra, the region's perceived deputy sheriff, is facing multiple crises among the alleged "failed states" of the Pacific, along with problems in Timor Leste and Papua New Guinea. It certainly doesn't want more regional hassles.

The key point on Papua is Article 2, Item 3 -- a black-letter lawyer's gem:

"The Parties, consistent with their respective domestic laws and international obligations, shall not in any manner support or participate in activities by any person or entity which constitutes a threat to the stability, sovereignty or territorial integrity of the other Party, including by those who seek to use its territory for encouraging or committing such activities, including separatism, in the territory of the other Party." ("Party" means nation.)

Does this mean that any future boat people who dig their toes into Australian sand won't have claims for refugee status recognized?

The answer will come when and if that happens. But any careful reading of the words above -- particularly the phrase about "domestic laws and international obligations" -- doesn't score out a repeat of this year's successful bids for asylum.

At that time the Australian government said it was powerless to act under law once an administrative decision had been made. It also knew the electorate was backing the Papuans.

When the government tried to buttress immigration law this was interpreted as an attempt to appease an inflamed Indonesia. The bid failed in August when Prime Minister John Howard withdrew the Migration Amendment Bill once he foresaw defeat. Even a few members of his own coalition were barracking for the Papuans.

If that same Papuan refugee scenario is rerun in the months ahead, the Indonesian outrage that led to ambassador Hamzah Thayeb being recalled for three months could erupt again.

Indonesians who recall with pleasure the Soeharto New Order administration still find it difficult to understand that in a democracy governments are not all powerful.

The shrill lobby groups in Australia seeking a free Papua (which they call West Papua) are unlikely to be muzzled by this treaty. They won't get any taxpayers' money. Their demands will be ridiculed and rejected by the government -- and probably the Labor Party opposition that has so far given the treaty its cautious blessing.

Yet none of this is likely to quench the determination of the NGOs, church groups and minority party politicians. In fact it could help their cause. In the court of Australian public opinion where "getting a fair go" rules debate, being the underdog is always the favored position.

So the more the Papua separatists are rubbished and their statements undermined, the more their allegations of human rights abuses will get an airing and an audience. These claims will infuriate the Indonesian government and people, and ensure Papua remains the new pebble in the shoe of relations between the neighbors.

Unless serious political and administrative reforms are made to the satisfaction of the locals, effectively neutering the Australian agitators.

It happened in the most western province of the Republic -- so why not in the most eastern part?

The writer is an East Java-based journalist.


RI pursues $1 billion arms deal with Russia

November 17, 2006
Tony Hotland, The Jakarta Post, Jakarta

The Indonesian government has agreed to purchase military equipment worth US$1 billion from Russia in an effort to diversify its arms sources, Defense Minister Juwono Sudarsono said Thursday.

Purchasing arms from Russia, he said, keeps the country from being totally dependent on American military products, which is important if there is another arms embargo by the U.S. in the future.

The U.S. government completely lifted its arms embargo on Indonesia only this year. The embargo was put in place after the Nov. 12, 1991, Santa Cruz cemetery massacre in Dili, East Timor (now Timor Leste), by the Indonesian Military, in which over 200 people were reportedly killed.

Almost all of Indonesia's military equipment, some of which became inoperable due to the embargo, was made in the U.S.

The military says it didn't purchase arms during the embargo, but reports say it bought some in the gray market, including from Israel through third parties.

Juwono said the U.S. had no objection to Indonesia's deal with Russia, although it did investigate what Indonesia planned to buy from the country.

The $1 billion export credit, to be integrated into the state budget, will last for five years, from 2006 until 2010, although the first arms shipment is not expected until next year.

Juwono said Indonesia had ordered five new cargo helicopters, four combat helicopters, two submarines and six fighter jets from Russia.

President Susilo Bambang Yudhoyono is set to visit Russia later this month after a trip to Japan, but he will not visit weapons factories there.

Purchasing combat weapons, said Juwono, was essential for the military of a country as vast as Indonesia, to fight external threats from other countries.

"Every military needs to have a balance between combat equipment, transportation and supplies. We must have fighting resources of at least one and a half squadrons if we don't want to be harassed," he said.

An interdepartmental team left for Russia in March to examine the arms, especially checking their compatibility with American products, along with their maintenance requirements and durability.

Juwono said this was a direct purchase between governments and did not involve the private sector.

Nonetheless, he said, the government would remain watchful for possibilities of Russia marking up the prices.

For the first shipment phase, the military will prioritize equipment required by the Air Force.

The $1 billion budget is part of the $3.7 billion allocated for arms purchases by the Indonesian Military through export credits over the next five years, starting effectively in 2007.

This budget is part of the government's mid-term development plan, which was enacted in 2004.

"The remainder will go to buying arms from the U.S. or Poland. We're also balancing purchases from other countries such as Australia, Japan, Korea and possibly India. The long-term goal remains building our domestic industry, but it's a fact that we are not yet able to assemble combat weapons," said Juwono.


Military chief wants border body

The Jakarta Post
November 17, 2006

KUPANG, East Nusa Tenggara: The head of the Udayana Military Command, which is responsible for Bali and West and East Nusa Tenggara, on Thursday urged Indonesia and Timor Leste to form a joint border committee.

After touring areas on the Indonesian side of the border with Timor Leste, Maj. Gen. Syaiful Rizal said a joint body was necessary to help resolve border disputes, particularly in five areas that have proven to be prone to conflict.

Rizal said there had been conflicts between residents in Oecusi, Timor Leste, and Belu and Kupang regencies, Indonesia.

To stop these conflicts and prevent them from becoming full-blown clashes, he said security personnel from the two countries were temporarily conducting joint patrols.

"Indonesian border personnel and border patrol units from Timor Leste have taken the initiative to clear the conflict-prone areas of all activities. This is a joint policy from both countries," he said.

Speaking separately, Timor Tengah Utara Regent Gabriel Manek said there had been clashes between residents of the regency and residents of Oecusi, Timor Leste, over farmland.

"In order to prevent bigger conflicts, the two countries have agreed to ban all activity on the disputed land," Gabriel said. -- JP


Reitor vincou importância língua portuguesa em dia de aniversário da universidade

Díli, 17 Nov (Lusa) - A importância da língua portuguesa como língua de in strução foi hoje destacada em declarações à Lusa pelo Reitor da Universidade Nacional Timor Lorosae (UNTL), no dia em que a instituição completa seis anos de existência.

Benjamim Corte-Real destacou como uma das prioridades da única universidade estatal timorense a "imperativa urgência dos professores começarem a adquirir competências na apresentação das matérias em língua portuguesa".

"Pelo simples facto de não conseguirmos preparar os alunos de forma plena apenas com o tétum, que para nós é importante enquanto auxiliar didáctico mas que não podemos sobrecarregar como veículo didáctico principal", explicou.

Com cerca de 8.000 alunos, distribuídos por sete faculdades e 25 departamentos, na UNTL lecciona-se ainda em "bahasa" indonésio, mas o objectivo é que a partir de 2013 todos os cursos sejam ministrados em língua portuguesa.

Ao tétum, a outra língua oficial em Timor-Leste, está reservado o importante papel de auxiliar didáctico, como prevê a Lei Orgânica do Ministério da Educação timorense, aprovada recentemente em Conselho de Ministros e que aguarda promulgação do Presidente da República.

Benjamim Corte-Real defende que atribuir no imediato responsabilidades acrescidas ao tétum seria um modo de fragilizar essa língua.

"Para nós (a aprovação da Lei Orgânica) traz-nos muito mais benefício e confiança. Porque não podemos vincular um sector, tão importante e tão fundamental para a vida do país, a uma língua que ainda apresenta certos limites visíveis e a imprecisão do seu desempenho numa área que exige rigor e exactidão", salientou.

"Estaríamos talvez a sobrecarregar a língua de uma maneira precoce. E isso não queremos", frisou.

Para Benjamim Corte-Real, o objectivo é desenvolver o tétum, garantindo-lh e um "papel adequado ao seu estágio de desenvolvimento".

As sete faculdades existentes na UNTL são Educação, Agricultura, Engenharia Técnica, Economia, Ciências Sociais e Políticas, Medicina e Direito.

Praticamente a par da criação da UNTL, a Fundação das Universidades Portuguesas (FUP) - que congrega as Universidades públicas e a Universidade Católica -, com o apoio da Cooperação Portuguesa, tem vindo a colaborar de forma intensa c om Timor-Leste.

