sexta-feira, maio 18, 2007


AP Exclusive: East Timor renegade soldier says he will not surrender

The Associated Press
Published: May 18, 2007

UNDATED: East Timorese renegade soldier Maj. Alfredo Reinado says he won't surrender to the authorities who are hunting him down for his role in deadly violence that brought down the government last year, raising the risk of further unrest in Asia's newest nation.

"They do not want me to surrender, they want me dead," Reinado said in his first interview since last week's presidential elections. He spoke on condition that the date of his interview and his whereabouts not be revealed. "While I am still alive, I am trouble to them."

President-elect Jose Ramos-Horta declined to respond, but indicated he was willing to negotiate with Reinado, who is a key challenge to his authority in the desperately poor nation.

"I am waiting for a letter from him," Ramos-Horta told The Associated Press on Friday. "I will then convene a high-level meeting involving the United Nations, the international security forces, the government and the parliament to discuss what to do next."

A former military police commander, Reinado is wanted for leading a group of 600 police and military officers to desert their posts last May.

They complained of discrimination against servicemen from the western part of the country — which borders Indonesia — and believe they were denied promotions because of a perception that they had collaborated with the Indonesians during the occupation.

His men clashed with loyalist forces in fighting that later spilled over into arson and gang warfare. At least 37 people were killed in the unrest, which led to the collapse of the country's first government since it broke from Indonesian rule in 1999.

He was arrested in July and charged with murder, but escaped from prison a month later.

Australian peacekeeping troops dispatched to the island following the violence have been hunting for Reinado. Two months ago, they raided his mountain hideout after surrounding it for several days, killing four of his followers, but Reinado managed to get away.

His defiance and strident anti-Australian rhetoric have turned him into a symbol of resistance for some young East Timorese. His ability to remain free while also giving regular media interviews has embarrassed the government.

"We are not an Australian colony, what are the Australians doing here?" the 39-year-old said. "Don't think they can turn us into Papua New Guinea and other Pacific countries. Never. We are friends, but we have to respect each other."

Reinado wore a baseball cap emblazoned with an East Timorese flag during the interview with an AP reporter and television crew. He spoke confidently in English with an Australian accent, which he picked up during several years in exile in Australia during the Indonesian occupation.

Reinado has a strong following in the west, where many see him as a defender of their interests. The raid on his hideout triggered rioting, leading to fears his arrest might prompt more violence.

Despite his remarks to the AP, analysts believe Reinado may be trying to negotiate a surrender behind the scenes to avoid jail time.

Reinado dismissed last week's election that saw Nobel Peace Prize winner Ramos-Horta replace independence leader Xanana Gusmao as president. Next month, the country will vote for the more powerful position of prime minister.

"Ramos-Horta (does) not have much power to control who would be in the next government because the president under the constitution doesn't do much; he is just like a picture hanging in the wall," said Reinado.

East Timor was a Portuguese colony for more than three centuries before it was invaded by Indonesia in 1976. Insurgents spent the next 24 years fighting the occupation, a struggle Ramos-Horta championed from exile.

When its people voted for independence in 1999, Indonesian troops and their militia allies went on a rampage, killing more than 1,000 people and leaving much of the nation in flames.

Parlamento timorense aprova emendas para garantir eleições limpas

EFE – 18 Maio 2007 - 02:14

O Parlamento do Timor-Leste, controlado pelo partido Fretilin, aprovou várias emendas na legislação eleitoral para evitar a compra de votos e a intimidação de eleitores nas eleições legislativas de 30 de junho.

Dili - Francisco Branco, do Comitê Central da Fretilin, disse hoje aos jornalistas que as emendas foram aprovadas na terça-feira passada, por proposta do partido. A sessão foi realizada à revelia dos representantes da oposição.

O porta-voz acrescentou que as mudanças na lei prevêem penas de prisão e multas para crimes como compra de votos, indução ao voto por parte dos funcionários públicos, e ameaças e intimidações. A lei também estabelece sanções para a imprensa e pessoas que acusem os partidos políticos de praticar a intimidação e a compra de votos, sem apresentar provas.

Branco declarou que a ausência dos dispositivos legais permitiu a campanha contra o candidato do Fretilin nas eleições presidenciais deste mês, Francisco Guterres. Ele foi acusado por seus rivais políticos de incentivar práticas fraudulentas.

Além disso, afirmou que as emendas foram recomendadas pela União Européia, que supervisionou as eleições presidenciais. E criticou a oposição por não participar do debate parlamentar.

East Timor renegade soldier says he will not surrender

AP/Jakarta Post - May 18, 2007

East Timorese renegade soldier Maj. Alfredo Reinado said he would not surrender to authorities hunting him down for his role in deadly violence that brought down the country's government last year, raising the risk of further unrest in Asia's newest nation.

"They do not want me to surrender, they want me dead," Reinado said in his first interview since last week's presidential elections. He spoke on condition that the date of his interview and his whereabouts not be revealed.

"While I am still alive, I am trouble to them."

A spokesman for President Jose Ramos-Horta said the leader may comment later Friday on the remarks. He and other officials have repeatedly called on Reinado to surrender, saying he would not be harmed if he did so.

A former military police commander, Reinado is wanted for bloody fighting that erupted in East Timor last year following months of rising tensions within the country's political and military elite. The violence killed 37 people and led to the collapse of the country's first government since it broke from Indonesian rule in 1999.

The Australian peacekeeping troops who arrived on the island following the violence have been hunting for Reinado. Two months ago, they raided his mountain hide-out after surrounding it for several days, killing four of his followers, but Reinado escaped. His defiance and strident anti-Australian rhetoric has turned him into a symbol of resistance for some young East Timorese. His ability to remain free while also giving regular media interviews has shown the apparent weakness of the tiny nation's central government.

"We are not an Australian colony, what are the Australians doing here?" the 39-year-old said. "Don't think they can turn us into Papua New Guinea and other Pacific countries. Never. We are friends, but we have to respect each other."

He dismissed last week's election that saw Nobel Peace Prize winner Jose Ramos-Horta replace independence leader Xanana Gusmao as president. Next month, the country will vote for the more powerful position of prime minister.

Timor-Leste: Corrupção de "pequena escala" - organização LABEH

Díli, 17 Mai (Lusa) - O nível de corrupção em Timor-Leste existe apenas em "pequena escala", não sendo igual ao de outros países do Sudeste Asiático, assinala um relatório apresentado hoje pela organização não- governamental timorense LABEH.

"Existe corrupção em pequena escala, talvez porque não há muito dinheiro" no país, afirmou à Lusa Cristopher Henry Samson, director da organização LABEH (Lalenok ba Ema Hotu, "Um Espelho para o Povo").

O relatório hoje apresentado pela LABEH, perante o primeiro-ministro cessante José Ramos-Horta, cobre os primeiros cinco anos de independência do país e apresenta uma lista de casos (cerca de 40) que a organização pediu à Procuradoria-Geral da República e à Provedoria de Direitos Humanos e de Justiça para investigar.

"Temos algumas indicações de corrupção em alguns ministérios e preocupa-nos que não foi feito tudo o que se podia, sobretudo a nível judicial", declarou o director da LABEH.

"Os responsáveis deviam pelo menos ser questionados para que o público saiba o que se passa", acrescentou Christopher Henry Samson.

A falta de acção das instâncias judiciais é uma preocupação central do relatório de corrupção da LABEH, e várias das recomendações são dirigidas à PGR e ao Provedor de Justiça, bem como ao Inspector-Geral do Estado timorense.

"Por vezes alguém diz, desculpando a corrupção, que 'é a nossa cultura'. Não, não é, e precisamos de a combater", afirmou o responsável da LABEH.

Os casos detectados pela organização "referem-se sobretudo a colusão e nepotismo, do género de alguém atribuir um contrato a uma pessoa da sua confiança, sem seguir as regras legais. Não é tanto uma corrupção financeira. Não detectámos grandes desvios de dinheiro, ou grandes desfalques", explicou Christopher Henry Samson.

"Este relatório é o mais justo. Não é agressivo", concluiu o director da LABEH.


Estanislau da Silva indigitado para chefiar novo governo

Díli, 18 Mai (Lusa) - O ministro da Agricultura e primeiro vice-primeiro-ministro Estanislau da Silva foi hoje indigitado pela Fretilin para chefiar o terceiro governo constitucional, disse à Lusa fonte oficial da Presidência da República.

O novo executivo tome posse sábado véspera da tomada de posse do novo Presidente da República, José Ramos Horta que cessa hoje funções como primeiro-ministro.

O terceiro executivo fará um governo de gestão até às eleições legislativas a 30 de Junho.

Alteração à lei eleitoral "é retrocesso" - CNE

Díli, 17 Mai (Lusa) - A recente alteração para as eleições legislativas aprovada no Parlamento "é uma lei ruim", "contra a transparência e eficácia" no escrutínio e significa "um retrocesso", declarou à Lusa o porta-voz da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Martinho Gusmão.
"A CNE mandou uma rascunho para o Parlamento com artigos que nós considerávamos urgente alterar mas nunca esperávamos este tipo de lei", explicou o porta-voz, à margem de uma conferência de imprensa convocada sobre o assunto.

