sábado, fevereiro 23, 2008

State Budget for 2008

Nearly two months into the financial year, the Ministry of Finance has just published the State Budget for 2008 on its website at http://www.mof.gov.tl/en/budget/2008.htm in English and Portuguese. (Note that the "Portuguese Version" of Book II is largely in English.)

La'o Hamutuk has made these files smaller and posted them on our website, together with the draft budget and other documents:


The two books of the budget, totalling more than 700 pages, contain a great deal of information about the plans of each Government ministry for 2008. The following Executive Summary is extracted without most of the included tables and footnotes, which are difficult to email.

Part 2 Executive Summary

The Combined Sources Budget

The Combined Sources Budget for 2008 is estimated to be $529m, this is made up of $347.8m in State Budget expenditure, and an estimated $180.5m in spending by development partners. Funds from development partners excludes the cost of the security services provided by the International Stablisation Force (ISF) and the United Nations Police (UNPOL). Tables 2.1 and 2.2 provide a summary of the combined sources budget from 2006-07 to 2011. Emacs!

The Economy

The non-oil economy is projected to have rebounded in 2007, growing by around 8% (excluding UN activities). This reflects higher government spending and the increased international presence, which more than offset the negative impact on agriculture from drought and locust infestations.

The rebound of the economy is evidenced in a significant increase in trade. Total imports in the first seven months of 2007 amounted to $91 million, an increase of 80% from the monthly average in 2006. This increase stems from a large increase in purchases of capital goods, such as machinery and transport equipment and other equipments. Exports, which are mostly coffee, are of a much smaller magnitude and amounted to less than $1m during January to July 2007.

Annual inflation peaked at about 17% in February 2007, boosted by a regional rice shortage and local supply disruptions related to the unrest. Inflation subsequently retreated to 7.2% by September 2007, and is expected to moderate further as the impact of supply shocks subside.

The government budget for 2008 will provide additional stimulus to the economy and support long term development. At 347.8 million, total budget spending is only about 3% higher than the budget for fiscal year 2006/07 but steps to improve budget execution are expected to yield significant improvements in actual spending. If fully executed, overall cash outlays in 2008 would increase by some 80% compared to FY2006/07.

Moreover, a series of large infrastructure projects, now in the planning phase, will provide essential support to the development of the country as they are realized over the next several years. To counteract inflationary pressure associated with the expansion of public sector activity, the government is determined to maintain tight expenditure controls and address emerging bottlenecks on the supply side of the economy as they appear. This will help ensure that higher spending is fully matched by quality outcomes.

Overall, the non-oil economy is projected to expand by 6.5% in 2008. This expansion is driven primarily by an increase in public spending, reflecting the larger government budget and improved implementation. The agricultural sector is expected to stay relatively subdued, in line with recent trends. The rest of the private sector is benefiting from fewer security related-disruptions and the indirect effects of a greater international presence. Nevertheless, despite pick-ups in construction and services, the private sector is relatively small and the government remains the engine of growth, with private investment representing just a small fraction of the total.

Revenue, Sustainable Income and the Petroleum Fund

The actual petroleum revenue, excluding the returns on petroleum fund investments for the fiscal year 2006/07 was $956.2m. Petroleum revenue excluding the returns on petroleum fund investments for 2008 is estimated to be $1,249.9m. The Estimated Sustainable Income for the Budget year 2008 is estimated at $294m. This is an increase of $23m compared to the calculation for the same period in the Transitional Budget 2007.

Domestic revenue for the transition period from 1 July to 31 December 2007 is estimated to be $17.0 million. Domestic revenue for 2008 is forecast to be $27.0 million. This number incorporates the prescribed reforms to the domestic tax system of Timor-Leste which will reduce domestic tax revenue by approximately 50%. In 2008 the Government will introduce reforms to the taxation system of Timor-Leste which will lead to improving the competitiveness of Timor-Leste in the region. Some brief details on these reforms are provided below.

In regard to the Petroleum Fund the Government wants to outsource a substantial part of the portfolio to external managers and has authorized the BPA to initiate contract negotiations with the World Bank and the Bank for International Settlements, which are the two most relevant non commercial external investment managers.

The Government is considering increasing the investment universe and including other fixed income assets in the portfolio. There are other fixed income assets with higher expected return than US government fixed income assets.

The Petroleum Fund is estimated to reach $3.116m by December 2008 rising to $5,785.9m in December 2011.

General Budget of the State for Timor-Leste

The 2008 Budget is the first full year budget of the IVth Constitutional Government. The 2008 State Budget is designed to provide a more substantial contribution towards resolving the issues underlying national poverty whilst introducing a process of reforming the administration of the civil service and developing the new national plan . The Government will continue to focus on ensuring strong economic growth as one of the key policy drivers to reducing national poverty. The Government will maintain high levels of public spending and improve budget execution to create an environment that supports private sector growth and investment – supporting employment and job creation. The 2008 State Budget will also focus on improvements to critical service provision and support for the veterans and vulnerable groups. It will support the re-establishment of security across the country and increase the provision of services to the community in the areas of:

• health;• education;• agricultural extension and support;• social welfare; and• human resources development.

The State Budget for 2008 is $347.8m, an increase of 8.1% on the annualised transition budget figure. Future spending in Table 2.5 shows a fall in expenditure, these estimates however show only the concrete activities the Government has planned and has not included amounts for predicted spending.


Total salaries in 2008 are inclusive of the civil service subsidy which was introduced into the State Budget after the crisis of 2006 and maintained in the 2007 Transition Budget. Previously, the civil service subsidy was included in the Goods and Services category. The movement of the subsidy is responsible for the majority of changes. Staffing levels have experienced only minor increases.

As part of the process of administrative reform, the Government will develop a career regime for the civil service for implementation in 2008 that will promote efficiency and provide opportunities for career development and progression.

Goods and Services

As part of its commitment to transparent and accountable Government financing, all Organs of State are aiming to ensure that funds are spent strategically, transparently and represent good value for money. Organs of the State will be regularly audited and financial reports and information made more readily available.

In line with the approach first adopted in the Transition Budget, where there is an option to increase efficiency, administrative functions for activities such as payment of rent, utilities and travel costs have been centralised within each Ministry. Significant Whole of Government expenditure such as provision of fuel, international memberships and overseas travel remain centralised in the whole of Government funds managed by the Ministry of Finance. The civil service subsidy is no longer included in the Goods and Services category.

Public Transfers

Public Transfers are an excellent method to direct funding to areas of the population in greatest need of support. In 2008, the Government will administer transfer programs to the value of $63.9m to provide personal benefit payments to Veterans as well the frail elderly and disadvantaged in the community. The Government will also administer transfer programs that provide public grants to the Church, NGOs and civil society groups who will implement programs and deliver services to the population in areas such as education, sport, training and research. Some of the major activities include:

• Assistance to Religious and Civil Society Groups;• Supporting Internally Displaced Persons (IDPs);• Resolution of the Situation of the Petitioners;• The Secretary of State for Youth and Sports;• Youth Arts Development Fund;• Youth Sports Development Fund;• The Secretary of State for Energy Policy;• Alternative Energy Fund;• Support for other Professional Training;• Pilot Project for Community Employment;• Pensions for Veterans;• Pensions for Former Office Holders;• School Grants Programme;

Transfers for Territory Administration• Funds to support Co-operatives• Funds to support rural development• Support for the Elderly• Support for National Disasters• Agricultural Community Development Fund• Support for Political Parties

Capital Expenditure

The Government is conscious of the difficulties with spending in this category. As a result the Capital and Development programme for 2008 is a modest but realistic plan which will lead to improved infrastructure and more employment opportunities. Capital expenditure in 2006-07 was $11.6 million, the Government expects to execute the majority of the $68.0m which has been budgeted as well as execute the carryover from 2006-07 and previous years.