Vítor Ambrósio, coordenador do projecto da FUP, que tem cerca de cinco anos, disse à Lusa que actualmente se encontram 26 docentes portugueses a leccionar na UNTL.

"O que distingue este projecto, relativamente às outras faculdades, é que o ensino é todo ministrado em língua portuguesa", salientou.

Os professores enviados ao abrigo do projecto da FUP leccionam seis cursos: ciências agrárias, engenharia electrotécnica, engenharia informática, economia e gestão, língua portuguesa e direito.

No total são 1.000 alunos que frequentam os cursos em língua portuguesa.

O apoio da FUP, através da Cooperação Portuguesa, é ainda visível na ida de docentes e alunos timorenses a Portugal.

A competição ditada pelas cerca de 20 universidades privadas que subsistem em Timor-Leste tem sido ganha pelos alunos que frequentam os cursos ministrados ao abrigo do projecto da FUP.

"Grande parte dos alunos finalistas trabalham já em empresas ou na função pública timorense. É para nós um barómetro com sinais positivos", acrescentou Ví tor Ambrósio.

O 6º aniversário da criação da UNTL foi comemorado hoje no Ginásio, no interior do "campus" universitário, numa cerimónia presidida pelo primeiro-ministro José Ramos-Horta.

Durante a cerimónia, Benjamim Corte-Real recebeu das mãos do embaixador de Portugal o certificado da condecoração de Grande Oficial da Ordem de Mérito, com que foi agraciado em Fevereiro, por ocasião da visita oficial do então Presidente Jorge Sampaio.



Notícias - traduzidas pela Margarida

The Jakarta Post – Quinta-feira, Novembro 16, 2006

Acordo de Segurança aumentará a ajuda mútua, confiança

A Austrália e a Indonésia assinaram na Segunda-feira um acordo histórico bilateral numa moldura para a cooperação e a segurança. O Ministro dos Estrangeiros Hassan Wirayuda deu uma entrevista a Abdul Khalik do The Jakarta Post sobre os benefícios do documento e as implicações para a Indonésia. O que se segue são extractos dessa entrevista:

Questão: Funcionários Indonésios e Australianos descreveram o acordo como um passo histórico nas relações bilaterais entre os dois países. Como é que este acordo beneficiará a Indonésia?

Resposta: Experimentámos muitos momentos difíceis no nosso longo e histórico relacionamento com a Austrália. Os problemas abrangem refugiados ou migrantes ilegais doutros países que passam através da Indonésia no seu caminho para a Austrália e acusações de que a Indonésia é um terreno de treino para terroristas, aos recentes procuradores de asilo Papuanos. Políticos na Austrália exploraram as questões durante o período de eleições para atacar a Indonésia. Por isso, é fácil que tais problemas situacionais causem a ruína nas nossas relações com a Austrália.

A maioria das dificuldades vêm também de erros de percepção públicos em ambos os países. O nosso público tem acusado a Austrália de interferir nos nossos assuntos domésticos, tornando-se uma ameaça para o nosso país ou ajudando os movimentos separatistas. Por outro lado, os Australianos têm também uma percepção que a Indonésia é uma ameaça. Os erros de percepção só podem ser eliminados pela cooperação, diálogo e transparência entre nós.

Questão: Pode dar um exemplo de benefícios mais tangíveis?

Resposta: O acordo cobre uma vasta área de cooperação. Inclui 10 áreas cobrindo a defesa, contra-terrorismo, informações, marítima, segurança de aviação, proliferação de armas de destruição massiva, cooperação de emergência e compreensão comunitária e cooperação de povo-a-povo.

O acordo abrirá portas para a Austrália nos ajudar com a sua especialidade, capital e equipamentos, que estão a faltar em muitos casos, em todas estas áreas.

Penso que temos uma boa sinergia com a Austrália, e eles estão ansiosos por nos ajudar. Enquanto eles têm especialidades e financiamentos, nós temos um longo e bom alcance nesta região. Podemos dizer à Austrália que se querem ajudar então podem (fazê-lo), por exemplo, assistir com financiamento ou com construção de instalações ou envio de equipamentos para objectivos concretos, incluindo a luta contra o terrorismo ou a gripe das aves, em vez de simplesmente fazer declarações políticas.

Por exemplo, imediatamente depois dos ataques de 9/11, enviei uma oferta ao Primeiro-Ministro John Howard para assinar um acordo em cooperação anti-terror. Apesar de ao princípio estar hesitante, vários dias depois assinámos o acordo. E acontece que o acordo foi muito útil quando ocorreram as explosões em Bali. Assim, podemos transformar um potencial conflito bilateral t – por causa da questão do terrorismo e das explosões – em cooperação útil.

Questão: Os media Australianos têm criticado o acordo, dizendo que são somente para apaziguar a Indonésia, sem qualquer benefício para a Austrália. Qual é a sua opinião?

Resposta: Não, isso não é verdade. Tome, por exemplo, a questão dos migrantes ilegais. Sem a nossa cooperação, se os deixarmos passar para a Austrália então terão de lidar com milhares de mais migrantes ilegais em cada período. Um outro é o terrorismo. Com a nossa capacidade – obviamente com a ajuda deles – de linha dura com os terroristas aqui, podem dormir descansados lá. Para aumentar a compreensão e eliminar suspeitas, pomos como condições reforçar a compreensão comunitária e a cooperação povo-a-povo.

Questão: Pode o acordo ser posto à margem por objecções dos Australianos?

Resposta: Se o acordo foi ratificado então tornar-se-á parte da lei Australiana e não pode ser posto à margem simplesmente com essa facilidade.

O compromisso para resolver disputas ou conflitos de modo pacífico significa que a Indonésia e a Austrália estão a mover-se para uma comunidade de segurança.

Questão: Virá este acordo a ser usado como um exemplo para a construção de uma comunidade de segurança regional?

Resposta: Este acordo é o primeiro da sua espécie. Há ideias de usar o acordo como um modelo para mais países na Ásia do Leste. A Coreia do Sul já propôs o estabelecimento de um fórum para o diálogo de segurança na Ásia do Leste. Portanto, muitos países viram a necessidade de mais discussões de segurança na região.


UNMIT – Revista dos Media Diários – Quinta-feira, 16 Novembro 2006

Relatos dos Media Nacionais
TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisão de Timor-Leste

Parada de unidade

As F-FDTL e a PNTL participaram juntas numa parada ontem à tarde em frente do Palácio do Governo para o pontapé de saída do retomar dos seus serviços hoje, relataram os media. Falando durante o evento, o Diario Nacional relatou que o Presidente Gusmão disse que a crise era da culpa do Estado soberano, anotando que a parada foi um compromisso concedido às duas instituições pela constituição para defender e dar segurança à população. Gusmão acrescentou que decisões erradas tomadas pelos órgãos de soberania levaram ao conflito entre as duas instituições, anotando que os órgãos de soberania também tentaram emendar os seus erros de modo a que as F-FDTL e a PNTL se reconciliem e ultrapassem a crise. O Presidente disse que ambas as instituições trabalharão com o governo e a comissão de diálogo e re-inserção comunitária para levar os deslocados de regresso às suas casas e apelou aos jovens para manterem o seu compromisso para restabelecer a paz e reforçar a unidade nacional. O STL relatou que o Presidente da República pediu às F-FDTL e à PNTL para re-estabelecer a paz dizendo ‘se nós os Timorenses criámos o problema, então somos nós quem temos de o resolver’. Xanana Gusmão disse que tudo é possível desde começar uma guerra até pará-la e apelou aos jovens para colaborarem com a PNTL e as F-FDTL.

O Primeiro-Ministro Ramos-Horta apelou a ambas as instituições para trabalharem juntas outra vez apesar das feridas profundas, anotando que a crise que ocorreu em Timor-Leste também ocorre noutros países e em escala muito maior. Por isso, apelou ao povo e aos líderes para não perderem a fé em ambas as instituições.

O Presidente do Parlamento Nacional disse que a parada conjunta podia re-estabelecer a paz para a nação, especialmente para as pessoas, acrescentando que a acção lhe trouxe orgulho, lembrando-lhe as palavras de muitos expatriados – que a paz pode ser restaurada.

