segunda-feira, março 17, 2008

Government assists 42 IDP families to return to their homes in Beto


11 March 2008

Today, as part of the government’s Hamutuk Hari’i Futuru national recovery strategy, 42 families from the Dominican Sisters IDP camp in Beto were assisted to return to their homes in Beto, Dili.

Minister for Social Solidarity, Domingas Alves, said “the return of these families is a result of the Ministry’s ongoing hard work to help those IDPs who are willing and able to return home to do so.” Each of the families who returned today had received a recovery grant from the Ministry of Social Solidarity to help them rebuild or repair their homes. Each person, including children, also received 16 kg of rice. The families were assisted to return with transport provided by the Ministry of Social Solidarity.

Camp Manager, Antonio Soares, credited the return of these 42 families to the government’s efficient implementation of its national recovery strategy. These families are able to go home today because they have been provided with options under the government program. I will continue to work with the government to help the other families in this camp to return to their homes.”

Zelita da Sena, a resident of the camp, said that she and her family had used the cash recovery grant to fix the damage caused to their house in February 2007. “I am happy to return to my place and am grateful to the government for providing us with this assistance so we can go home.”

Amandio Amaral Freitas, General Coordinator of the Hamutuk Hari’i Futuru program anticipated that up to 94 families from Canossa Has Laran Camp would be able to return to their homes in Dili by the end of the week. A further 72 families from Liquica, Gleno and Central Pharmacy camps hope to return to their homes in Fatubessi and Urahou Ermera by the end of the week.

Staff from the Ministry of Social Solidarity are continuing to visit all IDP camps in Dili and Baucau to help people determine their options under the Hamutuk Harii Futuru program.


Governo assiste 42 famílias de deslocados a voltarem para as suas casas em Beto


11 Março de 2008

Hoje. como parte da estratégia de recuperação nacional do governo Hamutuk Hari’i Futuru, 42 famílias do campo de deslocados das irmãs Dominicanas em Beto foram assistidas a voltar para as suas casas emBeto, Dili.

A Ministra da Solidariedade Social, Domingas Alves, disse que “o regresso dessas famílias é o resultado do trabalho duro em curso do Ministério para ajudar os deslocados que querem e podem voltar a casa a fazê-lo.” Cada uma das famílias que hoje voltou recebeu uma doação de regresso do Ministério da Solidariedade Social para as ajudar a reconstruir ou a reparar as suas casas. Cada pessoa, incluindo crianças, receberam ainda 16 kg de arroz. Às famílias que regressaram foi fornecido transporte pelo Ministério da Solidariedade Social.

António Soares, Director do Campo, creditou o regresso dessas 42 famílias à eficiente implementação pelo governo da sua estratégia de recuperação nacional. Estas famílias conseguem hoje voltar para casa porque lhes foram dadas opções sob o programa do governo. Continuarei a trabalhar com o governo para ajudar as outras famílias neste campo a voltarem para as suas casas.”

Zelita da Sena, uma residente do campo, disse que ela e a sua família tinham usado o dinheiro da recuperação para arranjar os estragos causados na sua casa em Fevereiro de 2007. “Estou contente por voltar para o meu lugar e grata ao governo por nos dar assistência e assim podermos voltar a casa.”

Amândio Amaral Freitas, Coordenador Geral do programa Hamutuk Hari’i Futuru antecipou que cerca de 94 famílias do Campo Canossa Has Laran voltarão para as suas casas em Dili até ao fim da semana. Mais 72 famílias de Liquica, Gleno e Campos da Farmácia Central esperam voltar às suas casas em Fatubessi e Urahou Ermera no fim da semana.

Pessoal do Ministério da Solidariedade Social continuam a visitar todos os campos de deslocados em Dili e Baucau para ajudar as pessoas a determinar as suas opções sob o programa Hamutuk Harii Futuru .

Consulta do Caderno de Recenseamento Eleitoral

Informação Imprensa

Nos termos do n.º 1 do artigo 56.º da Lei 13/99, de 22 de Março, informa-se que o caderno de recenseamento eleitoral se encontra exposto publicamente nesta Secção Consular, durante todo o mês de Março de 2008, entre as 9h00 e as 13h00, para efeitos de consulta e reclamação dos interessados.

Local Portuguese helping a nation to help itself

Macau Daily Times
Monday, 17 March 2008
by Sara Farr

The idea is simple, to build a community centre where locals will be able to learn how to be self-sufficient with their own natural resources.

The when, where and how is what made four young local Portuguese seek support from local entities in Macau.

Speaking with the Macau Daily Times, Fernando Madeira and Hugo Oliveira, two of the four who will be travelling to Baucau in East Timor this coming July, said the group had already carried out phase one of the project.

“We went there [to Baucau] to evaluate, to see whether or not our project made sense and to see in which way we'd be useful to the East Timorese community,” Fernando said.

Without actually visiting the area, the four friends found it difficult to “feel the land,” and even though they had established contacts with an East Timorese non-government organisation 'Permatil' that also promotes permaculture in the island country.

Permaculture comes from the words “permanent” and “culture” as well as “permanent” and “agriculture”

The term was “invented” by two Australians, Bill Mollison and Davivd Holmgren, and can mean “permanent agriculture” or “permanent culture.”

The concept is easy to grasp, designing human settlements for the development of agricultural systems, using natural resources so that communities can be self sufficient.

In the mid 1970s, David Holmgren developed 12 design principles for permaculture. The first of which is to “observe and interact,” which is what the four young locals went to Baucau in East Timor to do. To observe, interact and get to know the field where they plan on living for at least six months.

The next steps are to “catch and store energy,” “obtain a yield,” “apply self-regulation and accept feedback,” “use and value renewable resources and services,” “produce no waste,” “design from patterns to details,” “integrate rather than segregate,” “use small and slow solutions,” “use and value diversity,” “use edges and value marginal,” and “creatively use and respond to change.”

The group of four friends have estimated it will cost some 360,000 patacas for the project to be successful, and have already asked for assistance from local and governmental entities in Macau, however are still waiting on a response.

'Permatil' is also working with scouts, which is a positive sign, Fernando said, adding that it only goes to show that there are people in the country that are interested in learning about applied permaculture and watershed restoration, as well as on how to become self sufficient with their own natural resources.

“It's important to work with the country's youth. The scouts have shown an interest in helping us and our project,” Hugo then added.

A community centre will be the main focus where the four young friends will teach Baucau's communities useful things that can be used around the house, such as how to capture and re-use rain water, in order to maximise resources and minimise waste.

As to whether the people in Baucau will embrace such act of kindness “depends on how we approach things when we’re there,” Hugo said.

“We’re not forcing anyone. We don’t want to make anyone do this. I am sure we will also have a lot to learn from them.”

The community centre will be a place for the people, where they can apply their own initiatives, and their own experiences, Fernando added.

“We are only aiming for them to value what they already have, because they have been subjected to a western reality and underestimating what they already know, such as agricultural techniques and hand-craftsmanship.”

For that, the group of friends has already contacted with Caritas in East Timor, who have said they are willing to help with the project and hold a few seminars on medicinal plants and more.
“We want locals to feel the space is theirs. That this [project] has a community spirit, a space which they [locals] can use at their own will,” Hugo said.

Although East Timor isn’t the only country in the world that needs help, and although the fact that Portuguese is the nation’s official language helps, the island country was the most appropriate for the four “because it was open [to receiving help],” Fernando said.

“Because there is hope in a country that has everything it needs to be sustainable. We will only show that development can be achieved without wasting what is good and valuable.”

The country is almost 80 per cent organic, with vast lands available for East Timor to become a sustainable and self reliant country.

“Our contribution is so that this can continue,” Hugo added.

The project is expected to last some six months, however, the four friends aren’t setting return dates yet, because the aim of their project is continuity, to assure that once they leave, the community centre will be able to continue running and East Timorese continue using it as their own place for learning and activities.

Fernando said the group is looking at leaving the SAR sometime in July, but aim to return in October for the Lusofonia Festival, so that they can share a small place in the East Timor booth in order to show locals and sponsors the work they have done so far.

Volunteers are welcome to join the group of friends in their charity and community work in the island nation, according to Fernando.

The group have their own blog (, but although it is in Portuguese, anyone wanting to know more about the project or even becoming involved should send and email to the group ( This e-mail address is being protected from spam bots, you need JavaScript enabled to view it ).


Portugueses locais a ajudarem uma nação a ajudar-se a si própria

Macau Daily Times
Segunda-feira, 17 Março 2008
Por Sara Farr

A ideia é simples, construir um centro comunitário onde os locais consigam aprender a serem auto-suficientes com os seus pr´prios recursos naturais.

O quando, onde e como é o que levou quatro jovens Portugueses locais a procurarem apoio de entidades locais em Macau.

Falando ao Macau Daily Times, Fernando Madeira e Hugo Oliveira, dois dos quatro que viajarão para Baucau em Timor-Leste neste próximo Julho disseram que o grupo já tinha realizado a fase um do projecto.

“Fomos lá [a Baucau] avaliar, ver se sim ou não o nosso projecto fazia sentido e ver de que maneira seríamos úteis à comunidade Timorense,” disse Fernando.

Sem terem de facto visitado a área, os quatro amigos acharam difícil “sentir a terra,” e apesar mesmo de terem estabelecido contactos com a ONG Timorense 'Permatil' que promove também permacultura no país ilha.

Permacultura vem das palavras “permanente” e “cultura” bem como “permanente” e “agricultura”

O termo foi “inventado” por dois Australianos, Bill Mollison e Davivd Holmgren, e pode significar “agricultura permanente” ou “cultura permanente.”

O conceito é fácil de entender, designando instalações humanas para o desenvolvimento de sistemas agrícolas, usando recursos naturais para que as comunidades possam ser auto-suficientes.

Em meados dos anos 1970s, David Holmgren deselvolveu 12 princípios padrões para a permacultura. O primeiro dos quais é “observar e interagir,” que foi o que os quatro jovens locais foram fazer a Baucau em Timor-Leste. Observar, interagir e conhecerem o campo onde planeiam viver durante pelo menos seis meses.