O Parlamento timorense aprovou dia 16 de Maio uma alteração da lei eleitoral para as legislativas que introduziu mudanças no local de contagem e no conteúdo do boletim de voto.

O projecto de lei de alteração da Lei 6/2006, de 28 de Dezembro, elimina a contagem em cada estação de voto passando-a para as "respectivas sedes dos distritos", além de reintroduzir outras normas eleitorais.

"Esta lei não só não se respeita a vontade da maioria mas também perde a transparência do processo. É o contrário da justificação da lei", acusou Martinho Gusmão.

O que se obtém, segundo o sacerdote da diocese de Baucau, "é tudo o contrário: a suspeita do processo de democracia por não haver transparência".

"Em conclusão, a CNE diz que do ponto de vista técnico esta alteração é um retrocesso", declarou Martinho Gusmão.

"Começámos a aperfeiçoar o processo (de apuramento) durante a primeira e segunda volta (das presidenciais) e agora alteram o procedimento".

A CNE alega que as alterações "têm implicações sérias de natureza legal, operacional, logística e financeira".

Martinho Gusmão referiu ainda "implicações a nível da formação dos votantes e de educação cívica, porque é preciso preparar os votantes e os oficiais eleitorais", com um novo manual a elaborar pela CNE.

Outras questões levantadas pela CNE prendem-se com o prazo de 48 horas para a contagem dos votos, que a Comissão considera insuficiente.

"Sobre lei, digo com todo o respeito: eles não pensam. Levantam só a mão e ninguém pensa sobre a aplicabilidade desta lei", concluiu o porta-voz da CNE.

Martinho Gusmão recordou que a alteração legal foi aprovada por unanimidade com os votos "do partido maioritário", ou seja, da Fretilin, e alude a "interesses políticos".

"Esta alteração era o esboço da primeira lei", referiu Martinho Gusmão. "Como não conseguiram aprová-la na Assembleia, usam esta oportunidade para reintroduzir esta lei. Na verdade, esta lei foi rejeitada. Contraria o interesse comum e a vontade da maioria da população, entidades académicas, sociedade civil, igreja católica, todos os que rejeitaram esta lei anteriormente".

O partido maioritário anunciou a alteração numa nota do seu gabinete de comunicação com a referência "Fretilin aprova lei para proteger eleitores depois das eleições legislativas".

O comunicado citava um dos deputados que propôs a alteração, Francisco Branco: "A alteração significa que ninguém saberá como é que as pessoas votaram em cada suco", um grupo de aldeias que corresponde ao nível inferior da administração pública.

O comunicado da Fretilin repete, no parágrafo imediato, que "é bastante claro que os nossos militantes e apoiantes estão debaixo de ataque e intimidação em vários distritos", acusação que os últimos relatórios e declarações da Polícia das Nações Unidas e do chefe da missão internacional não confirmam.

Francisco Branco refere também que "esta alteração no método de contagem é similiar à usada em 1999 durante o referendo pela independência, em que a contagem foi feita apenas em Díli".

A contagem dos votos do referendo em 1999 foi feita após o conteúdo de todas as urnas de todo o país ter sido despejado e misturado num único local - um detalhe que não aparece na alteração agora aprovada, como notou o porta-voz da CNE.

"Alegar a questão de segurança, para não identificar sucos e aldeias, tem lógica, mas essa intervenção deveria ter sido feita há três ou quatro meses, não agora", acrescentou Martinho Gusmão.


FRETILIN esforça-se para ter eleições limpas

Comunicado de Imprensa
Sexta-feira, 18 de Maio de 2007

A FRETILIN utilizou a sua maioria no Parlamento Nacional para aprovar uma emenda da Lei Eleitoral, como forma de prevenir actos de intimidação aos votantes e compra de votos.

As emendas, que incluem penalidades e multas, têm como objectivo "acabar com as formas negativas que foram utilizadas contra o candidato da FRETILIN, durante a eleição presidencial", disse hoje Francisco Branco, deputado parlamentar e membro do Comité Central da FRETILIN.

"Desde o momento em que o Presidente Lu Olo apareceu com o maior número de votos, na primeira volta em Abril, que têm havido contínuas alegações contra a FRETILIN, sobre compra de votos e intimidação de votantes, sem que nenhuma evidência tenha sido apresentada."

O Parlamento Nacional aprovou as emendas, apresentadas na Terça-Feira, 15 de Maio de 2007, pelos deputados Francisco Branco e Elizário Ferreira, da bancada da FRETILIN.

Francisco Branco disse que diversas organizações nacionais e internacionais, governamentais e não governamentais, têm feito o recomendações para que tais emendas fosse feitas. Por exemplo, a Missão de Observadores Eleitorais da União Europeia recomendou que "a lei eleitoral fosse emendada para reforçar os poderes… por exemplo, através da emissão de multas."

Francisco Branco disse também: "Nós estamos certos que a emenda da lei irá providenciar sanções suficientes para termos uma camapanha limpa e criar um campo de igual nível para todos, especialmente em relação à Comunicação Social – uma área onde a FRETILIN tem sido vitimizada de forma extensiva, sem forma de recurso legal."

Deputados parlamentares, dos Partido Democrático e Partido Social Democrático, abandonaram o Parlamento quando iniciou-se o debate sobre as emendas, levantando dúvidas sobre os seus compromissos para com as práticas eleitorais democráticas.

As emendas contêm termos de multas e prisão, para ofensas como:

. Não cumprimento das obrigações estabelecidas por lei, por parte de indivíduos.

. Uso inapropriado de nomes e símbolos de outros partidos politicos, por parte de partidos e candidatos

. Realização de actividades de campanha após a data limite do período oficial da campanha
Venda e consumo de bebidas alcóolicas em locais até 100 metros dos centros de votação
Abuso de poder, por parte de funcionários públicos e/ou oficiais de estado, com o objectivo de restringirem os votantes de exercerem os seus direitos de voto e/ou de induzirem os votantes a votar para um candidato específico

. Ameaças de despedimento, ou outras sanções, à um empregado, ou recusa de emprego, de forma a influenciar na intenção de voto do indivíduo

. Oferta ou promessa de emprego, público ou privado, ou qualquer vantagem a um ou mais votantes, para de forma directa ou indirectamente influenciar o seu voto – assim como aceitar ser corrompido

. Falsificação de boletins de voto

. Falha, por parte do Responsável pelo centro de votação, na recepção e processamento de reclamações relacionadas com o processo eleitoral.

. Falta, por parte dos Oficiais da Polícia, em estarem presentes nos centros de votação, quando são oficialmente designados para tal função

. Fazer falsas acusações, de forma deliberada, contra outra pessoa, de violação da lei eleitoral.
Apresentação de queixas, de má fé e sem fundamento, em relação às autoridades eleitorais e suas decisões.

. Estar ilegalmente armado/a no centro de votação.

Para mais informações, contacte:

Jose Teixeira (+670) 728 7080 (Dili)

Party leaders visit former East Timor minister in jail East Timor

ABC Radio Australia
Leaders of East Timor's ruling political party have visited a former cabinet minister jailed for weapons offences.

Fretilin party president, Francisco Guterres, visited former home affairs minister Rogerio Lobato, who began his jail sentence last week.

Mr Lobato lost an appeal against his conviction for distributing weapons to civilians during last year's deadly unrest.

Mr Guterres, who was accompanied by former prime minister Mari Alkatiri and other party leaders, says Mr Lobato was in good health.

He added that Mr Lobato's position as deputy president of the party will be discussed at a party meeting on Saturday.

Mr Alkatiri was forced to resign over his alleged role in the May unrest, in which at least 37 people were killed.

Newly-elected President, Jose Ramos-Horta, has pledged to unite the country and help restore security.


Gabinete do primeiro-ministro
Informação à Comunicação Social

Díli, 17 de Maio de 2007 – Nos dez meses de mandato do Primeiro-Ministro Dr. José Ramos-Horta, foi dada prioridade à avaliação e aprovação de 45 projectos de investimento directo estrangeiro no valor de 193 milhões de dólares norte-americanos, estimulando a criação de empregos.

Entre eles estão 20 novos projectos no valor de 160 milhões de dólares norte-americanos, criando 17.300 postos de trabalho em 3 anos. Vários já estão a funcionar ou em fase de construção.

No 12 meses anteriores, entre Julho de 2005 e Junho de 2006, haviam sido aprovados 12 projectos de investimento directo estrangeiro.

“Coloquei a atracção de investimento estrangeiro e a criação de empregos nas primeiras prioridades do II Governo Constitucional. Agora começamos a ver surgirem novas oportunidades de emprego para o povo de Timor-Leste”, disse o Primeiro-Ministro e presidente-eleito Dr. José Ramos-Horta.