Charles ScheinerLa'o Hamutuk (The Timor-Leste Institute for Reconstruction Monitoring and Analysis) P.O. Box 340, Dili, Timor-Leste (East Timor)Telephone: +670-3325013 or +670-734-0965 mobile
email: cscheiner@igc.org website: http://www.laohamutuk.org/ skype: cscheiner


Orçamento do Estado para 2008

Quase dois meses depois de começado o ano financeiro, o Ministério das Finanças acabou de publicar o Orçamento do Estado para 2008 no seu website em http://www.mof.gov.tl/en/budget/2008.htm em Inglês e Português. (Note que a "Versão Portuguesa" do Livro II está largamente em Inglês.)

O La'o Hamutuk tornou esses ficheiros mais pequenos e postou-os no nosso website, junto com a proposta de orçamento e outros documentos:

http://www.laohamutuk.org/misc/AMPGovt/07AMPGovt.htm#Budget08 .

Os dois livros do orçamento, totalizam mais de 700 páginas, contêm muita informação acerca dos planos de cada ministério do Governo para 2008. O seguinte Resumo Executivo é extraído sem a maioria dos gráficos e rodapés que são difíceis de mandar por email.

Parte 2 Resumo Executivo

As Fontes Combinadas do Orçamento

As Fontes Combinadas do Orçamento para 2008 está estimada ser $529m, feita de $347.8m em Despesas do Orçamento do Estado, e um estimado de $180.5m em gastos pelos parceiros de desenvolvimento. Fundos dos parceiros de desenvolvimento excluem os custos dos serviços de segurança da Força Internacional de Estabilização (ISF) e da Polícia da ONU (UNPOL). Capítulos 2.1 e 2.2 dão um resumo das fontes combinadas do orçamento de 2006-07 até 2011. Emacs!

A Economia

A economia n-ao-petrolífera está projectada ter ressaltado em 2007, crescendo cerca de 8% (excluindo actividades da ONU). Isto reflete mais gastos do governo e o aumento da presença internacional, que mais do que contrabalança os impactos negativos na agricultura provenientes da seca e das pragas de gafanhotos.

O ressalto da economia é evidenciado pelo aumento significativo no comércio. O total de importações nos sete primeiros meses de 2007 atingiram $91 milhões, um aumento de 80% em relação à média mensal em 2006. Este aumento vem dum grande aumento nas compras de bens de equipamento, como maquinaria e equipamento de transportes e outros equipamentos. As exportações que são principalmente café, são de muito menos grandeza e totalizaram menos de $1m durante Janeiro a Julho 2007.

A inflação anual estacionou em cerca de 17% em Fevereiro de 2007, aumentada por um défice regional de arroz e perturbações de abastecimento local relacionadas com o desassossego. Subsequentemente baixou para 7.2% em Setembro 2007, e espera-se mais moderação à medida que o choque do abastecimente baixar.

O orçamento do governo para 2008 trará estímulos adicionais à economia e apoio ao desenvolvimento de longo prazo. Com 347.8 milhões, o orçamento total de despesas é apenas cerca de 3% mais alto do que o orçamento do ano fiscal de 2006/07 mas passos para melhorar a execução orçamental são esperados para para trazerem melhorias significativas nas despesas. Se for totalmente executado, maiores gastos em dinheiro em 2008 serão maiores em cerca de 80% comparados com 2006/07.

Mais ainda, uma série de grandes projectos de infra-estruturas, agora na fase de planeamento, darão apoio essencial ao desenvolvimento do país dado que serão realizados durante os próximos anos. Para contrariar a pressão inflacionária associada com a expansão da actividade do sector público, o governo está determinado a manter controlos apertados nos gastos e a responder a apertos emergentes do lado do abastecimento da economia à medida que apareçam. Isto ajudará a assegurar que gastos mais altos são totalmente combinados com resultados de qualidade.

No geral, está projectada a expansão da economia não-petrolífera em 6.5% em 2008. Esta expansão é conduzida primeiramente por um aumento dos gastos públicos, reflectindo o orçamento do governo maior e a implementação melhorada. Espera-se que o sector da agricultura se mantenha relativamente empanado em linha com a recente tendência. O resto do sector privado está a beneficiar por menores distúrbios relacionados com a segurança e os efeitos indirectos duma maior presença internacional. Contudo, apesar de picos na construção e serviços, o sector privado é relativamente pequeno e o governo continua a ser o motor do crescimento, com o investimento privado a representar apenas uma pequena fracção do total.

Rendimentos, Rendimento Sustentável e o Fundo do Petróleo

O actual rendimento do petróleo, excluindo os retornos dos investimentos do fundo do petróleo para o ano fiscal 2006/07 foi de $956.2m. Rendimentos do petróleo excluindo o retorno dos investimentos do fundo do petróleo para 2008 está estimado ser $1,249.9m. O Rendimento Sustentável Estimado para o Orçamento do ano 2008 está estimado em $294m. Isto é um aumento de $23m comparado com o cálculo para o mesmo período do Orçamento Provisório 2007.

Rendimento doméstico para o período de transição de 1 Julho a 31 Dezembro 2007 está estimado ser $17.0 milhões. Rendimento doméstico para 2008 está previsto ser $27.0 milhões. Este número incorpora as reformas prescritas do sistema de impostos domésticos de Timor-Leste que reduzirá os rendimentos de impostos domésticos em aproximadamente 50%. Em 2008 o Governo introduzirá reformas do sistema de taxação de Timor-Leste que levará a melhorar a competitividade de Timor-Leste na região. Alguns breves detalhes dessas reformas são dados em baixo.

Em relação ao Fundo do Petróleo o Governo quer contratar uma parte substancial da carteira de acções a gestores externos e autorizou a BPA a iniciar negociações para contratos com o Banco Mundial e o Bank for International Settlements, que são as duas gestoras não comerciais de investimentos externos mais relevantes.

O Governo está a considerar aumentar o universo de investimento e incluir outros bens de rendimentos fixos na carteira de acções. outros bens de rendimentos fixos na carteira de acções com a expectativa de mais altos retornos que os bens de rendimentos fixos do governo dos USA.

O Fundo do Petróleo está estimado chegar aos $3.116m em Dezembro 2008 subindo para $5,785.9m em Dezembro 2011.

