terça-feira, junho 19, 2007

UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA – Terça-feira, 18 Junho 2007

Relatos dos Media Nacionais

UNMIT apoia a CNE

O Presidente da CNE Faustino Cardoso Gomes disse que a CNE obteve apoio técnico e logístico da UNMIT para facilitar os arranjos para as eleições legislativas de 30 de Junho.

O Sr. Cardoso mencionou também que a CNE recebeu um total de US$175,158.00 do Governo. (STL e TP)

Horta pede à CNE para ser imparcial e independente

O Presidente José Ramos-Horta pediu à CNE para manter a sua independência e imparcialidade nas eleições legislativas.

É muito importante a imparcialidade da CNE para o povo e o desenvolvimento da democracia no país,” disse o Sr. Horta numa workshop realizada pela CNE na Sexta-feira (15/6) em Dili. (STL)

LABEH: PDHJ devia investigar o caso de corrupção

O Director do Lalenok ba Ema Hotu (LABEH), Christopher Henry Samson, disse que o Provedor dos Direitos Humanos e Justiça (PDHJ) devia investigar o alegado caso de corrupção no Gabinete de Xanana Gusmão durante o seu mandato de Presidente. (TP)

Horta encontra-se com homens de Alfredo e peticionários

O Presidente José Ramos-Horta encontrou-se com homens de Alfredo e peticionários no Sábado (16/6) em Fatuberliu, Manufahi.

O objective do encontro foi encontrar maneiras para resolver os problemas dos peticionários e dos membros da PNTL que fugiram de Dili durante a crise do ano passado. (TP)

Foragidos estão prontos para o diálogo

O antigo Comandante da polícia militar, maj. Alfredo e o porta-voz dos peticionários, Gastão Salsinha, declararam que estão ambos prontos para virem para Dili e negociarem em nome dos seus apoiantes. (TP)

Fretilin rejeita críticas Australianas

Numa conferência de imprensa realizada no Domingo (17/6), a Fretilin disse que as críticas do governo Australiano a um plano para desenvolver a força de defesa de Timor é interferência política durante a campanha para as eleições legislativas agendadas para o fim do mês. A Fretilin rejeitou essas críticas porque violam a soberania Timorense. (DN e STL)

SRSG: “PNTL deve ser profissional”

O SRSG Atul Khare afirmou na Quinta-feira (14/6) na sede da UNMIT em Dili que a UNMIT quer estabelecer uma força da polícia responsável e profissional.

“Queremos que a PNTL seja uma força eficaz, eficiente, responsável, aprontada e apartidária. Há cerca de 898 oficiais da polícia de regresso ao serviço em Dili,” disse o SRSG. (DN)

José: “Diálogo com Alfredo não deve ser atrasado”

O Director Executivo da Associação HAK, José Luis Oliveira, disse que o Governo deve iniciar o diálogo com Alfredo Reinado Alves e os seus homens de modo a resolver o problema prontamente. (STL)

UNMIT – MEDIA MONITORING - Tuesday, 19 June 2007

National Media Reports

Greater Logistical Challenges Ahead of Parliamentary Elections
The UN Mission in Timor-Leste (UNMIT) says the parliamentary elections scheduled for June 30 will be logistically more challenging as a total of 14 political parties and coalitions present candidates for election.

Reiterating UNMIT’s support for the national authorities charged with running the elections, the Deputy Special Representative of the Secretary-General, Finn Reske-Nielsen, said “UNMIT continues to work with the national authorities to ensure that the upcoming election is free, fair and transparent.”

For this election, the number of ballot boxes and seals will increase to three or four boxes per polling station instead of two. Other challenges include the increased numbers of electoral material, polling stations and polling staff.

“Preparations for the parliamentary elections are not an easy task and I commend all those involved in the operation – both from UNMIT and the national authorities – for their efforts in ensuring that the upcoming elections will proceed smoothly,” said the DSRSG.

As previously done during the run-off presidential elections last May, the number of ballot papers produced will be 20% extra of the total number of registered voters. A total of 652,000 ballot papers will be distributed throughout the country in pads of 50s. At the district level, a reserve will be kept to deal with contingencies.

The distribution of non-sensitive material (including ballot boxes and voting screens) across Timor-Leste’s 13 districts started last week with UNMIT providing logistical support. The sensitive material (including ballots and stamps) will be transported from Dili to the district capitals from 26 June and from the district capitals to the 708 polling stations and 520 polling centers by helicopters, vehicles and horses with porters on 29 June.

At the end of polling, the electoral material will be retrieved from the polling centers and moved to the District Counting Centers, where counting will take place, as per the provisions of revised electoral law. The reception and reconciliation of the electoral material will begin on the evening of 30 June and counting will start immediately after. The counting centers will operate from 7.00 am to 10.00 pm until the District Counting Centers complete the process.

This time around counting is expected to take longer than 48 hours. Once this is finalized, all sensitive materials will be returned to the CNE’s National Tabulation Center.

UNMIT is mandated through Security Council Resolution 1704 to “support Timor-Leste in all aspects of the 2007 presidential and parliamentary electoral process, including through technical and logistical support, electoral policy advice and verification or other means.” (TP)

Bishop of Baucau: “Alfredo’s status must be defined by the law”
In response to Alfredo’s case, the Bishop of Baucau, Mgr. Basilio do Nascimento, said that even if Alfredo were a national hero, his case must still be investigated. (TP and DN)

Chief of Australian Forces visits Timor-Leste
The Chief of the Australian Forces, Lieutenant General Peter Leahy, visited Timor-Leste on Sunday (17/6) to meet with the Australian forces serving in Dili and provide moral support. This is Lt. Gen. Leahy’s second visit to Timor-Leste since the Australian forces arrived in the country last year.

“Australia is proud of the professionalism which you have shown in all your actions,” said Mr. Leahy. (TP)

Xanana and Horta extend their condolences to former Governor
Former President Xanana Gusmão and President José Ramos-Horta extended their condolences to Abilio Soares, the last Indonesian Governor of East Timor before its independence in 1999, who died last Sunday at the age of 60 after suffering from cancer. (TP and DN)

PDHJ received 23 cases of violence
At a press conference held by DN on Monday (18/6), Silveiro Pinto Baptista from the Human Rights and Justice Provedor (PDHJ) informed that PDHJ received 23 cases of human rights abuses committed by the ISF, UNPol, PNTL and F-FDTL. (DN)

East Timor’s Prime Minister will resume his role tomorrow
Prime Minister Estanislau da Silva will resume his role as Prime Minister tomorrow after temporarily suspending it to participate in the political campaigns in the districts. (DN)

UNMIT - Security Situation - Tuesday, 19 June 2007

This is a broadcast of the UN Police in Timor-Leste to provide you with information about the security situation around the country.

Tuesday, 19 June 2007

The security situation across the country has been stable.

Today in Dili, UNPol conducted 42 patrols and were required to attend four incidents. One incident was an assault on the manager of a company in Dili, allegedly by the friend of a staff member whom he had recently sacked. The manager sustained minor injuries. In another incident, a PNTL district commander happened to drive past a group of people throwing rocks at a house in Metiaut. The suspects fled upon his arrival.

Yesterday in Ainaro, around five people were involved in a case of assault in Ainaro town. Three suspects were interviewed by the PNTL and the investigation is ongoing. A domestic assault was also reported in Ainaro. The victim is currently in Ainaro hospital and the extent of her injuries is not yet known. PNTL will be obtaining a statement from the victim upon her release and will pursue the case.

Last night in Ermera, UNPol received a report of three houses being partially burnt one day previously, two in Urahou village and one in Ramian village. A Formed Police Unit intervened and extinguished the fire in Urahou. Both incidents are under investigation by UNPol / PNTL, and as yet there is no evidence to suggest that they are politically motivated.

Yesterday in Lautem sub-district, a rock was thrown from one convoy of supporters at another rival convoy that was passing them. UNPol managed to calm the situation before it could escalate, and both campaigns proceeded peacefully. Separately, at around 1400hrs, there was a fight between families in the sub-village of Gizmea. The fight arose over the suspected theft of corn. A 19-year-old man was referred to Dili hospital with head injuries.

In Viqueque, the firearms of local PNTL officers have been handed over to UNPol Forensics officers, who have brought them back to Dili for further examination in relation to the Viqueque and Ossu shooting incidents that took place on Sunday 3 June.

Campaigning continues across the country today. Eleven political rallies were scheduled to take place, and as yet there have been no reports of any associated security incidents.

The Police advise to avoid traveling during the night to the most affected areas. Report any suspicious activities and avoid traveling the areas affected by disturbances. Call 112 or 7230365 to contact the police 24 hours a day, seven days a week.

This has been a daily broadcast of the UN Police in Timor-Leste, for the people of Timor-Leste

Mais do mesmo... na República das Bananas.

East Timor ends hunt for army renegade
19 Jun 2007 11:01:45 GMT
Source: Reuters

DILI, June 19 (Reuters) - East Timor President Jose Ramos-Horta ordered security forces on Tuesday to stop hunting for an army renegade accused of involvement in last year's wave of violence.

Alfredo Reinado escaped last August along with 50 other inmates from a prison where he was being held on charges of involvement in last year's violence that killed 37 people and drove 150,000 from their homes earlier that year.

"I have heard all parties, including the United Nations, and today I decide the police and military operation to capture Alfredo Reinado and his members should be stopped today," Ramos-Horta told reporters.

He said the prosecutor-general should discuss with Reinado terms for his surrender and weapons handover under the mediation of the Catholic church.

"I believe in justice for all," he said.

Reinado told Reuters earlier this month he would personally seek out those behind last year's violence if the government refused to negotiate with him immediately.

Reinado, East Timor's former military police chief, has been accused of raiding a police post and making off with 25 automatic weapons while on the run.

He has said he would only turn himself in once the ruling Fretilin party was no longer in power and foreign troops sent into East Timor after last year's violence were out of the country.

Ramos-Horta, a Nobel peace prize winner who spent years abroad as a spokesman for East Timor's struggle for independence from Indonesian occupation, was installed as president last month.

His victory has raised hopes of greater stability in a nation still struggling to heal divisions five years after it won formal independence from Indonesia.

East Timor will vote again in parliamentary elections on June 30.


E os tribunais, o que dizem?...

Mário Carrascalão: “ASDT-PSD Deseja Resolver o Problema do Major Alfredo com Dignidade”

Jornal Nacional Semanário - 17 de Junho de 2007

O presidente do Partido Social-Democrata (PSD), Eng.º Mário Viegas Carrascalão, afirmou que caso a coligação Associação Social-Democrata Timorense e Partido Social-Democrata (ASDT-PSD) vença a eleição parlamentar 2007-2012 resolverá o problema do Major Alfredo Reinado com dignidade.

O presidente do Partido Social-Democrata falou sobre este assunto aos seus apoiantes e simpatizantes, quarta-feira (6/6), no subdistrito de Same, distrito de Manufahi.
Mário explicou que, para a coligação ASDT-PSD, o problema do Major Alfredo é importante e tem de ser resolvido.

“Desejo afirmar que o problema do Major Alfredo deve ser resolvido com dignidade para que todas as partes possam ficar satisfeitas com o resultado. Como também o problema dos peticionários deve ser resolvido duma maneira positiva sem haver em ambas as partes quem ganhe e quem perca. O problema deve resolvido com honra, através do processo de justiça, para que o povo possa ter conhecimento dos problemas que aconteceram no país”, garantiu Mário Carrascalão.

