segunda-feira, junho 11, 2007

East Timor army rebel threatens revolt

June 11, 2007 - 10:09PM

An East Timor fugitive army rebel said he would personally seek out those behind last year's violence if the government refuses to negotiate with him immediately.

Alfredo Reinado escaped last August along with 50 other inmates from a prison where he was being held on charges of involvement in a wave of violence that killed 37 people and drove 150,000 from their homes earlier that year.

"I insist East Timor authorities must hold dialogue as soon as possible, so that we can resolve the problems," Reinado told Reuters by telephone from his hideout.

"We have been very patient but if they delay the dialogue we will lose our patience. We will come down to the town to capture the perpetrators of the crisis," the former military police chief said, referring to last year's violence.

Reinado said he and his followers would not lay down arms.

"I am not a thief but I am still an active member of East Timor's defence force. We are defending the dignity of the military and are serving the nation," he said.

Reinado, East Timor's former military police chief, has been accused of raiding a police post and making off with 25 automatic weapons while on the run.

He managed to evade a raid by Australian-led troops in March, which caused thousands of his supporters to protest in the capital.

Reinado said he would only turn himself in once the ruling Fretilin party is no longer in power and foreign troops sent into East Timor after last year's violence are out of the country.

President Jose Ramos-Horta said he believed Reinado should face justice. "I told you, Alfredo Reinado's case is complicated because it is about justice, but the negotiation continues," he told reporters.

"I have given the opportunity to prosecutors and bishops to negotiate with Alfredo Reinado, so that he can face justice because we only get justice from a court, not through a political compromise," Ramos-Horta said.

Ramos-Horta, a Nobel peace prize winner who spent years abroad as a spokesman for East Timor's struggle for independence from Indonesian occupation, was installed as president last month.

His victory has raised hopes of greater stability in a nation still struggling to heal divisions five years after it won independence from Indonesia.

© 2007 Reuters,

UNMIT – MEDIA MONITORING - Monday, 11 June 2007

National Media Reports

Fretilin’s “Movement group” encourages voting for new party
Fretilin’s “movement group” led by Pedro da Costa and George Teme, reportedly appealed to all their supporters to vote for CNRT, a new party led by former President Kayrala Xanana Gusmão.

“Voting for the CNRT would be the same as voting for Fretilin.” (STL)

Horta’s statement could raise instability
Christian Democratic Party (PDC) member, Antonio Ximenes, said that the statement made by President José Ramos-Horta on the involvement of some PNTL members in the incidents that took place in Viqueque could raise instability in the country.

“During our campaign in Viqueque, we gathered information from PNTL members that the people had lost their confidence in the PNTL,” said Mr. Ximenes on Saturday (9/6).

He added that President Horta should withdraw the comments he made at the PNTL academy in Dili last Thursday (7/6), as such statements could create instability in the country. Last Thursday, President Horta said that he had lost confidence in the PNTL. (STL)

Democratic Party: Fretilin should be responsible for Viqueque incidents
The Democratic Party (PD) representative, Julião Mausiri, called on Fretilin to take responsibility for the fatal shooting that took place in Viqueque last week (3/6).

Mr. Mausiri said that Fretilin supporters in the area disrupted the activities of the other political parties. (STL)

Urahou case: PD has not received letter from CNE
In response to the rumors that Democratic Party (PD) members were involved in burning houses in Urahou Lisapat, Ermera district last 30 May, PD Spokesperson Rui Menezes said on Friday (8/6) at the National Parliament that PD has not received any letter from the CNE in reference to the case.

Mr. Rui also said that the party objected to such violence, as well as other information stating that PD has split up. (STL)

Tribunal decides to imprison the man responsible for Viqueque’s fatal shooting
The Dili District Court during the first interrogation on Friday (8/6) decided that the suspect of the fatal shooting in Viqueque and PNTL member, Luis da Silva Guterres, should be imprisoned while the investigations on the case proceed. (STL)

President asks UNPol to improve PNTL
Following the fatal incident that took place in Viqueque last week (3/6), President José Ramos- Horta called on the UNPol Commissioner to make an extra effort to improve the PNTL.

“I have given the UNPol Commissioner two-three days to reflect on ways to improve the PNTL,” said Mr. Horta after meeting with the members of the political parties, the SRSG, DSRSG Rieske Nielsen and the UNPol Commissioner on Thursday (6/6) at the UNMIT Headquarters, Dili. (STL)

The suspect gives reason behind fatal shooting in Viqueque
At the first judicial interrogation at the Dili District Court on Friday (8/6), the suspect of the fatal shooting that took place in Viqueque, Luis da Silva Guterres, declared that he shot the victim after Kudalai (the victim) hit him. (TP)

Fugitives Alfredo and Salsinha call for dialogue
The former commander of military police, Major Alfredo Reinado and the petitioners’ Spokesperson, Gastão Salsinha, called on the Government to organize a meeting soon.

“We are very patient, however, if this meeting continues to be postponed, we will end the opportunity for dialogue,” said Reinado and Salsinha on Tuesday (10/6) at the border of Suai, Covalima. (TP)

Political parties asked to avoid speculating on the Viqueque case
While attending the swearing-in ceremony of the Vice Minister of Health on Friday (8/6) at the Palacio da Cinzas in Dili, Prime Minister Estanislau Aleixo da Silva called on all political parties and the Timorese people not to speculate on the Viqueque incident, which led to the death of CNRT member, Afonso Kudalai. (DN)

International Media Reports

Adjusting to the Reality of a Democratic Indonesia
June 8, 2007
By Walter Lohman
The Heritage Foundation
In Washington, inertia often carries the day on even the most anachronistic policy ideas. Congress proved this axiom on June 5 when appropriators in the House of Representatives slashed and conditioned the Administration's request to provide military assistance to Indonesia.

Indonesia today is a large, vibrant democracy and a key piece of the geostrategic puzzle in Asia. It is also among the United States' most important partners in the War on Terror. Approached wisely, the U.S.-Indonesian relationship embodies a convergence of interests on values, geopolitics, and security that is rare among U.S. relationships in the developing world.

The House Appropriations Subcommittee on State and Foreign Operations has charted a strikingly unwise course. Under the leadership of Representative Nita Lowey (D-NY), it has covered its collective ears to the history of the last decade and has forged ahead with a policy that ignores reality and the vital American interests at stake in the region.

Roots of Contention

Military assistance to Indonesia first became a matter of contention in Washington following the Dili Massacre of 1991, in which hundreds of protestors in East Timor were murdered by the armed forces of East Timor's erstwhile ruler, Indonesia. The debate was stoked in 1999 by the scorched earth reaction of Indonesian troops and pro-Indonesia militias to East Timor's overwhelming vote in favor of independence. For good reason, these unconscionable abuses strained relations between the United States and Indonesia.

Democracy in Indonesia

But since 1999, the world has been turned upside down. An emerging, unstable democracy then, Indonesia is now a flourishing democracy. In October 1999, Indonesia elected a president--albeit indirectly--for the first time in 50 years. Five years later, an astounding 350 million votes were cast in three national elections--including a direct election for president. The final round of the 2004 presidential election, involving 117 million voters and 77 percent of eligible voters, was the largest single election day in history. Among the many remarkable facets of Indonesia's democracy, the 2004 elections produced 61 women members of the 550-seat lower house and 27 out of 128 in the upper house.

Acknowledging that elections do not necessarily equal democracy, it should also be pointed out that Indonesians have taken to vigorously exercising their civil liberties. There are 16 political parties, hundreds of newspapers and magazines, independent television and radio outlets, and countless web sites commenting on Indonesian politics. Lively political debate reverberates across many forums and media. According to Freedom House, Indonesia is the freest country in Southeast Asia.

Symbolic of Indonesia's progress, in 2005, Indonesian President Susilo Bambang Yudhoyono visited the site of the 1991 Dili Massacre to pay his respects. The East Timorese Prime Minister reciprocated by telling his countrymen to "Forget the past and look to the future." Today, Indonesia and East Timor enjoy a close, cooperative relationship due in major part to the effort of former president and independence-hero Xanana Gusmao. The same week that House appropriators were taking Indonesia to task, in fact, the current president of East Timor, Jose Ramos Horta, was in Jakarta echoing the same sentiment offered by his government in 2005, saying, "The important thing is we don't allow ourselves to be hostage of the past but look forward with courage."

Despite its searing, up-close experience in the 1990s, East Timor has come to peace with Indonesia. Yet, its well-meaning supporters in the U.S. Congress seem unable to acknowledge new realities.

Strategic Concerns for the United States

Two other things have changed since 1999.

First, the meteoric rise of China has made the presence of a strong, U.S.-friendly ASEAN--the association of 10 Southeast Asian nations on China's strategic doorstep--a critical U.S. interest. Indonesia, straddling waters that accommodate half of the world's commercial cargo transit, is an important part of U.S. geopolitical calculations in its own right. But, as a nation of 235 million people and 17,000 islands, it is also ASEAN's indispensable power.

Every day, China becomes a more effective competitor for the region's interests. Particularly since 2002, its focus in Southeast Asia has shifted from its territorial claims in the South China Sea to lavishing the region with diplomatic attention. Without due vigilance, commitment, and wise policy choices, the time is not far off when the U.S. role as guarantor of regional security and stability will be up for grabs. The United States needs friends in the region; and Indonesia, by whole-heartedly embracing universal democratic ideals, has made being friends as easy as any nation in the world.