O passo seguinte é “apanhar e armazenar energia,” “obter uma safra,” “aplicar auto-regulação e aceitar o retorno,” “usar e valorizar recursos e serviços renováveis,” “não produzir desperdícios,” “desenhar do padrão para o detalhe,” “integrar em vez de segregar,” “usar soluções pequenas e vagarosas,” “usar e valorizar a diversidade,” “usar margens e valorizar marginais,” e “usar e responder a mudanças com criatividade.”

O grupo dos quatro amigos estimou que custará cerca de 360,000 patacas para o projecto ter sucesso, e já pediram assistência a entidades locais e governamentais em Macau, contudo estão ainda à espera de resposta.

'Permatil' está também a trabalhar com escuteiros o que é um sinal positivo, disse Fernando, acrescentando que isso apenas vai provar que há pessoas no país interessadas em aprenderem sobre a permacultura aplicada e restauro de divisores de águas, bem como em se tornarem auto-suficientes com os seus próprios recursos naturais.

“É importante trabalhar com a juventude do país. Os escuteiros mostraram interesse em ajudar-nos no nosso projecto,” acrescentou então Hugo.

Um centro comunitário será o foco principal onde os quatro jovens amigos ensinarão coisas úteis às comunidades de Baucau que podem ser usadas em casa, tais como capturar e re-utilizar água da chuva, de modo a maximizar recursos e minimizar desperdícios.

Sobre se as pessoas em Baucau abraçarão tais actos de bondade “depende de como abordarmos as coisas quando estivermos lá,” disse Hugo.

“Não estamos a forçar ninguém. Não queremos obrigar ninguém a fazer isto. tenho a certeza que temermos muito a aprender deles.”

O centro comunitário será um lugar para as pessoas, onde podem aplicar as suas próprias iniciativas,e as suas próprias experiências, acrescentou Fernando.

“Alvejamos apenas que eles valorizem o que já têm, porque eles têm sido submetidos à realidade ocidental e subestimam o que já sabem, como técnicas agrícolas e artesanato.”

Para isso, o grupo de amigos já contactou com a Caritas em Timo-Leste, que disse que quer ajudar o projecto deles e fez alguns seminários sobre plantas medicinais e outros.
“Queremos que os locais sintam que o espaço é deles. Que este [projecto] tem um espírito comunitário, um espaço que eles [locais] podem usar à sua vontade,” disse Hugo.

Apesar de Timor-Leste não ser o único país do mundo que precisa de ajuda, e apesar de ajudar o facto de o Português ser a língua oficial da nação, a ilha país era a mais adequada aos quatro porque “estava aberta a [receber ajuda],” disse Fernando.

“Porque há esperança num país que tem tudo o que precisa para ser sustentável. Apenas mostraremos que o desenvolvimento pode ser alcançado sem desperdiçar o que é bom e tem valor.”

O país é quase 80 por cento orgânico, com muita terra disponível para Timor-Leste se tornar num país sustentável e auto-confiante.

“A nossa contribuição é para que assim possa continuar” acrescentou Hugo.

espera-se que o projecto dure seis meses, contudo os quatro amigos não marcaram datas de regresso ainda, porque o objectivo do projecto deles é a continuidade, para garantir que quando partirem o centro da comunidade conseguirá continuar e que os Timorenses continuarão a usá-lo como lugar deles próprios para aprendizagem e actividades.

Fernando disse que o grupo pensa sair de SAR em Julho, mas que visa regressar em Outubro para o Festival da Lusofonia Festival, assim podem partilhar um pequeno lugar na tenda de Timor-Leste para mostrar aos locais e aos patrocinadores o trabalho que fizeram até agora.

São bem-vindos os voluntários que se queiram juntar ao grupo de amigos no seu trabalho de caridade e comunitário na ilha nação, de acordo com Fernando.

O grupo tem o seu próprio ( ), mas apesar de ser em Português, qualquer pessoa que queira saber mais do projecto ou mesmo ficar envolvida nele deve mandar um email para o grupo ( This e-mail address is being protected from spam bots, you need JavaScript enabled to view it ).

Former intelligence chief slams 'lack of political will' to pursue Balibo killers

The Age
Julia May, London
March 17, 2008

A FORMER head of Australian defence intelligence in East Timor has criticised the British and Australian governments for failing to extradite two former Indonesian military leaders named in the killings of the Balibo five.

Clinton Fernandes, a former army major who was head of intelligence during East Timor's independence from Indonesia in 1999, claimed a lack of political will, rather than legal obstacles, hindered the process. He has called on the British Government to seek to extradite the men for war crimes.

The call comes three days before a meeting between British Foreign Office Minister Meg Munn, British Liberal Democrat MP Don Foster and relatives of two of the Balibo five.

In a parliamentary debate in Britain last month, Mr Foster called on the British Government to ask Interpol to issue arrests for the Indonesians, Christoforus da Silva and Yunus Yosfiah, an army captain who became Indonesian information minister.

They were named in November by the NSW deputy coroner over the 1975 killings of the five Australia-based newsmen in East Timor.

Two of the newsmen, Brian Peters and Malcolm Rennie, were British. Greg Shackleton and Tony Stewart were Australian and Gary Cunningham was a New Zealander.

The NSW coroner referred the case to the federal Attorney-General for consideration, calling the deaths the wilful killing of civilians and therefore war crimes under international law.

Australia has an extradition agreement with Indonesia, and until now Britain has said it would wait for Australia to act under this treaty.

But it is facing pressure to instead use its international jurisdiction under the Geneva Convention.

"The murder in cold blood of the five journalists at Balibo was a grave breach of the fourth Geneva Convention and Britain can exercise universal jurisdiction over that grave breach.

Rather than pass the buck to the Australian authorities, it can act right now by asking Interpol to issue an arrest warrant for the two suspects," Dr Fernandes said.

The Australian Attorney-General's office said last month it had referred the case to the Australian Federal Police, which is yet to provide a brief of evidence for the Commonwealth Department of Public Prosecutions.

Mr Foster said he would use the Wednesday meeting to urge Ms Munn to encourage the Australian Government to speed up this process. The next step would be for Britain to seek to extradite the men.

"If a citizen is killed abroad, there is a duty of government becoming involved in seeking the truth of what happened," he said.

Ms Munn's response will be closely watched given her publicly stated position on Balibo. In 2002 Ms Munn, who became Parliamentary Under-Secretary of State in July, signed a parliamentary petition, called an early day motion, to urge the British Government to press Indonesia to co-operate in a United Nations investigation into the killings of the Balibo five and a Financial Times journalist in East Timor in 1999.

A British Foreign Office spokesman said Ms Munn's personal position was unlikely to influence the Government's policy on Balibo.

He said: "We have noted the verdict, but these findings are the outcome of an independent judicial process run by the NSW State Coroner's Court. It is for the Australian Attorney-General to decide how to take this forward.

"We are in contact with the Australian authorities about this issue. We understand that the Australian Attorney-General has recently asked the Australian Federal Police for them to assess whether there is enough evidence to prosecute under Commonwealth law."


Antigo chefe dos serviços de informações critica 'falta de vontade política' para perseguir os assassinos de Balibo

The Age
Julia May, Londres
Março 17, 2008

O antigo responsável dos serviços de informações da defesa Australiana em Timor-Leste criticou os governos Britânicos e Australianos por falharem em extraditar dois antigos líderes das forças militares Indonésias indicados na morte dos cinco de Balibo.

Clinton Fernandes, um antigo major das forças armadas que foi chefe dos serviços de informações durante a independência de Timor-Leste da Indonésia em 1999, afirmou que a falta de vontade política, em vez de obstáculos legais, prejudicaram o processo. Apelou ao Governo Britânico para procurar a extradição dos homens por crimes de guerra.

O apelo veio três dias antes dum encontro o Ministro Britânico do Gabinete dos Estrangeiros Meg Munn, deputado dos Democratas Liberais Britânicos Don Foster e familiares de dois dos cinco de Balibo.

Num debate parlamentar na Grã-Bretanha no mês passado, o Sr Foster pediu ao Governo Britânico para peir à Interpol para emitir mandatos de prisão para os Indonésios, Christoforus da Silva e Yunus Yosfiah, um capitão das forças armadas que se tornou ministro da informação Indonésio.

Eles foram indicados em Novembro pelo vice-inquiridor do NSW sobre as mortes em 1975 de cinco jornalistas com base na Austrália em Timor-Leste.

Dois dos jornalistas, Brian Peters e Malcolm Rennie, eram Britânicos Greg Shackleton e Tony Stewart eram Australianos e Gary Cunningham era da Nova Zelândia.

O inquiridor de NSW referiu o caso para o Procurador-Geral federal para consideração, chamando às mortes a morte voluntária de civis e por isso crimes de guerra sob a lei internacional.

A Austrália tem um acordo de extradição com a Indonésia, e até agora a Grã-Bretanha tem dito que esperará que a Austrália actue sob este tratado.

Mas está a enfrentar pressão para usar em vez disso a jurisdição internacional sob a Convenção de Geneva.

"O homicídio a sangue frio dos cinco jornalistas em Balibo foi uma violação grave da quarta Convenção de Geneva e a Grã-Bretanha pode exercer a sua jurisdição universal sob essa grave violação.

Em vez de passar a bola para as autoridades Australianas, pode actuar de imediato agora pedindo à Interpol para emitir um mandato de captura para os dois suspeitos," disse o Dr Fernandes.

O gabinete do Procurador-Geral Australiano disse que no mês passado tinha referido o caso para a Polícia Federal Australiana, que tem de fornecer uma informação da evidência para o Departamento da Commonwealth de Procuração Pública.

O Sr Foster disse que usará o encontro de Quarta-feira para urgir a Srª Munn a encorajar o Governo Australiano a apressar este processo. O próximo passo será para a Grã-Bretanha tentar a extradição dos dois homens.

"Se um cidadão é morto no estrangeiro, há uma obrigação do governo se envolver na procura da verdade do que aconteceu," disse.

