terça-feira, março 11, 2008

Top Authorities of East Timor Bid Farewell to Cuban Medical Brigade

Cuban News Agency

Havana, March 11 (acn) The top authorities of East Timor bid farewell on Monday to a 177-member Cuban medical brigade that concluded their cooperation mission there.

The official farewell ceremony was held in Dili, the country’s capital, and it was attended by acting President Fernando Lasama de Araujo and by Deputy Prime Minister Jose L. Guterres.

Also present were the ministers of Foreign Business, Zacarias da Silva, and Health, Nelson Martins, as well as the Cuban Ambassador to East Timor Ramon Hernandez Vazquez.

This group of Cuban doctors, nurses and technicians that worked in East Timor for two years will arrive on the island next Thursday. They will be replaced by another Cuban contingent who will join those who stayed there to complete the island’s medical brigade in East Timor that will now have 237 members.

According to Granma news daily, there are also 35 Cuban teachers carrying out a literacy campaign in the Asian country where more than 3.500 people have already learned to read and write thanks to the work of the island’s specialists there.


Autoridades de topo de Timor-Leste despedem-se da Brigada Médica Cubana

Agência de Notícias Cubanas

Havana, Março 11 (anc) as autoridades de topo de Timor-Leste despediram-se na Segunda-feira dos 177 membros da brigada médica Cubana que concluiram a sua missão de cooperação lá.

A cerimónia oficial de adeus realizou-se em Dili, a capital do país, e nela esteve presente o Presidente Interino Fernando Lasama de Araújo e o Vice-Primeiro-Ministro José L. Guterres.

Presentes também estiveram os ministros dos Negócios Estrangeiros, Zacarias da Silva, e da Saúde, Nelson Martins, bem como o Embaixador Cubano em Timor-Leste Ramon Hernandez Vazquez.

Este grupo de médicos, enfermeiros e técnicos Cubanos que trabalharam em Timor-Leste durante dois anos chegam à ilha na próxima Quinta-feira. Serão substituídos por um outro contingente Cubano que se juntará aos que lá ficaram para completarem a brigada médica da ilha em Timor-Leste que terá agora 237 membros.

De acordo com o jornal diário Granma, há ainda 35 professores Cubanos a desenvolver uma campanha de alfabetização no país Asiático onde mais de 3.500 pessoas já aprenderam a ler e a escrever graças ao trabalho dos especialistas lá na ilha.

UNMIT – MEDIA MONITORING - Tuesday, 11 March 2008

"UNMIT assumes no responsibility for the accuracy of the articles or for the accuracy of their translations. The selection of the articles and their content do not indicate support or endorsement by UNMIT express or implied whatsoever. UNMIT shall not be responsible for any conseque6nce resulting from the publication of, or from the reliance on, such articles and translations."

National Media Reports

TVTL News Coverage

PM: Surrender only option for Salsinha : In relation to Salsinha’s statement that he would only surrender to PR Ramos-Horta, the Prime Minister has reiterated the Government’s ultimatum that Salsinha must surrender to the Government. PM Xanana said that the F-FDTL/PNTL Joint Operation is continuing because of Salsinha’s refusal to surrender. “If he wrote that he will not submit himself, the operation will continue. The problem is that he needs to act on the demands of the Government, not wait for the President,” said PM Xanana on his arrival from Darwin, Australia on Monday (10/3) in Comoro Airport, Dili.

RTL News Coverage

No option for Salsinha if Govt ultimatum ignored: The General-Prosecutor of the Republic Longuinhos Monteiro said that he will no longer act as a facilitator for Salsinha and his thirty one members as the deadline for them to surrender ends this afternoon. Mr. Monteiro said that as agreed by Salsinha himself, he was supposed to surrender on Monday (10/03), but his letter stated that he would only surrender once PR Jose Ramos-Horta returns to Timor-Leste. Mr. Monteiro also said that he has made every effort to encourage Salsinha and his group to surrender in a peaceful manner, but the final responsibility falls on Salsinha.

The F-FDTL/PNTL Joint Operation reaches Salsinha’s stronghold in Ermera: The Deputy Commander of the F-FDTL/PNTL Joint Operation, Filomeno Paixão, said that the Joint Operation is about to reach the place where Salsinha and his group are located. “We know all of his [Salsinha] movements. The Joint Operation is in Ermera now and occupies thirty strategic points,” said Lieutenant Colonel Paixão at a press conference held in the F-FDTL/PNTL Joint Operation HQ in Farol, Dili. Lieutenant Colonel Paixão also said that the F-FDTL/PNTL Joint Operation is aiming to pressure Salsinha and his group to surrender to them.

PM: Surrender only option for Salsinha: In relation to the Salsinha’s statement that he would only surrender to PR Ramos-Horta, the Prime Minister has reiterated the Government’s ultimatum that Salsinha must surrender to the Government. PM Xanana said that the F-FDTL/PNTL Joint Operation is continuing because of Salsinha’s refusal to surrender. “If he indeed wrote that he will not submit himself, the operation will continue. The problem is that he needs to act on the demands of the Government, not wait for the President,” said PM Xanana on his arrival from Darwin, Australia on Monday (10/3) in Comoro Airport, Dili.