Orçamento Geral do Estado para Timor-Leste

O Orçamento de 2008 é o primeiro orçamento anual de ano inteiro do IV Governo Constitucional . O Orçamento do Estado de 2008 foi feito para dar uma contribuição mais substancial para resolver as questões subjacentes à pobreza nacional ao mesmo tempo que introduz um processo de reforma da administração pública e que desenvolve um novo plano nacional. O Governo continuará a focar a assegurar forte crescimento económico como um motor chave da política para reduzir a pobreza nacional. O Governo manterá grandes níveis de gastos públicos e melhorará a execução orçamental para criar um ambiente que apoie o crescimento e o investimento do sector privado – apoiando o emprego e a criação de postos de trabalho. O Orçamento do Estado 2008 focar-se-à ainda em melhorar as provisões de serviços críticos e o apoio aos veteranos e grupos vulneráveis. Apoiará o re-estabelecimento da segurança através do país e aumentará as provisões de serviços para as comunidades nas áreas de:

• saúde;• educação;• alargamento e apoio à agricultura;• segurança social ; e• desenvolvimento dos recursos humanos.

O Orçamento de Estado para 2008 é de $347.8m, um aumento de 8.1% dos números do orçamento anual de transição. Os gastos futoros no Gráfico 2.5 mostra uma queda nos gastos, essas estimativas contudo mostram apenas a actividades concretas que o Governo planeou e não incluem verbas para gastos previsíveis.


O total dos salários em 2008 incluem os subsídios aos funcionários públicos que foi introduzido no Orçamento do Estado depois da crise de 2006 e mantidos no Orçamento Transitório de 2007. Anteriormente, o subsídio aos funcionários públicos estava incluído na categoria de Bens e Serviços. A troca (de local) do subsídio é responsável pela maioria das mudanças. Os salários do pessoal experimentou apenas aumentos menores.

Como parte do processo da reforma administrativa, o Governo desenvolverá um regime de carreiras para a administração pública para implementação em 2008 que promoverá eficiência e dará oportunidedes para progressão e desenvolvimento das carreiras.

Bens e Serviços

Como parte do seu comprometimento para a transparencia e responsabilização das finanças do Governo, todos os Órgãos do Estado visam assegurar que os fundos sejam gastos estrategicamente, transparentemente e de modo eficiente. Os Órgãos do Estado serão auditados regularmente e farão relatórios financeiros e de informação mais prontamente disponíveis.

Em linha com a abordagem primeiramente adoptada com o Orçamento Provisório, onde há uma opção para aumentar a eficiência, funções administrativas para actividades como pagamento de rendas, bens e custos de viagem foram centralizados dentro de cada Ministério. Despesas significativas de todo o Governo como provisões de gasóleo, inscrições internacionais e viagens ao exterior continuam centralizadas nos fundos gerais do Governo geridos pelo Ministério das Finanças. O subsídio do serviço público deixa de estar incluído na categoria de Bens e Serviços.

Transferências Públicas

As Transferências Públicas são um método excelentes para dirigir o financiamento para áreas da população em maiores necessidades de apoio. Em 2008, o Governo administrará programas de transferências no valor de $63.9m para dar pagamentos para benefícios pessoais a Veteranos bem como para os idosos fracos e em situação de desvantagem na comunidade. O Governo administrará também programas de transferência que farão doações públicas para a Igreja, ONG's e grupos da sociedade civil que implementarão programas e prestarão serviços à população em áreas tais como educação, desporto, formação e investigação. Algumas das actividades maiores incluem:

• Assistência a Grupos Religiosos e da Sociedade Civil;• Apoio aos Deslocados;• Resolução da Situação dos Peticionários;• A Secretaria de Estado para Juventude e Desportos;• Fundo de Desenvolvimento de Arte Juvenil;• Fundo de Desenvolvimento do Desporto Juvenil• A Secretaria de Estado da Política de Energia;•Fundo de Energias Alternativas;• Apoio para outra Formação Profissional;• Projecto Piloto para Emprego da Comunidade;• Pensões para Veteranos;• Pensões para antigos Portadores de Cargos Públicos;• Programa de Bolsas de Estudo;

Transferências para Administração do Território• Fundos de apoio a Cooperativas• Fundos de apoio ao desenvolvimento rural • Apoio aos Idosos• Apoio a Desastres Nacionais• Fundo de Desenvolvimento de Agricultura Comunitária• Apoio a Partidos Políticos

Dspesas de Capital

O Governo está consciente das dificuldades com as despesas desta categoria. Em resultado disso o programa de Capital e Desenvolvimento para 2008 é um plano modesto mas realista que levará a melhorar infraestruturas e a mais oportunidades de emprego. A despesa de Capital em 2006-07 foi de $11.6 milhões, o Governo espera executar a maioria de $68.0m que tem estado orçamentado e executar o transportado de2006-07 e anos anteriores.


Charles ScheinerLa'o Hamutuk (The Timor-Leste Institute for Reconstruction Monitoring and Analysis) P.O. Box 340, Dili, Timor-Leste (East Timor)Telephone: +670-3325013 or +670-734-0965 mobile
email: cscheiner@igc.org website: http://www.laohamutuk.org skype: cscheiner

Sem palavras!

Blog Olhó lafaek!...
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008
Sem palavras!

Porque é que as seguintes figuras retiradas de um álbum do Astérix me fazem lembrar Timor Leste? :-)

Publicada por Euzinho

Ó pá!... Não se preocupe com isso!...

Blog Olhó lafaek!...
Sábado, 23 de Fevereiro de 2008

Ó pá!... Não se preocupe com isso!...

Segundo notícia recente a Irlanda desmentiu que o seu ministro dos negócios estrangeiros tenha sugerido que o país poderia aceitar a imigração de "peticionários" timorenses como forma de ajudar à resolução do conflito interno.Assim e ao contrário do que foi dito antes, "Dermot Ahern deixou claro em Dili que isso [a emigração para a Irlanda] não seria boa opção, porque provocaria um 'um êxodo de cérebros' de Timor Leste' ".

Boa tentativa de justificação, meu caro. Só que para isso você tem de demonstrar primeiro que eles têm cérebro ou, pelo menos, que o que têm não é do tipo "dois neurónios: Tico e Teco" --- em que só trabalha um de cada vez...

Vá lá! Já há já tantos timorenses na Irlanda que mais uns 100-200 não faz muita diferença. E não se preocupe com o cérebro deles... Desses tem Timor muitos --- até tem demais...

Publicada por Euzinho

Impagável!... Melhor é impossível!...

Blog Olhó lafaek!...

Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2008
Impagável!... Melhor é impossível!...
De notícia da LUSA:

"Os dois elementos da UNPol foram informados por um dos guardas timorenses que os homens armados na encosta queriam saber quantas metralhadoras tinham com eles, ao que lhes foi respondido que possuíam apenas uma."

Impagáveis, estes seguranças da casa do PM!... Quando for grande quero-os para meus seguranças!
Se tivessem duas metralhadoras de certeza que perguntavam aos atacantes se tinham alguma coisa para a troca. Talvez um ou dois galos de briga!... Ou um jerrycan de tuaca!
E será que terminaram a resposta pedindo desculpa? E os atacantes terão dito "obrigadu barak"? Provavelmente não. Há gente com muita falta de educação!...