Na sua campanha no distrito de Manufahi, a coligação ASDT-PSD apresentou aos seus militantes, simpatizantes e ao povo o programa de descentralização, porque o referido programa poderá resolver os problemas do povo segundo regras democráticas.

Na oportunidade da mesma acção de campanha, o Secretário-Geral do partido Associação Social-Democrata Timorense, Gil Alves, declarou que o sistema de descentralização por que optaram os partidos da coligação ASDT-PSD tem como objectivo atribuir uma voz mais activa à autoridade local na participação no processo de desenvolvimento e resolver os problemas do povo:

“Os partidos da coligação desejam implementar o sistema de descentralização para dar oportunidade à autoridade local de participar no processo de desenvolvimento na base e resolver de imediato os problemas do povo para que o povo possa ter uma vida melhor no seu país”.

A campanha obteve uma reacção de enorme entusiasmo por parte de apoiantes e simpatizantes, ao ouvirem as propostas – que em caso de vitória serão implementadas no período de 2007-2012 – apresentadas pela coligação ASDT-PSD.

Segundo a observação do Jornal Nacional Semanário, a campanha decorreu num ambiente calmo e pacífico. As próximas acções de campanha serão realizadas nos subdistritos de Same, Alas e Fatuberliu.

Gil Alves: “Coligação ASDT-PSD Tem Experiência Suficiente”

Jornal Nacional Semanário - 17 de Junho de 2007

O Secretário-Geral do partido Associação Social-Democrata Timorense (ASDT), Gil Alves, afirmou que os partidos ASDT-PSD fizeram uma coligação por serem de uma mesma origem, história e cultura e que têm experiência e habilidade suficientes para avançarem juntamente.

“A coligação tem como objectivo estabelecer uma boa combinação, criando um sistema baseado na história, cultura, experiência e habilidade para governar. O programa dos dois partidos coligados baseia-se numa estratégia clara que trará progresso em todos os sectores”, garantiu o Secretário-Geral do partido ASDT, Gil Alves, no discurso aos militantes e simpatizantes proferido na recente acção de campanha que teve lugar no distrito de Ainaro.

“Há uns dias atrás, um companheiro em Aimutin, Díli, fez-me a pergunta: ‘Será que a coligação ASDT-PSD poderá resolver os problemas de Timor-Leste?' Expliquei que podemos sempre resolver problemas quando temos boa vontade. Não podemos resolver problemas se não temos boa vontade ou não temos uma ideia positiva para resolver os problemas do país”, afirmou Gil Alves.

A razão da coligação dos partidos ASDT-PSD baseia-se em vários pontos, mas asseguram-se os dois mais importantes: o primeiro, a prioridade básica, é desenvolver Timor-Leste criando estabilidade em todos os sectores. O segundo, dar atenção aos pobres, idosos e veteranos, porque foi através dos seus sacrifícios que hoje podemos viver a independência.

Declarou, depois, que deve ser feita uma reflexão sobre se o povo, após uma independência de cinco anos, tem uma vida melhor. Se o povo tem uma vida melhor, isso significa um progresso. Pelo contrário, se o povo continua a sofrer, tal significa que ao longo de cinco anos não houve desenvolvimento para o povo de Timor-Leste.

“Ouvimos as declarações do presidente do partido ASDT de que o nosso País é rico mas o povo continua a viver pobre, algumas pessoas comem uma vez por dia e outras não têm comida, algumas pessoas nem conseguem obter cinco cêntimos por dia”, afirmou Gil Alves.

Foi, portanto, baseando-se nas dificuldades enfrentadas pelo povo que os partidos ASDT-PSD criaram a coligação. O programa dos dois partidos possui boas medidas para dar mais atenção à produção de repolhos e mandioca por parte do povo que não encontra comprador, porque o Governo ou o Ministério de Agricultura não desenvolveram um programa claro, ou seja, o programa não foi bem implementado a fim de dar valor aos produtos locais no mercado. Mais uma vez, é por esse motivo que os dois partidos fizeram a coligação, concluiu.

Vicente Faria: “Lei de Amnistia para Atenuar Infracções de Líderes Aprovada”

Jornal Nacional Semanário - 17 de Junho de 2007

O Vice-Presidente da Comissão “A” no Parlamento Nacional para os Assuntos Constitucionais, Direitos, Deveres, Liberdades e Garantias Humanas, Vicente Faria, afirmou que a Lei de Amnistia foi apresentada para aliviar infracções cometidas por alguns líderes, como é normal acontecer em vários países.

A Lei de Amnistia foi aprovada no Parlamento Nacional, segunda-feira (4/6). De acordo com o procedimento, qualquer Projecto de Lei apresentado pelos deputados ou qualquer Proposta de Lei apresentada pelo Governo devem ser submetidos à plenária e anunciados na reunião plenária aos deputados e ao público. No caso da referida lei, cabe à comissão competente que trata da Lei da Amnistia, que é a Comissão “A”, uma apreciação preliminar:

“Segundo o regimento, a Comissão “A” convoca uma reunião com todos os seus membros para efectuar uma apreciação preliminar, o que significa que a Comissão deve analisar se a lei preenche requisitos constitucionais formais e materiais”, explicou o Vice-Presidente da Comissão “A”, Vicente Faria, ao JNDiário no Parlamento Nacional, quarta-feira (6/6).

Vicente Faria assegura ainda que, com base na Constituição da RDTL, é necessário, neste caso para a elaboração da Lei de Amnistia, e de acordo com o mencionado no regimento de que a lei é feita para servir interesses comuns e não para interesses de grupos, que a Comissão “A” tenha de ouvir todos os componentes do país.

No regimento artigo 76, que regula a audiência pública e debates na Comissão “A”, a maioria dos membros da Comissão “A”, composta por representantes de todas as bancadas incluindo a FRETILIN, concordou em realizar uma audiência pública.

Então, a Comissão “A” calendarizou essa acção, tendo convidado entidades como as confissões religiosas no país, os partidos políticos, sociedade civil, Organizações Não Governamentais (ONG), Associação de Advogados, Tribunal, Procuradoria-Geral, Provedor de Direitos Humanos, Unidade de Direitos Humanos da UNMIT e o Governo, representado pelo Ministério da Justiça. Porque a Proposta de Lei não foi feita pelo Governo mas foi um Projecto de Lei elaborado pelos próprios deputados, deve também convidar-se o Governo para a audiência pública, porque é o Governo que vai implementar a lei. Esta audiência pública ainda não terminou.

Ora, o Parlamento, através do Vice-Presidente e Presidente Interino do Parlamento Nacional, Jacob Fernandes, e o Chefe Interino da Bancada FRETILIN, Elizário Pereira, nomeou Vicente Faria, Aliança de Araújo e Maria Avalgisa para participarem na conferência de Nova Iorque:
“No momento, não explicaram que a Lei da Amnistia e Medidas de Clemência era importante e devia ser processada de imediato. Então nós os três arrancámos para Jacarta, mas aí não sabiam o objectivo da nossa deslocação a Nova Iorque, por não podermos mostrar um convite oficial para a conferência. Depois de Jacarta ter confirmado com Timor-Leste, enviaram o convite de Timor para Jacarta. Contudo, como nessa altura a conferência já tinha sido realizada, então nós os três tínhamos de regressar a Timor. Após o regresso ouvi dizer que a Mesa do Parlamento tinha retirado o Projecto de Lei da Comissão “A” para a Plenária e realizado uma aprovação de generalidade, sem olhar pelos serviços e a confiança delegados pela própria Mesa do Parlamento Nacional à Comissão “A”, segundo o regimento”, declarou Vicente Faria.

A Mesa do Parlamento convocou uma reunião para debate mas como o quórum nunca foi suficiente devido às eleições presidenciais da primeira e segunda rondas, na segunda-feira (4/6) a Mesa do Parlamento fez a agenda e chamou os membros da FRETILIN incluídos na lista dos 75 candidatos de 2001 para preencherem as cadeiras vazias no Parlamento e haver quórum, e assim, nesse mesmo dia (4/6), a Lei de Amnistia foi aprovada.

“Porém, como Vice-Presidente da Comissão “A”, apenas desejo informar que a Mesa do Parlamento Nacional retirou o direito à Comissão “A”, o que significa que já não é da competência desta Comissão a elaboração da lei, pelo que não apresentará o relatório da audiência pública realizada. A Comissão “A” já não tem competência plenária. A promulgação ou não por parte do Presidente representará um entendimento entre os dois órgãos de soberania. Apenas quero dizer que a Mesa do Parlamento retirou o referido Projecto de Lei da Comissão, de certeza com qualquer interesse, porque foi uma intervenção política”, afirmou Vicente Faria.

A essência da elaboração da Lei de Amnistia deve-se aos problemas que aconteceram no país e que afectaram a vida do país. Então, precisamos desta lei para regularizar e resolver os problemas. Através da lei denominada “Quadro Jurídico” e baseado na mesma, o Estado poderá implementar qualquer coisa mas a lei veio de um proponente que assinou e de certeza que há interesses.

Agora, após a aprovação, para a Lei de Amnistia ser considerada legal ou ilegal, muitas vezes dizem que a plenária tem a sua soberania. Portanto, depende do Presidente da República, do Provedor de Direitos Humanos e Justiça, Tribunais e o Procurador-Geral, os quais podem interpretar a inconstitucionalidade ou não da referida lei. O Presidente da República é que tem o direito de vetar a lei.

Mau Laka: “Ao Grupo FRETILIN-Mudança Falta Coerência Política”

Jornal Nacional Semanário - 17 de Junho de 2007

O ex-assistente político do Comissariado Político “Cascol”, Mau Laka, afirmou que o grupo da FRETILIN-Mudança não tem coerência política. Se camaradas como Victor da Costa, Egídio de Jesus, Vicente Maubocy e José Luís Guterres têm declarado que continuam a permanecer na FRETILIN, de certeza que devem continuar a defender a FRETILIN, apesar das várias facções dentro da FRETILIN.

“Em vários países, por exemplo na governação do ex-Primeiro-Ministro português, António Guterres, havia facções e assim também no Governo do actual Primeiro-Ministro, José Sócrates, acontece o mesmo”. Aqui, na liderança do ex-Primeiro-Ministro, Mari Alkatiri, o Governo da FRETILIN também devia ter facções. Numa delas poderiam estar envolvidos Vítor da Costa, Egídio de Jesus, Vicente Maubosy e José Luís Guterres.

“Portanto, se os camaradas desejarem uma mudança dentro da FRETILIN, não significa que devem abandonar a FRETILIN, a questão é antes realizar um Congresso Extraordinário. Se, no Congresso Extraordinário, o grupo da FRETILIN-Mudança vencer faremos uma mudança dentro da FRETILIN”, advertiu o ex-assistente do Comissariado Político “Cascol” ao JNDiário, no seu escritório, quarta-feira (6/6).

Mau Laka continua, questionando-se que “só porque há facções dentro da FRETILIN querem abandonar a FRETILIN, gritar lá fora e filiar-se em outros partidos políticos? Onde está então a nossa coerência política? Os camaradas saíram da FRETILIN mas continuam a designar-se como FRETILIN. Qual FRETILIN? Isto significa que estamos a levar os militantes como um rebanho de ovelhas que apascentamos e depois metemos num curral. Portanto os camaradas que se denominam como grupo de FRETILIN- Mudança não têm coerência política”, declarou.