SRSG welcomes IICI: The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) for Timor-Leste, Atul Khare, has appealed to Salsinha and his group to submit themselves peacefully to the F-FDTL/PNTL Joint Operation.

“We believe that the situation in the country continues to remain calm. Someday Salsinha and his group will submit themselves. There is no other way,” said SRSG Khare on Monday (10/3) after his weekly meeting with Acting President of the Republic Fernando ‘Lasama’ de Araujo in Palacio das Cinzas Caicoli, Dili. Concerning the resolution of the National Parliament to establish an International Independent Commission of Inquiry for February 11, SRSG Khare said that he believed this to be a positive step.

Print Coverage

Joint Operation surrounds Salsinha and his group: The F-FDTL/PNTL Joint Operation is currently occupying thirty strategic points in Ermera and mobilizing 465 soldiers to surround the rebel group led by Salsinha.

“We know all of his [Salsinha] movements. The Joint Operation is in Ermera now and occupies thirty strategic points,” said the Deputy Commander of the Joint Operation, Lieutenant Colonel Filomeno Paixão at a press conference held in the Joint Operation HQ in Farol, Dili.

The Joint Operation performs daily patrols and collaborates with the International Stabilization Forces (ISF) on operational tactics. The Joint Operation is continuing to appeal to Salsinha and his group to avoid violence and to respect the negotiations he has had with the General Prosecutor. (STL)

Salsinha to surrender to PR Horta: The rebel leader, Gastao Salsinha stated that he will surrender himself only upon the return of PR Ramos Horta to Timor-Leste. Salsinha directly gave his statement to the General Prosecutor, Longuinhos Monteiro, through a letter sent to Mr. Monteiro on Sunday (9/3). “I don’t know why Salsinha doesn’t want to surrender and decided to cancel his planned submission,” said Mr. Monteiro on Monday (10/3) in Caicoli. Mr. Monteiro said that if Salsinha did not surrender, then he should face the consequences of his decision. “After Monday, the problem is not mine. This problem will belong to the military,” said Mr. Monteiro. (STL)

Carrascalao: Xanana leads without discrimination: The President of the Social Democratic Party (PSD) Mario Viegas Carrascalao said that the Alliance Majority in Parliament’s Government, under the leadership of PM Xanana Gusmao, has not discriminated against any other party and is open to members of all parties, including Fretilin. “The Xanana-led Government is one that has allowed open participation in all processes. They have not discriminated the way that Fretilin did…. It’s very different with Dr. Mari Alkatiri,” said Mr. Carrascalao on Monday (10/3) in the National Parliament, Dili. (STL)

Petitioners incredulous over Xanana’s statement: The 671 petitioners who are now gathered in Aitarak Laran, Dili, are at incredulous over the Prime Minister’s statement that the petitioners cannot re-enter the military.

Before the PM made this statement to the petitioners at Aitarak Laran, the Government had given the petitioners three options: first, to return to the military; second, to remain as civilians; and third, to be re-employed in other countries.

The Coordinator of the petitioners in Aitarak Laran, Captain Caesar Valente de Jesus, said: “In his statement, the PM may state what he likes, but the process of resolving the petitioner’s problems is continuing as it was based on the Government’s options to the petitioners,” said Captain de Jesus on Monday (10/3) in Aitarak Laran, Dili.

According to Captain de Jesus, the options offered by the Government would be considered by each petitioner to see which option was best for them.

Separately, a petitioner said that he accepts the options and is asking the Government to solve their problems as soon as possible. “Most of us accept the PM’s statement with sadness because we came here to discuss the three options. If we knew that there was no option to return to the military, many of us may not have come to Aitarak Laran,” said anonymous petitioner. (STL)

Horta: Salsinha has to surrender today: PR Jose Ramos-Horta is asking Gastao Salsinha to surrender himself to the state forces today (Tuesday) to face justice as there is no other option left. PR Ramos-Horta relayed this message during the visit of PM Xanana Gusmao in Darwin, Australia on Monday (10/3). “The President said that after the 10th (yesterday) and 11th (today), there would be no more options left [for Salsinha] and that the military operation would continue. The F-FDTL, PNTL and ISF are going to reach him … we want to show him that there is no way, and no dialogue, left for him,” said PM Xanana. (TP)

Suspects of May 25: TMR should explain: The International Prosecutor Felismino Cardoso said that the F-FDTL Commander Taur Matan Ruak needs to confirm to the state why the four F-FDTL members who were involved in the case of May 25 had not as yet been imprisoned. “We could not execute the arrest warrants issued by the Public Ministry. That’s why we trusted UNPol to arrest them, but until now, this has not happened yet. Commander TMR needs to provide an explanation as to why his members have not been imprisoned yet,” said Prosecutor Cardoso. Prosecutor Cardoso also said that the Dili District Court had last year issued an arrest warrant to UNPol to arrest the four F-FDTL members to be imprisoned. (TP)

UNPOL Commissioner Tor: UNPol welcomes Salsinha: The UN Police Commissioner in Timor-Leste, Rodolfo Tor, said that UNPol continues to welcome Salsinha and his members who have still not surrendered the F-FDTL/PNTL Joint Operation. “We also offer two officers to work with the Joint Operation in the HQ of the F-FDTL/PNTL Joint Operation in Farol, Dili.