Falando ao Timor Post depois da parada, o SRSG em exercício, Finn Reske-Nielsen disse que estava de verdade muito contente por ver as F-FDTL e a PNTL juntas outra vez porque isso traz esperança de que a reconciliação, estabilidade e a paz prevalecerão em Timor-Leste em breve. (STL, TP, DN)

Taur está a tentar dialogar com Alfredo

O Primeiro-Ministro Ramos-Horta disse que o Brigadeiro-General das F-FDTL, Taur Matan Ruak está a organizar uma equipa para ter um diálogo com o Major Alfredo Reinado e o seu grupo. Os esforços das F-FDTL seguem-se a encontros sem sucesso realizados anteriormente com Reinado incluindo um encontro com o Bispo Belo. Ramos-Horta disse que os problemas entre Major Tara, Marcos, os peticionários e o Major Reinado são todos problemas diferentes Disse que o Major Tara e Marcos não são um problema grande e que os problemas dos peticionários foram tratados pela comissão dos notáveis. Disse que o Major Reinado não se devia esquecer que pode ter errado ao matar e ferir alguns membros das F-FDTL, acrescentando que foi Reinado quem procurou o conflito em Fatu Ahi. (TP)


Agence France-Presse - Novembro 16, 2006 07:55pm

Acredita-se que houve quatro mortos em mais violência em Timor

Acredita-se que morreram quatro pessoas na última violência em Timor-Leste que viu também 10 casas queimadas, disse hoje o Primeiro-Ministro José Ramos Horta.

"Não há ainda confirmação d número de mortos, mas informação inicial disse que quatro (foram mortos) e 10 casas foram incendiadas," disse o Sr Ramos Horta.

O Sr Ramos Horta, que viajou de helicóptero para a cena do último desassossego, disse que o incidente aconteceu "há um par de dias atrás " e que envolveu dois grupos de jovens que se confrontaram na aldeia Estado, perto de Ermera.

Disse que um grupo de jovens pertencentes ao Colimau 2000 – uma organização montada por antigos jovens activistas clandestinos durante a ocupação Indonésia – de Ermera e várias outras áreas remotas atacaram uma secção local de um clube de artes marciais.

"Este incidente espalhou medo entre as pessoas e falei com o ministro do interior para que possa ser colocado lá um posto de segurança permanente," disse o Sr Ramos Horta.

Membros da unidade de reacção rápida e uma outra unidade especial da polícia serão mandados para a área, disse.

Tão recentemente quanto na Segunda-feira, centenas de jovens Timorenses, incluindo membros de gangs rivais que lutaram uns contra outros nas ruas da capital recentemente, realizaram uma manifestação para promover a unidade e a paz.

Carlito de Jesus, 29 anos, que está a ser tratado no hospital Guido Valadares em Dili por feridas que sofreu no último ataque, disse que a violência ocorreu cedo, ontem.

Disse que cerca de 600 jovens do Colimau 2000 armados com espadas, catanas, lanças, pequenas flechas e espingardas atacaram a secção local da do clube de artes marciais Perguruan Setia Hati Terate (PSHT).

"Este (ataque) parece ser uma vingança, depois de um membro do PSHT ter batido num do Colimau 2000 em 2 de Novembro," disse de Jesus, um membro do PSHT.

Membros do Colimau 2000 foram acusados de envolvimento em ataques em Atsabe em 2003, que deixou sete mortos. Seguiram-se prisões em massa mas os tribunais mais tarde libertaram os detidos.

O incidente veio imediatamente depois do Sr Ramos Horta ter louvado a manifestação da paz de Segunda-feira.

A pequena nação foi atingida em Abril e Maio por violência entre facções das forças de segurança, bem como entre gangs de rua, que deixaram 37 pessoas mortas.


Instituído o Dia Nacional da Língua Portuguesa

Mundo Lusíada - 15/NOV/2006

O senador do PSDB (Amapá) Papaléo Paes apresentou um projeto em Plenário, em vigor desde junho, definindo o dia 05 de novembro como o Dia Nacional da Língua Portuguesa. A data foi escolhida por ser aniversário de nascimento de Rui Barbosa, "grande defensor do idioma, que o empregou com maestria na abolição da escravatura e na proclamação da República".

Este ano de 2006 é a primeira vez que houve uma comemoração da data. “Nossa língua é o elemento central do patrimônio cultural brasileiro. A melhor forma de protegê-la consiste em uma atitude afirmativa, que promova e divulgue as suas incontáveis riquezas” afirmou o senador.

De acordo com o senador o projeto é uma idéia do professor Raimundo Pantoja Lobo, do Amapá. Segundo ele, diversos projetos no Congresso visam defender o idioma que é constantemente ameaçado principalmente pela forte influência do inglês. Papaléo Paes disse que a iniciativa acontece em outros países também, tentando contrabalançar a presença do inglês.

O idioma português é falado por cerca de 200 milhões de pessoas no mundo, em oito países: Brasil, Portugal, Angola, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Timor Leste.

Mas para o senador, o Brasil tem uma responsabilidade maior sobre o futuro do português pelo tamanho de sua população e por sua importância político-econômica e geoestratégica. Relembrou ainda a citação do professor Carlos Reis, pesquisador da Universidade de Coimbra, em que afirmou que “o futuro da Língua Portuguesa é aquele que o Brasil quiser”.


Comunicado - PM - traduzido pela Margarida



Dili, Novembro 15, 2006
Estudantes de medicina de Timor-Leste em Cuba ‘os melhores e os mais disciplinados’

Os 498 estudantes de Timor-Leste em Cuba são considerados os melhores entre milhares de estrangeiros que estudam lá medicina – em termos de resultados e de disciplina, de acordo com o Vice-Ministro da Saúde Luis Lobato.

“Os nossos jovens são um crédito para todos em Timor-Leste porque trabalham no duro e mostram muita disciplina,” disse o Sr Lobato. “Foi-me dito pelas autoridades Cubanas que são os melhores.

“A bondade, sinceridade e generosidade dos Cubanos e do seu Governo são impressionantes. Apesar de tudo o que correntemente está a fazer por Timor-Leste, Cuba vai receber mais outros 200 dos nossos estudantes nos próximos meses.”

Vinte e um outros países têm gente a estudar medicina em Cuba, que é uma nação pobre e em desenvolvimento mas que tem um dos melhores sistemas de saúde no mundo – nalguns casos muito melhor que nos USA, onde os hospitais públicos nalguns casos não são melhores do que os hospitais em países em desenvolvimento.

Cuba tem também 302 doutores a trabalharem em Timor-Leste. Mais de 120 desses doutores são especialistas e estão a trabalhar em hospitais em Dili, Maliana, Baucau, Suai, Oecussi e Maubissi. Apesar do Governo de Timor-Leste ter inicialmente contribuído com uma quantia modesta para os custos associados ao programa, agora, o Governo Cubano paga os salários de todos os doutores e não cobra nada pelos estudos dos nossos estudantes de medicina.

O Primeiro-Ministro Dr José Ramos-Horta hoje louvou o compromisso e a coragem dos doutores Cubanos que estão a ajudar Timor-Leste.

“Durante o pior (período) da crise em Maio, Junho e Julho os nossos doutores Cubanos permaneceram nas aldeias e hospitais sem (porem) condições, com os doentes e o povo, dando um muito necessário apoio moral, médico e psicológico,” disse o Dr Ramos-Horta.

“Isto é um contraste com os voluntários Americanos do Peace Corp, que, mesmo apesar de não haver a mínima ameaça à sua segurança e bem-estar nas áreas rurais, receberam ordens da administração dos USA para deixarem o país.

“A coragem e compromisso dos Cubanos contrasta também com a dos Japoneses. JICA, a Agência Japonesa Internacional de Cooperação, interrompeu abruptamente a sua cooperação em Timor-Leste, mesmo apesar de nunca ter havido qualquer ameaça a nacionais Japoneses, particularmente em áreas rurais.”

O original programa de bolsas de estudo entre Cuba e Timor-Leste foi discutido à margem de um encontro na Cimeira do Movimento dos Não Alinhados em Kuala Lumpur em 2003 quando o Presidente Xanana Gusmão se encontrou com o Presidente Cubano Fidel de Castro e foram oferecidas nessa altura 50 bolsas de estudo para medicina. O Dr Ramos-Horta estava lá na sua qualidade de Ministro dos Estrangeiros.

Subsequentemente, o Governo Cubano elevou o número de bolsas de estudo para um máximo de 1000.

“Graças à generosidade de outra nação relativamente pobre, quando tivermos pelo menos 500 dos nossos estudantes com o curso acabado e de regresso – juntamente com os que estão a estudar em Timor-Leste e noutros países – teremos um ratio de doutores por número de habitantes tão alto como o de qualquer país desenvolvido,” disse o Dr Ramos-Horta.