Os projectos aprovados destinam-se a vários sectores de actividade, da construção à agricultura, às pescas, ao turismo e infra-estrutura turística e ao micro-crédito. O investimento destina-se a diferentes regiões de Timor-Leste.

“As dificuldades que o país atravessou no ano passado não afastaram o interesse de investidores estrangeiros, do Japão, Coreia ou Malásia, à Austrália, Portugal ou Singapura”, disse o Dr. Ramos-Horta.

“O facto de eu ser conhecido como um Primeiro-Ministro pró-desenvolvimento e de estar decidido a que o Governo tivesse uma acção facilitadora do investimento, em vez de só levantar dificuldades aos investidores, teve um efeito benéfico”, reconheceu o Primeiro-Ministro cessante.

“Mas, agora, temos de criar condições de paz e estabilidade para os investimentos aprovados darem os seus resultados e conseguirmos um forte crescimento económico e uma melhoria do rendimento das pessoas”, afirmou.

“Quero garantir um ambiente que dê confiança aos operadores económicos, para que tragam o seu dinheiro e o seu know-how para Timor-Leste. O sector privado é fundamental para criar empregos e desenvolver o país”, disse.

“Na Ásia, como noutros locais, a experiência mostra que só países com capacidade para atraírem investimento estrangeiro conseguem ter fortes taxas de crescimento e melhorar de maneira sustentada o rendimento disponível das famílias”, acrescentou o Dr. Ramos-Horta.

Entre os sectores que atraíram mais investimento está o das Pescas, com 23 milhões de dólares norte-americanos em diferentes projectos de investidores da Coreia do Sul, da Malásia e da Austrália. Prevê-se que criem 2670 postos de trabalho em diversas zonas, como Lospalos, Com, Hera e Díli. Dois terços desse investimento foi já realizado.
No sector da Agricultura e Florestas, foram aprovados quatro projectos que devem criar mais de 14 mil postos de trabalho em Baucau, Ermera, Loes, Liquiçá, e Suai. O investimento aprovado soma 19 milhões de dólares norte-americanos.

Os dois maiores projectos aprovados, ambos para Díli, são de investidores de Singapura: um no sector do Petróleo e Refinação, no valor de 29 milhões de dólares norte-americanos, criando 170 novos postos de trabalho; e outro na Hotelaria, no valor de 27,5 milhões de dólares norte-americanos, com criação de 750 novos postos de trabalho.

Um projecto emblemático é o Edifício Vision, um investimento do grupo Wideform no valor de 25 milhões de dólares norte-americanos, a localizar numa zona nobre da baixa de Díli (conhecida por Hello Mister). Será o primeiro edifício em altura da capital de Timor-Leste, com 10 andares, projectado para utilização mista, residencial e comercial e incluindo piso para estacionamento automóvel. A concessão do terreno foi assinada em Março e o projecto arquitectónico de pormenor deverá estar pronto em breve. O investimento no Vision vai gerar 30/50 empregos permanentes e 50/70 na fase de construção.

O grupo Wideform, do casal Fernando e Estela Ferreira, conhecidos empresários portugueses há muito radicados na Austrália, iniciou também a operação uma oficina de Reparação Automóvel e comércio de peças sobressalentes, em parceria com a Associação de Veteranos das F-FDTL, que irá modernizar e qualificar a actividade de reparação automóvel em Timor-Leste, num momento em que a procura de serviços nesta área cresce muito rapidamente. Na fase inicial, esta parceria criou 15 postos de trabalho, podendo triplicar esse número quando estiver em plena actividade. É um projecto com uma componente forte de actualização técnica e tecnológica, com recuperação de instalações, modernização de equipamentos e formação profissional. Esta é proporcionada por mecânicos australianos experientes e dirigida, em primeiro lugar, a jovens em início de vida activa.

O sector da Hotelaria e Turismo despertou grande interesse nos investidores. Muitos dos projectos aprovados entraram em fase de construção ou estão a iniciar a actividade, respondendo à escassez de oferta de alojamento de qualidade para visitantes e residentes temporários. O número de postos de trabalho criados no sector ultrapassará os 2000.

O Hotel Califórnia, em Díli, na zona da praia de Metiau, tem um custo estimado de 1.7 milhões de dólares norte-americanos, criando 40 novos empregos e integrando áreas para reuniões e conferências internacionais. Propõe-se oferecer serviços de padrão internacional, com pessoal especialmente formado.

A Discovery Inn, um condomínio habitacional de 4 estrelas na baixa de Díli, já começou a funcionar. É um investimento de 750 mil dólares norte-americanos do grupo East Timor Trading, bem estabelecido em Timor-Leste. Integra um restaurante de nível internacional, com cozinha Europeia e do Sul da Ásia e, na fase inicial, cria 110 empregos, dos quais 70 serão postos de trabalho permanentes, muitos destes destinados a trabalhadores especializados formados para o efeito. O grupo projecta também um hotel de classe internacional com 120 quartos, com um valor de 10 milhões de dólares norte-americanos e criando 400 postos de trabalho.

O Arbiru Beach Resort é um hotel de 64 quartos que envolve um investimento de 530 mil dólares norte-americanos. O desenvolvimento do projecto, dirigido a visitantes estrangeiros e a residentes da capital, deverá criar centenas de postos de trabalho. Inclui uma área comercial e uma zona de animação nocturna.

O Micro-crédito Tuah Hun Unipessoal é um projecto original na área do desenvolvimento local sustentado. Dirigido aos pescadores de Timor-Leste, envolve um investimento de 2 milhões de dólares norte-americanos em instalações de apoio à respectiva actividade e criando 1000 empregos permanentes em três anos. – FIM

‘Reinado wants to surrender’

18.5.2007. 16:04:11

Fugitive East Timor rebel leader Alfredo Reinado has agreed to most of the conditions for his surrender, his lawyer said today.

Major Reinado, criticised for his role in last year's deadly unrest in the troubled state, wants a permanent halt to military operations against him and his loyal band of followers, his lawyer said.

"Our client is ready to surrender his weapons and face justice but military and police operations on him should be ceased," Benevides Barros Correia told reporters. "Dialogue should start as soon as possible."

Reinado has fine-tuned the details of this surrender in a letter to outgoing president Xanana Gusmao, who has been corresponding with the fugitive in an attempt to secure his surrender without bloodshed.

"A temporary cease to (military) operations should be changed to total cease," he said in the letter to Mr Gusmao.

Reinado also said he agreed to a suggestion to allow Dili Bishop Alberto Ricardo da Silva to mediate with authorities in the final steps to surrender.

It is unclear what would happen after he gave himself up, although he has said he is willing to face "justice".

Reinado has been on the run since Australian-led troops attacked his mountain hideout in March. Five of his armed supporters were killed during the failed offensive, which triggered protests by his supporters.

The fugitive has previously been blamed in part for last year's unrest, after he and others led 600 soldiers to desert the army over claims of discrimination.

The soldiers were sacked by the then prime minister, sparking gun fights between factions of the military that degenerated into gang violence.

At least 37 people were killed, another 150,000 displaced and Australian-led international peacekeepers were dispatched to restore security.

The government approved the manhunt in February after Reinado attacked several border police outposts and fled with dozens of weapons.

Reinado had been central to fears that unrest could mar this month's presidential election, which Jose Ramos Horta won in a run-off.

But the fugitive vowed not to disrupt polling, and instead requested a negotiated surrender.

H. Correia deixou um novo comentário na sua mensagem "Eleição imperfeita de Timor-Leste":

Sinceramente, pensava que a Srª Jolliffe conhecesse melhor a relação entre Timor e Portugal, depois de tantos anos de jornalismo em contacto com terras timorenses - e, pelos vistos, de leitura atenta do "Timor Online".

Os portugueses serão sempre bem-vindos em Timor, seja qual for o regime ou o partido no poder.

Quanto ao resto, são os slogans do costume, que nem vale a pena comentar.

Dos Leitores

H. Correia deixou um novo comentário na sua mensagem ""Lassama" exclui aliança com a FRETILIN":

Lasama "exclui" uma hipótese que ninguém lhe propôs, nem proporá: coligação com a Fretilin.

É uma táctica já bem conhecida de quem se quer pôr em bicos dos pés, aparentando superioridade e desprezo em relação a uma inexistente proposta de aliança da Fretilin, fazendo crer que esta se encontra desesperadamente suplicando "alianças" com tudo e todos.

Mas o momento mais caricato das declarações de Lasama foi quando este afirmou, sobre a "geração de 1975":

"o povo já lhes concedeu a oportunidade de servir e a nação está como está. Todo o povo sabe disto e todo o mundo vê."

E acrescenta que:

"A geração pós-75 tem as suas próprias ideias para resolver esta crise".

Ora sabendo que "O PD assinou em Fevereiro um acordo com a Associação Social Democrata Timorense (ASDT) e o Partido Social Democrata (PSD) para depois das legislativas de 30 de Junho", quer dizer que para Lasama os líderes da ASDT e do PSD (Xavier do Amaral e Mário Carrascalão) devem pertencer à tal "geração pós-75"...