Second, the United States is six years into waging the good fight on global terrorism. Indonesia and the U.S. share fundamental interests in this war. Indonesians themselves have been victims of terrorism. Terrorists have directed major acts of violence against the country's tourism industry and foreign communities, killing many innocent foreigners as well as Indonesians.

For many years, the terrorists have sought to inflame sectarian divisions in the same way that al-Qaeda has done so effectively elsewhere in the world. Terrorists have also sought to establish training beachheads in Indonesia's far-flung territories. But the terrorists in Indonesia are losing: There have been no major acts of terrorism in Indonesia since October 2005.

Moderation is in the DNA of Indonesia's national character. Certainly, there is a battle going on for Indonesia's soul, as is being waged in much of the Muslim world. But in Indonesia, the extremists are faced with an extraordinarily resilient foe in Indonesia's famously syncretism, diverse, and tolerant culture. Congress can help strengthen the Indonesian government's hand through assistance and partnership, or it can hamper it by coveting its assistance. Indonesia will fight the war against terror without the United States; but American cooperation certainly improves its prospects. It is in the national interest for the United States to be there for its natural partners.


None of this is to suggest that the United States does not have differences with Indonesia. Indeed, Representative Lowey's concerns about accountability for past human rights abuses and the proper role of the military is legitimate. But the United States needs to get to a point where it addresses these concerns with the same respect it affords other democratic partners, like the Europeans or the Japanese. Limiting and legally conditioning military-to-military relations are not the best way to address differences; it is a page from the past. The recent action by House appropriators is counterproductive and damaging to vital American interests in Asia.

Walter Lohman is Director of the Asian Studies Center at the Heritage Foundation.


RI to open cultural centre in Timor Leste
06/09/07 21:26

Batugade, Timor Leste (ANTARA News) - The Indonesian Embassy in Dili will build an Indonesian Cultural Center in Timor Leste’s capital in cooperation with the central government, a spokesman said.

Kiki T. Kusprabowo, counsellor at the embassy, told ANTARA News via phone on Saturday most Timor Leste people were quite able to converse, write and communicate in the Indonesian language.

Thus, he said, an Indonesian cultural centre in Dili would not only serve as a place to introduce the Indonesian language but also Indonesian culture comprehensively.

"At present, we continue to communicate and coordinate with Jakarta on this matter," he added.

Since Timor Leste gained independence on May 20 seven years ago, only one country had opened a cultural centre in Dili, namely Portugal.

Within its cultural complex, Portugal was displaying exhibits on its culture, many aspects of which were absorbed by the local people.

Officially, or based on its constitution, Timor Leste uses three languages, namely Tetum, Portuguese and English. In various official documents, it is often found that the texts are written in Tetum and Portuguese.

But in daily activities, members of the old and younger generations use the Tetum and Indonesian languages.

Herman da Silva, 26, a Dili resident who once studied at Diponegoro University in Semarang, said over the phone that it was difficult for Timor Leste people to master Portuguese. (*)

Timor-Leste eyes new military

Published: June 8, 2007 at 10:54 AM
Source: United Press International

CANBERRA, Australia, June 8 (UPI) -- Timor-Leste is mulling creation of a new national army, air force and missile-equipped navy to protect oil and gas interests in the Timor Sea.

According to The Australian, recommendations for the forces appear in a report produced by Timorese defense planners and their Portuguese and Malaysian advisers.

Australia was apparently not informed about or asked to contribute to the compilation of the report, which has not been made public in Timor-Leste and is in only limited diplomatic distribution.

The Australian said it had seen a copy of the report, titled Force 2020.

Timor-Leste was previously known as East Timor and gained independence from Indonesia in 2002 via a 1999 U.N.-sponsored referendum.

That referendum came after years of violence between Timorese nationalists and Indonesia, which invaded and annexed the former Portuguese colony in 1975.

The report is sure to stir controversy in Australia, which provides the Dili government with economic aid as well as police and military personnel to help the country maintain internal security. Indonesia, a key U.S. ally in Asia in the war against terror, would also not look favorably on a Timorese move to build a national military.

"The people who wrote this report made sure the Australians were kept right out of this because they don't trust them," an unidentified Western analyst was quoted in the newspaper report.

An Australian-led peacekeeping force deployed to Timor-Leste last year after ethnic tensions and violence ripped apart the country's 1,500-man self-defense force.

This is a broadcast of the UN Police in Timor-Leste to provide you with information about the security situation around the country.

Monday, 11 June 2007

The security situation in the country as a whole has been calm.

Today in Dili, UNPol conducted 41 patrols and attended to a total of seven incidents. In the morning, rocks were thrown at a convoy of approximately 20 microlets travelling from Comoro station to the Government building to protest about the price of petrol. Some of the drivers also threw rocks at other microlet drivers who did not participate in the convoy.

In Viqueque yesterday, UNPol recovered items that were stolen from the house of two UNPol officers on Saturday, including one firearm. An investigation is underway.

Also yesterday, UNPol reported providing security to ten political rallies in the districts of Aileu, Ainaro, Baucau, Bobonaro, Ermera and Manufahi. There were no reports of any security incidents related to the campaigning.

The Police advise to avoid traveling during the night to the most affected areas. Report any suspicious activities and avoid traveling the areas affected by disturbances. Call 112 or 7230365 to contact the police 24 hours a day, seven days a week.

This has been a daily broadcast of the UN Police in Timor-Leste, for the people of Timor-Leste

Austrália Concorda com a Canalização da Conduta GS para Timor-Leste, Primeiro-Ministro, Estanislau: “Isto é Um Grande Orgulho”

Jornal Nacional Semanário – 09 de Junho de 2007

O Governo Australiano, através do seu Ministro de Recursos Naturais, Ian McFarlanr, concorda com a canalização da conduta Greater Sunrise para Timor-Leste.

O Primeiro-Ministro do terceiro Governo Constitucional da RDTL, Eng.º Estanislau Aleixo da Silva, afirma que como Chefe do Governo se sente orgulhoso, dando as boas vindas e concordando com as declarações do Ministro de Recursos Naturais australiano.

O Primeiro-Ministro Estanislau Aleixo da Silva falou sobre esta questão ao Jornal Nacional Diário após ter participado na cerimónia de assinatura de acordo entre os Governos do Kuwait e de Timor-Leste, no Salão Memorial Hall, Farol, sexta-feira (1/6).

“Ainda não vi, mas se for mesmo assim então, como Chefe do Governo, dou as boas vindas e estou de acordo com as declarações do Ministro de Recursos Naturais australiano. Isto demonstra que as nossas relações com a Austrália estão em melhores condições e demonstra também a boa vontade e a compreensão do Governo Australiano para com o desenvolvimento de Timor-Leste no futuro”, afirmou Estanislau.

Como o Ministro de Recursos Naturais, Minerais e Política Energética, José Teixeira, explicou, numa reportagem da imprensa australiana divulgada na semana passada afirma-se que o Ministro de Recursos Minerais da Austrália, Ian Mc Farlanr, declarou que a conduta e a planta LNG da Greater Sunrise serão enviados para Timor-Leste. O campo Greater Sunrise será desenvolvido mas Darwin vai perder o seu direito ao processamento. E os que irão fazer a exploração do petróleo concordaram em discutir com o Governo a proposta do envio da conduta e da planta LNG para Timor-Leste.

Em resposta a esta informação, o Primeiro-Ministro Estanislau Aleixo da Silva afirmou que se a mesma for confirmada, isso demonstra uma boa vontade e compreensão do Governo Australiano para com o desenvolvimento de Timor-Leste. Esse desenvolvimento é positivo quer para o povo de Timor-Leste quer para a Austrália, porque se trata de países vizinhos que poderão distribuir recursos, fortalecendo cada vez mais as suas relações.

O Chefe do Governo acrescentou que Timor-Leste tem de dar atenção à formação dos seus recursos humanos para implementar estes serviços, antes de a conduta ser canalizada para Timor-Leste.

“Temos de dar formação aos nossos recursos humanos para poderem assegurar os serviços. Claro que estamos aptos para isso mas devemos estar preparados, essencialmente ao nível dos planos do Governo para dar uma preparação intensiva aos nossos recursos humanos, em particular aos timorenses para assegurarem os nossos próprios recursos”, afirmou Estanislau.

Relativamente ao local de estabelecimento da companhia, o Primeiro-Ministro Estanislau avançou que neste momento o Governo de Timor-Leste tem o local já identificado e vai cooperar com os investidores para construir um novo porto na Costa Sul: “Temos identificado o local, portanto informamos a comunidade de que o Governo vai cooperar com os investidores para a construção do novo porto na Costa Sul”, rematou o Primeiro-Ministro.

Mari Alkatiri: “A Fretilin Garante a Soberania Económica”

Jornal Nacional Semanário – 09 de Junho de 2007

O Secretário-Geral da Fretilin, Dr. Mari Alkatiri, acusou os críticos do Governo da Fretilin pedindo-lhes que apresentem o seu modelo de política, provando que podem garantir uma soberania económica e uma base forte para implementar uma gestão económica em Timor-Leste, como a Fretilin tem apresentado.