“Timor-Leste tem sido abençoado por ter tantas nações como verdadeiros amigos, mas tenho de perguntar: que melhor prenda podemos receber do que um sistema de saúde garantido para o nosso povo? Esta é a prenda do ovo de Cuba.”

O Primeiro-Ministro sublinhou que Timor-Leste não interferiu nos assuntos internos doutros países e nas suas escolhas de sistema político.

“Os USA e Cuba podem não ter relações diplomáticas e têm estado num estado “nem guerra, nem paz” nos últimos 40 anos ou à volta disso,” disse o Dr Ramos-Horta, “mas Timor-Leste tem relações boas e sólidas com ambos.

“Os Cubanos tratam os nossos jovens maravilhosamente. É-lhes permitido praticar a sua religião sem interferências e eu pedi à nossa igreja se podiam enviar um capelão a Cuba para cuidar das necessidades espirituais dos nossos estudantes.

“Pedi também ao Bispo Carlos Belo para visitar os nossos estudantes e ele fá-lo-á em breve.”

Na última Segunda-feira o Primeiro-Ministro e o Vice-Ministro da Saúde dirigiram-se a um encontro de várias centenas de pais e outros familiares dos estudantes em Dili. Dr Ramos-Horta disse no encontro que todos em Timor-Leste estavam muito orgulhosos do compromisso que os estudantes estão a fazer para a nação.

Timor-Leste tem outros estudantes de medicina na Indonésia, Portugal, Filipinas, Fiji, Malásia e Austrália.

“Quando os nossos doutores regressarem em 2012 espero que tenhamos um doutor em cada aldeia,” disse o Dr Ramos-Horta.


Notícias - traduzidas pela Margarida

Reconciliação nas ruas de Timor-Leste
AFP/Sydney Morning Herald - Novembro 16, 2006 - 12:00AM

Perto de 1,000 soldados e policies desfilaram nas ruas da capital de Timor-Leste, Dili num aparente gesto de reconciliação depois das suas diferenças terem contribuído para o desassossego anterior.

Cerca de 600 membros das F-FDTL chegaram ao edifício do governo, no centro de Dili em veículos enquanto cerca de 300 membro da polícia nacional (PNTL) marcharam desde o seu quartel-general.

Centenas de observadores juntaram-se na área par ver a parada e para os saudar.

Ambos os contingentes e a área à volta do edifício do governo foram guardados de perto por membros armadas da polícia da ONU. Enquanto que muitos dos soldados carregavam espingardas a polícia veio desarmada.

“As feridas dos recentes eventos estão a curar e as nossas forças estão a mostrar-nos o caminho para um paz durável” disse o Presidente Xanana Gusmão de acordo com uma declaração do Gabinete do primeiro-ministro.

"Estou comovido com a unidade e a amizade mostrada pelos nossos soldados e policies e particularmente pelos seus líderes. Enfrentaram uma prova muito severa e emergiram ainda mais fortes," acrescentou Gusmão.

A concentração seguiu-se a uma série de encontros entre os líderes do país, os responsáveis da polícia e dos militares, a igreja e políticos de topo.

Soldados e policies estiveram envolvidos em violência que percorreu Dili e as cidades à volta em Abril e Maio, a seguir ao despedimento de quase um terço das forças armadas pelo então primeiro-ministro Mari Alkatiri.

Alguns 600 soldados desertaram, citando discriminação nas fileiras. O seu protesto degenerou rapidamente em violência de rua, incluindo entre gangs de jovens e entre grupos étnicos, que deixou 37 pessoas mortas.

Os seus números foram reduzidos desde então para 1,100, mas fortalecidos pela presença de 1000 polícias da ONU cujas forças eventualmente aumentarão para 1600.


Radio Australia - 15/11/2006, 22:35:06

Soldados e polícias de Timor-Leste juntam-se em parade de reconciliação

Perto de 1,000 soldados e policies desfilaram nas ruas da capital de Timor-Leste, Dili num aparente gesto de reconciliação depois do desassossego anterior.

Cerca de 600 membros das F-FDTL chegaram ao edifício do governo em veículos enquanto 300 membro da polícia nacional marcharam desde o seu quartel-general.

Ambos os contingentes foram guardados de perto por membros armadas da polícia da ONU.

O Presidente Xanana Gusmão diz que as feridas dos recentes eventos estão a curar e que as forças de Timor-Leste estão a mostrar o caminho para um paz durável.

A concentração fez-se no seguimento de uma série de encontros entre os líderes do país, os responsáveis da polícia e dos militares, a igreja e políticos de topo.


Notícias - em inglês

The Jakarta Post - Thursday, November 16, 2006

Security agreement will boost mutual aid, trust

Australia and Indonesia on Monday signed a historic bilateral agreement on a framework for security cooperation. Foreign Minister Hassan Wirayuda gave an interview to The Jakarta Post' s Abdul Khalik about the document's benefits and implications for Indonesia. The following are excerpts of the interview:

Question: Indonesian and Australian officials described the agreement as a historic step in bilateral relations between the two countries. How will the agreement benefit Indonesia?

Answer: We have experienced many difficult moments in our long historical relations with Australia. The problems range from refugees or illegal migrants from other countries who passed through Indonesia on their way to Australia and accusations that Indonesia is a training ground for terrorists, to the recent Papuan asylum seekers. Politicians in Australia exploited the issues during the election period to attack Indonesia. So, it is easy for such situational problems to ruin our relations with Australia.

Most of the difficulties also arise from public misperceptions in both countries. Our public has accused Australia of meddling in our domestic affairs, becoming a threat to our country or helping separatist movements. On the other hand, Australians also have a perception that Indonesia is a threat. The misperceptions can only be eliminated through cooperation, dialog and transparency between us.

Can you provide examples of more tangible benefits?

The agreement covers a wide range of cooperation. It includes 10 areas covering defense, counter-terrorism, intelligence, maritime, aviation safety and security, proliferation of weapons of mass destruction, emergency cooperation and community understanding and people-to-people cooperation.

The agreement will open doors for Australia to help us with its expertise, capital and equipment, which we are lacking in many cases, in all these areas.

I think we have a good synergy with Australia, and they are eager to help us. While they have expertise and funds, we have a long and good reach in the region. We can say to Australia that if they really want to help then they can, for instance, assist with funding or build facilities or send equipment for concrete purposes, including fighting terrorism or bird flu, rather than just make political statements.

For instance, right after the 9/11 attacks, I extended an offer to Prime Minister John Howard to sign an agreement on anti-terror cooperation. Although at first he was hesitant, several days later we signed the agreement. And it turned out that the agreement was very helpful when the Bali bombings occurred. So, we could turn a potential bilateral conflict -- because of the issue of terrorism and the bombings -- into useful cooperation.

The Australian media has criticized the agreement, saying it is only to appease Indonesia, with no benefit for Australia. What's your opinion?

No, that is not true. Take, for instance, the illegal migrants problem. Without our cooperation, if we let them pass to Australia then they will have to deal with thousands more illegal migrants every period. Another is terrorism. With our capability -- of course with their help -- of cracking down on terrorists here, they can sleep soundly there. To raise more understanding and eliminate suspicions, we put in provisions to enhance community understanding and people-to-people cooperation.

Can the agreement be sidelined by objections from the Australian people?

If the agreement has been ratified then it will become part of Australian law that can't be sidelined just like that.

The commitment to solving disputes or conflicts in peaceful ways means Indonesia and Australia are moving toward a security community.

Will this agreement be used as an example for building a regional security community?

This agreement is the first of its kind. There are thoughts of using the agreement as a model for more countries in East Asia. South Korea has already proposed establishing a forum for security dialog in East Asia. So, many countries have seen the need for more security discussions in the region.


UNMIT Daily Media Review - Thursday, 16 November 2006

National Media Reports
TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisao de Timor-Leste

Parade of Unity

F-FDTL and PNTL held a joint parade yesterday afternoon in front of the Government Palace to kick-start the resumption of their services today, reported the media. Speaking during the event, Diario Nacional reported President Gusmão as saying that the crisis was the fault of the sovereign state, noting the parade was a compromise bestowed upon the two institutions by the constitution to defend and provide security to the population. Gusmao added that wrong decisions taken by the sovereign bodies led to the conflict between the two institutions, noting the sovereign bodies have also tried to amend their mistakes in order for F-FDTL and PNTL to reconcile and overcome the crisis. The President said both institutions will work with the government and the dialogue and community re-insertion commission to take IDPs back to their homes and appealed to the youth to maintain their commitment to re-establish peace and strengthen national unity. STL reported the President of the Republic calling on F-FDTL and PNTL to re-establish peace saying ‘if we the Timorese create the problem, then we are the ones to resolve it’. Xanana Gusmão said everything is possible from starting a war to stopping it and he appealed to the youth to collaborate with PNTL and F-FDTL.