Some are providing security to the petitioners in Aitarak Laran and also in the districts. About Salsinha, we continue to welcome them,” said Commissioner Tor. Commissioner Tor said that the security situation in Timor-Leste continues to be calm, even though some people were frightened by the F-FDTL/PNTL Joint Operation. (DN)

TMR: not surrender, face military forces: The F-FDTL/PNTL Joint Operation Commander, Brigadier General Taur Matan Ruak, said that the F-FDTL/PNTL Joint Operation does not want Salsinha’s death, but his surrender. Brigadier General TMR said that the Joint Operation is collaborating with the International Stabilization Forces to bring about Salsinha’s surrender and threatened military force if Salsinha and his group did not submit themselves voluntarily.

“We do not want him die. We will have a Joint Operation between PNTL, F-FDTL and ISF to use military forces if he does not submit himself,” said Brigadier General TMR. “Now we wait for Salsinha to cooperate,” said Commander TMR. (DN)

National News Sources:

Televizaun Timor-Leste (TVTL)
Radio Timor-Leste (RTL)
Timor Post (TP)
Suara Timor Lorosae (STL)
Diario Tempo (DT)
Diario Nacional (DN)
Semanário Nacional (SN)
Tempo Semanal (TS)


UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA - Terça-feira, 11 Março 2008

"A UNMIT não assume qualquer responsabilidade pela correcção dos artigos ou pela correcção das traduções. A selecção dos artigos e dos seus conteúdos não indicam apoio ou endosso pela UNMIT seja de forma expressa ou implícita. A UNMIT não será responsável por qualquer consequência resultante da publicação, ou da confiança em tais artigos e traduções."

Relatos dos Media Nacionais

TVTL Cobertura de Notícias

PM: Rendição é a única opção para Salsinha : Em relação à declaração de Salsinha que apenas se entregará ao PR Ramos-Horta, o Primeiro-Ministro reiterou que o ultimato do Governo que Salsinha se deve render ao Governo. O PM Xanana disse que a Operação Conjunta da F-FDTL/PNTL continua por causa da recusa de Salsinha em entregar-se. “Se ele escreveu que não se entregará, a operação continuará. O problema é que ele precisa de actuar conforme foi exigido pelo Governo, e não de esperar pelo Presidente,” disse o PM Xanana na sua chegada de Darwin, Austrália na Segunda-feira (10/3) no Aeroporto Comoro , Dili.

RTL Cobertura de Notícias

Se o ultimato for ignorado, não há nenhuma opção para Salsinha: O Procurador-Geral da República Longuinhos Monteiro disse que nunca mais vai actuar como facilitador para Salsinha e os 31 membros do seu grupo dado que termina esta tarde a data limite. O Sr. Monteiro disse que conforme foi acordado pelo próprio Salsinha, era suposto ele render-se na Segunda-feira (10/03), mas na sua carta afirmava que apenas se entregava quando o PR José Ramos-Horta regressar a Timor-Leste. O Sr. Monteiro disse ainda ter feito todos os esforços para encorajar Salsinha e o seu grupo a entregarem-se de maneira pacífica, mas a responsabilidade final é de Salsinha.

A Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL chega à praça-forte de Salsinha em Ermera: O Vice-Comandante da Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL, Filomeno Paixão, disse que a Operação Conjunta está prestes a chegar ao local onde estão Salsinha e o seu grupo. “Conhecemos todos os seus movimentos [Salsinha]. A Operação Conjunta está agora em Ermera e ocupa trinta pontos estratégicos,” disse o Tenente Coronel Paixão numa conferência de imprensa realizada no Quartel da Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL no Farol, Dili. O Tenente Coronel Paixão disse também que a Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL visa pressionar Salsinha e o seu grupo para se entregarem a eles.

PM: Rendição é a única opção para Salsinha: Em relação à declaração de Salsinha que apenas se entregará ao PR Ramos-Horta, o Primeiro-Ministro reiterou que o ultimato do Governo que Salsinha se deve render ao Governo. O PM Xanana disse que a Operação Conjunta da F-FDTL/PNTL continua por causa da recusa de Salsinha em entregar-se. “Se ele escreveu de facto que não se entregará, a operação continuará. O problema é que ele precisa de actuar conforme foi exigido pelo Governo, e não de esperar pelo Presidente,” disse o PM Xanana na sua chegada de Darwin, Austrália na Segunda-feira (10/3) no Aeroporto Comoro , Dili.

SRSG dá as boas vindas à CIII: O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor-Leste, Atul Khare, apelou a Salsinha e ao seu grupo para se entregarem pacificamente à Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL .

“Acreditamos que a situação no país continua a manter-se calma. Um destes dia Salsinha e o seu grupo, entregar-se-ão. Não há outro caminho,” disse o SRSG Khare na Segunda-feira (10/3) depois do seu encontro semanal com Presidente Interino Fernando ‘Lasama’ de Araújo no Palácio das Cinzas Caicoli, Dili. Em relação à resolução do Parlamento Nacional de estabelecer uma Comissão Internacional Independente de Inquérito pelo 11 de Fevereiro, o SRSG Khare disse que acreditava que isso era um passo positivo.