Ai que não posso rir mais!...
Publicada por Euzinho

Vingança contra Xanana motivou ataque a Ramos-Horta - tenente Salsinha

Lisboa, 23 Fev (Lusa) - Um encontro do primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, com peticionários (desertores do exército), esteve na origem dos ataques de 11 de Fevereiro ao Presidente José Ramos-Horta, revela hoje ao semanário Expresso Gastão Salsinha, novo líder dos rebeldes.

O tenente Gastão Salsinha, substituto do falecido major Alfredo Reinado no comando dos rebeldes, declarou ao jornal que, segundo informadores, Xanana Gusmão se teria reunido nas suas costas com peticionários, na capital, depois de Ramos-Horta tentar um acordo em Maubisse.

Salsinha afirmou desconhecer a intenção de Reinado quando se dirigiu fortemente armado a casa do Presidente da República, em Metihau.

De acordo com a mesma fonte, “o ataque que se seguiu (…) - em Balibar -, ao carro do primeiro-ministro, foi uma reacção emocional”.

“Sabíamos que Reinado estava morto. Os homens ficaram zangados e dispararam (…)”, adiantou, rematando: “Se tivéssemos intenção de matar, não tínhamos atirado aos pneus. Foi um aviso”.

A reunião do primeiro-ministro, Xanana Gusmão, com peticionários, visando a sua reintegração nas Forças de Defesa de Timor-Leste (FDTL) ou, em alternativa, o regresso à vida civil, ocorreu no passado dia 07, em Dili, enquanto a tentativa de acordo de Ramos-Horta foi feita a 13 de Janeiro, precisa o jornal.

O Expresso conclui que, segundo Salsinha, mais de uma centena de homens estarão com os rebeldes, escondidos algures na ilha.


Não foi Gastão Salsinha que se entregou em Ermera

Ainda sem confirmação: Gastão Salsinha entregou-se hoje em Ermera

Segundo nossas fontes em Ermera, Gastão Salsinha e o seu grupo entregaram-se aos operacionais das FDTL/PNTL.

Salsinha assume "ataque" a Xanana Gusmão. "Foi só um aviso"

Gastão Salsinha assume que o seu grupo disparou contra os pneus do carro do Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, e afirma que a intenção não era matá-lo.

"Salsinha acrescenta que o ataque que se seguiu, meia hora mais tarde, em Balibar, ao carro do primeiro-ministro foi uma reacção emocional. "Sabíamos que Alfredo estava morto. Os homens ficaram zangados e dispararam contra o carro de Xanana. Se tivéssemos intenção de matar, não tínhamos atirado aos pneus. Foi um aviso". "

Portanto cai por terra a teoria do golpe de Estado e tentativa de rapto.

Quanto às palavras de Xanana, "estive sob fogo pesado", é caso para dizer, "pesado, mas baixinho...".

Continua por esclarecer o que foi fazer Alfredo Reinado a casa de Ramos-Horta...

Autor dos ataques explica-se ao Expresso

23:00 Sexta-feira, 22 de Fev de 2008
Micael Pereira

Encontro de Xanana dias antes com peticionários motivou ataque do grupo de Alfredo Reinado. Tenente Salsinha diz que tem mais de 100 homens com ele.

O tenente Salsinha (à dir.) com o major Reinado, em 2007

O sucessor do major Reinado à frente dos rebeldes em Timor revelou ao Expresso que um encontro recente do primeiro-ministro, Xanana Gusmão, com peticionários esteve na origem dos ataques que quase mataram o Presidente Ramos-Horta, no dia 11 de Fevereiro.

"Soubemos por informadores que Xanana reuniu nas nossas costas com o major Tara e com outros peticionários (desertores do exército) em Díli, depois de Ramos-Horta ter um encontro, a 13 de Janeiro, em Maubisse, com o major Reinado e comigo para chegarmos a um acordo", conta o tenente Gastão Salsinha. "Como é que fazem uma coisa pela frente e outra coisa por trás?"

O tenente que assumiu o comando do grupo de rebeldes, depois de Alfredo Reinado ter sido morto no atentado a Ramos-Horta, diz desconhecer no entanto a intenção exacta do major ao ir fortemente armado a casa do Presidente em Metihau. "Às 21 horas de domingo (dia 10), ele disse-me: amanhã vamos a Díli, preparem-se".

Salsinha acrescenta que o ataque que se seguiu, meia hora mais tarde, em Balibar, ao carro do primeiro-ministro foi uma reacção emocional. "Sabíamos que Alfredo estava morto. Os homens ficaram zangados e dispararam contra o carro de Xanana. Se tivéssemos intenção de matar, não tínhamos atirado aos pneus. Foi um aviso".

A reunião a que se refere Salsinha entre Xanana e os peticionários aconteceu quatro dias antes dos atentados, a 7 de Fevereiro, estando presentes os majores Tara e Tilman, oficiais que a partir da crise de 2006 tinham passado a obedecer a Reinado, juntamente com 600 militares (os peticionários) que haviam abandonado os quartéis para protestar contra a discriminação de que diziam ser alvo por serem de distritos ocidentais (loromonos).

Xanana apareceu no dia 7 num armazém, em Díli, perante Tara e Tilman e mais 70 peticionários para iniciarem um programa de reintegração nas Forças de Defesa de Timor-Leste (FDTL) ou, em alternativa, de reingresso na vida civil. O primeiro-ministro dera a todos os desertores um prazo de duas semanas para comparecerem (que terminaria agora), ao fim do qual não aceitaria de volta mais ninguém. Contactado pelo Expresso, o major Tilman recusou falar desse encontro com o primeiro-ministro.

De acordo com Salsinha, a atitude de Xanana foi considerada como uma afronta muito séria, agravada pelo facto de o actual primeiro-ministro aceitar no lote de reintegrados oficiais que não faziam parte do núcleo original de 594 signatários da petição enviada em Janeiro de 2006 ao presidente da República (na altura, Xanana Gusmão) sobre a descriminação no exército, ao mesmo tempo que excluía abertamente do processo Alfredo Reinado por - precisamente - não ser um desses signatários. "Mas o major Tara, o major Tilman, o primeiro-sargento Leão Tino, o segundo-sargento Deluli, o alferes Barbosa, que não assinaram a petição, estão acantonados com os peticionários. Como é que isso é possível?"

A medida ameaçava isolar em definitivo o rebelde e as duas dezenas de homens armados que desde Agosto de 2006 têm andado a monte, desde que fugiram da prisão de Becora, já que o universo de 600 peticionários era reclamado pelo major como a sua causa de luta e também com a sua base principal de apoio. Com eles reintegrados, a posição de Reinado perderia qualquer sentido.

O gesto de Xanana parece ter sido a gota de água numa crispação - admitida pelo tenente Salsinha ao Expresso - que vinha em crescendo desde Novembro do ano passado, quando o primeiro-ministro promovera um primeiro encontro em Ailéu, a duas horas de Díli, com Tilman, Tara e mais 20 peticionários que resolveram responder ao convite.