“Se tivessem coerência política, não teriam abandonado a FRETILIN para se juntarem ao CNRT a fim de derrubar a FRETILIN. Onde está a coerência política? A FRETILIN é um partido político histórico que não será destruído com a saída dos camaradas que se juntaram ao CNRT”.

Por outro lado, avisou que “esses camaradas não estão conscientes de que ao derrubarem a FRETILIN os militantes que os seguirem irão permanecer no CNRT. E quando desejarem regressar à FRETILIN não haverá militantes para realizar congressos porque estarão todos no CNRT. Não vamos gritar e após a vitória do CNRT ter posições de Secretário de Estado, Ministro ou Director enquanto deixamos o povo a desenrascar-se sozinho nas suas vidas. Então, não somos políticos. Somos políticos mas não vamos utilizar a política para brincar e procurar os nossos interesses. Como políticos temos de defender o povo”, destacou o ex-assistente do Comissariado Político “Cascol”, Mau Laka.

“Os camaradas dizem que saem da FRETILIN por desgostos com o Secretário-Geral, Dr. Mari Alkatiri, citado como a FRETILIN-Maputo. Neste momento, estão juntos com o José Luís Guterres, que viveu em Maputo e cuja esposa é moçambicana. Então, por que razão é que aceitam um Maputo e rejeitam outro Maputo?”

Quando os camaradas desejam falar de Moçambique ou de Maputo, devemos estar conscientes de que na luta de Timor-Leste, desde 7 de Dezembro de 1975, quando a Indonésia invadiu Timor-Leste, Portugal não apoiava, tendo sido o Governo moçambicano a ajudar os timorenses, com o Dr. Mari Alkatiri, José Luís Guterres, Rogério Lobato a realizarem a nossa política externa”.

O ex-assistente do Comissariado Político “Cascol” menciona ainda que se “os camaradas identificaram o camarada Secretário-Geral Mari Alkatiri como FRETILIN-Maputo, onde vamos colocar o camarada Presidente Francisco Guterres “Lú-Olo”? Lú-Olo não é Maputo. Portanto, é aconselhável não identificar ninguém por ‘Maputo' ou ‘não-Maputo'. Se desejarem identificar o Grupo FRETILIN-Mudança, digam antes que a figura José Luís Guterres viveu em Maputo e Vicente Maubocy, ao longo de vários anos, viveu na Austrália. Agora o camarada Victor da Costa e o camarada Presidente Lú-Olo são os que viveram em Timor”.

Mau Laka declara a seguir que, nas eleições de 2001, esses camaradas é que estiveram mais próximos do camarada Mari Alkatiri. Contudo, ter-se-ão afastado após Mari Alkatiri demitir Victor da Costa do seu cargo como Director do Cispe por falta de capacidade.

“Pede-se o cargo de Ministro de Turismo. O ex-Primeiro-Ministro, Dr. Mari Alkatiri, não aceita. Tenho ou não a capacidade para assumir o cargo? Portanto, se não temos capacidade, convém não enganar o povo”, lamentou o ex-assistente político.

“Além disso, vejo que isto não é lógico. Se desejo fazer uma mudança dentro da FRETILIN, não devo sair da FRETILIN e juntar-me ao CNRT para fazer a mudança dentro da FRETILIN.

Quando quero resolver problemas internos na minha casa, por que motivo é que tenho de ficar na casa dos outros para os resolver? Tenho esperança de que, para os camaradas do Grupo Mudança, como Victor da Costa, Egídio de Jesus, Vicente Maubosy e José Luís Guterres, caso o CNRT vença as eleições legislativas e eles sejam nomeados ministros, a FRETILIN-Mudança deixe de existir. Já não se preocuparão com a mudança, porque já serão ministros. Contudo, se não tiverem posições no CNRT, fugirão de novo para a FRETILIN a dizer que o CNRT foi apoiado por eles para ser então um grande partido”, rematou Mau Laka.

Mentes brilhantes...

Jornal Nacional Semanário - 17 de Junho de 2007
Entrevista Especial Com o Vice-Coordenador da Fretilin Mudança, Egídio de Jesus:
“A Fretilin Maputo Será Derrotada Mais Uma Vez nas Eleições Parlamentares”

Ao longo de 24 anos o povo de Timor-Leste resistiu para libertar o País da Ocupação Indonésia. Foi uma resistência isolada porque em 1974 as Forças Armadas de Libertação Nacional de Timor-Leste (FALINTIL) estavam subordinadas à Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente (FRETILIN).

Com uma liderança intelectual, inteligente e vigilante, o ex. Comandante das FALINTIL, Kay Rala Xanana Gusmão separou as FALINTIL da FRETILIN e não se afiliou em nenhum Partido Político, deixando assim a ideologia Marxista e Leninista, com a perspectiva de ganhar a independência de Timor-Leste.

Kay Rala Xanana Gusmão reformou a resistência e aproximou-a da Igreja Católica. Por sua vez, a resistência foi apoiada pela Igreja Católica a nível Internacional.

O talento e a intelectualidade política de Xanana Gusmão veio de Deus e das Almas. Há líderes da FRETILIN que não acreditam nisso, porque na altura, alguns deles não apareciam na arena política e outros permaneceram no estrangeiro. O povo nunca os ouviu fazer nenhuma transformação política no estrangeiro. Mas com a intelectualidade política do líder carismático, Kay Rala Xanana Gusmão, Timor-Leste conquistou a sua independência, reconhecida internacionalmente. Nem o mundo nem o povo de Timor-Leste pode negar isto.

Segundo a FRETILIN Mudança, as FALINTIL são o pai e o CNRT é a esposa. O líder carismático Kay Rala Xanana Gusmão deixou a FRETILIN para ganhar o apoio de todos os Partidos Políticos, nomeadamente, UDT, KOTA, Trabalhista e APODETI; para formar a “Unidade Nacional” a partir do resultado da Convenção de Peniche, Portugal.

Para aprofundar este assunto apresentamos a entrevista exclusiva do Vice-Coordenador do Grupo, FRETILIN Mudança (GFM), Egídio de Jesus, conduzida pelo Jornalista do JNSemanário, Adérito Santa, na sua residência, em Taibessi, quarta-feira (6/6).

P: O ex. Primeiro-Ministro Mari Alkatiri declarou que o Partido CNRT é uma “mulher grávida”. Pode comentar?

FM : Foi um grande erro o camarada Secretário-Geral da FRETILIN, Mari Alkatiri ter declarado que o CNRT é uma mulher grávida que necessita de ser tratada por enfermeiros e médicos internacionais. Ele afirmou também que o CNRT é um bebé recém-nascido. São declarações demasiado emocionais.

O CNRT nasceu para libertar e salvar o País através do referendo. Portanto, o CNRT é a mãe.

As FALINTIL ficaram apartidárias. Como o pai, nasceu o filho, que era o referendo para a Independência. A história do CNRT foi escrita com sangue e ossos no dia 30 de Agosto de 1999.
Após o referendo que deu vitória à pró-independência, Timor-Leste passou por um Governo de Transição liderado por Sérgio Vieira de Melo. Durante esses dois anos formaram-se partidos políticos segundo a política da ONU, que não indigitou o CNRT directamente para Governar. Fê-lo através de eleições democráticas.

Na altura, o CNRT foi dissolvido e deu uma oportunidade à FRETILIN, que venceu as eleições gerais de 2001. Portanto a FRETILIN radical Maputo deve fazer uma introspecção.

Da FRETILIN nasceu o CNRM e depois o CNRT. O CNRT entregou o poder à FRETILIN para governar. Mas, ao longo de quatro anos, Mari Alkatiri não soube governar e não deu atenção aos membros da resistência. Insultou-os dizendo que eram pessoas que nunca lavam o cabelo, caixas, caixotes, caixões, sarjana supermis. Também não ouvia as sugestões de membros do Comité Central da FRETILIN (CCF), como Egídio de Jesus, Victor da Costa, Vicente Maubosy, Reis Kadalak e José Luís Guterres para fazerem uma mudança dentro da FRETILIN. Após quatro anos de governação os líderes Mari Alkatiri e Lú-Olo não têm confiança no povo.
No dia 18 de Maio de 2006, na conferência de imprensa no Hotel Timor, alguns disseram que o Grupo FRETILIN Mudança foi derrotado. Mas eu digo que não, porque a derrota é uma vitória adiada. No fim tornou-se uma realidade.

P: Quem é que apresentou a candidatura do Dr. José Ramos Horta a Presidente da República nas eleições de 9 de Maio? Foi a FRETILIN Mudança, o CNRT ou os Partidos da Oposição?

FM: A candidatura do Dr. José Ramos Horta a Presidente da República foi ideia da FRETILIN Mudança com o apoio do ex. Presidente da República, Xanana Gusmão. O resultado da segunda volta mostrou que o Dr. José Ramos Horta foi eleito Presidente da República e que a FRETILIN foi derrotada. E nas eleições parlamentares do próximo dia 30 de Junho, a FRETILIN Radical Maputo será derrotada mais uma vez.

“A Comitiva do ex. Presidente da República, Xanana Gusmão, apoiada pela FRETILIN Mudança fez campanha em Lospalos, Viqueque e Manatuto. Ficou provado que Xanana Gusmão ainda é uma figura carismática e magnética para todo o povo. Não há nenhum líder no mundo como Xanana Gusmão. Apesar de enfrentar problemas, ainda teve a coragem de advertir os dois grupos em conflito de que podem dar Viva a Lú-Olo e Viva a Xanana mas devem respeitar a democracia”.

Portanto no dia 30 de Junho o povo fará, pela segunda vez, justiça à FRETILIN Mudança. Já é tempo de Timor-Leste ter uma nova imagem, de promover uma mudança da ditadura e autoritarismo que surgiu durante o Governo do camarada Mari Alkatiri. Haverá uma nova liderança porque a FRETILIN Radical cometeu um grande erro. O desejo da FRETILIN Mudança é de que, do CNRT possa surgir uma “Liderança de Mudança” e não a “FRETILIN Mudança”. Tenho uma enorme esperança de que haverá um terceiro líder, um líder de mudança, que todo o povo aguarda.

P: Qual é o seu comentário sobre a relação entre Kay Rala Xanana Gusmão e o Dr. José Ramos Horta com a FRETILIN?

FM: Xanana Gusmão, José Ramos Horta e a FRETILIN na realidade provêm duma só nascente criada pela própria FRETILIN. Mas a experiência de governação, a experiência de luta, o sistema de governação e a política não foram idênticos.

“É verdade que o camarada Mari Alkatiri foi o fundador da FRETILIN, mas esqueceu-se dos libertadores e negou os finalizadores (o povo Maubere). O povo Maubere de todos os partidos é que finalizou o processo de luta através do líder carismático, Kay Rala Xanana Gusmão, no dia 30 de Agosto de 1999. Mari tem esquecido e negado isto. Quem cozinhou no País foi Xanana Gusmão e no exterior foi Ramos Horta”.

Ouvimos dizer que, quando José Ramos Horta se desejava encontrar com os Ministros de Negócios Estrangeiros em fóruns internacionais, era sempre rejeitado e insultado: “ Sai daqui cão, não quero falar contigo como activista da FRETILIN”. Só o Dr. José Ramos Horta é que foi tratado assim. Muitas vezes tinha que esperar dias e dias para receber apoio. Mas o povo Maubere, em Timor, nunca tinha ouvido o nome do camarada Mari Alkatiri. Ainda podíamos ouvir o nome do Abílio de Araújo e de José Luís Guterres. Portanto Xanana Gusmão e Ramos Horta provêm de uma grande nascente da FRETILIN. Mas os irmãos Xanana Gusmão e Ramos Horta não são radicais da FRETILIN e sim de uma FRETILIN realística adequada à situação e à realidade do povo.