Mais uma contribuição para o anedotário nacional?

Reflexões sobre as eleições Presidenciais Timorenses

Tradução da Margarida:

De ETAN - 12 Maio, 2007

Por Max Lane

(As seguintes notas são o resultado de conversas telefónicas com contactos em Timor-Leste e com amigos em Jacarta que também estão em contacto estreito com Timor-Leste, bem como de materiais disponíveis nalguns websites chave. A falta de media fortes em Timor-Leste significa que não há registos suficientes, especialmente para uma pessoa que observa de longa distância para poder ter uma imagem realmente clara do que está a acontecer. Novos relatos nos media de referência são muitas vezes enganadores dado que os jornalistas chegam e partem de Timor-Leste para eventos particulares e relatam sem qualquer entendimento da história, mesmo da história imediata, ou do contexto ou sensacionalizam para tentar obter uma parte maior do mercado. No caso de Timor-Leste, uma grande maioria dos materiais são escritos por participantes directos em batalhas políticas, ou com fortes ligações.

De qualquer modo, no imediato pós-período eleitoral, o seguinte “curso de ideias” é agora posto aí em baixo por escrito)

José Ramos Horta, apresentando-se como candidato independente, derrotou o candidato da FRETILIN, Francisco Guterres Lu Olo, 70% para 30% na segunda volta das eleições presidenciais em Timor-Leste em 9 de Maio. Este voto aparentemente separador de águas, contudo, não garantirá uma mudança para uma situação política mais estável. Uma análise mais profunda de algumas das questões de longo prazo por detrás das divisões entre a elite política Timorense e alguns dados das próprias eleições apontam para algumas questões não resolvidas.

Primeiro, há que anotar que Horta não foi a primeira escolha da maioria dos Timorenses. Obteve menos votos que Lu Olo da FRETILIN na primeira volta: 23% para 27%. Em termos de balanço de apoiantes firmes de Horta versus FRETILIN, parece bem balanceado. Adicionalmente, outros partidos como o Partido Democrático, liderado por Ferdinand Araujo, tinha obtido 18% e a Associação Social-Democrata Timorense (ASDT) recebeu 11 %. Uma série de pequenos partidos também receberam votos. As eleições revelaram que não há nenhum líder ou grupo liderante que tenha a confiança esmagadora das pessoas. Ao mesmo tempo, a segunda volta representa uma grande rejeição da ala da FRETILIN da elite política.

É preciso sublinhar que esta é a primeira disputa real entre as duas alas da geração mais velha da elite política Timorense, da liderança de longo prazo do movimento nacionalista. Nas eleições de 2001, não houve disputa entre estes dois grupos, nomeadamente o eixo entre Xanana Gusmão e José Ramos Horta por um lado e a liderança da FRETILIN, sob Mari Alkatiri, por outro. O que está por detrás das tensões entre estes dois grupos?

A divisão - pelo menos desde os anos 1990s - não foi ideológica. Gusmão, Horta e Alkatiri foram todos líderes da FRETILIN em 1975. A divisão entre eles emergiu sobre as tácticas nos anos 1980s e 1990s e a maneira como as tácticas tenderam a marginalizar um grupo. Gusmão tornou-se responsável da FRETILIN nos anos 1980s. Ao princípio, tentou organizá-la como um partido de esquerda disciplinado, mudando o seu nome de FRETILIN para FRETILIN (Marxista-Leninista). Mais tarde, alegadamente por conselho de Horta, deixou cair isto e levou-a para um novo rumo. Adoptou a estratégica de tentar re-organizar a resistência contra a ocupação militar de Suharto sob uma nova organização, o Conselho Nacional de Resistência Maubere (CNRM), mais tarde re-nominado Conselho Nacional de Resistência Timorense (CNRT).

Formalmente este era uma organização abrangente envolvendo a FRETILIN bem como o seu rival de há muito, a União Democrática Timorense (UDT), que originalmente se tinha inclinado mais a preservar ligações com Portugal. Na prática, contudo, a formação do CNRM chegou depois duma devastação massiva da FRETILIN e da sua ala armada, FALANTIL, sob dez anos de massacres militares pelas forças armadas da Indonésia. A CNRM desenvolveu-se como uma organização com o seu próprio aparelho, e recrutou novos jovens numa nova base ideológica nacionalismo Timorense menos qualquer específica identificação partidária. Em nome da unidade foram desencorajados debates e discussões ideológicos. A ideia era que o futuro de Timor-Leste foi confinado a um acordo para adoptar as declarações básicas da ONU sobre direitos humanos.

As FALINTIL, o pequeno grupo de guerilha da FRETILIN, foi reorganizado para ficar sob o controlo do CNRM em vez de filiado na FRETILIN.

A iniciativa do CNRM era primariamente uma iniciativa de Gusmão e Horta. Gusmão, mais tarde capturado pelas forças armadas Indonésias, falou em nome do. Fora de Timor-Leste, Horta era o principal porta-voz do CNRM, com representantes do CNRM em muitos países. Em Portugal e na Austrália, contudo, a FRETILIN manteve uma existência real e separada. A liderança da FRETILIN ressentiu profundamente a emergência do CNRM ou, pelo menos, algumas das concessões que Gusmão e Horta tinham feito à UDT. Em particular, a proclamação de independência feita pela FRETILIN, com apoio das massas, em 1975 foi anulada. A UDT nunca aceitara essa proclamação. A estratégia diplomática do CNRM que tinha por base a aceitação do processo de auto-determinação não tinha sido completamente feita. O CNRM fez campanha por um referendo para a independência que requeria a aceitação de que a proclamação de 1975 não era aplicável.

A alienação da liderança da FRETILIN da liderança do CNRM de Gusmão-Horta era também manifestada numa mentalidade que assumia que a FRETILIN, que tinha ganho o apoio maioritário das massas em 1975 com a liderança da luta da independência, tinha garantido o apoio popular para sempre e que a FRETILIN quase automaticamente teria apoio massivo sem ter de reganhar esse apoio e sem ter de reganhar a autoridade. Mais tarde, no governo, isto fez crescer uma série de decisões que ultrapassaram a autoridade real que a FRETILIN tinha.

Depois do referendo de 1999 e da abertura de um processo político de transição, a CNRM, formalmente uma organização abrangente, foi desmantelada. Gusmão e Horta não fizeram nenhum esforço para fundar partidos políticos. Nas eleições de 2001 não houve nenhuma disputa séria entre estas duas alas rivais da elite. A FRETILIN não apresentou um candidato contra Gusmão para as eleições presidenciais. Nas eleições parlamentares, nem Gusmão nem Horta, sem um partido ou partidos deles próprios, lançaram uma campanha alternativa contra a FRETILIN. Activistas de grupos de estudantes nacionalistas, como de Ferdinand Araujo da RENETIL, fizeram um partido que disputaram as eleições tal como fez um dos fundadores da FRETILIN, Xavier Amaral. Mas em 2000-2001 estes eram ainda competidores fracos. FRETILIN, apesar de ter previsto uma vitória de 80%, ganhou apenas pouco menos de 60% dos votos.

A FRETILIN tinha começado a reconstruir a sua estrutura partidária. Algumas secções do velho CNRM juntaram-se. Não me é ainda claro qual a base actual do recrutamento em geral e da organização dos militantes. Contudo, há pouca evidência que aponta que houve qualquer disputa substantiva ideológica ao apelo da FRETILIN. Ela apela primariamente na base do seu papel histórico. Na ausência de Gusmão e de Horta a tentar rivalizar a FRETILIN depois de 1999, a FRETILIN estabeleceu-se como o maior partido mas com que nível de compromisso e de profundidade ideológica. Os resultados das eleições Presidenciais revelam que foi sempre fraco.

A FRETILIN teve uma maioria no parlamento e constituiu o governo até agora apesar de ter de incorporar Horta no governo, primeiro como Ministro dos Estrangeiros e depois como Ministro da Defesa e Primeiro-Ministro. Contudo, a FRETILIN apoiou-o neste cargo depois da crise de Abril 2006 na condição dele se encontrar semanalmente com a liderança nacional da FRETILIN.

Ambas estas alas da elite Timorense eram nacionalistas Timorenses com uma orientação ideológica para estabelecer um sistema capitalista, um “Estado de bem-estar” em Timor-Leste. Num congresso em Sydney depois do derrube da Suharto, a FRETILIN tinha abaixado seriamente o seu programa de tendência socialista. Tinha diminuído o significado do conceito de “maubere” similar ao Indonésio “marhaen” – referindo-se às massas oprimidas e exploradas de Timor-Leste. Mudou-se para se poder apresentar como um governo aceitável pelas instituições dadoras principais. No governo, ganhou os louvores do FMI e do Banco Mundial. Ao mesmo tempo, ambas as alas, por exemplo, até agora foram relutantes em que Timor-Leste se individe a instituições estrangeiras. A política externa Timorense, com Horta como Ministro dos Estrangeiros, tem tentado construir ligações com o mundo de língua Portuguesa, China e a ONU bem como com a Indonésia e a Austrália os seus dois enormes e ricos vizinhos, ambos os quais se revelaram eles próprios disponíveis para actuar contra os interesses Timorenses dos modos mais brutais.