Mari Alkatiri declarou ao Jornal Nacional Semanário, segunda-feira (4/6), que quando a Fretilin assumiu o Governo, cinco anos atrás, recebeu um Estado com uma economia diversificada.
“Desde 2002 assumimos a consolidação da independência económica de Timor-Leste. Hoje em dia muitos criticam e declaram poder fazer o melhor do que a Fretilin. Quero pedir-lhes que falem claramente ao povo sobre a sua política de consolidação da independência económica para estabelecer uma sociedade com uma vida melhor para todos os cidadãos,” afirma Mari Alkatiri no Comunicado de Imprensa.

No mesmo documento afirmou que foi muito criticado pela Austrália pela sua posição dura na defesa dos interesses de Timor-Leste, quando das negociações sobre a exploração petrolífera no Mar de Timor.

“Neste momento sou candidato na lista da Fretilin para as eleições parlamentares do dia 30 de Junho, próximo. A capacidade de gestão do Dr. Mari Alkatiri como Primeiro-Ministro foi reconhecida por muita gente, incluindo pelos que o criticaram. Muita gente sabe que Mari Alkatiri tem uma política económica nacionalista bastante forte para Timor Leste,” afirmou.

“Vivemos um mundo globalizado. Muitos Países lutam pela sua independência mas perdem a sua soberania se não conseguirem controlar a sua economia. Podemos ver vários Países da nossa região que perderam o controlo do seu País e dos seus recursos naturais e os seus cidadãos optaram por trabalhar noutros Países. Um pequeno País como Timor-Leste é muito vulnerável a estes problemas,” explicou o documento de informação.

A nota de imprensa acrescentou que Mari Alkatiri exemplificou alguns aspectos que a Fretilin conseguiu implementar, como o resultado da distribuição do petróleo no Mar de Timor. Neste momento Timor-Leste ganha uma percentagem maior do que o que é desejado desde o princípio pela Austrália.

Timor-Leste criou um sistema de gestão do fundo petrolífero que pode garantir a independência ao longo de muitos anos.

A nota de comunicado acrescentou que o Governo da Fretilin não pediu empréstimos por ter conhecimento de que os Países que atribuem empréstimos os utilizam para controlar politicamente os países que os pede. A Fretilin criou um regime forte para controlar o investimento estrangeiro a fim de evitar que os seus assets vitais caíssem nas mãos de estrangeiros, incluindo a soberania da Nação Timor-Leste.

“Terminámos recentemente um programa que poderá acelerar o processo de desenvolvimento nacional. É um projecto para construir redes de estradas, redes de electricidade, sistemas de água potável e mãos-de-obra,” acrescentou.

Segundo afirma Mari Alkatiri no comunicado de imprensa, os Partidos da Oposição ainda não apresentaram propostas alternativas à estratégia da Fretilin.

Isto acontece porque ainda não têm uma política que garanta a protecção dos recursos de Timor-Leste, o que é bastante importante. O Presidente da República recém-eleito afirma que tem ideias melhores, mas não as implementou quando era Primeiro-Ministro. Isto significa que ele não está a falar com cuidado.

Não nos podemos esquecer de que Horta era membro do Governo, um Governo que estabeleceu esta política. Ele próprio participou nas reuniões dos Ministros que tratavam destes assuntos mas não apresentava alternativas que pudessem ser discutidas em conjunto.

O anterior Presidente da República acusou-nos de utilizar carros e as nossas posições para enriquecer. Acusam-nos de utilizar facilidades do Governo para a campanha eleitoral. É fácil falar alto nos comícios. Todos nós aprendemos esta habilidade no período da resistência.

Precisamos de uma liderança que possa implementar a função de gestão económica, que é muito complexa. Toda a nossa liderança que está no Governo ou na oposição deve aprender mais em relação à gestão económica e financeira. Não podemos estar dependentes dos estrangeiros para governarem o nosso País. É verdade que necessitamos e apreciamos a assistência técnica de peritos internacionais, mas a liderança deve estar nas mãos dos timorenses que devem saber gerir,” declara o documento de informação.

A nota de informação afirma ainda que, para efeitos de democracia, deseja realizar um debate com todos os Partidos da Oposição sobre a gestão económica de Timor-Leste. Deixar o povo decidir o melhor para a defesa da independência económica do País nas novas condições do Século XXI.

“Temos em dívida o sacrifício das nossas mães, pais, irmãos, tios que deram a sua vida para ganhar a independência. Portanto temos que gerir bem isto. Se não promovermos uma boa política económica, os estrangeiros vão utilizar o seu orçamento para tirar a independência conseguida pelos nossos mártires,” explicou a nota de imprensa.

Timor Leste needs Indonesian language more than others

Jakarta Post - Monday, June 11, 2007

Janet Steele and Jerry Macdonald, Denpasar

On June 6, 2007, Timor Leste President Josi Ramos-Horta met with Indonesian President Susilo Bambang Yudhoyono and made a historic commitment to affirm the importance of bahasa Indonesia as a working language in Timor Leste.

This was a courageous gesture on the part of someone who for 24 years struggled to end the Indonesian occupation of his country. Such enlightened leadership bodes well not only for the future of Timor Leste, but also for bilateral relations with its large and influential neighbor.

The simple fact is that Indonesian language is the lingua franca of Timor Leste. The only people in Timor Leste who can ignore this reality are the many foreigners who come with the pre-conceived notion that the history of East Timor began in 1999 with the vote for independence.

During a recent visit to Dili, Manatuto, Baucau, and Ossu, we talked with Timorese from all walks of life and found that everyone recognized Indonesian, that Indonesia is Timor Leste's most important trading partner, and that despite the intrigue between Australia and Portugal over which country will dominate the economic and political future of Timor Leste, for ordinary Timorese the ties that matter are with Indonesia.

For the majority of Timorese who did not spend the years of Indonesian occupation in exile, Indonesian language is the language of the literate.

Although Tetum is spoken day to day, there is not yet a universally accepted grammar and spelling. For example, when we asked a group of 30 young Timorese who were studying journalism what language they preferred to write in, all but one answered "Indonesian."

Unfortunately right now there are very few books available in East Timor in any language. The Xanana Gusmao reading room -Dili's leading public library has a small tattered collection, mostly in English. There are no bookstores, and even students at UNTL (the University of Timor Leste) must struggle to find reference materials that they can use to write their skripsi (theses).

Timor Leste Education and Culture Minister Rosaria Maria Corte de Real recently stated the literacy rate among Timorese over the age of 15 is 50 percent. It's a fact of life that if there's nothing to read, literacy will never improve.

Although Timorese are enormously proud of their newly independent nation, they are practical enough to recognize the

advantages of building on the foundation of the economic and educational infrastructure started by Indonesia. It's time that the American government showed a similar appreciation of realpolitik as well as the enormous power of reconciliation.

For many years, the United States Embassy in Jakarta has translated a wide range of books from English to Indonesian. Sadly, these books are not available in Timor Leste.

One reason for this is the politically dicey topic of language policy, as American officials fear that support for the Indonesian language will be mis-interpreted by the Timorese government as nostalgia for Indonesian influence.

This shortsightedness has had the unintended consequence of hurting the Timorese people.
So here's our modest proposal: If President Ramos Horta has the courage and foresight to recognize the importance of Indonesian as a working language, the U.S. government should likewise have the guts to reconsider its position on sending Indonesian language translations of American books to Timor Leste.

At a time when spending two billion dollars a week on the war in Iraq, how about spending a few thousand dollars a year in the war on illiteracy in East Timor? Such a plan would cost virtually nothing, and have an enormous impact.

- Janet Steele and Jerry Macdonald are former Fulbright grantees and frequent visitors to Indonesia and East Timor.

Witness/Victim not sure if the defendant Abilio Mausoko and other co-defendants were involved in shooting that occurred at the residence of brigadier

JSMP - Press Release - 11 June 2007

On 8 June 2007 the Dili District Court conducted a hearing to examine a witness/victim who was presented by the Public Prosecutor. In this hearing the court heard a statement from the witness Cezario da Costa, a member of F-FDTL who was present at the scene of the crime in his capacity as head of security at the residence of Brigadier General Taur Matan Ruak.

In this hearing the Dili District Court only examined 1 witness. The witness claimed that the attack on 24th and 25th May 2006 resulted in injuries to 2 members of F-FDTL. The names of the two victims are Leqilero and Damião. According to the testimony of this witness, members of PNTL and UIR conducted the attack together with armed civilians. Shots were fired from the direction of the school, hospital and from hidden locations behind the hills.

The shooting commenced at approximately 11.00am on 24 May and continued until 5.00pm on 25 May 2006. Just before the shooting took place 2 members of F-FDTL were able to negotiate with the defendant Abilio Mesquita to work together to provide security to avoid conflict between the two factions who were split along eastern-western lines.

As the situation was out of control on the 25 May 2006, the witness and several of his men left the scene at the order of Brigadier General Taur Matan Ruak.

The witness was unsure if Abilio Mesquita and other defendants were involved in the shooting because at that time the witness and a number of his men were hiding in order to avoid casualties. At that time the witness and several of his men also returned fire to prevent a large scale attack on the residence of Brigadier General Taur Matan Ruak.