P: Como é, na sua opinião, a liderança do Dr. Mari Alkatiri dentro da FRETILIN?

FM: O camarada Mari Alkatiri é bastante arrogante e não quer ouvir os outros. Deseja que os outros membros do Comité Central da FRETILIN tenham ideias conservadoras. A política do povo Maubere entre 1974-2007 mudou. O povo foi finalizador e foi o professor da democracia. Mas o camarada Mari Alkatiri é conservador e atrasado. O povo Maubere e Buibere é mais adiantado na política democrática.

Foi por essa razão que saímos da FRETILIN e formámos o Grupo FRETILIN Mudança: para dizer ao camarada Mari Alkatiri que ser conservador já não condiz com a política da FRETILIN actual. Para ser realística, tem de haver mudanças.

Não significa que desejemos ocupar o cargo do Presidente ou do Secretário-Geral da FRETILIN. Mas apresentámos a moção política da FRETILIN Mudança para que haja uma nova liderança, credível, que possa concorrer no mercado político, num mercado que enfrenta um “Tsunami democrático” nas eleições presidenciais e parlamentares de 2007.

“Segundo o Grupo da FRETILIN Mudança, nas Aldeias, nos Sucos, Sub-distritos e Distritos o povo não aceita a imagem dos camaradas Mari Alkatiri e Lú-Olo. Portanto tem de haver uma mudança de liderança.

O povo rejeita a poligamia, ou seja, que um homem tenha duas ou três esposas. A poligamia viola a tradição, a cultura da FRETILIN e do povo Maubere e é contra o catolicismo.

“O manual político da FRETILIN rejeita a poligamia. Mas alguns líderes têm duas esposas. Divorciam-se da mais velha, casando depois com a segunda. Isto é um problema. Não falo mal da vida pessoal de ninguém, mas tem de haver uma mudança. (hilariante...)

Além disso, no programa de desenvolvimento deve ser incluída a redução da pobreza, com um programa concreto.

O povo e muitos jovens desejam postos de trabalho. Mas a nossa política tem como prioridade a educação, a saúde, a agricultura e a criação de infra-estruturas, o que não se adequa à realidade. Segundo o programa da FRETILIN Mudança, a prioridade é a criação de emprego e o desenvolvimento de infra-estruturas, educação, saúde, etc.

Se não há infra-estruturas como é que podemos melhorar a educação? Se não há investidores, não há emprego. Se o povo passa fome como pode educar os seus filhos? Portanto, o essencial é criar postos de trabalho para o povo melhorar de vida, com o seu próprio suor. Educar os filhos e ter saúde. O povo necessita da agricultura, não só pela facilidade da maquinaria, mas pela cedência de gado para lavrar as várzeas da população. Se o povo tiver 10 búfalos, aumentamos mais 10 para serem 20. Assim poderá lavrar as suas várzeas. Assim devagar podemos começar a utilizar o tractor. Mas tem de haver uma mudança de programas, orientados segundo a vontade do povo Maubere.

“No passado a FRETILIN editou uma canção revolucionária “Kolele Mai”, “Balun katak ó Kiak, Balun katak ó Dois, Se Se Maka Halu o Hare La-folin, ó Batar La-fólin”, significa: “Uns dizem que és Pobre, Uns Dizem que Cheiras Mal, Quem São os Responsáveis por o Teu Arroz Não Ter Bom Preço, o Teu Milho Não Ter Bom Preço”.

Afonso Redentor, Abílio de Araújo e Vicente Reis editaram esta Canção Revolucionária como uma reflexão sobre a vida do Povo Maubere e Buibere. O arroz e o milho do Povo não têm bom preço porque a agricultura não foi uma prioridade. Portanto, é necessário é uma mudança de liderança.

P: O que pensa da relação do Presidente Lú-Olo e do Secretário-Geral Mari Alkatiri que não se separam dentro da FRETILIN?

FM: Esqueceram-se de que a política da FRETILIN é uma política colectiva e não uma política unilateral. Um grande erro de Mari Alkatiri foi o complexo de superioridade, a sua arrogância. O camarada Lú-Olo tem um complexo de inferioridade, subordinando-se a Mari Alkatiri como um grande rei que não pode mudar a sua política ou as suas ideias.

Estes complexos tornaram os dois líderes pragmáticos, estagnados. O camarada Mari devia ouvir o camarada Lú-Olo, como Presidente da FRETILIN. Mas o camarada Lú-Olo não utiliza o seu poder de Presidente da FRETILIN para corrigir os erros do camarada Mari Alkatiri. O autoritarismo dentro da FRETILIN transformou o Partido numa Companhia para interesses pessoais, esquecendo os membros da resistência.

Toda a resistência acredita que Lú-Olo poderá corrigir e dar ordens a Mari Alkatiri. Mas ele não conseguiu fazê-lo ao longo de cinco anos. Muitos membros da resistência acham que isto é um erro. O complexo de inferioridade de Lú-Olo e o de superioridade de Mari Alkatiri destruíram a FRETILIN, por não se quererem ouvir uns aos outros e não usarem uma política de decisão colectiva. Enquanto dormem, sonham que no dia seguinte vão convocar uma reunião, obrigando o Comité Central a aceitar. Como no Parlamento Nacional: dormem à noite, sonham, e no dia seguinte vão ao PN mudar uma Lei.

P: Com o apoio da FRETILIN Mudança ao CNRT tem esperança de que o CNRT vença as Eleições Parlamentares?

FM: Os membros da FRETILIN Mudança viveram, durante 24 anos, como FRETILIN com o Povo Maubere, consumindo “Kumbili”, aliás, tubérculo comestível, feijão bravo, mandioca. Sofrendo torturas, violações sexuais, chorando, suspirando e morrendo juntamente com o Povo Maubere.

Portanto, a mudança terá o apoio da força popular. Enquanto fazíamos campanha, as camisolas da FRETILIN Mudança não foram suficientes para todos os apoiantes. A FRETILIN Mudança não distribui dinheiro ao povo como tem feito a FRETILIN Radical. Isto significa que o apoio da FRETILIN Mudança ao CNRT ganhou a confiança do povo Maubere e Buibere.

“Antes a FRETILIN obteve 300 mil votos, ganhando 55 cadeiras no Parlamento Nacional. Mas nas eleições Presidenciais, Francisco Guterres “Lú-Olo” conseguiu apenas 120 mil votos. Antes das eleições o camarada Mari Alkatiri declarou que a FRETILIN iria ganhar todos os votos o que não aconteceu.

Os votos dados pelo povo à FRETILIN em 2001, foram ganhos pela FRETILIN Mudança e pelo CNRT, dando vitória ao Dr. Ramos Horta, eleito Presidente da República. Nas eleições parlamentares a FRETILIN Mudança e o CNRT continuarão a garantir a vitória ao CNRT.

Em 2001, o povo Maubere deu 300 mil votos à FRETILIN Radical Maputo. Nas eleições actuais, 126 mil votaram no candidato da FRETILIN, Lú-Olo. Para onde é que foram os restantes 180 mil votos? Para a FRETILIN Mudança e para o CNRT.

Os membros da FRETILIN Mudança não querem ser arrogantes. Temos quatro convenções e neste momento estamos a distribuir serviços nos 13 Distritos para a campanha de porta a porta, falando com os militantes da FRETILIN Mudança e com os militantes da FRETILIN Radical para estes apoiarem o CNRT. Na realidade, neste momento, muitos membros da FRETILIN Radical já se afiliaram à FRETILIN Mudança.

Porque é que a FRETILIN Mudança não está transformada em Partido Político? Porque não desejamos sair da FRETILIN. Abandonámos a FRETILIN devido à existência da FRETILIN Radical Maputo onde o camarada Mari Alkatiri não nos quer ouvir. O Grupo da FRETILIN Mudança nasceu para fazer mudanças dentro da FRETILIN. O Grupo FRETILIN Mudança rejeita a FRETILIN Maputo. Após a vitória do CNRT, regressaremos ao CCF para prepararmos o Congresso Extraordinário e realizar novas eleições para eleger o Presidente e o Secretário-Geral do Partido. A Mudança e Maputo serão anulados e vai criar-se uma única FRETILIN.

“Vamos concretizar essa promessa. Vamos convidar todos os camaradas da FRETILIN Maputo e todos os jovens para garantirmos uma mudança dentro da FRETILIN. Na semana passada, após a Convenção da Organização de Juventude Lorico Asuwain, liderada por Gregório Saldanha e Liurai Taci, foi feita uma petição exigindo uma mudança e a realização de um Congresso Extraordinário para consolidar a FRETILIN.

P: Há figuras que não eram da FRETILIN e que neste momento se encontram no CNRT. Estão agarradas à figura de Kay Rala Xanana Gusmão?

FM : Isto não é um tema novo para a FRETILIN. O Saudoso Nicolau Lobato quando era vivo, dizia: “O herói de hoje poderá ser o traidor de amanhã, e o traidor de amanhã poderá ser um herói no futuro”. Esta filosofia do Saudoso Nicolau Lobato tornou-se real. (portanto assumem-se comno traidores???)

A FRETILIN não se assusta quando um herói se transforma num traidor, por não desejar mudar. Rejeita as opiniões dos outros e as colectivas. Isto é perigoso. O traidor de ontem pode ser o traidor de hoje. Preocupa-me que estes líderes apenas desejem o poder porque no fim poderão destruir a FRETILIN. Muita gente se pendura à FRETILIN por desejarem cadeiras.

Por isso sempre disse que o Governo 2002-2007 não era um Governo da FRETILIN mas um Governo de independentistas.

O grande erro de Alkatiri foi, em 2001, ter formado um Governo que não é da FRETILIN, mas com o suor da FRETILIN. Mentiu ao povo dizendo que esse Governo era da FRETILIN. Mas era dos independentistas.

Os membros do Governo independentistas são 19 ou 20 pessoas. Apenas os 55 deputados no Parlamento Nacional são da FRETILIN. Mari Alkatiri tomou a decisão errada. Mas isto depende dos membros que não são da FRETILIN. Se eles se arrependerem 100 por cento, para melhorar o partido, agradeço.

Na realidade a FRETILIN está destruída porque o camarada Secretário-Geral, Mari Alkatiri não tem os olhos abertos. Recebe pessoas pela porta de trás e pelas janelas sem consultar o Comité Central. Essas pessoas é que irão destruir a FRETILIN.

Presidente, Dr. José Ramos Horta: “Serei 100 Por cento Neutro”

Jornal Nacional Semanário - 17 de Junho de 2007

O Presidente da República, Dr. José Manuel Ramos Horta afirma que, como Chefe do Estado, será 100 por cento neutro e cooperará com o Partido FRETILIN, porque a FRETILIN é um partido democrático, com maioria no Parlamento Nacional.

“Como Chefe do Estado garanto ser neutro a 100 por cento, incentivando a colaboração entre todos os Partidos Políticos. No sábado passado participei na campanha do PSD-ASDT onde deixei esta mesma mensagem. Se os outros Partidos Políticos me convidarem, também vou deixar a minha mensagem,” afirma o Presidente da República, José Ramos Horta no seu discurso na campanha da FRETILIN no Ginásio de Díli, segunda-feira (11/6).