A resposta da Srª Munn será observada de perto dado que ela afirmou publicamente a sua posição sobre Balibo. Em 2002 a Srª Munn, que se tornou a Sub-Secretária de Estado Parlamentar em Julho, assinou uma petição parlamentar, chamada moção inicial, a urgir o Governo Britânico para pressionar a Indonésia a cooperar numa investigação das Nações Unidas à morte dos cinco de Balibo e de um jornalista do Financial Times em Timor-Leste em 1999.

Um porta voz dos Negócios Estrangeiros Britânicos disse que a posição pessoal da Srª Munn era improvável que influenciasse a política do Governo sobre Balibo.

Disse: "Tomámos nota do veredicto, mas estas conclusões são o resultado dum processo independente judicial conduzido pelo Tribunal de Inquirições do Estado do NSW. É da competência do Procurador-Geral Australiano decidir como proceder no futuro.

"Estamos em contacto com as autoridades Australianas sobre esta questão. Sabemos que o Procurador-Geral Australiano pediu recentemente à Polícia Federal Australiana para avaliarem se há evidência suficiente para processar sob a lei da Commonwealth."

Ramos Horta recebeu Porto e pastéis de Belém e falou sobre atentado com comandante da GNR

Lisboa, 17 Mar (Lusa) - O comandante da GNR em Timor entregou hoje em Darwin, Austrália, uma mensagem e vários presentes do presidente da República português ao seu homólogo timorense, uma visita em que se falou sobretudo dos atentados de Fevereiro em Timor-Leste.

"O Presidente Ramos Horta está bem. Fisicamente vê-se que ainda está um pouco debilitado, mas psicologicamente tem um discurso coerente, lúcido. Teve alguma curiosidade em falar comigo sobre os atentados e estivemos cerca de uma hora a falar sobre os atentados e a questão de segurança em Díli. Discutimos sobretudo pontos de vista", disse à agência Lusa o capitão Martinho.

O comandante do subagrupamento Bravo foi recebido por Ramos Horta a meio da tarde no Hospital Particular de Darwin, norte da Austrália, onde o presidente timorense recupera dos ferimentos sofridos num ataque à sua residência pelo grupo do major Alfredo Reinado em Díli a 11 de Fevereiro.

Durante o encontro, o capitão Martinho entregou ao presidente Ramos Horta uma carta do presidente da República, Cavaco Silva, e uma encomenda de Vinho do Porto e pastéis de Belém.

Entregou outra encomenda do general comandante da GNR com produtos tradicionais portugueses, entre os quais se contavam vinhos, queijos, mel e azeite.

Em Timor-Leste ficaram os enchidos, que não passaram na alfândega devido ao crivo apertado dos australianos em matéria de saúde pública.

"Os enchidos ficaram em Timor. Quando o presidente voltar teremos todo o gosto em entregar-lhos", disse o capitão Martinho.

Um regresso, que segundo lhe foi transmitido pelo próprio presidente Ramos Horta, deverá acontecer "em breve".

"Diz que este mês ou no que vem estará em Timor", adiantou o responsável da GNR, que recebeu ainda de Ramos Horta agradecimentos pela "amabilidade do Presidente da República português" e pela "pronta actuação" da força portuguesa no dia dos atentados.
O capitão Martinho destacou ainda "a recuperação notória" de Ramos Horta, que segundo afirmou, "está melhor de semana para semana".

O presidente timorense sofreu a 11 de Fevereiro uma emboscada montada pelo grupo liderado por Alfredo Reinado, que foi morto pelos guardas presidenciais durante o ataque.

O primeiro-ministro Xanana Gusmão escapou ileso a um outro ataque quando viajava de carro no mesmo dia.


Lições de História

H. Correia deixou um novo comentário na sua mensagem "Reinado to live on as vivid figure in Timor folklo...":

Pode ser eficaz como chamariz para vender jornais, mas é no mínimo bizarra e errónea esta comparação de Reinado com D. Boaventura de Manufahi e a luta deste com a luta de Xanana Gusmão contra a invasão indonésia.

Acho que já chega de falar de Reinado. Que descanse em paz, se os vivos o deixarem.

Quanto a D. Boaventura, foi um guerreiro, como sempre foram os timorenses. Mas o facto que o tornou famoso foi a sua revolta contra Portugal, o que mostra bem como isso era algo fora do vulgar, mesmo naquela época. Quando os primeiros portugueses puseram pé em Timor, esta ilha já era um mosaico de dezenas de reinos unidos ou separados conforme as conveniências de cada momento, alternando os períodos de paz com os de guerra, em que as cabeças dos derrotados eram impiedosamente cortadas.

Há cem anos, Portugal era apenas mais um actor entre tantos outros e nem por isso o mais importante, dada a quantidade escassa dos seus representantes em Timor e, consequentemente, a sua escassa influência. O próprio Sengstock fala de “a colonial administration whose true authority projected little outside of Dili.” As atenções bélicas dos reinos viravam-se, por isso, preferencialmente para os reinos rivais. Estas tendências, a célebre “Funu” que dá o título ao livro de Cal Brandão, é elemento intrínseco timorense e fundamental para entender o que foi a resistencia à ocupação indonésia, as milícias de 1999 e até muitos dos fenómenos que ainda hoje perduram no Timor-Leste independente.

Como em muitos casos da História, o mito sobreviveu - e sobrepôs-se - ao homem. Portugal também tem o seu mito, D. Sebastião. Como Manuel Amaral escreve no seu “Portal da História”, D. Sebastião “Cresceu na convicção de que Deus o criara para grandes feitos”. Assim se lançou numa empresa suicida contra a África moura, deixando o reino arruinado, sem rei e a meio-caminho de perder a sua independência, o que não tardou muito.

A sua curta história acabaria aí, pouco depois de ter começado, se não fosse o poder do mito popular que o transformou no célebre "Desejado", apelido por que passou a ficar conhecido até aos dias de hoje, não só em Portugal como também no Brasil. O facto de o seu corpo nunca ter sido encontrado só veio reforçar a convicção popular de que ele ainda está vivo e regressará numa manhã de nevoeiro.

No seu excelente trabalho “As Raízes do Sebastianismo”, em, Rodrigo Silva sintetiza muito bem o conceito sebastiânico: “É a tragédia, o sofrimento e a esperança que alimentam o sebastianismo durante séculos, na angustia de um povo e a crença no porvir.”

Talvez D. Boaventura seja o D.Sebastião timorense, ou a versão timorense do sebastianismo. Também o povo timorense, na angústia de tanto sofrimento, precisa dos seus mitos, crendo que eles o ajudarão a conseguir libertar-se um dia. Chamem-se eles D. Boaventura, Xanana ou até Ramos Horta.

O mito existe e não serei eu a pô-lo em causa. Mas, tal como a realidade histórica do D. Sebastião é tão modesta e frustantemente simples, comparada com a aura dourada do seu mito, o mesmo acontece com a realidade de D. Boaventura. Segundo os historiadores, ele foi apenas um homem de carne e osso. Morreu na prisão, depois de capturado pelas autoridades. E aquilo que, romanticamente, o Sr. Sengstock descreve como “Surrounded and besieged on a mountain top, Boaventura led a courageous breakout. On horseback at the head of his warriors he plummeted towards Portuguese lines in a charge that one awestruck historian described as "a great avalanche down the side of the mountain", é na realidade a descrição da fuga de D. Boaventura, que assim abandonou 3000 apoiantes à mercê do inimigo. Aliás, o próprio Sengstock reconhece isso, quando acrescenta que “The warrior king escaped, but most of his estimated three thousand followers did not.”

Se por um lado D. Boaventura pode ser visto como aglutinador de alguns reinos contra as autoridades portuguesas, o inverso também é possível, pois havia outros tantos reinos, ou mais, do lado de Portugal. Quando Sengstock diz que “the military odds were against him” e fala das “portuguese lines” que cercavam a montanha onde resistiam as forças de D. Boaventura, na realidade está a falar da superioridade numérica das tropas dos reinos leais a Portugal, visto que nessa altura não deviam existir mais do que umas escassas centenas de brancos em Timor. Foram esses soldados desses reinos, e não propriamente os portugueses, que derrotaram D. Boaventura.

Os ideais de D. Boaventura não tinham nada de “nacionalistas”, conceito muito recente entre os timorenses, e ainda mal digerido por muitos. Primordialmente um produto da colonização portuguesa, que lhe dá uma relativa unidade, é com a aglutinação em volta da Igreja e contra o invasor indonésio que o nacionalismo timorense fica definitivamente consolidado. A esta conclusão chegou Geoffrey Gunn após anos de estudo, que culminaram na sua impressionante obra “Timor Lorosae: 500 Anos”. Prova da juventude desse nacionalismo é a indelével diversidade etno-linguística dos timorenses, reminiscência dos antigos reinos. Duvido que o mito de D. Boaventura seja tão forte, por exemplo, em Lautém, Baucau, Bobonaro ou no Oecusse, regiões que poucas afinidades têm com o antigo reino de Manufahi.

Para terminar, já neste blog me referi aos muitos factores que catalizaram a revolta de D. Boaventura (ou melhor dizendo, do reino de Manufahi) em 1911 e que ficam normalmente esquecidos: num protectorado português como era Timor, em que a maioria dos liurais aceitara prestar vassalagem ao liurai português, a revolução republicana de 1910 foi uma traição. Os timorenses não aceitaram de bom grado a mudança da bandeira portuguesa e muito menos a abolição do regime monárquico, que encaixava na perfeição no seu sistema ancestral de organização social, fortemente estratificado e dominado pelos liurais e pelos datos, estrato social equivalente à nobreza. Tudo isso foi posto em causa pelo novo regime republicano.

UNMIT – MEDIA MONITORING - Monday, 17 March 2008

"UNMIT assumes no responsibility for the accuracy of the articles or for the accuracy of their translations. The selection of the articles and their content do not indicate support or endorsement by UNMIT express or implied whatsoever. UNMIT shall not be responsible for any conseque6nce resulting from the publication of, or from the reliance on, such articles and translations."

National Media Reports

TVTL News Coverage
No TVTL news.

RTL News Coverage
No RTL news.