Based on the observations of JSMP legal researcher Leonidio Marques, on many occasions the witness was unable to understand the questions put forward by the prosecution and defence because the questions were obscure and too long.

In the same hearing the lawyer representing Abilio Mesquita, requested for the court to conduct a further investigation at the scene of the crime to reveal the legal facts and identify the locations used to fire shots at the Brigadier General’s residence. This request was made pursuant to Article 166 of the Criminal Procedure Code on the reconstruction of the crime.

However the court asked for the lawyer’s request to be submitted in writing for the court’s consideration, with a decision to be announced in the following hearing.

JSMP recommends for all court actors to phrase questions to witnesses/victims/defendants in such a way as to avoid confusing them so that they can answer accurately based on what they know, heard and saw.

For further information please contact: Leonidio Marques, Legal Researcher, JSMP; Email: Or contact: Dr. Timotio de Deus, Director of JSMP; Email: Landline: 3323883

Trial Continues in Case Relating to Attack on the Residence of Brigadier General Taur Matan Ruak

JSMP - Press Release - 08 June 2007

On 6 June 2007 the Dili District Court continued the trial of a case relating to an attack on the residence of Brigadier General Taur Matak Ruak that occurred on 24-25 May 2006. This hearing was convened so the court could examine 3 defendants. The prosecutor actually charged five defendants in this case, however one defendant named Pedro da Costa is currently being pursued by law enforcement officials, and another defendant Abilio Mesqueta alias Mausoko has already provided testimony in a hearing conducted previously on 5 June 2007.

The court examined the following 3 defendants: 1. Almerindo da Costa, 2. Valente de Araujo and 3. Arthur Avelar Borges. Of these three defendants, only Arthur Avelar Borges made a statement in response to the indictment, as he felt that the alleged facts were not an accurate reflection of his actions. The other two defendants declined to make a statement about the indictment as they felt that their prior statements made during the investigative process were sufficient and in accordance with the facts. Therefore, the court only examined Arthur Avelar Borges, and not the two remaining defendants. This decision was made pursuant to Article 60 (c) of the Criminal Procedure Code of Timor Leste on the right of the defendant to freely decide not to make a statement at the investigative stage or during the trial.

In his statement, the defendant Arthur claimed that on 23 May 2007, after being ordered by the PNTL commander, he headed to the Marabia post to relieve officers keeping watch because at the time the aforementioned post was being manned by police from the BPU. The defendant admitted that he did not fire shots in the direction of the residence of Brigadier General Taur Matan Ruak or commit an attack on the Brigadier General’s residence. When he left for the Marabia post the defendant was only carrying a pistol. However when he arrived at the post his pistol was given to a fellow police officer named Mariano, and the defendant used a 12 caliber weapon and tear gas which was already available at the aforementioned post.

The defendant headed towards the Marabia post to keep watch because he had been ordered to do so by the Police Commander Paulo de Fatima Martins, and the defendant Arthur only met the defendant Abilio Mesquita en route, and was never on duty together with him. In relation to the attack on the residence of Brigadier General Taur Matan Ruak, the defendant did not know for sure who the perpetrators were and only heard shots being fired, because at the time he was at the Marabia post which is located approximately 1 kilometer from the residence of Brigadier General Ruak. In addition to this considerable distance, the Brigadier General’s residence was also invisible from the Marabia post as it was surrounded by hills. The defendant admitted that he did actually fire 3-4 shots in the air (not towards the Brigadier General’s residence) because when he was keeping watch at the Marabia post shots were fired at the post by an unidentified group.

The defendant only found out that the residence of the Brigadier General had been attacked, and that someone had been injured, after he arrived in Dare. This information was provided by a group of youths who were in Dare. The defendant set off towards the residence of the Brigadier General on 26 May 2006 after F-FDTL members and the Brigadier General’s family had left the residence because the local community were threatening to burn and loot the premises, and for this reason the defendant kept watch over the building. The defendant kept watch because he been ordered by the Police Commander and had received a request via telephone from the then TL Foreign Minister Jose Ramos Horta.

During its monitoring of the trial, JSMP did not observe any violation of legal procedures and the trial process proceeded as per normal.

JSMP legal researcher Osorio de Deus requests for the trial of this case to be immediately pursued in order to reveal any facts directly related to the attack on the Brigadier General’s residence that occurred on 24-25/5/2006. This matter is important as the aforementioned case is directly related to the military crisis that occurred in 2006 which resulted in a political and social crisis that created a vacuum within the police force at the national level.

Osorio also hopes that the relevant legal agencies will do their best to ensure the presence of defendants and witnesses who have not responded to judicial summons so they can provide further testimony that is necessary for the continuation of this matter. Their presence shall enable the court to immediately reveal the truth and legal facts about exactly who was directly involved in this case.

For further information, please contact: Osorio de Deus, Legal Researcher, JSMP; Or Contact: Timotio de Deus, Director of JSMP; E-mail:; Landline: +670 3323883

Mário Carrascalão: “Se É Desejada Uma Mudança, Deve-se Votar nos Partidos que Apresentam Bons Programas”

Jornal Nacional Semanário – 09 de Junho de 2007

“Já sou velho, e assim também o Francisco Xavier do Amaral já é velho, nós devíamos já receber pensões e descansar. Antes de morrer, porque Deus ainda não me chamou, desejo contribuir com qualquer coisa para o nosso país. Caso a coligação PSD-ASDT vença a eleição parlamentar, eu, Mário Carrascalão, serei o Primeiro-Ministro e Francisco Xavier do Amaral será o Presidente do Parlamento Nacional”, afirmou Mário Carrascalão no seu discurso de campanha realizado em Cailaco, recentemente.

Alguns líderes utilizaram o nome de Mário Carrascalão para propagandear ao povo que caso o seu partido vencesse a eleição legislativa, Mário Carrascalão seria o Primeiro-Ministro. Isto, para que o povo vote nesse partido, mas se o mesmo vencer, irão escolher de entre os membros do partido o Primeiro-Ministro.

O presidente do PSD, Mário Carrascalão, acrescentou que, nas eleições de 2001, o povo não sabia que o Dr. Mari Alkatiri iria ser indigitado Primeiro-Ministro pela FRETILIN, quando este partido venceu a eleição legislativa. Mas depois de ouvir que o Dr. Mari Alkatiri seria Primeiro-Ministro, os que votaram pela FRETILIN ficaram arrependidos e lamentaram-se por terem feito uma escolha errada.

Mesmo assim, o povo teve paciência e aguentou. Contudo, quando o Dr. Mari Alkatiri cometeu o erro, milhares de pessoas vieram a Díli, exigindo ao ex-Presidente da República, Xanana Gusmão, a demissão do Dr. Mari Alkatiri do cargo de Primeiro-Ministro.

O Governo da FRETILIN continuou a sua governação até cumprir cinco anos e um mês. Ora, o Governo da FRETILIN, nas palavras do presidente do PSD, ainda não fez nada, pois o povo continua a viver nos campos de deslocados (debaixo das tendas): “No mandato do Primeiro-Ministro Ramos Horta, falei pessoalmente com ele e perguntei-lhe por que é que o problema ainda não tinha sido resolvido. O ex-Primeiro-Ministro, Ramos Horta, respondeu que o Governo era da FRETILIN e que ele implementava os desejos da FRETILIN”. Mário Carrascalão disse na altura a Ramos Horta que, se ele fosse Primeiro-Ministro, se teria demitido do cargo.

Acrescenta que, quando era Primeiro-Ministro, todas as noites o Dr. Ramos Horta tinha de apresentar relatório a Mari Alkatiri e receber instruções. Neste momento, apesar de Estanislau Aleixo da Silva ser o Primeiro-Ministro, continua a receber instruções do Dr. Mari Alkatiri.

“Desejo que os militantes e simpatizantes PSD-ASDT, no dia 30 de Junho, escolham figuras com capacidade para liderar o novo Governo. Se o novo Governo cometer erros, não governando bem, o Primeiro-Ministro ou o Governo será dissolvido e dar-se-á oportunidade ao povo para escolher outros partidos com liderança capaz de governar”, advertiu Mário Carrascalão.

Portanto, os líderes políticos não podem enganar o povo. Não vamos continuar na situação em que, ao trocar o Dr. Mari Alkatiri no Governo, o seu substituto continua no mesmo. Logo, o povo e os militantes do PSD-ASDT devem pensar bem sobre isto até ao dia 30 de Junho, o dia das eleições gerais. Todo o povo de Timor-Leste que deseja uma mudança deve participar nas eleições.

“Para uma mudança em Timor-Leste, o povo deve participar nas eleições votando no partido que tem o melhor programa para desenvolver a vida do povo. Se o povo achar que o programa da FRETILIN é melhor do que os programas dos outros partidos políticos, não faz mal, pode continuar a votar na FRETILIN. Mas é necessário ter muito cuidado porque a liderança deste partido não é parva, é uma liderança que, ao longo de 24 anos, aprendeu muita coisa em Moçambique. Por exemplo: em Moçambique há um partido único (FRELIMO) que continua a governar até à data e que nunca foi substituído. Estes líderes aprenderam essas experiências para implementarem em Timor-Leste. Se for esse o desejo do povo, então deixe a FRETILIN governar durante 50 anos”, concluiu Mário Viegas Carrascalão.