Na ocasião, o premiado Nobel da Paz agradeceu ao Secretário-Geral da FRETILIN e a toda a liderança do Partido por lhe terem dado a oportunidade de estar presente no comício.

Durante o seu discurso, o Presidente da República prometeu que, como Presidente, deseja compreender todos os Partidos Políticos para que não haja nenhum que o acuse de falta de neutralidade.

Salientou que o Partido FRETILIN tem uma longa história, fez grandes sacrifícios, e que ninguém nem nenhum Partido pode negar essa realidade “Portanto faço um apelo ao CCF para este melhorar o seu comportamento. O Partido FRETILIN fez um grande trabalho e tem uma longa história, e por isso deve trabalhar cada vez melhor. Nas próximas duas semanas cada Partido irá votar nos seus Deputados. Portanto, cada um decidirá de acordo com a sua consciência, para eleger os Deputados para o Parlamento Nacional,” apelou Horta.

Mais do mesmo...

“Vou exigir ao novo Governo e ao Parlamento para alocar um orçamento à Presidência da República para o programa de apoio aos jovens e à população porque, no anterior orçamento, o Presidente da República não tinha orçamento próprio, portanto tenho de cumprir as minhas promessas feitas na campanha”.


A Partir do Mês de Julho, “O Presidente da República Iniciará Audiências ao Povo”

Jornal Nacional Semanário - 17 de Junho de 2007

O Presidente da República, Dr. José Ramos Horta, afirmou que, a partir do mês de Julho, as portas do Gabinete do Presidente da República serão abertas ao povo para este lhe apresentar as suas dificuldades.

Horta falou sobre este assunto na oportunidade da sua mensagem à Nação através da Televisão de Timor-Leste, segunda-feira (11/6).

“A partir do mês de Julho, próximo, todas as sextas-feiras, durante um dia inteiro, vou reservar tempo para receber a população no meu Gabinete para a ouvir e atender suas dificuldades e necessidades”, prometeu Horta.

Os encontros com o Presidente da República terão algumas condições subjacentes, como a de marcar a audiência com uma semana de antecedência no Gabinete da Presidência da República, Palácio das Cinzas, para que se possam obter alguns apontamentos sobre a necessidade e os objectivos da audiência com o Presidente da República e assim poder ter conhecimento do assunto a tratar.

Esses apontamentos servem para, por exemplo, se alguém desejar falar sobre assuntos de educação ou bolsas de estudo, o Presidente da República poder atempadamente convidar também o membro do Governo competente na área de Educação, a fim de ouvir melhor o assunto, porque o Presidente da República deseja facilitar a atribuição de bolsas de estudo pelo Governo. E assim também relativamente a assuntos humanitários, de segurança, etc., sendo envolvidos sempre membros do Governo no processo de consulta das aspirações da população.

Segundo Horta, o Presidente da República não tem orçamento próprio para dar apoios, o que poderá fazer é solicitá-los ao Governo, segundo as necessidades da população. Por outro lado, sublinhou que esses apoios deverão ter uma boa gestão.

Após a tomada de posse do novo Governo e do novo Parlamento, o Presidente da República apresentará uma proposta de orçamento para a Presidência a fim de estabelecer programas de apoio aos jovens, de ajudas humanitárias e de apoio aos estudantes timorenses que estão a estudar na Indonésia:

“Vou exigir ao novo Governo e ao Parlamento para alocar um orçamento à Presidência da República para o programa de apoio aos jovens e à população porque, no anterior orçamento, o Presidente da República não tinha orçamento próprio, portanto tenho de cumprir as minhas promessas feitas na campanha”.

Na ocasião, o Presidente da República afirmou ter visitado os comícios das campanhas da coligação ASDT-PSD e da FRETILIN, onde apelou aos militantes dos partidos para exterminarem a violência e não mancharem o nome dos seus partidos. Prometeu ainda comparecer nos comícios dos pequenos partidos.

Na oportunidade da sua mensagem à Nação, o Presidente da República apelou também aos membros da PNTL para mudarem de mentalidade e trabalharem com imparcialidade e neutralidade, para assim poderem ganhar novamente a confiança do povo.

“Não podem receber vencimentos do Estado e utilizarem a pistola para intimidar a população. Se fizerem isso, destruirão a credibilidade da polícia e o povo não acreditará na polícia”, afirmou Horta.

Asseverou que as críticas lançadas pelo Presidente da República à PNTL não devem ser tomadas pela Instituição num sentido negativo, tendo antes como objectivo ajudar a que a Instituição PNTL possa corrigir alguns erros cometidos no passado.

Por último, salientou que é necessário louvar os membros da PNTL e das F-FDTL que se dedicaram por inteiro a servir o povo e a Nação através daqueles serviços de segurança.

Lei da amnistia "salva" Reinado e Rogério Lobato

Jornal de Notícias – Terça-feira, 19 de Junho de 2007

O major fugitivo Alfredo Reinado e o ex-ministro do Interior, Rogério Lobato, podem ser amnistiados dos crimes de que foram acusados se o presidente da República de Timor-Leste promulgar a Lei da Verdade e Clemência, aprovada no passado dia 4 pelo Parlamento.

A lei prevê, expressamente, a concessão de amnistia para o crime de que Alfredo Reinado vem indiciado e para o crime pelo qual Rogério Lobato foi condenado. O caso de Alfredo Reinado, que fugiu da prisão de Becora, em Díli, a 30 de Agosto de 2006, cai dentro da amnistia prevista para os crimes de rebelião.

"É culpada de rebelião e punível com uma pena máxima de prisão de 15 anos a pessoa que pegar em armas contra o Governo", diz a Lei que abrange também os casos dos "líderes e iniciadores de rebelião", puníveis, neste caso, "com prisão perpétua ou uma pena máxima de vinte anos". A situação de Alfredo Reinado cai neste segundo tipo porque ele é acusado de liderar uma rebelião.

O major está também acusado do crime de homicídio - não abrangido pela Lei de Amnistia -, relativo a um dos confrontos armados da crise de 2006, em Fatuhahi.

Afredo Reinado continua em fuga no sul do país desde que escapou a uma operação de captura lançada pelas Forças de Estabilização Internacionais, na vila de Same, a 3 de Março.
Existe igualmente a possibilidade de Rogério Lobato ser amnistiado. A nova lei, conjugada com um anterior regulamento da UNTAET, a administração provisória da ONU antes da independência em 2002, abrange o dolo eventual, o que "limpa", no caso de Rogério Lobato, as acusações de posse ilegal e distribuição de armas. O ex-ministro do Interior foi transferido a 12 de Maio da sua residência, onde estava em prisão domiciliária, para a prisão de Becora, depois de perder o recurso do acórdão que o condenou a sete anos e meio de prisão.

Se for promulgada, a Lei da Verdade e Amnistia é de aplicação imediata.

Sobre o caso de Vicente da Conceição "Railós", outro processo politicamente sensível resultante do relatório da Comissão Especial Independente de Inquérito aos acontecimentos de há um ano, ainda não saiu a acusação.

A Lei da Verdade e Amnistia tem recebido críticas de diferentes sectores, incluindo organizações não governamentais timorenses.

"Depois de seis meses de debate interno e reduzida consulta pública, o Parlamento de Timor-Leste aprovou uma Lei que é má por muitas razões", declarou a organização La'o Hamutuk, que se dedica à monitorização e análise da reconstrução de Timor-Leste.

Presidente de Timor esteve reunido com os peticionários

Público – Terça-feira, 19 de Junho de 2007

O Presidente timorense, José Ramos-Horta, esteve durante o fim-de-semana no distrito de Manufahi, 80 quilómetros a sul de Díli, em reunião com os perto de 600 "peticionários" o ano passado expulsos das Forças de Defesa e que continuam a constituir um dos principais focos de instabilidade no país.

O procurador-geral da República, Longuinhos Monteiro, acompanhou o chefe de Estado em mais esta tentativa para resolver a situação dos antigos soldados actualmente a viver em zonas isoladas, fora da capital, e que têm como principal aliado o major rebelde Alfredo Reinado, acusado de posse ilegal de material de guerra.

"Nenhum outro primeiro-ministro ou Presidente de qualquer outro país aceitaria viajar numa estrada tão má, como esta que sobe e desce a montanha, para resolver os problemas dos seus seguidores", afirmou Ramos-Horta, que não quer "ver quaisquer timorenses assustados e escondidos na selva, neste tempo de independência".

O administrador do subdistrito de Alas, Longuinhos da Silva, afirmou que a população apreciava que o Presidente se deslocasse por caminhos em tão mau estado.

Ramos-Horta lamenta morte de Abílio Osório Soares

Público – Terça-feira, 19 de Junho de 2007

"Em nome do povo de Timor-Leste", o Presidente José Ramos-Horta manifestou ontem profundo pesar pela morte de Abílio Osório Soares, que de 1992 a 1999 governou o território, durante a ocupação indonésia, e domingo faleceu em Kupang, na parte ocidental da ilha de Timor.

Soares fora considerado, como militante do partido pró-indonésio Associação Popular Democrática de Timor (Apodeti), um dos elementos essenciais para que aquele país da Oceânia fosse invadido em Dezembro de 1975. E em 2002 um tribunal indonésio condenou-o a três anos de cadeia por crimes contra a humanidade. Mas mesmo assim o chefe de Estado disse agora que ele "salvou muitas vidas" da violência dos militares ocupantes, depois de em 1999 os timorenses se terem pronunciado maioritariamente a favor da independência.

"Ele e o seu irmão José Fernando (que foi secretário-geral da Apodeti) queriam a integração na Indonésia para se unificar Timor e, a longo prazo, pedir a independência de toda a ilha", foi a explicação entretanto dada por Mário Viegas Carrascalão, que o antecedeu como governador e agora dirige o Partido Social Democrata (PSD).

Política da Oposição de descentralização é uma receita para gastos desnecessários e corrupção

Fretilin – Comunicado de Imprensa - 18 de Junho de 2007

O partido maioritário de Timor-Leste, FRETILIN, disse hoje que as políticas dos partidos da oposição, de descentralização do governo, são uma receita para gastos desnecessários, ineficiência e corrupção.

Ana Pessoa, Ministra da Administração Estatal e candidata parlamentar da FRETILIN, afirmou que as políticas da oposição revelam uma fraca compreensão dos complexos problemas institucionais, envolvidos na atribuição de poderes e responsabilidades financeiras aos governos locais.

“Para haver descentralização de poderes, primeiro é necessário que se assegure que o governo local tenha instituições apropriadas e pessoas com as competências necessárias. Esses elementos devem estar estabelecidos para evitar gastos desnecessários, ineficiência e corrupção,” disse Ana Pessoa Ana Pessoa disse que o governo da FRETILIN completou um estudo de 3 anos sobre as opções de descentralização. Com base nos resultados desse estudo, o governo da FRETILIN planeia criar municipalidades como bases da reforma dos governos locais.

“O nosso estudo sobre descentralização foi finalizada depois de se ter efectuado consultas alargadas com as comunidades locais, incluindo chefes de suco, conselhos de suco, e funcionários públicos,” afirmou Ana Pessoa.

“Após ter efectuado a revisão do estudo, o governo da FRETILIN decidiu iniciar programas piloto em quatro distritos: Bobonaro, Lautém, Aileu e Manatuto.