Cobertura Impressa

Operação Conjunta cerca Salsinha e o seu grupo: A Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL está correntemente a ocupar trinta pontos estratégicos em Ermera e a mobilizar 465 soldados que cercam o grupo liderado por Salsinha.

“Conhecemos todos os seus [Salsinha] movimentos. A Operação Conjunta está agora em Ermera e ocupa trinta pontos estratégicos,” disse o Vice-Comandante da Operação Conjunta, Tenente Coronel Filomeno Paixão numa conferência de imprensa realizada no Quartel da Operação Conjunta no Farol, Dili.

A Operação Conjunta faz patrulhas diárias e colabora com as Forças Internacionais de Estabilização (ISF) em tácticas operacionais. A Operação Conjunta continua a apelar a Salsinha e ao seu grupo para evitarem a violência e respeitarem as negociações que teve com o Procurador-Geral. (STL)

Salsinha rende-se ao PR Horta: O líder amotinado, Gastão Salsinha afirmou que se renderá apenas no regresso do PR Ramos Horta a Timor-Leste. Salsinha fez directamente esta afirmação ao Procurador-Geral, Longuinhos Monteiro, numa carta enviada ao Sr. Monteiro no Domingo (9/3). “Não sei porque é que Salsinha não se quer entregar e decidi cancelar a sua rendição,” disse o Sr. Monteiro na Segunda-feira (10/3) em Caicoli. O Sr. Monteiro disse que se Salsinha não se entregar então enfrentará as consequências da sua decisão. “Depois de Segunda-feira, o problema não é meu. Este problema pertencerá às forças militares” disse o Sr. Monteiro. (STL)

Carrascalão: Xanana lidera sem discriminação: O Presidente do PSD Mário Viegas Carrascalão disse que o Governo da Aliança da Maioria Parlamentar, sob a liderança do PM Xanana Gusmão, não discriminou contra nenhum outro partido e que está aberto a todos os partidos, incluindo a Fretilin. “O Governo liderado por Xanana tem permitido a participação aberta em todos os processos. Não discriminaram da maneira que Fretilin fez…. É muito diferente com o Dr. Mari Alkatiri,” disse o Sr. Carrascalão na Segunda-feira (10/3) no Parlamento Nacional, Dili. (STL)

Peticionários incrédulos com as afirmações de Xanana: Os 671 peticionários que estão agora juntos em Aitarak Laran, Dili, estão incrédulos com as afirmações do Primeiro-Ministro de os peticionários não poderem re-entrar nas forças militares.

Antes do PM ter afirmado isto aos peticionários emt Aitarak Laran, o Governo tinha dado três opções aos peticionários: primeira, voltar para as forças militares; segunda, manterem-se como civis; e terceira serem re-empregados noutros países.

O Coordenador dos peticionários em Aitarak Laran, Capitão César Valente de Jesus, disse: “Na sua declaração, o PM pode afirmar o que lhe apetecer, mas o processo de resolver os problemas dos peticionários continua dado que que teve por base as opções do Governo para os peticionários,” disse o Capitão de Jesus na Segunda-feira (10/3) em Aitarak Laran, Dili.

De acordo com o Capitão de Jesus, as opções oferecidas pelo Governo serão consideradas por cada peticionário que vão ver qual é a melhor para eles.

Em separado, um peticionário disse que aceita as opções e pede ao Governo para resolver os seus problemas tão cedo quanto possível. “A maioria de nós aceita a declaração do PM com tristeza porque viemos cá para discutir as três opções. Se tivéssemos sabido que não havia nenhuma opção de voltar para as forças militares, muitos de nós nem teriam vindo paraAitarak Laran,” disseram peticionários anónimos. (STL)

Horta: Salsinha tem de se entregar hoje: O PR José Ramos-Horta pediu a Gastão Salsinha para se entregar às forças do Estado hoje (Terça-feira) para enfrentar a justiça porque não há outra opção. O PR Ramos-Horta transmitiu esta mensagem durante a visita do PM Xanana Gusmão a Darwin, Austrália na Segunda-feira (10/3). “O Presidente disse que depois de 10 (ontem) e de 11 (hoje), não haverá mais opções [para Salsinha] e que a operação militar continuará. As F-FDTL, PNTL e ISF vão alcançá-lo … queremos mostrar-lhes que não há outro caminho, e nenhum diálogo com ele,” disse o PM Xanana. (TP)

Suspeitos de 25 de Maio: TMR deve explicar: O Procurador Internacional Felismino Cardoso disse que o Comandante das F-FDTL Taur Matan Ruak precisa de confirmar ao Estado porque é que os quatro membros das F-FDTL que estiveram envolvidos no caso de 25 de Maio não foram ainda detidos. “Não podemos executar os mandatos de captura emitidos pelo Ministério Público. Foi por isso que confiámos à UNPol a prisão deles, mas até agora, isto ainda não aconteceu. O Comandante TMR precisa de dar uma explicação porque é que os seus membros ainda não foram detidos,” disse o Procurador Cardoso. O Procurador Cardoso disse também que o tribunal do Distrito de Dili tinha no ano passado emitido uma ordem de captura à UNPol para prender os quatro membros das F-FDTL. (TP)

Comissário Tor da UNPOL: UNPol dá as boas vindas a Salsinha: O Comissário da Polícia da ONU em Timor-Leste, Rodolfo Tor, disse que a UNPol continua a dar as boas vindas a Salsinha e aos membros do seu grupo que não estejam cercados pela Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL . “Vamos também oferecer dois oficiais para trabalharem co Quartel da Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL no Farol, Dili.