Xanana Gusmão: CNRT Deseja Uma Mudança do Sistema Económico e Político

Jornal Nacional Semanário – 09 de Junho de 2007

O presidente do partido Congresso Nacional da Reconstrução de Timor (CNRT), Kay Rala Xanana Gusmão, afirmou que caso o CNRT vença a eleição parlamentar fará uma mudança do sistema político e económico actualmente vigente em Timor-Leste, com a revisão de leis que não trazem benefícios ao povo.

O presidente do CNRT falou recentemente sobre este assunto em discurso de campanha, no subdistrito de Uato-Lari, distrito de Viqueque.

Segundo a reportagem do jornalista Caetano Freitas, Xanana afirmou que algumas leis que entraram em vigor no espaço de cinco anos dificultaram a vida do povo, como a Lei de Investimento, pelo que o CNRT deseja reformar essa lei, caso vença a eleição parlamentar.
Segundo Xanana, caso o povo deposite a sua confiança no CNRT, isso significará que o povo deseja uma mudança em Timor-Leste.

Por outro lado, Xanana lançou várias críticas, referindo que a crise surgiu devido ao falhanço da governação e à distribuição de armas para matar o povo, dividindo-o em Leste e Oeste.

O discurso de Xanana causou descontentamento por parte de militantes da FRETILIN participantes na campanha, que fizeram provocações, apedrejaram e destruíram 3 viaturas. Em consequência, três pessoas ficaram gravemente feridas.

As provocações na campanha obrigaram a escolta de Xanana a disparar tiros para o ar, a fim de dispersar a população.

José Luís Guterres, do grupo da FRETILIN-Mudança, acompanhou o presidente Xanana Gusmão na campanha e pediu aos militantes para darem os seus votos ao CNRT, porque o CNRT deseja promover uma mudança. A FRETILIN-Mudança também deseja impulsionar uma mudança em Timor-Leste.

Com a presença de Xanana Gusmão no distrito de Viqueque, os militantes da FRETILIN gritaram “Xanana, o traidor!” e “Tu é que dividiste Timor!”. Surgiu, pois, uma situação desfavorável, tendo sido necessário reforçar a segurança de Xanana Gusmão com as polícias de Viqueque e Baucau. E assim, na jornada desde Viqueque até ao Colégio de Fatumaca, lugar onde Xanana e comitiva descansaram, o povo providenciou forte segurança para evitar qualquer possibilidade de ataque por parte dos militantes da FRETILIN.

Governo “Marotok”, aliás Misturador

Jornal Nacional Semanário – 09 de Junho de 2007

Na mesma oportunidade Xanana garantiu que, se o povo depositar confiança no CNRT para governar o País, será feita uma mudança do Governo “Marotok”, que mistura os interesses do partido com os interesses do Estado, e serão restabelecidas as estruturas destruídas. Estabelecerá um Governo Central, eficiente, e colocará líderes com capacidade no Governo. Vai dividir o poder local e estabelecer parlamentos regionais envolvendo a juventude. Vai também reformar as leis de investimento.

“Caso o povo deposite a sua confiança no Partido CNRT, este vai estabelecer um Governo eficiente em menor escala. Não continuará com um Governo “Marotok”, que mistura os interesses do Partido com os do Estado,” afirma Xanana, com aplausos dos militantes e simpatizantes.

Acrescenta ainda que o Governo e o Parlamento da Fretilin em vez de elaborarem uma Lei para atribuírem uma pensão aos veteranos, elaboraram uma Lei para atribuírem uma pensão para os próprios, que, depois de saírem do Governo, continuarão a receber mensalmente o dinheiro do povo, esquecendo os que lutaram e sofreram e deixando-os morrer como “porcos magros”.

“Deviam elaborar uma lei para atribuir uma pensão aos veteranos, mas elaboraram uma lei para arranjarem uma pensão para o ex. Presidente da República, para o ex. Primeiro-Ministro e para os ex. Ministros que trabalham há seis meses. O que é que isto significa? Estão a brincar com o sofrimento do povo. Disse-lhes várias vezes que, se me enviassem esse projecto de Lei, o deitaria fora. No fim cancelaram a sua elaboração. Disse-lhes que os deputados não têm uma função de carreira, mas uma função política. Que no fim do mandato poderão descansar, ou continuar se forem reeleitos, mas não podem receber uma pensão vitalícia, só porque têm o poder, sabem mais e tomam decisões,” afirma Xanana.

Xanana acrescenta que, com o Fundo Petrolífero depositado pelo Governo em Bancos Estrangeiros, atribuirá subsídios aos veteranos e às viúvas do período de 1975 até 1980.
O Estado tem o dever de tirar dinheiro do Fundo Petrolífero para melhorar a vida do povo e dar subsídios aos veteranos.

A Fretilin tem uma política cega e não deu atenção ao que está a acontecer no País.

O CNRT colocará no Governo algumas pessoas que os políticos consideram “Supermies e Batatas”, que têm capacidade e servirão de modelo para os outros partidos que colocam apenas os seus próprios quadros no Governo.
Xanana rejeita o plano do Governo da Fretilin relativamente à construção da auto-estrada de Motaain a Lospalos onde se irá gastar uma grande quantia e que não trará nenhum benefício ao povo. Beneficiará apenas aqueles que aguardam que os 5% lhes entrem nos bolsos. Portanto, se o CNRT vencer as eleições e governar durante 5-10 anos, o povo terá uma vida melhor, terá casas com condições, com água e com electricidade.

Antes do início da campanha, o Presidente do CNRT convidou os seus militantes e simpatizantes a fazerem um minuto de silêncio para honrar o saudoso Afonso “Kudalai” que morreu no incidente, considerando-o um herói da democracia, dos direitos humanos e da paz.

Participaram na campanha em Vemasse, cerca de 200 militantes e simpatizantes. Após a campanha em Vemasse, o Presidente do CNRT e a comitiva continuaram a fazer campanha no Sub-distrito de Laleia, terra natal de Xanana.

Em Laleia, os militantes e os simpatizantes receberam, com grande entusiasmo, o Presidente do CNRT, Xanana Gusmão e a sua comitiva, gritando “Viva Xanana” e “Viva o CNRT”. Após a campanha em Laleia, Xanana e a comitiva prosseguiram viagem para o Sub-distrito de Laclubar onde descansaram.

Segundo o calendário, realiza-se hoje a campanha do CNRT na vila de Manatuto, a última na região leste. Agora vão descansar e continuar a viagem até à região central e oeste do País.
Segundo observou o jornalista Caetano da Costa Freitas, a campanha no Sub-distrito de Vemasse e Laleia, na segunda-feira (4/6) decorreu pacificamente e com sucesso, ao contrário das campanhas anteriores onde surgiam vários problemas. A campanha nos dois Sub-distritos teve segurança da PNTL, UNPOL e escoltas do próprio Presidente Xanana.

Xanana Gusmão: “Se Fosse Traidor Teria Vendido Timor-Leste”

Jornal Nacional Semanário – 09 de Junho de 2007

O Presidente do Partido Congresso Nacional da Reconstrução de Timor (CNRT) lamenta os comentários de militantes de alguns partidos que o acusaram de ser traidor e de dividir o povo.

Afirma que, se fosse traidor não teria reorganizado a luta pela libertação e hoje não viveríamos num país independente.

“Se fosse traidor teria vendido Timor-Leste. Mas o meu desejo era libertar o povo e a Nação para que o povo pudesse viver melhor na era da independência. Por isso, reorganizei a luta através de várias estratégias,” defendeu Xanana.

Xanana falou sobre estes assuntos no seu discurso de campanha no Sub-distrito de Vemasse e Laleia, na segunda-feira (4/6). As declarações de Xanana surgiram como resposta a acusações de militantes de alguns partidos quando fazia campanha em Viqueque.

Xanana afirma que o conflito entre Partidos na actual campanha legislativa é idêntico ao de 1975, em que os militantes de um partido não gostavam de militantes de outros Partidos porque os líderes não os educavam, deixando-os praticar actos de violência.

“Nós os líderes não sabemos educar os nossos militantes. Temos de os consciencializar de que, apesar da diferença de ideias, somos um único povo a viver em democracia. Mas, pelo contrário deixamo-los praticar actos de violência, como em 1975, quando nos perseguíamos e matávamos uns aos outros por considerarmo-nos sermos nós os mais justos, ter as melhores ideias. Fomos radicais,” explicou Xanana aos seus militantes e apoiantes.

Relativamente ao militante do CNRT (Afonso Kudalai) que morreu neste conflito, Xanana considerou-o um herói da democracia e da liberdade.

Falando ainda sobre a antiga geração, Xanana disse que esta, em vez de unir, dividiu o povo como em 1975, destruindo a unidade alcançada durante a ocupação.

Xanana advertiu para não serem demasiados radicais, tornando Timor-Leste propriedade de um indivíduo, que deve ser governado permanentemente por esse indivíduo. Devemos ter consciência de que a luta pela libertação da Nação foi conseguida com o esforço de todo o povo e não apenas de um grupo ou de um indivíduo.