Print Coverage

Mino Paixao: Salsinha and his men have escaped: The Apprehension Operation, under the command of Major Neves, Major Ular, and Major Koliati, surrounded the place where Salsinha and his men were hiding. The cordon was approximately 70 metres in diameter and set up in order to force them to surrender. However, Salsinha and his men managed to escape.

“Major Neves and his members were urging them to surrender. But Salsinha and his men escaped- there was no contact fire from either of the parties,” said General Commander Paixao on Saturday (15/3) in Memorial Hall, Dili. (TP)

Salsina’s wife asks Govt to stop the Operation: The wife of Gastao Salsinha, Joaquina Salsinha, has asked the Government to stop the Apprehension Operation hunting her husband.

“It’s not necessary to hunt him [Salshina] if there is a willingness to solve the problem. It is better to keep a cool head in trying to resolve this problem together as his case affects the whole nation,” she said on Friday (14/2) at her residence in Gleno, Ermera.

She has also questioned why the Government is not using peaceful measures to encourage him to surrender, rather than using weapons and force. Joaquin believes that her husband will not surrender if the Apprehension Operation continues for a long time. This is why she is insisting that the Apprehension Operation must be stopped. Joaquina has also noted that her husband’s case is mostly utilized by the leaders for their own political ends.

“We have had no contact for the last two months. He has not returned home until now. I am not sure whether he is dead or still alive,” she added. (STL)

Inasio Maia surrenders himself: One of Gastao Salshina’s members, Inasio Maia, has surrendered himself to the police in Hatolia sub-district after he directly contacted the former Commander of Regional IV, Ernesto Fernandes known as ‘Dudu,’ on Sunday (16/3), in Ermera district.

“He told me directly that he was willing to surrender himself. Therefore, I immediately passed this on to the police in Ermera to pick him up,” said Dudu.

Dudu also explained that Inasio decided to surrender after the Apprehension Operation forces attempted to capture him. Together with other members, he has broken away from the leadership of Gastao Salsinha. (STL)

Koliati says military methods will be used against Salsinha and his men: The Apprehension Operation will use military tactics to force Salsinha and his men to surrender.

“If Salsinha and his group are not going to respond to our repeated appeals, we will use military methods to bring them to justice,” said Lieutenant Koliati on Friday (14/3/) in Letefoho, Ermera. (STL)

UN supports Timorese People to steer towards justice: The Special Representative of the Secretary-General in Timor-Leste, Atul Khare, said that United Nation will continue to support the Timorese people to steer their own paths towards justice.

Mr Khare’s statements were made during a ceremony where ten probationary judges, prosecutors and public defenders were sworn-in by Chief Justice Claudio Ximenes at Dili’s Court of Appeals.

“I also congratulate the authorities of the Justice Ministry and Legal Training Centre who have made an effort to steer its justice system,” said the SRSG. (TP)

IDPs living in Farol receive sex education: To prevent Timorese people from contracting the HIV/AIDS virus, the director of Hametin Timor Foun NGO, Miguel Pinto, said that the objective of the workshop was to share the information with the IDPs on how to prevent catching sexually transmitted diseases. (TP)

Lasama: PR Horta wants to return to East Timor : The Acting PR, Fernando de Araujo ‘Lasama’, said Ramos-Horta wants to return to East Timor at the end of March because he wants to continue his life with the Timorese people under any circumstances. (DN)

Xanana says people expect justice to be impartial: Prime Minister, Xanana Gusmao, said that people expect that justice should be impartial. He made the statement after ten probationary judges, prosecutors and public defenders have been sworn-in by the Chief Justice Claudio Ximenes.

“I would like to thank all our friends who been cooperating in this project, to ensure the success of the course,” said the Prime Minister. (DN)

Chief of Bidau Masau appeals for IDPs to return to home: The Chief of Bidau Masau Village, Fransisco de Asis, has appealed to his people living in IDP camps to return home, and has assured them that there will not be any problems for them to return home. “I will guarantee their lives if they want to return home,” he said. (STL)

Dinisio Babo asks the Government to implement the Commission of Inquiry: The Secretary-General of the CNRT party, Dinisio Babo Soares, has asked the Government to set up a Commission of Inquiry as quickly as possible as it has been approved by the parliament. “The government should establish a Commission of Inquiry to investigate the current situation and the attacks on February 11th,” he said. (STL)

National News Sources:
Televizaun Timor-Leste (TVTL)
Radio Timor-Leste (RTL)
Timor Post (TP)
Suara Timor Lorosae (STL)
Diario Nacional (DN)


UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA - Segunda-feira, 17 Março 2008

"A UNMIT não assume qualquer responsabilidade pela correcção dos artigos ou pela correcção das traduções. A selecção dos artigos e do seus conteúdo não indicam apoio ou endosso pela UNMIT seja de forma expressa ou implícita. A UNMIT não será responsável por qualquer consequência resultante da publicação, ou da confiança em tais artigos e traduções."

Relatos dos Media Nacionais

TVTL Não houve Cobertura de Notícias

RTL Cobertura de Notícias

RTL Não houve Cobertura de Notícias

Cobertura Impressa

Mino Paixão: Salsinha e o seu grupo fugiram: A Operação de Detenção sob o comando do Major Neves, Major Ular, e Major Koliati, cercaram o local onde Salsinha e os seus jovens estavam escondidos. O cordão tinha aproximadamente 70 metros no diâmetro e foi montado para os forçar a renderem-se. Contudo, Salsinha e os seus homens conseguiram escapar-se.

“O Major Neves e os seus homens estavam a urgir que se rendessem. Mas Salsinha e os seus homens escaparam – não houve fogo de contacto de qualquer das partes,” disse o Comandante-General Paixão no Sábado (15/3) no Memorial Hall, Dili. (TP)

A mulher de Salsinha pede ao Governo para parar a Operação: A mulher de Gastão Salsinha, Joaquina Salsinha, pediu ao Governo para parar a Operação de Detenção que persegue o seu marido.

“Não é necessário persegui-lo [Salshina] se houver vontade para resolver o problema. É melhor manter a cabeça fresca ao tentar resolver este problema juntos dado que o seu caso afecta toda a nação,” disse ela na Sexta-feira (14/2) na sua residência em Gleno, Ermera.

Ela questionou também porque é que o Governo não está a usar medidas pacíficas para o encorajar a render-se, em vez de usar armas e a força. Joaquina acredita que o seu marido não se renderá se a Operação Detenção continuar por longo tempo. É por isso que está a insistir que a Operação Detenção deve ser parada. Joaquina fez também notar que o caso do seu marido é principalmente utilizado pelos líderes para os seus próprios fins políticos.

“Não tivemos nenhum contacto nos dois últimos meses. Não voltou para casa até agora. Não tenho a certeza se está morto ou ainda vivo,” acrescentou. (STL)

Inasio Maia entrega-se: Um dos membros do grupo de Gastão Salsinha, Inasio Maia, entregou-se à polícia no sub-distrito de Hatolia depois de ter contactado directamente o antigo Comandante da Região IV, Ernesto Fernandes conhecido por ‘Dudu,’ no Domingo (16/3), no distrito de Ermera .

“Disse-me directamente que se queria render. Por isso, passei imediatamente esta informação à polícia em Ermera para o apanhar,” disse Dudu.

Dudu explicou também que Inasio decidiu entregar-se depois das forças da Operação Detenção tenterem capturá-lo. Juntamente com outros membros,ele saiu da liderança de Gastão Salsinha. (STL)

Koliati diz que métodos militares serão usados contra Salsinha e os seus homens: A Operação Detenção usará tácticas militares para forçar Salsinha e os seus homens a renderem-se.

“Se Salsinha e o seu grupo não responder aos nossos apelos repetidos, usaremos métodos militares para os levar à justiça,” disse o tenente Koliati na Sexta-feira (14/3/) em Letefoho, Ermera. (STL)

ONU apoia o povo Timorense a avançar para a justiça: O Representante Especial do Secretário-Geral em Timor-Leste, Atul Khare, disse que as Nações Unidas continuarão a apoiar o povo Timorense a avançar no seu próprio caminho para a justiça.

As declarações do Sr Khare foram feitas durante uma cerimónia onde dez juízes, procuradores e defensores públicos tomaram posse pelo Chefe da Justiça Claudio Ximenes no Tribunal de Recursos de Dili.

“Saúdo também as autoridades do Ministério da Justiça e do Centro de Formação Legal que fizeram um esforço para avançar o sistema de justiça,” disse o SRSG. (TP)

Deslocados a viverem no Farol receberam educação sexual: Para prevenir que as pessoas Timorenses contraiam o viris do HIV/AIDS, o director da ONG Hametin Timor Foun, Miguel Pinto, disse que o objectivo da workshop era partilhar a informação com os deslocados sobre como prevenir apanharem doenças sexualmente transmitíveis. (TP)

Lasama: PR Horta quer regressar a Timor-Leste : O PR interino, Fernando de Araújo ‘Lasama’, disse que Ramos-Horta quer regressar a Timor-Leste no fim do mês de Março porque quer continuar a sua vida com os Timorenses em quaisquer circunstâncias. (DN)

Xanana diz que o povo espera que a justiça seja imparcial: o Primeiro-Ministro, Xanana Gusmão, disse que o povo espera que a justiça deva ser imparcial. Fez esta declaração depois de dez juízes, procuradores e defensores públicos terem tomado posse pelo Chefe da Justiça Claudio Ximenes.