Em Abril, 2006, o governo de Alkatiri demitiu 600 soldados por terem protestado contra o que sentiam serem padrões de discriminação e de favoritismo nas forças armadas. Legalmente, os soldados estavam a actuar amotinadamente e o governo tinha o direito legal de os despedir. Mas da acção resultou o endurecimento da resposta dos soldados, manifestações e confrontos com a polícia e outros sectores das forças armadas. Na realidade, o governo da FRETILIN no processo de estabelecer um novo Estado, não tinha conquistado a autoridade para resolver esta disputa com medidas administrativas. As forças armadas e a polícia dividiram-se, tensões entre pessoas do leste e do oeste, conflito de gangs, e desordens sociais tomaram conta do país, especialmente de Dili.

O Presidente (Gusmão), Presidente do Parlamento (FRETILIN Lu Olo) e o Primeiro-Ministro da FRETILIN Alkatiri não tiveram escolha que pedir ajuda internacional, incluindo o uso da polícia e forças armadas Australianas. O Estado já não tinha meios de coerção.

Estes eventos agudizaram as divisões entre as duas alas: mais uma vez não em questões ideológicas mas acerca da competência de construção do Estado, em particular como construir um novo Estado para gerir uma sociedade capitalista, onde a liderança política tinha apenas uma autoridade fraca sobre o povo. Na Austrália, a elite política Australiana favoreceu Gusmão-Horta. Uma razão era sem dvida por Horta ser maia fácil de lidar, enquanto Alkatiri tinha uma personalidade menos conciliadora a lidar com qualquer pessoa e com toda a gente. A questão crucial era que ala podia alcançar e manter a estabilidade de uma sociedade capitalista. Contudo, a batalha desde então desenrolou-se com a elite ou o estado Australiano a jogar bastante. Apesar da publicidade favorável na Austrália, Horta mesmo assim apenas obteve 23% na primeira volta. A publicidade na Austrália é de pouca importância nas cidades e aldeias de Timor-Leste.

Na primeira volta das eleições Presidenciais, a campanha parece ter sido muito esvaziada de discussão política. Os dois principais competidores, Horta e Lu Olo, basearam ambos a campanha em afirmações gerais de que restaurariam a estabilidade e a segurança. Então a primeira volta revelara a realidade, que nenhum estava perto sequer de ter um apoio maioritário; nenhum estava em posição de descansar apenas na autoridade que podiam pensar tinham conquistado durante a luta pela independência.

Horta talvez tivesse ficado chocado com a sua baixa votação na primeira volta, falou sobre possíveis irregularidades na votação. Ao contrário da FRETILIN, contudo, viu claramente que era necessário oferecer qualquer coisa às pessoas se queria vencer. A FRETILIN pareceu simplesmente agarrar-se às suas causas, defender tudo o que tinha feito, não oferecendo nada de novo.

Havia duas áreas onde Horta podia fazer algumas ofertas políticas para ganhar apoio. O Partido Socialista de Timor (PST), que ganhou abaixo dos 3% na primeira volta, sem ser capaz de ganhar votos dos grandes partidos, conseguira fazer passar a mensagem levantando a questão da necessidade de usar os rendimentos do petróleo e do gás de Timor para aumentar a produção agrícola; para dar receitas e para garantir preços aos agricultores. Outros partidos levantaram isto também, apesar de com menos clareza de como usar o dinheiro. Horta agarrou também a questão, criticando a FRETILIN por não querer fazer isto. Lu Olo, parece, respondeu com a defesa da política de investir as receitas em investimentos a longo prazo como sendo fiscalmente responsáveis e com as “melhores práticas fiscais”. Horta fez a campanha dizendo que seria um Presidente para os pobres. Prometeu ainda usar o dinheiro na educação e saúde e para criar pensões para os idosos e veteranos.

Uma segunda possibilidade requeria obter o apoio do Partido Democrata (PD), liderado por Ferdinand Araujo, um antigo estudante líder da RENETIL. Não entendo muito do e PD ou o que é. O seu programa formal parece ser uma mistura de liberalismo e democracia social, mas o que é e o que faz no terreno não é ainda claro para mim. Alguns comentadores classificam-no como da “ala direita” outros como “liberal democrático”. Uma coisa parece ser clara, contudo, nomeadamente que é mais forte na parte pobre oeste de Timor (- não qque a leste de Timor-Leste seja rico). Ouvi relatos que a campanha da primeira volta assentou em alguns apelos a sentimentos ligados a ideias que a região oeste tinha sido negligenciada. O PD tinha também apelado a uma paragem das acções militares, sob comando Australiano, contra o major Alfredo Reinado, que era da região oeste.

A promessa de Horta de mais financiamento para a educação, saúde e agricultura teria sido apelativa para a base do PD. Horta fez ainda um apelo para o cancelamento das operações militares contra Reinado t, se quisesse dialogar. Isto foi de facto, uma simples reiteração de uma política do governo já decidida. O primeiro-ministro em exercício da FRETILIN, Estanislau da Silva, criticou Horta fpor esta declaração e pediu aos militares Australianos para não pararem as operações. (o apelo de Horta teria ainda ganho o apoio de outras partes da sociedade que queriam que a disputa com Reinado se resolvesse politicamente e não com canhões nos helicópteros Australianos a persegui-lo no mato.)

A segunda volta da campanha de Horta r«teve o apoio de todos menos um dos 6 candidatos da primeira volta, incluindo o apoio do PST. (ver post separado). A FRETILIN recebeu o apoio de dois dos partidos da ala mais direita, incluindo de um que fez campanha pela restauração do sistema hereditário dos reis.

A vitória de Horta pouco resolve além de indicar que a FRETILIN precisará de deixar cair o seu modo de pensar de que não tem de re-ganhar a sua popularidade ou autoridade. De acordo com o líder do PST, Avelino Coelho, a FRETILIN tem usado elementos de gangs para tentar assustar as pessoas a votar nela.

Na sua campanha, Horta comprometeu-se a ser um “presidente dos pobres” e a aumentar a despesa pública na saúde, educação e agricultura. Tanto quanto sei, ele não levantou qualquer crítica à abordagem do governo nestas questões antes da campanha. Apesar e ter ouvido relatos que já estava a pensar na ideia de um sistema de pensões em larga escala para veteranos e idosos, que já tinha sido proposto por conselheiros financeiros estrangeiros como uma maneira de injectar dinheiro na economia sem “interferência” actual do Estado na economia.

Se não apoiar mudanças nesta direcção suficientemente avançadas e rápidas, então pode vir a sofrer o mesmo destino da FRETILIN.

Também muito dependerá do que sair das eleições parlamentares. No sistema Timorense, o Presidente tem poderes mínimos. Mesmo como chefe das forças armadas, o Presidente é obrigado a actuar em coordenação com o Primeiro-Ministro, que tem de ter uma maioria no parlamento. O poder executivo real está na mão do Gabinete.

Nesta altura, Gusmão está no processo de formar um novo partido, o Conselho Nacional para a Reconstrução de Timor (CNRT) as mesmas iniciais da velha organização de libertação nacional Amigos em Timor dizem que há muitas deserções de apoio em bloco da FRETILIN para o CNRT, mesmo antes de o CNRT ter anunciado um programa claro,

FRETILIN, CNRT, PD, ASDT, PST, UDT e vários outros partidos incluindo alguns novos disputarão as eleições.

Uma consequência possível da segunda volta das eleições Presidenciais é que questões ligadas a estratégias de desenvolvimento económico podem estar mais no centro das coisas. As baixas votações para todos os candidatos na 1ª volta revelaram que ninguém ou nenhum grupo pode assumir apoio maioritário. Isto pode também aplicar-se ao ícone da luta de libertação nacional Timorense Xanana Gusmão.

A situação mantém-se muito fluida: partidos e lideranças que apresentem um programa consistente de organizar as pessoas, que argumentem por auto -organização, cooperativas e políticas que visem o aumento urgente de rendimentos e produtividade terão oportunidades para reforçar as suas posições no próximo período.


Adenda: A autoridade da liderança de libertação nacional

Penso que pode dizer-se que a autoridade política da liderança do movimento de libertação nacional em Timor-Leste tem sido sempre fraco desde os anos de 1980s. Houve uma série de razões para isso.