O Presidente Xanana afirma ainda que a resistência foi destruída através de várias estratégias, como a criação das estruturas do CNRM e do CNRT.

Xanana explicou que não foi ele o causador da crise. A crise surgiu devido à incapacidade do Governo da Fretilin em resolver os problemas que surgiram na Instituição F-FDTL em 2002 em Lospalos. E os problemas da PNTL, por estarem demasiado.

“A crise surgiu devido à incapacidade do Governo em resolver os problemas na Instituição F-FDTL desde 2002. Porque o Governo, através do Ministério da Defesa, não soube resolver os problemas e foi-os pondo de lado. No fim incriminam-me a mim, incriminam o Xanana.
Tudo isto aconteceu porque os líderes ficavam agarrados à cadeira do Governo, não querendo procurar a causa fundamental dos problemas e uma solução imediata. Os líderes parecem irracionais, acusa Xanana, recebendo aplausos dos militantes e apoiantes.

Segundo o Presidente do CNRT, o Governo da Fretilin em quem o povo confiou para desenvolver o País, falhou na governação. Na realidade, o povo morreu de fome, morreu magro. Os governantes e as suas famílias vivem bem, esquecendo o sofrimento do povo. O CNRT ergueu-se para salvar a Nação e o Povo.

Hoje em dia o País encontra-se “doente” porque um ou dois líderes pensam que só eles podem governar, que são os mais justos. Portanto, governam com arrogância.

Francisco Guterres “Lú-Olo”, “A FRETILIN Combaterá o Analfabetismo”

O terceiro dia da campanha do partido FRETILIN teve lugar no Ginásio Desportivo de Baucau. Dirigindo-se aos militantes e simpatizantes do seu partido, o presidente Francisco Guterres “Lú-Olo”, afirmou que a acção prioritária do programa da FRETILIN assenta no combate ao analfabetismo, dando oportunidade ao povo pobre para ter acesso à educação.

Francisco Guterres “Lú-Olo” fez estas declarações aos militantes e simpatizantes presentes, durante a actividade de campanha parlamentar realizada no distrito de Baucau, sexta-feira (1/6).

“Toda a gente sabe que com a educação podemos desenvolver a nossa nação. Para o desenvolvimento da nação, são necessários cidadãos com habilidade”, afirmou Lú-Olo.

No mesmo local, o Secretário-Geral do partido FRETILIN, Mari Alkatiri, declarou que pela sua parte lamenta acusações de alguns partidos contra o partido FRETILIN.

Pede, portanto, a qualquer partido que deseja apresentar os seus programas ao povo, que apresente os programas em vez de atacar um partido ou uma instituição.

Na actividade da campanha eleitoral os membros do Governo tiveram oportunidade para explicar os progressos alcançados na governação da FRETILIN ao longo dos cinco anos transactos.

Dos Leitores

Comentário na sua mensagem "E Timor military blueprint unrealistic: Downer":

Mr Downer said yesterday.“I think the Force 2020 report is completely unrealistic. Number one, East Timor cannot afford to build a defence force with 3000 soldiers and a missile-armed navy".

This is man that said prior 1999 "East-timor does not have resources to become an independent state"

PSP pode constituir força autónoma

Primeiro de Janeiro – 10 de Junho de 2007

Superintendente-chefe Herlander Chumbinho assegura disponibilidade do corpo de segurança
O director-nacional-adjunto da PSP está em Timor-Leste para visitar o contingente na UNPol e acompanhar as comemorações do Dia de Portugal com o secretário de Estado da Administração Interna. Ocasião para garantir a prontidão desta força de segurança.

A PSP está preparada para colocar uma força autónoma, “do tipo corpo de intervenção”, numa missão internacional, se isso for pedido pelo Estado português. De acordo com o director-nacional-adjunto da instituição, superintendente-chefe António Herlander Chumbinho, “a PSP tem capacidade de resposta para uma situação de unidade constituída e o ministério [da Administração Interna] tem esses elementos”.

“Até agora, isso nunca aconteceu”, recordou o próprio, em Díli, “porque a PSP tem actuado sempre no formato de monitorização, de desempenho selectivo de funções em proveito da recuperação ou da formação de uma polícia local”. É o caso do contingente da PSP no quadro da missão internacional das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT), onde estão 57 oficiais, chefes e agentes da Polícia portuguesa, além de nove elementos da GNR e um inspector do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Estão também em Timor-Leste nove elementos do Grupo de Operações Especiais da PSP, na segurança à Missão Portuguesa, não integrados na UNMIT.

Portugal tem uma unidade autónoma sob o comando integrado da UNMIT, o Subagrupamento Bravo da GNR, constituído actualmente por 220 militares, uma das quatro unidades especiais de polícia da missão internacional.

Destacamento em espera

Herlander Chumbinho encontra-se em Timor-Leste desde sexta-feira para visitar o contingente da PSP na Polícia das Nações Unidas (UNPol) e acompanhar as comemorações do Dia de Portugal com o secretário de Estado-adjunto e da Administração Interna, José Magalhães, que chegou ontem a Díli [ver texto inferior]. “A PSP preparou já há algum tempo uma estrutura que pode corresponder, quando assim for entendido pela tutela, a uma missão como unidade constituída”, explicou Herlander Chumbinho. “Essa unidade não existe, mas está elencada. O levantamento está feito”, salientou aquele responsável da PSP. “Se uma instância internacional necessitar de uma unidade com essas características, a PSP aprontará uma unidade, por exemplo, com uma valência prioritária de unidade de corpo de intervenção, onde se associam valências como o grupo de operações especiais, ou outras como a inactivação de engenhos explosivos, a segurança pessoal e a vertente sinotécnica”, afirmou.

Sobre a possibilidade de existir uma integração directa das forças de segurança portuguesas em Timor-Leste, Herlander Chumbinho admitiu que “essa coordenação já ocorreu” no terreno, em momentos mais agudos da crise de segurança entre Janeiro e Março deste ano. “Falando pela PSP, toda a estrutura policial que está aqui, tanto as unidades constituídas portuguesas ou outras como outros contingentes, respondem por um comissário [da UNPol, Rodolfo Tor]”, sublinhou o responsável da PSP.

Historial - Missões internacionais

A primeira missão de manutenção de paz da PSP foi na Bósnia-Herzegovina, em 1992, e desde então a Polícia já participou em várias missões das Nações Unidas, da União Europeia e da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. Cerca de oitocentos elementos da PSP estiveram envolvidos em missões tão diversas como o Kosovo, Haiti, Moçambique, Albânia, Croácia e Congo-Kinshasa. Para a missão em Timor-Leste, “a ONU pediu um contingente por especialidades, com elementos de investigação criminal, para a formação de base, policiamento de proximidade, de manutenção e reposição de ordem pública e segurança pessoal”. Herlander Chumbinho, «número-dois» da hierarquia nacional da PSP sublinha, por isso, a “experiência riquíssima acumulada” pelos elementos da PSP nas missões internacionais.

Elogio às forças portuguesas

Jornal de Notícias - Segunda-feira, 11 de Junho de 2007

Timor-Leste "não é um Estado falhado, é um Estado nascente que precisa de ser apoiado", declarou ontem o secretário de Estado adjunto e da Administração Interna, José Magalhães, durante a cerimónia de condecoração de polícias portugueses integrados na missão internacional.
"Timor conquistou o direito à felicidade e não deve perdê-lo", acrescentou o secretário de Estado, que está em Díli acompanhado pelo director-adjunto nacional da PSP, superintendente-chefe António Chumbinho, pelo segundo-comandante-geral da GNR, general Mourato Cabrita, e o coronel João Nunes Figueiredo, comandante do Regimento de Infantaria da GNR.

Para o secretário de Estado, a presença de polícias e militares portugueses em Timor-Leste deve continuar "um modelo de cooperação que permita enraizar, treinar, deixar uma marca profunda para não repetir o erro do passado que consistiu em fazer um abortamento ou retirada precipitada, cujas consequências foram pagas muito caro pelo povo timorense".

Após as eleições de 30 de Junho, "compete às autoridades legítimas de Timor-Leste definir o novo paradigma de segurança interna e Portugal é o parceiro natural desse esforço", afirmou José Magalhães à imprensa. Os vários oradores da cerimónia elogiaram a contribuição do contingente português para a manutenção da ordem pública.

Presidente do Timor agradece Portugal por independência

Lusa Brasil - 10-06-2007 12:41
Díli - O presidente do Timor Leste, José Ramos Horta, afirmou neste domingo, em uma cerimônia para comemorar o Dia de Portugal, que "a vitória em 1999 [que tornou o Timor independente] muito se deve à sábia, paciente, discreta, prudente diplomacia portuguesa".

Ramos Horta, convidado para a cerimônia na residência do embaixador de Portugal em Díli, capital timorense, agradeceu o apoio português durante a crise de 1999 em torno do referendo pela independência e, de novo, na resposta à grande crise de 2006.

"Se compararmos com há um ano, demos alguns passos significativos na vida do país", disse Ramos Horta em um breve discurso à comunidade portuguesa residente do Timor.

"Para esta normalização, muito contribuiu a comunidade internacional e quero citar os países que, logo na primeira hora, acudiram ao nosso apelo: Austrália, Nova Zelândia, Malásia, e, de muito mais longe e em curto espaço de tempo, Portugal".