Prime Minister Ramos-Horta appealed for both institutions to work together again despite the deep wounds, noting that the crisis that occurred in Timor-Leste also occurs in other countries and in some on a much greater scale. Therefore, he appealed to the people and the leaders not to lose faith in both institutions.

President of the National Parliament said the joint parade could re-establish peace for the nation, especially the people, adding that the action made him brought him pride, reminding him of the words of many expatriates - that peace can be restored.

Speaking to Timor Post following the parade, Acting SRSG, Finn Reske-Nielsen said he was truly happy to see F-FDTL and PNTL together again because it brings hope that reconciliation, stability and peace will prevail in Timor-Leste soon. (STL, TP, DN)

Taur Is Trying To Dialogue With Alfredo

Prime Minister Ramos-Horta has reportedly said that F-FDTL Brigadier General, Taur Matan Ruak is organizing a team to hold a dialogue with Major Alfredo Reinado and his group. The efforts of F-FDTL follow unsuccessful meetings held previously with Reinado including a meeting with Bishop Belo. Ramos-Horta said the problems between Major Tara, Marcos, the petitioners and Major Reinado are all different problems. He said Major Tara and Marcos are not a big problem and the petitioners problems have been handed to the notable’s commission. He said Major Reinado should not forget that he might have erred by killing and injuring some members of F-FDTL, adding that Reinado was the one who went looking for the conflict in Fatu Ahi. (TP)


Agence France-Presse - November 16, 2006 07:55pm

Four believed dead in more Timor violence

FOUR people are believed to have died in the latest East Timor violence which also saw 10 homes torched, Prime Minister Jose Ramos Horta said today.

"There is as yet no confirmation on the number killed, but initial information said four (were killed) and 10 houses were set on fire," Mr Ramos Horta said.

Mr Ramos Horta, who travelled by helicopter to the scene of the latest unrest, said the incident happened "a couple of days ago" and involved two groups of youths who clashed in Estado village, near Ermera.

He said a group of youths belonging to Colimau 2000 - an organisation set up by former underground youth activists during Indonesia's occupation - from Ermera and several other outlying areas attacked a local chapter of a martial arts club.

"This incident has spread fear among the people and I have talked with the home minister so that a permanent security post can be set up there," Mr Ramos Horta said.

Members of the police rapid reaction unit and another special police unit would be sent to the area, he said.

As recently as Monday, hundreds of East Timorese youths, including members of rival gangs who fought each other in the streets of the capital earlier this year, held a rally to promote unity and peace.

Carlito de Jesus, 29, who was being treated at Dili's Guido Valadares general hospital for injuries sustained in the latest attack, said the violence occurred early yesterday.

He said some 600 youths from Colimau 2000 armed with samurais, machetes, spears, small arrows and rifles attacked the Ermera chapter of the Perguruan Setia Hati Terate (PSHT) martial arts club.

"This (attack) appears to be revenge, after a PSHT member beat up a member of Colimau 2000 on November 2," de Jesus, a PSHT member, said.

Members of Colimau 2000 were accused of involvement in attacks in Atsabe in 2003, which left seven dead. Mass arrests followed but the courts later freed those detained.

The incident came just after Mr Ramos Horta praised Monday's peace rally.

The tiny nation was rocked in April and May by violence in between security force factions, as well as street gangs, which left 37 people dead.


Quatro mortos e casas queimadas em incidentes no distrito Ermera

Díli, 16 Nov (Lusa) - Pelo menos quatro pessoas foram mortas quarta-fei ra a sul de Díli em confrontos entre grupos rivais, de que resultaram ainda vári os feridos e dez casas incendiadas, disseram hoje à Lusa fontes da ONU e do gove rno timorense.

Os incidentes ocorreram na aldeia de Haturema, distrito de Ermera, situ ada a cerca de 60 quilómetros a sul de Díli, e envolveram elementos do Colimau 2 000, organização que rejeita a autoridade do Estado, e do grupo de artes marciai s Perguruan Silat Setia Hati (PSHT), também conhecido como "Formigas Negras".

Segundo testemunhos de residentes em Haturema, os incidentes foram prov ocados por membros do Colimau 2000, que atacaram os elementos do PSHT.

Fonte do gabinete do primeiro-ministro timorense, José Ramos-Horta, dis se à Lusa que o chefe do governo visitou hoje a área, acompanhado do ministro do Interior, Alcino Barris.

Na sequência da visita do primeiro-ministro, efectivos da polícia malai a, que integra o contingente policial da ONU (UNPOL), da Polícia Nacional de Tim or-Leste (PNTL) e militares australianos estão no terreno a investigar os incide ntes, não havendo confirmação de terem sido feitas detenções.

Este é o incidente mais grave desde que segunda-feira passada, jovens d e grupos rivais, incluindo escolas de artes marciais, puseram de lado as divergê ncias e encetaram manifestações pela paz na capital.

Esta iniciativa culminou, quarta-feira, com a realização de uma parada, defronte do Palácio do Governo, em Díli, com a participação de 300 efectivos da s forças armadas e outros tantos da PNTL, numa manifestação pública de reconcili ação entre as forças de segurança, que se envolveram em confrontos armados duran te a crise político-militar iniciada em Abril.

O Colimau 2000 integra antigos elementos da resistência contra a ocupaç ão indonésia (1975-1999), mas na sequência da restauração da independência (20 d e Maio de 2002), e porque não lhes foram atribuídos cargos de responsabilidade n a nova administração, passaram a rejeitar a autoridade do Estado, protagonizando actos de violência, sobretudo nos distritos do interior do país.

O PSHT é considerado um dos maiores grupos de artes marciais de Timor-L este.



Empresa indiana assina contrato produção petrolídera no Mar Timor

Díli, 16 Nov (Lusa) - O governo timorense e a empresa indiana Reliance Industries assinaram hoje um contrato de exploração de petróleo e gás numa área sob jurisdição de Timor-Leste, disse à Lusa o ministro dos Recursos Naturais, Minerais e Política Energética, José Teixeira.

A assinatura do contrato completa a primeira ronda de licitações nas águas sob soberania timorense e vem na sequência do contrato assinado no passado dia 07 com a empresa italiana ENI, relativo a cinco áreas.

O leilão das seis áreas, de um pacote inicial de 11, terminou no passado dia 19 de Abril, e nesse concurso participou a empresa portuguesa GALP Energia, num consórcio que reunia ainda a brasileira Petrobras e a malaia Petronas.

"A Reliances Industries, bem como a ENI, vão agora iniciar a exploração das respectivas áreas, um processo que poderá levar entre três a sete anos para ficar completo", salientou José Teixeira.

à semelhança do que aconteceu com a ENI, o contrato com a Reliances Industries devia ter sido assinado no passado dia 20 de Junho, mas a crise político-militar desencadeada em finais de Abril obrigou a adiar a cerimónia.

O Estado timorense já arrecadou, somente neste concurso internacional, entre taxas de inscrição e levantamento de cadernos de encargos, o total de 2,4 milhões de dólares.



The Governments of Australia and Indonesia - November 14, 2006

The Government of the Republic of Indonesia and the Government of
Australia (hereinafter referred to as the 'Parties')

Reaffirming the sovereign equality of the Parties, their faith in the
purposes and principles of the Charter of the United Nations and
their desire to live in peace with all peoples and all governments;

Reaffirming the commitment to the sovereignty, unity, independence
and territorial integrity of both Parties, and the importance of the
principles of good neighbourliness and non-interference in the
internal affairs of one another, consistent with the Charter of the
United Nations;

Recognising that both Parties are democratic, dynamic and
outward-looking members of the region and the international community;

Recognising also the new global challenges, notably from
international terrorism, traditional and non-traditional security threats;

Recognising further the importance of continued and enhanced
cooperation in meeting the challenges posed by international
terrorism and transnational crime;

Determined to work together to respond to these new challenges and threats;

Determined also to maintain and strengthen bilateral cooperation and
regular dialogue including established regular discussions on
strategic, defence, intelligence, law enforcement and other matters;

Determined further to maintain and strengthen the long-standing
political, economic, social and security cooperation which exist
between the two Parties, and their common regional interests and
ties, including the stability, progress and prosperity of the
Asia-Pacific region;

Recognising the value of bilateral agreements and arrangements
between the two countries since 1959 including the major bilateral
instruments on security that have provided a strong legal framework
for both countries in dealing with various security threats and
issues as well as the importance of existing dialogues and
cooperation through the Indonesia Australia Ministerial Forum (IAMF);

Emphasizing also the importance of working together through regional
and international fora on security matters to contribute to the
maintenance of international peace and security;

Determined to comply in good faith with their obligations under
generally recognized principles and rules of international law;
Adhering to their respective laws and regulations; Have agreed as follows:


The main objectives of this Agreement are:

1. to provide a framework for deepening and expanding bilateral
cooperation and exchanges as well as to intensify cooperation and
consultation between the Parties in areas of mutual interest and
concern on matters affecting their common security as well as their
respective national security.