Alguns estão a fazer segurança aos peticionários em Aitarak Laran e também nos distritos. À cerca de Salsinha, continuanos a dar-lhes as boas vindas,” disse o Comissário Tor. O Comissário Tor disse que a situação da segurança em Timor-Leste continua a ser calma, mesmo apesar de algumas pessoas estarem assustadas com a Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL . (DN)

TMR: não rendição enfrentam forças militares: O Comandante da Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL, Brigadeiro General Taur Matan Ruak, disse que a Operação Conjunta das F-FDTL/PNTL não quer a morte de Salsinha, mas a sua rendição. O Brigadeiro General TMR disse que a Operação Conjunta está a colaborar com as Forças Internacionais de Estabilização para levarem Salsinha a render-se e ameaçou com força militar se Salsinha e o seu grupo não se entregarem voluntariamente.

“Não queremos que ele morra. Teremos uma Operação Conjunta entre PNTL, F-FDTL e ISF para usar força militar se ele não se entregar,” disse o Brigadeiro General TMR. “Agora esperamos pela cooperação de Salsinha,” disse o Comandante TMR. (DN)

Fontes de Notícias Nacionais:

Televizaun Timor-Leste (TVTL)
Radio Timor-Leste (RTL)
Timor Post (TP)
Suara Timor Lorosae (STL)
Diario Tempo (DT)
Diario Nacional (DN)
Semanário Nacional (SN)
Tempo Semanal (TS)

'Dum-dum' bullets nearly cost Ramos Horta his life, but he grieves for attacker

The Age
Lindsay Murdoch, Darwin
March 12, 2008

EAST Timor President Jose Ramos Horta was almost killed by a banned soft-nosed bullet that expands when it hits, inflicting a large jagged wound. The "dum-dum" bullet is banned by the Geneva Convention.

Mr Ramos Horta suffered three holes in the right side of his back and another huge wound in the area of his ribs.

Doctors in Darwin extracted metal fragments lodged deep in muscle close to his spine. But in what Royal Darwin Hospital manager Len Notaras described as a triumph for medical staff, Mr Ramos Horta is expected to make a full recovery after six operations.

Mr Notaras said the fragments had been taken away for examination by Australian Federal Police and the US Federal Bureau of Investigation.

Mr Ramos Horta last night made a national address to East Timor's 1 million people, urging all political parties to work together to solve the country's problems. He thanked Timorese for their support, naming rebel leader Alfredo Reinado and renegade former army lieu- tenant Gastao Salsinha as his attackers.

Mr Ramos Horta also thanked all Australians for their support, including medical staff in Dili who he said saved his life.

The address will be aired on Timor television tonight (Wednesday).

The Age has also learnt that a gangster in Jakarta called Hercules is under investigation over his links to Reinado.

Hercules visited Dili only days before the February 11 attack on Mr Ramos Horta.

Hercules, who has one eye and one arm, became well known in Indonesia as a "dirty tricks" operative under the former dictator Suharto after he went to live in Jakarta in the 1980s. He was implicated in a failed 1999 plot to assassinate East Timor's former Indonesian-appointed governor and political party leader Mario Carrascalao.

Four weeks after the attacks the Government in Dili still has not released any information about the events that led to Mr Ramos Horta being shot at his villa on a hill overlooking Dili harbour.

Rebels holed up in East Timor's rugged mountains have given a version of the attacks that contradicts Prime Minister Xanana Gusmao. But Mr Gusmao insists the rebels wanted to assassinate him and Mr Ramos Horta in an attempt to topple the Government.

What is not known is whether Reinado was acting alone when he led 10 of his men to Mr Ramos Horta's villa shortly after dawn on February 11.

A politically well-connected person from Dili was with him in a mountain town until 11pm the night before the attacks. The person is known to have received money from an undisclosed source, The Age has learnt.

When Reinado arrived at Mr Ramos Horta's house shortly after dawn he and one of his men went inside. Both were killed.

What doesn't make sense, though, is that Reinado would want to kill Mr Ramos Horta, the person who had done more than anybody else to facilitate his surrender, even promising to push for his pardon for the crimes of mass murder and rebellion.

Mr Ramos Horta was upset when he heard that Reinado was dead. Within days of waking from an induced coma in hospital he asked the Government in Dili to forgive Reinado and look after his family.


Balas 'modificadas' quase que custaram a vida a Ramos Horta, mas ele tem pena do atacante

The Age
Lindsay Murdoch, Darwin
Março 12, 2008

O Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta foi quase morto ppr uma bala proibida de ponta fragilizada que se expande quando embate, provocando uma grande ferida irregular. A bala "modificada" está proibida pela Convenção de Geneva.

