terça-feira, agosto 21, 2007

Troops must fly a flag of respect

The Age
August 22, 2007

ANY flag, whether it be that of a nation or a political party, does not just flutter idly in the wind. It does much more than that. A flag is not only an embodiment of history, culture and identity but also of profound and immeasurable sentiment. Thus the announcement of a Defence Department investigation into the desecration by Australian soldiers of the official flag of East Timor's Fretilin Party is to be welcomed.

It is a serious incident that warrants a serious explanation. The department has so far confirmed that on August 18 a group of Australian troops took possession of three Fretilin flags from two villages where Fretilin supporters were protesting against the formation of a government by former president Xanana Gusmao. Fretilin, which had ruled the country since 2002, won more votes than any other party in the recent election and claims the Gusmao Government is illegal.

Fretilin says the soldiers, who are in East Timor as part of the International Stabilisation Force, then tore up the flags and wiped their backsides with one of them. Apart from inflaming what is an already volatile situation, the incidents insult all East Timorese, says Fretilin's vice-president, Arsenio Bano — and, if proven, this newspaper agrees. To describe these events as culturally insensitive is an understatement. They are no less than acts of contempt. Tens of thousands of Timorese died fighting under that flag during a bloody 30-year struggle for independence and the events of last week undermine their sacrifice and offend their memory. Thankfully, the flags have been returned to the villagers with appropriate apologies.

While Australian troops are to be praised for their efforts in maintaining peace and stability in such a turbulent environment, they are still guests in a foreign country and must behave in a manner that does not alienate their hosts or, for that matter, the Australians they represent. They are in East Timor as part of the solution and must ensure they are not seen as part of the problem.

Timor-Leste Civil Unrest OCHA Situation Report No. 5

Timor-Leste Civil Unrest
OCHA Situation Report No. 5
21 August 2007

Summary Analysis

- 323 houses have been reported burnt and 52 damaged in Viqueque and Baucau districts.

- At least 4,000 persons are reportedly displaced at the moment in Viqueque and Baucau districts.

- Relief items from the Government of Timor-Leste have been delivered to the area and efforts are being undertaken to gain access to those displaced populations that are difficult to reach.


1. Civil unrest occurred in connection with the announcement of the new government on the 6th of August 2007 following the 30th of June parliamentary elections.

2. Viqueque and Baucau districts are most affected. The overall security situation in Timor-Leste is calm at the moment, while the situation remains tense in Viqueque district. United Nations Police Officers (UNPol) in conjunction with the national police of Timor-Leste (PNTL) and the International Stabilisation Force (ISF) remain fully deployed.

3. In Viqueque, around 270 houses had been burnt by violent groups. Several villages have been severly damaged in Watulari sub-district, while villages around Viqueque town have also been affected. The functioning of public transport and schools has been disrupted and food, water and medical supplies are becoming short on the market. Road travel within and between the districts of Baucau and Viqueque remains restricted at the moment due to security concerns especially after the ambush on a UN convoy on 10 August.

4. In Baucau district, 52 houses were destroyed in Venilale and Quelicai sub-districts. On 6 and 7 August, government, church, UN, and NGO facilities in Baucau district had been burnt or attacked. It is expected that schools and public transport will resume service in Baucau tomorrow.

Humanitarian Consequences

5. At least 4,000 persons are reportedly displaced at the moment in Viqueque and Baucau districts. The displaced stay in the mountains around the affected areas, and in convents, schools and compounds that are considered safe. 323 houses have been reported burnt and 52 damaged in Viqueque and Baucau districts.

6. Schools and shops are closed, public transport have been disrupted. Health services are functioning normally. Access to the facilities is believed to be hampered by security concerns.


7. On 12 August, 4.7mt tons of rice from the Government of Timor-Leste had been delivered by United Nations helicopters along with kitchen sets and noodles.

8. On 13 August, the Government of Timor-Leste sent a convoy of 15 trucks carrying Government food and non-food relief items to Baucau and Viqueque districts. The humanitarian assistance was delivered to Watulari sub-district, Viqueque and Uatocarabau town in Viqueque district, and to Venilale in Baucau district. The accompanying civil servants of the Ministry of Social Solidarity concluded that in most of the locations more assistance was required, especially non-food items.

9. From 17-19 August a convoy with civil servants from various ministries delivered food and non-food items to Baucau and Quelicai and mosquito nets and urgently required medical supplies to Viqueque town. An assessment was undertaken at the same time and is expected to be released on 22 August.