2. to establish a bilateral consultative mechanism with a view to
encouraging intensive dialogue, exchanges and implementation of
co-operative activities as well as strengthening institutional
relationships pursuant to this Agreement.


In their relations with one another, the Parties shall be guided by
the following fundamental principles, consistent with the Charter of
the United Nations,

1. Equality, mutual benefit and recognition of enduring interests
each Party has in the stability, security and prosperity of the other;

2. Mutual respect and support for the sovereignty, territorial
integrity, national unity and political independence of each other,
and also non-interference in the internal affairs of one another

3. The Parties, consistent with their respective domestic laws
and international obligations, shall not in any manner support or
participate in activities by any person or entity which constitutes a
threat to the stability, sovereignty or territorial integrity of the
other Party, including by those who seek to use its territory for
encouraging or committing such activities, including separatism, in
the territory of the other Party;

4. The Parties undertake, consistent with the Charter of the
United Nations, to settle any disputes that might arise between them
by peaceful means in such a manner that international peace, security
and justice are not endangered;

5. The Parties shall refrain from the threat or use of force
against the territorial integrity or political independence of the
other, in accordance with the UN Charter;

6. Nothing in this Agreement shall affect in any way the existing
rights and obligations of either Party under international law.


The scope of cooperation of this Agreement shall include:

Defence Cooperation

In recognition of the long-term mutual benefit of the closest
professional cooperation between their Defence Forces,

1. Regular consultation on defence and security issues of common
concern; and on their respective defence policies;

2. Promotion of development and capacity building of defence
institutions and armed forces of both Parties including through
military education and training, exercises, study visits and
exchanges, application of scientific methods to support capacity
building and management and other related mutually beneficial activities;

3. Facilitating cooperation in the field of mutually beneficial
defence technologies and capabilities, including joint design,
development, production, marketing and transfer of technology as well
as developing mutually agreed joint projects.

Law Enforcement Cooperation

In recognition of the importance of effective cooperation to combat
transnational crime that impacts upon the security of both Parties,

4. Regular consultation and dialogue aimed at strengthening the
links between institutions and officials at all levels;

5. Cooperation to build capacity of law enforcement officials to
prevent, respond to and investigate transnational crime;

6. Strengthening and intensifying police to police cooperation
including through joint and coordinated operations;

7. Cooperation between relevant institutions and agencies, including
prosecuting authorities, in preventing and combating transnational
crimes, in particular crimes related to:

a. People smuggling and trafficking in persons;

b. Money laundering;

c. Financing of terrorism;

d. Corruption;

e. Illegal fishing;

f. Cyber-crimes;

g. Illicit trafficking in narcotics drugs and psychotropic
substances and its precursors; h. Illicit trafficking in arms,
ammunition, explosives and other dangerous materials and the illegal
production thereof; and i. Other types of crime if deemed necessary
by both Parties.

Counter-terrorism Cooperation

In recognition of the importance of close and continuing cooperation
to combat and eliminate international terrorism through
communication, cooperation and action at ail levels,

8. Doing everything possible individually and jointly to eradicate
international terrorism and extremism and its roots and causes and to
bring those who support or engage in violent criminal acts to justice
in accordance with international law and their respective national laws;

9. Further strengthening cooperation to combat international
terrorism including through rapid, practical and effective responses
to terrorist threats and attacks; intelligence and information
sharing; assistance to transport security, immigration and border
control; and effective counter-terrorism policies and regulatory frameworks;

10. Strengthening cooperation In capacity building in law
enforcement, defence, intelligence and national security in order to
respond to terrorist threats;

11. Cooperation, when requested and where possible, in facilitating
effective and rapid responses in the event of a terrorist attack. In
this regard, the requesting Party shall have primary responsibility
for the overall direction, organization and coordination for such situation.

Intelligence Cooperation

12. Cooperation and exchange of information and intelligence on
security issues between relevant institutions and agencies, in
compliance with their respective national legislation and within the
limits of their responsibility.

Maritime Security

13. Strengthening bilateral cooperation to enhance maritime safety
and to implement maritime security measures, consistent with international law;

14. Enhancing existing Defence and other cooperation activities and
capacity building in the area of aerial and naval maritime security
in accordance with international law.

Aviation Safety and Security

15. Strengthening bilateral cooperation in the field of capacity
building to enhance civil aviation safety and security.

Proliferation of Weapons of Mass Destruction In recognition of the
Parties' shared commitment not to develop, produce, otherwise
acquire, stockpile, retain or use nuclear weapons or other weapons of
mass destruction,

16. Co-operate to enhance measures for preventing the proliferation
of weapons of mass destruction and their means of delivery including
through strengthened national export controls in accordance with
their respective national laws as well as international law;

17. Strengthening bilateral nuclear cooperation for peaceful
purposes, including to further the objective of non-proliferation of
weapons of mass destruction and strengthen international nuclear
safety and security through enhanced standards, in accordance with
international law.

Emergency Cooperation

18. Cooperation, as appropriate and as requested, in facilitating
effective and rapid coordination of responses and relief measures in
the event of a natural disaster or other such emergency. The Party
requesting the assistance shall have primary responsibility for
determining the overall direction for emergency response and relief operation;

19. Cooperation in capacity building for disaster preparedness and response.

Cooperation in international Organizations on Security-Related Issues

20. Consultation and cooperation on matters of shared interest on
security related issues in the United Nations, other international
and regional bodies.

Community Understanding and People-to-People Cooperation

21. Endeavoring to foster contacts and interaction between their
respective institutions and communities with a view to improving
mutual understanding of security challenges and responses to them.


1. The Parties shall protect confidential and classified
information received pursuant to the framework of this Agreement in
accordance with their respective national laws, regulations and policies.

2. Notwithstanding Article 10, should this Agreement terminate,
each Party shall continue to comply with the obligation set out in
paragraph 1 to information to which it had access under the Agreement,


The Parties agree that any intellectual property arising under the
implementation of this Agreement shall be regulated under separate arrangement.


1. The Parties shall take any necessary steps to ensure effective
implementation of this Agreement, including through conclusion of
separate arrangements on specific areas of cooperation.

2. For the purpose of this Article, the Parties shall meet on a
regular basis under the existing mechanism of the Indonesia-Australia
Ministerial Forum (IAMF) to review and give direction to the
activities under this Agreement.


Any expenses Incurred in the implementation of this Agreement will be
met by the Party incurring the expense, unless otherwise mutually decided.


Disputes arising in relation to the interpretation on implementation
of this Agreement shall be settled amicably by mutual consultation or
negotiation between the Parties.


This Agreement may be amended in writing by mutual consent by both
Parties, Any amendment to this Agreement shall come into force on the
date of later notification by either Party of the completion of its
ratification procedure for the amendment.


1. The Agreement shall enter into force on the date of receipt of
the last notification by which the Parties notify each other that
their internal requirements for the entry into force of this
Agreement have been fulfilled.

2. This Agreement shall remain in force until one Party gives
written notice of its intention to terminate it, in which case this
Agreement shall terminate six months after receipt of the notice of

3. Termination of this Agreement shall not affect the validity or
the duration of any arrangement made under the present Agreement
until the completion of such arrangement, unless otherwise decided by
mutual consent.

IN WITNESS WHEREOF, the undersigned being duly authorized thereto by
their respective Governments, have signed this Agreement.

Done at ... on this ... day of ... in the year of ... in 2 (two)
original copies in both Indonesian and English languages, all texts
being equally authentic. In case of divergence in the interpretation,
the English text shall prevail.