Perante a grave crise política e militar, Portugal respondeu ao apelo das autoridades timorenses desembarcando um contingente Guarda Nacional Republicana (GNR, força lusa militarizada de segurança) em 4 de junho, em Baucau.

O chefe de Estado timorense destacou "a extrema generosidade do povo português, não só em relação ao Timor Leste mas a outros países africanos de língua portuguesa que atravessavam períodos difíceis após a aquisição da sua independência".

"Desde os dias mais difíceis, em que pouco se conhecia o Timor no mundo e poucos acreditavam e poucos nos apoiavam, era em Portugal que nós encontrávamos maior apoio e maior refúgio", acrescentou Ramos Horta.

"Também em 1999, a maior crise da nossa História, Portugal não hesitou em acudir. Infelizmente, pensávamos que 1999 não se repetia, mas consequência de processos de construção de um país, estas crises são normais, com maior ou menor gravidade".

"Portugal levou muitos anos para consolidar a democracia após o derrube da ditadura", acrescentou o presidente do Timor.

Educação "é a espinha dorsal da democracia e do desenvolvimento," disse a dirigente da FRETILIN

Vote pela FRETILIN!
Eleições Legislativas de 2007

"Defendamos a independência de Timor-Leste"

Comunicado de imprensa
11 Junho 2007

A FRETILIN, o maior partido político de Timor-Leste, hoje apelou para
os eleitores para reconhecerem os enormes sucessos alcançados no
sector da Educação nos últimos cinco anos e para não se deixarem
enganar por falsas promessas dos lideres da oposição que não têm
nenhuma experiência prática em termos de re-reconstrução do sector de

"A Educação é a espinha dorsal da democracia e do desenvolvimento, e o
acesso à educação é um direito de todos os cidadãos timorenses" disse
a porta voz da FRETILIN e candidata a deputada, Ilda da Conceição.

Ilda da Conceição ainda era jovem estudante quando começou a
participar na campanha de alfabetização das massas iniciada pela
FRETILIN em 1975. Entre 1975 e 1983, nos primeiros anos da ocupação
Indonésia, foi guerrilheira e uma das responsáveis da organização das
mulheres da FRETILIN, a OPMT. É actualmente Vice-Ministra da Educação
e da Cultura cabendo-lhe a responsabilidade de supervisionar a
educação primária e secundária no Terceiro Governo Constitucional.

O Artigo 59 da Constituição de Timor-Leste diz:
"O Estado reconhece e garante ao cidadão o direito à educação e à cultura,
competindo-lhe criar um sistema público de ensino básico universal,
obrigatório e, na medida das suas possibilidades, gratuito, nos termos
da lei."
"Desde a formação do Governo em 2002 a FRETILIN trabalhou para
implementar este compromisso constitucional ultrapassando enormes
dificuldades", disse Ilda da Conceição. Ela pediu aos eleitores para
recordarem a situação herdada pela FRETILIN:

"Os indonésios e as suas milícias destruíram 90% das escolas primárias
em Timor-Leste depois do referendo de 1999. Um quinto dos professores
primários assim como 90% dos professores do ensino secundário e quase
todos os Gestores das escolas abandonaram o país. A UNTAET começou o
programa de reconstrução em 2000, mas o primeiro e Segundo Governos
Constitucionais, liderados pela FRETILIN, são responsáveis pelos
sucessos desde 2002. Aprovamos a Política Nacional de Educação depois
de termos realizado consultas alargadas a partir do Congresso Nacional
de Educação realizado em Outubro de 2003. Já elaboramos também a Lei
das Bases da Educação".

"Em Outubro de 2005, finalizamos e começamos a implementar o Plano
Estratégico para atingir o Ensino Primário Universal até 2015 ( todas
as crianças em idade escolar deverão estar integradas nas escolas
primárias). O primeiro curriculum Nacional timorense nas nossas duas
línguas oficiais,Tetun e Português, foi finalizado em 2005 e está
agora a ser introduzido em todas as classes de todas as escolas
primárias do país. Estamos agora a elaborar o primeiro curriculum
Timorense para o ensino pré-secundário."

O programa de reabilitação e construção de escolas é um dos nossos
maiores compromissos. Entre 2002 a 2007, foram reabilitadas 327
escolas e construídas de raíz 150 escolas. O governo já atribuiu
fundos para mais 120 projectos de construção e rehabilitação de
escolas a serem implementados anualmente nos próximos anos. Até 2010
todas as escolas em Timor-Leste terão que funcionar sob determinadas
condições. O Governo começou a implementar esta política este ano
concedendo subsidios para pagamento das despesas de manutenção das

"O objectivo da FRETILIN é ter escolas de qualidade a distâncias que
permitam às crianças deslocarem a pé" disse Ilda da Conceição. " Mas
temos que planear isto cuidadosamente. Os edifícios escolares devem
durar mais de trinta anos. Sem um planeamento e gestão cuidadosos, o
investimento do capital maior pode levar a desperdícios e corrupção.
É fácil fazer promessas, mas alguém tem que trabalhar para as

Mais importante, o Governo da FRETILIN assumiu o compromisso de cobrir
os custos da educação que anteriormente eram suportados pelos país.
Para começar, em 2006, a caixa escolar foi abolida nas escolas
primárias públicas em todo o país e nas escolas secundárias do Estado,
em Díli. A partir de Setembro de 2006, a caixa escolar foi abolida em
todas as escolas públicas do país.

"A abolição do pagamento da caixa escolar vem ao encontro do
compromisso histórico da FRETILIN de que haja igualdade social e
mostra ao país o que se pode fazer quando há uma gestão responsável
dos rendimentos do petróleo" disse Ilda da Conceição.

Em 2006, o governo da FRETILIN introduziu o programa de alimentação
escolar nalgumas escolas de três distritos, designadamente,
Manatuto, Aileu e Viqueque. Há também programs de Alimentação escolar
financiadas pela Organização Mundial de Alimentação (WFO) em Oecusse
e no sub-distrito de Ataúro.

"O programa de distribuição gratuita de uma refeição nas escolas
primárias será implementado a nível nacional no próximo ano," disse
Ilda da Conceição.
A partir de Julho de 2006, o sistema de atribuição de subsídios às
escolas começou a ser implementado para garantir que todas as
famílias possam mandar os seus filhos para a escola. Este sistema
também atribui subsídios para as escolas não governamentais para que a
educação gratuita seja uma realidade para todas as famílias. O
Primeiro Ministro Eng. Estanislau da Silva, reiterou este compromisso
na semana passada, quando afirmou aos meios de informação:

"O Governo está a trabalhar em parceria com a Igreja para abrir mais
escolas secundárias e orgulha-se de poder aumentar o apoio financeiro
à Igreja para gerir as escolas primárias e secundárias Católicas e os
respectivos programas sociais. Também nos comprometemos em financiar
as escolas privadas que são operadas por outras confissões

Mais de mil professores das escolas privadas estão a ser pagas pelo
Governo; o governo também providencia livros, materiais didácticos e
fundos para rehabilitação das escolas privadas.

O Ministério da Educação e Cultura está a criar condicões para
aumentar o envolvimento dos pais na educação das crianças através da
Associações de Pais e Professores. Isto foi inicialmente implementado
no Programa de Escolas Amigas a título experimental com o apoio da
UNICEF. Em cada sub-distrito , há uma Escola Amiga e que funciona como
Centro de Formação para as outras Escolas.

A Ministra da Educação do governo da FRETILIN, Senhora Rosária
Corte-Real, descreveu o programa da seguinte maneira:

"O nosso objectivo é ter Associações de Pais e Professores a operar em
todas as escolas primárias públicas no final de 2008, para aumentar o
envolvimento dos pais e da comunidade na educação das suas crianças.
Também vamos continuar a desenvolver os conselhos de estudantes do
ensino secundário para que a juventude possa participar na tomada de

A Ministra da Educação, Rosária Corte-Real acrescentou: "O governo
embarcou num programa ambicioso de formação contínua de professores
em exercício, dos níveis primário, pre-secundário e secundário através
do Centro de Formação Contínua dos Professores. No âmbito da
Cooperação Bilateral com Portugal, cerca de 800 professores
terminarão este ano os seus respectivos cursos. O governo da FRETILIN
está a preparar o curriculum de formação dos professores do ensino
secundário com o apoio da UNTL."

Para mas informacao:

Jose Teixeia (+670) 728 7080,,

Sentido de Estado. O que falta a Xanana e Ramos-Horta:

Gabinete do primeiro-ministro



Díli, 10 de Junho de 2007 - O Primeiro-Ministro Engº Estanislau da Silva saudou o trabalho “ímpar e o sublime profissionalismo” dos polícias de Portugal em Timor-Leste e pediu o alargamento da sua colaboração à capacitação técnica dos polícias timorenses.

“Confio na capacidade da PNTL como instituição e nas mulheres e homens da nossa polícia para ultrapassarmos as dificuldades e tornar a PNTL uma força profissional, contribuindo para a segurança e a tranquilidade do povo”, declarou o Primeiro-Ministro.