10. Significant parts of the displaced population are reportedly scattered in forests and mountain areas, to which access is difficult. In order to gain access to these populations and provide assistance, an inter-agency assessment mission with United Nations helicopters to Watulari and Uatucarbau was scheduled to take place on Saturday, 18 August 2007. As heavy rains had made the roads in the area impassable, the assessment mission had to be rescheduled to Thursday, 23 August.

11. OCHA is in close contact with the national and international humanitarian aid organizations, the Government, the UN Country Team and UNMIT in Dili and will revert with further information as it becomes available. This situation report, together with further information on ongoing emergencies, is also available on the OCHA Internet Website at http://www.reliefweb.int.

For detailed information please contact:
OCHA Timor-Leste

UNMIT – MEDIA MONITORING - Tuesday, 21 August 2007

"UNMIT assumes no responsibility for the accuracy of the articles or for the accuracy of their translations. The selection of the articles and their content do not indicate support or endorsement by UNMIT express or implied whatsoever. UNMIT shall not be responsible for any consequence resulting from the publication of, or from the reliance on, such articles and translations."

National Media Reports

Ramos Horta: people are the heroes of national liberation

In a message to the nation on Falintil Day on 20 August, President José Ramos Horta stated that people are the heroes of the national liberation, so they must avoiding blame one another and come together for national unity.

President Horta appealed to the Timorese to reflect on their desired goal of national unity. (DN)

Lasama: no discrimination in development

In a message to the parliament on for the Falintil commemoration day on 20 August, the President of National Parliament, Fernando de Araujo Lasama stated that the parliament is committed to serving the people and that there will be no discrimination within national development.

Mr. Lasama said opposition leaders will have a special role within the level of ministries to enable parliament to collect all good ideas to develop the new nation. (DN)

Lu-Olo: “Better the president to ascertain his words”

The member of national parliament, Francisco Guterres Lu-Olo has called on President José Ramos-Horta and all political leaders to consider their words before talking publicly following some declarations from parliamentary members that the recent violence was created by Fretilin radicals.

Speaking to journalists at the parliament, Mr. Lu-Olo said while he does not question the statements of the President, he “respectfully calls upon the president to measure his words,” said Mr. Lu-Olo. (DN)

Arsenio Bano: new government, tends to have positions

The vice president of Fretilin party, Arsenio Paixão Bano said that the new government led by Prime Minister Xanana Gusmão will use Fretilin’s programmes as it has none of its own to work on.

Speaking to journalists on Friday (18/8) in Dili Mr. Bano revealed that Fretilin believes that the new government will use the programmes of Fretilin during their governance.

“We observe that this new government is only to share political seats. We have not seen their programmes, because during the campaign they did not show their programmes,” said Mr. Bano. (DN)

John Hutcheson: “ISF is going on support eastern part”

The Commander of International Stabilization Forces (ISF), Brigadier John Hutcheson said that ISF will cooperate with UNPol and PNTL to maintain support of security in the eastern part of the country.

Speaking to journalists on Friday (18/8), Mr. Hutcheson said that the ISF has been deployed in many places during the last week in the eastern part of the country to maintain security.

He added that security situation in eastern part has calmed over the past few days. (DN)

Ramos Horta: Alfredo has honesty to solve the problem

In a message following the Falintil Day on 20 August, President José Ramos Horta said that fugitive Alfredo Reinado Alves shows sincerity in wanting to solve his problem situation.

Mr. Horta also said that as President of the republic, he keeps an eye on Reinado’s and the petitioners’ problems. (DN and TP)

MONALPON Threats to boycotting Govt’s activities

The National Movement of Maubere People/Movementu Nasional Povu Maubere (MONALPON) said it will continue to boycott Government activities formed by the Alliance.

Approximately 50 people protested in the national stadium in Dili yesterday to protest against the government led by Prime Minister, Xanana Gusmão.

“The Government of Xanana-Horta is not national unity; Xanana ransacked power from Horta’s aspiration and President Horta makes decision depending on his will without people’s interest. Maubere youths should not let it be,” said a demonstrator through his protest.