“Agradeço a todos os nossos amigos que têm estado a cooperar neste projecto, para assegurar o sucesso do curso,” disse o Primeiro-Ministro. (DN)

Chefe de Bidau Masau apela aos deslocados para regressarem a casa : O Chefe da Aldeia de Bidau Masau, Fransisco de Assis, apelou ao seu povo a viver em campos de deslocados a voltarem para casa, e assegurou-lhes que não haverá problemas parta eles voltarem a casa. “Garantirei as vidas deles se eles quiserem voltar,” disse. (STL)

Dinisio Babo pede ao Governo para implementar a Comissão de Inquérito: O Secretário-Geral do CNRT, Diinísio Babo Soares, pediu ao Governo para organizar uma Comissão de Inquérito tão rapidamente quanto possível dado que isso foi aprovado pelo parlamento. “O governo deve estabelecer uma Comissão de Inquérito para investigar a situação corrente e os ataques em 11 de Fevereiro,” disse. (STL)

Fontes de Notícias Nacionais:
Televizaun Timor-Leste (TVTL)
Radio Timor-Leste (RTL)
Timor Post (TP)
Suara Timor Lorosae (STL)
Diario Nacional (DN)

Ramos-Horta's guard released from hospital

ABC News
Posted 1 hour 11 minutes ago

Doctors say the recovery of an East Timorese soldier shot in the head during the failed assassination of President Jose Ramos-Horta is remarkable.

Lieutenant Celestino Gama was caught in the crossfire when rebels converged on Jose Ramos-Horta's compound on Dili's outskirts last month.

He was admitted a month ago with bullet fragments lodged in his brain.

Although the fragments cannot be removed, the 32-year-old soldier has made an excellent recovery and was today released from his ward at Royal Darwin Hospital.

Dr Gavin Chin says he is expected to live a mostly normal life, though the bullet wound will have a lingering effect.

"He has trouble naming objects and finding the right word. He's also got some problems with comprehension as well. The other area is he's lost sight on the right hand side of both eyes. It's called a hemiopia."

Dr Chin says his recovery, which involves motor skills exercises, has been exemplary. The soldier will remain in Darwin for rehabilitation for the next two months.


Guarda de Ramos-Horta saiu do hospital

ABC News
Postado 1 hora 11 minutos atrás

Os médicos dizem que é estraordinária a recuperação do soldado Timorense baleado na cabeça durante a tentativa falhada de assassínio do Presidente José Ramos-Horta.

O Tenente Celestino Gama foi apanhado no fogo cruzado quando os amotinados convergiram no complexo de José Ramos-Horta nos subúrbios de Dili no mês passado.

Ele foi admitido no mês passado com fragmentos de bala alojados no cérebro.

Apesar dos fragmentos não poderem ser removidos, o soldado de 32 anos fez uma excelente recuperação e saiu hoje da sua enfermaria no Royal Darwin Hospital.

O Dr Gavin Chin diz que espera que ele faça uma vida normal principalmente, apesar da ferida da bala ter um efeito prolongado.

"Ele tem dificuldades em dizer o nome dos objectos e a encontrar a palavra certa. Tem também alguns problemas com a compreensão. Uma outra coisa é ter perdido a visão do lado direito de ambos os olhos. Isso chama-se hemiopia."

O Dr Chin diz que a sua recuperação, que envolve exercícios de capacidades motoras, tem sido exemplar. O soldado ficará em Darwin para reabilitação nos dois próximos meses.

FRETILIN demands naming and action against alleged impeders of Salsinha group surrender


March 17, 2008

The FRETILIN leader in the Timor-Leste National Parliament demanded today that Timor-Leste's Prosecutor General and interim President of the Republic name and commence criminal action against persons they have publicly stated are suspected of actively impeding the surrender to authorities of former army Lieutenant Salsinha and his armed group.

Francisco Branco, reacting to media reports of statements by both the interim President Fernando de Araujo Lasama, and Prosecutor General Monteiro Longhuinos, that they suspected that a third party or parties had been actively interfering to prevent Salsinha and his armed group from surrendering since the violent incidents of 11th February, said that it was in the "national interest that they do so instead of opening up speculation, rumour mongering and confusion in our community by making vague and unsubstantiated remarks in the press.

"If there are people who are suspected of engaging in such unlawful conduct, then they should be charged and publicly named and brought before the courts. That is how it works in a state under the rule of law," added Branco.

"The whole of the FRETILIN leadership and its parliamentarians continue to give their full support to the joint F-FDTL/PNTL operation and reiterate their appeal to all Timorese, including FRETILIN members and supporters, to cooperate and assist the joint operation in every way they can to ensure the operation succeeds.

"FRETILIN also repeats its appeal to Mr. Salsinha and his armed Group to surrender forthwith to the security forces, who are presently undertaking operations against them.

Only by avoiding further violence and bloodshed will they be able to contribute to the process of seeking truth and justice in our country," Branco concluded.

Mr. Branco's calls were echoed by the Bishop of the Diocese of Baucau, Basilio do Nascimento. In local media today, the Bishop said that the Prosecutor General's public statement that third parties had been impeding Salsinha and his group from surrendering had opened the door to needless public speculation and rumour.

For further comment: Nilva Gimaraes, Media Officer, FRETILIN Parliamentary Group +670 734 0389

Jose Teixeira MP in Dili +670 728 7080


FRETILIN pede indicação de nomes e acção contra alegados impedidores da rendição do grupo
de Salsinha


Março 17, 2008

O líder da FRETILIN no Parlamento Nacional de Timor-Leste pediu hoje que o Procurador-Geral de Timor-Leste e o Presidente da República interino indiquem os nomes e o começo da acção criminal contra pessoas que eles afirmaram publicamente serem suspeitos de impedirem activamente a entrega às autoridades do antigo Tenente das forças armadas Salsinha e do seu grupo armado.

Francisco Branco, reagindo a notícias aos media de declarações de ambos o Presidente interino Fernando de Araújo Lasama, e o Procurador-Geral Monteiro Longuinhos, que suspeitavam haver uma terceira parte ou partes que tinham interferido activamente para evitar que Salsinha e o seu grupo armado se rendessem desde os incidentes violentos de 11 de Fevereiro, disse que era do "interesse nacional que o fizessem em vez de abrirem para especulações, disseminação de rumores e confusão na nossa comunidade ao fazerem observações vagas e sem substância na imprensa.”

"Se há pessoas suspeitas de se engajarem em tais comportamentos tão ilegais, então devem ser acusados e os seus nomes indicados publicamente e levados perante os tribunais. É assim que se trabalha num Estado sob o domínio da lei," acrescentou Branco.

"Toda a liderança da FRETILIN e os seus deputados continuam a dar apoio total à operação conjunta F-FDTL/PNTL e reitera o seu apelo a todos os Timorenses, incluindo os membros e os apoiantes da FRETILIN, para cooperarem e assistirem à operação conjunta de todas as maneiras que puderem para garantir que a operação tenha sucesso.

"A FRETILIN repete ainda o apelo ao Sr. Salsinha e ao seu grupo armado para se renderem imediatamente às forças de segurança, que presentemente estão a conduzir operações contra eles.

Apenas evitando mais violência e derramamento de sangue poderão eles contribuir para o processo de procurar a verdade e a justiça no nosso país," concluiu Branco.

Os apelos do Sr. Branco foram ecoados pelo Bispo da Diocese de Baucau, Basilio do Nascimento. Hoje nos media locais, o Bispo disse que a declaração pública do Procurador-Geral que terceiras partes estavam a impedir que Salsinha e o seu grupo se rendessem tinha aberto a porta para desnecessária especulação publica e rumores.

Para mais comentários: Nilva Guimarães, funcionária para os Media, Grupo Parlamentar da FRETILIN +670 734 0389

José Teixeira Deputado em Dili +670 728 7080

NGOs brace for Indonesia-E Timor report

March 14, 2008
The Age
Human rights groups are worried.

The controversial Indonesia-East Timor "truth" commission into the violence surrounding East Timor's historic 1999 vote for independence will hand down its final report within weeks.

The Commission of Truth and Friendship (CTF) will have the authority to recommend amnesties for those who perpetrated human rights abuses, but has no power to order prosecution.

It was established by the two countries in a bid to establish a "conclusive truth" about the 1999 violence to help repair relations.

Human rights groups say East Timor's ability to bring those responsible to justice will be key to the future of the country, which has a dismal past track record.

Commission co-chair Benjamin Mankoedilaga said commissioners hoped to hand over the final report to Indonesia's President Susilo Bambang Yudhoyono and wounded East Timor President Jose Ramos-Horta at a ceremony in Bali by month's end.

"But seeing the reality now, what is developing in Timor Leste, and the political business of our president Susilo Bambang Yudhoyono ... we still haven't got answer (from them)," Mankoedilaga said.

Ramos-Horta is recovering in Darwin after he was shot by assailants at his Dili home last month.
East Timor's Prime Minister Xanana Gusmao was also shot at a short time later, but escaped uninjured.

Ramos-Horta already has said he forgives rebel leader Alfredo Reinado - killed in the ambush - with whom the government had unsuccessfully tried to negotiate since his escape from a Dili prison 18 months ago on murder charges.

International Centre for Transitional Justice senior associate Galuh Wandita is concerned the upcoming CTF report could also undermine attempts to build a strong respect for the law.

"Obviously this whole policy to put aside justice for political compromise is weakening rule of law in East Timor and the CTF report could just be another step weakening the rule of law," she said.

"That's why we are very concerned. It reflects this consistent policy of the government to put aside the hard questions of justice for more immediate political gains.

"Political compromise is on one hand understandable, but on the other hand, the cost for East Timor is too (high)."

A recent ICTJ report into the CTF warned it risked becoming a "diplomatic charade" unless it delivered a strong and independent finding.

It found the truth body was "deeply flawed" and many witnesses at the public hearings had presented an "alarming version of events" from alleged perpetrators.

But Wandita was optimistic no amnesties would be recommended following lobbying from NGOs and other groups.

CTF co-chairman Mankoedilaga said the report could be controversial.

"We cannot satisfy everyone, there is the possibility (of controversy) but we are trying our hardest to (satisfy everyone)," he said.

He said the findings were unanimous among the five East Timorese and five Indonesian commissioners.

"We went through a struggle (but) there is no dissenting opinion," he said.

"This was a very interesting job for us, in any kind of job there is no smooth work.

"This is a commission formed by two countries, each of them has their own interests."


ONG's esperam pelo relatório Indonésia-Timor-Leste

Março 14, 2008
The Age
Grupos de direitos humanos estão preocupados.

A controversa comissão Indonésia-Timor-Leste da "verdade" à violência que rodeou o referendo histórico de 1999 de Timor-Leste entregará o seu relatório final dentro de semanas.