For the Government of For the Government of The
Australia Republic of Indonesia


Parte dos bens doados para Timor foram parar à Caritas

Ponto Final - 16/11/06 - 16:34

Rodolfo Ascenso

Uma das entidades que tinha bens recolhidos pela Campanha de Ajuda a Timor 2006 cansou-se de esperar pelo envio do que tinha à sua guarda e anunciou ter entregue cerca de trinta sacos de arroz à Caritas Macau. Paulo Remédios, o responsável pela campanha em Macau, diz que o dinheiro necessário para o transporte, que agora admite ser por via marítima, está para chegar, mas a ministra que recebeu a verba da Fundação Macau diz que esse dinheiro nunca se destinou a transportes.

A Agência Comercial Pico, que tinha disponibilizado aos organizadores da recolha de bens alimentares para Timor-Leste um armazém para guardarem os produtos recolhidos, cansou-se de esperar e entregou à Caritas Macau os cerca de trinta sacos de arroz que tinha à sua guarda.

Em anúncio pago colocado ontem na imprensa, a Agência Pico informa que “não conseguindo contactar a pessoa responsável” pelos bens, “transportámos tudo para a Caritas, havendo um recibo para o comprovar”.

Termina assim parte da saga dos bens recolhidos em Maio e que depressa se percebeu que dificilmente chegariam ao destinatário.

A campanha de recolha de bens, onde se envolveram cidadãos de Macau com a melhor das boas vontades mas que, dadas algumas personalidades envolvidas, manteve afastadas outras que habitualmente não se furtam a estas acções, começou envolta em dúvidas, desde logo sobre quem a conduzia.

Depois, o Embaixador timorense em Pequim, Olímpio Branco, assumiu a responsabilidade pela Campanha de Ajuda a Timor 2006 (CAT2006), delegando publicamente em Paulo Remédios, um advogado timorense, a condução da acção em Macau. Numa primeira fase Remédios, efectivamente, tratou do processo, mas rapidamente desapareceu. Logo em Junho a agência Lusa noticiava as dificuldades em contactar o timorense, quando procurava saber a data do transporte. Embora inicialmente tivesse sido dada como garantida, a verdade é que ele nunca apareceu.

Uma das questões que fontes conhecedoras do processo, que pediram anonimato, disseram ao PONTO FINAL estranhar, foi a necessidade, aventada desde a primeira hora, de o transporte ser feito de avião. Sabendo-se que o transporte por via aérea é consideravelmente mais caro que o por via marítima, essas fontes questionam por que razão não se carregaram os contentores com as anunciadas 40 toneladas de bens num barco com destino a Timor.

Estranham ainda que Paulo Remédios e os restantes membros da comissão, a partir do momento em que a situação acalmou, tenham deixado de fazer diligências para enviar os bens.

Como o PONTO FINAL noticiou a 13 de Junho, “Paulo Remédios afirmou que foi contactado por um ministro de Díli no sentido de coordenar a entrega dessa ajuda, uma oferta que a CAT2006 rejeitou”, por considerar que o Governo timorense não tinha capacidade para o fazer.

Houve ainda um pedido de ajuda financeira, supostamente feito pelo embaixador de Timor-Leste em Pequim ao Executivo de Macau, para desbloquear a situação. Ao que se soube, a Fundação Macau veio a disponibilizar 100 mil dólares. Essa verba, segundo Olímpio Branco, não era suficiente para fretar os dois aviões necessários. Na altura em que a questão estava acesa, o diplomata lançou acusações ao ministério das Finanças de Timor-Leste, a quem responsabilizava pelo facto de a verba ainda estar em Macau. Na ocasião (22 de Julho), a titular da pasta, Madalena Boavida, dizia ao PONTO FINAL que o número da conta bancária do governo timorense, onde a verba deveria ser depositada, já tinha sido enviada.

Contactado ontem pelo PONTO FINAL, Paulo Remédios disse desconhecer em pormenor a situação dos bens à guarda da Agência Pico, desvalorizando, contudo, a importância do facto por se tratarem de “poucos artigos”, no conjunto das “66 toneladas angariadas”. Remédios, disse ainda ter recebido recentemente a garantia, por parte de “dois membros do Governo de Timor”, a garantia de que a verba necessária para o “transporte marítimo” dos bens seja disponibilizada muito em breve. Paulo Remédios considera que toda a situação começa a ser “uma vergonha”.

Ontem ainda, em contacto telefónico feito com Díli, Madalena Boavida informou o PONTO FINAL ter efectivamente recebido os 100 mil dólares provenientes de Macau, mas que estes foram uma “ajuda financeira” e nunca estiveram destinados a nenhum frete de aviões ou outro tipo de transporte.

Verdade, Papua Oeste e Indonésia: 2 + 2 podem ser = 5

Tradução da Margarida.
Por Adam Henry - postado Quinta-feira, 16 de Novembro 2006

O enigmático Lobby de Jakarta é “… um grupo informal de gente com ideias semelhantes que pensam que a Indonésia é um caso especial”. Não é uma conspiração clandestina, mas uma aliança de elites apesar de algumas negarem a própria existência do grupo.

O Lobby de Jakarta opera numa posição de privilégio dentro da elite Australiana. Defensores pró-Jakarta já há muito reconheceram o potencial perigoso das violações dos direitos humanos na Papua Oeste poder tornar-se uma questão diplomática maior. Receosos de serem colocados em recuos éticos, como foram com Timor-Leste, tais defensores têm emergido em intervalos regulares no seio da instituição diplomática a emitir a sua mensagem.

O passado recente - um apelo às armas

Em o de Março de 2006 o Embaixador Richardson que é um antigo director–geral da ASIO, fez um discurso dirigido à US-Indonesia Society: um grupo fundado em 1994 para contrariar percepções negativas depois de repetidas violações de direitos humanos pelas TNI (Forças de Defesa Nacional Indonésias) em Timor-Leste.

Os poderosamente conectados lobbyistas da US-Indonesia Society têm sido descritos como “… a segunda Embaixada da Indonésia em Washington”. O antigo director-geral da ASIO ridicularizava a existência de qualquer lobby de Jakarta Australiano. Disse que somente “alguns comentadores Australianos” mantinham a existência de um Lobby de Jakarta “… que conspira junto para perverter os interesses nacionais da Austrália (isto inclui) todos os funcionários do governo que ou serviram na Indonésia, ou que trabalharam para a Indonésia em Canberra.”

Na audiência estava o Embaixador da Indonésia nos USA, Sudjadnan Parnohadin-Ingrat, que antes fora o Embaixador na Austrália. Sudjadnan foi o secretário da Indonesian Task Force durante a votação para a independência em Timor-Leste em 1999 (organizada) pela ONU.

Os apelos de Richardson para apoio sem interrogações à Indonésia são essenciais dado o modo como as elites Indonésias, como Sudjadnan fazem uso do silêncio (de) críticas da Austrália.

Questionado pelo The Washington Diplomat sobre os direitos humanos da Indonésia, Sudjadnan respondeu que numa estimativa os TNI “… podem ter morto cerca de 200,000 Timorenses durante a governação Indonésia”. Sudjadun não fez qualquer esforço para contrariar esse número vendo-os como simples baixas duma luta de separação. Como disse “… Se (somente) cerca de 200,000 em 220 milhões de pessoas (quiseram separar-se) não penso que isto é muito sério”.

Acredito que Timor-Leste sob governação Indonésia (1975-1999) é comparável aos Campos de Morte do Cambdja. Não pode haver dúvida que homens inteligentes como Richardson desconhecem as estatísticas. Depois da independência em 1999 um relatório da ONU concluíu “… as violações dos direitos humanos foram massivas, sistemáticas e alargadas … a fome, as execuções arbitrárias, as torturas horrorosas infligidas rotineiramente, e a escravidão sexual organizada e as torturas sexuais das mulheres Timorenses foram os sinais de marca das autoridades Indonésias e 183,000 Timorenses morreram à fome ou por doença como consequência das acções das TNI-Kopassus durante a governação Indonésia.”

Quando um homem poderoso como Richardson defende que nada deve impedir o sonho Indonésio, os da estirpe de Sudjadnan, conhecem suficientemente bem a língua Inglesa para compreender o significado que está por debaixo i.e. questões como corrupção e direitos humanos são meras distracções.

O estilo de compromisso de Richardson com a Indonésia ignora a validade das preocupações dos direitos humanos com as acções das TNI. Em vez de usar o seu discurso para se distanciar ele próprio do problema Timor-Leste 2 + 2 = 5 de Sudjadnan, acredito que, talvez inconscientemente, Richardson apela sem se questionar e apoia sem princípios as políticas do Lobby de Jakarta. Fazem-se agora muitos esforços para desenvolver esta sua direcção.