1. A maioria da liderança original em Timor-Leste foi capturada ou morta nos primeiros dez anos da ocupação Indonésia.
2. Depois de um breve período de mobilização urbana de jovens durante 1990-1991, a organização e mobilização politica depois do massacre de Dili tornou-se quase impossível. A densidade da presença dos militares Indonésios e o nível de repressão tornou isso impossível. A actividade básica do movimento de libertação nacional era organizar correios para levar roupas e remédios para as guerrilhas no mato. As guerrilhas da FALINTIL eram também de tamanho muito pequeno e incapazes de se moverem com liberdade. Havia muito pouca actividade explicitamente política, mesmo clandestina. Não emergiu nenhuma figura ou qualquer autoridade do movimento no interior de Timor-Leste durante os anos de 1990s.
3. A maioria da mobilização era de Timorenses em Java, que realizaram algumas manifestações em embaixadas estrangeiras. Tiveram o apoio logístico do Partido Democrático do Povo (PRD) e, com menos expressão do grupo de activistas PIJAR. Foi este o período quando Xanana estava na prisão em Jacarta e tinha alguns meios para comunicar com as pessoas no exterior. Contudo, houve um ênfase pesado, como parte da perspectiva do CNRM, de desencorajar a discussão ideológica. A própria autoridade de Xanana está ligada aos sucessos das tácticas do CNRM e da importância simbólica de um líder preso. A sua autoridade não tem base em nenhuma ideia que as pessoas tivessem que apoiar.
4. Outros líderes estiveram fora do país. A maioria das pessoas conheciam Horta ou Alkatiri fora do país por intermédio das emissões da rádio da língua Portuguesa.
5. A RENETIL e outros líderes estudantis tiveram a oportunidade de ganhar alguma autoridade , tanto em Java durante os anos 1990s ou durante o período de intervalo depois da queda de Suharto, 1998-1999, em Timor-Leste. Mas mais tarde dispersaram-se numa míriade de redes. Ferdinand Araujo, líder do PD, vem deste sector.

A acrescentar a isto, a falta de infra-estruturas de comunicações, a liderança nacional tem tido poucos meios para atingir a maioria da população rural excepto através de redes de comunicação patrão-cliente.

Depois de 1999, ninguém deste agrupamento de liderança nacional adoptou uma estratégia de mobilização. A primeira mobilização política real desde 1990-1999 realizou-se em 1998-1999 levando à muito impressiva participação eleitoral no referendo de 1999. Mas mesmo durante este período, a liderança (estudantes no exterior e o PST) tentaram travar mobilizações políticas. Depois do referendo, o modelo adoptado foi o sistema tradicional passivo parlamentar

Dos Leitores

Comentário na sua mensagem "A vitória do sonhador":

O Blog “aqui é Timor-Leste” publicou uma noticia sobre uma ONG, de seu nome “LABEH”, que fez um estudo sobre a corrupção em Timor-Leste.

Segundo os dados não haveria “corrupção” em Timor-Leste, mas apenas “corruptela”. Ou seja, traduzido em “miúdos”, a corrupção detectada “não era nada de grave”.

Pasme-se, no entanto, onde foi esta ONG “LABEH” buscar a sua fonte de informação!
Nada mais, nada menos, que à organização liderada pelo nosso conhecido Longuinhos Justamente, aquele que é acusado na praça pública de ser corrupto!!!

É claro também, que esta ONG não explica o facto do Banco Mundial ter subsidiado recentemente um lugar de perito anti-corrupção para assessorar a provederia de justiça, nem a UNDP ter posto a concurso um lugar de inspector da administração pública com funções semelhantes.

Sugere-se que esta ONG averigúe as relações entre o presidente eleito, perante o qual foi apresentado o relatório, e o kweit. Não é que o homem seja corrupto, mas poderá haver alguma coisa de “politicamente incorrecto”.

Peço a amabilidade de publicação deste “post” uma vez que o blog em causa não admite “post(s)” anónimos e eu ainda preso a liberdade de expressão (ainda mais com o Reinado e o Rai Lós à solta).

A vitória do sonhador

Visão - 17-05-07

Ramos-Horta, ex-primeiro-ministro, quer reforçar os poderes da Presidência. Para conseguir governar…

Quando um homem mundano como Ramos-Horta se candidata a um cargo político em Timor-Leste, sabe, melhor do que ninguém, que é difícil escapar a um certo tipo de discurso. Afinal, o jovem país é um dos mais miseráveis do planeta e, para um Nobel da Paz, só fará sentido montar a retórica em cima de um ADN idealista: «Sou o servo dos pobres.» Populista? Talvez, mas podia ser de outro modo?

José Ramos-Horta, 57 anos, acaba de esmagar o seu adversário, o candidato da Fretilin, Lu Olo, com 70% dos votos, na segunda volta das presidenciais timorenses. O sucessor de Xanana Gusmão tem notoriedade internacional, apoio popular e um país em pobreza crónica e que esteve perto da guerra civil.

Agora que sai do Governo, Ramos-Horta propõe-se continuar... a governar. Os seus discursos, entrevistas e comunicados de campanha são um autêntico programa de Executivo, num país onde o chefe de Estado tem poucos poderes constitucionais.

Promessas: 40 milhões de dólares anuais pelas 100 mil pessoas mais pobres da meia-ilha; casas de borla para os funcionários públicos, polícias, militares, médicos e professores das aldeias remotas; 10 milhões de dólares por ano para as duas dioceses católicas; água potável para todas as famílias até 2015; rede de electricidade a baixo custo e 3 mil quilómetros de estradas melhorados.


Todas Ramos-Horta quer, acima de tudo, libertar o tesouro do Estado - os 1,3 mil milhões de dólares do petróleo e gás natural - e aplicá-lo de imediato. O parlamento tinha aprovado por unanimidade não mexer nesse dinheiro até as reservas secarem. Para benefício das gerações futuras.

Quem chegar ao Governo nas legislativas de 30 de Junho já sabe que vai ter um Presidente que foi legitimado com promessas sonhadoras. Ele vai reflorestar o país nos próximos 20 anos, vai pagar os livros dos alunos pobres e, até nas suas funções militares, será mais um capelão, «para levantar o moral», do que outra coisa. Está no bom caminho. Para começar, é solteiro: «A primeira-dama são todas as mulheres pobres de Timor.»

O Presidente herda uma situação que, enquanto primeiro-ministro não resolveu: uma cisão nas forças armadas protagonizada por um oficial (major Reinado) que desafia o Estado de Direito e está a monte. Tem o país «ocupado» por tropas maioritariamente australianas, zelando por uma segurança precária. E largos milhares de refugiados internos, paredes-meias com os símbolos (alguns hotéis e restaurantes) do investimento externo na capital.

Ramos-Horta prega boas relações com a Austrália e Indonésia, mas é dentro de portas que tem de trabalhar a reconciliação. Disse que a sua vitória seria o princípio do fim da Fretilin, mas foi o secretário-geral deste partido, Mari Alkatiri, que lhe mereceu o primeiro abraço. Proclama justiça mas passeia em público com um homem, o sargento Rai-lós, que confessou ter recebido armas para eliminar adversários políticos. Com ele, nada é linear. Nem a Constituição. A rever, bem entendido, quanto antes. Com tamanha sede de trabalho, só com reforço de poderes o Presidente poderá governar.

The Balibo Five

Blog Na'in deixou um novo comentário na sua mensagem "Ainda Balibo":
There's a story of a local newspaper headline that reads "Thousands Die In Earthquake: No Local People Involved". It may be apocryphal, but it's so true that people only take an interest in a tragedy when some of their own people are involved.

An Aussie friend told me that when InterFET went into East Timor in 1999, he heard someone say "'Bout bloody time - after what they did to our journos". My friend was puzzled as he didn't know the story of the 'Balibo Five', the five TV newsmen killed in the border town in October 1975. For years the official line was that the men died in crossfire between rival factions, and that they were unwise to have been were they were, but the recent inquest in Sydney has heard from Timorese witnesses who confirmed that the men were murdered by the Indonesian military when they tried to surrender.

The story of the Balibo Five, like that of East Timor itself, is a squalid tale of deception and cover-up, and not just on the part of the Australian government. While the men were working for Australian TV channels, only two of them were Australians - two of the others were British, and one was a New Zealander. But as far as London and Wellington were concerned, it was a matter for Canberra. After all, these men lived with their families in Australia, worked in Australia, so for all intents and purposes, they might as well have been Australian.

Most of my East Timorese friends don't know about the Balibo Five, or about Roger East, the Australian journalist who went to Dili "to get the truth out", only to meet the same fate as the other men when he was killed on the day of the invasion. And why should they? Their families all experienced indignities and traumas of their own - they weren't just bereaved, like the families of the Balibo Five, they were tortured as well. As a friend remarked "I wasn't born in 1975!" so if she doesn't know about what happened to her own people, then why should she know about the fate of a handful of Westerners? Yes, their fate was gruesome, but so too was the fate of many more East Timorese.

I have met the relatives of two of the men, and am in touch with another, and their attitude could not be more different from that of some in the Aussie media who bang on about "our boys" as if only their deaths mattered, and those of East Timorese were just 'collateral damage'. Their relatives were killed because, as Greg Shackleton's widow, Shirley, said "the Indonesians had every intention of invading East Timor, and they didn't want the world to know."