“Our demand is to boycott the activities of the unconstitutional government because this government does not respect people’s right in the elections, more over the Alliance is not registered in the court of appeal,” revealed the MONALPON coordinator, Sanamia on Monday (20/8) in Municipal Stadium, Dili. (DN and TP)

Fretilin NPs back to National Parliament
The 21 members of national parliament from Fretilin returned to the national parliament on Monday (20/8) after two weeks.

However, even though they have returned, the chief member of the parliament from Fretilin, Aniceto Guterres declared that Fretilin maintains its position that they do not accept president’s decision on the new government formation. (TP)

UNMIT - Security Situation - Tuesday 21 August 2007

This is a broadcast of the UN Police in Timor-Leste to provide you with information about the security situation around the country.

The security situation in Timor-Leste as a whole has been calm, although Viqueque remains tense.

Yesterday, a PNTL patrol team arrested an escaped prisoner in Ainaro market place, Ainaro district. The suspect escaped from Dili custody last August in 2006. He had been charged with Attempted Murder.

Today in Dili, UNPol attended three incidents, including two traffic accidents. None of the incidents were serious.

Between 1055 and 1430hrs, a political rally was held in Dili stadium. The rally was peaceful and there were no reports of major incidents.

Yesterday in Viqueque, a group gathered outside the FRETILIN office in Viqueque town. UN Police and Formed Police Units (FPUs) were present and stopped the group from burning tyres and using them to block the road. There were no further problems reported.

In both Baucau and Lautem yesterday, political rallies were held without incident.

United Nations police officers in conjunction with the national police of Timor-Leste (PNTL) and the International Stabilisation Force (ISF) remain fully deployed to respond to any disturbances that may emerge.

The Police advise to avoid traveling during the night to the most affected areas. Please report any suspicious activities. You can call 112 or 7230365 to contact the police 24 hours a day, seven days a week.

Fretilin contra tropas da Austrália

Público, 21.08.2007
Soldados de Camberra enxovalharam algumas bandeiras do principal partido político timorense
As tropas australianas incendiaram uma já difícil situação em Timor-Leste, quando no sábado três soldados arrancaram na aldeia de Bercoli bandeiras da Fretilin e fizeram menção de as utilizar como papel higiénico, declarou ontem o vice--presidente daquela formação política, Arsénio Bano. Um dos comandantes de Camberra, o brigadeiro John Hutcheson, considerou que a atitude dos seus homens foi imprópria e demonstrou falta de sensibilidade; mas que se tratou de um caso isolado, pelo qual os implicados já apresentaram uma desculpa formal.

"É um incidente muito grave e estou desiludido com as acções destes soldados", disse o oficial, enquanto o secretário-geral da Fretilin, Mari Alkatiri, dizia que "seria melhor as tropas australianas voltarem para casa, se não conseguem ser neutras".

"Vieram para nos ajudar a resolver os nossos problemas, mas acabaram por dar o seu apoio a uma das partes e por combater a outra", comentou o antigo primeiro-ministro Alkatiri, segundo o qual os militares australianos andam desde há algum tempo a intimidar os partidários do grupo político maioritário. Soldados e polícias da Austrália e da Nova Zelândia têm sido muitas vezes acusados de interferir na vida política timorense, colocando-se ao lado de todos aqueles que contestam a Frente Revolucionária que esteve no poder durante os cinco primeiros anos de independência do jovem país agora presidido por José Ramos-Horta.

Dos Leitores

H. Correia deixou um novo comentário na sua mensagem "Dos Leitores":

Caro Blog Na'in:

Depois de ler o seu comentário, que agradeço, verifico que algumas questões permanecem mal entendidas.

O que está aqui em causa é o direito de macaenses, timorenses, caboverdianos, etc, nascidos em solo português e sob a bandeira portuguesa a serem cidadãos portugueses.

O mesmo não acontece com os súbditos de Sua Majestade a Rainha Elizabeth II não nascidos em solo britânico. Se os habitantes de HK querem ou não a nacionalidade britânica, é problema deles. O que é grave, porém, é que estes não têm sequer direito a escolhê-la, pois a própria Grã-Bretanha lhes negou à partida essa possibilidade.

Portugal é um país livre e os cidadãos portugueses têm o direito de escolher a língua que falam ou o local de residência. Também têm o direito de odiar Portugal ou, até, de renunciar à sua nacionalidade.

O que o Estado português não pode, nem nunca poderá, é discriminar esses cidadãos, negando-lhes à partida aquilo que lhes pertence desde o nascimento - a nacionalidade, seja por que motivo for. (Vd. Artº 1º da Lei nº 37/81, com alterações da Lei Orgânica nº2/2006).