O Sr Ramos Horta sofreu três buracos na parte direita das costas e outra ferida enorme na área das costelas.

Os médicos em Darwin extraíram fragmentos de metal alojados em profundidade no músculo perto da espinal medula. Mas no que o director do Royal Darwin Hospital, Len Notaras descreveu como um triunfo do pessoal médico, é esperado que o Sr Ramos Horta tenha uma recuperação completa depois de seis operações.

O Sr Notaras disse que os fragmentos tinham sido levados para serem examinados pela Polícia Federal Australiana e pelo FBI dos USA.

O Sr Ramos Horta fez ontem à noite um discurso nacional ao 1 milhão de habitantes de Timor-Leste, urgindo todos os partidos políticos a trabalharem juntos para resolver os problemas do país. Ele agradeceu aos Timorenses pelo seu apoio, nomeando como seus atacantes o líder amotinado Alfredo Reinado e o antigo tenente renegado das forças armadas Gastão Salsinha.

O Sr Ramos Horta agradeceu também a todos os Australianos pelo seu apoio, incluindo o pessoal médico em Dili, que, disse ele, salvou a sua vida.

O discurso irá para o ar na televisão de Timor hoje à noite (Quarta-feira).

The Age soube também que um gangster em Jacarta chamado Hércules está sob investigação por causa das suas ligações a Reinado.

Hércules visitou Dili apenas dias antes do ataque de 11 de Fevereiro ao Sr Ramos Horta.

Hércules, que tem um olho e um braço, tornou-se muito conhecido na Indonésia como um operador de "golpes sujos" durante o tempo do antigo ditador Suharto depois de ter ido viver para Jacarta nos anos de 1980s. Esteve implicado numa falhada conspiração em 1999 para assassinar o antigo governador de Timor-Leste nomeado pelos Indonésios e líder partidário Mário Carrascalão.

Quatro semanas depois dos ataques o Governo em Dili não emitiu ainda nenhuma informação sobre os eventos que levaram aos tiros contra o Sr Ramos Horta na sua casa num monte sobre o porto de Dili.

Amotinados escondidos nas montanhas rugosas de Timor-Leste deram uma versão dos ataques que contradiz o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão. Mas o Sr Gusmão insiste que os amotinados o quiseram assassinar a ele e ao Sr Ramos Horta num tentativa de derrubar o Governo.

O que não se sabe é se Reinado estava a actuar sozinho quando levou 10 dos seus homens à casa do Sr Ramos Horta pouco depois do nascer do dia em 11 de Fevereiro.

Uma pessoa com boas relações políticas de Dili esteve com ele numa cidade da montanha até às 11 pm da noite antes dos ataques. Sabe-se que essa pessoa recebeu dinheiro duma fonte não revelada, soube o The Age.

Quando Reinado chegou a casa do Sr Ramos Horta pouco depois do dia nascer ele e um dos seus homens entraram. Ambos foram mortos.

O que não faz sentido, contudo, é que Reinado quisesse matar o Sr Ramos Horta, a pessoa que tinha feito mais do que qualquer outra para facilitar a sua entrega, chegando até a prometer um perdão pelos crimes de assassínio em massa e revolta.

O Sr Ramos Horta ficou preocupado quando ouviu que Reinado estava morto. Dias depois de ter saído do coma induzido no hospital pediu ao Governo em Dili para perdoar Reinado e cuidar da sua família.

Rubros de vergonha!

O Público
Sexta-feira, Março 07, 2008

Há quase um mês que os timorenses se interrogam sobre quem, como, porque quiseram matar o Presidente que é reconhecidamente um homem de paz! Então, como, quem, porquê?

O que se conhece é pouco. O ambiente é de mistério. Denso, pesado. Cheio de sombras. Propício ao segredo, ao rumor, do que se ouve aqui e ali, em casa, na rua, na loja, no emprego, da janela do carro para outro carro, nas conversas de café..

Porque pouco ou nada se sabe, especula-se, diz-se e comenta-se. Muito, tudo. Mal ou bem, mas baixo, sempre baixo. Todavia não tão baixo que ninguém oiça. O vento nos ouvirá e o vento se encarregará de passar a palavra para outro canto, outra esquina, outro ouvidor atento e o acrescento de um ponto no conto ouvido…

Em cada canto, há um suspeito, um potencial mandante, um criminoso. Olha-se de soslaio: ummm…, aquela maneira de estar não engana: aquele tem aura de assassino! E o outro, e tantos outros… E as referências históricas se perdem, se esvaem, se ridicularizam…

Se a aura menos boa semeia a desconfiança que sobre estes e outros paira, já de Susar e de Salsinha ninguém tem dúvidas de que são o que são. Eles estiveram lá. Nos locais do crime. Um, já admitiu que revelará tudo, em tribunal! Mas, irá mesmo revelar? O outro ainda negoceia, quer mais uns dias! E quem tem poder, não pode nem deve, mas cede... Não se compreende em nome de quê, mas cede.