“Através destes programas, vamos aprender lições práticas sobre descentralização. Poderemos então proceder com o estabelecimento de municipalidades por todo Timor-Leste, cada uma com a sua capital como centro administrativo. O objectivo é de criar entre 30 e 35 municipalidades por todo país, até 2015.”

Ana Pessoa, que foi uma juíza provincial em Moçambique e é uma jurista especialista na área da lei civil, acrescentou que o governo da FRETILIN já iniciou o desenvolvimento de responsabilidades, em pequenas escalas. Ana Pessoa mencionou o fundo de Desenvolvimento Comunitário, lançado pelo Ministério da Agricultura em Maio do corrente ano. Sob este programa, cada um dos 442 sucos de Timor-Leste recebe do governo 10 mil dólares americanos para serem utilizados em projectos comunitários. Ana Pessoa disse que as comunidades locais têm também tomado responsabilidades de vários pequenos projectos de água e electricidade, por todo o país.

Ana Pessoa disse ainda: “A atribuição de poder real aos governos locais é uma nova experiência para o nosso povo. A descentralização precisa ser feita por fases, durante os próximos anos, para que os erros sejam mínimos e os benefícios reais sejam conduzidos para as bases.”

Timor: Armas britânicas originam «dívida imoral» da Indonésia

Lusa – 19 de Junho de 2007, 5:46

A Indonésia deve 745 milhões de euros ao Reino Unido por compra de equipamento militar, valor que será contestado na despedida de Tony Blair como primeiro-ministro, afirmou à Lusa um dos responsáveis pela campanha a favor do perdão da dívida.

Timor-Leste foi uma das regiões onde o equipamento britânico foi usado, em violação dos direitos humanos e das garantias dadas a Londres por Jacarta sobre a utilização de tais armas, adiantou à Lusa Paul Barber, da organização de direitos humanos Tapol.

Esta organização britânica dedica-se há mais de 30 anos à defesa dos direitos humanos na Indonésia e à situação em territórios como Timor-Leste, Aceh e Papua Ocidental.
«Sempre combatemos a venda de armas pelo Reino Unido à Indonésia durante os anos do Presidente Suharto», afirmou Paul Barber, recordando que as provas da utilização desse equipamento em violação dos direitos humanos foram sendo conhecidas desde muito cedo.

Entre o equipamento vendido pela Grã-Bretanha à Indonésia destacam-se aviões de caça Hawk 109 e 209, blindados de transporte de tropas Scorpion e Stormer e vários veículos blindados para unidades anti-motim, além de material de segurança diverso.

O equipamento britânico foi usado em múltiplas ocasiões e circunstâncias nos anos 1980/90, desde bombardeamentos em Timor-Leste até à repressão de manifestações estudantis pacíficas contra os Presidentes Suharto e Habibie nas principais cidades indonésias.

Estes factos são provados por documentos oficiais e denúncias de observadores independentes compilados pela Tapol.

A Tapol, em conjunto com a Jubilee Scotland, que iniciaou a campanha internacional, pretende o perdão da «dívida imoral» contraída por Jacarta com a compra dessas armas porque, «em última análise, a dívida é suportada hoje por todos os indonésios», explicou Paul Barber.

A campanha «deverá ser lançada oficialmente a 27 de Junho, último dia de Tony Blair como primeiro-ministro», adiantou o activista da Tapol, em declarações prestadas a partir de Hampshire, Inglaterra.

A Jubilee Scotland e o International Forum for Indonesia Development (IFID), outra organização não-governamental, lideraram uma campanha recente pelo perdão da dívida à margem da última reunião do G8 na Alemanha.

Documentos oficiais fornecidos à Lusa pela Tapol indicam que a Grã-Bretanha concedeu 791 licenças de exportação de armas e equipamento de segurança para a Indonésia nos dez anos em que Tony Blair foi primeiro-ministro.

«Em termos da venda de armas, não se notou qualquer diferença entre os Governos "Torie" de Margaret Thatcher e os Governos "Labour" de Tony Blair», afirmou Paul Barber.

«A maior parte das exportações de armas referem-se a contratos assinados no tempo de Margaret Thatcher, mas que foram concretizados durante os governos de Blair», explicou.

O governo de Blair «podia ter cancelado esses contratos em 1997 mas não o quis fazer, apesar de ter havido uma grande campanha nesse sentido», acrescentou Paul Barber
«Na altura, o chefe da diplomacia britânica, Robin Cook, foi acusado de hipocrisia por não cumprir a dimensão ética que o 'Labour' anunciou para a política externa britânica», recordou Paul Barber.

Notícias – traduzidas pela Margarida

James Dunn sobre a política de defesa de Timor


Defesa de Timor-Leste
Domingo 17 Junho, 2007 - 18:04 Por James Dunn em Comentário AM

A notícia de que Timor-Leste pode estar a considerar montar uma força de defesa composta por cerca de 3000 membros fez levantar uma reacção curiosa e geralmente negativa aqui na Austrália. Alguns dos comentários raiaram o absurdo – por exemplo, o ridicularizar o tamanho da força e a necessidade de 'uma tão pequena nação' ter uma força deste tamanho.

Bem, Timor-Leste na realidade não é tão pequenol. É várias vezes o tamanho de Singapura e do Brunei, que tem recursos pesqueiros e potenciais sítios de exploração marinha a proteger. Para este propósito o pequeno (de apenas 2,000 milhas quadradas, ou um terço do tamanho de Timor-Leste) tem uma força com cerca de 7,000. E as Fiji, que é mais pequena tanto em tamanho como em população, tem uma força de 3,500. A questão não é apenas acerca do tamanho da força, mas a sua natureza e os seus propósitos. Não menos, tem de estar baseado na disciplina constitucional que assegura que Timor-Leste nunca mais quebre essa neutralidade tão essencial numa democracia. A minha opinião é que uma força que siga a linhas de uma guarda nacional pode ser considerada – uma força formatada para apoiar o povo Timorense no evento de desastres nacionais, bem como de ameaças militares, uma força que possa apoiar a tarefa em curso da reconstrução.

Os que sentem que os Timorenses devem apoiar-se na presença Australiana devem pensar outra vez. As nossas forças podem constituir uma presença reconfortante, mas esta nova nação tem de ter capacidade de defesa própria, porque não pode ser assumido que os interesses nacionais de Timor-Leste e da Austrália coincidam sempre. Isto certamente não aconteceu no passado como todos tão bem sabemos. Quanto ao presente, a falta de interesse do Governo Australiano em levar à justiça esses oficiais das TNI responsáveis por atrocidades no passado é em si próprio um aviso de que as nossas percepções de interesse nacional podem nem sempre colocar os interesses de Timor-Leste à frente da conveniência.

Tem havido críticas das necessidades visíveis de helicópteros, mas a sua presença é de importância fundamental para serviços de emergência, bem como para a vigilância, no terreno montanhoso de Timor. Quanto aos planos para uma marinha, os navios em questão , devem, penso, ser navios de patrulha rápidos, mais do que corvetas, que são caras tanta para comprar como para gerir.

A Austrália pode assistir no desenvolvimento desta força, em vez de sugerir que é desnecessária. O desenvolvimento de uma tal força levará tempo – e dinheiro = mas a assistência militar pode torná-la financeiramente possível.

Ùltima palavra: José Ramos-Horta
'Serei uma força moral porque sei que muita gente olha para mim. Eles ouvem.'
Por Joe Cochrane
Newsweek International

Edição de Junho 25, 2007 – Há dez anos atrás, José Ramos-Horta era uma pedra dolorosa no sapato de Indonésia. O carismático intelectual Timorense ganhou um Nobel da Paz por ter andado pelos corredores do poder em dúzias de capitais à volta do mundo, dizendo a qualquer pessoa que o ouvisse que a antiga colónia Portuguesa estava sob uma ocupação selvagem. Agora ele é a instituição: no mês passado tomou posse como o segundo presidente de um Timor-Leste independente. Em 4 de Junho ele fez a sua primeira visita de Estado à antiga inimiga Indonésia, que é agora o seu amigo e vizinho. Joe Cochrane da NEWSWEEK falou com Ramos-Horta na sua suite de hotel com vista sobre Jacarta. Excertos:

COCHRANE: Qual é o significado de ter feito a sua primeira visita presidencial à Indonésia, dada a brutal ocupação de Timor-Leste de 1975 a 1999?

RAMOS-HORTA: Dou sempre enorme importância à nossa relação com a Indonésia desde as mudanças que ocorreram em 1999para o melhor. Desde então, fiz todos os esforços para normalizar e gradualmente cimentar relações com o nosso vizinho gigante e poderoso.

Dada a história, é difícil vir aqui e ser-se amigo?

Milhares de Timorenses perderam as suas vidas, mas também muitos jovens soldados Indonésios. Hoje somos livres. Foi corrigida uma grande injustiça e a própria Indonésia moveu-se para longe do seu passado turbulento, e hoje é uma impressionante jovem democracia.

O ano passado, membro das forças armadas Timorenses amotinaram-se, desencadeando confrontos sangrentos em Dili e forçando a intervenção militar Australiana. Qual é a situação hoje?

Com a assistência dos nossos vizinhos e amigos, fomos capazes de estabilizar a situação. O país quase regressou ao normal, a economia retomou, estão a construir-se infra-estruturas. Mas precisamos de reformar e reorganizar adequadamente as nossas forças da polícia, melhorar os padrões das nossas forças de defesa, enquanto se investe massivamente na criação e empregos para absorver milhares de jovens desempregados. Tenho a intenção de empurrar com muita força em gastos significativos com jovens e estudantes, viúvas, órfãos, idosos. Os eventos de 2006 foram parte de um processo de construção de nação. O nosso Estado nasceu em 2002 depois de anos e anos de experiência traumática. Temos uma nação traumatizada. Por isso a violência pode irromper facilmente como resultado desta história recente.

A violência foi desencadeada por velhas rivalidades que datam dos anos de 1970s?

Na verdade, as rivalidades são um resultado do falhanço da liderança e politização da nossa força da polícia... e da criação de rivalidades entre a polícia e as forças armadas. Mas penso que é um exagero dizer-se que por causa disso, Timor-Leste é um Estado falhado. Só temos cinco anos de idade.

O que é que fará como presidente para aumentar a paz e a reconciliação? Usará os seus poderes constitucionais ou actuará apenas como força moral?

Serei uma força moral porque sei que muita gente olha para mim. Eles ouvem-me. Continuarei a usar esta confiança para apelar ao povo, particularmente aos jovens, para abdicarem da violência. Como presidente, usarei toda a minha autoridade com o Parlamento e o governo para dotarem dinheiro suficiente para os jovens. E podemos fazer isso porque temos dinheiro do petróleo e do gás.

Está cheio de dinheiro? Então porque é que não gastou nenhuma das centenas de milhões de dólares que tem em poupanças?

Neste momento no nosso fundo temos $1.2 biliões. Uma média de $100 milhões é transferido para essa conta por mês. Por isso somos muito felizardos. Não estamos no Kuwait ou no Brunei, mas temos mais do que suficiente para arrancar com a nossa economia. E podemos fazer isso com coisas simples e coisas sábias como com a transferência directa de dinheiro para os pobres.

Queremos poupar para o futuro, mas isso não significa necessariamente deixar o dinheiro no banco. Poupar para o futuro significa gastá-lo agora mesmo com os nossos jovens. Eles são o futuro. Temos de pagar para as suas escolas; temos de pagar para os nossos estudantes estudarem no estrangeiro. Temos de lhes dar Internet, desportos, instalações culturais bibliotecas.