Como sinal de protesto desse primeiro encontro, Reinado chegou a organizar uma parada militar em Ermera com centenas de peticionários, numa clara manifestação de força, mantendo no entanto as conversações abertas com Ramos-Horta, ao reunir-se com o presidente a 13 de Dezembro, um mês antes da derradeira conversa em Maubisse.

A própria relação com Ramos-Horta já tinha sofrido vários revezes, sobretudo desde Julho de 2007, logo depois das eleições presidenciais e legislativas. Numa entrevista ao Expresso, Reinado acusava o presidente então recém-eleito de estar a fazer um jogo duplo, argumentando que ele e o procurador-geral da República Longuinhos Monteiro tinham tido encontros recentes sem o seu conhecimento. "Não sei porque é que o líder desta nação e o procurador-geral vieram ter com alguns dos meus homens. Vieram persuadir os meus soldados. Que credibilidade têm como líderes?" O major dava sinais do seu estado de espírito. "Eles estão a tentar que os meus homens me traiam. Querem separar-me deles e dos peticionários, porque têm medo de enfrentar a verdade".

Sem querer revelar a sua localização, o tenente Gastão Salsinha diz que tem junto com ele mais de 100 homens, a maioria deles armados apenas com armas brancas. "E há mais 400 peticionários do nosso lado, espalhados pelo país", avisa o novo líder rebelde, garantindo que não se vai entregar, duas semanas após os atentados a Xanana e Ramos-Horta e mesmo sabendo que os antigos colegas das Forças de Defesa de Timor-Leste estão envolvidos nas operações de captura. "Nós não queremos guerra, queremos justiça. Se o povo nos disser para nos entregarmos, nós entregamo-nos". Mas, para Salsinha, não é isso o que diz o povo.

A mulher-sombra de Reinado

Entretanto, o Expresso soube que Angie, Ângela ou Angelita Pires, uma timorense de nacionalidade australiana que se encontra em prisão domiciliária por suspeita de cumplicidade com o major Reinado, foi quem provocou a zanga entre o líder rebelde e o antigo deputado Leandro Isaac, que chegou a estar escondido no mato com ele e os seus homens em 2007. "Ela ofereceu-se como assessora política e jurídica do major e aconselhou-o a manter as armas, ao contrário das minhas recomendações". Segundo Isaac, Ângela, que trabalhou até muito recentemente para a AusAid australiana, costumava levar entregas de dinheiro para Reinado, na montanha, a partir de Díli, onde havia angariadores a colaborar com os rebeldes. O Ministério Público requereu esta semana o acesso às contas bancárias da suspeita.

Irlanda nega disponibilidade para acolher "peticionários"

Dili, 23 Fev (Lusa) - A Irlanda desmentiu ter-se oferecido para acolher soldados rebeldes timorenses para ajudar a resolver a crise em Timor-Leste, indicou hoje um porta-voz da embaixada da Irlanda em Singapura.

Fernando "La Sama" de Araújo, que substitui temporariamente o presidente José Ramos-Horta, ferido a tiro com gravidade e internado num hospital da Austrália, informara quinta-feira que esta oferta lhe fora feita pelo ministro dos Negócios Estrangeiros irlandês, Dermot Ahern, em visita a Díli.

Segundo "La Sama", a Irlanda estaria disponível para acolher os soldados amotinados que "quisessem começar uma vida nova, por exemplo no sector privado".

De acordo com o porta-voz da embaixada da Irlanda, Dermot Ahern deixou claro em Dili que isso não seria boa opção, porque provocaria um 'um êxodo de cérebros' de Timor Leste".

O exército foi abalado por uma cisão em 2006, quando parte dos seus efectivos (os "peticionários", em número de cerca de 600 homens), se consideraram vítimas de discriminações e desertou.

A reintegração na sociedade destes militares amotinados constitui hoje um problema, enquanto que um "núcleo duro" destes soldados continua a monte e é acusado de desestabilizar a jovem nação.

Timor-Leste faz parte de um grupo de nove países prioritários aos quais Dublin presta assistência.

Desde a vaga de violência de Junho de 2006, polícias e soldados estrangeiros (principalmente australianos e portugueses), sob mandato das Nações Unidas, asseguram a segurança em Timor-Leste.

Isso não impediu o duplo ataque do passado dia 11 visando o primeiro-ministro, Xanana Gusmão (que escapou aos tiros) e o presidente José Ramos-Horta, seriamente ferido e transferido para um hospital australiano.


Ramos-Horta "a recuperar muito bem"

Díli, 23 Fev (Lusa) - O Presidente da República de Timor-Leste, atingido a tiro a 11 de Fevereiro num ataque à sua residência, "está a recuperar muito bem e já comeu alimentos sólidos", afirmou hoje João Carrascalão, cunhado de José Ramos-Horta, à Agência Lusa.

João Carrascalão, que visitou o chefe de Estado timorense no Royal Hospital de Darwin, Austrália, afirmou que "o Presidente está a recuperar muito bem, embora se sinta muito cansado porque não consegue dormir".

Segundo João Carrascalão, o chefe de Estado timorense "está muito bem disposto e mantém-se acordado porque recusou tomar comprimidos para dormir".

José Ramos-Horta, atingido a tiro num ataque à sua residência em Díli, a 11 de Fevereiro, está a recuperar de várias intervenções cirúrgicas a que foi submetido em Díli e em Darwin.

Hoje, o chefe de Estado timorense "já comeu alimentos sólidos, comida normal, pela sua própria mão", contou João Carrascalão a partir de Darwin.

"O Presidente continua a receber oxigénio mas já respira pelos seus próprios meios" explicou também João Carrascalão.

Arsénio Horta, irmão do Presidente da República, regressou sexta-feira a Timor-Leste e anunciou também a "recuperação rápida" de José Ramos-Horta.

"Tem falado imenso com os familiares e está de bom humor, contando anedotas", afirmou Arsénio Horta à Lusa, em Díli.

"Quando acordou e perguntou por mim, eu não estava na altura junto dele e ele comentou logo: 'O Arsénio já aproveitou para festejar'".

Arsénio Horta manifestou a convicção de que o Presidente da República "não mudará as suas convicções nem a sua postura por ter sofrido este ataque".

"O José sempre foi um homem muito firme e teimoso nas suas convicções. Sempre foi um homem de diálogo e penso que não vai mudar isso", afirmou Arsénio Horta à Lusa.



Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2008

Malai Azul e equipa do Timor Lorosae Nação já treinam


Não foi uma fonte, nem nenhum daqueles chafariz que abundavam em Lisboa mas que agora já não se vêem, foi sim um amigo meu, que tem um amigo, amigo de alguém próximo ao PM timorense que lhe confidenciou que estão a ser preparados instauro de processos contra publicações online que alegadamente têm difamado o senhor Xanana Gusmão.

O amigo, do amigo, do amigo, do meu amigo, acrescentou que serão em número de quatro os processados e que o Timor Online, bem como o Timor Lorosae Nação, dois blogues de opinião e informação sobre Timor-Leste, estão certamente incluídos, faltando saber quais os outros.

“Esses serão de certeza” (o TO e o TLN), foi aquilo que foi passando de amigo para amigo.
Com esta preciosa informação, julgo que em primeira-mão em Portugal, cumpre-se o ditado: “quem te avisa teu amigo é”!