A população constrangida continua à espera enquanto se pergunta em surdina, quase mais com o olhar do que com a voz:

Então eles tentaram matar, fugiram, ameaçaram e ainda por cima um é recebido quase em festa, com sorrisos e abraços como se fosse herói ou campeão, enquanto o outro tem o despudor de impor condições para se entregar!

Podia ser anedota mas não é. Pelo que, sobre o que, nós, timorenses, ouvimos, vemos e toleramos, só me ocorre acrescentar:
Não fossem a nossa tez morena, tisnada, e todos nos descobririam rubros de vergonha!

Ângela Carrascalão Sexta-feira, Março 07, 2008

Poucas revelações e várias rendições um mês após ataques a Presidente e primeiro-ministro

Pedro Rosa Mendes, da Agência Lusa, em Díli

Díli, 11 Mar (Lusa) - Um mês decorrido sobre o duplo ataque de 11 de Fevereiro, a investigação dos incidentes produziu poucas revelações e várias rendições às autoridades timorenses.

Continuam por apurar os motivos que levaram o major Alfredo Reinado à residência do Presidente José Ramos-Horta na manhã de 11 de Fevereiro e, mais tarde, o ex-tenente Gastão Salsinha à área onde vive o primeiro-ministro Xanana Gusmão, a sul de Díli.

Alfredo Reinado e um dos seus homens morreram no ataque à residência do Presidente. Gastão Salsinha, que liderou a emboscada à coluna de viaturas onde seguia o chefe do Governo, continua fugido e cercado nas montanhas de Ermera (oeste).

A ida de Alfredo Reinado à casa do Presidente, em Metihau, a leste de Díli, "não foi um encontro, foi um ataque", afirmaram à agência Lusa fontes ligadas à investigação dos incidentes.

Em abono desta interpretação estão os testemunhos dos militares que faziam a guarda da residência e dos elementos do grupo do major Reinado - todos das forças de segurança timorenses - que entretanto se entregaram às autoridades.

Um outro dado torna menos credível a hipótese de Alfredo Reinado e José Ramos-Horta terem algum encontro marcado à margem dos restantes órgãos de soberania: Reinado não telefonou ao Presidente nessa manhã ou na noite anterior, afirmaram à Lusa fontes com acesso às listas de chamadas feitas pelo major e recebidas nos dois telemóveis de José Ramos-Horta.

O Presidente, hospitalizado em Darwin, Austrália, afirmou também que não tinha qualquer encontro com o major fugitivo, desmentindo acusações nesse sentido que circularam em Díli logo depois do ataque em que foi gravemente atingido a tiro.

A lista de chamadas feitas por Reinado indicia também a hora provável do ataque. O major fugitivo fez as últimas chamadas para o mesmo número, entre as 06:17 e as 06:20, uma delas com 94 segundos, "a duração de uma pequena conversa", segundo uma fonte ouvida pela Lusa.

Alfredo Reinado fez, também, várias chamadas "entre as 03:00 e as 03:30", segundo a mesma fonte, e foi a essa hora que recebeu uma mensagem escrita com o número para onde ligou antes do ataque, ou antes de morrer.

O ataque à casa do Presidente foi desencadeado por um grupo de entre 11 a 14 elementos, "alguns deles encapuzados, mas não todos", que chegaram em duas viaturas, afirmou um dos investigadores ouvidos pela Lusa.

"O militar que estava no portão foi dominado pelo grupo de Reinado, que entrou no recinto com uma postura agressiva", disse esta fonte.

"Quatro elementos ficaram do lado de fora" do recinto e, mais tarde, foram os primeiros a fugir, quando começaram os tiros.

A maior parte da guarda presidencial, composta por elementos das Forças Armadas, estava ainda a dormir quando Reinado chegou. Reinado "terá sido surpreendido por um soldado que foi acordado por um rapaz que vive lá".

José Ramos-Horta "sempre recebeu em sua casa todo o tipo de pessoas, desde amigos a assessores, deslocados e afilhados", contou à Lusa um elemento do círculo pessoal do chefe de Estado.

Fonte judicial ouvida pela Lusa ressalvou que "fica, porém, por explicar como é que o mesmo soldado teve tempo de disparar contra Reinado e contra o soldado Leopoldino".

"Também não se entende por que é que Reinado não foi ter directamente com o Presidente, que a essa hora estava, como sempre, na caminhada matinal" e apenas com dois guarda-costas, notou a mesma fonte.

Leopoldino Mendonça Exposto morreu com o seu chefe no ataque, atingido na cabeça.

Nos seus bolsos foram encontradas duas listas, "escritas à mão, talvez por Reinado, com nomes e números de contacto", segundo uma fonte que esteve na residência de José Ramos-Horta no dia 11 de Fevereiro.

Fontes judiciais e militares em Díli confirmaram à Lusa a existência destas listas manuscritas, "como se fossem duas 'famílias', ou duas 'equipas'", afirmando que "foi com base nelas que se reconstituiu o grupo agora chefiado por Gastão Salsinha".

As mesmas fontes acrescentaram que "cerca de uma dúzia dos 31 homens que estão com Salsinha não tiveram nada a ver com os ataques do 11 de Fevereiro".