Que tipo de empregos pode criar para manter os jovens fora da vabadundagem das ruas em gangs e a criar problemas?

Advogo programas massivos de preservação de florestas, água e terrenos que criam imediatamente milhares de empregos. Ao plantar árvores salvamos o ambiente e criamos riqueza para o futuro. Árvores que plantarmos hoje, daqui a 15 ou 20 anos serão rendimento para o país.

O que é que melhorou em Timor-Leste de que não obteve crédito?

Nos últimos cinco anos reconstrímos mais de 900 escolas. A cobertura da TV alargou-se à maioria do país, e a cobertura de telefones alargou-se à maioria dos 13 distritos. Não são comunicação de primeira classe, mas trabalha comparado com há poucos anos atrás. A cobertura da saúde é bastante melhor do que em 2002.

Há dez anos atrás, podia ser preso por pôr um pé na Indonésia. Hoje é um chefe de Estado em visita. Está admirado em como rapidamente as coisas mudaram?

Deus, sim. Dez anos passaram muito depressa. Sou o maior fã no mundo dos Kennedys, e muitas fazes plagio o discurso de Ted Kennedy na Convenção Democrática em 1980: "O sonho nunca morrerá." Quando temos ideias, convicções e sonhos, não desistam deles. Trabalhem-nos e eles podem realizar-se.

Rádio Australia
Presidente de Timor-Leste encontra-se com representante do amotinado
Última actualização 18/06/2007, 18:27:16

O Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta encontrou-se com um representante do foragido amotinado major Alfredo Reinado.

O representante diz que o grupo de Reinado está pronto para entrar num diálogo mas que às tropas internacionais deve ser dito para acabarem com a sua perseguição ao líder amotinado.

Tropas lideradas pelos Australianos atacaram o seu esconderijo na montanha em Março, matando cinco dos seus apoiantes armados numa ofensiva falhada.

Desde então tem continuado a busca do seu grupo.

O Presidente Ramos-Horta diz que quer encontrar uma solução e que discutirá a maneira de parar as operações com o Primeiro-Ministro interino, as tropas e a polícia da ONU.

Deve ser isto a que Ramos-Horta se referia a semana passada, dizendo que não haveria impunidade para criminosos...

Mais do mesmo...

Acaba a perseguição a Reinado, diz Ramos Horta


O Presidente Timorense José Ramos Horta diz que quer que seja acabada a perseguição ao foragido amotinado major Alfredo Reinado.

A perseguição foi lançada por tropas lideradas pelos Australianos e Governo depois de Reinado e os seus homens terem atacado vários postos da polícia de fronteira e terem fugido com dúzias de armas.

O Dr Ramos Horta disse à Radio Timor-Leste que ele e o Procurador-Geral se encontraram com um seguidor de Reinado, identificado como Susar, no distrito de Manufahi, a sul de Dili.

"Não quero ver nenhum Timorense com medo, a esconder-se e a correr na floresta, a ser perseguido por tropas internacionais como animais," disse o Dr Ramos Horta.

"Se há um problema, irei às montanhas, florestas e vales para dialogar e encontrar uma solução."

Disse que se iria encontrar com o Primeiro-Ministro interino Estanislau Da Silva, com o chefe da missão da ONU Atul Khare, tropas e polícia da ONU para arranjar modo de parar as operações.

Susar disse à Radio Timor-Leste que o grupo de Reinado estava pronto para entrar num diálogo.

"Mas primeiro é preciso que as tropas internacionais se vão embora para podermos resolver este problema," disse.

Reinado tem dito repetidamente que se renderá às autoridades se se pararem as operações militares.

Tropas lideradas pelos Australianos atacaram o seu esconderijo nas montanhas em Março, matando cinco dos seus seguidores numa ofensiva falhada.

O Dr Ramos Horta disse em Abril, quando era primeiro-ministro, que queria a perseguição parada.

Reinado, que tem apoio de grupos frustrados do oeste de Timor-Leste, estava entre os 600 soldados que foram despedidos por terem desertado das forças armadas no ano passado por queixas de discriminação porque vieram do oeste.

Em violência de rua que envolveu as forças armadas, polícias e gangs de jovens que se seguiu, pelo menos foram mortas 37 pessoas e outras 150,000 foram deslocadas.

Tropas internacionais lideradas pelos Australianos foram despachadas para restaurar a segurança.

Ramos Horta pode perdoar alguns presos
Trazido por AAP
15 Junho 2007
Por Karen Michelmore

O Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta diz que se está a preparar para perdoar ou reduzir as sentenças a um número não especificado de presos na pequena nação.

Mas está ainda por decidir o destina de uma controversa nova lei que pode levar a amnistias a milhares de outros réus que cometeram crimes no ano passado.

O parlamento de Timor-Leste na semana passada aprovou calmamente a lei, que oferece clemência a uma série de crimes.

Incluem "fraude” e "roubo", crimes contra a segurança do Estado, ofensas de armas, roubo ou estragos em propriedades abaixo dos $10,000, e ofensas de trânsito cometidos entre 20 Abril de 2006 e 30 de Abril deste ano.

O Dr Ramos Horta tem 30 dias para assinar a lei, ou enviá-la para o Tribunal de Recurso para uma decisão sobre a sua constitucionalidade.

"Não tenho pressa," disse à AAP.

"Se tiver dúvidas acerca da sua constitucionalidade mandá-la-ei para o Tribunal de Recurso antes de tomar uma decisão.

"Não tive oportunidade de a estudar e aguardo a opinião legal dos meus conselheiros legais e espero a opinião da igreja.

"Não apoio a amnistia para crimes graves ou para crimes contra a humanidade, isto será inconsistente com a lei internacional.

"Mas tenho a minha própria prerrogativa presidencial, (o poder de) ... perdoar indivíduos que já serviram um número de anos na prisão e que mostraram bom comportamento, e tenho a intenção de assim o fazer nos próximos dias."

Ramos Horta disse que escolherá candidatos ou para perdão ou redução de sentenças de um lista entregue pelo Ministério da Justicça e sistema prisional.

Mas disse que os perdões serão bastante "separados" da nova lei de amnistia.

O governo de Timor-Leste disse que ajudará o país a ultrapassar a crise do ano passado com procuradores sobrecarregados com milhares de casos no sistema de justiça e as prisões a “romperem pelas bainhas ".

Ramos Horta disse que a ideia era legítima, "desde que não façamos uma brincadeira da justiça libertando qualquer pessoa e toda a gente porque estamos sobrecarregados de casos".

Mas analistas dizem que a lei pode desencadear novas tensões na nação, particularmente so o detido antigo ministro do governo Rogério Lobato estiver entre os libertados.

Num novo relatória o ICG (International Crisis Group) disse que a nova lei da clemência era "aparentemente dirigida especialmente para Rogério Lobato," que em Março foi condenado por homicídio e distribuição de armas a civis durante a crise do ano passado.

"De acordo com membros da Mudansa (grupo reformista da Fretilin), Lobato concordou em assumir a culpa pela distribuição de armas em 2006 na condição de vir a ser amnistiado," diz o relatório.

"Se não for, pode tentar implicar (o antigo Primeiro-Ministro da Fretilin Mari) Alkatiri.

"Se for amnistiado, pode ter implicações em tentativas para processar outros acusados de envolvimento na violência de 2006."

Ramos Horta discorda.

"Não penso isso, há muita outra gente envolvida na violência em 2006 – não acredito que foi criada especificamente para o Sr Rogério Lobato."

Nem especulará sobre se a lei pode ajudar à rendição do foragido mais procurado em Timor-Leste Alfredo Reinado, que se evadiu da captura por tropas Australianas desde que se escapou de uma prisão em Dili no ano passado.

"Apoiamos muito uma resolução pacífica da questão do Sr Reinado na condição de ele se render à justiça" disse Ramos Horta.

Dos Leitores

Last Communication from Roger East in Dili.

As reprinted in insert into 'The New Darwin', early 1976 I think, (a publication of the DRC which Roger had worked for).

Re-presented here in response to item on list today re 'NT Coroner won't act on Roger East killing'.

Australia's nearest neighbour, tiny East Timor, has cast the die. It's 'Independence or Death', a western cliche, but here a daily salutation - and the Timorese people mean it.

The mortar that binds the East Timorese is the thoughts of Independence after 400 years of colonial rule. They will settle for nothing less.

Fretilin's army is basically anti-colonial, strongly Catholic-tinted and, not surprisingly, has many vehement anti-Communists in its midst.

Djakarta has elected to win support from its nervous neighbours by attaching the Red label to Fretilin.

However, Fretilin's initial planning is a blending of socialistic and cooperative policies which would appear natural for a colony bereft of secondary industry and winning only a subsistence existence from the soil.

Membership of Fretilin by Australian standards would include thinkers from the centre to the extreme left - the latter in a fringe grouping in the Central Committee.

Secretary of the East Timor Department of Foreign Affairs, Jose Ramos Horta, admits the committee's views vary on many issues, the sole exception being independence.

"I expect to see a multi-party set up in East Timor after we cross the present hurdle.

"We are a tolerant people who have waited a long time for the democratic process. We'll share it when it comes."

Fretilin believes the Governor, Colonel Lemos Pires, now living on the Island of Atauro, the St Helens of his choice, aided and abetted the UDT to stage its ill-fated August coup.

Fretilin had been told of the coup plot and a request to the governor to disarm the plotters is said to have been turned down.

Fretilin was defenceless when the fighting started and its members hounded, jailed and some murdered. UDT lost when the Portuguese-trained soldiers defected in favour of Fretilin.

UDT's leadership is now split three ways. Some are languishing in Timorese jails and others in the more comfortable surrounds of Australian cities.

The remaining standard bearers are in Indonesia, hosted and promised a triumphant return, albeit in the wake of mortar bombs.

Their platform of independence, which over a year ago saw them in a political alliance with Fretilin, is now abandoned. They are opting for Indonesia after 450 years of Portuguese domination.

Apodeti, the party pressing for union with Indonesia, is a bad bar-room joke. Its political rallies could be staged in the proverbial ten by four room which includes a table.

Founder and President, Arnold Araujo, 62, a respected horse thief, is currently being detained at Fretilin's pleasure.

The Portuguese jailed him for nine years for war crimes committed against the Timorese during the Japanese occupation.

This leaves only Fretilin which wants to embrace an offer of a United Nations supervised plebiscite.

East Timor's problems grow daily. Its primary ricebowl in the Maliana Valley is now a battlefield. Other crops have been destroyed or neglected in the turmoil of the fighting. Hunger is a reality and starvation a growing threat.

* Veteran Australian journalist Roger East gave up his job with the Darwin Reconstruction Commission to report on the scene in Timor.

He has elected to stay and see it through even if it means heading for the hills.

Fretilin's Foreign Minister, Jose Ramos Horta, has sanctioned Roger's presence and given him the freedom to write it as he sees it.

It is said Roger risked his life to send a real last message from the Marconi Centre at the airport, as the paratroops landed.

Dos Leitores - Tradução da Margarida

STL ou Suara Timor Lorosa é um jornal cheio de disparates que reflecte a capacidade intelectual dos seus editores chefes, Salvador Ximenes, Domingos Saldanha, e outros. Ximenes e Saldanha são antigos apoiantes da autonomia. Durante a governação Indonésia, fundaram este jornal sob o nome Suara Timor Timur com o apoio das forçar militares Indonésias. Suara Timor Timur tornou-se o instrumento das forçar armadas Indonésias para propagandear a sua propaganda e intimidar os Timorenses a submeterem-se à governação Indonésia.