Sobre os menores estrangeiros nascidos em Portugal, repito que têm todos direito à aquisição da nacionalidade portuguesa, após 5 anos de residência legal - e não 6, como por lapso escrevi (Vd. Lei citada supra, Artº 6º, nº 2, e preâmbulo do D.L. nº 237-A/2006).

Não vejo como pode Portugal ter uma lei anacrónica, se é idêntica às leis da maioria dos países europeus e até mais avançada do que certos países, especialmente, os EUA - quantos estrangeiros nascidos em solo americano podem adquirir a nacionalidade americana automaticamente?

Entretanto, veja como o colunista de língua inglesa citado no Blog Timor Online está longe da realidade:

"A nova Lei não confere a nacionalidade automaticamente a todos os que nasçam em Portugal, ainda que de pais ilegais – nenhum País europeu o faz. Seria um incentivo à imigração clandestina e uma irresponsabilidade na gestão de uma fronteira que já não é apenas nossa mas é europeia.

O sistema continua a privilegiar o ius sanguini (na aquisição originária por filiação não há, praticamente, outros requisitos, enquanto que para o ius soli há normalmente a regra da legalidade dos pais) mas há um reforço significativo do ius soli, retomando uma tradição legislativa abandonada em 1981."

Esta citação e outras notas, bem como o próprio articulado da lei podem ser lidos em:


Toda a legislação aplicável pode ser consultada em:


Timor Leste tem situação calma, afirma missão da ONU

20-08-2007 13:02:48

Lisboa, 20 Ago (Lusa) - A Missão das Nações Unidas no Timor Leste (Unmit) afirmou nesta segunda-feira que a situação no país está calma, apesar de alguma tensão em Viqueque, a cerca de 250 quilômetros a leste de Díli.

"Os oficiais da polícia das Nações Unidas (Unpol), em conjunto com a polícia nacional do Timor Leste (PNTL) e a Força de Estabilização Internacional (ISF) permanecem totalmente prontas para responder a quaisquer distúrbios que aconteçam", diz o texto da Unmit.

De acordo com a Missão das Nações Unidas, a Unpol respondeu nesta segunda-feira a sete incidentes em Díli, inclusive um apedrejamento a partir de uma ponte por um grupo de jovens e o bloqueio de uma estrada. Em ambos os casos, os autores dos incidentes fugiram após a chegada da polícia.

A Unmit também disse que não há registro de incidentes em Viqueque, mas a maioria das repartições governamentais e das escolas continua fechada. A polícia local aconselha a população a evitar viagens à noite para as áreas mais afetadas.

Os distúrbios no Timor Leste são uma reação à decisão do presidente José Ramos Horta de designar Xanana Gusmão como primeiro-ministro.

Líder do Conselho Nacional para a Reconstrução do Timor Leste (CNRT), o premiê timorense dirige uma coligação de quatro partidos que controla 37 dos 65 lugares do Parlamento.

Apesar de vencer as eleições legislativas, a Frente Revolucionária do Timor Leste Independente (Fretilin) obteve apenas 21 deputados.

Entrevista a Kirsty Sword Gusmão

“Xanana dará o melhor de si próprio para governar Timor-Leste até ao fim do mandato”
Público, 20.08.2007 - 19h30 Jorge Heitor

Agora empenhada nas actividades da Fundação Alola, criada em 2002, Kirsty Sword Gusmão, a esposa do actual primeiro-ministro Xanana Gusmão diz, em entrevista ao PÚBLICO, estar consciente do papel do marido “neste momento crucial para o futuro” do jovem país. Kirsty é uma australiana que nasceu em 1966 na cidade de Melbourne e há sete anos casou-se com o mítico guerrilheiro timorense.

Continua a considerar-se uma primeira dama (agora que o seu marido é o novo primeiro-ministro e que o Presidente Ramos-Horta não se encontra casado)?

Em primeiro lugar, permita-me salientar que as presentes declarações são feitas em meu nome pessoal, como Presidente da Fundação Alola, por mim criada em Março de 2001 e não em nome do meu marido, Xanana, nem tão pouco do Governo.
Claro que já não me considero primeira-dama! O título, aliás, nunca fez sentido na medida em que o estatuto de 'primeira-dama’ nunca foi reconhecido oficialmente nem recebeu qualquer financiamento por parte do Governo. Todo o trabalho desenvolvido pela Alola, em áreas como a advocacia, emprego, educação, saúde materno-infantil e assistência humanitária, tem sido financiado por doadores de todas as partes do mundo, individuais e institucionais.