There are now plans afoot to turn the story into a movie. Thankfully it isn't Steven Spielberg behind it, or the men would be depicted as Americans, or some other Hollywood historical travesty. José Ramos Horta, one of the last people to see the men alive, is now likely to become East Timor's next president, so it will be interesting to see how he is portrayed. Had this movie been made ten or fifteen years ago, there would have been less risk of it becoming a hagiography for Horta. But then again, it would never have been made because it might have offended the Indonesians.

However, rumour has it that Roger East is going to be portrayed as a hard-drinking foul-mouthed ocker, when he was anything but. That would be more like Bill Mabbely in Timothy Mo's 1991 novel, The Redundancy of Courage, set in 'Danu' a country based on East Timor. Bill Mabbely calls the malai (Indonesian) soldiers 'pig fuckers' before they shoot him dead, as they did Roger East. But Roger East never swore, not so much because he was a stern moralist, but because he felt people who did lacked vocabulary. That makes him more interesting, so why make it up?

Violência regressa e faz um morto e oito feridos

Jornal de Notícias, 17/05/07

Díli, em Timor-Leste, é o balanço de mais um dia de confrontos feito pelo inspector Mateus Fernandes à Efe e que faz recear o ressurgimento da violência. A UNPol contraria alegações de uma "orgia de violência" contra apoiantes da Fretilin, como defende o partido que apoiou "Lu Olo".

Arsénio Bano, ministro e membro da Comissão Política da Fretilin, insistiu que os seus apoiantes "estão a ser atacados e intimidados por todo o país", na sequência da vitória de José Ramos-Horta nas eleições presidenciais, falando mesmo de uma "orgia de violência" comemorativa.

Arsénio Bano declarou também, em comunicado emitido pelo partido, que as casas destruídas no Bairro Pité são de apoiantes da Fretilin e que "a Polícia das Nações Unidas confirmou que os incidentes foram politicamente motivados".

Reagindo a estas acusações, fonte oficial da UNPol declarou que "não há qualquer base para essa acusação".

"De todas as explicações dadas no local pela população nenhuma tinha motivação política", vincou a mesma fonte.

Arsénio Bano apoia-se no facto de o Bairro Pité "não ser uma área da Fretilin" e de nas eleições presidenciais "ter votado em força em José Ramos-Horta". No entanto, a informação oficial das Nações Unidas não refere qualquer ligação partidária de atacantes ou de vítimas.

Os dois incidentes obrigaram à intervenção das forças autónomas de Polícia da Malásia e da de Portugal (com militares da GNR), apoiados por meios das Forças de Estabilização Internacionais. "As pessoas que cometem actos criminosos serão tratadas como criminosos pela Polícia", declarou o representante especial do secretário-geral da ONU em Timor-Leste.

"Não serão toleradas alegações de motivação política no seguimento das eleições da semana passada", acrescentou Atul Khare.

Enquanto isso, o Parlamento aprovou uma alteração da lei eleitoral para as legislativas, introduzindo mudanças no local de contagem e no conteúdo do boletim de voto.

Com a alteração, é eliminada a contagem em cada estação de voto, como aconteceu nas presidenciais, e estabelecida a contagem "nas respectivas sedes dos distritos". A contagem passa a ser feita pela assembleia de apuramento distrital imediatamente à chegada das urnas. Outra alteração aprovada pelo Parlamento é relativa ao boletim de voto, onde não constará, depois de debatida essa hipótese, a fotografia do cabeça-de-lista de cada partido ou coligação.

Eleição imperfeita de Timor-Leste

Tradução da Margarida:

Far Eastern Economic Review - Maio 2007

Por Jill Jolliffe

O alto nível de instabilidade que tem afligido Timor-Leste desde a independência em Maio de 2002 tem levado os seus parceiros internacionais a interrogarem-se se a nova nação está a sofrer mais qualquer coisa além das dores de crescimento pós-independência. Talvez, especulem, que chegou a altura de o declarar um caso de histeria. De relevância urgente é se o ciclo actual de eleições agendadas, para um novo presidente e parlamento, mudarão as coisas.

O país foi reconstruído pela ONU depois da terra queimada pela Indonésia na retirada da antiga colónia Portuguesa em 1999. As primeiras eleições livres realizaram-se em Abril 2001, tornando-se presidente o antigo chefe da guerrilha Xanana Gusmão, com 82.7% dos votos. Em Agosto desse ano o partido da libertação, a Fretilin, ganhou um governo com 55 lugares no parlamento de 88 lugares, sob o Primeiro-Ministro Mari Alkatiri.

Mesmo antes da independência havia preocupações em círculos da ONUque algumas das instituições que tinha construído eram frágeis, particularmente nos sectores da justiça e da aplicação da lei. Soaram alarmes em Dezembro de 2002, quando desordeiros atacaram o parlamento e queimaram casas de políticos e alguns negócios. Os autores nunca foram identificados, mas as questões alegadas para a sua actuação incluíam brutalidade policial, alegada corrupção do governo e o Português como língua oficial.

Apesar de ter consolidado rendimentos das explorações de petróleo e gás que são exploradas conjuntamente com a Austrália (as receitas dos campos está previsto aumentarem para $350 milhões no ano fiscal de 2006), o governo da Fretilin não atraiu outros investimentos regulares. O descontentamento tem crescido à medida que a economia estagna.

No ano passado esses sentimentos atingiram o pico com a má condução pelo governo de um motim de soldados das regiões do oeste que acusaram comandantes das forças militares de preconceitos étnicos. A fúria deles por Dili atacando edifícios do governo e queimando as casas de gente do leste despoletou meses de violência política e étnica. O então Primeiro-Ministro Alkatiri foi forçado a resignar em Junho, depois de alegações, entretanto arquivadas, de ter armado civis para matar opositores políticos.

A eleição em curso em Timor-Leste para substituir o Presidente Xanana Gusmão, que completou o seu mandato, não é provável que cure os problemas crónicos do país. O resultado provável é uma mera troca de lugares entre políticos do governo. Mesmo assim, os resultados da primeira volta serviram para os líderes de há muito tempo verem que estão a lidar com um eleitorado muito mais perspicaz que não deve ser subestimado. Nas eleições de 9 de Abril deste ano, o presidente do parlamento Francisco "Lu-olo" Guterres, da Fretilin, foi o candidato mais votado com 27.89% dos votos. Como não teve uma maioria absoluta de mais de 50%, disputará a segunda volta em 9 de Maio contra o Primeiro-Ministro José Ramos-Horta, que teve 21.8%. O Sr. Ramos-Horta é um independente que substituiu o Sr. Alkatiri quando resignou em Junho.

Numa viragem interessante, o destino desta eleição está nas mãos de um foragido antigo major das forças armadas, Alfredo Reinado, e do seu grupo de seguidores armados. O antigo chefe da polícia militar de 41 anos é um herói da juventude Timorense, e para muitos outros dos distritos do oeste onde o governo da Fretilin é acusada de discriminação. Em Maio de 2006 recusou ordens de líderes das forças armadas pró-Fretilin para lutar contra 600 soldados amotinados do oeste conhecidos como "peticionários." Em vez disso o Sr. Reinado e cerca de 20 dos seus homens foram para as montanhas com as suas armas. A saga deles continuou em 2006, com uma detenção pelas tropas Australianas, uma subsequente fuga da prisão e uma série de entrevistas à imprensa do esconderijo do mato.

Os eventos escalaram em Fevereiro deste ano, e no princípio de Março cinco homens do major foram mortos num ataque na sua base. A operação zangou os locais e em Dili os seus apoiantes revoltaram-se. Tradicionalmente pró-Australianos, havia agora uma cor anti-Australiana na sua raiva. Contudo, a maior raiva foi reservada para o Sr. Gusmão e para o governo de Ramos-Horta. O major Reinado pediu aos apoiantes para não apoiarem nem a Fretilin nem o Sr. Ramos-Horta em 9 de Abril.

A história do major Reinado, contudo, é apenas parte do filme. Uma outra questão chave envolve a competição Portuguesa e Australiana pela influência pós-independência, uma questão ligada à direcção para uma mudança geracional de liderança. A tragédia de Timor-Leste é que nos mais mais difíceis do crescimento pós- independência, a Austrália e Portugal, dois países com grandes responsibilidades na sua mal feita descolonização nunca combinaram forças para o bem do país.

Durantes os problemas de 2006, blogs de ódio apareceram em Dili, sendo o mais lido o " Timor Online" em português. Os seus participantes defenderam a liderança da Fretilin e do Sr. Alkatiri, acusaram o governo da Austrália de Howard de desencadearem um golpe encoberto para deitarem a mão às riquezas do petróleo de Timor-Leste e inflamaram labaredas de ódio contra soldados Australianos. Numa entrada anónima de 26 de Outubro lê-se: "Todos os Timorenses que amam o seu país devem unir-se num grande movimento popular (os do leste e os do oeste) para correrem com os Australianos, que invadiram e ocuparam para roubar a nossa soberania."