A Comissão da Verdade e Amizade (CVA) terá autoridade para recomendar amnistias para os perpetradores de abusos de direitos humanos, mas não tem poder para ordenar processamentos.

Foi estabelecida pelos dois países numa tentativa de estabelecer uma "verdade conclusiva" acerca da violência de 1999 para ajudar a reparar as relações.

Grupos de direitos humanos dizem que a capacidade de Timor-Leste para levar à justiça esses responsáveis será vital para o futuro do país, que tem um impressionante trilho histórico no passado .

O co-presidente da Comissão Benjamin Mankoedilaga disse que os comissários tinham esperança de entregar o relatório final ao Presidente da Indonésia Susilo Bambang Yudhoyono e ao ferido Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta numa cerimónia em Bali no final do mês.

"Mas vendo a realidade agora, o que se está a desenvolver em Timor-Leste, e os assuntos políticos do nosso presidente Susilo Bambang Yudhoyono ... ainda não tivemos resposta (deles)," disse Mankoedilaga.

Ramos-Horta está a recuperar em Darwin depois de ter sido baleado por assaltantes na sua casa em Dili no mês passado.
O Primeiro-Ministro de Timor-Leste Xanana Gusmão foi também alvejado pouco tempo depois, mas saiu ileso.

Ramos-Horta já disse que perdoa ao líder amotinado Alfredo Reinado – morto na emboscada – com quem sem sucesso o governo tinha tentado negociar desde que fugiu duma prisão em Dili há 18 meses atrás com acusações de homicídio.

O associado de topo do Centro Internacional para Justiça Transitória Galuh Wandita está preocupado que o relatório da CVA que aí vem possa também minar tentativas para construir um respeito forte pela lei.

"Obviamente toda esta política de pôr de lado a justiça por compromissos políticos está a enfraquecer a aplicação da lei em Timor-Leste e o relatório da CVA pode ser apenas um outro passo para enfraquecer a aplicação da lei," disse.

"É por isso que estamos muito preocupados. Isso reflecte esta política consistente do governo para pôr de lado as questões difíceis da justiça para ganhos políticos imediatos.

"Por um lado o compromisso político é compreensível, mas por outro o custo é demasiado alto para Timor-Leste."

Um relatório recente do ICTJ sobre a CVA avisou que se arriscada a transformar-se numa "charada diplomática" a não ser que saísse com uma conclusão forte e independente.

Concluiu que o corpo da verdade estava "profundamente defeituoso" e que muitas testemunhas nas audiências públicas tinham apresentado uma "versão alarmante dos eventos" de alegados perpetradores.

Mas Wandita estava optimista que não seria recomendada nenhuma amnistia depois da pressão das ONG's e doutros grupos.

O co-presidente da CVA Mankoedilaga disse que o relatória pode ser controverso.

"Não podemos satisfazer toda a gente, há a possibilidade (de controvérsia) mas estamos a tentar o nosso melhor para (satisfazer toda a gente)," disse.

Disse que as conclusões foram unânimes entre os cinco comissários Timorenses e os cinco Indonésios.

"Passámos por uma luta (mas) não há nenhuma opinião divergente," disse.

"Este foi um trabalho muito interessante para nós, em qualquer tipo de trabalho não há tarefas suaves.

"Esta é uma comissão formada por dois países, cada um deles tem os seus próprios interesses."

Rede Feto demands Church to answer claims of sexual abuse by priests

Dear Moderator,

We publish a weekly called Kla'ak. We have recently set up our on-line edition. The address is

Our names, contact details and address can be found on this website.

The article below was originally published in Tetum in this week's edition "Rede Feto Husu Dioseze Atu Responde Violensia Seksual Husi Padre". You can access the original Tetum version at

Best regards,

Kla'ak Editor
klaak_investigativu(a); (670) 735 1360; (670) 727 8247
Fatin: Rua de Moçambique, 1/IA, Palapaço-Farol, Dili, Timor-Leste (next door to La'o Hamutuk)

Rede Feto demands Church to answer claims of sexual abuse by priests
team kla'ak

A priest is alleged to have committed sexual abuse against a woman. This case was then handled through mediation outside the formal justice system. Through the mediation, the Church and the victim's family agreed on a payment of damage for the victim of US$1000. The Rede Feto (an umbrella organisation representing women's NGOs) believes that this type of issue is not only limited to Oecusse.

In October of 2005 a 23 year old woman was sexually assaulted by a priest, known only as AL. She later gave birth to a baby girl in May of 2006.

According to the victim's lawyer, this case has been forwarded to the court of law in Oecusse where AL is accused of sexual assault, which also resulted in the victim's pregnancy. However AL has denied all responsibility for his actions.

Pedro do Nascimento Noronha, the parish priest of Oecusse, confirms that AL did commit such act against two sisters. However he also says that there is no substantial evidence to prove that AL committed these acts or that the two women are in fact the victims.

"Offcourse, morally, as a priest, he has shown a bad behaviour to the members of the Church. But as a woman, and a Christian, she too should be conscious that she should not fall into temptation. If she knows that the man is a priest, why did she allow herself to make this mistake? So we should not look only at the priest's mistake," Noronha says.

However, according to the victims' mother, AL has yet to meet the victim's family and assume responsibility for his daughter, who is now a year and a half. "We have taken this case to the court with the help of a local NGO called FFSO (Fundasaun Fatu Sinai Oecusse). But it has taken a long time to get any solution. Finally in 2007 the Parish Church and AL's family called us to resolve this issue through mediation or traditional justice at Oecusse church. AL's family paid a fine of US$1000 to the victim's family," Mrs. Texeira, the victim's mother says.

Calling on both families to resolve this case had been an initiative of the Oecusse Parish prist. Noronha had been assigned by the Bishop of Dili's Diocese to help mediate between the two families. Both families reached an agreement through his mediation.

"As the victim's mother I don't want to talk about this problem too much. We are just an ordinary family without the means to do much. We have waited for too long for any results from the court. So we just follow whatever the Oecusse Parish priest asks of us, to resolve this issue through mediation. Padre Pedro also promised us that he will help us bring up this issue to the Diocese," the victim's mother says with apparent sadness.

The baby's grandmother adds that she will not try to find other ways of finding a solution to her daughter's case. The victim and her family promised the Oecusse Parish priest and AL's family that they will not proceed with this case any further although the case has been handed to the court. If they reneged on their promise, as parents of the victim, they will be fined with twice the amount they received from AL's family.

When they tried to bring the AL's case to the Diocese, Noronha said that it was no longer his responsibility but it was the Bishop's responsibility to deal with this issue. As a priest he was only asked to mediate between the two families. The victim's and AL's families have not yet met to resolve this problem at the Diocese. "I don't know about this issue and you can see the Bishop of Diocese because this is his responsibility to answer," Noronha retorts angrily.

The director of Rede Feto, Ubalda Alves, told Kla'ak that cases of sexual violence involving the priests do not occur only in Oecusse. There are other cases which take place in other districts as well. The victims, or the women involved, don't yet have enough courage to come out publicly and denounce these incidences because of shame and because the suspect is a priest. This type of attitude makes it difficult for those who work in the area of promotion of women's rights to raise these issues.

"Rede Feto has also received cases of sexual violence involving the priests in the district of Baucau but when we approached them, the victims become too afraid to speak out about their ordeals. Some went as far as moving out and moved to Indonesia. We also tried to contact some of them by phone but they are always afraid to speak out," Ubalda Alves said through an interview at Rede Feto office in Colmera.

Alves says that Rede Feto feels saddened by what the priests have committed against the women. "These types of actions violate human rights, in particular the rights of a woman. The priests should be a role model for the society. But they have become suspects of sexual violence," Alves added.

The Rede Feto, through its member organisations like Fokupers, Alola Foundation, and its partners, Pradet, JSMP and other NGOs are ready to assist the victims who want to bring up their problems.

Ubalda has also stressed that Rede Feto and its members are ready to help the victims with the provision of safe houses and counselling; legal assistance, should the victims wish to take up their cases to the courts; and providing the victims with moral support. Sexual abuse is a crime. It's not an ordinary case which should be resolved through traditional justice. "It should be handled through the court because only through the court can the victim's rights be upheld before the law," the former Fokupers activist said.

Alves stressed further that the representatives of all women's organisations have asked the Diocese to look into these cases as crimes. These cases are a threat to the priests' moral integrity. The Diocese should have firm conviction to confront these cases. They should not be silenced and swiped under the carpet.

The Diocese should not encourage the victims to be silent but it must encourage the victims and their families to take up these cases in the court of law like any ordinary citizen. Criminal cases should not be resolved by transferring the priests to other locations. This is not the way to solve these problems. "I think the Church's Canon law number 1395, Article 1 and 2, year 1395, says that if a priest is involved in a criminal case such as sexual violence, sexual abuse or other acts of violence which result in the death of another person, he has violated the 6th Commandment and he can receive suspension as well expulsion from the Church. Nevertheless we should also answer before the court of law to account for our actions," Alves says.

Alves further explains that Rede Feto's department of advocacy is determined to continue following these cases until some justice is achieved. According to Rede Feto, some members of Timor's Catholic church are still very conservative and are fearful of the priests. But Rede Feto will find ways to educate them that before the law everyone is equal.

The way that the Oecusse Parish priest, together with the families of AL and the victim, undertook this mediation without the presence of the Police and the legal councillors representing the victim through the assistance of the NGO FFSO, will raise many questions. "I don't know if they are going to resolve this issue through traditional justice or mediation because the victim's and the Parish priest's sides have not informed us" John, the director of FFSO, the group which facilitated legal assistance to the victim's family, says.

When Kla'ak tried to contact the Bishop of Dili, Mgr. Ricardo da Silva, at his office at the Câmara, for comments, Padre Apolinário Guterres, the Vicar General said that the Bishop is not, and will not be, available to speak to any journalist for the next weeks or months. "As the Vicar General I cannot comment on this issue. Only the Bishop can comment on this issue. It seems like the Bishop will not have any time to respond because he has lots of work," Guterres says.