O STL tem uma coluna pequena chamada "Lidun" (canto em Inglês). Lidun actua como uma peça editorial citando assuntos e dando respostas curtas. As respostas são suposto serem provocatórias e passaram uma mensagem. Contudo, o facto é que essas respostas caem sempre no absurdo. Qualquer pessoa reparará que este “canto” apenas reflecte o déficit intelectual da equipa editorial do STL.

Assim no "Lidun" do STL na página 5 na edição de 15 de Junho, lê-se:

"55-Lebo negou intimidar a população em Gleno.
Porque é que os residentes de Gleno se refugiaram no Borja Park, Motael?"

(Em Tétun: 55-Lebo dismente intimida populasaun Gleno. Tanbasa populasaun Gleno refujia mai Jardim Borja Motael?)

Depois na página 6 o STL relata que "deslocados de Ermera estão a crescer no Borza [sic] Park, Motael". O relato cita os deslocados, 81 deles, como tendo dito que foram forçados a refugiar-se em Dili depois de terem sido alvo de ataques do grupo Colimau 2000 e de outros grupos que pertencem a partidos da oposição. Alguns testemunharam que os atacantes gritaram "Viva Ramos-Horta" quando lançaram o assalto enquanto outros disseram que foram feitos prisioneiros durante dias. Esses deslocados identificam-se a si próprios como membros e simpatizantes da FRETILIN e têm estado sob pressão para deixarem de apoiar a Fretilin. Vieram das aldeias de Lisapat e Urahou, áreas conhecidas como praças-fortes da Fretilin, em Ermera.

Colimau 2000 é um grupo tenebroso com base nas regiões de Maliana-Atsabe com ligações suspeitas a antigos grupos de milícias pró-Indonésia no Oeste Timor. Este grupo causou muita violência na mesma região e à sua volta. Há alguns anos atrás o Colimau 2000 atacou aldeões à volta da área. Este evento levou o novo governo de Timor-Leste independente a destacar as F-FDTL à volta da área e dezenas de membros do Colimau 2000 foram detidos e entregues à polícia (ver o comunicado de imprensa da UNMISET em http://www.un.org/Depts/dpko/missions/unmiset/pr300103.pdf).

Contudo em Abril de 2006 este grupo foi notícia outra vez. Sabe-se que o Colimau 2000 se apoderou da manifestação pacífica organizada pelo grupo dos "Peticionários" e que desencadeou o conflito alargado que quase levou Timor-Leste a uma guerra civil. O interessante é que o Colimau 2000 se organizou desde então ele próprio num partido político chamado PDRT (Partido Democrático da República de Timor) e vai disputar as próximas eleições.

Relatos de outros ataques contra supostos apoiante da Fretilin aumentaram desde que foi anunciado o resultado da segunda volta das presidenciais. Apoiantes da Fretilin nos distritos de Liquiça, Oécusse e Ermera estão sujeitos a ataques regulares por apoiantes do Partido Democrático (PD), do CNRT de Xanana e de uma facção de dissidentes da Fretilin chamada"Mudansa". Estes ataques estão bem documentados com os perpetradores bem identificados. Contudo nada foi feito para travar os ataques ou para deter os perpetradores e levá-los perante um tribunal.

O 55-Lebo é um grupo composto por antigos lutadores da resistência acusados de fazerem parte de um grupo armado pelo governo da Fretilin para actuarem como esquadrão da morte para eliminar opositores políticos. Diz-se que são o núcleo duro dos militantes da Fretilin. Houve acusações contra eles que andavam a aterrorizar a população em Ermera para a forçar a votar na Fretilin. É um facto contudo que este grupo está ligado à Fretilin e estava a organizar a campanha da Fretilin na área de Ermera.

O Borja Park em Motael é o actual Jardim Borja da Costa, um parque perto do complexo da igreja de Motael. Já há muitos deslocados a abrigarem-se no complexo da igreja. A crise político-militar que ocorreu no ano passado também opôs os "lorosa'e" contra os "loromonu". Das pessoas de "lorosa'e" foi dito que se alinhavam politicamente com a Fretilin. Eram ainda acusadas de colaborar com as F-FDTL para atacar as de "loromonu" e pô-las para fora de. O que aconteceu é que quando a FIE foi destacada para Dili e as F-FDTL se retiraram, as pessoas de "loromonu" ficaram na mó de cima e puseram os residentes "lorosa'e" de Dili para fora das suas casas e em campos de deslocados. Por isso, muitos dos residentes nos campos de deslocados são "lorosae" e são vulgarmente conhecidos como apoiantes da Fretilin. Qualquer pessoa poderia ser levada a acreditar que esta gente "lorosa'e" teria ainda qualquer tipo de ressentimento contra as de "loromonu" depois do conflito do ano passado. No fim de contas foram elas que levaram as de "lorosa'e" para fora das suas casas. Mas a situação à volta dos campos tem estado pacífica. De facto há uma aceitação mútua entre os deslocados, no fim de contas simpatizam todos com a Fretilin.

Seguindo-se a informação acima colocada e relacionando-a com as notícias conforme relatadas pelo STL na sua página 6 levaria qualquer pessoa a concluir que os deslocados de Gleno nada têm a ver com o grupo 55-Lebo. De facto o grupo 55-Lebo está alinhado politicamente com esses deslocados dado que todos estão ligados com a Fretilin. Os deslocados foram postos fora das suas casas em Ermera por grupos opostos à Fretilin, nomeadamente o Colimau 2000/PDRT e mesmo por membros do PD e do CNRT. Não faria qualquer sentido que o grupo 55-Lebo estivesse a atacar alguns dos seus.

Contudo o editorial do STL parece sugerir que de certo modo o 55-Lebo é a causa principal do deslocamento dos deslocados. Cita o 55-Lebo a negar qualquer intimidação da sua parte à população de Gleno depois faz a pergunta da razão de haver deslocados de Gleno presentes em Dili. Esta pergunta retórica pôe a responsabilidade no grupo 55-Lebo e últimamente na Fretilin; o 55-Lebo nega ter estado envolvido em qualquer acto de intimidação contudo o facto de haver deslocados em Dili prova o contrário. Adicionalmente o relato sobre os deslocados de Ermera está enterrado na página 6 entre outras notícias sem qualquer relação. Qualquer pessoa interessada em política e em segurança, particularmente nesta edição, terá dificuldades em reparar neste artigo.

Mas o STL não é apenas conhecido pela sua incompetência e total falta de profissionalismo. É também conhecido como um jornal politicamente tendencioso, especialmente na sua postura contra a Fretilin. Tem sido anunciado como o braço dos media dos opositores da Fretilin com um papel muito parecido com o dos media privados na Venezuela em conjunção com os grupos da oposição na sua cruzada para derrubar o Presidente Hugo Chaves. Este último editorial do STL segue uma via persistente de artigos e editoriais negativos e muitas vezes inflamatórios contra a Fretilin. Os artigos e editoriais do STL não são apenas politicamente tendenciosos, mas estão ainda manchados com imperfeições, invenções, rumores e boatos. Este peça editorial está de facto a tentar acusar a Fretilin e os seus membros do que claramente é vítima. Membros da Fretilin são atacados e grupos ligados com a Fretilin são postos sob foco para aceitarem responsabilidades à força. Mesmo quando membros da Fretilin são atacados, a Fretilin é ainda acusada como a atacante. O STL sabe que fazer tal ligação directa é próximo do impossível porque nenhum leitor acreditará nisso. Por isso o STL põe isso no editorial tendencioso ao mesmo tempo que enterra a notícia propriamente dita nas páginas do meio. Geralmente quando a Fretilin é acusada de qualquer tipo de ataque, o relato vem na primeira página ocupando o título mais proeminente.

É pbvio que o objectivo do STL não é o do jornalismo e muito menos contribuir para o desenvolvimento da democracia em Timor-Leste. O seu objectivo final é parte de uma agenda mais alargada patrocinada pelas antigas elites Timorenses pró-Indonésia, estejam elas em Timor-Leste ou na Indonésia, para sabotar o caminho de Timor-Leste para um Estado com sucesso e independente. O facto de o STL ser conduzido por parte desta elite egoísta não é uma particularidade mas encalha-se perfeitamente bem nesta peça da conspiração. Se alguém aprofundar o modo como o STL tem feito variados relatos no passado, vê que há uma correlação entre a irrupção dos conflitos e os relatos do STL. Não há nenhuma coincidência quando relatos inflamatórios, cheios de erros e inexactos que o STL muitas vezes publica se tornam o foco para a irrupção de novos conflitos. Para estas antigas elites pró-Indonésias, a destruição da Fretilin é também em si própria um objectivo. Se a Fretilin for desacreditada e eliminada da política Timorense, então todo o movimento da resistência fica também desacreditado e a história pode ser re-escrita para vingar o egoísta movimento pró -integração.

O STL não é obviamente uma instituição independente de media mas uma organização com uma agenda política. Não contribui para a informação pública e o desenvolvimento da democracia em Timor-Leste. De facto toda a sua existência e operação está formatada para prevenir o desenvolvimento de Timor-Leste numa nação verdadeiramente democrática e independente. As suas ligações com as antigas elites pró-Indonésia é um testemunho de que a luta para um Timor-Leste verdadeiramente independente, estável e viável está longe de estar completa. A Fretilin tem sido a única organização política capaz de defender o direito Timorense para a independência e está persistentemente a defender este direito a todo o custo. A Fretilin é uma ameaça para pessoas como Ximenes e Saldanha. Contudo os resultados das próximas eleições serão vistos como uma vitória por essas antigas elites pró-Indonésia, apesar de pequena. O objectivo final deles é um Estado falhado. O STL deve ser colocado sob constante vigilância nos próximos anos.

Ananax Hudi

Ranking de países "instáveis"

Middle East News
© 2007 dpa - Deutsche Presse-Agentur

Iraq ranked second as world most unstable state

Jun 18, 2007, 16:51 GMT

Washington - Iraq has been ranked the world's second most unstable state by an index published Monday, four years after US President George W Bush ordered the invasion of the country.

Sudan, which has been plagued by a civil war in its Darfur region, topped the list for the second straight year. The ranking is based on on 12 social, economic, political, and military indicators gathered from May 2006 to December 2006 and evaluated by Foreign Policy magazine and the Fund for Peace.

Iraq climbed from fourth last year to second after being ravaged by widespread sectarian violence. Bush in January sent more than 20,000 additional troops to Iraq in an effort to quell the clashes.

Afghanistan, where US and NATO troops are trying to fend off the Taliban, placed eighth on the 'Failed States Index' and remains unstable despite years of US economic and military aid.

Eight of the 10 weakest states were in sub-Saharan Africa, up from six last year, and two of the worst 15, North Korea and Pakistan, are nuclear powers.

Here is a list of the top 20 most unstable countries indexed by Foreign Policy and the Fund for Peace:

1, Sudan;
2, Iraq;
3, Somalia;
4, Zimbabwe;
5, Chad;
6, Ivory Coast;
7, Democratic Republic of the Congo;
8, Afghanistan;
9, Guinea;
10, Central African Republic;
11, Haiti;
12, Pakistan;
13, North Korea;
14, Myanmar;
15, Uganda;
16, Bangladesh;
17, Nigeria;
18, Ethiopia;
19, Burundi;
20, Timor-Leste.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.