Como é que vê esta transição de Xanana da primeira para a terceira posição na hierarquia do Estado (depois dos presidentes da República e do Parlamento)?

Encaro o cargo actual de Xanana essencialmente como um acréscimo de responsabilidades e de ocupação do seu tempo, em prejuízo da nossa vida familiar. Mas, é um sacrifício que nós aceitámos sem hesitação, na medida em que estamos conscientes da importância do papel de Xanana neste momento crucial para o futuro de Timor. Nem eu nem Xanana damos muito valor às posições de poder, a nossa maior preocupação é tentar contribuir para a melhoria das condições de vida do povo timorense, a que ele tem dedicado quase toda a sua vida. Xanana deveria estar já a descansar; mas a libertação do seu povo (agora da miséria) continua a ser a sua grande prioridade.

Está convicta de que um Governo com base na AMP (ALiança com Maioria Parlamentar) tem condições para cumprir toda uma legislatura?

Estou confiante que Xanana, bem como as outras pessoas que integram o IV Governo, darão o melhor de si próprias para governar o país até final do seu mandato. Por outro lado, é absolutamente necessário que sejam criadas as condições de estabilidade política e social que permitam mostrar ao mundo que os timorenses são capazes de governar o seu próprio país.

Preocupa-a em particular o grande número de desalojados que ainda há em Timor-Leste?

A questão dos desalojados é muito preocupante, principalmente pelas condições precárias em que os mesmos se encontram, há tanto tempo. É ainda procupante pelo facto da sua existência traduzir a falta de segurança e de estabilidade político-social que se tem vivido no país.

Admite que dentro de dois a três anos o clima económico e social do país possa ser melhor do que é hoje?

Tenho muita esperança que em breve o povo timorense verá as suas condições de vida melhorar e que, a médio prazo, se possa considerar que o clima económico e social do país sofreu realmente um impulso positivo rumo ao desenvolvimento e paz social. Com o empenho de todos – governo, oposição e sociedade civil – na defesa deste grande objectivo nacional, acredito que isso será possível.
Pela minha parte, continuarei a contribuir para melhorar as condições de vida das mulheres e crianças, em particular, através do trabalho que a Fundação Alola vem desenvolvendo no sentido de melhorar a sua educação, saúde e rendimento e apoiando-as na sua luta por uma maior participação na sociedade.

Bispo de Baucau pede ponderação

Internacional Agência Ecclesia 20/08/2007 17:03 Timor Leste

D. Basílio do Nascimento, Bispo de Baucau, agradeceu a ajuda da GNR na estabilização da situação em Timor-Leste, após a onda de contestação que se seguiu à nomeação de Xanana Gusmão como primeiro-ministro do país.

Em declarações recolhidas pela RTP, o Bispo de Baucau considera que "a forma de manifestar o protesto não deveria ser na rua", pedindo que as pessoas "comecem a pensar que o bem nacional está acima dos interesses partidários".

Segundo este responsável, uma das "razões fundamentais" por detrás dos desacatos é "a incompreensão do espírito da lei", com uma "força partidária" (a Fretilin, ndr) a entender que "foi prejudicada" pela decisão do Presidente da República, Ramos Horta.

O país vive uma situação particularmente delicada desde os primeiros meses de 2006, quando uma espiral de violência ameaçava desembocar para uma guerra civil. Desde então, a crise política continua aberta, depois de a Fretilin vencer as eleições legislativas de 30 de Junho com 21 deputados, perdendo contudo o Governo para uma coligação de quatro partidos com 37 dos 65 lugares do Parlamento.

"O Presidente da República não é nenhuma criança, não tomou a decisão por causa de uma insónia", atirou D. Basílio do Nascimento, que apela à calma e à ponderação.

"Como diz um ditado português, não há mal que sempre dure. Esperemos que depois deste tempo de calor, venha a calma", conclui.

Alkatiri eleva a parada em Timor-Leste: 'era melhor que os Australianos voltassem para casa'

Tradução da Margarida:

Blog Reading the Maps
Segunda-feira, 20 Agosto 2007

O líder do maior partido de Timor-Leste denunciou que as tropas Australianas estão a ocupar o seu país, dizendo 'era melhor que fossem para casa porque não são neutras'.