If some priests have committed sexual assault against a women, why can't this case be brought before the court of law? Is justice only for the ordinary people in this country? Wait and see.


Rede Feto pede à Igreja para responder a queixas de abuso sexual por padres

Caro Moderador,

Publicamos um semanário chamado Kla'ak. Organizámos recentemente a nossa edição on-line . A direcção é

Os nossos nomes, detalhes para contactos e direcção podem ser encontrados neste website.
O artigo em baixo foi originalmente publicado em Tétum na edição desta semana "Rede Feto Husu Dioseze Atu Responde Violensia Seksual Husi Padre". Pode aceder à versão original em Tétum em
Melhores cumprimentos,

Kla'ak Editorklaak_investigativu(a); (670) 735 1360; (670) 727 8247Fatin: Rua de Moçambique, 1/IA, Palapaço-Farol, Dili, Timor-Leste (porta ao lado do La'o Hamutuk)
Rede Feto pede á Igreja para responder a queixas de abusos sexuais por padres team kla'ak
Foi alegado que um padre cometeu abusos sexuais contra uma mulher. Então este caso foi tratado através de mediação fora do sistema formal de justiça. Através da mediação, a Igreja e a família da vítima concordaram num pagamento de reparação à vítima de US$1000. A Rede Feto (uma organização chapéu que representa as ONG’s das mulheres) acredita que este tipo de questões não está apenas limitada a Oecusse.

Em Outubro de 2005 uma mulher de 23 anos foi sexualmente assaltada por um padre, conhecido apenas por AL. Mais tarde nasceu-lhe uma menina em Maio de 2006.

De acordo com o advogado da vítima, este caso foi enviado para o tribunal em Oecusse onde AL foi acusado de assalto sexual, que resultou também na gravidez da mulher. Contudo AL negou todas as responsabilidades pelas suas acções.

Pedro do Nascimento Noronha, o padre da paróquia de Oecusse, confirma que AL cometeu tais actos contra duas irmãs. Contudo diz também que não há evidência substancial para provar que AL cometeu esses actos ou que as duas mulheres são vítimas de facto.

"Obviamente, do ponto de vista moral, como padre, ele mostrou mau comportamento para os membros da Igreja. Mas como mulher e Cristão ele também devia ter consciência que não devia cair na tentação. Se ela sabe que o homem é padre, porque é que cometeu este erro? Assim não devemos ver isto apenas como um erro do padre," diz Noronha.

Contudo, de acordo com a mãe da vítima, AL tem de se encontrar ainda com a família da vítima e assumir a responsabilidade pela sua filha, que tem agora um ano e meio. "Trouxemos este caso para o tribunal com a ajuda duma ONG local chamada FFSO (Fundasaun Fatu Sinai Oecusse). Mas tem demorado muito tempo para obter qualquer solução. Finalmente em 2007 a Paróquia da Igreja e a família de AL chamaram-nos para resolver esta questão através da mediação ou da justiça tradicional na igreja de Oecusse. A família de AL pagou uma multa de US$1000 à família da vítima," diz a Srª. Teixeira, a mãe da vítima.

Foi uma iniciativa do padre da paróquia de Oecusse chamar ambas as famílias para resolver este caso. Noronha tinha sido nomeado pelo Bispo da Diocese de Dili para ajudar a mediar entre as duas famílias. Ambas as famílias chegaram a um acordo através da sua mediação.

"Como mãe da vítima não quero falar em demasia deste problema. Somou apenas uma família vulgar sem meios para fazer muito mais. Esperamos demasiado tempo por qualquer resultado do tribunal. Assim seguimos apenas o que o padre da Paróquia de Oecusse nos pede, para resolver este caso através da mediação. O padre Pedro prometeu também que nos ajudará a levar esta questão à Diocese," diz a mãe da vítima com aparente tristeza.

A avó da bébé acrescenta que não tentará arranjar outras maneiras para encontrar uma solução para o caso da sua filha. A vítima e a sua família prometeram ao padre da Paróquia de Oecusse e à família de AL não prosseguirem mais este caso apesar do caso ter sido entregue ao tribunal. Se eles renegarem as suas promessas, como pais da vítima, serão multados com o dobro do que receberam da família de AL.

Quando tentaram levar o caso de AL à Diocese, Noronha disse que isso já não era da sua responsabilidade mas da responsabilidade do Bispo lidar com a questão. Como padre apenas lhe foi pedido que mediasse entre as duas famílias. As famílias da vítima e de AL não se encontraram ainda para resolver este problema na Diocese. "Não sei desta questão e podem ver com o Bispo da Diocese porque é da sua responsabilidade responder," respondeu Noronha zangado.

A directora da Rede Feto, Ubalda Alves, disse a Kla'ak que casos de violência sexual envolvendo padres não ocorrem apenas em Oecusse. Há outros casos que acontecem noutros distritos também. As vítimas, ou as mulheres envolvidas, ainda não têm suficiente coragem para virem e denunciar publicamente estes incidentes por causa da vergonha e porque o suspeito é um padre.

Atitudes deste tipo criam dificuldades aos que trabalham na área da promoção dos direitos das mulheres levantarem estas questões.

"Rede Feto recebeu ainda casos de violência sexual envolvendo padres no distrito de Baucau mas quando as abordámos, as vítimas ficaram com muito medo de falar acerca dos seus sofrimentos. Algumas chegaram a mudar-se para a Indonésia. Tentámos também contactar com algumas por telefone mas têm sempre muito medo de falar," disse Ubalda Alves no decurso duma entrevista no Gabinete da Rede Feto em Colmera.

Alves diz que a Rede Feto se sente triste pelo que os padres fazem contra as mulheres. "Acções deste tipo violam os direitos humanos, em particular os direitos duma mulher. Os padres deviam ter um papel de modelo para a sociedade. Mas tornaram-se suspeitos de violência sexual," acrescentou Alves.

A Rede Feto, através das organizações membros como Fokupers, Alola Foundation, e o seu parceiro, Pradet, JSMP e outras ONG's estão prontas para assistir as vítimas que querem levantar os seus problemas.

Ubalda sublinhou também que a Rede Feto e os seus membros estão prontos para ajudar as vítimas com a provisão de casas seguras e de aconselhamento; assistência legal, caso as vítimas desejem levar os seus casos para os tribunais; e dar apoio moral às vítimas. O abuso sexual é um crime. Não é um caso vulgar que se deva resolver através da justiça tradicional. "Deve ser tratado através do tribunal porque apenas através do tribunal podem os direitos das vítimas ser garantidos pela lei," disse a antiga activista da Fokupers.

Alves sublinhou também que representantes de todas as organizações de mulheres pediras à Diocese para verem estes casos como crimes. Estes casos são uma ameaça à integridade moral dos padres. A Diocese devia ter convicções firmes para confrontar estes casos. Não deviam ser silenciados e varridos para debaixo do tapete.

A Diocese não devia encorajar as vítimas a silenciarem mas devia encorajar as vítimas e suas famílias a levarem estes casos para tribunal como com qualquer cidadão vulgar. Casos criminais não se devem resolver transferindo os padres para outros locais. Não é este o caminho para resolver estes problemas. "Penso que a lei Canónica da Igreja número 1395, Artigo 1 e 2, do ano 1395, diz que se um padre se envolver num caso criminal como a violência sexual, abuso sexual ou outros actos de violência que resultem na morte doutra pessoa, violou o 6º Mandamento e pode ser suspenso ou expulso da Igreja. Contudo deves responder também perante o tribunal para ser responsabilizado pelas suas acções," disse Alves.

Alves explicou ainda que o departamento de advocacia da Rede Feto está determinado a continuar a seguir estes casos até ser alcançada alguma justiça. De acordo com a Rede Feto, alguns membros do igreja católica de Timor são ainda muito conservadores e com medo dos padres. Mas a Rede Feto encontrará maneiras de os educar que perante a lei são todos iguais.
A maneira como o padre da Paróquia de Oecusse, juntamente com as famílias de AL e da vítima, fizeram esta mediação sem a presença da Polícia e de conselheiros legais representando a vítima através da assistência da ONG FFSO, levantará muitas questões. "Não sei se vão resolver esta questão através da justiça tradicional ou mediação porque nem o lado da vítima ou do padre da Paróquia nos informaram" diz John, o director do FFSO, o grupo que facilitou a assistência legal à família da vítima.

Quando Kla'ak tentou contactar o Bispo de Dili, Monsenhor. Ricardo da Silva, no seu gabinete na Câmara, para comentar, o Padre Apolinário Guterres, o Vigário-Geral disse que o Bispo não está e não estará disponível para falar com qualquer jornalista nas próximas semanas ou meses.

"Como Vigário-Geral não posso comentar esta questão. Apenas o Bispo pode comentar nesta questão. Parece que o Bispo não terá nenhum tempo para responder porque tem muito trabalho," diz Guterres.

Se alguns padres cometeram assaltos sexuais contra mulheres, porque é que esses casos não podem ser levados a tribunal? A justiças é apenas para as pessoas vulgares neste país? Esperem para ver.

Reinado to live on as vivid figure in Timor folklore

The Camberra Times
17 March 2008 - 8:48AM
Steven Sengstock

Amonth has passed since the death of Alfredo Reinado in a fire-fight at the home of East Timor's President Jose Ramos Horta. There has been no backlash from his supporters and in the past week many rebel soldiers have surrendered peacefully.

Nevertheless, the power Reinado might wield over the populace in death should not be underestimated.

Reinado's many admirers helped him remain at large for almost two years, and it was they who helped him to appear suddenly and unexpectedly at Ramos Horta's front door. They are the volatile, disenfranchised mass of East Timorese society who feel they can find neither voice nor representation in either the new Government of Xanana Gusmao or Mari Alkatiri's Fretilin opposition.

They are the young Timorese who, before Reinado's death, would draw you close and whisper, "Did you know Alfredo has very strong connections with the people of Manufahi? They say he's blessed with the spirit of Dom Boaventura."