Assim que acabe este texto estou a pensar em enviar uma cópia a ambas as publicações online, para que se cuidem, o que certamente virá a ser uma frustração para Xanana Gusmão ao concluir que houve fuga de informação, e logo para tão longe. Mas espero que compreenda a minha posição de não querer alimentar inimizades online ou na vida.

Paciência, meu amigo. Espero que o Portugal Directo não venha a ser contemplado pelas suas tão drásticas medidas contra quem quase nem é lido, quanto mais tomado a sério. Quer um blogue quer outro são feitos por descarados mal dizentes – prá ai uma dúzia - que descarregam online todas as suas frustrações, faltando-lhes capacidade para saberem avaliar quão custa estruturar um golpe de estado e conseguir manter a instabilidade conveniente aos lobys financeiros dos nossos amigos australianos e norte-americanos, entre outros – estes são os que imagino – que certamente saberá.

Longe estão eles de saber – os bloguistas desnaturados – que é preciso muita, mas mesmo muita, sabedoria para obter golpes de estado com sucesso e ainda mais sabedoria e espírito de sacrifício para manter a instabilidade sempre latente, aparecendo depois como o garante da estabilidade, tal como o padrasto que atiça os “filhos” à socapa para depois, em conversa amena e com semblante religiosamente sério, os convidar solenemente a darem as mãos e portarem-se como irmãos que se amam.

Realmente, ele há com cada injustiça… em não se dar valor a quem o tem.

É pois muito bem-feito que esses malandros sejam processados. Esses timorenses sem eira nem beira que julgam que dizendo as verdades conseguem alguma coisa. Pena é não poder despedi-los, como parece que vai acontecer por Díli a uns quantos jornalistas (os tais amigos disseram que eles vão começar a ser substituídos de fininho). Isso é que era bom, despedi-los. Ou então cortar-lhes os dedos, das mãos e dos pés e todas as outras saliências (incluindo o… nariz e a língua) que é para não poderem teclar naqueles blogues malditos.

Bem, espero que com todo este meu fraseado lhe tenha provado que o Portugal Directo não tem papas na língua, que é um blogue benfiquista, que não sou de Manatuto mas tenho uma mana Tata (de Tatiana), que não faço golpes de estado mas faço golpes na cara (quando faço o barba) e sei que são muito dolorosos, custosos e que dão uma trabalheira para sararem.

Enfim, conto com o seu crédito (em euros) a partir de hoje, para me sentir mais consolado e certo da Justeza (seja ela quem for). Já agora, também queria que me contasse em rigoroso exclusivo como é que fez esta muito-recente-última “operação Balibar, é pra rir e não pra acreditar”, e já agora a outra, a logo-logo-antes, se é que se lembra de alguma coisa - aquilo correu tão mal.

Parece que o Horta já se está a lembrar de umas coisinhas - isso era bom para fazermos um storyboard e produzirmos um filme.

Fica combinado, amiguinho.

Nota: Estive a pensar e acho que não vou avisar de nada os tais blogues. Eles que me chamem traidor, se quiserem, pfff!

Postado por Mário Motta

O futuro de um líder político

Fernando de Araújo
DN, 23/02/08


"Não haverá mais diálogo" com os rebeldes envolvidos nos ataques de 12 de Fevereiro, "tendo sido dadas instruções" às forças de segurança timorenses e internacionais para os capturarem "no espaço de um mês". O Presidente interino Fernando "Lasama" de Araújo disse-o em tom determinado num encontro com a imprensa na segunda-feira, referindo que o responsável das Forças de Defesa de Timor-Leste, brigadeiro-general Taur Matan Ruak, devia actuar sem demora.

O tom de "Lasama" de Araújo após os ataques contra o Presidente Ramos-Horta e o primeiro-ministro Xanana Gusmão não é inédito nele. Nas campanhas para as presidenciais e legislativas de 2007, Araújo cultivou tom semelhante. "O que eu digo aos meus simpatizantes" é que, após as eleições, "não haverá mais um governo de Mari Alkatiri" e "teremos de imediato uma reforma política", disse num comício em Manatuto, em finais de Março.

A previsão do líder do Partido Democrático (PD) - que obteve 77 459 votos na primeira volta das presidenciais, ficando em terceiro lugar a seguir a Francisco Guterres da Fretilin e Ramos-Horta, sendo o PD o quarto mais votado nas legislativas de Julho, com 11,65% dos votos - teve confirmação nas urnas e nos factos.

Os resultados vão determinar a passagem à oposição da Fretilin (ainda que fosse o partido mais votado), um Governo de coligação, com a presença do PD, e para Fernando de Araújo a presidência do Parlamento, cujo titular substitui o Presidente da República nos impedimentos deste. Menos de um ano após a eleição para aquele cargo, Araújo, de 46 anos, está no centro dos acontecimentos em Timor-Leste.

Tendo nascido em 1963 na região de Ainaro, no sul do território, Fernando de Araújo tinha pouco mais de 12 anos na época dos acontecimentos que vão culminar na invasão indonésia, em Dezembro de 1974. Cresceu nos "anos de chumbo" da ocupação, assistiu a todas as metamorfoses por que passou a resistência timorense - os grupos nas montanhas e as redes clandestinas nos centros populacionais; viu muitos familiares serem mortos pelas forças indonésias, lembrou-o nas campanhas de 2007.

Como muitos jovens na época, vai estudar na Indonésia, em Bali. Com o tempo, assumirá funções de liderança na Resistência Nacional dos Estudantes de Timor-Leste (Renetil); é preso e condenado a uma pena de seis anos e quatro meses a cumprir na prisão de Cipinang, um dos principais centros de detenção política na Indonésia. Aqui, segundo declarações suas, convive com o líder da resistência, Xanana Gusmão. "Foi nos anos de Cipinang que aprendi com Xanana e com outros prisioneiros políticos. A minha formação política vem de Cipinang", disse à Lusa em 2007.

Libertado em 1998, foi ainda na prisão que conheceu uma activista da Amnistia Internacional, Jacqueline Aquino Siapno, uma filipina com formação jurídica, hoje docente na Universidade de Melbourne e na Universidade da Paz, em Díli.

Autora de várias obras sobre aspectos políticos e sociais do Sudeste Asiático, Jacqueline foi alvo de críticas de Mari Alkatiri e Ramos-Horta durante a crise de 2006 pela publicação de textos na imprensa australiana contra o Executivo da Fretilin. A casa do casal foi incendiada naquela época, acusando Jacqueline "elementos do Governo e chefes militares de se esconderem atrás de civis numa tentativa de encobrirem os verdadeiros responsáveis por estes actos criminosos" e de "terem marginalizado" com "recurso à violência e intimidação" os 591 peticionários, na origem da crise, e os restantes partidos, entre os quais o PD.

Hoje, a situação sofreu uma reviravolta de 180 graus. É Araújo que surge entre os vencedores, a Fretilin, Alkatiri e o seu grupo entre os derrotados. No jogo de sombras característico da política timorense, Araújo é visto como alguém imune às clivagens entre os dirigentes da primeira geração e bom conhecedor da nova realidade timorense - resultado de 25 anos de ocupação indonésia e de uma apressada gestão da independência e construção do Estado após 1999.