Mari Alkatiri, o Secretário-Geral da Fretilin, fez esta declaração depois de tropas Australianas terem invadido um protesto anti-governamental realizado numa aldeia perto da capital Timorense Dili, ontem.

Os Australianos provocaram a fúria ao arrancarem bandeiras da Fretilin e limpam as costas com elas.

O incidente de ontem ocorreu no meio de protestos continuos contra um governo apoiado pelos Australianos que é alargadamente cada vez mais visto como ilegítimo. Apesar de ter conquistado o maior número de lugares nas eleições legislativas realizadas no mês passado, a Fretilin foi desprezada pelo Presidente de Timor-Leste o pró-Australiano José Ramos-Horta, que convidou o seu aliado político chegado Xanana Gusmão a formar governo. O CNRT de Gusmão e de Horta obteve apenas 22% dos votos nas eleições, e a tomada de posse de Gusmão como Primeiro-Ministro em 8 de Agosto desencadeou grandes protestos em Dili e nas cidades de Bacau e Viqueque no leste.

Quando tropas e polícias Australianas e da Nova Zelândia que são a maioria da Força Internacional de Estabilização patrocinada pela ONU tentaram acabar com os protestos o motim rebentou. Veículos que carregavam os Anzacs foram apedrejados, e edifícios associados com a ONU, o governo Australiano e o CNRT foram queimados. Emboscados dispararam tiros a uma caravana de veículos da ONU numa estrada a sul de Baucau.

Nalguns locais gangs criminosos juntaram-se aos motins, atacando civis e igrejas e pilhando lojas . Em Baucau, um gang irrompeu num convento e violou várias raparigas. O governo e os seus aliados da Anzac têm usado os criminosos como uma desculpa para lançar uma campanha de repressão contra os seus opositores políticos. Nos quatro dias após a tomada de posse de Gusmão como Primeiro-Ministro, a Força Internacional de Estabilização disparou mais de 2.000 granadas de gás lacrimogénio contra os manifestantes. Dúzias de manifestantes pacíficos foram presos por 'bloquearem a estrada'.

Comparando os manifestantes com a milícia pró-Indonésia que em 1999 matou centenas de Timorenses, Horta e Gusmão avisaram que funcionários civis que vão para as ruas (protestar) podem perder os empregos. Tal ameaça tem muito peso, num país onde 50% da população está desempregada e o sector público oferece a maior esperança de trabalho bem pago. O novo governo tentou também desencorajar os manifestantes ao insistir que devem pedir autorização para marcharem nas vias públicas com 21 dias de antecedência .

As tropas e polícias da Anzac têm sido muitas vezes acusadas de usarem a força para interferir nas políticas de Timor-Leste. A Fretilin queixou-se da intimidação Australiana contra os seus candidatos e activistas eleitorais durante as eleições anteriores este ano, e em Fevereiro rebentaram grandes protestos em Dili depois de Soldados Australianos terem morto dois jovens que tinham estado a manifestar-se contra a destruição de um campo de deslocados perto do aeroporto da cidade .

Alkatiri foi Primeiro-Ministro de Timor-Leste até meados do ano passado, quando foi forçado a resignar pela força da Anzac que tinha chegado ao país depois de motins que mataram 37 pessoas. Alkatiri e outros líderes da Fretilin têm argumentado que o governo Australiano incitou os motins e que depois usou as tropas Anzac para o forçar a entregar o poder a Horta.

O jornalista da ala esquerda e há longo tempo observador de Timor-Leste John Pilger tem aopiado as afirmações de Alkatiri. Pilger acredita que o governo de Howard queria um aliado em Dili que concordasse com um maior controlo Australiano sobre as ricas reservas de petróleo e de gás sob o mar de Timor. Alkatiri tinha irado Canberra e o seu aliado em Washington ao jogar duro sobre as reservas de petróleo, recusando apoiar a Guerra do Terror de Bush, e trazendo médicos Cubanos para Timor-Leste. Horta, em contraste, é um apoiante vocal da invasão do Iraque, chama a John Howard amigo pessoal e tem tomado atitudes conciliadoras nas negociações sobre o petróleo .