Boaventura was the king, or liurai, of the Manufahi region in the rugged hills south of Dili. He died almost 100 years ago but his tenacious spirit lives on. He is the man many see as the father of East Timorese nationalism. In Timor there is an almost Arthurian sense of legend and mythology attached to his name. He is remembered as the archetypal Timorese warrior king in a country where archetypes rarely emerge from a complex cultural and ethno-linguistic puzzle.

Last year, just days before international troops launched their abortive attack on Reinado's hideout in the hills above the town of Same in Manufahi, rumours fanned out across the country that Reinado had been involved in a rare ritual ceremony. During the ceremony, presided over by Manufahi elders and described by some as a coronation, Reinado was said to have been endowed with the late Boaventura's supernatural powers.

Late in 1911, Boaventura had united many of East Timor's indigenous kingdoms in revolt against the repressive and exploitative Portuguese colonial administration. Employing guerrilla tactics akin to those used by Xanana Gusmao in the struggle against the Indonesian Army 70 years later, at one stage Boaventura came close to overrunning Dili. But the military odds were against him and ultimately he was forced back into the remote hills around Manufahi.

His resistance came to a dramatic and tragic end in August 1912. Surrounded and besieged on a mountain top, Boaventura led a courageous breakout. On horseback at the head of his warriors he plummeted towards Portuguese lines in a charge that one awestruck historian described as "a great avalanche down the side of the mountain". The warrior king escaped, but most of his estimated three thousand followers did not. They were rounded up by the colonial forces and systematically slaughtered over two nights and two days of concentrated killing.

Boaventura led a people suffering the exploitation of a colonial administration whose true authority projected little outside of Dili. Reinado, too, claimed to represent a growing population of youth and common folk disillusioned with a Government struggling to extend its judicial and administrative reach beyond the same city limits. And just as Boaventura relied on the support of influential kingdoms in central and western East Timor, Reinado and his men, too, moved freely about the same regions.

Boaventura enjoyed far less support in the east of the country, and Reinado could not venture there for fear of death. Both were known for their daring escapes and, as legend would have it, were impervious to the bullets of foreigners.

Nonetheless, Reinado's early 2007 attempt to draw parallels between his plight and that of Boaventura invited heavy criticism. Pointing to Reinado's part-Portuguese heritage, some said he was trying to appropriate a heroism and history that was not rightfully his.

Others judged it a cynical manipulation of sacred traditional beliefs and memories with the objective of winning over an ill-informed and vulnerable support base.

In fact, for many in East Timor, there will be little to lament in the passing of the fast-talking, handsome rebel leader. From the chaos of East Timor's crisis of mid-2006, the former military police major emerged as a serious embarrassment to East Timor's Government and the international forces it had invited to stabilise the country. By the time of his death Reinado had destroyed his relationships with almost all political factions, his notoriety growing with each of his anti-establishment stunts and daring escapes.

The innocent villagers who suffered from Reinado's destabilising presence in the mountainous interior will also have little to lament. Even in the western districts where Reinado was most popular, the arrogance and heavy-handedness of his men drew frequent complaints. His rebellion placed an incalculable burden on the East Timor economy, causing fear-induced delays to development projects and distracting officials from the crucial mission of rebuilding the conflict-riven nation.

Boaventura's ultimate fate has never been established. The colonial record has him facing court proceedings in the years after his rebellion but has nothing clear to say about his death. Nor did foreign bullets bring Reinado down. By all accounts his escape from last year's assault on his base in the interior city of Same was nothing short of miraculous and, in the end, it was a Timorese bodyguard and Timorese bullets that killed him.

Ultimately, only in death may Reinado find a true parallel with the warrior king. Just as the name Boaventura is revered in far more corners of the country today than he could have hoped for in his day, so the spectre has now appeared of a Reinado who, despite his failings, may live even more vividly in popular memory than he ever did in real life.

Steven Sengstock is a Masters candidate researching the history of East Timor in the Faculty of Asian Studies, ANU College of Asia and the Pacific.


Reinado vai ficar como uma figura viva do folclore de Timor

The Camberra Times
17 Março 2008 - 8:48AM
Steven Sengstock

Passou um mês desde a morte de Alfredo Reinado num tiroteio em casa do Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta. Não houve nenhum contra-golpe dos seus apoiantes e na semana passada muitos soldados amotinados renderam-se pacificamente.

Contudo o poder de Reinado pode continuar e não se deve subestimar a sua morte.

Os muitos admiradores de Reinado ajudaram-no a ficar ao largo durante quase dois anos, e foram eles que o ajudaram a aparecer subitamente e inesperadamente na porta da casa de Ramos Horta. Eles são uma massa volátil, frustrada da sociedade Timorense que sentem que não encontram nem voz nem representação quer no novo Governo de Xanana Gusmão ou na oposição da Fretilin de Mari Alkatiri.

São os jovens Timorenses que, antes da morte de Reinado, se chagavam ao pé de ti e murmuravam, "Sabia que Alfredo tem conexões muito fortes com o povo de Manufahi? Dizem que foi abençoado com o espírito de Dom Boaventura."

Boaventura foi o rei, ou liurai, da região de Manufahi nos montes rugosos a sul de Dili. Ele morreu quase há 100 anos mas o seu espírito persistente mantém-se vivo. Ele é o homem que muitos vêem como o pai do nacionalismo Timorense. Em Timor há um sentimento quase Arturiano de mitologia ligado ao seu nome. Ele é lembrado como o rei guerreiro arquétipo Timorense num país onde os arquétipos raramente emergem dum complexo puzzle cultural e etno-linguístico.

No ano passado, dias antes das tropas internacionais terem lançado o seu ataque abortado ao esconderijo de Reinado nos montes por cima da cidade de Same em Manufahi, correram rumores pelo país que Reinado tinha estado envolvido numa cerimónia ritual rara. Durante a cerimónia presidida pelos anciãos de Manufahi e descrita por alguns como de coroação, foi dito que Reinado recebeu os poderes sobrenaturais do falecido Boaventura.

No final de 1911, Boaventura uniu muitos dos reinos indígenas de Timor-Leste em revolta contra a administração colonial Portuguesa repressiva e exploradora. Empregando tácticas de guerrilha parecidas com as usadas por Xanana Gusmão na luta contra as forças armadas Indonésias 70 anos mais tarde, numa altura Boaventura esteve perto de conquistar Dili. Mas a aventura militar virou-se contra ele e finalmente foi forçado a recuar para os montes remotos à volta de Manufahi.

A sua resistência teve um fim trágico e dramático em Agosto de 1912. Cercado num topo de montanha, Boaventura liderou um ataque corajoso. Montado a cavalo à frente dos seus guerreiros mergulhou para as linhas Portuguesas num ataque que historiadores admirados descreveram como "uma grande avalanche a cair montanha abaixo". O rei guerreiro escapou, mas não escapou a maioria estimada de três mil seguidores. Foram cercados pelas forças coloniais e sistematicamente abatidos em duas noites e dois dias de assassínios concentrados.

Boaventura liderou um povo a sofrer duma administração colonial cuja autoridade pouco se projectava para além de Dili. Reinado, também, reivindicava representar uma parte crescente da juventude e do povo comum desiludida com um Governo em luta para estender o seu braço judicial e administrativo para além dos limites da mesma cidade. E tal como Boaventura contava com o apoio de reinos influentes no centro e oeste de Timor-Leste, Reinado e os seus homens também se movimentavam livremente nas mesmas regiões.

Boaventura gozava de muito menos apoio no leste do país e Reinado nem se podia aventurar até lá com medo de morte. Ambos eram conhecidos pelas fugas audaciosas, e conforme o mito, eram impermeáveis às balas de estrangeiros.

Contudo, as tentativas no princípio de 2007 de Reinado para tentar traçar um paralelismo entre a sua luta e a de Boaventura levantou críticas pesadas. Alguns, apontando para a meia herança Portuguesa de Reinado, disseram que ele estava a tentar apropriar-se dum heroismo e duma história que por direito não era sua.

Outros julgaram isso como uma manipulação cínica de crenças e memórias tradicionais sagradas com o objectivo de ganhar uma base de apoio vulnerável e mal informada.

De facto, para muitos em Timor-Leste, pouco há para lamentar pelo falecimento do líder amotinado de língua afiada e bem-parecido. Do caos da crise de meados de 2006 em Timor-Leste, o antigo major da polícia militar emergiu como um embaraço sério para o Governo de Timor-Leste e para as forças internacionais que tinha convidado para estabilizar o país. Na altura da sua morte Reinado tinha destruído as suas relações com quase todas as facções políticas, crescendo a sua fama com as suas bocas anti-institucionais e fugas atrevidas.

Os aldeões inocentes que sofreram com a presença desestabilizadora de Reinado no interior montanhoso têm também pouco a lamentar. Mesmo nos distritos do oeste onde Reinado era mais popular, a arrogância e a mão pesada dos seus homens atraiu queixas frequentes. A sua rebelião colocou um peso incalculável na economia de Timor-Leste, causando atrasos induzidos pelo medo em projectos de desenvolvimento e distraindo as entidades oficiais da missão crucial de reconstrução da nação cheia de conflitos.

Nunca se conseguir saber qual foi o destino final de Boaventura. Os arquivos coloniais têm-no a enfrentar procedimentos nos tribunais nos anos depois da rebelião mas não há nada claro sobre a sua morte. Nem foram as balas estrangeiras que derrubaram Reinado. Nem pelos relatos a sua fuga do assalto do ano passado na sua base na cidade do interior, Same, esteve sequer perto de ser milagrosa e, acabou por ser um guarda-costas Timorense e balas Timorenses que o mataram.

Finalmente, apenas na morte pode Reinado encontrar um paralelo verdadeiro com o rei guerreiro. Tal como o nome de Boaventura é reverenciado em muitos mais cantos do país do que ele alguma vez podia esperar no seu tempo, também agora apareceu um espectro de um Reinado que, apesar dos seus falhanços, pode ter mais vivacidade na memória popular do que ele teve alguma vez na vida real.

Steven Sengstock é um candidato a Mestre de investigação da história de Timor-Leste na Faculdade de Estudos Asiáticos, ANU Colégio da Ásia e Pacífico.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.