Ele é dos poucos que, na presente conjuntura, não parece atingido pela radical erosão de legitimidade de que sofre a maioria dos políticos timorenses reféns de projectos ancorados numa concepção tradicional da sociedade, ainda que forçados à prática das formalidades externas de uma sociedade democrática contemporânea. Numa sociedade profundamente pobre, maioritariamente jovem, com taxas de desemprego acima dos 50%, traumatizada pela ocupação passada e pela sombra de um futuro projecto neocolonial, Fernando de Araújo pode estar no limiar de uma nova forma de estar na política em Timor-Leste.

É ousado presumi-lo, mas as suas declarações da passada segunda-feira permitem sugeri-lo.

Araújo tem agora três semanas para as ver transformadas em realidade.

Lá se foi qualquer esperança de uma investigação internacional isenta

H. Correia deixou um novo comentário na sua mensagem "UNMIT – MEDIA MONITORING - Friday, 22 February 20...":

“The FBI delegation will be working together with the Australian Federal Police"

Lá se foi qualquer esperança de uma investigação internacional isenta.

Porque é que a polícia australiana (fora do comando da ONU) vai estar envolvida na "investigação", sabendo que há suspeitas de os militares desse país estarem a interferir na vida política e na aplicação da Justiça? Isto para não falar da total ausência desses senhores no dia em que RH foi ferido. Isto não é um comportamento suspeito, que merecia investigação?

Ando com alucinações, ou li declarações de vários dirigentes timorenses que concordavam com uma investigação (verdadeiramente) internacional?


Ou me engano muito, ou esta "investigação" vai ter o mesmo destino das outras dos mortos no aeroporto, dos tanques na Areia Branca, da invasão da casa dos médicos cubanos, da humilhação do oficial da PNTL obrigado a despir-se em plena rua e de TMR, detido e revistado por um soldadinho imberbe, das prepotências em bares e operações nas ruas, etc., etc.

On Timor Leste's present situation

The Jakarta Post

Your Letter
February 23, 2008

Twenty-five years of Indonesian military occupation in East Timor left a legacy of violence that may be deeply entrenched in the society of that small country and this may take decades to disappear.

It is estimated that 4,000 were murdered by the Indonesian troops and their proxy militias in 1999 alone, before the referendum that led to the independence of East Timor, and scores more were killed in the few weeks that ensued it.

The current violence in East Timor is serious, although it can only be deemed as moderate in comparison to the situation that prevailed between 1975 and 1999.

A statement by Hasan Wirayuda (The Jakarta Post, Feb. 11) that the incident showed that "East Timor is highly volatile as there is no security guarantee for heads of state and government" somewhat sounds like provocation. Instead of showing its arrogant face, the Indonesian government should consider setting up a tribunal to try and severely condemn those responsible for the genocide of the East Timorese people (200,000 civilians killed, many of them tortured to death).

It seems unlikely that the first man responsible for those crimes, the late Soeharto, will ever be tried, but he was assisted by military officers who are still alive and may even still hold influential positions in Indonesia.

The trial of these people surely would help quench the frustrations accumulated by decades of military violence, not only in East Timor, but also within Indonesia.

The 1965-1966 killings have still not been addressed. Massive crimes in Aceh, West Papua and elsewhere across the archipelago still bear deep traumas within the people there.

The Tanjung Priok and Lampung massacres have yet to be properly investigated, and neither has been the violence against ethnic Chinese in Jakarta in 1998.

One should not rule out the eventuality that some revengeful Indonesian military officers may find interest in harming the government of East Timor.

It would be interesting to know whether the East Timorese rebels who attempted to kill Gusmao and Ramos Horta received any help from outside East Timor, and if so, whether this was connected or not to some covert operation from Indonesia (speculation, but a reasonable one in light of recent history).

Last, the current unstable situation in East Timor may help divert attention from the many serious problems Indonesia has itself to face, one year before the presidential election.

Tawangsari, Central Java


Sobre a presente situação em Timor-Leste

The Jakarta Post

A sua carta
Fevereiro 23, 2008

Vinte e cinco anos de ocupação militar da Indonésia emTimor-Leste deixou uma herança de violência que pode estar profundamente infiltrada na sociedade do pequeno país e pode levar décadas a desaparecer.

É estimado 4,000 foram assassinadas pelas tropas Indonésias e suas milícias próximas apenas em 1999, antes do referendo que levou à independência de Timor-Leste, e muitos mais foram mortos nas semanas que se seguiram.

A violência corrente em Timor-Leste é séria, apesar de poder parecer moderada em comparação com a situação que prevaleceu entre 1975 e 1999.

Uma declaração por Hasan Wirayuda (The Jakarta Post, Fev. 11) que o incidente mostrava que "Timor-Leste é altamente volátil e que não tem garantida a segurança para os chefes do Estado e governo" de certo modo soa a provocação. Em vez de mostrar a sua face arrogante, o governo Indonésio devia considerar levar a tribunal para julgar e condenar com severidade os responsáveis pelo genocídio do povoTimorense (200,000 civis mortos, muitos deles torturados até à morte).

Parece improvável que o primeiro homem responsável por esses crimes, o falecido Soeharto, seja alguma vez julgado, mas ele foi assistido por oficiais militares que estão ainda vivos e podem estar ainda em posições influentes na Indonésia.

O julgamento dessas pessoas ajudaria com certeza a acalmar as frustrações acumuladas por décadas de violência militar, não apenas em Timor-Leste, mas também dentro da Indonésia.

Os assassínios de 1965-1966 não foram ainda escrutinados. Crimes massivos em Aceh, Oeste Papua e noutros sítios através do arquipélago causam ainda traumas profundos às pessoas de lá.

Os massacres de Tanjung Priok e Lampung não foram ainda adequadamente investigados e também não o foi a violência contra os de etnia Chinesa em Jacarta em 1998.

Não se devia rejeitar a eventualidade de alguns oficiais militares vingativos Indonésios poderem ter interesse em prejudicar o governo de Timor-Leste.

Seria interessante saber se os amotinados Timorenses que tentaram matar Gusmão e Ramos Horta receberam alguma ajuda de fora de Timor-Leste, e se sim, se isso esteve ou não conectado com alguma operação encoberta da Indonésia (especulação, mas uma razoável à luz da história recente).

Por fim, a situação corrente instável em Timor-Leste pode ajudar a distrair a atenção dos muitos problemas sérias que a própria Indonésia tem a enfrentar, um ano antes da eleição presidencial .

Tawangsari, Central Java

Ireland says no offer to take in sacked ETimor soldiers

2 hours ago

DILI (AFP) — Ireland did not make an offer to East Timor to resettle any of its 600 sacked soldiers, whose desertions in 2006 triggered deadly unrest, a spokeswoman from the Irish embassy in Singapore said.

East Timor's acting president Fernando de Araujo said after meeting Ireland's Foreign Minister Dermot Ahern last Thursday that the country was willing to take in some of the so-called petitioners for two to three years.

The sacked soldiers have failed to reach a settlement with the East Timorese government over their case.