Ao mesmo tempo, a operação "Halibur" de captura do grupo de Salsinha, conseguiu trazer para Díli, onde foi interrogado, um dos elementos mais próximos de Reinado, o ex-polícia Kaer Susar, ou Amaro da Costa, que está em prisão preventiva na messe de oficiais das Forças Armadas em Colmera, Díli.

Kaer Susar admitiu ter participado no ataque à residência de Ramos-Horta e afirmou aos jornalistas que "estava ao portão" durante a operação.

Entre os elementos que continuam fugidos na região de Ermera está o suspeito de ter atingido o Presidente da República, de nome Marcelo Caetano, afirmaram à Lusa fontes militares.

Hoje mesmo, mais um elemento do antigo grupo de Alfredo Reinado foi "encontrado e detido" na área de acantonamento para os peticionários das Forças Armadas, em Aitarak Laran, Díli.

Trata-se de André Costa Pinto, co-arguido no caso em que o major Reinado era acusado de rebelião, homicídio e posse ilegal de material de guerra, e a quem hoje o juiz do processo impôs termo de identidade e residência.

Oito co-arguidos no antigo processo contra Reinado, relativo aos acontecimentos de 2006 e 2007, aguardam julgamento em liberdade.

Sobre o ataque à caravana de Xanana Gusmão, fontes judiciais e militares ouvidas pela Lusa ao longo das últimas semanas referem uma "convicção" semelhante à originada pelo ataque contra José Ramos-Horta: "Ou a emboscada foi muito mal executada ou o objectivo não era matar ninguém."

"A emboscada pode ter sido preparada à pressa. Ou os atiradores podem ter-se deixado dormir", referiu uma fonte militar.

"Há vestígios de que os atacantes se colocarem no 'sítio da morte' e que fizeram um entalhe num tronco cortado para apoiar uma metralhadora", afirmou à Lusa a mesma fonte, que se apresentou como "alguém que nunca fez nenhuma emboscada mas que treinou muitas".

Um relatório preliminar confidencial da Polícia das Nações Unidas, a que a Lusa teve acesso, refere que a saída de Xanana Gusmão do local da emboscada foi possibilitada pela reacção da sua escolta internacional, na terceira e última viatura da coluna.
Foi um guarda-costas da UNPol (polícia da ONU) que, usando uma arma da PNTL deixada na sua viatura, respondeu ao tiroteio sobre o primeiro-ministro, dando-lhe tempo para escapar do local.

Além de morosa, a tripla investigação ao duplo ataque - feita pela Procuradoria-Geral da República mas com contribuições da UNPol e de uma comissão interna das Forças Armadas - tem revelado alguns dados bizarros.

"Muita gente telefonou e escreveu (por telemóvel) ao morto" Alfredo Reinado. Entre eles, Vicente da Conceição "Rai Lós", preso em Becora desde Outubro de 2007, segundo um dos investigadores.

"'Rai Lós' escreveu a Reinado dando o seu contacto e perguntando o que se passava", disse uma fonte ligada à investigação. "Nessa altura, Reinado já estava morto há muito".


Entre as brumas do Ramelau

Date: Mon, 10 Mar 2008

Timor-Leste, país de grandes mistérios

Quatro semanas depois de ter sido gravemente ferido a tiro e deixado ao abandono na soleira da sua porta, em Díli, o Presidente timorense, José Ramos-Horta, recebeu ontem, no Hospital Particular de Darwin, a visita do primeiro-ministro Xanana Gusmão, acompanhado pela mulher, Kirsty Sword-Gusmão. E o principal sobrevivente dos grupos rebeldes que há perto de dois anos têm vindo a agitar o país, o ex-tenente Gastão Salsinha, continua a monte.

Tanto a demora de Xanana em ir à Austrália visitar Ramos-Horta, que não se sabe ainda quando é que poderá regressar a Timor-Leste, como as notícias contraditórias referentes a Salsinha e a alguns dos seus homens têm vindo a adensar o ambiente de mistério que reina em Díli quanto aos incidentes de 11 de Fevereiro. Perante isto, o Governo da Irlanda decidiu apressar o envio de Dame Nuala O’Loan, que fora nomeada embaixadora especial para a resolução do conflito timorense.

Timor-Leste vai ser o primeiro país a ser ajudado por peritos irlandeses, que ganharam grande experiência de negociação ao prepararem e levarem à prática o Acordo de Sexta-Feira Santa de 1998, para a Irlanda do Norte, onde Nuala Patrícia O’Loan, de 56 anos, foi provedora da polícia de 1999 a 2007. A sua acção valeu-lhe de Isabel II, em 29 de Dezembro último, o título de Dama do Império Britânico.

Ontem, depois de ter estado com o Presidente, Xanana Gusmão lançou um último ultimato a Salsinha, para que se renda, se não quiser enfrentar as armas dos 465 soldados e polícias timorenses que foram colocados no seu encalço, com apoio operacional e táctico de tropas da Austrália e da Nova Zelândia. O comando da operação localizou-o nas proximidades de vila de Atsabe, a sul de Ermera, no sopé do Monte Ramelau; ou Tata Mailau.

Jorge Heitor.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.