Os heróis dos bloggers são a Guarda Nacional Republicana, a polícia Portuguesa militarizada que patrulha as ruas de Dili ao lado dos Australianos numa atmosfera de desamor recíproco. Esta gente não reflecte a opinião oficial Portuguesa mas antes o receio alargado na comunidade Portuguesa que se o governo da Fretilin cair eles decisivamente deixarão de ser bem vindos.

Lisboa tem cultivado laços apertados com os líderes da Fretilin desde a retirada da Indonésia em 1999, mantendo a sua política estrangeira de desenvolver interesses culturais e comerciais em todas as suas ex-colónias, da África a Macau.

Muitos da mais jovem geração de Timor são ferozmente anti-Portugueses. Nada têm em comum com a Fretilin, e ressentem a sua escolha do Português como língua oficial. Educados no sistema Indonésio e agora desempregados, consideram a lingual da elite política como um instrumento da sua exclusão, e tendem mesmo a pôr o Sr. Gusmão e o Sr. Ramos-Horta no mesmo cesto do antigo Primeiro-Ministro Alkatiri. Nas eleições correntes houve aproximadamente 100,000 eleitores que votaram pela primeira vez que fizeram os 17 desde 2001 e que representam um quinto do eleitorado.

Do lado Australiano, o Primeiro-Ministro John Howard viu a violência de 2006 como uma confirmação do "arco de instabilidade" para o norte da Austrália ameaçando o seu bem-estar. Juntando Timor-Leste com outros potenciais "Estados falhados " na região, Canberra encontrou uma nova justificação para a intervenção regional. A sua opinião ficou expressa no programa da abc Asia Pacific em 25 de Agosto de 2006 assim: "É da maxima importância para os nossos interesses impedir que Estados falhados lidem com ... um falhanço incipiente com problemas na nossa região. Tenho bem em mente os exemplos de Timor-Leste, Ilhas Salomão, as preocupações que continuo a ter com a Papua Nova Guiné, Vanuuatu....O resto do mundo diz com razão 'isto é um pedaço da Austrália.'"

A declaração sugere que a política estrangeira Australiana para esta nação bastante diferente e complexa mantém-se tão primitiva quanto era nos anos de 1990’s quando a Austrália apoiou a ocupação militar da Indonésia. Seguiu-se um coro anti-Australiano da Fretilin. Quando manifestantes do leste viajaram para Dili para apoiar o Sr. Alkatiri, traziam slogans descrevendo a Austrália como "comunista" (uma frase para tudo o que é mau) e exigindo a retirada das suas tropas.

Troca de cavalos Timorense

Quem ia pois a votos nas eleições de 9 de Abril? Houve oito candidatos para o cargo presidencial, que iam desde Marxistas a monárquicos. Nas franjas houve candidatos como Avelino Coelho da Silva, uma figura exuberante do tipo Guevara que formou o Partido Socialista Timorense (PST) de uma ruptura com a Fretilin. Obteve 2.06% dos votos e pediu aos apoiantes para votarem no Sr. Ramos-Horta na segunda volta. Noutra franja estava o monárquico Manuel Tilman, que teve 4.09%. Planeia endossar o Sr. Guterres da Fretilin.

A única candidate mulher foi Lúcia Lobato, uma deputada articulada do Partido Social Democrático (PSD) da oposição. Obteve 8.86% e juntou-se ao político veterano Francisco Xavier do Amaral para redireccionar os votos para Ramos-Horta na segunda volta. O idoso Sr. Amaral é um pai fundador do nacionalismo Timorense e da Fretilin, que lidara agora a Associação Social Democrática Timorense (ASDT). A sua candidatura atraíu 14.39% o dobro que a ASDT obteve de 7.84% nas eleições parlamentares de 2001.

A Srª Lobato e o Sr. Amaral tinham um pacto com o candidato do Partido Democrático (PD) Fernando Lasama para darem preferência de votos a qualquer um do trio do oeste que chegasse à segunda volta. O Sr. Lasama, é visto como um puro-sangue político e esperava-se que tivesse sucesso suficiente que o levasse a concorrer na segunda volta contra o Sr. Guterres. É atípico entre os antigos operacionais da resistência dado que nunca pertenceu à Fretilin, e tem apoio da juventude. Passou sete anos na prisão de Cipinang em Jacarta, ao lado de Xanana Gusmão, e ganhou o Prémio em 1992 Reebok dos Direitos Humanos.

Os senhores Lasama e Amaral ficaram com a parte de leão dos votos dos distritos do oeste, parcialmente devido ao endosso do Sr. Reinado. Em termos nacionais o Sr. Lasama ficou em terceiro lugar com 19.18% o Partido Democrático obteve 8.72% em 2001). Alegou que a Fretilin manipulou a votação contra ele em vários distritos do território. Seis outros candidatos apoiaram as suas queixas, mas a evidência que apresentou foi descartada pelo tribunal enquanto os seus opositores lhe chamaram mau perdedor.
Uma reunião de membros do Partido Democrático em 25 de Abril decidiu apoiar o Sr. Ramos-Horta na segunda volta em 9 de Maio, garantindo o seu estatuto de corredor da frente. TContudo, houve um preço, o Partido Democrático exigiu que o Sr. Ramos-Horta retomasse com o Sr. Reinado, o soldado amotinado. A exigência foi aceite. O Sr. Reinado e o seu bando armado, parecem, são os guardas de bastidores das eleições.

O candidato vencedor da primeira volta "Lu-olo" (Sr. Guterres) tem sido o Presidente do Parlamento desde 2001. Tem um registo sem quebra de serviço com a guerrilha da resistência durante 24 anos no mato, principalmente como comissário político. É visto como uma figura austera a quem falta o toque popular, mas tem a vantagem de ser um homem de família com duas crianças, o que a campanha de propaganda da Fretilin enfatiza. Os seus 27.89% na primeira volta tornaram-no o mais votado, mas foi uma grande baixa comparado com os resultados parlamentares da Fretilin em 2001 (57.37%). Na segunda volta em 9 de Maio pode-se esperar que obtenha até mais 7% dos votos redireccionados de João Carrascalão e Manuel Tilman, mas a vitória dependerá de uma mais forte mobilização da Fretilin.

O mais conhecido político de Timor-Leste e vencedor do Nobel da Paz o Sr. Ramos-Horta foi o ministro dos estrangeiros no governo de Alkatiri depois de 2001, e substituiu-o como primeiro-ministro no ano passado. É um diplomata completo que passou os anos da ocupação no estrangeiro a representar Timor-Leste na ONU. Foi um dos fundadores da Fretilin mas deixou-a nos anos 1980’s quando o Sr. Gusmão formou uma frente da resistência não partidária. Mantém-se próximo do Sr. Gusmão, mas é um camaleão político que tem defendido o Sr. Alkatiri.

Os 21.81% dos votos do Sr. Ramos-Horta foram obtidos com a ajuda de dois grupos: primeiro, o UNDERTIM partido formado recentemente pelo carismático ex-guerrilheiro L7 (Cornélio Gama), que mobilizou uma rede de elementos do leste para apoiar o seu amigo de infância contra a Fretilin; e depois, a facção dissidente da Fretilin Mudança, liderada pelo Ministro dos Estrangeiros José Luís Guterres.

O Sr. Gusmão, que está a formar um novo partido para concorrer às eleições parlamentares de 30 de Junho p, persuadiu a Fretilin Mudança a apoiar o Sr. Ramos-Horta em vez de avançar com o seu próprio candidato presidencial. (O presidente que está de partida planeia trocar de lugar com o Sr. Ramos-Horta, ao concorrer a primeiro-ministro como responsável do novo partido.) Alguns do grupo reformista estão desapontados, dado que contavam que da sua estratégia resultaria que na segunda volta estivesse o Sr. Lasama do Partido Democrático em vez de dois políticos da primeira geração dos nacionalistas.

Tem sido uma eleição imperfeita até agora, mas a tendência da primeira volta para fechar o grande e não saudável intervalo entre partidos do governo e da oposição significa que obteve algumas mudanças úteis. Se a segunda volta se processar normalmente, a Fretilin pode sofrer um revés substancial quando o eleitorado punir a sua arrogância. Ambos os candidatos que estão à frente têm estado em contacto com o antes criticado Sr. Reinado para propor um acordo de paz para acalmar eleitores. A tentativa do Presidente Gusmão de trocar de lugar com o Primeiro-Ministro Ramos-Horta em vez de cumprir a promessa de se tornar um cultivador de abóboras significa que a geração mais jovem continuará frustrada pelo comportamento dos políticos mais velhos, que vêem como bloqueadores de mudanças.

- A Srª Jolliffe é uma jornalista por conta própria que trabalha no Living Memory Project, um arquivo em vídeo de testemunhos de antigos presos políticos de Timor-Leste.


É pena que a jornalista não assuma quando escreve as suas preferências políticas, ao contrário de nós.

Nunca fomos um blog de "ódios". Pelo contrário. Sempre lutámos por valores democráticos.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.