But the embassy spokeswoman said she had consulted the Irish foreign ministry's press office, "who advised that during the meeting Acting President de Araujo raised the issue of temporary resettlement to Ireland of soldiers.

"Minister Ahern stated that this would not be an option as it would lead to a 'brain drain' from Timor Leste," she added, referring to East Timor by its official name.

The soldiers, who comprised about one-third of the armed forces, deserted complaining they were being discriminated against as they were from the nation's western districts.

The government of then-premier Mari Alkatiri dismissed them, laying the groundwork for bloody unrest between military and police factions, as well as youth gangs, that left 37 dead and forced 150,000 to flee their homes.

At least 17 rebels, believed to be among a hardcore group of 20 to 30, are currently being hunted over assassination attempts on the president and prime minister on February 11.


Irlanda diz que não ofereceu receber os amotinados de Timor-Leste

2 horas atrás

DILI (AFP) — A Irlanda não se ofereceu para receber nenhum dos 600 amotinados cuja deserção em 2006 desencadeou o desassossego mortal, disse uma porta-voz da embaixada Irlandesa em Singapura.

O presidente interino de Timor-Leste, Fernando de Araujo disse depois de se encontrar com o Ministro dos Estrangeiros da Irlanda Dermot Ahern na Quinta-feira passada que o país estava disponível para receber aoguns dos chamados peticionários durante dois ou três anos.

Os soldados despedidos falharam chegar a um acordo com o governo Timorense sobre o seu caso.

Mas a porta-voz da embaixada disse que tinha consultado o gabinete de imprensa do Ministério dos Estrangeiros Irlandês, "que informou que durante o encontro o Presidente interino de Araujo levantou a questão de colocação temporária na Irlanda dos soldados”.

"O Ministro Ahern afirmou que isso não era uma opção porque levaria a uma 'saída de crâneos' de Timor-Leste," acrescentou.

Os soldados que incluem cerca de um terço das forças armadas, desertaram queixando-se que estavam a ser discriminados por serem dos distritos do oeste.

O governo do então primeiro-ministro Mari Alkatiri despediu-os, abrindo caminho para desassossego mortal entre facções militares e policias, bem como a gangues de jovens, que deixaram 37 mortos e forçaram 150,000 a fugir das suas casas.

Pelo menos 17 amotinados, que se acredita estarem entre um grupo central de 20 a 30, correntemente estão a ser perseguidos sobre as tentativas de assassínio ao presidente e primeiro-ministro em 11 Fevereiro.


Rejeitamos comentários exaustivamente repetidos em todos os posts.

Atentado ou tentativa de Golpe de Estado?

Jornal Digital
Timor: Enigmas em torno do atentado a Ramos-Horta

2008-02-22 13:26:31

Díli – A 11 de Fevereiro o presidente timorense, Ramos-Horta, é baleado na sua residência na periferia de Díli. Na acção é abatido pelas forças de segurança o Major Alfredo Reinaldo, presumível estratega da operação. Quase em simultâneo, uma acção similar tenta, supostamente, eliminar o primeiro ministro, Xanana Gusmão. Uma dupla operação envolta de inúmeros enigmas.

Fonte da PNN próxima da Fretilin, que por motivos de segurança pediu anonimato, afirmou que a acção de Alfredo Reinaldo contra Ramos-Horta não tem credibilidade, nem lógica, dado que o presidente timorense estava em contacto directo, e mantinha boas relações, com Reinaldo e defendia a abertura oficial de diálogo com o intuito de pôr um termo ao diferendo. Vários compromissos teriam sido estabelecidos entre os dois em Dezembro de 2007, com o objectivo de serem aplicados no início de 2008. Situação abortada com os acontecimentos do 11 de Fevereiro.

A mesma fonte acredita que as reais razões de eliminar o presidente podem estar assentes também na intenção de Ramos-Horta convocar eleições legislativas, e presidenciais, antecipadas em 2009. A mesma fonte sustenta que Alfredo Reinaldo poderá ter sido apenas «um bode expiatório» de lutas internas emergentes nos círculos políticos, daí a complexidade de se conseguir criar uma comissão de inquérito «realmente independente»

A acção contra Ramos-Horta é encarada por alguns políticos timorenses como uma tentativa de «golpe de Estado camuflado». «Para mim, havia uma tentativa de decepar a liderança deste país» considera a fonte da PNN. «Há gente cá dentro», que se aproveita das crises para projectar as suas «ambições pessoais de chegar ao poder e governar este país», um factor que se tornou num motor de instabilidade, considerou a mesma fonte.

Mais de 10 dias após o atentado contra o presidente timorense Ramos-Horta nenhuma dúvida e suspeita foi esclarecida. A autoria do ataque foi imediatamente atribuída ao Major Alfredo Reinaldo que é abatido durante a acção.

No entanto várias dúvidas persistem levando a Fretilin a exigir uma comissão de inquérito independente e preferencialmente composta por nações que não estejam representadas nas forças militares internacionais presentes em Timor-Leste.

Uma posição que levanta ainda mais suspeitas sobre os reais objectivos da acção contra o presidente, e que pode pôr em causa a real intenção do presumível estratega da operação, Alfredo Reinaldo.

A chegada de agentes do FBI a Timor foi interpretada, pela mesma fonte, como um meio do Governo «entreter o povo com uma investigação encabeçada por uma polícia internacional reputada cinematograficamente».


Alfredo Reinaldo e os seus homens chegaram de carro à residência pessoal de Ramos-Horta sem encontrarem obstáculos e no momento em que nenhuma força internacional estava presente no local.

Com a chegada do comando a segurança presidencial abre fogo eliminando Alfredo Reinaldo e Leopoldo. Assim, quando Ramos-Horta é atingido o estratega da operação já estaria morto.

Tardiamente a ONU avança com uma segunda tese, na qual aponta que Reinaldo teria sido abatido após Ramos-Horta ser atingido.

Ferido, é Ramos-Horta que pede auxílio através do seu telemóvel, sendo socorrido apenas meia hora depois do ataque.

Apesar da importante presença militar estrangeira em Timor-Leste, militares e polícia da ONU, GNR, 1200 militares australianos além das forças de defesa timorenses, todos os operacionais da acção conseguiram «desaparecer» sem deixar rasto.

A mesma situação é repetida com o comando do tenente Gastão Salsinha que supostamente atacou o primeiro ministro, Xanana Gusmão, que sai ileso do atentado. Uma acção que Mari Alkatiri, secretário geral da Fretilin, qualificou à PNN como uma «má ficção».

Após o executivo timorense ter decidido suspender as acções militares para a captura de Gastão Salsinha na região de Ermera, e hoje o brigadeiro-general Taur Matan Ruak anunciar o reinicio da mesma operação, a PNN soube que as forças militares australianas já foram reforçadas na mesma região e prosseguem as acções para localização Salsinha e do seu grupo.

As expectativas concentram-se agora em saber se Salsinha será capturado vivo ou morto. Neste segundo cenário, seria eliminada uma testemunha vital dos atentados que, eventualmente, revelaria contornos incómodos da operação de 11 de Fevereiro.

Rui Neumann


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.