Alkatiri encontrou também apoio para as suas rclamações entre os líderes de alguns dos vizinhos de Timor-Leste. Na semana passada, o Primeiro-Ministro da Papua Nova Guiné Sir Michael Somare acusou os Australianos de interferirem nas políticas de Timor-Leste e avisou que estavam a tentar truques similares no seu país. As Ilhas Salomão estão montadas com uma ocupação específica pela Anzac, e o seu novo e com ideias independentes Primeiro-Ministro Manasseh Sogovare expressou a sua solidariedade com Alkatiri.

Apesar do seu ódio pelo governo de Howard, nunca antes tinha Alkatiri exigido tão directamente a retirada das forças Australianas de Timor-Leste. Um jogador político astuto e muitas vezes cínico, tem receado zangar as partes da Fretilin que tinham esperanças que a ocupação pudesse ser posta ao serviço dos interesses do partido. A nova ousadia de Alkatiri e os protestos em curso sugerem que a atitude da Fretilin se virou decisivamente contra a acomodação com os ocupantes de Timor-Leste. Juntos, o governo ilegítimo em Dili e as tropas da Anzac que o apoia alienaram grandes números de Timorenses.

Os protestos em massa contra a ocupação em Timor-Leste devem ser uma chamada para os Neo-zelandezes acordarem. A maioria dos Neo-zelandezes opõem-se ao governo de Howard e à ocupação neo-colonial que está a ajudar George Bush a manter-se no Iraque, mas poucos sabem que as suas próprias forças armadas e polícias estão a ajudar a manter uma ocupação similar em Timor-Leste. As tropas e polícias da Nova-zelândia operam sob controlo Australiano em Timor-Leste, e estão a ajudar a apoiar um governo que é profundamente impopular.

Não surpreende, pois que estejam a ser alvejadas ao lado dos Australianos. Devem ser retiradas antes de serem mais envolvidas no conflito que está a escalar entre o imperialismo Australiano e o povo Timorense.

Tropas Australianas provocam mais desassossego em Timor-Leste


Comunicado de Imprensa
20 Agosto 2007

Tropas Australianas em Timor-Leste inflamaram uma situação já volátil ao arrancarem bandeiras da FRETILIN e limparem as costas com elas, disse hoje o Vice-Presidente da FRETILIN e deputado Arsénio Bano.

"O deitarem para o chão as bandeiras da FRETILIN é mais outra demonstração da natureza parcial da intervenção militar do governo de Howard em Timor Leste," disse Bano .

Disse que os incidentes ocorreram na parte leste do país em 18 de Agosto, em dois locais diferentes – Suco (região administrativa) Walili na estrada entre Baucau e Viqueque e na aldeia de Alala no distrito de Viqueque – onde os residentes tinham erguido a bandeira da FRETILIN em protesto contra o governo inconstitucional de José Alexandre Gusmão.

"Em Walili dois veículos militares Australianos cheios de soldados rasgaram uma bandeira da FRETILIN que tinha estado erguida na beira da estrada, limparam com ela as costas e continuaram caminho com a bandeira. A bandeira roubada foi devolvida mais tarde nesse dia por um capitão das forças armadas Australianas.

"Na aldeia Alala as tropas Australianas tentarem arrancar da corda uma bandeira da FRETILIN e depois passaram por cima dela .

"Condenamos estas acções extremamente provocatórias que têm inflamado uma situação já volátil. A bandeira da FRETILIN tem um enorme valor simbólico e emocional para o povo de Timor-Leste que vai para além dos membros e apoiantes da FRETILIN.

"Dezenas de milhares de pessoas morreram a lutar sob esta bandeira durante a luta pela independência, incluindo membros das famílias das pessoas que testemunharam quando a deitaram para o chão no Sábado .

"Os soldados Australianos insultaram os nossos mártires e toda a nação Timorense. A sua insensibilidade cultural e arrogância tipificam as operações militares Australianas na região do Pacífico."

Bano disse que os incidentes não podiam ser desculpados como acções de soldados individuais mal orientados.

"Os soldados seguem os exemplos dos seus oficiais e entendem os objectivos verdadeiros da intervenção parcial do governo de Howard em Timor-Leste, que teve um objectivo principal – a remoção do governo democráticamente eleito da FRETILIN e a sua substituição com o governo ilegítimo de José Alexandre Gusmão."

Por mais informação, por favor contacte:

Arsenio Bano (+670) 733 9416, FRETILIN Media (+670) 733 5060 ou



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.