“Em muitos locais, a população já beneficia hoje do esforço positivo de muitas mulheres e homens competentes da PNTL, que dão segurança à vida diária e em quem a população confia”, disse o Engº Estanislau da Silva.

“Mas a PNTL precisa de um programa global de formação exigente e integrado, como aquele que o elevado profissionalismo da polícia portuguesa pode assegurar. O que peço é que contribuam para a renovação e o profissionalismo da PNTL”, afirmou.

O chefe do governo presidia à cerimónia de imposição de condecorações da ONU ao contingente português da UNPOL, no dia 10 de Junho, dia de Portugal. Estanislau da Silva lembrou a resposta rápida de Portugal ao pedido de ajuda feito por Timor-Leste, no auge da crise dos primeiros meses do ano passado e elogiou a imagem que os polícias portugueses conquistaram em Timor-Leste.

“Era comum ouvir-se que apenas a polícia portuguesa nos poderia valer para pôr fim à desordem que ameaçava dividir e fracturar a sociedade timorense”, evocou o Primeiro-Ministro, referindo-se à situação em Maio passado e nos meses seguintes.

Referindo-se aos polícias portugueses da PSP, GNR e SEF, que integram o contingente português da UNPOL, o Primeiro-Ministro Estanislau da Silva afirmou que têm actuado com “sublime profissionalismo”, trabalhando em conjunto com polícias de muitas outras nacionalidades.

“É exactamente por isso que não posso deixar de aproveitar esta oportunidade para vos lançar um veemente apelo”, afirmou o Engº Estanislau da Silva.

“A genuína empatia que desde sempre se estabeleceu entre Portugueses e Timorenses, a facilidade de comunicação entre si e o espírito de entrega e sacrifício já demonstrado pela comunidade portuguesa residente faz prever que os nossos polícias procurem junto dos colegas portugueses o apoio indispensável de que necessitam”, afirmou.

“Os agentes da PNTL que passaram com êxito pelo processo de triagem e os que por ele irão passar necessitam de partilhar os vossos conhecimentos e a vossa experiência. Precisam da vossa ajuda serem preparados para os desafios do futuro”, disse.

“Todos nós, timorenses, contamos com o vosso engenho e arte para nos ajudarem a constituir uma polícia de que nos orgulhemos, respeitada e respeitadora, eficiente, disciplinada e profissional”, acrescentou.

“É este o apelo que vos deixo e sei que será por todos correspondido”, declarou o Primeiro-Ministro. – FIM.

Para informação adicional, por favor contactar:
Hakarak informasaun ne’ebe detalhu bele kontaktu ho:
For further information, please contact:
Ivana Belo
Serviço de Comunicação
Gabinete do Primeiro-Ministro
+670 7243559.
Antonio Ramos Andre
Assessor para a Comunicação
Gabinete do Primeiro-Ministro
Palácio do Governo, Díli – Timor-Leste
+670 7319905

Carrascalão: «Gente à volta de Xanana é do pior que há»

Diário Digital / Lusa
11-06-2007 11:12:17

O ex-Presidente Xanana Gusmão, líder do Congresso Nacional de Reconstrução de Timor-Leste (CNRT) e candidato às legislativas de 30 de Junho, está rodeado de «gente do pior que há em Timor-Leste», afirmou hoje Mário Viegas Carrascalão.

«Há indivíduos que estão com ele que se chamavam, por exemplo, Francisco UDT, depois chamaram-se Francisco APODETI, hoje são Francisco CNRT», disse à Agência Lusa o presidente do Partido Social Democrata (PSD) e cabeça-de-lista da coligação eleitoral com a Associação Social Democrática Timorense (ASDT).

«São um grupo de pessoas que viram no fascínio de Xanana, na posição que Xanana tem, a possibilidade de viver à sombra dele», acrescentou Mário Carrascalão numa entrevista concedida a meio da campanha eleitoral, acrescentando que «o objectivo número um de Xanana é destruir Mari Alkatiri».

«Não é destruir a FRETILIN», analisou o líder do PSD e ex-governador de Timor durante dez anos, quando o território se encontrava sob a ocupação indonésia.

«Xanana Gusmão está a dar guarida à chamada FRETILIN-Mudança, que vai depois regressar à FRETILIN quando destituírem Mari Alkatiri», secretário-geral do partido maioritário e ex-primeiro-ministro.

«Isso não é saudável aqui para Timor», considerou Mário Viegas Carrascalão.

«Eu gostaria de ver Alkatiri destruído democraticamente, e quando digo destruído é eliminado da cena política em eleições», não de qualquer maneira.

«Mas a última coisa que eu queria era ser acusado de contribuir para a instabilidade em Timor e tenho de arranjar forma de convivência com o próprio CNRT, que tem muita gente, muita gente, de quem não gosto», adiantou Mário Carrascalão.

«Isto engana o povo, que olha a sigla e pensa que este partido lutou pela libertação de Timor», continuou o presidente do PSD pegando num jornal do dia e apontando o artigo de primeira página sobre o CNRT.

«Eu tenho explicado na campanha que, se este partido fosse o antigo CNRT, eu próprio faria parte, todos juntando esforços. Mas não é o caso», destacou o presidente do PSD, que integrou o primeiro CNRT (Conselho Nacional da Resistência Timorense) antes da independência do país.
«Eu não gostaria de ver um herói nacional, um dos pais da nossa unidade nacional, como primeiro-ministro se o CNRT vencer, sofrer as consequências de erros que o destituirão da História como o homem de quem todos os timorenses se orgulham que passa a ser como qualquer outro».

Para Carrascalão, Xanana corre o risco de perder a credibilidade que tinha, porque «para ser governo, é preciso ter-se sensibilidade para assuntos dministrativos e temas sociais. Não é só discursar. É preciso saber como».

«Há com certeza técnicos para fazer as coisas, mas se um líder não acompanhar, é co-responsável. É engolido», prosseguiu, opinando que Alkatiri é odiado em Timor-Leste.

«A maior parte da população odeia-o. Talvez sem razão. Eu não sei», afirmou, esclarecendo que ele liderou um Governo que «nunca disse a Alkatiri que discordava dele ou em que algum ministro ameaçasse sair. Todos querem comer. E isso vai ser pior com o CNRT».

«Xanana é um homem bom demais para fazer o que eu fiz durante dez anos aqui em Timor: usar o princípio de que só morro uma vez mas aquilo que eu entender que está certo, é isso que eu vou fazer», analisou ainda Mário Viegas Carrascalão.

«Xanana parte de piores condições, porque já tem um adversário muito grande que é a FRETILIN-Maputo, ou Radical como muita gente diz (...), e vão mobilizar cada vez com mais força contra ele».

«Xanana é um homem muito sensível, um homem que actua muito emocionalmente. É um homem bom», disse Mário Viegas Carrascalão na entrevista à Lusa.

«Eu não sou como ele. Sou bom mas não sou aquele bom como o Xanana, que chora e comove as pessoas. Para mim, o que é, é. Quem gosta, gosta, quem não gosta, não gosta. Não vou modificar-me para fazer jeitos», declarou.

Sobre a candidatura de Xanana Gusmão, o candidato do PSD às legislativas declarou que «ele é uma pessoa que devia continuar na posição de um pai deste país, e não meter-se em questões de governos».

«Já com José Ramos-Horta eu disse: você é um Nobel da Paz, deve cuidar da paz, da harmonia, e um chefe de governo tem que tomar decisões drásticas. Vai causar muita antipatia».

Para Mário Viegas Carrascalão, o novo Presidente da República «deu o primeiro passo errado» ao promulgar a lei de alteração eleitoral.

«Eu adiava as eleições mas nunca assinaria uma lei contra a minha consciência. O próprio José Ramos-Horta dizia que não concordava com a lei», concluiu.

«Vitória de 1999 muito se deve a Portugal», diz Ramos-Horta

Diário Digital / Lusa
10-06-2007 15:29:46

O Presidente da República timorense afirmou este domingo, numa recepção para assinalar o Dia de Portugal, que «a vitória de 1999 muito se deve à sábia, paciente, discreta e prudente diplomacia portuguesa».

José Ramos-Horta, convidado para a cerimónia na residência do embaixador de Portugal em Díli, agradeceu o apoio português durante a crise de 1999 em torno do referendo pela independência e, de novo, na resposta à grande crise de 2006.

«Se compararmos com há um ano, demos alguns passos significativos na vida do país», explicou José Ramos-Horta numa breve intervenção à comunidade portuguesa em Timor-Leste, acrescentando que, «para esta normalização, muito contribuiu a comunidade internacional, nomeadamente Austrália, Nova Zelândia, Malásia, e, de muito mais longe e em curto espaço de tempo, Portugal».

Perante a grave crise política e militar, Portugal respondeu ao apelo das autoridades timorenses fazendo desembarcar um contingente da GNR a 4 de Junho, em Baucau, demonstrando, segundo o chefe de Estado, «a extrema generosidade do povo português que atravessava períodos difíceis após a aquisição da sua independência».

«Desde os dias mais difíceis, em que pouco se conhecia Timor no mundo e poucos acreditavam e poucos nos apoiavam, era em Portugal que nós encontrávamos maior apoio e maior refúgio», recordou Ramos-Horta, que referiu ter percorrido nesses anos «Portugal de lés-a-lés».


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.