O presente - os ataques do lobby de Jakarta

Paul Kelly escreveu uma peça de opinião caracteristicamente de perito no The Australian (ver “Uma nova diplomacia sobre a Papua”, Outubro 7, 2006). Kelly apoiou entusiasticamente o Relatório do Lowy Institute, As Armadilhas de Papua, como a última palavra virtual na devastação da Papua Oeste.

Kelly com razão aponta que há diferenças entre Timor-Leste e a Papua Oeste que merecem análise, mas mais uma vez falha em analisar correctamente as suas conclusões.

Devido à presença da Freeport Mine e dos interesses dos negócios no sector florestal a escala da corrupção das TNI é muito maior do que em Timor-Leste. Os dois movimentos nacionalistas também diferem na estrutura, unidade e coesão. A diversidade étnica e linguística dos Papuanos é um factor. Em comum têm a realidade das violações dos direitos humanos. Esta associação não é devida aos críticos que falam alto e que não antipáticos, mas na minha opinião devem-se à incapacidade das TNI a não matarem em largo número cidadãos Indonésios relutantes.

Reescrevendo o passado - a necessidade de esquecer

O Lobby de Jakarta argumentou durante 25 anos sobre os benefícios sem fim de um Timor-Leste Indonésio.

As preocupações de direitos humanos eram descartadas como exageros ou simplesmente ignoradas. Quando Paul Keating visitou Jakarta em 1991 louvou a subida (ao poder) do governo da “Nova Ordem” de Suharto como o evento mais benéfico para a segurança Australiana desde a II Guerra Mundial. Os massacres de 1965 que estabeleceram a Nova Ordem foram então presumidamente benéficos do mesmo modo como em Kokoda.

Em 1965 funcionários da Embaixada Americana, com a ajuda da CIA, compilaram listas de suspeitos comunistas de alto-nível no interior da Indonésia que foram entregues às forças militares Indonésias. De acordo com a CIA, 1965 foi um dos maiores massacres e um dos eventos mais significativos da segunda metade do século 20, comparável às purgas de Estaline, os assassínios de massas praticados pelos Nazis durante a II Guerra Mundial e pelos Maoistas nos princípios dos anos 1950’s.

Foi tal a carnificina que a Embaixada dos USA avisou Washington que “… não sabia se o número real era mais perto dos 100,000 ou de 1 milhão (de mortos) mas que acreditava ser mais sensato errar pelo lado das estimativas mais baixas, especialmente quando questionados pela imprensa”.

A atitude dos USA em relação aos assassínios em massa foi indiferente. Howard Federspiel anteriormente do Bureau of Intelligence & Research (Departamento de Estado dos USA) lembrou que: “Ninguém se importava, desde que fossem comunistas … Ninguém ligou muito a isso”.

No fim do banho de sangue, o Primeiro-Ministro Australiano Harold Holt declarou “Com 500,000 a um milhão de simpatizantes Comunistas despachados … penso que é seguro assumir que houve uma re-orientação.” Pelo menos isto expressou com verdade a escala de mortes requerida para criar o clima de estabilidade política preferido pelo ocidente na Indonésia.

O discurso de Keating não fez qualquer referência às realidades históricas de 1965, mas pode-se especular que Suharto compreendeu perfeitamente. O jornalista Glen Milne (The Australian, Abril 25, 1992) viu que “… Keating passou o primeiro teste da sua liderança, levando com sucesso as relações Australianas-Indonésias para além da política de colete de forças de Timor-Leste”.

Jornalistas Australianos continuaram a apoiar o regime mas um ano depois Suharto foi derrubado por um movimento alargado de cidadãos (pela) reforma.

A linguagem política – é lógico Jim, mas não como sabemos

Os críticos do Lobby de Jakarta foram rotulados anti-Indonésios, ignorantes ou simplesmente racistas. Tal é a mentalidade do grupo do Lobby que ONG’s, activistas de direitos humanos, a Igreja Católica, reportagens críticas dos media e mesmo Portugal foram violentamente condenados pelo grupo pela violência perpetrada pelos militares Indonésios nos anos 80’s e 90’s em Timor.

Dois massacres em Dili ocorridos em Novembro de 1991 e os comentários dos defensores Pró-Jakarta só demonstram a sua linguagem e mentalidade política extrema.

O número de mortes foi activamente minimizado ao mesmo tempo que o segundo massacre foi ignorado. Greg Sheridan e Richard Woolcott, um antigo Embaixador na Indonésia, de facto acusou Portugal de ter provocado a atrocidade.

O antigo Professor de Economia da ANU Heinz Arndt lamentou no The Australian, “… que o massacre foi uma tragédia, não por causa da perda de vidas mas porque inflamou campanhas de ódio anti-Indonésias na Austrália”.

Tais comentários aparentemente implicam que os mortos desarmados foram um último truque anti-Indonésio dos Timorenses, que egoisticamente se colocaram eles próprios no caminho do fogo das inocentes armas automáticas Indonésias. E o evento inteiro obviamente foi encenado somente para benefícios doméstico desses intrometidos fazedores de bem Australianos que simpatizavam com a luta dos Timorenses.

Em relação a 1965, em Aceh, Timor-Leste e agora a Papua Oeste, o Lobby de Jakarta não tem coragem moral nas suas posições éticas para reconhecer que deve aceitar assassinatos e atrocidades desde que isso traga um clima potencial de relações diplomáticas vantajosas com Jakarta.

Não se questionar o mérito da abordagem do Lobby de Jakarta à Indonésia é suspender a crença na lógica e obscurecer o sofrimento humano. Ser-se crítico dos militares Indonésios pela sua história documentada e aterradora de (violações) dos direitos humanos não é ser-se anti-Indonésio. Requer-se a sua reforma urgente tanto para os cidadãos comuns Indonésios, e a sua jovem democracia, como para o futuro dos direitos humanos nas ilhas do leste da Indonésia.

Quando George Orwell anotou que “a linguagem política … destina-se a fazer das mentiras verdades e de um assassino uma pessoa respeitável, e a dar uma aparência de solidez a simples vento” ilustrou o buraco negro ético da chamada necessidade de mentiras nobres para alcançar ganhos políticos de curto prazo.

As pessoas que apoiam tais tácticas demonstram a sabedoria em curso da visão filosófica de Orwell.

Ver o artigo completo aqui.

News Release: WFP welcomes food assistance from USA for Timor vulnerable families

WFP - 16 November 2006

Dili, TIMOR-LESTE- In a boost for international efforts to resolve Timor Leste’s ongoing humanitarian crisis, the United Nations World Food Programme today welcomed a donation from the United States of America of food that will be used to provide meals for school children in communities across Timor as well as for malnourished children and pregnant and lactating women, who are vulnerable to the long-term impacts of poverty and food insecurity.

An initial 670 metric tons of Corn Soya Blend (CSB) of a total shipment of 1,350 metric tons of CSB and 100 metric tons of Vegetable Oil contributed by the US will be unloaded in the Dili port and distributed by WFP across the island.

“The arrival of the USA contribution is critical for the people of Timor Leste” said WFP Asia Regional Director Tony Banbury. “Food assistance addresses an immediate need for families who are struggling against poverty in villages and will also help resolve Timor’s humanitarian crisis by helping those families who seek a peaceful return to their homes and communities in Dili.”

The US contribution will ensure the continuation of the Safety Net program assisting women and children under five and run by the Government of Timor-Leste and WFP. This vital program reaches over 140,000 primary school students and malnourished children and pregnant and lactating women, who are vulnerable to the long-term impacts of poverty and food insecurity.

The needed food commodities are part of an overall US$ 2 million contribution to date from the United States Agency for International Development (USAID) to assist WFP’s food operations in Timor-Leste, designed both to lift the people of Timor Leste out of poverty and to assist the thousands of Timorese displaced from their homes by the recent conflict.

Total received contributions to date will allow WFP to deliver food assistance only through the end of December 2006. In this regard, “WFP appreciates this invaluable contribution from the USA,” said Tarek Elguindi, WFP Representative in Timor-Leste. “WFP would like donors to support the continuation of food assistance operations to alleviate the humanitarian crisis over the short and medium term in the country.”
WFP is the world's largest humanitarian agency: each year, we give food to an average of 90 million poor people to meet their nutritional needs, including 56 million hungry children, in at least 80 of the world's poorest countries.

WFP Global School Feeding Campaign – For just 19 US cents a day, you can help WFP give children in poor countries a healthy meal at school – a gift of hope for a brighter future.

Visit our website:


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.